SlideShare uma empresa Scribd logo
CRUZAMENTO DE PLANTAS E CRIAÇÃO DE ANIMAIS Biologia 12º (Organismos Transgénicos) Nuno Correia
Organismos Transgénicos A tecnologia do DNA recombinante torna possível a manipulação do genoma de plantas e animais utilizados na alimentação humana, com determinados objectivos, como os seguintes : Melhoramento das propriedades nutritivas. Aumento da produção de leite, carne, etc. Aumento da resistência a pragas. Tolerância a condições ambientais adversas. Resistência a herbicidas. Alteração da maturação dos frutos. Nuno Correia
as empresas multinacionais que hoje dominam a produção de transgénicos eram originalmente especializadas em produtos químicos e farmacêuticos, muitas delas, como a Monsanto, produtoras de insecticidas, herbicidas e fungicidas.  Seu objectivo na pesquisa de transgénicos é, muitas vezes, favorecer a venda de seus próprios agrotóxicos. A soja Roundup Ready foi desenvolvida para ser resistente ao herbicida Roundup, sendo que ambos são produzidos pela Monsanto.  Este tipo de empresa se preocupa mais com os lucros de seus accionistas do que com o interesse público e, para garantir o emprego de suas poderosas e perigosas armas tecnológicas, conta com a subserviência dos poderes públicos.  Nuno Correia
As plantas transgénicas são fáceis de obter porque possuem um ciclo de vida curto, produzem uma descendência numerosa e têm grande capacidade de regeneração. Nuno Correia
Na transformação genética das plantas é frequente a utilização como vector do plasmídeo de  Agrobacterium tumefaciens . Esta espécie de bactéria vive no solo e infecta as plantas causando tumores. Nuno Correia
Nuno Correia Bananas have potential to become the world's first edible vaccine due to  Agrobacterium . An edible vaccine doesn't need sterile syringes, costly refrigeration, or multiple injections. According to the World Health Organization (WHO), more than 2 million children die worldwide each year from diarrhea that can be prevented easily with vaccines.
Esta espécie de bactéria vive no solo e infecta as plantas, causando tumores. A capacidade infecciosa reside no gene do plasmídio Ti. O plasmídio Ti pode ser manipulado de modo a substituir o oncogene por um gene com interesse que é transferido para a planta. Em plantas que não são infectadas por  Agrobacterium tumefaciens , a introdução de DNA exógeno em protoplastos ou o bombardeamento de partículas também tem bons resultados. Nuno Correia
Nuno Correia
Bombardeamento de partículas O bombardeamento de partículas foi desenvolvido com o objectivo de transformar cereais, como o trigo, que não são infectados por  Agrobacterium . Nuno Correia
Esta técnica recorre a um aparelho, que permite disparar, sobre as células ou tecidos vegetais, minúsculas esferas de metal revestidas com DNA. Desta forma, as micropartículas atravessam a parede celular, introduzindo  o DNA no núcleo de algumas células. Nuno Correia
Nuno Correia
Nuno Correia
Nuno Correia
Alteração na maturação dos frutos O primeiro organismo geneticamente modificado (OGM) aprovado para ser comercializado e utilizado na alimentação humana foi um tomate transgénico denominado  Flavr Savr (j).  Esta variedade de tomate foi transformada de forma a não amolecer durante o processo de amadurecimento (evitando, desta forma, elevadas perdas durante o transporte e armazenamento). Para além disso, esta variedade de tomate foi modificada, também, de forma a produzir menos de 10% do nível normal da enzima poligalacturonase (uma das principais enzimas responsáveis pela degradação das paredes celulares e consequente amolecimento do fruto durante o processo de maturação). Nuno Correia http://www2.biologie.unihalle.de/genet/plant/staff/koebnik/teaching/biotech/FlavrSavr.html
Nuno Correia
Tolerância a condições ambientais adversas Plantas tenham maior resistência a condições ambientais, tais como: a luz intensa o frio extremo a seca  a salinidade.  Nuno Correia
Nuno Correia Arcadia Biosciences contributes technology license to the  African Agricultural Technology Foundation to develop nitrogen efficient and salt tolerant African rice   [Davis CA} -- Arcadia Biosciences, Inc., an agricultural technology company focused on products that benefit the environment and human health, and the African Agricultural Technology Foundation (AATF), a not-for-profit organization focused on the access and delivery of new agricultural technologies for African smallholder farmers, have entered into a licensing agreement for the use of Arcadia’s technologies to develop rice varieties that will be available royalty-free to smallholder farmers in Africa. Under the agreement, AATF receives a license to Arcadia’s Nitrogen Use Efficiency (NUE)  and Salt Tolerance technologies for use in African rice . As part of Arcadia’s stated commitment to agricultural and environmental improvement in the developing world, the company will not receive monetary compensation for the research and commercial rights granted in the agreement. In addition, Arcadia will complete the early-stage research and development work for the project and will provide improved rice lines to African research collaborators for field-testing.  http://www.plantstress.com/
Nuno Correia Transgenic tomato plants  overexpressing a vacuolar Na + /H +  antiport were able to grow, flower, and produce fruit in the presence of 200 mM sodium chloride. Although the leaves accumulated high sodium concentrations, the tomato fruit displayed very low sodium content. Contrary to the notion that multiple traits introduced by breeding into crop plants are needed to obtain salt-tolerant plants, the modification of a single trait significantly improved the salinity tolerance of this crop plant. These results demonstrate that with a combination of breeding and transgenic plants it could be possible to produce salt-tolerant crops with far fewer target traits than had been anticipated.  The accumulation of sodium in the leaves and not in the fruit demonstrates the utility of such a modification in preserving the quality of the fruit. Transgenic salt-tolerant tomato plants accumulate salt in foliage but not in fruit Hong-Xia Zhang 1  & Eduardo Blumwald 1, 2   1   Department of Botany, University of Toronto, 25 Willcocks St., Toronto, ON
A resistência à secura e à salinidade está dependente, em parte, da capacidade da planta acumular osmólitos, ou osmoprotectores (compostos que aumentam o potencial osmótico intracelular, facilitando a entrada de água e protegendo a célula de elevadas concentrações salinas). Nuno Correia
Melhoramento de qualidades nutritivas São várias as transformações efectuadas nas plantas no sentido de melhorar as suas qualidades nutritivas. A obtenção de leguminosas com níveis elevados de metionina (aminoácido essencial, quer para o ser humano, quer para o gado) e o aumento dos níveis de vitamina A e ferro no arroz ("Arroz dourado") são dois exemplos. Os genes que permitem ao arroz  (Oryza sativa) produzir vitamina A são provenientes do narciso (Nardssus pseudonarcisus). Nuno Correia
A metionina , tal como outros aminoácidos, não é sintetizada pelos animais, pelo que a única fonte provém da alimentação. O arroz é a principal fonte de alimento de milhares de milhões de pessoas no Sudoeste Asiático  que apresentam, por isso, uma elevada carência de vitamina A e de ferro, com consequências dramáticas. Estima-se que todos os anos 250 000  crianças fiquem cegas em consequência da carência em vitamina A  e que 2 milhões morram devido a complicações resultantes dessa avitaminose.  Uma dieta à base de arroz é, também, muito deficiente em ferro, o que está na base de um retardamento do desenvolvimento intelectual e de uma elevada mortalidade infantil. Nuno Correia http://transbio07.blogspot.com/2008/02/o-impacto-na-sade-pblica-atravs-dos.html
Nuno Correia Tough Lessons From Golden Rice Martin Enserink It was supposed to prevent blindness and death from vitamin A deficiency in millions of children. But almost a decade after its invention, golden rice is still stuck in the lab. Science  25 April 2008: Vol. 320. no. 5875, pp. 468 - 471 DOI: 10.1126/science.320.5875.468
Impactos dos OGM vegetais O milho é a segunda planta com maior área de cultivo e algumas das suas variedades transgénicas originaram polémica.  O milho Bt, é capaz de produzir naturalmente o insecticida. Este milho foi produzido obtendo o gene de uma bactéria do solo, a  Bacillus thuringiensis (Bt) que produz  uma toxina mortal para as larvas. Este milho foi a  primeira planta transgénica autorizada a ser cultivada em França, e 1997, dado que, todos anos, milhões de hectares de culturas de milho são atacados por parasitas que devoram interior da espiga  Nuno Correia
Um dos principais pontos de discórdia corresponde à disseminação do transgene pelo pólen e à possibilidade de a toxina se encontrar no néctar ou no pólen da plantas assim ser incluída na produção de mel pelas abelhas, sendo potencialmente alérgica para os humanos, obrigando a que esse milho apenas fosse usado nas rações alimentares dos animais. Nuno Correia
Nuno Correia
Nuno Correia
Desenvolvimento do gene  Terminator, que desactivava a capacidade de uma semente germinar quando plantada no ano seguinte. Os genes que conferem resistência aos antibióticos são usados como marcadores para seleccionar os transgénicos. Mas alguns podem escapar dos OGM e passar para as bactérias. Esta transferência foi comprovada laboratorialmente na Universidade de Harvard, mas ainda não foi detectada no ambiente. Nuno Correia
Nuno Correia
São muitos os exemplos de potenciais riscos que poderão associar-se à produção de OGM. Contudo, esses riscos só poderão ser avaliados devidamente, quando esses organismos estiverem inseridos na dinâmica de um ecossistema. Nuno Correia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragas
Rita Rainho
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
catarinagalaio
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Leonardo Minaré Braúna
 
1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico
Pelo Siro
 
Fungos Entomopatogênicos
Fungos EntomopatogênicosFungos Entomopatogênicos
Fungos Entomopatogênicos
Agricultura Sao Paulo
 
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - HeteropteraEntomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Faculdade Guaraí - FAG
 
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragasProblemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Maria Paredes
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
unesp
 
Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no Brasil
NetNexusBrasil
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
João Siqueira da Mata
 
Controlo de Pragas
Controlo de PragasControlo de Pragas
Controlo de Pragas
Luís Rita
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
Joannedream
 
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânicaComo usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
becresforte
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
Agropec Consultoria
 
Controle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragasControle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragas
Alexandre Panerai
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Embrapa Milho e Sorgo
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre Trichoderma
BMP2015
 

Mais procurados (20)

Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragas
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico
 
Fungos Entomopatogênicos
Fungos EntomopatogênicosFungos Entomopatogênicos
Fungos Entomopatogênicos
 
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - HeteropteraEntomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - Heteroptera
 
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragasProblemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no Brasil
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
 
Controlo de Pragas
Controlo de PragasControlo de Pragas
Controlo de Pragas
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
 
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânicaComo usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Controle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragasControle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragas
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre Trichoderma
 

Destaque

TRANSGÊNICOS
TRANSGÊNICOSTRANSGÊNICOS
TRANSGÊNICOS
Maria Izabel Chaves
 
Transgênicos e aspectos éticos
Transgênicos e aspectos éticosTransgênicos e aspectos éticos
Transgênicos e aspectos éticos
Conceição Áquila
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
Viviane Dilkin Endler
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
Fernanda Lopes
 
2.1 cnpms
2.1 cnpms2.1 cnpms
2.1 cnpms
Fabricio Martins
 
Biossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontes
Biossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontesBiossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontes
Biossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontes
Jonathan Reginnie
 
5º Seminário Estadual de Agroecologia
5º Seminário Estadual de Agroecologia5º Seminário Estadual de Agroecologia
5º Seminário Estadual de Agroecologia
Dinho
 
Seminario gene
Seminario geneSeminario gene
Seminario gene
silene25
 
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologiaMeio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Sandro Marcelo de Caires
 
Agroecologia e agricultura_urbana
Agroecologia e agricultura_urbanaAgroecologia e agricultura_urbana
Agroecologia e agricultura_urbana
Amanda Tavares
 
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Flavia Oliveira
 
Slides Tecnologia
Slides TecnologiaSlides Tecnologia
Slides Tecnologia
Ju e Sandra
 
Interação Gênica
Interação GênicaInteração Gênica
Interação Gênica
Andrea Barreto
 
Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia
Seleste Mendes Pereira
 
Introducao agroecologia
Introducao agroecologiaIntroducao agroecologia
Introducao agroecologia
elisandraca
 
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
Capítulo 02  alimentos e sistema digestórioCapítulo 02  alimentos e sistema digestório
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
Igor Brant
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
Maria Adelaide
 
HáBitos Alimentares SaudáVeis
HáBitos Alimentares SaudáVeisHáBitos Alimentares SaudáVeis
HáBitos Alimentares SaudáVeis
tanialima
 
Introducao à Biotecnologia I
Introducao à Biotecnologia IIntroducao à Biotecnologia I
Introducao à Biotecnologia I
Kelton Silva Sena
 
Tecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação InfantilTecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação Infantil
Vera Zacharias
 

Destaque (20)

TRANSGÊNICOS
TRANSGÊNICOSTRANSGÊNICOS
TRANSGÊNICOS
 
Transgênicos e aspectos éticos
Transgênicos e aspectos éticosTransgênicos e aspectos éticos
Transgênicos e aspectos éticos
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
2.1 cnpms
2.1 cnpms2.1 cnpms
2.1 cnpms
 
Biossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontes
Biossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontesBiossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontes
Biossegurança e transgenia: Direito e Engenharia Genetica construindo pontes
 
5º Seminário Estadual de Agroecologia
5º Seminário Estadual de Agroecologia5º Seminário Estadual de Agroecologia
5º Seminário Estadual de Agroecologia
 
Seminario gene
Seminario geneSeminario gene
Seminario gene
 
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologiaMeio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
 
Agroecologia e agricultura_urbana
Agroecologia e agricultura_urbanaAgroecologia e agricultura_urbana
Agroecologia e agricultura_urbana
 
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
Biossegurana1 120226164323-phpapp02[2]
 
Slides Tecnologia
Slides TecnologiaSlides Tecnologia
Slides Tecnologia
 
Interação Gênica
Interação GênicaInteração Gênica
Interação Gênica
 
Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia Apresentação da aula de biotecnologia
Apresentação da aula de biotecnologia
 
Introducao agroecologia
Introducao agroecologiaIntroducao agroecologia
Introducao agroecologia
 
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
Capítulo 02  alimentos e sistema digestórioCapítulo 02  alimentos e sistema digestório
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
HáBitos Alimentares SaudáVeis
HáBitos Alimentares SaudáVeisHáBitos Alimentares SaudáVeis
HáBitos Alimentares SaudáVeis
 
Introducao à Biotecnologia I
Introducao à Biotecnologia IIntroducao à Biotecnologia I
Introducao à Biotecnologia I
 
Tecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação InfantilTecnologias e Educação Infantil
Tecnologias e Educação Infantil
 

Semelhante a Powerpoint 7 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos TransgéNicos)

Powerpoint organismos transgénicos
Powerpoint    organismos transgénicosPowerpoint    organismos transgénicos
Powerpoint organismos transgénicos
Nuno Correia
 
Clonagem & OGM
Clonagem & OGMClonagem & OGM
Clonagem & OGM
Cláudia Moura
 
1º série reda cem - 10.31
1º série   reda cem -  10.311º série   reda cem -  10.31
1º série reda cem - 10.31
MatheusMesquitaMelo
 
2º Mb Grupo 06
2º Mb   Grupo 062º Mb   Grupo 06
2º Mb Grupo 06
ProfMario De Mori
 
Transgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticasTransgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticas
Guilherme Rocha
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
URCA
 
Projectoace
ProjectoaceProjectoace
Projectoace
guest828e36
 
projectoace
projectoaceprojectoace
projectoace
guest828e36
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Uso de organismos geneticamente modificados na agricultura moderna
Uso de organismos geneticamente modificados na agricultura modernaUso de organismos geneticamente modificados na agricultura moderna
Uso de organismos geneticamente modificados na agricultura moderna
Guilherme Parmegiani
 
2º Ma Grupo 06
2º Ma   Grupo 062º Ma   Grupo 06
2º Ma Grupo 06
ProfMario De Mori
 
Ficha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não useiFicha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não usei
Alda Lima
 
Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011
Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011
Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011
Darío Palmieri
 
Milho transgênico
Milho transgênicoMilho transgênico
Milho transgênico
Aline Karolayne
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
Guillermo Enrique Guedes Scheel
 
Parte 14
Parte 14Parte 14
Parte 14
Josiane Menezes
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
Rural Pecuária
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Special Share Green Technologies - (Fehispor)
Special Share Green Technologies - (Fehispor)Special Share Green Technologies - (Fehispor)
Special Share Green Technologies - (Fehispor)
Extremadura Avante
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 

Semelhante a Powerpoint 7 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos TransgéNicos) (20)

Powerpoint organismos transgénicos
Powerpoint    organismos transgénicosPowerpoint    organismos transgénicos
Powerpoint organismos transgénicos
 
Clonagem & OGM
Clonagem & OGMClonagem & OGM
Clonagem & OGM
 
1º série reda cem - 10.31
1º série   reda cem -  10.311º série   reda cem -  10.31
1º série reda cem - 10.31
 
2º Mb Grupo 06
2º Mb   Grupo 062º Mb   Grupo 06
2º Mb Grupo 06
 
Transgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticasTransgenia aplicações-práticas
Transgenia aplicações-práticas
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Projectoace
ProjectoaceProjectoace
Projectoace
 
projectoace
projectoaceprojectoace
projectoace
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
Uso de organismos geneticamente modificados na agricultura moderna
Uso de organismos geneticamente modificados na agricultura modernaUso de organismos geneticamente modificados na agricultura moderna
Uso de organismos geneticamente modificados na agricultura moderna
 
2º Ma Grupo 06
2º Ma   Grupo 062º Ma   Grupo 06
2º Ma Grupo 06
 
Ficha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não useiFicha informativa-engenharia-genetica não usei
Ficha informativa-engenharia-genetica não usei
 
Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011
Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011
Os benefícios dos OGMs - I Ciclo de Debates CiBi Jr. 2011
 
Milho transgênico
Milho transgênicoMilho transgênico
Milho transgênico
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 
Parte 14
Parte 14Parte 14
Parte 14
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milho
 
Special Share Green Technologies - (Fehispor)
Special Share Green Technologies - (Fehispor)Special Share Green Technologies - (Fehispor)
Special Share Green Technologies - (Fehispor)
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 

Mais de Nuno Correia

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1
Nuno Correia
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações Climáticas
Nuno Correia
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celular
Nuno Correia
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoral
Nuno Correia
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipo
Nuno Correia
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonas
Nuno Correia
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
Nuno Correia
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasia
Nuno Correia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismo
Nuno Correia
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentes
Nuno Correia
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Nuno Correia
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
Nuno Correia
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insulares
Nuno Correia
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
Nuno Correia
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
Nuno Correia
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Nuno Correia
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)
Nuno Correia
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)
Nuno Correia
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)
Nuno Correia
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)
Nuno Correia
 

Mais de Nuno Correia (20)

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações Climáticas
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celular
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoral
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipo
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonas
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismo
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentes
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insulares
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)
 

Último

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 

Último (6)

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 

Powerpoint 7 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos TransgéNicos)

  • 1. CRUZAMENTO DE PLANTAS E CRIAÇÃO DE ANIMAIS Biologia 12º (Organismos Transgénicos) Nuno Correia
  • 2. Organismos Transgénicos A tecnologia do DNA recombinante torna possível a manipulação do genoma de plantas e animais utilizados na alimentação humana, com determinados objectivos, como os seguintes : Melhoramento das propriedades nutritivas. Aumento da produção de leite, carne, etc. Aumento da resistência a pragas. Tolerância a condições ambientais adversas. Resistência a herbicidas. Alteração da maturação dos frutos. Nuno Correia
  • 3. as empresas multinacionais que hoje dominam a produção de transgénicos eram originalmente especializadas em produtos químicos e farmacêuticos, muitas delas, como a Monsanto, produtoras de insecticidas, herbicidas e fungicidas. Seu objectivo na pesquisa de transgénicos é, muitas vezes, favorecer a venda de seus próprios agrotóxicos. A soja Roundup Ready foi desenvolvida para ser resistente ao herbicida Roundup, sendo que ambos são produzidos pela Monsanto. Este tipo de empresa se preocupa mais com os lucros de seus accionistas do que com o interesse público e, para garantir o emprego de suas poderosas e perigosas armas tecnológicas, conta com a subserviência dos poderes públicos. Nuno Correia
  • 4. As plantas transgénicas são fáceis de obter porque possuem um ciclo de vida curto, produzem uma descendência numerosa e têm grande capacidade de regeneração. Nuno Correia
  • 5. Na transformação genética das plantas é frequente a utilização como vector do plasmídeo de Agrobacterium tumefaciens . Esta espécie de bactéria vive no solo e infecta as plantas causando tumores. Nuno Correia
  • 6. Nuno Correia Bananas have potential to become the world's first edible vaccine due to Agrobacterium . An edible vaccine doesn't need sterile syringes, costly refrigeration, or multiple injections. According to the World Health Organization (WHO), more than 2 million children die worldwide each year from diarrhea that can be prevented easily with vaccines.
  • 7. Esta espécie de bactéria vive no solo e infecta as plantas, causando tumores. A capacidade infecciosa reside no gene do plasmídio Ti. O plasmídio Ti pode ser manipulado de modo a substituir o oncogene por um gene com interesse que é transferido para a planta. Em plantas que não são infectadas por Agrobacterium tumefaciens , a introdução de DNA exógeno em protoplastos ou o bombardeamento de partículas também tem bons resultados. Nuno Correia
  • 9. Bombardeamento de partículas O bombardeamento de partículas foi desenvolvido com o objectivo de transformar cereais, como o trigo, que não são infectados por Agrobacterium . Nuno Correia
  • 10. Esta técnica recorre a um aparelho, que permite disparar, sobre as células ou tecidos vegetais, minúsculas esferas de metal revestidas com DNA. Desta forma, as micropartículas atravessam a parede celular, introduzindo o DNA no núcleo de algumas células. Nuno Correia
  • 14. Alteração na maturação dos frutos O primeiro organismo geneticamente modificado (OGM) aprovado para ser comercializado e utilizado na alimentação humana foi um tomate transgénico denominado Flavr Savr (j). Esta variedade de tomate foi transformada de forma a não amolecer durante o processo de amadurecimento (evitando, desta forma, elevadas perdas durante o transporte e armazenamento). Para além disso, esta variedade de tomate foi modificada, também, de forma a produzir menos de 10% do nível normal da enzima poligalacturonase (uma das principais enzimas responsáveis pela degradação das paredes celulares e consequente amolecimento do fruto durante o processo de maturação). Nuno Correia http://www2.biologie.unihalle.de/genet/plant/staff/koebnik/teaching/biotech/FlavrSavr.html
  • 16. Tolerância a condições ambientais adversas Plantas tenham maior resistência a condições ambientais, tais como: a luz intensa o frio extremo a seca a salinidade. Nuno Correia
  • 17. Nuno Correia Arcadia Biosciences contributes technology license to the African Agricultural Technology Foundation to develop nitrogen efficient and salt tolerant African rice   [Davis CA} -- Arcadia Biosciences, Inc., an agricultural technology company focused on products that benefit the environment and human health, and the African Agricultural Technology Foundation (AATF), a not-for-profit organization focused on the access and delivery of new agricultural technologies for African smallholder farmers, have entered into a licensing agreement for the use of Arcadia’s technologies to develop rice varieties that will be available royalty-free to smallholder farmers in Africa. Under the agreement, AATF receives a license to Arcadia’s Nitrogen Use Efficiency (NUE) and Salt Tolerance technologies for use in African rice . As part of Arcadia’s stated commitment to agricultural and environmental improvement in the developing world, the company will not receive monetary compensation for the research and commercial rights granted in the agreement. In addition, Arcadia will complete the early-stage research and development work for the project and will provide improved rice lines to African research collaborators for field-testing. http://www.plantstress.com/
  • 18. Nuno Correia Transgenic tomato plants overexpressing a vacuolar Na + /H + antiport were able to grow, flower, and produce fruit in the presence of 200 mM sodium chloride. Although the leaves accumulated high sodium concentrations, the tomato fruit displayed very low sodium content. Contrary to the notion that multiple traits introduced by breeding into crop plants are needed to obtain salt-tolerant plants, the modification of a single trait significantly improved the salinity tolerance of this crop plant. These results demonstrate that with a combination of breeding and transgenic plants it could be possible to produce salt-tolerant crops with far fewer target traits than had been anticipated. The accumulation of sodium in the leaves and not in the fruit demonstrates the utility of such a modification in preserving the quality of the fruit. Transgenic salt-tolerant tomato plants accumulate salt in foliage but not in fruit Hong-Xia Zhang 1 & Eduardo Blumwald 1, 2 1   Department of Botany, University of Toronto, 25 Willcocks St., Toronto, ON
  • 19. A resistência à secura e à salinidade está dependente, em parte, da capacidade da planta acumular osmólitos, ou osmoprotectores (compostos que aumentam o potencial osmótico intracelular, facilitando a entrada de água e protegendo a célula de elevadas concentrações salinas). Nuno Correia
  • 20. Melhoramento de qualidades nutritivas São várias as transformações efectuadas nas plantas no sentido de melhorar as suas qualidades nutritivas. A obtenção de leguminosas com níveis elevados de metionina (aminoácido essencial, quer para o ser humano, quer para o gado) e o aumento dos níveis de vitamina A e ferro no arroz ("Arroz dourado") são dois exemplos. Os genes que permitem ao arroz (Oryza sativa) produzir vitamina A são provenientes do narciso (Nardssus pseudonarcisus). Nuno Correia
  • 21. A metionina , tal como outros aminoácidos, não é sintetizada pelos animais, pelo que a única fonte provém da alimentação. O arroz é a principal fonte de alimento de milhares de milhões de pessoas no Sudoeste Asiático que apresentam, por isso, uma elevada carência de vitamina A e de ferro, com consequências dramáticas. Estima-se que todos os anos 250 000 crianças fiquem cegas em consequência da carência em vitamina A e que 2 milhões morram devido a complicações resultantes dessa avitaminose. Uma dieta à base de arroz é, também, muito deficiente em ferro, o que está na base de um retardamento do desenvolvimento intelectual e de uma elevada mortalidade infantil. Nuno Correia http://transbio07.blogspot.com/2008/02/o-impacto-na-sade-pblica-atravs-dos.html
  • 22. Nuno Correia Tough Lessons From Golden Rice Martin Enserink It was supposed to prevent blindness and death from vitamin A deficiency in millions of children. But almost a decade after its invention, golden rice is still stuck in the lab. Science 25 April 2008: Vol. 320. no. 5875, pp. 468 - 471 DOI: 10.1126/science.320.5875.468
  • 23. Impactos dos OGM vegetais O milho é a segunda planta com maior área de cultivo e algumas das suas variedades transgénicas originaram polémica. O milho Bt, é capaz de produzir naturalmente o insecticida. Este milho foi produzido obtendo o gene de uma bactéria do solo, a Bacillus thuringiensis (Bt) que produz uma toxina mortal para as larvas. Este milho foi a primeira planta transgénica autorizada a ser cultivada em França, e 1997, dado que, todos anos, milhões de hectares de culturas de milho são atacados por parasitas que devoram interior da espiga Nuno Correia
  • 24. Um dos principais pontos de discórdia corresponde à disseminação do transgene pelo pólen e à possibilidade de a toxina se encontrar no néctar ou no pólen da plantas assim ser incluída na produção de mel pelas abelhas, sendo potencialmente alérgica para os humanos, obrigando a que esse milho apenas fosse usado nas rações alimentares dos animais. Nuno Correia
  • 27. Desenvolvimento do gene Terminator, que desactivava a capacidade de uma semente germinar quando plantada no ano seguinte. Os genes que conferem resistência aos antibióticos são usados como marcadores para seleccionar os transgénicos. Mas alguns podem escapar dos OGM e passar para as bactérias. Esta transferência foi comprovada laboratorialmente na Universidade de Harvard, mas ainda não foi detectada no ambiente. Nuno Correia
  • 29. São muitos os exemplos de potenciais riscos que poderão associar-se à produção de OGM. Contudo, esses riscos só poderão ser avaliados devidamente, quando esses organismos estiverem inseridos na dinâmica de um ecossistema. Nuno Correia