SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Administração de Medicamentos
via Intramuscular
Prof Viviane
VIA INTRAMUSCULAR
IM
INJEÇÃO INTRAMUSCULAR (IM)
•  É a deposição de medicamento dentro do tecido muscular.
• Depois da via endovenosa é a de mais rápida absorção; por
isso o seu largo emprego.
Via Intramuscular
• Via muito utilizada, devido a absorção rápida
• Volume injetado (adulto massa muscular
dentro do parâmetro normal)
– Região deltóide – volume máximo 2ml
– Região glútea – de 4 a 5 ml
– Músculo da coxa (vasto lateral)– de 3 a 4 ml
– Não esquecer que irá depender da massa
muscular do cliente
INJEÇÃO INTRAMUSCULAR (IM)
Escolha do local
1º Região ventro-glútea: indicada em qualquer
idade
2º Região da face ântero-lateral da coxa:
indicada especialmente para lactentes e
crianças até 10 anos.
3º Região dorso-glútea: contra-indicada para
menores de 2 anos, maiores de 60 anos e
pessoas excessivamente magras.
4º Região deltoidiana: contra-indicada para
menores de 10 anos e adultos com pequeno
desenvolvimento muscular.
Músculo
Deltóide
Músculo da face
ântero-lateral da coxa
Músculo
Ventro-glútea
Músculo
Dorso-glútea
Regiões indicadas, para aplicação de injeção intramuscular
ÂNGULO DA AGULHA
• o ângulo de inserção da agulha deve ser
sempre perpendicular à pele, a 90º
independente da região. Quando a aplicação
é feita na região ventro-glútea, recomenda-se
que a agulha seja ligeiramente dirigida para a
crista ilíaca.
Tamanho da
agulha
Na seleção da agulha é preciso levar em
consideração:
• idade do cliente,
• espessura do tecido subcutâneo
• solubilidade da droga a ser injetada.
Ex: 25 x 8 e 30 x 7.
OBSERVAÇÕES
• Caso venha sangue na seringa, retirar
imediatamente e aplicar em outro local.
• Injeções de mais de 2 ml não devem ser
aplicadas no deltóide- restrito para vacinas
• O volume máximo para injeção IM é de 5 ml.
Volume acima de 5 ml, fracionar e aplicar em
locais diferentes.
OBSERVAÇÕES
• Estabelecer rodízio nos locais de aplicação de
injeções.
• O uso do músculo deltóide é contra-indicado
em pacientes com complicações vasculares
dos membros superiores, pacientes com
parestesia ou paralisia dos braços, e aquelas
que sofreram mastectomia.
Locais de Aplicação, Delimitação da
área e Posição do Cliente
Deltóide
• Face lateral do braço,
aproximadamente 4 dedos
abaixo do ombro, no centro do
músculo deltóide.
• Preferencialmente sentado,
com o antebraço flexionado,
expondo completamente o
braço e o ombro.
• Volume Máximo: 2 ml
Complicações após aplicações, por via intramuscular
Abcessos;
Infecções inespecíficas;
Ulceração ou necrose tecidual por
administração de medicamentos
contra indicados para esta via;
Complicações Durante e Após Aplicação
• Lesão dos nervos radial, ulnar, escapular
ou axilar;
• Paralisia dos músculos do membro
superior;
• Lesão da artéria umeral;
• Lesão do nervo circunflexo com
provocação do chamado sinal
de Anger (parestesia da parte
posterior do deltóide);
• Atrofia do deltóide;
• Gangrena por lesão de vasos
sanguíneos;
• Reações orgânicas por
intolerância a solução
injetada;
• Inflamações provocadas por
medicamentos irritantes
aplicados em grande volume;
• Nódulos e fibroses por
aplicações repetidas no
mesmo local.
Dorço-glútea (DG)
• Dividir o glúteo em 4 partes e aplicar no
quadrante superior externo.
Via Intramuscular
• Quando não devemos utilizar a região glútea?
– Crianças < 2 anos
– Pctes com atrofia da musculatura
– Paralisia de membros inferiores
• Complicações
– Deve-se evitar o nervo ciático
– Injeções intravasculares: embolias
– Infecções e abscessos
• Os braços devem ficar ao longo do corpo e os
pés virados para dentro
• Deitado, em decúbito ventral, com a cabeça de
preferência voltada para o aplicador - a fim de
facilitar a observação de qualquer manifestação
facial de desconforto ou dor durante a
aplicação.
• Deve-se evitar aplicações na região DG com o
cliente em decúbito lateral, pois nessa posição
há distorção dos limites anatômicos,
aumentando a possibilidade de punções mal
localizadas.
Ventro-glútea
• Colocar a mão não dominante no
quadril do paciente, espalmando a
mão sobre a base do grande
trocanter do fêmur, localizando a
espinha ilíaca ântero-superior.
• Fazer a injeção no centro da área
limitada pelos dois dedos abertos
em V.
Músculo vasto lateral da coxa
FALC
• Dividir a coxa em 3 partes e fazer a aplicação
na região ântero-lateral do terço médio.
• De preferência, o paciente deve ficar sentado,
com a perna fletida, ou deitado em decúbito
dorsal, com as pernas distendidas.
TÉCNICA DE APLICAÇÃO - IM
• Lavar as mãos;
• Identificar o cliente, perguntando-lhe o nome;
• Colocar a bandeja, contendo a medicação,
próxima ao cliente;
• Explicar o procedimento e a finalidade ao
cliente;
• Escolher a região apropriada;
• Com a mão não dominante pegar o algodão
embebido em álcool a 70%, e proceder a anti-sepsia
do local,
• Colocar o cliente em posição adequada e expor
somente a região escolhida;
• Com a mão dominante pegar a seringa, segurando
o corpo da mesma com os dedos polegar e
indicador; Manter o algodão entre os dedos mínimo
e anular da mesma mão;
• Com a mão não dominante, esticar a pele
segurando firmemente o músculo;
• Introduzir, rapidamente a agulha com o bisel
voltado para o lado, no sentido das fibras
musculares – angulo 90º
• Com a mão não dominante, puxar o êmbolo, aspirando
para verificar se não lesionou algum vaso; empurrar o
êmbolo, introduzindo a solução lentamente;
• Terminada a aplicação, retirar a agulha com movimento
rápido;
• Fazer pressão no local com algodão, massageando
levemente com movimentos circulares ;
• Não realize massagem para medicamentos que devem ser
absorvidos lentamente . Ex: anticoncepcional injetável
• Observar as reações do cliente;
• Desprezar o material, não recapando a agulha;
• lavar as mãos;
Técnica em Z
• esta técnica de aplicação para injeção IM
é indicada quando medicações irritantes,
como o ferro, podem infiltrar-se para
tecidos subcutâneos e pele, inclusive
manchando.
1. Locais corretos para a injeção:
quadrantes superior externos da região
glútea, em direção perpendicular à asa
ilíaca, evitando o trajeto do nervo.
2. Com os dedos da mão espalmada,
repuxar firmemente a pele, mantendo-
se assim durante todo o tempo de
administração. O estiramento da pele
somente cessará após retirada da agulha.
3. Após assepsia, introduzir a agulha
profundamente e injetar lentamente,
verificando, antes, se a ponta da
agulha não atingiu algum vaso
sangüíneo.
4. Injetado todo o líquido, esperar 10
segundos e retirar rapidamente a
agulha. Somente então soltar a pele,
que estava sendo repuxada pelos
dedos da outra mão do aplicador.
5. Com estas manobras, os planos
superficiais (pele e tecido subcutâneo)
voltam à posição original e o canal
formado pela agulha assume um
trajeto irregular (em Z), que impede o
refluxo do produto.
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 

Mais procurados (20)

13 vias de administração
13 vias de administração13 vias de administração
13 vias de administração
 
Injetáveis com segurança
Injetáveis com segurançaInjetáveis com segurança
Injetáveis com segurança
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteral
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Administração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptxAdministração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptx
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 

Semelhante a Adm med via intramuscular

vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdfAulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
JooSantana94
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
willian cesar
 
Aula cirurgia plástica
Aula cirurgia plásticaAula cirurgia plástica
Aula cirurgia plástica
Liliane Ennes
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
Fabricio Lopes
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
Alexandre Donha
 
procedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasosprocedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasos
matesfernandomora
 

Semelhante a Adm med via intramuscular (20)

trabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptxtrabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptx
 
ID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptxID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptx
 
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docxAPOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdfAulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
 
MEDICAMENTOS
MEDICAMENTOSMEDICAMENTOS
MEDICAMENTOS
 
SLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptxSLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptx
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
 
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdfVIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptxADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
 
Administracao_de_Medicamentos.ppt
Administracao_de_Medicamentos.pptAdministracao_de_Medicamentos.ppt
Administracao_de_Medicamentos.ppt
 
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdfMedicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf
 
Aula cirurgia plástica
Aula cirurgia plásticaAula cirurgia plástica
Aula cirurgia plástica
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
 
procedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasosprocedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasos
 
Aula 07- Administração de medicamentos em pediatria.pptx
Aula 07- Administração de medicamentos  em pediatria.pptxAula 07- Administração de medicamentos  em pediatria.pptx
Aula 07- Administração de medicamentos em pediatria.pptx
 

Mais de Viviane da Silva

Mais de Viviane da Silva (20)

Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
Cancer de pele
Cancer de peleCancer de pele
Cancer de pele
 
Cuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorCuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctor
 
Administração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginalAdministração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginal
 
Administração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaAdministração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmica
 
Administração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasalAdministração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasal
 
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições
 
Manual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeManual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saude
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
 
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisAula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
 
Limpeza terminal
Limpeza terminalLimpeza terminal
Limpeza terminal
 
Manual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinaçãoManual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinação
 

Adm med via intramuscular

  • 1. Administração de Medicamentos via Intramuscular Prof Viviane
  • 3. INJEÇÃO INTRAMUSCULAR (IM) •  É a deposição de medicamento dentro do tecido muscular. • Depois da via endovenosa é a de mais rápida absorção; por isso o seu largo emprego.
  • 4. Via Intramuscular • Via muito utilizada, devido a absorção rápida • Volume injetado (adulto massa muscular dentro do parâmetro normal) – Região deltóide – volume máximo 2ml – Região glútea – de 4 a 5 ml – Músculo da coxa (vasto lateral)– de 3 a 4 ml – Não esquecer que irá depender da massa muscular do cliente
  • 5. INJEÇÃO INTRAMUSCULAR (IM) Escolha do local 1º Região ventro-glútea: indicada em qualquer idade 2º Região da face ântero-lateral da coxa: indicada especialmente para lactentes e crianças até 10 anos. 3º Região dorso-glútea: contra-indicada para menores de 2 anos, maiores de 60 anos e pessoas excessivamente magras. 4º Região deltoidiana: contra-indicada para menores de 10 anos e adultos com pequeno desenvolvimento muscular.
  • 6. Músculo Deltóide Músculo da face ântero-lateral da coxa Músculo Ventro-glútea Músculo Dorso-glútea Regiões indicadas, para aplicação de injeção intramuscular
  • 7. ÂNGULO DA AGULHA • o ângulo de inserção da agulha deve ser sempre perpendicular à pele, a 90º independente da região. Quando a aplicação é feita na região ventro-glútea, recomenda-se que a agulha seja ligeiramente dirigida para a crista ilíaca.
  • 8. Tamanho da agulha Na seleção da agulha é preciso levar em consideração: • idade do cliente, • espessura do tecido subcutâneo • solubilidade da droga a ser injetada. Ex: 25 x 8 e 30 x 7.
  • 9. OBSERVAÇÕES • Caso venha sangue na seringa, retirar imediatamente e aplicar em outro local. • Injeções de mais de 2 ml não devem ser aplicadas no deltóide- restrito para vacinas • O volume máximo para injeção IM é de 5 ml. Volume acima de 5 ml, fracionar e aplicar em locais diferentes.
  • 10. OBSERVAÇÕES • Estabelecer rodízio nos locais de aplicação de injeções. • O uso do músculo deltóide é contra-indicado em pacientes com complicações vasculares dos membros superiores, pacientes com parestesia ou paralisia dos braços, e aquelas que sofreram mastectomia.
  • 11. Locais de Aplicação, Delimitação da área e Posição do Cliente Deltóide • Face lateral do braço, aproximadamente 4 dedos abaixo do ombro, no centro do músculo deltóide. • Preferencialmente sentado, com o antebraço flexionado, expondo completamente o braço e o ombro. • Volume Máximo: 2 ml
  • 12. Complicações após aplicações, por via intramuscular Abcessos; Infecções inespecíficas; Ulceração ou necrose tecidual por administração de medicamentos contra indicados para esta via;
  • 13. Complicações Durante e Após Aplicação • Lesão dos nervos radial, ulnar, escapular ou axilar; • Paralisia dos músculos do membro superior; • Lesão da artéria umeral;
  • 14. • Lesão do nervo circunflexo com provocação do chamado sinal de Anger (parestesia da parte posterior do deltóide); • Atrofia do deltóide;
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. • Gangrena por lesão de vasos sanguíneos; • Reações orgânicas por intolerância a solução injetada; • Inflamações provocadas por medicamentos irritantes aplicados em grande volume; • Nódulos e fibroses por aplicações repetidas no mesmo local.
  • 19.
  • 20. Dorço-glútea (DG) • Dividir o glúteo em 4 partes e aplicar no quadrante superior externo.
  • 21. Via Intramuscular • Quando não devemos utilizar a região glútea? – Crianças < 2 anos – Pctes com atrofia da musculatura – Paralisia de membros inferiores • Complicações – Deve-se evitar o nervo ciático – Injeções intravasculares: embolias – Infecções e abscessos
  • 22.
  • 23.
  • 24. • Os braços devem ficar ao longo do corpo e os pés virados para dentro
  • 25. • Deitado, em decúbito ventral, com a cabeça de preferência voltada para o aplicador - a fim de facilitar a observação de qualquer manifestação facial de desconforto ou dor durante a aplicação. • Deve-se evitar aplicações na região DG com o cliente em decúbito lateral, pois nessa posição há distorção dos limites anatômicos, aumentando a possibilidade de punções mal localizadas.
  • 26.
  • 27. Ventro-glútea • Colocar a mão não dominante no quadril do paciente, espalmando a mão sobre a base do grande trocanter do fêmur, localizando a espinha ilíaca ântero-superior. • Fazer a injeção no centro da área limitada pelos dois dedos abertos em V.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Músculo vasto lateral da coxa FALC • Dividir a coxa em 3 partes e fazer a aplicação na região ântero-lateral do terço médio. • De preferência, o paciente deve ficar sentado, com a perna fletida, ou deitado em decúbito dorsal, com as pernas distendidas.
  • 31.
  • 32.
  • 33. TÉCNICA DE APLICAÇÃO - IM • Lavar as mãos; • Identificar o cliente, perguntando-lhe o nome; • Colocar a bandeja, contendo a medicação, próxima ao cliente; • Explicar o procedimento e a finalidade ao cliente; • Escolher a região apropriada;
  • 34. • Com a mão não dominante pegar o algodão embebido em álcool a 70%, e proceder a anti-sepsia do local, • Colocar o cliente em posição adequada e expor somente a região escolhida; • Com a mão dominante pegar a seringa, segurando o corpo da mesma com os dedos polegar e indicador; Manter o algodão entre os dedos mínimo e anular da mesma mão; • Com a mão não dominante, esticar a pele segurando firmemente o músculo; • Introduzir, rapidamente a agulha com o bisel voltado para o lado, no sentido das fibras musculares – angulo 90º
  • 35. • Com a mão não dominante, puxar o êmbolo, aspirando para verificar se não lesionou algum vaso; empurrar o êmbolo, introduzindo a solução lentamente; • Terminada a aplicação, retirar a agulha com movimento rápido; • Fazer pressão no local com algodão, massageando levemente com movimentos circulares ; • Não realize massagem para medicamentos que devem ser absorvidos lentamente . Ex: anticoncepcional injetável • Observar as reações do cliente; • Desprezar o material, não recapando a agulha; • lavar as mãos;
  • 36. Técnica em Z • esta técnica de aplicação para injeção IM é indicada quando medicações irritantes, como o ferro, podem infiltrar-se para tecidos subcutâneos e pele, inclusive manchando. 1. Locais corretos para a injeção: quadrantes superior externos da região glútea, em direção perpendicular à asa ilíaca, evitando o trajeto do nervo. 2. Com os dedos da mão espalmada, repuxar firmemente a pele, mantendo- se assim durante todo o tempo de administração. O estiramento da pele somente cessará após retirada da agulha.
  • 37. 3. Após assepsia, introduzir a agulha profundamente e injetar lentamente, verificando, antes, se a ponta da agulha não atingiu algum vaso sangüíneo. 4. Injetado todo o líquido, esperar 10 segundos e retirar rapidamente a agulha. Somente então soltar a pele, que estava sendo repuxada pelos dedos da outra mão do aplicador. 5. Com estas manobras, os planos superficiais (pele e tecido subcutâneo) voltam à posição original e o canal formado pela agulha assume um trajeto irregular (em Z), que impede o refluxo do produto.