Controle biológico de_pragas

4.920 visualizações

Publicada em

Projeção e Implantação de uma Estratégia de Manejo de Habitats
Para Melhorar o Controle Biológico de Pragas em Agroecossistemas

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.920
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
268
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Controle biológico de_pragas

  1. 1. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIARDEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS ATRAVÉS DO MANEJO DE AGROECOSSISTEMAS Brasília, 2007
  2. 2. MDA - endereço www.pronaf.gov.br/daterTiragem: exemplaresREFERÊNCIA:CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS ATRAVÉS DO MANEJO DE AGROECOSSISTEMAS. Brasília: MDA,2007. 31p (Catalogação na publicação Biblioteca da EMATER/RS - ASCAR) A281 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS ATRAVÉS DO MANEJO DE AGROECOSSISTEMAS. Brasília : MDA, 2007 33 p. : il. Conteúdo: Projeto e implantação de uma estratégia de manejo de habitats para melhorar o controle biologico de pragas em Agroecossistemas / Clara Ines Nicholls e Miguel Altiere Melhorando o manejo de pragas através da saúde do solo: direcionando uma estratégia de manejo do habitat solo / Miguel A. Altieri, Luigi Ponti e Clara I. Nicholls. 1. Agroecologia. 2. Solo. 3. Praga de Planta. 4. Controle Biologico. I. Nicholls, Clara Ines. II. Altiere, Miguel A. III. Ponti, Luigi. CDU 631.588.9
  3. 3. ÍNDICE Projeção e implantação de uma estratégia de manejo de habitats para 02 melhorar o controle biológico de pragas em Agroecossistemas Por Clara Inês Nicholls e Miguel A. Altieri Melhorando o manejo de pragas através da saúde do solo: direcionando uma 17 estratégia de manejo do habitat solo Por Miguel A. Altieri, Clara Inês Nicholls e Luigi Ponti
  4. 4. APRESENTAÇÃO O Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural - DATER, da Secretaria da Agricultura Familiar - SAF do MDA, vem fazendo um esforço no sentido da formação de Agentes de Ater visando a qualificação das ações junto à agricultura familiar brasileira com base na nova Política Nacional de Ater - PNATER. Um dos pilares da PNATER é a adoção dos pricípios da Agroecologia, como eixo orientador das ações técnicas, o que tem determinado a realização de muitos eventos de capacitação além da distribuição de material didático sobre o tema. Dando continuidade a esta ação, o DATER vem apresentar dois textos de aurtores renomados na área da Agroecologia. Ambos tratam de processos que ajudam no controle ecológico de pragas a partir de formas agroecológicas de manejo de agroecossistemas. O primeiro texto, de autoria de Clara Nicholls e Miguel Altieri, informa sobre 1 estratégias de manejo da biodiversidade que contribuem para o controle biológico de APRESENTAÇÃO pragas. O segundo texto, de Miguel Altieri, Luigi Ponti e Clara Nicholls, aporta uma importante contribuição na medida em que relaciona a saúde do solo com o manejo de pragas. Esperamos que a divulgação destes textos possa ser mais uma contribuição para a implementação de agriculturas de base ecológica apoiadas nos principios da transição proposta pela Agroecologia. Brasília, janeiro de 2007. Francisco Roberto Caporal Coordenador Geral de Ater MDA / SAF / DATER
  5. 5. Projeção e Implantação de uma Estratégia de Manejo de HabitatsPara Melhorar o Controle Biológico de Pragas em Agroecossistemas Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altieri Os agricultores podem melhorar a de protegê-las.resistência e resiliência de seus cultivos Os agricultores podem melhorarpor meio do reforço de suas defesas a biodiversidade de suas terras com asintrínsecas contra pragas a pragas. Isso seguintes medidas:pode ser alcançado por duas estratégias:o aumento da biodiversidade acima e . aumento da diversidade deabaixo do solo e a melhoria da saúde do plantas, através da rotação de culturas ousolo. Este trabalho enfoca o papel da de policultivos de culturas comerciais oudiversidade de insetos benéficos nas de plantas de cobertura, na mesma área epropriedades agrícolas e formas de ao mesmo tempo;melhorar a biodiversidade funcional em . manejo da vegetação em tornoagroecossistemas, a fim de promover o dos campos para atender àscontrole biológico de insetos-praga. necessidades de organismos benéficos;A biodiversidade é crucial para as defesas . fornecimento de recursosdos cultivos: quanto mais diversificadas as suplementares aos organismos benéficos,plantas, animais e organismos do solo que como estruturas artificiais paraocuparem um sistema agrícola, maior será nidificação, alimento extra e presasa diversidade da comunidade de inimigos alternativas; 2 Projeção enaturais de pragas que a unidade de . estabelecimento de "corredores" Implantação de umaprodução poderá sustentar. Um grupo os de plantas que atraiam organismos Estratégia de Manejo de Habitats Parapredadores benéficos ingere os insetos benéficos de matas próximas ou da Melhorar o Controle Biológico de Pragasfitófagos e ácaros ou suga os líquidos vegetação natural para áreas centrais das em Agroecossistemasdeles. Outro grupo os parasitóides lavouras, hortas ou pomares;benéficos colocam seus ovos dentro dos . seleção e implantação no campoovos e/ou das larvas de pragas. Um de faixas de plantas diferentes dosterceiro grupo os organismos cultivos, cujas flores respondam àsentomopatogênicos que incluem fungos, exigências dos organismos benéficos.bactérias, vírus, protozoários enematóides fazem com que as pragas Solos saudáveis também sãofiquem fatalmente doentes ou sejam essenciais para a defesa das plantas.impedidas de se alimentar ou se Solos não-saudáveis limitam areproduzir. As plantas também formam capacidade natural dos cultivos utilizaremassociações complexas com organismos suas próprias defesas, e os deixamem torno de suas raízes, o que oferece vulneráveis a pragas potenciais. Por outroproteção contra doenças. Fungos e lado, solos saudáveis são capazes debesouros que vivem no solo podem municiar as plantas com nutrientes, quedanificar as sementes de ervas daninhas melhoram suas defesas, e de otimizar oque competem com as plantas. Além desenvolvimento das raízes e uso dadisso, a rica fauna do solo realiza papéis água. O aumento da susceptibilidade afundamentais na decomposição e pragas é geralmente reflexo da diferençasmineralização da materiais orgânicos, na saúde da planta, causadas pelo maudisponibilizando assim nutrientes para as manejo da fertilidade do solo. Muitosplantas. A biodiversidade, sob a forma de estudos mostram uma menor abundânciapolicultivos, também pode tornar as de várias pragas de insetos em sistemasplantas menos "visíveis" para as pragas; com baixo uso de insumos, e atribuem taisos cultivos crescendo em monoculturas reduções parcialmente ao menorpodem ser tão óbvios para as pragas que conteúdo de nitrogênio em cultivosas defesas das plantas não são incapazes orgânicos. Além disso, os organismos
  6. 6. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altierisaudáveispodem aumentar o aprovei- naturais, polinizadores, fauna do solo,tamento de nutrientes, liberar substâncias etc.) presentes na unidade de produção equímicas que estimulam o crescimento e no seu entorno. A biodiversidade pode seragir como antagonistas a patógenos. tão variada quanto os vários cultivos,Solos saudáveis também podem expor plantas espontâneas, artrópedes, ousementes de plantas espontâneas a um microorga-nismos envolvidos, de acordonúmero maior e mais diversificado de com fatores relacionados à localizaçãopredadores e decompositores, e a geográfica, ao clima, ao solo, além dosliberação mais lenta de nitrogênio durante humanos e socioeconômicos. Em geral, oa primavera pode atrasar a germinação grau de biodiversidade emdas plantas espontâneas com sementes agroecossistemas depende de quatropequenas que muitas vezes precisam de características principais:um grande suprimento de nitrogênio para - a diversidade da vegetação dentrogerminar e iniciar um rápido crescimento e em torno do agroecossistema;dando assim vantagem aos cultivos, que - a permanência dos vários cultivostêm sementes maiores. dentro do agroecossistema; Os agricultores podem melhorar - a intensidade do manejo;a saúde do solo: - o grau de isolamento do . diversificando as rotações de agroecossistema em relação à vegetação 3cultivos, incluindo leguminosas e natural. Projeção eforragens perenes; O grau de diversidade da Implantação de uma Estratégia de Manejo . mantendo o solo coberto durante vegetação dentro e em torno da unidade de Habitats Paratodo o ano com vegetação e/ou resíduos de produção, a quantidade de cultivos que Melhorar o Controle Biológico de Pragas das culturas; compõem a rotação, a proximidade a uma em Agroecossistemas . adicionando material orgânico de floresta, a existência de cercas vivas eorigem animal, de palhas ou de outras pastagens ou de outras formas de fontes; vegetação natural são fatores que . reduzindo a intensidade de contribuem para o nível de biodiversidadearação e gradagem, e protegendo os solos de uma unidade agrícola. da erosão e da compactação; Os componentes de biodi- . usando técnicas de manejo versidade dessas unidades podem seradequadas para fornecer nutrientes às classificados em relação ao papel que têmplantas de forma equilibrada, sem poluir a no funcionamento dos sistemas de cultivo. água. Sendo assim, a biodiversidade agrícola Quando agricultores adotam pode ser agrupada da seguintepráticas que aumentam a quantidade e maneira:diversidade de organismos acima e dentro - biota produtiva: cultivos, árvores edo solo, eles também fortalecem a animais escolhidos pelos agricultores, quecapacidade dos cultivos para tolerar têm papel determinante na biodiversidadepragas. Neste processo, os agricultores e na complexidade do agroecosistema;também aumentam a fertilidade do solo e a - biota de recursos: organismos queprodutividade dos cultivos. contribuem para a produtividade através da polinização, controle biológico, A Biodiversidade e sua Função em decomposição, etc. Unidades Agrícolas - biota destrutiva: plantas espontâneas, insetos praga, patógenos A biodiversidade em unidades microbianos, etc., que os agricultoresagrícolas se refere a todos os organismos visam reduzir através de manejo cultural.vegetais e animais (cultivos, plantas Dois componentes distintos daespontâneas, criações animais, inimigos biodiversidade podem ser reconhecidos
  7. 7. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altiericomo agroecossistemas. O primeiro biodiversidade associada também temcomponente, a biodiversidade planejada, uma função, mas é mediada pelainclui os cultivos e criações animais com biodiversidade planejada. Portanto, afinalidade produtiva no agroecossistema, biodiversidade planejada também teme que variam de acordo com o manejo de uma função indireta, ilustrada pela setainsumos e diferentes arranjos pontilhada na figura, realizada através deespaço/temporais do cultivo. O segundo sua influência sobre a biodiversidadecomponente, a biodiversidade associada, associada. Por exemplo, as árvores eminclui toda a flora e fauna do solo - sistemas agroflorestais criam sombra,herbívoros, carnívoros, decompositores, tornando possível o cultivo de espéciesetc. - que coloniza o agroecossistema a intolerantes à radiação solar direta. Apartir do ambiente circundante e que irão função direta destas árvores é, portanto,predominar no agroecossistema, criar sombra, mas com as árvores poderãodependendo de seu manejo e estrutura. O vir vespas que buscam o néctar das flores.relacionamento entre os tipos de Essas vespas podem, por sua vez, sercomponentes da biodiversidade é parasitóides naturais de pragas queilustrado na Figura 1. A biodiversidade normalmente atacam os cultivos. Asplanejada tem uma função direta, como vespas fazem parte da biodiversidadeilustrado pela seta contínua ligando a associada. As árvores então criam sombra 4caixa de biodiversidade planejada com a (função direta) e atraem vespas Projeção ecaixa de função do ecossistema. A (função indireta). Implantação de uma Estratégia de Manejo de Habitats ParaFigura 1. Relacionamentos entre vários tipos de biodiversidade e seu papel na função do Melhorar o Controle Biológico de PragasAgroecossistemas. em Agroecossistemas Manejo do Agroecossistema Biodiversidade Planejada Função do Ecossistema (ex. Regulação de pragas, ciclagem de nutrientes, etc ) Biodiversidade Biodiversidade Associada no EntornoInterações complementares entre os relações entre solo, microorganismos,vários componentes da biodiversidade plantas, insetos herbívoros e inimigostambém podem ser de natureza múltipla. naturais. De fato, o desempenho ótimoAlgumas destas interações podem ser dos agroecossistemas depende do nívelusadas para indução de efeitos positivos e de interação entre os vários componentesdiretos sobre o controle biológico de bióticos e abióticos. Ao reunir umapragas de cultivos específicos, biodiversidade funcional, ou seja, umrestabelecimento da fertilidade e/ou conjunto de organismos com interaçõesmelhoria e conservação do solo. O que têm funções-chave na unidade deaproveitamento dessas interações em produção, é possível iniciar sinergias quesituações reais envolve novas maneiras fortaleçam os processos agrícolas,de planejar e manejar agroecossistemas, prestando serviços ecológicos como arequerendo um entendimento das ativação da biologia do solo, a ciclagem
  8. 8. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altieridos nutrientes, a potencialização dos desejados da biodiversidade. Existemartrópodes e antagonistas benéficos, muitas práticas e projetos agrícolas queentre outros, todos importantes para potencializam a biodiversidade funcional,determinar a sustentabilidade dos e há outros que a afetam negativamente. Aagroecossistemas (Figura 2). idéia é aplicar as melhores práticas deEm agroecossistemas modernos, as manejo para otimizar ou recuperar o tipoevidências experimentais sugerem que a de biodiversidade, fortalecendo abiodiversidade deve ser utilizada para um sustentabilidade de agroecossistemas,melhor manejo de pragas. Vários estudos por desempenhar funções ecológicastêm demonstrado que é possível como o controle biológico de pragas, aestabilizar as comunidades de insetos dos ciclagem de nutrientes, a conservação daagroecossistemas, planejando sistemas água e do solo, etc. O papel dosde cultivo que suportem populações de agricultores e pesquisadores deverá serinimigos naturais ou que tenham efeitos promover práticas agrícolas querestritivos a pragas herbívoras. O aumentem a quantidade e diversidade defundamental é identificar o tipo de organismos que estão dentro do solo ebiodiversidade desejável para se manter sobre ele, os quais desempenhame/ou otimizar as funções ecológicas, e funções ecológicas fundamentais nosentão determinar as melhores práticas de Agroecossistemas (Figura 3). 5manejo que favoreçam os componentes Projeção e Implantação de uma Estratégia de ManejoFigura 2. Componentes, funções e estratégiaspara potencializar a biodiversidade funcional em de Habitats ParaAgroecossistemas. Melhorar o Controle Biológico de Pragas em Agroecossistemas Componentes Predadores e Micro, Macro e me Polinizadores Parasitóides Herbívoros Minhocas sofa una do solo BIODIVERSIDADE Estrutura do Solo, Decomposição, Regulação de Consumo de predação, supressão Polinização Pragas Biomassa Ciclagem de Nutrientes de doenças Funções POLICULTURA AGROFLORESTAMENTO ROTAÇÕES PLANTAS DE COBERTURA ARAGEM ZERO COMPOSTO ADUBAÇÃO VERDE Técnicas
  9. 9. Clara Ines Nicholls e Miguel A. AltieriFigura 3. Os efeitos do manejo de agroecossistemas e práticas culturais associadas sobre adiversidade de inimigos naturais e a abundância de insetos praga. Aumento da Diversidade de Espécies de Inimigos Naturais - Densidades Populacionais de Praga mais Baixa Cercas vivas, cordões de vegetação, Policultivos Rotações Plantas de Cobertura quebra ventos Diversificação do Habitat Manejo orgânico do solo Baixa perturbação do solo MANEJO DO AGROECOSSISTEMA 6 Projeção e Implantação de uma Estratégia de Manejo de Habitats Para Melhorar o Controle Biológico de Pragas Práticas Culturais Pesticidas em Agroecossistemas Aração Convencional Remoção de todas as plantas espontâneas Monocultura Fertilização Química Diminuição dos Inimigos Naturais e da Diversidade das Espécies - Aumentos das Populações de Espécie Praga Assim, uma importante estratégia Estudos demonstram quena agricultura é explorar a agricultores podem fazer com que pragascomplementaridade e sinergias que e inimigos naturais cheguem a umresultem das várias combinações de equilíbrio natural em unidades decultivos, árvores e animais em produção com grande biodiversidade.agroecossistemas detentores de arranjos Uma das maneiras mais eficientes eespaciais e temporais tais como duradouras de impedir que as pragaspolicultivos, sistemas agroflorestais e causem danos econômicos à unidade deintegrações lavoura-pecuária. Em produção é favorecer os organismossituações reais, a exploração dessas benéficos existentes ou que ocorraminterações envolve a projeção e manejo de naturalmente, dando a eles um habitatsistemas agrícolas e requer uma apropriado com fontes alternativas decompreensão das numerosas relações alimento. Um número menor deentre solo, microorganismos, plantas, organismos benéficos predadores,insetos herbívoros e inimigos naturais. parasitas e patógenos de insetos vive em monoculturas ou em áreas tratadas Controle biológico de pragas: uma rotineiramente com agrotóxicos do que em estratégia para aumentar a agroecossistemas mais diversificados,biodiversidade em unidades agrícolas onde são utilizados menos produtos
  10. 10. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altieritóxicos. Em geral, unidades de produção destacados em todo o mundo porque agrupam muitas dessas explosões demográficas de ácaros, emcaracterísticas reúnem vários fatores locais onde inseticidas químicos benéficos: eliminaram seus predadores. Ácaros - os campos são pequenos e Tetraniquídeos, por exemplo, sãocircundados por vegetação natural; geralmente muito abundantes em - os sistemas de cultivo são pomares de macieiras nos quaisdiversificados e as populações de plantas pesticidas destruíram as populações dedentro ou em torno dos campos incluem predadores naturais.plantas perenes e produtoras de flores; - os cultivos são manejados Características principais dosorganicamente ou com um mínimo de predadores artrópodes:agentes agroquímicos sintéticos; - os solos têm alto conteúdo de - Adultos e juvenis são freqüentementematéria orgânica e alta atividade biológica g e n e r a l i s ta s , e n ã o e s p e c i a l i s t a s ; - São geralmente maiores do que as suase estão sempre cobertos por matéria presas;vegetal, em decomposição ou não. - Matam ou consomem muitas presas; Fatores benéficos que ocorrem - Machos, fêmeas, juvenis e adultos podemnaturalmente, em níveis suficientes, ser predadores; 7podem eliminar boa parte das populações - Atacam presas juvenis e adultas; Projeção ede pragas. Para explorá-los de forma - Necessitam de pólen, néctar e recursos Implantação de uma Estratégia de Manejoeficaz, os agricultores devem: alimentares adicionais. de Habitats Para - identificar os organismos Melhorar o Controle Biológico de Pragas benéficos presentes; A diversidade de espécies de em Agroecossistemas - entender os ciclos biológicos predadores em agroecossistemasdeles e suas necessidades de recursos específicos pode ser impressionante. individuais. Pesquisadores têm relatado mais de 600 Com essa informação, espécies de 45 famílias de artrópodesagricultores podem desenvolver predadores nos campos de algodão doesquemas de manejo que aumentarão o estado de Arkansas e cerca de miltamanho e a diversidade dos complexos espécies nos campos de soja do estado dade inimigos naturais e diminuir os Flórida. Tal diversidade pode causarproblemas relacionados a pragas. grandes pressões reguladoras sobre pragas. Na realidade, muitos entomólogos Predadores consideram os predadores naturais, ou indígenas, como uma espécie de Unidades de produção com alta regulador do complexo praga/inimigobiodiversidade são ricas em insetos, natural, porque eles tendem a se alimentararanhas e ácaros predadores. Estes de qualquer praga existente em grandeartrópodes benéficos são predadores de quantidade. Mesmo onde os predadoresoutros insetos, ácaros e aranhas, sendo não podem forçar as populações defundamentais para o controle biológico pragas abaixo dos níveis causadores denatural. A maioria dos predadores se prejuízo econômico, eles diminuem oalimenta de maneira "generalista", crescimento populacional das pragas ematacando uma grande variedade de potencial. Em pomares de macieiras livresinsetos em diversos estágios de vida. Os de inseticidas, no Canadá, cinco espéciespredadores se encontram, principalmente, de insetos predadores de árvores foramnas ordens Coleoptera, Odonata, responsáveis por 44 a 68 por cento daNeuroptera, Hymenoptera, Diptera e mortalidade de ovos da traça da maçãHemiptera. Seus impactos têm sido (Carpocapsa pomonella).
  11. 11. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altieri Parasitóides pyrrhothea). Este sistema naturla borboleta-vespa aparentemente A maioria dos parasitóides - estabeleceu-se na alfafa irrigada a partirinsetos que matam seus hospedeiros por dos trevos nativos. parasitismo vivelivre e independentequando adultos; eles são letais e Características principais dos insetosdependentes apenas em seus estágios Parasitóides:juvenis. Os parasitóides podem serespecialistas, utilizando apenas uma - São especializados na sua escolha doespécie hospedeira ou algumas inter- hospedeirorelacionadas, ou podem ser generalistas, - São menores do que o hospedeirodesenvolvendo-se em vários tipos de - Apenas a fêmea busca um hospedeirohospedeiros. Normalmente, eles - Espécies parasitóides podem atacar oparasitam espécies maiores que eles, hospedeiro em diferentes estágios de vidaconsumindo parte ou todo o corpo do - Ovos ou larvas geralmente sãohospedeiro antes de entrar em estado de depositados dentro, sobre ou próximo aopupa dentro ou fora dele. Com sua grande hospedeirocapacidade de localizarem hospedeiros, - Juvenis permanecem sobre ou dentro doutilizando sinais químicos, até mesmo em hospedeiro; adultos vivem livremente, são 8populações esparsas, parasitóides móveis e podem ser predadores Projeção eadultos são muito mais eficientes do que ·Juvenis quase sempre matam o Implantação de uma Estratégia de Manejoos predadores em encontrar suas presas. hospedeiro de Habitats Para A maioria dos parasitóides - Adultos necessitam de pólen e néctar Melhorar o Controle Biológico de Pragasutilizados no controle biológico de insetos em Agroecossistemaspragas inclui moscas (Diptera) A potencializando insetos benéficosespecialmente da família Tachinidae e através do planejamento de unidadesvespas (Hymenoptera) das superfamílias de produção biodiversificadasChalcidoidea, Ichneumonoidea eProctotrupoidea. A diversidade dos Inimigos naturais não separasitóides está diretamente relacionada desenvolvem bem em monoculturas.à diversidade de plantas: diferentes Tratos culturais convencionais comocultivos, coberturas do solo, plantas aração e gradagem, eliminação de plantasespontâneas e vegetação adjacente espontâneas, pulverização de inseticidas,mantêm diferentes pragas, as quais, por além de colheitas têm um efeito destrutivo,sua vez, atraem seus próprios grupos de fazendo com que faltem aos sistemasparasitóides. Em monoculturas de larga excessivamente simplificados muitos dosescala, a diversidade de parasitóides é recursos essenciais para a sobrevivênciasuprimida pela simplificação vegetacional; e reprodução dos fatores benéficos.em agroecossistemas menos perturbados Para completar seus ciclos dee livres de pesticidas: não é raro encontrar vida, os inimigos naturais necessitam maisonze a quinze espécies de parasitóides do que presas e hospedeiros: eles"trabalhando firme". Em muitos casos, precisam de locais de refúgio eapenas uma ou duas espécies de alternativas para a alimentação,parasitóides dentre estes complexos hospedeiros e presas, que geralmenteprovam ser vitais para o controle biológico estão ausentes em monoculturas. Pornatural das pragas de insetos primários. exemplo, muitos parasitas adultos,Nos campos de alfafa da Califórnia, a enquanto procuram hospedeiros,vespa braconídea (Cotesia medicaginis) sustentam-se com pólen e néctar derealiza um papel chave na regulação da plantas espontâneas floridas nasl a g a r ta d a a l f a f a ( C o l i a s l e s b i a proximidades, Besouros predadores
  12. 12. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altiericomo muitos outros inimigos naturais não benéficos ao permitir que populaçõesse dispersam longe de seus refúgios de permanentes de presas alternativasinverno: o acesso ao habitat permanente oscilem abaixo do nível de dano utilizandopróximo ou dentro da lavoura, horta ou plantas, hospedeiras dessas presas, empomar, dá a eles uma vantagem sobre as torno de seus campos ou em fileiras dentroprimeiras populações de pragas. deles. No repolho, a abundância relativa Os agricultores podem minimizar de pulgões ajuda a determinar aos impactos negativos da produção efetividade dos predadores gerais queagrícola moderna, conhecendo e suprindo consomem lagartas de curuquerê-da-as necessidades biológicas dos inimigos couve. Da mesma forma, em muitasnaturais. Com esse mesmo regiões, insetos antrocóridos beneficiam-conhecimento, eles podem também se de presas alternativas quando háprojetar habitats de cultivos que sejam escassez de sua presa preferida, os tripes.mais favoráveis aos inimigos naturais. Outra estratégia potencializar os níveis do hospedeiro preferido do Melhoria dos habitats para inimigos organismo benéfico tem controlado as naturais traças (curuquerê) em cultivos de couve. Suplementadas continuamente com Para conservar e desenvolver fêmeas, populações dessa praga 9complexos ricos em inimigos naturais, os multiplicaram-se em quase dez vezes na Projeção eagricultores devem evitar práticas de primavera. Isso permitiu às populações de Implantação de uma Estratégia de Manejocultivo que prejudiquem os insetos dois de seus parasitas Trichonograma de Habitats Parabenéficos: devem substituí-las por evanescens e Apanteles rebecula Melhorar o Controle Biológico de Pragasmétodos que auxiliem a sobrevivência aumentarem rapidamente e se manterem em Agroecossistemasdeles. Um começo é a reversão das em níveis efetivos durante toda a estação.práticas prejudiciais ao controle biológico Devido a seus riscos óbvios, a estratégianatural, que incluem aplicações de deve-se restringir a situações nas quais osinseticidas, remoção da cobertura e a recursos de pólen, néctar ou presasutilização de herbicidas para remover alternativas não possam ser facilmenteplantas espontâneas. obtidos. Fornecimento de recursos Aumento da diversidade de plantas suplementares nos campos Os inimigos naturais de pragas se Ao diversificar as plantas nosbeneficiam de vários tipos de recursos agrossistemas, agricultores podemsuplementares. Na Carolina do Norte, a aumentar as condições ambientais paraconstrução de estruturas artificiais para a inimigos naturais, e assim melhorar ovespa-vermelha (Polises annularis) controle biológico de pragas. Uma maneiraintensificou sua atividade predatória sobre de fazer isso é a utilização de policultivoslagartas do algodão e do tabaco. Nos dois ou mais cultivos crescendocampos de alfafa e algodão da Califórnia, simultaneamente em grande proximidade.a aplicação de mistura de proteínas Os agricultores também podem permitirhidrolisadas, açúcar e água multiplicou por que algumas plantas espontâneasseis a ovoposição de hemerobídeos floresçam e permaneçam em níveis(Neuroptera) e aumentou as populações toleráveis ou utilizar plantas de coberturade sirfídeos predadores, joaninhas e sob pomares e vinhedos. besouros. Muitos pesquisadores têm Agricultores podem aumentar a demonstrado que aumentar a diversidadesobrevivência e reprodução de insetos de plantas e, portanto, do habitat
  13. 13. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altierifavorece a abundância e efetividade dos formar barreiras físicas a fim de reduzir ainimigos naturais. Por exemplo, em dispersão de tripes (Tripes palmi).campos de algodão com fileiras de alfafa e Na China, pesquisadoressorgo, maiores populações de inimigos trabalhando com agricultores em deznaturais têm causado uma diminuição municípios em Yumman, cobrindo umasignificativa nas pragas das plantas. No área de 5350 hectares, incentivaramestado americano da Geórgia, organismos agricultores a mudarem os sistemas debenéficos reduziram o número de pragas monoculturas de arroz para o plantio deabaixo do nível de dano econômico diversas variedades locais de arroz altomínimo no algodão cultivado em sucessão com híbridos mais baixos. Plantas altasao trevo vermelho, eliminando assim a serviram como barreira para a dispersãonecessidade de inseticidas. Em pomares de inóculos de patógenos, e, ainda, acanadenses de macieiras, as pragas potencialização da diversidade genéticaforam parasitadas de quatro a dezoito reduziu o acamamento em 94 por cento e vezes a mais quando havia uma grande aumentou as colheitas totais em 89 porquantidade de flores silvestres, em cento Depois de dois anos, concluiu-secomparação com situações em que havia que fungicidas não eram maispoucas delas. Nessa pesquisa, várias necessários.plantas espontâneas provaram ser 10essenciais para vários parasitóides. Em Manejo da vegetação em torno do Projeção evinhedos orgânicos da Califórnia, os campo Implantação de uma Estratégia de Manejopredadores generalistas e o parasita dos de Habitats Paraovos de grilos (Anagrus), que controlam os Cercas vivas e outros tipos de Melhorar o Controle Biológico de Pragasgrilos e os tripes da videira, prosperam na vegetação nas margens de campos em Agroecossistemaspresença de trigo-mourisco e girassóis. podem servir como reservatórios deQuando essas plantas de cobertura inimigos naturais. Esses habitats podemflorescem cedo, permitem que populações ser importantes abrigos de inverno para osde organismos benéficos apareçam antes predadores de pragas, além dedas pragas. Quando continuam a florescer fornecerem pólen, néctar e outrosdurante a estação de crescimento, recursos adicionais aos inimigos naturais.provêem suprimentos constantes de Muitos estudos têm demonstradopólen, néctar e presas alternativas. Assim, que artrópodes benéficos movem-se pararoçar fileiras alternadas dessas plantas de os cultivos a partir das margens doscobertura uma prática ocasionalmente campos, e o controle biológico geralmentenecessária força esses organismos é mais intenso em fileiras de plantasbenéficos a saírem dos cultivos ricos em próximas à vegetação selvagem do que norecursos e entrarem nos vinhedos. centro dos campos: Em policultivos, além do aumento - Na Alemanha, o parasitismo doevidente das espécies de plantas e da besouro Meligethes aeneus ébiodiversidade, há mudanças na aproximadamente 50 por cento maior nasdensidade e altura das plantas, e, margens dos campos do que no seuportanto, na diversidade vertical. Todas centro;essas mudanças afetam a densidade das - Em Michigan, a broca-européia-pragas e outros organismos. A do-milho nas áreas em torno dos campos écombinação de culturas de porte alto e mais susceptível ao parasitismo pelabaixo também pode afetar a dispersão de vespa icneumônide Eriborus terebrans;insetos em um sistema de cultivos. Por - Na cana-de-açúcar havaiana,exemplo, em Cuba, agricultores cultivam plantas produtoras de néctar nas margensfileiras de milho ou sorgo a cada dez de campos aumentam o número e ametros entre hortaliças ou feijoeiros, para eficiência do parasita (Lixophaga a
  14. 14. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altierisphenephori) do gorgulho da cana-de- habitats com temperatura mais estávelaçúcar. para os besouros predadores passarem o Estratégias de manejo prático inverno. Na Inglaterra, pesquisadoresderivam da compreensão destes estabeleceram "bancos de besouros",relacionamentos. Um exemplo clássico semeando montes de terra comvem da Califórnia, onde o parasita de ovos gramíneas nos centros dos campos deAnagrus epos controla o grilo das videiras cereais. Ao recriar as qualidades dasem vinhedos adjacentes aos cultivos de margens dos campos que favorecem asameixas. As ameixeiras hospedam um altas densidades de predadores invernais,grilo economicamente insignificante cujos tais bancos tiveram um impacto particularovos provêem o Anagrus com a sua única sobre o aumento das populações dealimentação e abrigo durante o inverno. Dometrias atricapillus e Tachyporus hypnorium, dois importantes predadores Criação de corredores para inimigos de pulgões de cereais. Um estudo, em naturais 1994, descobriu que os inimigos naturais abrigados nos bancos de besouros eram O cultivo de várias plantas com tão efetivos na prevenção do surgimentoflores em fileiras, que atravessam campos dos pulgões de cereais que a economiaa cada 50 a 100 metros, pode servir de com pesticidas era maior que os custos 11estradas no habitat de inimigos naturais. com trabalho e sementes necessários Projeção eInsetos benéficos podem utilizar esses para estabelecê-los. Os montes podem Implantação de uma Estratégia de Manejocorredores para circularem e se chegar a 0,4 metro de altura, 1,5 metro de de Habitats Paradispersarem para os centros dos campos. largura e 290 metros de comprimento. Melhorar o Controle Biológico de PragasEstudos europeus têm confirmado que Para efeitos mais prolongados, é em Agroecossistemasessa prática aumenta a diversidade e recomendado plantar corredores dequantidade de inimigos naturais. Quando plantas com arbustos que possuamcampos de beterraba açucareira foram período de florescimento mais longo. Nointercalados com corredores de facélia norte da Califórnia, pesquisadores ligaram(Phacelia tanacetifolia) a cada vinte ou uma floresta ciliar com o centro de umtrinta fileiras, foi intensificada a destruição grande vinhedo de monocultura usandode afídios pelas moscas da família um corredor vegetal de sessenta espéciesSyrphidae. Da mesma forma, fileiras de de plantas. Esse corredor incluía muitastrigo-mourisco e facélia em campos de espécies lenhosas e herbáceas perenes,repolho na Suíça aumentaram as florescendo durante toda a estação depopulações da vespa parasitóide que crescimento, dando aos inimigos naturaisataca o pulgão do repolho. Devido ao seu um suprimento constante de alimentoslongo período de florescimento durante o alternativos e quebrando sua dependênciaverão, a facélia também tem sido utilizada estrita de pragas da videira. Um complexocomo fonte de pólen para aumentar as de predadores entrou no vinhedo maispopulações de moscas da família cedo, circulando continuamente entre asSyrphidae em campos de cereais. Em plantas. As interações subseqüentes dagrandes campos orgânicos na Califórnia, cadeia alimentar enriqueceram asfileiras de Alyssum são comumente populações de inimigos naturais eplantadas a cada 50 a 100 metros em diminuíram os números de grilos e tripes.campos de cultivos de alface e brássicas Esses impactos foram medidos empara atrair as moscas da família Syrphidae vinhedos em extensões de 30 a 45 metrosque controlam os pulgões. a partir do corredor. Algumas espécies de gramíneaspodem ser importantes para os inimigos Seleção das flores certasnaturais, pois podem, por exemplo, criar
  15. 15. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altieri Quando se escolhem plantas com Aumento da biodiversidade - lista paraflores para atrair insetos benéficos, é agricultoresimportante também se observar otamanho e o formato das flores, pois é isso - Diversifique as atividades incluindo maisque determina quais insetos poderão ter e s p é c i e s d e p l a n ta s e a n i m a i s .acesso ao pólen e néctar das flores. Para a - Utilize rotações de cultivos de legumes emaioria dos organismos benéficos, pastagens mistas.incluindo as vespas parasitóides, as flores - Intercale cultivos ou coloque fileiras demais úteis são pequenas e relativamente outros cultivos, quando viável.abertas. Plantas das asteráceas - Misture variedades da mesma cultura.(compositae), apiaáceas (umbelliferae) e - Utilize variedades que carreguem muitospoligináceas são especialmente úteis genes ao invés de apenas um ou dois (Tabela 1). para tolerância à mesma doença. Deve-se ainda observar quando a - Enfatize cultivos de polinização aberta,flor produz pólen e néctar: o tempo dessas ao invés de híbridos, devido à suaproduções é tão importante para os adaptabilidade aos ambientes locais einimigos naturais quanto o tamanho e o maior diversidade genética.formato dela. Muitos insetos benéficos - Estabeleça cultivos de cobertura emestão ativos somente quando adultos e em pomares, vinhedos e campos de cultivo. 12períodos curtos durante o período de - Deixe faixas de vegetação nativa nas Projeção ecrescimento: eles precisam de pólen e margens dos campos. Implantação de uma Estratégia de Manejonéctar durante esses períodos ativos, - Crie corredores para vida selvagem e de Habitats Paraparticularmente no início da estação, insetos benéficos. Melhorar o Controle Biológico de Pragasquando as presas são escassas. Uma das - Implante e mantenha sistemas em Agroecossistemasmaneiras mais fáceis para os agricultores agroflorestais; quando possível, combineajudarem é estabelecer misturas de árvores e arbustos com cultivos ouplantas com tempos de florescimento criações de animais para melhorar arelativamente longos e sobrepostos. continuidade do habitat para os inimigos Estão longe de estarem naturais.completos os atuais conhecimentos sobre - Plante árvores modificadoras doquais plantas são as fontes mais úteis de microclima e plantas nativas como quebrap ó l e n , n é c t a r, h a b i t a t e o u t r a s -ventos ou cercas vivas.necessidades críticas Claramente, muitas - Disponibilize uma fonte de água paraplantas encorajam os inimigos naturais, pássaros e insetos.mas os cientistas têm muito mais a - Deixe áreas de reserva na propriedadeaprender sobre quais plantas estão como um habitat para a diversidade deassociadas a determinados organismos plantas e animais.benéficos, e como e quando disponibilizarplantas desejáveis aos organismos alvo. Estabelecimento de uma estratégia deJá que as interações benéficas ocorrem manejo de habitatem lugares específicos, a localizaçãogeográfica e o gerenciamento global da Para desenvolver um plano efetivounidade de produção são variáveis para o manejo de habitat, deve-se procurarcríticas. Na falta de recomendações obter o máximo de informações. Faça umauniversais, impossíveis de se fazer, os lista das pragas economicamente maisagricultores podem descobrir muitas importantes em sua unidade de produção.respostas investigando a utilidade de Para cada praga, tente descobrir:plantas florescentes alternativas em suas unidades de produção. - Quais são seus requisitos de alimentação e habitat;
  16. 16. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altieri- Que fatores influenciam a sua 2) TEMPO abundância;- Quando e a partir de onde ela entra no - Em geral, quando as populações de campo; o que a atrai para a cultura. pragas aparecem primeiro e quando essas- Como ela se desenvolve na cultura e populações se tornam economicamentequando de torna economicamente danosas? danosa; - Quando aparecem os predadores e- Quais são os predadores, parasitas e parasitas da praga?patógenos mais importantes; - Quando aparecem as fontes de alimento·Quais são as necessidades primárias (néctar, pólen, hospedeiros alternativos e desses organismos benéficos; presas) para os organismos benéficos,- Onde esses organismos benéficos primeiro? Quanto tempo duram?passam o inverno, quando eles aparecem - Que plantas anuais e perenes nativasno campo, de onde eles vêm, o que os podem prover essas necessidades doatrai às culturas, como eles se Habitat?desenvolvem na cultura e o que os mantém no campo; Colocando em prática a estratégia- Quando os recursos críticos doorganismo benéfico - néctar, pólen, Este trabalho apresenta algumas 13hospedeiros e presas alternativas - idéias e princípios para o planejamento e Projeção eaparecem e por quanto tempo implementação de sistemas agrícolas Implantação de uma Estratégia de Manejopermanecem disponíveis; se fontes de saudáveis e menos suscetíveis a pragas. de Habitats Paraalimentação alternativa são acessíveis Foi explicado porque reincorporar a Melhorar o Controle Biológico de Pragasnas proximidades, e, nos momentos complexidade e diversidade é o primeiro em Agroecossistemascertos, quais plantas anuais e perenes passo em direção ao manejo sustentávelnativas podem compensar lacunas de pragas, e o trabalho descreve os doiscríticas no tempo, especialmente quando pilares da saúde dos agroecossistemas há escassez de presas. (Figura 4):Informações-chave necessárias para - Fomentar habitats de cultivos quedesenvolver um plano de manejo do suportem uma fauna benéfica; habitat: - Desenvolver solos ricos em matéria orgânica e atividade microbiana.I) ECOLOGIA DE PRAGAS E ORGANIS- - Estratégias bem consideradas e bem MOS BENÉFICOS implementadas para o manejo do solo e habitat levam a populações de inimigos- Quais são as pragas economicamente naturais diversas e abundantes emboramais importantes e que exigem manejo? nem sempre suficientes. Na medida em- Quais são os predadores e parasitas que os agricultores forem desenvolvendomais importantes da praga? um sistema mais saudável e mais- Quais são as fontes primárias de resiliente a pragas em suas unidades dealimento, habitat e outros requisitos produção, eles podem se perguntar:ecológicos tanto das pragas quanto dos - Como a diversidade de espécies pode serorganismos benéficos? (De onde vem a aumentada a fim de melhorar o manejo depraga para infestar o campo, como ela é pragas e compensar os danos causadosatraída ao cultivo, e como se desenvolve por elas, além de utilizar recursos de formana cultura de interesse? De onde vêm os mais correta?organismos benéficos, como são atraídos - Como a longevidade do sistema pode serao cultivo, e como se desenvolvem na aumentada com a inclusão de plantascultura? arbóreas que capturam e re-circulam
  17. 17. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altierinutrientes que dão suporte mais suprimam plantas espontâneas e regulems u s t e n ta d o pa r a o s o r g a n i s m o s pragas e que não atrapalhem as práticas benéficos? agrícolas desejáveis. Evite conflitos- Como uma quantidade maior de matéria potenciais: na Califórnia, o plantio deorgânica pode ser adicionada para ativar a amoras pretas em torno de vinhedosbiologia do solo, aumentar a nutrição do aumenta as populações do grilo dossolo e melhorar a estrutura do solo? vinhedos, mas pode também exacerbar- Finalmente, como a paisagem pode ser populações de cigarrinhas,diversificada com mosaicos de Graphocephala atropunctata, queagroecossistemas em diferentes estágios transmitem a doença de Pierce, que matade sucessão e com quebra-ventos, cercas as videiras. Ao distribuir plantas vivas, etc? selecionadas no espaço e no tempo, Uma vez que os agricultores utilize o nível de escala, campo outenham um amplo conhecimento das paisagem, que seja mais coerente com oscaracterísticas e necessidades das resultados pretendidos. E, finalmente,pragas chave e inimigos naturais, eles mantenha as coisas simples: o plano deveestarão prontos para começar a delinear ser fácil e de baixo custo parauma estratégia de manejo de habitat implementação e manutenção, e deve serespecífica para a sua unidade de fácil de modificar, à medida que as 14produção. Escolha plantas que ofereçam necessidades mudem ou os resultados Projeção ebenefícios múltiplos por exemplo, plantas exijam mudanças. Implantação de uma Estratégia de Manejoque melhorem a fertilidade do solo, de Habitats Para Melhorar o Controle Biológico de PragasFigura 4. Pilares da saúde dos agroecossistemas em Agroecossistemas Princípios agroecológicos Desenho do agroecossistema Habitat Subterrâneo Habitat sobre a terra Manejo e diversificação Manejo e diversificação - Matéria orgânica do solo - Policultivo - Manejo de nutrientes e - Plantas de cobertura compactação - Rotações Saúde do Cultivo Saúde do Agroecossistema
  18. 18. Clara Ines Nicholls e Miguel A. Altieri Diretrizes para o planejamento de sistemas agrícolas saudáveis e resilientes a pragas- Aumente o número de espécies no tempo e no espaço com rotações de culturas,policultivos, agroflorestas e sistemas de cultivos e criações de animais.- Aumente a diversidade genética com mistura de variedades, multilinhas e germoplasmaLocal.- Conserve ou introduza inimigos naturais e antagonistas, pela melhoria do habitat ou peloaumento das introduções.- Aumente a atividade biótica do solo e melhore sua estrutura com aplicações regulares dematéria orgânica.- Melhore a reciclagem de nutrientes com leguminosas e criações animais.·Mantenha a cobertura vegetal com redução da aração, plantas de cobertura e resíduosvegetais (palhadas).- Aumente a diversidade com corredores biológicos, diversidade vegetal nas margens dosTabela 1. Plantas que atraem insetos benéficosAranha Muitos insetos Funcho, alcarávia, endro, tagetes (cravo-de-defunto), 15 hortelã Projeção e Implantação de umaÁcaro predador Ácaros manter plantios constantes Estratégia de Manejo de Habitats Para Melhorar o ControleMosca (família Syrphidae) Pulgões Plantas das famílias da cenoura (umbelífera = apiáceas Biológico de Pragas como salsa, funcho, coentro; do girassol (compostas = em Agroecossistemas asteráceas); do trigo-mourisco (poligonáceas), da família do girassol como margarida, mil-folhas, tagetes; Alyssum doce; cerejeira (Prunus ilicifolia); hortelã; carqueja.Mosca (família Tachinidae) Lagartas, pulgões de Família da cenoura (Ammi, coentro, endro, salsa, brássicas, traças, corós, broca funcho); trevo doce; Phacelia spp., Alyssum doce; trigo- das cucurbitáceas, fede-fede, mourisco; amaranto, cáscara (Rhamnus purshiana); isópodes. Heteromeles arbutifoliaBesouro (família Muitos insetos Manter plantios permanentes e algumas áreas expostasCicindelidae) de terra ou areia.Percevejo predador (Família Tripes, aranhas, ácaros, Predadores efetivos de ovos de lagarta do cartucho.Anthocoridae), grilos, gafanhotos, lagarta do Família da cenoura (Daucus carota, Phacelia spp.,(Orius spp) cartucho, pequenas lagartas, coentro, Ammi, cerefólio), família do girassol [cosmos, muitos outros insetos Layia, margaridas, mil-folhas; ervilhaca peluda; alfafa; milho; trevo vermelho; trigo-mourisco; Sambucus caerulea; salgueiros; arbustos. Manter plantios ou cercas- vivas permanentes.Nematóides parasitas Nematóides Tagetes, crisântemo, gailárdia, anileira, mamona, sorgo, tremoços, siratro, feijão-de-porcoLouva-a-deus (Mantis spp) Qualquer inseto Proteja as espécies nativas evitando pesticidas.Ácaro predador Ácaros Há muitas espécies de ácaros predadores com requisitos(Typhlodromus spp.) ecológicos, especialmente em relação à umidade e temperatura, que são específicos da espécie. Evite o uso de inseticidas. Ofereça refúgios benéficos como habitat fora do cultivo de presas/ácaros de fora do cultivo.Tripes predadores Ácaros, pulgões, tripes, traça Há muitos tipos de tripes predadores. As populações de(Família Thripidae) das frutas, mariposa de tripes predadores podem ser conservadas/mantidas botões, broca de galhos de tendo-se populações fora do cultivo de ácaros que se pessegueiro, gorgulho da alimentem de plantas (ex. ácaro vermelho europeu, ácaro alfafa, mosca branca, de duas manchas), cochonilhas, afídios, ovos de minadores, cochonilha mariposa, grilos e outros tripes.
  19. 19. Clara Ines Nicholls e Miguel A. AltieriPotó (besouro estafilinídeo) Pulgões, colêmbolas, Plantios permanentes; intercale fileiras de centeio, grãos e(Família Staphylinidae) nematóides, moscas. Alguns cultivos de cobertura, e fileiras de vegetais em são parasitas da larva da raiz decomposição; faça alguns caminhos com pedras ou do repolho plantas para prover refúgios.Mosquito-pólvora Pulgões Endro, mostarda, tomilho, trevo doce. Proteja a horta de(Aphidoletes aphidimyza) ventos fortes; disponibilize água em uma panela cheia de(Larvas são predadores cascalho.afídeos)Afídeos parasitas (Aphidius Pulgões Plantas ricas em néctar com flores pequenas (anis,matricariae e outros) alcarávia, endro, salsa, família da mostarda, trevo branco, cenoura, mil-folhas).Pecevejo assassino (Família Muitos, insetos, incluindo Plantios permanentes para abrigo (ex. cercas-vivas).Reduviidae) moscas, broca do tomate, lagartas grandesZoiudo (Geocoris spp.) Muitos insetos, incluindo Podem acumular em cultivos de cobertura de estação fria,(Família Lyagaidae) besouros/pulgas, ácaros, ovos tais como trevo alexandrino e trevo subterrâneo. Pode ser de insetos e pequenas encontrado na sanguinária comum (Polygonum lagartas. Também comem aviculare). sementes.Vespa braconídea Lagarta de cereais, lagarta do Plantas produtoras de néctar com flores pequenas(Família Braconidae) repolho, traças pequenas (alcarávia, endro, salsa, Daucus carota, funcho, mostarda, cujas larvas destroem maçãs, mariposa, broca européia do trevo branco, Phacelia spp., mil-folhas), girassol, ervilhaca, trigo-mourisco, feijão-miúdo, sanguinária 16 milho, larvas de besouros, comum, açafrão (Crocus sativus), hortelã. Projeção e Implantação de uma moscas, afídios, lagartas, Estratégia de Manejo outros insetos. de Habitats Para Melhorar o Controle"Damsel" P u l g õ e s , t r i p e s , g r i l o s , Qualquer uma da família do girassol, alfafa. Biológico de Pragas(Família Nabidae) cigarrinhas e pequenas em Agroecossistemas lagartasBesouro Lesma, caracol, traça da raiz Plantios permanentes, amaranto, trevo branco em(Família Carabidae) do repolho; algumas atacam o pomares, plantas em decomposição. besouro da batata do Colorado, mariposas e lagartas que tecem casulos em forma de tendas.Hemerobídeos (Família Insetos de corpo macio Família da cenoura (alcarávia, Phacelia spp., endro,Neuroptera) incluindo afídios, tripes, angélica), família do girassol (girassóis, dente-de-leão),(Chrysperla e Chrysopa cochonilhas, lagartas, trigo-mourisco, milho. Disponibilize água em épocasspp.) pequenos ácaros. secas.Joaninha P u l g õ e s , c o c h o n i l h a s e Uma vez que os pulgões deixem o cultivo, as joaninhas(Hippodamia spp. e outros) ácaros. também deixarão. Para reter as joaninhas ativas,(Família Coccinellidae) mantenha cultivos de cobertura ou outros hospedeiros de afídio, ou ainda presas alternativas. Família da cenoura (funcho, angélica, endro, Phacelia spp.), família do girassol (margaridas, macelinha, dente-de-leão, girassol, mil-folhas), trevo vermelho, ervilhaca peluda, grãos e gramíneas nativas, Asclepias, trigo-mourisco, centeio, Sesbania Exaltata, Quillaja saponaria, Rhamnus, Atriplex spp., Robinia pseudoacacia.Joaninha (Cryptolaemus Cochonilhas Família da cenoura (funcho, endro, angélica, tanaceto)montrouzieri) família do girassol (tango, coreópsis, girassol, mil-(Família Coccinellidae) folhas)Clara I. Nicholls e Miguel A. Altieri são pesquisadora bolsista e professor, respectivamente,na Divisão de Biologia de Insetos ESPM, Universidade da Califórnia, Berkeley.
  20. 20. Melhorando o Manejo de Pragas através da Saúde do Solo:Direcionando uma Estratégia de Manejo do Habitat Solo Miguel A. Altieri, Luigi Ponti, e Clara I. NichollsIntrodução conector. Este reconhecimento das relações entre a biota acima e abaixo da superfície do solo constitui um passo Como constatado previamente, a chave para no qual uma verdadeira novasaúde de um agroecossistema pode ser estratégia no manejo ecológico de pragasotimizada através do manejo de dois (MEP) possa ser construído.pilares: manipulação do habitat e MEP considera os habitatsincremento da fertilidade do solo (Nicholls acima e abaixo da superfície do soloand & Altieri, 2005). Este artigo foca o igualmente importantes, porque asegundo pilar, introduzindo informações intensificação das interações ecológicasdetalhadas sobre o incremento da entre solos e pragas pode prover umaqualidade da fertilidade do solo através do forma robusta e sustentável para otimizarmanejo das substâncias orgânicas e a a função total do agroecossistema (Figuraconservação da biodiversidade presente 1). A integridade do agroecossistemano solo de ecossistemas agrícolas. depende das sinergias de diversidades deTradicionalmente considerados isolados plantas e da função contínua daum do outro, componentes de comunidade microbiana suportada por umbiodiversidade acima e abaixo da solo rico em matéria orgânica (Altieri & 17 Melhorando o Manejosuperfície do solo estão agora sendo cada Nicholls, 1990). Apesar das potenciais de Pragas através davez mais inter-relacionados do que se ligações entre fertilidade do solo e Saúde do Solo: Direcionando umasupunha previamente (Wardle et al., proteção das culturas, a evolução do Estratégia de Manejo do Habitat Solo2004). De fato, a planta parece funcionar manejo integrado de pragas (MIP) e docomo um integrador dos componentes manejo integrado da fertilidade do soloabaixo e acima da superfície do solo que (MIFS) procedeu separadamente (Altieri &compõe o agroecossistema, que de outra Nicholls, 2003). Desde que muitas práticasmaneira seriam grandemente separados de manejo de solo já são conhecidas porespacialmente, com a planta como um influenciar as interações do manejo deFigura 1. Sinergismo potencial entre fertilidade do solo e manejo integrado de pragas. Biofertilizantes Culturas de Cobertura Adubação Verde Aumento da Fertilidade Cobertura do Solo do solo CompostoRotação de Culturas, etc Interações Cultura Positivas SINERGISMO Agroecossistema Saudável Saudável Diversidade de Culturas Melhor Práticas Culturais Controle de Controle Biológico Pragas Modificação do Habitat
  21. 21. Miguel A. Altieri, Luigi Ponti, e Clara I. Nichollspragas, não faz sentido ecológico Muitos pesquisadores e agricultorescontinuar com tais abordagens passaram a observar que práticas diferenciadas. saudáveis podem fortalecer mantendo o Uma nova pesquisa mostra nível alto de matéria orgânica no solo eque a habilidade de uma planta de lavoura aumentando o nível e a diversidade daem resistir ou tolerar insetos praga e macrobiota e microbiota encontrados,doenças está associado a propriedades promovendo um ambiente que, através defísicas, químicas e, mais particularmente, vários processos, apresente melhoria nabiológicas do solo. Solos com alta saúde das plantas (McGuiness,1993).quantidade de matéria orgânica e Como visto acima, a resistência ouatividade biológica geralmente exibem tolerância de plantas frente às doenças eboa fertilidade bem como complexas pragas, parece estar intimamenteredes tróficas e organismos benéficos que relacionada com as várias propriedadesprevinem infecções. De outra forma, do solo.práticas agrícolas que causam Estudos comparandoinstabilidade nutricional podem reduzir a métodos de agricultura orgânica eresistência a pragas (Magdoff & van Es, convencional, analisando os diversos2000). Adicionalmente, estudos recentes efeitos em específicas populações de 18 Melhorando o Manejomostraram como interações bióticas no pragas, nos mostram muito do que de Pragas através dasolo podem regular a estrutura e sabemos hoje em dia sobre a relação Saúde do Solo: Direcionando umafuncionalidade de comunidades acima da entre nutrição das plantas e a incidência Estratégia de Manejo do Habitat Solosuperfície do solo (Wardle et al., 2004). de pragas (Altieri & Nicholls, 2003).Conseqüentemente torna-se claro que o Contudo, as práticas que visam acomponente abaixo da superfície do solo fertilidade do solo podem estarde um agroecossistema pode ser relacionadas diretamente com a fisiologiamanejado através de um conjunto de de susceptibilidade de culturas de plantaspráticas utilizadas por agricultores a pragas, afetando em principio aorgânicos que podem aplicar um resistência da planta ao ataque destassubstancial impacto na dinâmica de pragas, e podendo também alterar a suapragas (Altieri & Nicholls, 2003). Apesar da tolerância a certos herbívoros (Barker,pressão de pragas em sistemas orgânicos 1975; Scriber, 1984). Além disso, algunsser o resultado do uso de rotações de estudos têm mostrado como a transiçãoculturas e/ou preservação de insetos do manejo orgânico do solo para o uso debenéficos esperados pela ausência de fertilizantes químicos resultam nopesticidas (Lampkin, 1990), uma nova aumento da incidência de insetos eevidencia sugere que reduzidas doenças nas plantas, gerando perdaspopulações de pragas também estão econômicas. Estudos realizados porligadas ao incremento da biologia e cientistas do USDA (Beltsville Agricultural fertilidade do solo. Research Center in Maryland) contribuem fortemente na construção das bases do conhecimento para um maior Solos Saudáveis Plantas Saudáveis entendimento da relação entre saúde da planta e fertilidade do solo (Kumar et al., O manejo da fertilidade do 2004). Esses cientistas demonstraram assolo pode diretamente reduzir a bases moleculares para o atraso dasusceptibilidade de plantas a pragas, se senescência das folhas e a tolerância àsneste caminho tiver como indicador a doenças, a partir de um experimento com"saúde da planta" (Phelan et al.,1995). cultivo alternativo de tomates tratado com
  22. 22. Miguel A. Altieri, Luigi Ponti, e Clara I. Nicholls Inimigos Naturais Herbívoros 1 Palhada 19 Melhorando o Manejo de Pragas através da Herbivoria Saúde do Solo: Direcionando uma Estratégia de Manejo do Habitat Solo Pragas Mutualismo Doenças (Rhizobium, Micorrhizae) Patógenos 6 Nutrição Antagonistas 5 Matéria orgânica do 4 solo 2 Predação 7 3 Biota do soloFigura 2. Vias complexas em que a biodiversidade acima e abaixo do solo interagem noagroecossistema: (1) restos culturais aumentam o teor de matéria orgânica MO no solo; (2) MO fornecesubstrato para micro, meso e macro biota do solo; (3) predadores reduzem o número de pragas no solo;(4) MO favorece antagonistas que reprimem o aparecimento de patógenos no solo; (5) a lentamineralização do carbono e nitrogênio ativam genes que promovem a tolerância a doenças e alongevidade das plantas, bem como o nitrogênio livre contido nos tecidos; (6) mutualistas aumentam afixação de N, absorção de P, eficiência do uso da água etc.; (7) certos invertebrados (Collembola edetritívoros) servem como alimento alternativo para inimigos naturais quando da ausência ou escassezde pragas.
  23. 23. Miguel A. Altieri, Luigi Ponti, e Clara I. Nichollscobertura orgânica de uma leguminosa, defesa da planta nas folhas. Não obstante,ervilhaca peluda (Vicia villosa) comparado como sustentado no trabalho acimaa um cultivo de tomate com tratamento citado, as interações entre ambos osconvencional com plástico preto de compartimentos (acima e abaixo do solo)polietileno. Provavelmente ganhando para são ainda mais complexos, devido aosregular a presença de metabólico C e N mecanismos subjacentes (nutrição eencontrado na cobertura orgânica, as defesa da planta) estarem tipicamenteculturas de tomate apresentaram interligados. Na verdade, a produção dediferentes expressões de genes, os quais, ambas as defesas da planta (direta efinalmente, atendendo assim uma indireta) são dependentes da absorção deutilização e mobilização mais eficiente de nutrientes pelas raízes. A evidência a favorC e N, promovendo defesa contra doenças de tais interações benéficas estáe aumentando a longevidade das culturas. crescendo.Estes estudos confirmaram que na Um estudo recente mostra que aprodução intensiva de tomates do modo atividade de organismos do solo podeconvencional, o uso de cobertura orgânica afetar o fenótipo da planta (acima do solo),oferece vantagens como alternativa aos induzindo tolerância a herbívoros efertilizantes comerciais, além disso patógenos (Blouin et al., 2005). Neste 20 Melhorando o Manejominimizam a erosão do solo e a perda de mesmo estudo, um decréscimo de 82% na de Pragas através danutrientes, aumentam a infiltração de incidência de nematóides foi Saúde do Solo: Direcionando umaágua, reduzem a perda e propiciam uma documentado quando minhocas estavam Estratégia de Manejo do Habitat Solointeração "natural" entre presentes. Mesmo que as minhocas nãoPraga-predator. afetassem diretamente o tamanho da população de nematóides, na sua presença a biomassa da raiz não foi Interações entre a Biodiversidade afetada pelos nematóides e a inibição acima e abaixo do Solo esperada da fotossíntese foi suprimida. Esta foi a primeira vez que minhocas foram As plantas desenvolvem-se em mostradas como agentes de redução dosum complexo ambiente multitrófico. efeitos de nematóides em plantasTodavia, assim como mostra um recente infestadas. Aparentemente, a presença detrabalho (Van der Putten et al., 2001), a minhocas na rizosfera induziu mudançasmaioria dos estudos multitróficos focam sistêmicas na expressão gênica da planta,quase que exclusivamente interações que levando ao aumento da atividadeocorrem acima do solo, negligenciando, fotossintética e da concentração degeralmente, o fato de que organismos clorofila nas folhas (Blouin et al., 2005).acima e abaixo do solo interagem entre si Tais achados indicam que atividades dade formas um tanto complexas (Figura 2). fauna do solo são, provavelmente, maisDiversos estudos apontam a importantes do que estudos, até entãointerdependência da dinâmica realizados, preocupados em determinarpopulacional de herbívoros que vivem no respostas individuais da planta aosolo e sobre ele, e inimigos naturais como estresse.respostas de defesa de diferentes órgãos Comunidades que estão acima doda planta (acima e abaixo do solo). Devido solo são afetadas tanto por interaçõesaos meios de defesa química da planta diretas como indiretas com a cadeia tróficacontra herbívoros e patógenos poderem de organismos do solo (Wardle et al.,interagir, a herbivoria da raiz pode 2004). Atividades alimentares destaacarretar na indução de compostos de cadeia na detritosfera estimulam a
  24. 24. Miguel A. Altieri, Luigi Ponti, e Clara I. Nichollsciclagem e absorção de nutrientes, bem fisiologicamente a planta (ex. fertilização)como o desenvolvimento da planta, e, está potencialmente ligado comdessa forma, influenciam diretamente mudanças na resistência a insetos praga.também os herbívoros. Estudos em De fato, a fertilização tem mostrado afetaragroecossistemas de arroz irrigado na todas as três categorias de resistênciaÁsia evidenciam que o acréscimo de propostas por Painter (1951): preferência,matéria orgânica em parcelas antibiose e tolerância. Ademais, respostasexperimentais auxilia populações de morfológicas óbvias de culturas adetritívoros e organismos que se fertilizantes, como mudanças na taxa dealimentam de plâncton, os quais, por sua crescimento, aceleração ou atraso navez, auxiliam na abundância de maturação, tamanho de partes da planta, epredadores generalistas acima do solo espessura ou rigidez da cutícula, podem(Settle et al., 1996). Além disso, indiretamente influenciar o sucesso deCollembola que habita o solo é muitas espécies de pragas na utilização daconsiderado importante pois constitui uma planta hospedeira. Por exemplo, Adkissonpopulação que interage como uma fonte (1958) reportou aproximadamente trêsalternativa de presas para predadores vezes mais larvas do bicudo do algodoeirocomo besouros carabídeos quando (Anthonomas grandis) em algodão 21 Melhorando o Manejopragas são escassas (Bilde et al., 2000). recebendo pesadas aplicações de de Pragas através da Por outro lado, a biota do solo fertilizantes em comparação com algodão Saúde do Solo: Direcionando umaexerce efeitos diretos nas plantas por se que não os recebeu, provavelmente Estratégia de Manejo do Habitat Soloalimentarem das raízes e formarem devido a um aumento no período derelações antagônicas ou mutualísticas crescimento do algodão resultante docom suas plantas hospedeiras (e.g., aumento de fertilizantes. Klostermeyermycorrhizae). Essas interações com (1950) observou que fertilizantesplantas influenciam não somente o nitrogenados aumentam o tamanho e adesempenho próprio das plantas coesão da palha do milho doce, o que"hospedeiras", como também de reduz os níveis de infestação da lagarta daherbívoros e, potencialmente, seus espiga (Heliothis zea). Hagen e Andersonpredadores. Vestergard et al. (2004) (1967) observaram que a influência doobservaram que interações entre afídeos zinco reduz a pubescência em folhas dee organismos da rizosfera foram milho, o que permite um subseqüenteinfluenciados pelo desenvolvimento da aumento no forrageamento por adultos daplanta e pela condição nutricional do solo. broca da raiz do milho (DiabroticaEsse estudo é um dos primeiros a virgifera).confirmar que a biota acima e abaixo do Efeitos de práticas de fertilidadesolo são capazes de interagir entre si do solo na resistência de pragas podemtendo a planta como mediador. ser mediados através de mudanças no conteúdo nutricional das culturas. ParaFertilidade do Solo e Resistência das quantidades equivalentes de nitrogênio Plantas a Pragas aplicado (47 kg/ha e 94 kg/ha), Baker (1975) descobriu que concentrações de A resistência de plantas a insetos nitrato-N em folhas de espinafre forampraga varia com a idade e o estágio de mais altas quando recebendo amôniacrescimento da planta (Slansky, 1990), nitrato do que quando recebendosugerindo que a resistência está fertilizantes orgânicos. Em um estudodiretamente ligada com a fisiologia da comparativo de agricultoresplanta. Portanto, qualquer fator que afete convencionais e orgânicos do meio leste

×