SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
HISTÓRIA DA BIOTECNOLOGIA
                     TRANSGÊNICOS
                     TERAPIA GÊNICA

Dayrla Pereira
Lediany Aguiar
   Genética é a ciência que estuda um conjunto de técnicas
    capazes de permitir a identificação, manipulação e
    multiplicação de genes dos organismos vivos.

   A partir de estudos e pesquisas ao longo dos tempos foram
    definindo técnicas especificas que com a ajuda da
    tecnologia de informação obteve um grande avanço.

   Esses estudos envolve a engenharia genética ocorrendo
    assim uma ligação importante entre eles, pois se interligam.
   A Biotecnologia é a base dos transgênicos e da
    terapia gênica.




    Está contribuindo para a melhoria da qualidade de
    vida em diversos aspectos.




   Benefícios dessa ciência podem ser notados nos
    setores das indústrias e meio alimentício e
    farmacêutico.
Biotecnologia




Terapia gênica                   Transgênicos
   Consiste na aplicação de processos biológicos no
    desenvolvimento de produtos e serviços que são
    revertidos em benefícios à sociedade através dos
    avanços promovidos em áreas tais como saúde
    humana e animal, agricultura e manejo do meio-
    ambiente.
 É utilizada desde a antiguidade, na
 produção de pães e bebidas
 fermentadas, porém este era um
 processo muito artesanal.
 Hoje ela utiliza técnicas e materiais
 de ultima geração.
 Com o aparecimento de estudos
 em microbiologia (fermentação de
 bebidas).
 Biologia molecular (cultura
  de tecidos), o conhecimento
  em manipulação de
  microorganismos e genes
  tornou possível a produção
  de diversos medicamentos e
  alimentos industrializados.
 A Insulina produzida por
  bactérias geneticamente
  modificadas e produção de
  medicamentos a partir de
  anticorpos monoclonais são
  exemplos de avanços
  biotecnológicos.
 O que é uma planta geneticamente
  modificada?
 É uma planta que recebeu, por meio da
  engenharia genética, um ou mais genes
  provenientes de um outro organismo, até mesmo
  da mesma espécie, podendo assim, ter uma
  característica nova.
 Podemos citar como produtos
  obtidos através da biotecnologia:
 Agricultura
 Mudas de plantas,
 plantas transgênicas,
 adubos e pesticidas;
 Alimentação
 Cerveja,
 vinho,
 pães e queijos.
 Indústria:
 Metais, enzimas, bio sensores, biogás, ácidos,
  etc.
 Medicamentos:
 Insulina, hormônio de crescimento e outros
 hormônios, antibióticos e vacinas.
 Meio ambiente:
 Purificação da água, tratamento do esgoto e do
  lixo.
   Cientistas identificam genes
    relacionados à enxaqueca.
   A análise mostrou que existem dois genes
    o PRDM16 e o TRPM8.
   Este último está relacionado principalmente
    aos sintomas das enxaquecas nas
    mulheres.
   Há também um terceiro gene suspeito de
    provocar dores na cabeça: o LRP1.
   Ele interage com alguns
    neurotransmissores do nosso cérebro que
    podem modular as respostas nervosas que
    promovem ou suprimem as crises de
    enxaqueca.
   Por meio de seqüenciamentos genéticos, cientistas
    podem ter descoberto a solução para as dores de
    cabeça de muitas pessoas ao redor do mundo.
    Pesquisa publicada na revista britânica Nature
    Genetics revelou que a enxaqueca está vinculada a
    um trio de genes do corpo humano.



   Para realizar a pesquisa, Markus Schürks, do Hospital
    Brigham para Mulheres, analisou os genomas de
    23.230 mulheres, das quais 5.122 sofriam de
    enxaqueca.
   No Brasil, alguns pesquisadores também já realizam
    estudos com os “medicamentos do futuro”.
   Na Universidade Estadual do Ceará, cientistas
    desenvolveram um leite especial que funciona como
    remédio para pessoas com baixa resistência
    imunológica.
   Uma cabra e um bode da raça Canindé, típica da
    caatinga, tiveram seu DNA modificado e receberam o
    gene que estimula a produção de proteínas que
    aumentam a resistência de portadores do vírus HIV e
    pacientes de câncer que tenham passado por
    radioterapia ou quimioterapia.
   Transgênicos ou OGMs são organismos
    manipulados geneticamente, de modo a fornecer
    características desejadas pelo homem.

   Possuem alterações em seu genoma realizadas
    através da tecnologia do DNA recombinante ou
    da Engenharia genética.

   Resultam do cruzamento entre espécies que
    nunca cruzariam naturalmente.
 Esses  novos genes
  introduzidos quebram a
  sequência de DNA, que
    sofre uma espécie de
   reprogramação, sendo
  capaz, por exemplo, de
 produzir um novo tipo de
substância diferente da que
     era produzida pelo
     organismo original.
   Resultados na área de transgenia
    já são alcançados desde a
    década de 70, época na qual foi
    desenvolvida a técnica do DNA
    recombinante.


   O primeiro transgênico foi a
    bactéria Escherichia coli, que
    sofreu adição de genes humanos
    para a produção de insulina na
    década de 1980.
 Dentreos organismos que podem ser
 geneticamente modificados estão eles:



 Alimentos;
 Animais;
 Microorganismos;
 Plantas;
   Os organismos geneticamente modificados, depois da fase
    laboratorial, são implantados na agricultura ou na pecuária.

   Na agricultura, por exemplo, uma técnica muito utilizada é a
    introdução de genes que conferem tolerância a herbicidas,
    promovendo assim uma maior resistência em plantas.

   A alta taxa de adoção de culturas com tais características reflete na
    satisfação dos agricultores com os produtos que oferece benefícios
    significativos como o manejo, alta produtividade e benefícios
    econômicos exemplos:
   Mamão papaia
   Milho
   Soja
   algodão
   Eles são fortalecidos contra insetos e pragas e reduzem absorção do
    óleo, durante o processo de fritura.
   Em 1997, o primeiro bovino transgênico, a
    vaca Rosie, produzia leite enriquecido com a
    proteína humana lacto albumina.

   Há pesquisas voltadas em meio a
    desenvolver técnicas para facilitar o
    desenvolvimento mais precoce dos animais.

   o desenvolvimento de animais transgênicos,
    conduz de alguma forma a dois grandes
    problemas cruciais: a eficiência e a velocidade
    com que um produto comercial pode ser
    produzido.

   Os métodos em andamento, levam à baixa
    natalidade e pouco sucesso de vida (10%)
    dos animais transgênicos. A eficiência da
    transferência nuclear é baixa e muitos
    embriões sofrem anomalias e são inviáveis.
   Nos últimos anos, também se
       descobriu que algumas
       doenças humanas são
     provocadas por deficiências
             genéticas.


        Essas Descobertas se
     intensificaram-se ainda mais
       com as novas técnicas de
        biologia molecular, que
        possibilitou a criação de
     medicamentos mais eficazes,
      bem como a otimização dos
       métodos de diagnóstico e
    tratamento de várias doenças.
Aumento     na produção de
alimentos;

Desenvolvimento   de espécies com
características desejáveis;

 Melhoria do conteúdo nutricional,
desenvolvimento de nutricênicos;

Maior resistência dos alimentos ao
armazenamento por períodos
maiores.
   Aumento dos sintomas de alergia;

   Aumento da resistência aos
    pesticidas;

   Eliminação de populações benéficas
    como abelhas, minhocas e outros
    animais e espécies de plantas;

   Aparecimento de novos vírus;

   O desconhecimento das
    consequências da utilização dos
    alimentos geneticamente alterados a
    longo prazo .
   Em 1995, foi aprovada a Lei de Biossegurança no Brasil,
    que gerou a constituição da CTNBio (Comissão Técnica
    Nacional de Biossegurança), pertencente ao MCT
    (Ministério da Ciência e Tecnologia).
    Este fato permitiu que se iniciassem os testes de campo
    com cultivos geneticamente modificados, que são hoje mais
    de 800.Transgênicos à venda.
   Testes feitos em laboratórios europeus detectaram a
    presença de transgênicos em 11 lotes de produtos vendidos
    no Brasil;
   A maioria deles contendo a soja geneticamente modificada
    Roudup Ready, da Monsanto ou com o milho transgênico
    Bt, da Novartis.
   Nestogeno, da Nestle do Brasil, fórmula infantil a base de
    leite e soja para lactentes contendo soja RR
 Meio ambiente
 Saúde publica
 Segurança e soberania alimentar
 Econômicos e Sociais
 Direitos dos consumidores e agricultores
 Responsabilidade para as gerações
 futuras
   Super bactérias:
   Há um risco teórico de que as bactérias do intestino
    humano absorvam esse gene, tornando-se resistentes aos
    antibióticos. Aí, qualquer doença, mesmo simples, pode se
    tornar um problema grave.
   Alergias:
   Para se defender de agressores, a planta produz diversas
    substâncias que podem ser tóxicas ao homem, provocando
    alergia.
   Super pragas:
   A quantidade exagerada de veneno pode, teoricamente,
    criar ervas - daninhas e insetos extremamente resistentes,
    que não poderiam mais ser combatidos pelos defensivos
    agrícolas comuns.
   Cruzamento perigoso:
   Em lugares onde há espécies agrícolas selvagens
    (como é o caso do milho no México), o pólen de um
    transgênico poderia fecundar espécies nativas,
    reduzindo a biodiversidade.

   Alvo errado:
   Acontece que essa toxina é pouco seletiva: ela pode
    atingir também espécies não-alvo, que habitam o
    milharal, mas não atacam a lavoura. O caso é crítico
    no Brasil, onde há muitas espécies desconhecidas.
   O objetivo segundo os cientistas      Por outro lado estão os
    que defendem sua                       ambientalistas e a os cientistas
    comercialização são seus               que não concordam com esses
    benefícios segundos eles:              argumentos;
   É equacionar problemas na             Eles acusam a empresa
    agricultura;                           patrocinadora,de não ter
   Criar espécies mais resistentes;       providenciado testes suficientes
                                           para comprovar,ao certo as
   Aumentar a produtividade e
                                           devidas melhorias, pondo em
    minimizando por conseqüência a
                                           risco o meio ambiente e a
    incidência de fome em países de
                                           sociedade.
    terceiro mundo.
   Em abril de 2003, foi publicado o decreto que
    regulamenta   o   direito  à   informação    dos
    consumidores quanto aos alimentos e ingredientes
    transgênicos.

   De acordo com esse decreto, todos os produtos que
    contenham mais de 1% de matéria-prima
    transgênica, devem ser comercializados, embalados
    e vendidos com um rótulo específico, que contenha o
    símbolo transgênico em destaque, junto com as
    seguintes frases: “(produto) transgênico”, ou “contém
    (matéria prima) transgênico”.
 Quarenta  anos após a descoberta da
  estrutura do DNA, James Watson e Francis
  Crick;
 concluíram a primeira etapa do
  conhecimento humano ao nível molecular;
 Permitindo a identificação genética única de
  cada indivíduo.
   O conhecimento dos genes é responsável por
    características normais ou patológicas;

   Permite a plena aplicação dos princípios da
    medicina genômica;

   modifica os procedimentos médicos no
    diagnóstico e tratamento de várias doenças;

   Dentre essas doenças se incluem a terapia
    gênica.
   Os princípios desta nova metodologia
    envolvem a introdução, no paciente
    portador de doenças genéticas ou
    outras, de genes responsáveis por
    proteínas que poderão ser benéficas.

   Em doenças causadas por mutações
    gênicas, a introdução de um gene
    normal poderá reverter o quadro
    clínico;
    uma ampla gama de outros tipos de
    doenças células geneticamente
    modificadas poderão ativar
    mecanismos de defesa naturais do
    organismo;
    podendo produzir moléculas de
    interesse terapêutico.
   A terapia gênica idealmente visaria substituir
    um gene defeituoso por um gene normal;

    O gene de interesse (também chamado de
   transgenia).

   transportado por um vetor e está contido em
    uma molécula de DNA ou RNA;

   Pode carrega ainda outros elementos
    genéticos;

   Sendo assim importantes para sua
    manutenção e expressão.
   As formas de transferência deste vetor
    contendo o gene são muito variadas.

   Algumas das formas de transferência
    utilizam vírus.

   Retrovírus, adenovírus, e os vírus
    adeno-associados.

    A avaliação do sucesso do
    procedimento envolve a análise da
    manutenção de expressão do gene
    nas células transformadas e a
    correção da doença.
 Um    dos tipos celulares mais visados pela
    terapia gênica são as células chamadas
    tronco do organismo.

 As células-tronco hematopoiéticas;
 originam todas as células do sangue;
 A introdução nelas de um gene terapêutico
 garante que muitos tipos celulares diferentes
 expressem este gene e produzam a proteína
 de interesse.
   Transferência gênica são os procedimentos que
    visam à entrada de algum material genético (na forma
    de DNA, RNA ou oligonucleotídeos) em células-alvo.
    Os agentes utilizados para esta entrada são
    conhecidos como vetores;
   vector – significando “aquele que entrega”.

   O material genético a ser utilizado em experimentos
     de transferência gênica é mais comumente
     encontrado em duas formas:

   Plasmodial;

   Viral.
   Os métodos de transferência gênica são geralmente
    divididos em três categorias:

    Físicos
    Químicos
    Biológicos

Atualmente, os métodos virais são os mais
 amplamente utilizados.
 Um dos métodos mais antigos, e com menor
 utilização prática até hoje é a micro injeção.
 Inúmeras     famílias de vírus já foram
    utilizadas como vetores de transferência
    gênica, mas grande ênfase vem sendo
    dada principalmente a quatro famílias:

 Adenovírus
 Retrovírus (incluindo os lentivírus)
 Vírus adeno-associado
 Herpes vírus.
   Os adenovírus têm uma aplicação importante na
    transferência
      de genes suicidas a tumores.

   Os retrovírus são outro grupo de importância
    bastante acentuada em estudos de terapia
    gênica.

   Sua propriedade de integração ao genoma
    hospedeiro acentua a possibilidade de garantir
    uma expressão estável do transgene.

 O procedimento de terapia gênica em seres
  humanos cujos resultados foram mais
  satisfatórios, até o presente momento
 foi realizado utilizando vetores virais
 pertencentes a esta família (Vírus da Leucemia
  Murina de Moloney)
   Os vírus adeno-associados possui integração
    sítio-específico, tropismo ampliado e ausência de
    patogenicidade.

   Os herpes vírus possuem seu tropismo bastante
    elevado por células nervosas.

   Acredita- se que a utilização destes vírus para
    procedimentos de transferência gênica em
    células do sistema nervoso seja uma alternativa
    bastante viável no futuro.
   O tratamento de doenças humanas através da
    transferência de genes foi originalmente direcionado
    para doenças hereditárias.

   Essas doenças causadas normalmente por defeitos
    em um único gene, como a fibrose cística, as
    hemofilias, hemoglobinopatias e distrofias musculares;

   Entretanto, a maioria dos experimentos clínicos de
    terapia gênica atualmente em curso está direcionada
    para o tratamento de doenças adquiridas como:

    AIDS, doenças cardiovasculares;
   diversos tipos de câncer (de mama, de próstata, de
    ovário, de pulmão e leucemias).
 Dessa     forma, ensaios
    clínicos bem-sucedidos para
    essas enfermidades;

   podem a partir dai, trazer
    benefícios a um número
    muito maior de pacientes.
   Apesar dos diversos protocolos clínicos aprovados
    para a transferência de genes em humanos;

   os benefícios reais alcançados até o momento com a
    terapia gênica são frustrantes,estão muito além das
    propostas iniciais;

   Muitas barreiras ainda necessitam ser transpostas
    para que sejam alcançados resultado satisfatórios;

   Os métodos de transferência gênica disponíveis,
    ainda que variados, são pouco eficientes e
    apresentam sérias limitações quanto ao
    direcionamento celular.
 Apesar   das atuais dificuldades e da falta de
    conhecimento em diversos tópicos;

    A continuidade da prática da terapia gênica
    irá certamente revolucionar a prevenção e o
    tratamento de diversas doenças que hoje
    assolam a humanidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'S
Biotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'SBiotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'S
Biotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'SIsnailson Pinheiro
 
Organismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - BiologiaOrganismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - BiologiaLeila Santana
 
Alimentos transgenicos
Alimentos transgenicosAlimentos transgenicos
Alimentos transgenicoslucero yovera
 
Cartilha transgenicos
Cartilha transgenicosCartilha transgenicos
Cartilha transgenicosfabio silva
 
Ficha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não useiFicha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não useiAlda Lima
 
Trabalho de CN - OGN
Trabalho de CN - OGNTrabalho de CN - OGN
Trabalho de CN - OGNRui Oliveira
 
OGM- Organismos Geneticamente Modificados
OGM- Organismos Geneticamente ModificadosOGM- Organismos Geneticamente Modificados
OGM- Organismos Geneticamente ModificadosRobson de Aguiar
 
Trabalho de Biotecnologia
Trabalho de BiotecnologiaTrabalho de Biotecnologia
Trabalho de BiotecnologiaMarcos Politelo
 
Alimentos transgênicos.
Alimentos transgênicos.Alimentos transgênicos.
Alimentos transgênicos.Nicole Gouveia
 
Genética e produção de alimentos
Genética e produção de alimentosGenética e produção de alimentos
Genética e produção de alimentosDavid Costa DC
 
alimentos transgenico
alimentos transgenicoalimentos transgenico
alimentos transgenicorosineidenf
 
Organismo geneticamente modificados: Florestas
Organismo geneticamente modificados: FlorestasOrganismo geneticamente modificados: Florestas
Organismo geneticamente modificados: FlorestasGuilherme Parmegiani
 
Powerpoint organismos transgénicos
Powerpoint    organismos transgénicosPowerpoint    organismos transgénicos
Powerpoint organismos transgénicosNuno Correia
 
Biotecnologia trangenicos
Biotecnologia trangenicosBiotecnologia trangenicos
Biotecnologia trangenicosprofvinicius
 

Mais procurados (20)

Biotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'S
Biotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'SBiotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'S
Biotecnologia - Organismos Geneticamente Modificados - OGM'S
 
Organismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - BiologiaOrganismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - Biologia
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Alimentos transgenicos
Alimentos transgenicosAlimentos transgenicos
Alimentos transgenicos
 
Cartilha transgenicos
Cartilha transgenicosCartilha transgenicos
Cartilha transgenicos
 
Parte 14
Parte 14Parte 14
Parte 14
 
Ficha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não useiFicha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não usei
 
Trabalho de CN - OGN
Trabalho de CN - OGNTrabalho de CN - OGN
Trabalho de CN - OGN
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
OGM- Organismos Geneticamente Modificados
OGM- Organismos Geneticamente ModificadosOGM- Organismos Geneticamente Modificados
OGM- Organismos Geneticamente Modificados
 
Trabalho de Biotecnologia
Trabalho de BiotecnologiaTrabalho de Biotecnologia
Trabalho de Biotecnologia
 
Alimentos transgênicos.
Alimentos transgênicos.Alimentos transgênicos.
Alimentos transgênicos.
 
Organismos transgênico.
Organismos transgênico.Organismos transgênico.
Organismos transgênico.
 
Genética e produção de alimentos
Genética e produção de alimentosGenética e produção de alimentos
Genética e produção de alimentos
 
alimentos transgenico
alimentos transgenicoalimentos transgenico
alimentos transgenico
 
Organismo geneticamente modificados: Florestas
Organismo geneticamente modificados: FlorestasOrganismo geneticamente modificados: Florestas
Organismo geneticamente modificados: Florestas
 
Powerpoint organismos transgénicos
Powerpoint    organismos transgénicosPowerpoint    organismos transgénicos
Powerpoint organismos transgénicos
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Alimentos Transgênicos
Alimentos TransgênicosAlimentos Transgênicos
Alimentos Transgênicos
 
Biotecnologia trangenicos
Biotecnologia trangenicosBiotecnologia trangenicos
Biotecnologia trangenicos
 

Destaque

Soja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do soloSoja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do soloRural Pecuária
 
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...iicabrasil
 
49 soja-transgenica-sustentavel-responsavel
49 soja-transgenica-sustentavel-responsavel49 soja-transgenica-sustentavel-responsavel
49 soja-transgenica-sustentavel-responsavelJoão Siqueira da Mata
 
Prof demetrio soja transgenica
Prof demetrio   soja transgenicaProf demetrio   soja transgenica
Prof demetrio soja transgenicaDeto - Geografia
 
Biologia molecular seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular   seminário - plantas transgênicasBiologia molecular   seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular seminário - plantas transgênicasFilho João Evangelista
 
Soja - OGM
Soja - OGMSoja - OGM
Soja - OGMBiomap
 

Destaque (7)

Soja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do soloSoja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do solo
 
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
 
49 soja-transgenica-sustentavel-responsavel
49 soja-transgenica-sustentavel-responsavel49 soja-transgenica-sustentavel-responsavel
49 soja-transgenica-sustentavel-responsavel
 
Prof demetrio soja transgenica
Prof demetrio   soja transgenicaProf demetrio   soja transgenica
Prof demetrio soja transgenica
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Biologia molecular seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular   seminário - plantas transgênicasBiologia molecular   seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular seminário - plantas transgênicas
 
Soja - OGM
Soja - OGMSoja - OGM
Soja - OGM
 

Semelhante a Universidade estadual do ceará – uece

Avanços da biotecnologia 2013
Avanços da biotecnologia 2013Avanços da biotecnologia 2013
Avanços da biotecnologia 2013UERGS
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
BiotecnologiaURCA
 
Engenharia genética
Engenharia genética Engenharia genética
Engenharia genética Rayanne Leão
 
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicosAlimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicossuzana patricia
 
Transgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticasTransgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticasGuilherme Rocha
 
Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes
Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes
Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes Francini Domingues
 
Alimentos Trangenicos
Alimentos TrangenicosAlimentos Trangenicos
Alimentos TrangenicosAnna Clara
 

Semelhante a Universidade estadual do ceará – uece (20)

Avanços da biotecnologia 2013
Avanços da biotecnologia 2013Avanços da biotecnologia 2013
Avanços da biotecnologia 2013
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Pesquisa sobre OGMs
Pesquisa sobre OGMsPesquisa sobre OGMs
Pesquisa sobre OGMs
 
Engenharia genética
Engenharia genética Engenharia genética
Engenharia genética
 
Animais tramsgênicos e clonagem, importancia para a
Animais tramsgênicos e clonagem, importancia para aAnimais tramsgênicos e clonagem, importancia para a
Animais tramsgênicos e clonagem, importancia para a
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Biotecnologia agricola
Biotecnologia agricolaBiotecnologia agricola
Biotecnologia agricola
 
Bio30
Bio30Bio30
Bio30
 
Engenharia genética
Engenharia genéticaEngenharia genética
Engenharia genética
 
Projectoace
ProjectoaceProjectoace
Projectoace
 
projectoace
projectoaceprojectoace
projectoace
 
Alimentos transgenicos
Alimentos transgenicosAlimentos transgenicos
Alimentos transgenicos
 
Avanços biotecnologia 2 C
Avanços biotecnologia  2 CAvanços biotecnologia  2 C
Avanços biotecnologia 2 C
 
Trangênicos
TrangênicosTrangênicos
Trangênicos
 
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicosAlimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
 
Transgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticasTransgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticas
 
Alimentos orgânicos
Alimentos orgânicosAlimentos orgânicos
Alimentos orgânicos
 
Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes
Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes
Trabalho desenvolvido por: Beatriz Castellano e Mayara Guedes
 
Renato e rodrigo
Renato e rodrigoRenato e rodrigo
Renato e rodrigo
 
Alimentos Trangenicos
Alimentos TrangenicosAlimentos Trangenicos
Alimentos Trangenicos
 

Universidade estadual do ceará – uece

  • 1. HISTÓRIA DA BIOTECNOLOGIA TRANSGÊNICOS TERAPIA GÊNICA Dayrla Pereira Lediany Aguiar
  • 2. Genética é a ciência que estuda um conjunto de técnicas capazes de permitir a identificação, manipulação e multiplicação de genes dos organismos vivos.  A partir de estudos e pesquisas ao longo dos tempos foram definindo técnicas especificas que com a ajuda da tecnologia de informação obteve um grande avanço.  Esses estudos envolve a engenharia genética ocorrendo assim uma ligação importante entre eles, pois se interligam.
  • 3. A Biotecnologia é a base dos transgênicos e da terapia gênica.  Está contribuindo para a melhoria da qualidade de vida em diversos aspectos.  Benefícios dessa ciência podem ser notados nos setores das indústrias e meio alimentício e farmacêutico.
  • 5.
  • 6. Consiste na aplicação de processos biológicos no desenvolvimento de produtos e serviços que são revertidos em benefícios à sociedade através dos avanços promovidos em áreas tais como saúde humana e animal, agricultura e manejo do meio- ambiente.
  • 7.  É utilizada desde a antiguidade, na produção de pães e bebidas fermentadas, porém este era um processo muito artesanal.  Hoje ela utiliza técnicas e materiais de ultima geração.  Com o aparecimento de estudos em microbiologia (fermentação de bebidas).
  • 8.  Biologia molecular (cultura de tecidos), o conhecimento em manipulação de microorganismos e genes tornou possível a produção de diversos medicamentos e alimentos industrializados.  A Insulina produzida por bactérias geneticamente modificadas e produção de medicamentos a partir de anticorpos monoclonais são exemplos de avanços biotecnológicos.
  • 9.  O que é uma planta geneticamente modificada?  É uma planta que recebeu, por meio da engenharia genética, um ou mais genes provenientes de um outro organismo, até mesmo da mesma espécie, podendo assim, ter uma característica nova.
  • 10.  Podemos citar como produtos obtidos através da biotecnologia:  Agricultura  Mudas de plantas,  plantas transgênicas,  adubos e pesticidas;  Alimentação  Cerveja,  vinho,  pães e queijos.
  • 11.  Indústria:  Metais, enzimas, bio sensores, biogás, ácidos, etc.  Medicamentos:  Insulina, hormônio de crescimento e outros  hormônios, antibióticos e vacinas.  Meio ambiente:  Purificação da água, tratamento do esgoto e do lixo.
  • 12. Cientistas identificam genes relacionados à enxaqueca.  A análise mostrou que existem dois genes o PRDM16 e o TRPM8.  Este último está relacionado principalmente aos sintomas das enxaquecas nas mulheres.  Há também um terceiro gene suspeito de provocar dores na cabeça: o LRP1.  Ele interage com alguns neurotransmissores do nosso cérebro que podem modular as respostas nervosas que promovem ou suprimem as crises de enxaqueca.
  • 13. Por meio de seqüenciamentos genéticos, cientistas podem ter descoberto a solução para as dores de cabeça de muitas pessoas ao redor do mundo. Pesquisa publicada na revista britânica Nature Genetics revelou que a enxaqueca está vinculada a um trio de genes do corpo humano.  Para realizar a pesquisa, Markus Schürks, do Hospital Brigham para Mulheres, analisou os genomas de 23.230 mulheres, das quais 5.122 sofriam de enxaqueca.
  • 14. No Brasil, alguns pesquisadores também já realizam estudos com os “medicamentos do futuro”.  Na Universidade Estadual do Ceará, cientistas desenvolveram um leite especial que funciona como remédio para pessoas com baixa resistência imunológica.  Uma cabra e um bode da raça Canindé, típica da caatinga, tiveram seu DNA modificado e receberam o gene que estimula a produção de proteínas que aumentam a resistência de portadores do vírus HIV e pacientes de câncer que tenham passado por radioterapia ou quimioterapia.
  • 15.
  • 16. Transgênicos ou OGMs são organismos manipulados geneticamente, de modo a fornecer características desejadas pelo homem.  Possuem alterações em seu genoma realizadas através da tecnologia do DNA recombinante ou da Engenharia genética.  Resultam do cruzamento entre espécies que nunca cruzariam naturalmente.
  • 17.  Esses novos genes introduzidos quebram a sequência de DNA, que sofre uma espécie de reprogramação, sendo capaz, por exemplo, de produzir um novo tipo de substância diferente da que era produzida pelo organismo original.
  • 18. Resultados na área de transgenia já são alcançados desde a década de 70, época na qual foi desenvolvida a técnica do DNA recombinante.  O primeiro transgênico foi a bactéria Escherichia coli, que sofreu adição de genes humanos para a produção de insulina na década de 1980.
  • 19.  Dentreos organismos que podem ser geneticamente modificados estão eles:  Alimentos;  Animais;  Microorganismos;  Plantas;
  • 20. Os organismos geneticamente modificados, depois da fase laboratorial, são implantados na agricultura ou na pecuária.  Na agricultura, por exemplo, uma técnica muito utilizada é a introdução de genes que conferem tolerância a herbicidas, promovendo assim uma maior resistência em plantas.  A alta taxa de adoção de culturas com tais características reflete na satisfação dos agricultores com os produtos que oferece benefícios significativos como o manejo, alta produtividade e benefícios econômicos exemplos:  Mamão papaia  Milho  Soja  algodão  Eles são fortalecidos contra insetos e pragas e reduzem absorção do óleo, durante o processo de fritura.
  • 21.
  • 22. Em 1997, o primeiro bovino transgênico, a vaca Rosie, produzia leite enriquecido com a proteína humana lacto albumina.  Há pesquisas voltadas em meio a desenvolver técnicas para facilitar o desenvolvimento mais precoce dos animais.  o desenvolvimento de animais transgênicos, conduz de alguma forma a dois grandes problemas cruciais: a eficiência e a velocidade com que um produto comercial pode ser produzido.  Os métodos em andamento, levam à baixa natalidade e pouco sucesso de vida (10%) dos animais transgênicos. A eficiência da transferência nuclear é baixa e muitos embriões sofrem anomalias e são inviáveis.
  • 23. Nos últimos anos, também se descobriu que algumas doenças humanas são provocadas por deficiências genéticas.  Essas Descobertas se intensificaram-se ainda mais com as novas técnicas de biologia molecular, que possibilitou a criação de medicamentos mais eficazes, bem como a otimização dos métodos de diagnóstico e tratamento de várias doenças.
  • 24. Aumento na produção de alimentos; Desenvolvimento de espécies com características desejáveis;  Melhoria do conteúdo nutricional, desenvolvimento de nutricênicos; Maior resistência dos alimentos ao armazenamento por períodos maiores.
  • 25. Aumento dos sintomas de alergia;  Aumento da resistência aos pesticidas;  Eliminação de populações benéficas como abelhas, minhocas e outros animais e espécies de plantas;  Aparecimento de novos vírus;  O desconhecimento das consequências da utilização dos alimentos geneticamente alterados a longo prazo .
  • 26.
  • 27. Em 1995, foi aprovada a Lei de Biossegurança no Brasil, que gerou a constituição da CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança), pertencente ao MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia).  Este fato permitiu que se iniciassem os testes de campo com cultivos geneticamente modificados, que são hoje mais de 800.Transgênicos à venda.  Testes feitos em laboratórios europeus detectaram a presença de transgênicos em 11 lotes de produtos vendidos no Brasil;  A maioria deles contendo a soja geneticamente modificada Roudup Ready, da Monsanto ou com o milho transgênico Bt, da Novartis.  Nestogeno, da Nestle do Brasil, fórmula infantil a base de leite e soja para lactentes contendo soja RR
  • 28.  Meio ambiente  Saúde publica  Segurança e soberania alimentar  Econômicos e Sociais  Direitos dos consumidores e agricultores  Responsabilidade para as gerações futuras
  • 29. Super bactérias:  Há um risco teórico de que as bactérias do intestino humano absorvam esse gene, tornando-se resistentes aos antibióticos. Aí, qualquer doença, mesmo simples, pode se tornar um problema grave.  Alergias:  Para se defender de agressores, a planta produz diversas substâncias que podem ser tóxicas ao homem, provocando alergia.  Super pragas:  A quantidade exagerada de veneno pode, teoricamente, criar ervas - daninhas e insetos extremamente resistentes, que não poderiam mais ser combatidos pelos defensivos agrícolas comuns.
  • 30. Cruzamento perigoso:  Em lugares onde há espécies agrícolas selvagens (como é o caso do milho no México), o pólen de um transgênico poderia fecundar espécies nativas, reduzindo a biodiversidade.  Alvo errado:  Acontece que essa toxina é pouco seletiva: ela pode atingir também espécies não-alvo, que habitam o milharal, mas não atacam a lavoura. O caso é crítico no Brasil, onde há muitas espécies desconhecidas.
  • 31. O objetivo segundo os cientistas  Por outro lado estão os que defendem sua ambientalistas e a os cientistas comercialização são seus que não concordam com esses benefícios segundos eles: argumentos;  É equacionar problemas na  Eles acusam a empresa agricultura; patrocinadora,de não ter  Criar espécies mais resistentes; providenciado testes suficientes para comprovar,ao certo as  Aumentar a produtividade e devidas melhorias, pondo em minimizando por conseqüência a risco o meio ambiente e a incidência de fome em países de sociedade. terceiro mundo.
  • 32. Em abril de 2003, foi publicado o decreto que regulamenta o direito à informação dos consumidores quanto aos alimentos e ingredientes transgênicos.  De acordo com esse decreto, todos os produtos que contenham mais de 1% de matéria-prima transgênica, devem ser comercializados, embalados e vendidos com um rótulo específico, que contenha o símbolo transgênico em destaque, junto com as seguintes frases: “(produto) transgênico”, ou “contém (matéria prima) transgênico”.
  • 33.
  • 34.  Quarenta anos após a descoberta da estrutura do DNA, James Watson e Francis Crick;  concluíram a primeira etapa do conhecimento humano ao nível molecular;  Permitindo a identificação genética única de cada indivíduo.
  • 35. O conhecimento dos genes é responsável por características normais ou patológicas;  Permite a plena aplicação dos princípios da medicina genômica;  modifica os procedimentos médicos no diagnóstico e tratamento de várias doenças;  Dentre essas doenças se incluem a terapia gênica.
  • 36. Os princípios desta nova metodologia envolvem a introdução, no paciente portador de doenças genéticas ou outras, de genes responsáveis por proteínas que poderão ser benéficas.  Em doenças causadas por mutações gênicas, a introdução de um gene normal poderá reverter o quadro clínico;  uma ampla gama de outros tipos de doenças células geneticamente modificadas poderão ativar mecanismos de defesa naturais do organismo;  podendo produzir moléculas de interesse terapêutico.
  • 37. A terapia gênica idealmente visaria substituir um gene defeituoso por um gene normal;  O gene de interesse (também chamado de  transgenia).  transportado por um vetor e está contido em uma molécula de DNA ou RNA;  Pode carrega ainda outros elementos genéticos;  Sendo assim importantes para sua manutenção e expressão.
  • 38. As formas de transferência deste vetor contendo o gene são muito variadas.  Algumas das formas de transferência utilizam vírus.  Retrovírus, adenovírus, e os vírus adeno-associados.  A avaliação do sucesso do procedimento envolve a análise da manutenção de expressão do gene nas células transformadas e a correção da doença.
  • 39.  Um dos tipos celulares mais visados pela terapia gênica são as células chamadas tronco do organismo.  As células-tronco hematopoiéticas;  originam todas as células do sangue;  A introdução nelas de um gene terapêutico garante que muitos tipos celulares diferentes expressem este gene e produzam a proteína de interesse.
  • 40. Transferência gênica são os procedimentos que visam à entrada de algum material genético (na forma de DNA, RNA ou oligonucleotídeos) em células-alvo.  Os agentes utilizados para esta entrada são conhecidos como vetores;  vector – significando “aquele que entrega”.  O material genético a ser utilizado em experimentos de transferência gênica é mais comumente encontrado em duas formas:  Plasmodial;  Viral.
  • 41. Os métodos de transferência gênica são geralmente divididos em três categorias:  Físicos  Químicos  Biológicos Atualmente, os métodos virais são os mais amplamente utilizados.  Um dos métodos mais antigos, e com menor utilização prática até hoje é a micro injeção.
  • 42.  Inúmeras famílias de vírus já foram utilizadas como vetores de transferência gênica, mas grande ênfase vem sendo dada principalmente a quatro famílias:  Adenovírus  Retrovírus (incluindo os lentivírus)  Vírus adeno-associado  Herpes vírus.
  • 43. Os adenovírus têm uma aplicação importante na transferência de genes suicidas a tumores.  Os retrovírus são outro grupo de importância bastante acentuada em estudos de terapia gênica.  Sua propriedade de integração ao genoma hospedeiro acentua a possibilidade de garantir uma expressão estável do transgene.  O procedimento de terapia gênica em seres humanos cujos resultados foram mais satisfatórios, até o presente momento  foi realizado utilizando vetores virais  pertencentes a esta família (Vírus da Leucemia Murina de Moloney)
  • 44. Os vírus adeno-associados possui integração sítio-específico, tropismo ampliado e ausência de patogenicidade.  Os herpes vírus possuem seu tropismo bastante elevado por células nervosas.  Acredita- se que a utilização destes vírus para procedimentos de transferência gênica em células do sistema nervoso seja uma alternativa bastante viável no futuro.
  • 45. O tratamento de doenças humanas através da transferência de genes foi originalmente direcionado para doenças hereditárias.  Essas doenças causadas normalmente por defeitos em um único gene, como a fibrose cística, as hemofilias, hemoglobinopatias e distrofias musculares;  Entretanto, a maioria dos experimentos clínicos de terapia gênica atualmente em curso está direcionada para o tratamento de doenças adquiridas como:  AIDS, doenças cardiovasculares;  diversos tipos de câncer (de mama, de próstata, de ovário, de pulmão e leucemias).
  • 46.  Dessa forma, ensaios clínicos bem-sucedidos para essas enfermidades;  podem a partir dai, trazer benefícios a um número muito maior de pacientes.
  • 47. Apesar dos diversos protocolos clínicos aprovados para a transferência de genes em humanos;  os benefícios reais alcançados até o momento com a terapia gênica são frustrantes,estão muito além das propostas iniciais;  Muitas barreiras ainda necessitam ser transpostas para que sejam alcançados resultado satisfatórios;  Os métodos de transferência gênica disponíveis, ainda que variados, são pouco eficientes e apresentam sérias limitações quanto ao direcionamento celular.
  • 48.  Apesar das atuais dificuldades e da falta de conhecimento em diversos tópicos;  A continuidade da prática da terapia gênica irá certamente revolucionar a prevenção e o tratamento de diversas doenças que hoje assolam a humanidade.