SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
POTENCIAL DE CULTIVO DA PLANTA ALIMENTÍCIA NÃO CONVENCIONAL “MAJOR
GOMES”
Cristina Maria de Castro
Eng. Agr. Dr. Pqc do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA
cristinacastro@apta.sp.gov.br
Antonio Carlos Pries Devide
Eng. Agr. Ms. Pqc do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA
antoniodevide@apta.sp.gov.br
Sylvia Helena Espíndola Salles
Biólogo Técnico APCT do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA
s.helena@apta.sp.gov.br
Plantas utilizadas por nossos antepassados, rústicas, adaptadas localmente, ricas em
nutrientes, vêm sendo esquecidas de nossa dieta atual. Hábitos alimentares cada vez mais
globalizados, comidas processadas, aliam praticidade e baixo custo, porém, muitas das
vezes são uma combinação de vazio nutricional e uma combinação de substâncias que não
são alimentos, como conservantes, aromatizantes, entre outros. A cultura alimentar local, o
conhecimento tradicional aliado ao saber científico, a valorização e conscientização do uso
de alimentos tradicionais, chamados atualmente de PANC (plantas alimentícias não
convencionais), são alicerces para que se tenha uma população bem nutrida e empoderada,
utilizando sua biodiversidade local. A soberania e a segurança alimentar e nutricional de
uma população está associada a sua riqueza de culturas e biodiversidade.
Talinun paniculatum, conhecida popularmente como major gomes, beldroegão, maria gorda,
bredo, cariru, entre outros, é uma espécie ruderal, perene, rústica, que cresce
espontaneamente nas beiras das calçadas, terrenos baldios, pomares, e solos agrícolas.
Pertencente à família Talinaceae, ocorre em várias regiões de zonas tropicais e
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017
subtropicais, e embora nativa da América esta sendo naturalizada em outras partes do
mundo.
Suas folhas são suculentas, de verde escuro intenso, ricas em nutrientes, principalmente
ferro e potássio, são utilizadas como hortaliça na alimentação humana em algumas regiões,
como no estado da Bahia, na recuperação do estado nutricional causado pela carência de
ferro (Carvalho, 2009; Kinupp & Barros, 2008). Pode ser consumida crua em saladas, e
cozidas ficam saborosas em bolos salgados, recheio de panquecas, pastéis, omeletes,
pães, etc.
O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento e produção de biomassa da parte
aérea, visando indicação de manejo fitotécnico para esta cultura.
Figura 1. Plantas de Major Gomes. (APTA Polo Vale do Paraíba, set/2014)
Para esse estudo, sementes de major gomes foram coletadas em março/2014, na Unidade
Demonstrativa Agroecológica de Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) da APTA
Regional, Polo Vale do Paraíba. Em seguida, foram semeadas em bandejas de isopor de
200 células, contendo substrato orgânico, colocando-se três sementes por célula. A
germinação ocorreu cerca de 14 dias após semeadura. Essas plantas foram mantidas nas
bandejas em estufa, em crescimento até os 60 dias após semeadura. Em junho/2014, foram
transplantadas para canteiros previamente preparados, com composto orgânico, espaçadas
0,30 x 0,30m. Foi realizado o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento através
de medições de altura e número de folhas.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017
Por se tratar de espécie de origem tropical, seu desenvolvimento inicial foi lento devido
época de semeadura. O crescimento foi maior quando da elevação da temperatura a partir
de agosto (Tabela 1).
Tabela 1. Avaliações de crescimento de Major Gomes em altura, número de folhas, floração
e frutificação. Pindamonhangaba, SP (2014).
Data
Altura
(cm)
No
folhas
Floração
25/ago
média 2,34 5,4 N
desvio ±1,02 ±1,34
22/set
média 2,78 6,8 S
desvio ±0,90 ±1,48
10/nov
média 13,42 33,6 S
desvio ±3,26 ±8,36
*os valores representam média de seis repetições; N-não; S-sim.
O crescimento nos meses com temperaturas mais amenas, agosto e setembro, foi na ordem
de 11%, 3%, 46%, 28% e 30% para plantas das parcelas 1 a 5, respectivamente. Já no
período mais quente, setembro a novembro, o crescimento foi na ordem de 300%. O
número de folhas também aumentou, demonstrando seu melhor desenvolvimento e
crescimento nas épocas mais quentes, com inicio da floração e frutificação.
Em novembro/2014, foi realizada o corte das folhas mais novas, deixando-se 4 pares de
folhas definitivo, simulando colheita, para consumo. Foi determinado peso fresco (PF) e
peso seco (PS) de quatro plantas por parcela com três repetições; após pesagem foram
colocadas em estufa com ventilação de ar forçada (65
o
C) até peso constante.
A produção média foi de 35,6 g/planta e 11,9 g/planta de peso fresco e seco,
respectivamente, sendo a produtividade total na apresentada na Tabela 2.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017
Tabela 2. Peso fresco e seco de plantas de Major Gomes.
Peso fresco
(t/ha)
Peso seco
(t/ha)
1 2,07* 0,79
2 3,56 1,13
3 3,49 1,13
Média 3,04 1,02
Desvio ±0,84 ±0,20
* média de quatro repetições; desprezando 23% da área dos passadouros entre canteiros,
conforme Francisco Neto, 1995.
A produção foi satisfatória, considerando se tratar de espécie rústica, não domesticada,
aliados ao fato desta espécie ser perene, podendo-se dar mais cortes. Dados na literatura
apontam para teor de Fe variando de 12 a 15 mg Fe/100g MS de Major Gomes (Carvalho,
2009; Kinup & Barros, 2008), comparando com o espinafre cru (em torno de 6,0 mg Fe/100g
MS – NEPA/2011), esta espécie apresenta cerca de 100% a mais de ferro em suas folhas
na base seca, sendo uma ótima opção de alimentação para regiões carentes.
Conclusão
O aproveitamento de espécies alimentícias não convencionais com elevados teores
nutricionais, como Major Gomes, podem contribuir para a conservação e valorização de
plantas não convencionais e para uma dieta mais rica e saudável.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017
Literatura citada
CARVALHO, R. D. S.(2009). Caracterização química e avaliação de folhas de Talinum
patens Wand como complemento alimentar. Tese (Doutorado) - Universidade Federal da
Bahia, Bahia, BA. 110 p.
FRANCISCO NETO, J. Manual de horticultura ecológica: guia de auto-suficiência em
pequenos espaços. São Paulo: Nobel, 1995. 141 p.
KINUPP, V. F.; BARROS, I.B.I. (2008). Teores de proteína e minerais de espécies nativas,
potenciais hortaliças e frutas. Cienc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28 (4): 846-857.
NEPA. (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação). TACO - Tabela brasileira de
composição de alimentos. 4. ed. 2011. Online. Disponível em:
https://www.unicamp.br/nepa/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

17.ago ametista 12.05_205_cesp
17.ago ametista 12.05_205_cesp17.ago ametista 12.05_205_cesp
17.ago ametista 12.05_205_cesp
itgfiles
 
Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...
Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...
Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...
Fabio Almeida
 
Cultivo de plantas medicinais organicas
Cultivo de plantas medicinais organicasCultivo de plantas medicinais organicas
Cultivo de plantas medicinais organicas
Fernando Tartari
 
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amareloPrévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Rural Pecuária
 

Mais procurados (20)

Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 3
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 3Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 3
Vitrine Tecnológica DBO - Capítulo 3
 
Capítulo 4
Capítulo 4Capítulo 4
Capítulo 4
 
Coleção do Label
Coleção do LabelColeção do Label
Coleção do Label
 
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
 
17.ago ametista 12.05_205_cesp
17.ago ametista 12.05_205_cesp17.ago ametista 12.05_205_cesp
17.ago ametista 12.05_205_cesp
 
Apresentação: Sr. Celestino Zanella - 12.06.2017
Apresentação: Sr. Celestino Zanella - 12.06.2017Apresentação: Sr. Celestino Zanella - 12.06.2017
Apresentação: Sr. Celestino Zanella - 12.06.2017
 
Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...
Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...
Composição da anurofauna do parque estadual paulo cesar vinha, setiba, munici...
 
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
 
Manualdeboasprticasparamanejoeconservaodasabelhasnativas 150705112838-lva1-ap...
Manualdeboasprticasparamanejoeconservaodasabelhasnativas 150705112838-lva1-ap...Manualdeboasprticasparamanejoeconservaodasabelhasnativas 150705112838-lva1-ap...
Manualdeboasprticasparamanejoeconservaodasabelhasnativas 150705112838-lva1-ap...
 
Características morfométricas e componentes não-carcaça de caprinos Anglonubi...
Características morfométricas e componentes não-carcaça de caprinos Anglonubi...Características morfométricas e componentes não-carcaça de caprinos Anglonubi...
Características morfométricas e componentes não-carcaça de caprinos Anglonubi...
 
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
 
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpinaProdução de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
 
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASILPLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
 
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
 
Cultivo de plantas medicinais organicas
Cultivo de plantas medicinais organicasCultivo de plantas medicinais organicas
Cultivo de plantas medicinais organicas
 
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaA malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
 
Apresentação - Prof. Aziz Galvão
Apresentação - Prof. Aziz GalvãoApresentação - Prof. Aziz Galvão
Apresentação - Prof. Aziz Galvão
 
Diversidade da familia coleoptera
Diversidade da familia coleopteraDiversidade da familia coleoptera
Diversidade da familia coleoptera
 
JornApis nº5
JornApis nº5JornApis nº5
JornApis nº5
 
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amareloPrévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
 

Semelhante a Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” aprovado

Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Rural Pecuária
 
Dissertação iane b_gomes(final)
Dissertação iane b_gomes(final)Dissertação iane b_gomes(final)
Dissertação iane b_gomes(final)
Iane Gomes
 
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
cbsaf
 
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/invernoAveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Rural Pecuária
 

Semelhante a Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” aprovado (20)

Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
 
A disponibilidade de nutrientes como fator de Zonação em Plantas de restinga
A disponibilidade de nutrientes como fator de Zonação em Plantas de restingaA disponibilidade de nutrientes como fator de Zonação em Plantas de restinga
A disponibilidade de nutrientes como fator de Zonação em Plantas de restinga
 
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃODIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
 
Dissertação iane b_gomes(final)
Dissertação iane b_gomes(final)Dissertação iane b_gomes(final)
Dissertação iane b_gomes(final)
 
1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)
 
abc23
abc23abc23
abc23
 
ADUBAÇAO E NUTRIÇÃO DA BANANEIRA 1.pptx
ADUBAÇAO E NUTRIÇÃO DA BANANEIRA 1.pptxADUBAÇAO E NUTRIÇÃO DA BANANEIRA 1.pptx
ADUBAÇAO E NUTRIÇÃO DA BANANEIRA 1.pptx
 
gramineas ornamentais nativas
gramineas ornamentais nativasgramineas ornamentais nativas
gramineas ornamentais nativas
 
A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativoA bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Kinup
KinupKinup
Kinup
 
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Artigo bioterra v18_n2_04
Artigo bioterra v18_n2_04Artigo bioterra v18_n2_04
Artigo bioterra v18_n2_04
 
Tecnologias para agricultura familiar
Tecnologias para agricultura familiarTecnologias para agricultura familiar
Tecnologias para agricultura familiar
 
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversifi...
 
Alimentos regionalizados
Alimentos regionalizadosAlimentos regionalizados
Alimentos regionalizados
 
Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08
 
INTERAÇÃO ADUBAÇÃO NITROGENADA E AZOSPIRILUM
INTERAÇÃO ADUBAÇÃO NITROGENADA E AZOSPIRILUMINTERAÇÃO ADUBAÇÃO NITROGENADA E AZOSPIRILUM
INTERAÇÃO ADUBAÇÃO NITROGENADA E AZOSPIRILUM
 
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/invernoAveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
 

Mais de Rural Pecuária

Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
 
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São PauloAglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (9)

Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulasO futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 

Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” aprovado

  • 1. POTENCIAL DE CULTIVO DA PLANTA ALIMENTÍCIA NÃO CONVENCIONAL “MAJOR GOMES” Cristina Maria de Castro Eng. Agr. Dr. Pqc do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA cristinacastro@apta.sp.gov.br Antonio Carlos Pries Devide Eng. Agr. Ms. Pqc do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA antoniodevide@apta.sp.gov.br Sylvia Helena Espíndola Salles Biólogo Técnico APCT do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA s.helena@apta.sp.gov.br Plantas utilizadas por nossos antepassados, rústicas, adaptadas localmente, ricas em nutrientes, vêm sendo esquecidas de nossa dieta atual. Hábitos alimentares cada vez mais globalizados, comidas processadas, aliam praticidade e baixo custo, porém, muitas das vezes são uma combinação de vazio nutricional e uma combinação de substâncias que não são alimentos, como conservantes, aromatizantes, entre outros. A cultura alimentar local, o conhecimento tradicional aliado ao saber científico, a valorização e conscientização do uso de alimentos tradicionais, chamados atualmente de PANC (plantas alimentícias não convencionais), são alicerces para que se tenha uma população bem nutrida e empoderada, utilizando sua biodiversidade local. A soberania e a segurança alimentar e nutricional de uma população está associada a sua riqueza de culturas e biodiversidade. Talinun paniculatum, conhecida popularmente como major gomes, beldroegão, maria gorda, bredo, cariru, entre outros, é uma espécie ruderal, perene, rústica, que cresce espontaneamente nas beiras das calçadas, terrenos baldios, pomares, e solos agrícolas. Pertencente à família Talinaceae, ocorre em várias regiões de zonas tropicais e
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017 subtropicais, e embora nativa da América esta sendo naturalizada em outras partes do mundo. Suas folhas são suculentas, de verde escuro intenso, ricas em nutrientes, principalmente ferro e potássio, são utilizadas como hortaliça na alimentação humana em algumas regiões, como no estado da Bahia, na recuperação do estado nutricional causado pela carência de ferro (Carvalho, 2009; Kinupp & Barros, 2008). Pode ser consumida crua em saladas, e cozidas ficam saborosas em bolos salgados, recheio de panquecas, pastéis, omeletes, pães, etc. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento e produção de biomassa da parte aérea, visando indicação de manejo fitotécnico para esta cultura. Figura 1. Plantas de Major Gomes. (APTA Polo Vale do Paraíba, set/2014) Para esse estudo, sementes de major gomes foram coletadas em março/2014, na Unidade Demonstrativa Agroecológica de Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) da APTA Regional, Polo Vale do Paraíba. Em seguida, foram semeadas em bandejas de isopor de 200 células, contendo substrato orgânico, colocando-se três sementes por célula. A germinação ocorreu cerca de 14 dias após semeadura. Essas plantas foram mantidas nas bandejas em estufa, em crescimento até os 60 dias após semeadura. Em junho/2014, foram transplantadas para canteiros previamente preparados, com composto orgânico, espaçadas 0,30 x 0,30m. Foi realizado o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento através de medições de altura e número de folhas.
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017 Por se tratar de espécie de origem tropical, seu desenvolvimento inicial foi lento devido época de semeadura. O crescimento foi maior quando da elevação da temperatura a partir de agosto (Tabela 1). Tabela 1. Avaliações de crescimento de Major Gomes em altura, número de folhas, floração e frutificação. Pindamonhangaba, SP (2014). Data Altura (cm) No folhas Floração 25/ago média 2,34 5,4 N desvio ±1,02 ±1,34 22/set média 2,78 6,8 S desvio ±0,90 ±1,48 10/nov média 13,42 33,6 S desvio ±3,26 ±8,36 *os valores representam média de seis repetições; N-não; S-sim. O crescimento nos meses com temperaturas mais amenas, agosto e setembro, foi na ordem de 11%, 3%, 46%, 28% e 30% para plantas das parcelas 1 a 5, respectivamente. Já no período mais quente, setembro a novembro, o crescimento foi na ordem de 300%. O número de folhas também aumentou, demonstrando seu melhor desenvolvimento e crescimento nas épocas mais quentes, com inicio da floração e frutificação. Em novembro/2014, foi realizada o corte das folhas mais novas, deixando-se 4 pares de folhas definitivo, simulando colheita, para consumo. Foi determinado peso fresco (PF) e peso seco (PS) de quatro plantas por parcela com três repetições; após pesagem foram colocadas em estufa com ventilação de ar forçada (65 o C) até peso constante. A produção média foi de 35,6 g/planta e 11,9 g/planta de peso fresco e seco, respectivamente, sendo a produtividade total na apresentada na Tabela 2.
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017 Tabela 2. Peso fresco e seco de plantas de Major Gomes. Peso fresco (t/ha) Peso seco (t/ha) 1 2,07* 0,79 2 3,56 1,13 3 3,49 1,13 Média 3,04 1,02 Desvio ±0,84 ±0,20 * média de quatro repetições; desprezando 23% da área dos passadouros entre canteiros, conforme Francisco Neto, 1995. A produção foi satisfatória, considerando se tratar de espécie rústica, não domesticada, aliados ao fato desta espécie ser perene, podendo-se dar mais cortes. Dados na literatura apontam para teor de Fe variando de 12 a 15 mg Fe/100g MS de Major Gomes (Carvalho, 2009; Kinup & Barros, 2008), comparando com o espinafre cru (em torno de 6,0 mg Fe/100g MS – NEPA/2011), esta espécie apresenta cerca de 100% a mais de ferro em suas folhas na base seca, sendo uma ótima opção de alimentação para regiões carentes. Conclusão O aproveitamento de espécies alimentícias não convencionais com elevados teores nutricionais, como Major Gomes, podem contribuir para a conservação e valorização de plantas não convencionais e para uma dieta mais rica e saudável.
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 2, Jul-Dez 2017 Literatura citada CARVALHO, R. D. S.(2009). Caracterização química e avaliação de folhas de Talinum patens Wand como complemento alimentar. Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Bahia, Bahia, BA. 110 p. FRANCISCO NETO, J. Manual de horticultura ecológica: guia de auto-suficiência em pequenos espaços. São Paulo: Nobel, 1995. 141 p. KINUPP, V. F.; BARROS, I.B.I. (2008). Teores de proteína e minerais de espécies nativas, potenciais hortaliças e frutas. Cienc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28 (4): 846-857. NEPA. (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação). TACO - Tabela brasileira de composição de alimentos. 4. ed. 2011. Online. Disponível em: https://www.unicamp.br/nepa/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.