SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Cálculo de
Medicação
Conceitos em
Farmacologia
Enfª Andréa Dantas
Especialista em Gestão do Trabalho e
Educação na Saúde e
Enfermagem Pediátrica
Docente Senac
Introdução
 É fundamental que o enfermeiro e sua equipe
tenham bom conhecimento dos princípios básicos
de matemática, uma vez que qualquer erro de
cálculo pode ser extremamente prejudicial;
 Um erro de cálculo da dose máxima (maior
quantidade de medicamento capaz de produzir
ação terapêutica sem causar efeito tóxico) pode
ser letal;
 Saber as fórmulas a serem utilizadas no preparo
das doses medicamentosas é condição prioritária
para que o cliente receba a dosagem certa e se
produza o efeito esperado;
Introdução
 Durante a prática de administrar medicamentos,
o pessoal de enfermagem deve estar atento ao
tempo de infusão, as dosagens adequadas e às
reações esperadas.
 Atualmente, qualquer programa de computador
poderá calcular seguramente o que o cliente
deve receber de acordo com a prescrição
médica. No entanto, nem todas as instituições são
equipadas com essa tecnologia, o que obriga a
enfermagem a fazer as contas para ofertar
corretamente a dosagem que o cliente deve
receber;
Conceitos Importantes
 Dose: quantidade de medicamento introduzido no
organismo a fim de produzir efeito terapêutico.
 Dose máxima: maior quantidade de medicamento
capaz de produzir ação terapêutica sem ser
acompanhada de sintomas tóxicos.
 Dose tóxica: quantidade que ultrapassa a dose
máxima e pode causar conseqüências graves; a
morte é evitada se a pessoa for socorrida a tempo.
 Dose letal: quantidade de medicamento que causa
morte.
 Dose de manutenção: quantidade que mantém o
nível de concentração do medicamento no sangue.
 Devido à variedade de nomenclaturas
utilizadas no estudo do cálculo, preparo
e administração de fármacos, faz-se
necessária a revisão de conceitos
básicos:
 Solução: mistura homogênea composta
de soluto e solvente, sendo o solvente a
porção líquida da solução e o soluto a
porção sólida;
 Concentração: é a relação entre a
quantidade de soluto e solvente, ou seja,
entre a massa do soluto e o volume do
solvente. Ex: g/l, g/cm³;
 Segundo a sua concentração, isto é, sua
osmolaridade (número de partículas do soluto
dissolvidas no solvente) as soluções podem ser
classificadas em :
-Isotônica : é uma solução com concentração igual
ou mais próxima possível à concentração do
sangue. Ex: SF 0,9%, SG 5%, RL ;
-Hipertônica : é uma solução com concentração
maior que a concentração do sangue. Ex: SG 10%,
Manitol 10%;
-Hipotônica: é uma solução com concentração
menor que a concentração do sangue Ex: Nacl
0,45%;
Conceitos Importantes
 Suspensão: formada por dois componentes, mas não é
homogênea e sim heterogênea. Isso quer dizer que
após a centrifugação ou repouso é possível separar os
componentes, o que não ocorre com a solução;
 Proporção: é uma forma de expressar a concentração,
e consiste na relação entre soluto e solvente expressa
em “partes”. Ex: 1:40.000 – 1 g de soluto para 40.000 ml
de solvente;
 Porcentagem: é uma outra forma de expressar a
concentração. O termo por cento (%) significa
centésimos. Um percentual é uma fração cujo
numerador é expresso e o denominador é 100. Ex: 5%-
5g de soluto em 100 ml de solvente
Medidas em Farmacologia
 O sistema métrico decimal é de muita
importância para o cálculo e preparo das
drogas e soluções. Ao preparar a medicação é
necessário confirmar a unidade de medida;
 As unidades de medidas podem ser
representadas de modos diferentes, de acordo
com o fator de mensuração: peso, volume ou
comprimento;
 Unidade básica de peso
-Kg (quilograma) - Mg (miligrama)
-G(grama) -Mcg (micrograma)
1 Kg = 1000 g= 1.000.000 mg
1g= 1000mg 1mg= 1000 mcg
 Unidade básica de volume
L (litro) 1l= 1000ml 1ml= 20 gts
Ml (mililitro) 1gt=3mcgts
EXEMPLOS:
5g= 5000mg 1,5l= 1500ml 5000ml=5l
1500mg=1,5g 200ml=0,2l
Medidas em Farmacologia e
sua Equivalência
 Centímetro cúbico (cc ou cm³)- é similar ao
ml, logo 1cc equivale a 1 ml.
 Medidas caseiras
1 colher (café)- 3 ml
1 colher (chá)- 4 ml
1 colher (sobremesa)- 10 ml
1 colher (sopa)- 15 ml
1 xícara de chá- 180 ml
1 copo americano- 250 ml
REGRA DE TRÊS
 O cálculo da medicação pode ser resolvido, na
maioria das situações, através da utilização da regra
de 3. Essa regra nos ajuda a descobrir o valor de uma
determinada grandeza que está incógnita;
 As grandezas proporcionais de termos devem ser
alinhados e o raciocínio lógico deverá ser
encaminhado para se descobrir uma incógnita por
vez;
 A disposição dos elementos deve ser da seguinte
forma:
1ª linha- colocar a informação
2ª linha- coloca a pergunta
Exemplo 1:
 Em uma ampola de dipirona tenho 2ml
de solução. Quantos ml de solução tenho
em 3 ampolas?
1 amp---------2ml Informação
3amps---------x Pergunta
Multiplique em cruz 1 x x= 2x3
Isole a incógnita x=2x3 x= 6 ml
1
Exemplo 2:
 Se 1 ml contem 20 gts, quantas gotas há
em um frasco de SF 0,9% de 250 ml?
1ml---------20 gts
250ml------x 1 x x= 250 x 20
x= 250 x 20
1
x= 5000 gts num frasco de 250 ml de SF
0,9%
 Para os cálculos com números decimais e
centesimais, sugere-se que trabalhe com
aproximações;
 Se o valor da casa centesimal for menor que 5,
mantem-se o valor decimal. Ex: 3,52= 3,5;
 Se o valor da casa centesimal for igual ou maior
que 5, acrescenta-se uma unidade ao valor
decimal. Ex: 8,47= 8,5.
EXERCÍCIOS
 Prescrita Garamicina 25 mg IM. Tenho ampolas de
2ml com 40 mg/ml. Quanto devo administrar?
 Prescrito Cloridrato de Vancomicina 90 mg. Tenho
frasco-ampola de 500 mg e diluente de 5ml.
Quanto devo administrar?
 Prescrito Sulfato de Amicacina 150 mg. Tenho
frasco-ampola de 500 mg/2ml. Quanto devo
administrar?
 Se tenho frasco ampola de Cloranfenicol com 1 g,
diluente de 10 ml, e foi prescrito 0,75g. Quanto
devo administrar?
Transformando soluções
 A transformação de soluções deve ser efetuada
sempre que a concentração da solução prescrita
for diferente da solução disponível na unidade.
 Para efetuar o processo de transformação de
soluções deve-se considerar:
-a quantidade de soluto prescrito;
-a quantidade de solvente prescrito;
-as opções para se obter o soluto necessário a partir
de diferentes apresentações na unidade (ampolas
disponíveis);
-efetuar o cálculo correto, seguindo o raciocínio
lógico e utilizando os princípios da regra de 3 e da
equivalência entre unidades de medida;
Transformando soluções
 Para as transformações será usado como padrão o frasco de 500
ml de soro.
Temos 500 ml de soro glicosado 5 % e a prescrição foi de 500 ml a
10%.
Primeiro passo – Verifica-se quanto de glicose há no frasco a 5 %.
100 ml – 5 g
500 ml – x
x = 500 x 5 / 100 = 25g
500 ml de soro glicosado a 5% contem 25g de glicose
Segundo passo – Verifica-se quanto foi prescrito, isto é, quanto
contem um frasco a 10%
100ml – 10g
500 ml – x
X = 500 x 10 / 100 = 50g
500 ml de soro glicosado a 10% contem 50g de glicose.
Temos 25g e a prescrição foi de 50g; portanto, faltam 25g.
Transformando soluções
 Terceiro passo – Encontra-se a diferença procurando
supri-la usando ampolas de glicose hipertônica
Temos ampola de glicose de 20 ml a 50%
100 ml – 50g
20 ml – x
X = 20 x 50 / 100 = 10g
Cada ampola de 20 ml a 50 % contem 10g de glicose
20 ml – 10g
X – 25g
X = 20 x 25 / 10 = 50 ml
Será colocado então, 50 ml de glicose a 50%, ou seja, 2 +
½ ampolas de 20 ml no frasco de 500ml a 5%. Ficaremos
com 550 ml de soro glicosado.
Exercícios
 Temos soro glicosado a 5% e ampolas de glicose a
25% 10 ml. Queremos SG a 10%. Transforme essa
solução.
 Temos um SG isotônico a 5%. A prescrição foi de SG
a 15%. Temos ainda ampola de glicose 20 ml a 50%.
Transforme essa solução.
 Foi prescrito SG 10% 500ml. Tenho disponível SG 5%
500ml e ampolas de glicose 50% 10 ml.
 Temos SG 5% 500ml e SF 0,9% 500 ml. Queremos SGF.
Temos ampolas de glicose 10 ml a 25% e Nacl 20%
10 ml;
 Transforme 500 ml de SF 0,9% em 500 ml a 2%. Temos
ampola de solução cloretada de 10 ml em 20%
Outro modo de resolver.......
 Concentração de soluções:
Sempre que não existir no mercado determinada solução
na concentração desejada, caberá ao profissional de
enfermagem prepará-la, recorrendo ao cálculo de
concentração;
CV= C1V1 +C2V2 ( V1= V-V2); (V2= V-V1); (V3= V1
+V2)
C- concentração final desejada;
V- volume final desejado
C1-menor concentração disponível
C2-maior concentração disponível
V1 e V2- correspondem aos valores a serem aspirados das
soluções disponíveis
Cálculo de gotejamento
 Normalmente, os soros são prescritos em tempos
que variam de minutos até 24 horas, e volumes que
variam de mililitros a litros. A infusão é contínua e
controlada através do gotejamento;
 Para o cálculo de gotejamento é necessário
controlar o volume e o tempo. Na prática, o
controle de gotejamento, será feito em gotas/min;
mcgts/min
 Macrogotas: V em ml ou V x 20 em ml
Tx3 em horas T em minutos
Microgotas: V em ml
T em horas
Exemplos
 Calcular o número de gotas na
prescrição de SG 5% 500ml de 8/8 horas
1ml--------20 gts x= 10.000 gts
500ml-----x
1h-----60 min x= 480 minutos 10.000=
21 gts/min
8h-----x 480
Exemplos
 Foi prescrito SG 5% - 500 ml – 10 gts/min. Quantas
horas vão demorar para acabar o soro?
1 ml----20 gts x= 10.000 gts
500 ml---x
1 min----10 gts 10x= 10.000 x= 1000 minutos
x---------10.000 gts
1h------60 min x= 16 horas e 40 min
x------1000 min
Exercícios: Calcular o
gotejamento
 Prescrito SF o,9% 90 ml para correr em 30
min;
 Prescrito SG 5% 100 ml para correr em 1h
e 10 min;
 Prescrito SG 5% 125 ml para correr em 35
min;
 SG 10% 250 ml EV em 24 hs. Nº de
microgotas/min
Cálculo de insulina
 Outra questão de cálculo que exige
redobrada atenção para sua
administração é a Insulina, pois pode
haver incompatibilidade entre a
concentração do frasco e a seringa
disponível;
 Quando houver compatibilidade, não há
necessidade de efetuar cálculos,
bastando apenas aspirar na seringa a
quantidade de unidades prescritas pelo
médico. A formula é:
Insulina = Dose prescrita
Seringa X
Exemplo
 Temos insulina de 80 U e seringa de 40 U
em 1 ml. A dose prescrita foi de 20 U.
Quanto deve-se aspirar?
80 = 20 80 x= 800 x= 10 U
40 X
Antibióticos
 Muitos antibióticos ainda são padronizados em
unidades internacionais, contendo pó liofilizado
(solutos) e deverão ser diluídos;
 Os medicamentos mais comuns que se apresentam
em frasco-ampola tem as seguintes concentrações:
-Penicilina G potássica: 5.000.000 UI; 10.000.000 UI;
-Benzilpenicilina Benzatina: 600.000 UI; 1.200.000 UI
-Benzilpenicilina Procaína: 4.000.000 UI
O soluto da Penicilina G Potássica 5.000.000 equivale
a 2ml de solução após diluído e o de 10.000.000 a 4
ml de solução
EXEMPLOS
 Prescritos 300.000 UI de Benzilpenicilina
Benzatina IM, tenho FA de 600.000. Se diluir
em 4 ml, quanto devo aspirar?
 Prescritos 4.500.000 UI EV de Penicilina G
Potássica. Tenho FA de 5.000.000. Em quantos
ml devo diluir e quanto devo aspirar?
 Prescritos 6.000.000 UI de Penicilina G
Potássica. Tenho FA de 10.000.000 UI. Em
quanto devo diluir e aplicar?
Mais
Cálculos
CÁLCULO DE GOTEJAMENTO
 Fórmulas:
 Nº. de gotas/min. = V/Tx3
 Nº. de microgotas/min. = V/T
Onde, V = volume em ml e T = tempo em
horas
CÁLCULO DE GOTEJAMENTO
1. Quantas gotas deverão correr em um
minuto para administrar 1.000 ml de SG
a 5% de 6/6 horas?
Nº. de gotas/min. = V/Tx3 = 1.000/6x3
1.000/18 = 55,5* = 56 gotas/min.
* Regra para arredondamento
CÁLCULO DE GOTEJAMENTO
2. Quantas microgotas deverão correr em
um minuto para administrar 300ml de SF
0,9% em 4 horas?
Nº. de mgts/min. = V/T = 300/4 =75
CÁLCULO DE GOTEJAMENTO
 Mas o que fazer quando o tempo prescrito
pelo médico vem em minutos? Nova Regra:
Nº. de gotas/min. = V x 20/ nº. de minutos
3.Devemos administrar 100 ml de bicarbonato
de sódio a 10% em 30 minutos. Quantas gotas
deverão correr por minuto?
Nº. de gotas/min. = 100 x 20/30 =2.000/30 = 66,6*
= 67 gotas/min.
CÁLCULO DE GOTEJAMENTO
 Lembrar sempre que 1 gota = 3 microgotas
 Portanto nº. de microgotas/min. = nº. de
gotas x 3
Vamos praticar?
Ex.1 Calcule o nº. de gotas/min. Das
seguintes prescrições:
a) 1.000 ml de SG 5% EV em 24 horas.
b) 500 ml de SG 5% EV de 6/6h.
c) 500 ml de SF 0,9% EV em 1 hora.
d) 500 ml de SF 0,9% EV de 8/8h.
e) 100 ml de SF 0,9% EV em 30 minutos.
CÁLCULO DE GOTEJAMENTO
Vamos praticar?
Ex.1 Calcule o nº. de microgotas/min.
Das seguintes prescrições:
a)SF 0,9% 500 ml EV de 6/6h.
b) SG 5% 500 ml EV de 8/8h.
c) SGF 1.000 ml EV de 12/12h.
CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO
 Exemplo 1: Foram prescritos 500 mg VO de
Keflex suspensão de 6/6h quantos ml
devemos administrar?
 O primeiro passo é olhar o frasco e verificar
a quantidade do soluto por ml que nesse
caso está descrito: 250 mg/5ml,
significando que cada 5ml eu tenho 250
mg de soluto.
 Agora é só montar a regra de três:
250 mg------- 5 ml 250 x = 2.500
500 mg-------- x x = 2.500/250 x = 10 ml
 Exemplo 2: Devemos administrar 250 mg de
Novamin IM de 12/12 h. Temos na clínica
ampolas de 2 ml com 500 mg. Quantos ml
devo administrar?
500 mg ------- 2 ml 500 x = 500 x = 1 ml
250 mg-------- x x= 500/500
 Exemplo 3:
Devemos administrar 200 mg de Cefalin EV de
6/6h. Temos na clínica fr./amp. de 1g. Como
proceder?
 Primeiro passo, vou diluir o medicamento pois
há somente soluto;
 Nesse caso vamos utilizar 10 ml de AD;
 A quantidade de soluto é de 1g = 1.000 mg;
Agora é só montar a regra de três:
1.000 mg ---- 10 ml 1.000 x = 2.000
200 mg ------- x x = 2.000/1.000
x = 2 ml
 Exemplo 4: Foram prescritos 5 mg de Garamicina EV de
12/12 h. diluídos em 20 ml de SG 5%. Temos na clínica
apenas ampolas de 1ml com 40 mg/ml.
 Como a quantidade prescrita é muito pequena, iremos
rediluir, ou seja aspirar toda ampola e acrescentar mais
AD, nesse caso adicionaremos 7 ml de AD para facilitar
o cálculo.
 Portanto eu tenho 1ml da ampola + 7 ml de AD = 8 ml
com 40 mg.
40 mg ----- 8 ml 40 x = 40 x = 1 ml
5 mg ------ x x = 40/40
Devemos utilizar 1 ml da solução, colocando-a em 20 ml
de SG5% EV.
 Exemplo 5: Foram prescritos 7 mg de Novamin EV de 12/12 h.
Temos na clínica ampolas de 2 ml com 100mg/2ml. Quantos
ml devemos administrar?
 Observe que aqui também a quantidade prescrita é muito
pequena, precisaremos rediluir, nesse caso em 8 ml de AD
para facilitar o cálculo.
 Portanto, terei 2 ml da ampola + 8 ml de AD = 10 ml com 100
mg.
100 mg ----- 10 ml 100 x = 70 x = 0,7 ml
7 mg ------ x x = 70/100
Devemos aspirar 0,7 ml da medicação e rediluir para aplicação
pois a mesma não pode ser administrada diretamente na
veia.
 Exemplo 6: Foi prescrito 1/3 da ampola de Plasil EV
se necessário. Temos na clínica ampolas de 2 ml.
Quantos ml devemos administrar?
 A prescrição me pede para dividir a ampola em 3
partes e pegar 1 = 0,66 ml;
 Então devemos rediluir aspirando toda ampola +
1ml de AD assim teremos números inteiros.
Então 2ml da ampola + 1ml de AD = 3 ml /3
= 1 ml
 Exemplo 7: Foram prescritos 120 mg de Targocid uma
vez ao dia EV. Temos na clínica frascos de 200 mg.
Quantos ml devemos administrar?
 Precisamos diluir o medicamento e nesse caso
utilizaremos 5 ml de AD;
200 mg ----- 5 ml 200 x = 600
120 mg ----- x x = 600/200
X = 3 ml
 Exemplo 8: Foi prescrito Vancomicina 16 mg em 10 ml de
SG 5% de 6/6 horas.Temos na clínica frascos de 500 mg.
Como devemos proceder?
 Precisaremos diluir o medicamento (soluto) nesse caso
vamos utilizar 5 ml de AD.
500 mg ----- 5 ml 500 x = 500 x = 1 ml
100 mg ----- x x = 500/500
Descobrimos que em 1ml temos 100 mg
Pegaremos esse 1ml + 9 ml de AD = 10ml
100 mg ----- 10 ml 100 x = 160 x = 1,6 ml
16 mg ------ x x = 160/100
Devemos então utilizar 1,6 ml da solução colocar em 10 ml de
SG 5% e administrar
1. Calcule quantos ml do medicamento
deveremos administrar ao paciente nas
seguintes prescrições:
a) Tienam 250 mg EV de 6/6h. Temos fr./amp. 500 mg (diluir
em 20 ml).
b) Cefrom 2g EV de 12/12h. Temos fr./amp. de 1g. (diluir
em 10 ml).
c) Targocid 80 mg EV de 12/12h. Temos fr./amp. De 400 mg.
(diluir em 10 ml).
d) Calciferol ¼ de ampola IM. Temos ampolas de 1 ml
(15mg/ml). (Rediluir em 1 ml).
e) Dramim ¼ de ampola EV. Temos ampolas de 1ml.
(rediluir em 3 ml).
CÁLCULO COM PENICILINA CRISTALINA
 Nos cálculos anteriores a quantidade de soluto
contida em uma solução é indicada em gramas
ou miligramas. A penicilina cristalina virá
apresentada em unidades podendo ser:
 Frasco/amp. com 5.000.000 UI
 Frasco/amp. com 10.000.000
Vem em pó e precisa ser diluída.
CÁLCULO COM PENICILINA CRISTALINA
 Exemplo 1: Temos que administrar 2.000.000 UI de
penicilina cristalina EV de 4/4 h. Temos na clínica
somente frascos de 5.000.000 UI Quantos ml devemos
administrar?
 Na diluição da penicilina sempre que injetar-mos o
solvente teremos um volume de 2 ml a mais.
5.000.000 UI ------ 8 ml de AD + 2 ml do pó = 10 ml
2.000.000 UI ------- x
5.000.000 x = 20.000.000 UI X = 20.000.000/5.000.000
X = 4 ml
 Exemplo 2: Temos que administrar 100.000 UI de
penicilina cristalina EV de 4/4h. Temos na clínica
somente frascos de 5.000.000 UI. Quantos ml devemos
administrar?
(diluir com 8 ml de AD)
5.000.000 UI ------ 10 ml 5.000.000 X = 10.000.000
1.000.000 UI ------ x x = 10.000.000/5.000.000
X = 2 ml
Descobrimos que em 2 ml temos 1.000.000 e precisamos
de 100.000, teremos que rediluir em + 8 ml de AD, assim:
1.000.000 ------- 10 ml (2 ml de medicamento + 8 ml de
AD)
100.000 -------- x
1.000.000 x = 1.000.000 x = 1.000.000/1.000.000 x = 1
ml
1. Foi prescrito Penicilina cristalina
2.000.000 UI EV de 6/6h. Temos
frasco/amp. De 5.000.000 UI. Em
quantos ml devo diluir e quantos
devo administrar?
2. Temos que administrar 2.000.000
UI de Penicilina cristalina EV de
4/4h. Temos frascos de 5.000.000
UI. Em quantos ml devo diluir e
quantos devo administrar?
CÁLCULOS DE INSULINA/HEPARINA
 Exemplo 1: Foram prescritos 50 UI de insulina NPH
por via SC e não temos seringa própria só de 3
ml. Como devemos proceder?
100 UI ------ 1 ml 100 x = 50 x = 0,5 ml
50 UI ------- x x = 50/100
 Exemplo 2: Temos que administrar 2.500 UI de
heparina SC de 12/12h. Temos frasco de 5.000 UI
em 1ml. Como devemos proceder?
5.000 UI ------ 1 ml 5.000 x = 2.500 x = 0,5 ml
2.500 UI ------ x x = 2.500/5.000
1. Temos que administrar
insulina SC e não temos
seringa própria só de 3 ml.
Então calcule o ml de cada
valor prescrito:
a) 60 UI de insulina
b) 80 UI de insulina
c) 50 UI de insulina
CÁLCULOS DE DIFERENTES
PORCENTAGENS
 Exemplo 1: Temos na clínica ampolas de glicose a
50% com 20 ml. Quantas gramas de glicose temos
nesta ampola?
50 g ------- 100 ml 100 x = 1.000 x = 10 g
x -------- 20 ml x = 1.000/100
 Exemplo 2: Temos disponíveis ampolas de Vit. C a 10% com 5
ml. Quantos mg de Vit. C temos na ampola?
10 g ------ 100 ml 100 x = 50 x = 0,5 g
x ----- 5 ml x = 50/100
Mas queremos saber em mg
1 g ----- 1.000 mg 1 x = 500 x = 500 mg
0,5 g ---- x x = 500/1
1. Quanto de soluto encontramos nas
seguintes soluções:
a) 1 ampola de 20 ml de glicose a 25%
b) 1 ampola de 20 ml de NaCl a 30%
c) 1 frasco de 500 ml de SG a 5%
d) 1 frasco de 1.000 ml de SG a 5%
TRANSFORMANDO O SORO
Exemplo 1: Foi prescrito S.G. de 1.000 ml a
10%, temos somente SG de 1.000 ml a 5% e
ampolas de glicose 50 % com 10 ml. Como
devo proceder para transformar o soro de 5
para 10%?
 PASSO 1: descobrir quantas gramas de glicose
tem no soro que eu tenho.
5 g ------ 100 ml 100 x = 5.000
X ------- 1.000 ml x = 5.000/100
x = 50 g de glicose
 PASSO 2: descobrir quantas gramas de glicose contém no
soro prescrito.
10 g ------- 100 ml 100 x = 10.000 x = 100 g
x ------ 1.000 ml x = 10.000/100
 Descobri que devo acrescentar 50 gramas de glicose no
SG 5% de 1.000 ml.
 Tenho ampola de glicose 50%
50 g ---- 100 ml 100 x = 500 x = 5 g
X -------- 10 ml x = 500/100
 Portanto cada ampola de 10 ml contém 5 g de glicose,
assim devo colocar 10 ampolas no frasco de soro = 100 ml.
 Entretanto não cabe no frasco, devo então desprezar 100
ml do frasco onde estarei perdendo 5 g de glicose e
acrescento + 1 ampola de glicose.
 Assim utilizaremos 11 ampolas de glicose 50% para
transformar o soro.
1. Foi prescrito um frasco de SG 10%
de 500 ml. Temos frascos de SG 5%
500 ml e ampolas de glicose de 20
ml a 50%. Como devemos proceder
para transformar o soro?
Obrigada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemAna Hollanders
 
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfAULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfLourencianneCardoso
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioViviane da Silva
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Renato Santos
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAIthallo Alves
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemRAYANE DORNELAS
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slideRenata Nobre
 
Transformação de soros
Transformação de sorosTransformação de soros
Transformação de sorosMelisse Barbosa
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologiaSheilla Sandes
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentosClaudio Luis Venturini
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara motaClara Mota Brum
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxssuser51d27c1
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALElyda Santos
 

Mais procurados (20)

Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfAULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Transformação de soros
Transformação de sorosTransformação de soros
Transformação de soros
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Apostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdfApostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdf
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
 
AAula de Farnacologia 1
AAula de Farnacologia  1AAula de Farnacologia  1
AAula de Farnacologia 1
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
CALCULO - AULA 06.pptx
CALCULO - AULA 06.pptxCALCULO - AULA 06.pptx
CALCULO - AULA 06.pptx
 

Semelhante a Calculo de medicação

9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptxlvaroCosta22
 
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfAULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfmauromaumau
 
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Marizete Rodrigues
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusGilberto de Jesus
 
Aula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptx
Aula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptxAula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptx
Aula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptx5j524g8mtv
 
Calculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostilaCalculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostilaCuca Tolêdo
 
Transformando soluções
Transformando soluçõesTransformando soluções
Transformando soluçõesViviane Campos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticosThaís Prado
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)Elizeu Ferro
 
Transformação de soluções
Transformação de soluçõesTransformação de soluções
Transformação de soluçõesViviane Campos
 

Semelhante a Calculo de medicação (20)

9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
 
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf
 
aula
aula aula
aula
 
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfAULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
 
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
 
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo2
 
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo2
 
Curso de medicacao
Curso de medicacaoCurso de medicacao
Curso de medicacao
 
Cálculos i e ii
Cálculos  i e iiCálculos  i e ii
Cálculos i e ii
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
 
Aula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptx
Aula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptxAula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptx
Aula 6- Cálculo Aplicado à Farmácia.pptx
 
Calculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostilaCalculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostila
 
Transformando soluções
Transformando soluçõesTransformando soluções
Transformando soluções
 
Cálculo de medicamento.pptx
Cálculo de medicamento.pptxCálculo de medicamento.pptx
Cálculo de medicamento.pptx
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
 
Transformação de soluções
Transformação de soluçõesTransformação de soluções
Transformação de soluções
 

Mais de Andréa Dantas

Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de EnfermagemAndréa Dantas
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃOAndréa Dantas
 
MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1
MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1
MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1Andréa Dantas
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISAndréa Dantas
 
MANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MS
MANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MSMANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MS
MANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MSAndréa Dantas
 
REVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUAL
REVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUALREVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUAL
REVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUALAndréa Dantas
 
Crack é possível vencer ms
Crack é possível vencer msCrack é possível vencer ms
Crack é possível vencer msAndréa Dantas
 
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaCuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaAndréa Dantas
 
Avaliação de úlceras por pressão
Avaliação de úlceras por pressãoAvaliação de úlceras por pressão
Avaliação de úlceras por pressãoAndréa Dantas
 

Mais de Andréa Dantas (14)

Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
 
MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1
MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1
MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
 
MANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MS
MANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MSMANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MS
MANUAL DO CUIDADOR DE IDOSOS MS
 
REVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUAL
REVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUALREVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUAL
REVISTA INDERME- ENFERMAGEM ATUAL
 
Crack é possível vencer ms
Crack é possível vencer msCrack é possível vencer ms
Crack é possível vencer ms
 
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaCuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
 
Avaliação de úlceras por pressão
Avaliação de úlceras por pressãoAvaliação de úlceras por pressão
Avaliação de úlceras por pressão
 
5º sinal vital2
5º sinal vital25º sinal vital2
5º sinal vital2
 
Agir bem é bom
Agir bem é bomAgir bem é bom
Agir bem é bom
 
AUTOMEDICAÇÃO
AUTOMEDICAÇÃOAUTOMEDICAÇÃO
AUTOMEDICAÇÃO
 
OS ASPECTOS DA DOR
OS ASPECTOS DA DOROS ASPECTOS DA DOR
OS ASPECTOS DA DOR
 
JORNAL DOR
JORNAL DORJORNAL DOR
JORNAL DOR
 

Calculo de medicação

  • 1. Cálculo de Medicação Conceitos em Farmacologia Enfª Andréa Dantas Especialista em Gestão do Trabalho e Educação na Saúde e Enfermagem Pediátrica Docente Senac
  • 2. Introdução  É fundamental que o enfermeiro e sua equipe tenham bom conhecimento dos princípios básicos de matemática, uma vez que qualquer erro de cálculo pode ser extremamente prejudicial;  Um erro de cálculo da dose máxima (maior quantidade de medicamento capaz de produzir ação terapêutica sem causar efeito tóxico) pode ser letal;  Saber as fórmulas a serem utilizadas no preparo das doses medicamentosas é condição prioritária para que o cliente receba a dosagem certa e se produza o efeito esperado;
  • 3. Introdução  Durante a prática de administrar medicamentos, o pessoal de enfermagem deve estar atento ao tempo de infusão, as dosagens adequadas e às reações esperadas.  Atualmente, qualquer programa de computador poderá calcular seguramente o que o cliente deve receber de acordo com a prescrição médica. No entanto, nem todas as instituições são equipadas com essa tecnologia, o que obriga a enfermagem a fazer as contas para ofertar corretamente a dosagem que o cliente deve receber;
  • 4. Conceitos Importantes  Dose: quantidade de medicamento introduzido no organismo a fim de produzir efeito terapêutico.  Dose máxima: maior quantidade de medicamento capaz de produzir ação terapêutica sem ser acompanhada de sintomas tóxicos.  Dose tóxica: quantidade que ultrapassa a dose máxima e pode causar conseqüências graves; a morte é evitada se a pessoa for socorrida a tempo.  Dose letal: quantidade de medicamento que causa morte.  Dose de manutenção: quantidade que mantém o nível de concentração do medicamento no sangue.
  • 5.  Devido à variedade de nomenclaturas utilizadas no estudo do cálculo, preparo e administração de fármacos, faz-se necessária a revisão de conceitos básicos:  Solução: mistura homogênea composta de soluto e solvente, sendo o solvente a porção líquida da solução e o soluto a porção sólida;  Concentração: é a relação entre a quantidade de soluto e solvente, ou seja, entre a massa do soluto e o volume do solvente. Ex: g/l, g/cm³;
  • 6.  Segundo a sua concentração, isto é, sua osmolaridade (número de partículas do soluto dissolvidas no solvente) as soluções podem ser classificadas em : -Isotônica : é uma solução com concentração igual ou mais próxima possível à concentração do sangue. Ex: SF 0,9%, SG 5%, RL ; -Hipertônica : é uma solução com concentração maior que a concentração do sangue. Ex: SG 10%, Manitol 10%; -Hipotônica: é uma solução com concentração menor que a concentração do sangue Ex: Nacl 0,45%;
  • 7. Conceitos Importantes  Suspensão: formada por dois componentes, mas não é homogênea e sim heterogênea. Isso quer dizer que após a centrifugação ou repouso é possível separar os componentes, o que não ocorre com a solução;  Proporção: é uma forma de expressar a concentração, e consiste na relação entre soluto e solvente expressa em “partes”. Ex: 1:40.000 – 1 g de soluto para 40.000 ml de solvente;  Porcentagem: é uma outra forma de expressar a concentração. O termo por cento (%) significa centésimos. Um percentual é uma fração cujo numerador é expresso e o denominador é 100. Ex: 5%- 5g de soluto em 100 ml de solvente
  • 8. Medidas em Farmacologia  O sistema métrico decimal é de muita importância para o cálculo e preparo das drogas e soluções. Ao preparar a medicação é necessário confirmar a unidade de medida;  As unidades de medidas podem ser representadas de modos diferentes, de acordo com o fator de mensuração: peso, volume ou comprimento;  Unidade básica de peso -Kg (quilograma) - Mg (miligrama) -G(grama) -Mcg (micrograma)
  • 9. 1 Kg = 1000 g= 1.000.000 mg 1g= 1000mg 1mg= 1000 mcg  Unidade básica de volume L (litro) 1l= 1000ml 1ml= 20 gts Ml (mililitro) 1gt=3mcgts EXEMPLOS: 5g= 5000mg 1,5l= 1500ml 5000ml=5l 1500mg=1,5g 200ml=0,2l
  • 10. Medidas em Farmacologia e sua Equivalência  Centímetro cúbico (cc ou cm³)- é similar ao ml, logo 1cc equivale a 1 ml.  Medidas caseiras 1 colher (café)- 3 ml 1 colher (chá)- 4 ml 1 colher (sobremesa)- 10 ml 1 colher (sopa)- 15 ml 1 xícara de chá- 180 ml 1 copo americano- 250 ml
  • 11. REGRA DE TRÊS  O cálculo da medicação pode ser resolvido, na maioria das situações, através da utilização da regra de 3. Essa regra nos ajuda a descobrir o valor de uma determinada grandeza que está incógnita;  As grandezas proporcionais de termos devem ser alinhados e o raciocínio lógico deverá ser encaminhado para se descobrir uma incógnita por vez;  A disposição dos elementos deve ser da seguinte forma: 1ª linha- colocar a informação 2ª linha- coloca a pergunta
  • 12. Exemplo 1:  Em uma ampola de dipirona tenho 2ml de solução. Quantos ml de solução tenho em 3 ampolas? 1 amp---------2ml Informação 3amps---------x Pergunta Multiplique em cruz 1 x x= 2x3 Isole a incógnita x=2x3 x= 6 ml 1
  • 13. Exemplo 2:  Se 1 ml contem 20 gts, quantas gotas há em um frasco de SF 0,9% de 250 ml? 1ml---------20 gts 250ml------x 1 x x= 250 x 20 x= 250 x 20 1 x= 5000 gts num frasco de 250 ml de SF 0,9%
  • 14.  Para os cálculos com números decimais e centesimais, sugere-se que trabalhe com aproximações;  Se o valor da casa centesimal for menor que 5, mantem-se o valor decimal. Ex: 3,52= 3,5;  Se o valor da casa centesimal for igual ou maior que 5, acrescenta-se uma unidade ao valor decimal. Ex: 8,47= 8,5.
  • 15. EXERCÍCIOS  Prescrita Garamicina 25 mg IM. Tenho ampolas de 2ml com 40 mg/ml. Quanto devo administrar?  Prescrito Cloridrato de Vancomicina 90 mg. Tenho frasco-ampola de 500 mg e diluente de 5ml. Quanto devo administrar?  Prescrito Sulfato de Amicacina 150 mg. Tenho frasco-ampola de 500 mg/2ml. Quanto devo administrar?  Se tenho frasco ampola de Cloranfenicol com 1 g, diluente de 10 ml, e foi prescrito 0,75g. Quanto devo administrar?
  • 16. Transformando soluções  A transformação de soluções deve ser efetuada sempre que a concentração da solução prescrita for diferente da solução disponível na unidade.  Para efetuar o processo de transformação de soluções deve-se considerar: -a quantidade de soluto prescrito; -a quantidade de solvente prescrito; -as opções para se obter o soluto necessário a partir de diferentes apresentações na unidade (ampolas disponíveis); -efetuar o cálculo correto, seguindo o raciocínio lógico e utilizando os princípios da regra de 3 e da equivalência entre unidades de medida;
  • 17. Transformando soluções  Para as transformações será usado como padrão o frasco de 500 ml de soro. Temos 500 ml de soro glicosado 5 % e a prescrição foi de 500 ml a 10%. Primeiro passo – Verifica-se quanto de glicose há no frasco a 5 %. 100 ml – 5 g 500 ml – x x = 500 x 5 / 100 = 25g 500 ml de soro glicosado a 5% contem 25g de glicose Segundo passo – Verifica-se quanto foi prescrito, isto é, quanto contem um frasco a 10% 100ml – 10g 500 ml – x X = 500 x 10 / 100 = 50g 500 ml de soro glicosado a 10% contem 50g de glicose. Temos 25g e a prescrição foi de 50g; portanto, faltam 25g.
  • 18. Transformando soluções  Terceiro passo – Encontra-se a diferença procurando supri-la usando ampolas de glicose hipertônica Temos ampola de glicose de 20 ml a 50% 100 ml – 50g 20 ml – x X = 20 x 50 / 100 = 10g Cada ampola de 20 ml a 50 % contem 10g de glicose 20 ml – 10g X – 25g X = 20 x 25 / 10 = 50 ml Será colocado então, 50 ml de glicose a 50%, ou seja, 2 + ½ ampolas de 20 ml no frasco de 500ml a 5%. Ficaremos com 550 ml de soro glicosado.
  • 19. Exercícios  Temos soro glicosado a 5% e ampolas de glicose a 25% 10 ml. Queremos SG a 10%. Transforme essa solução.  Temos um SG isotônico a 5%. A prescrição foi de SG a 15%. Temos ainda ampola de glicose 20 ml a 50%. Transforme essa solução.  Foi prescrito SG 10% 500ml. Tenho disponível SG 5% 500ml e ampolas de glicose 50% 10 ml.  Temos SG 5% 500ml e SF 0,9% 500 ml. Queremos SGF. Temos ampolas de glicose 10 ml a 25% e Nacl 20% 10 ml;  Transforme 500 ml de SF 0,9% em 500 ml a 2%. Temos ampola de solução cloretada de 10 ml em 20%
  • 20. Outro modo de resolver.......  Concentração de soluções: Sempre que não existir no mercado determinada solução na concentração desejada, caberá ao profissional de enfermagem prepará-la, recorrendo ao cálculo de concentração; CV= C1V1 +C2V2 ( V1= V-V2); (V2= V-V1); (V3= V1 +V2) C- concentração final desejada; V- volume final desejado C1-menor concentração disponível C2-maior concentração disponível V1 e V2- correspondem aos valores a serem aspirados das soluções disponíveis
  • 21. Cálculo de gotejamento  Normalmente, os soros são prescritos em tempos que variam de minutos até 24 horas, e volumes que variam de mililitros a litros. A infusão é contínua e controlada através do gotejamento;  Para o cálculo de gotejamento é necessário controlar o volume e o tempo. Na prática, o controle de gotejamento, será feito em gotas/min; mcgts/min  Macrogotas: V em ml ou V x 20 em ml Tx3 em horas T em minutos Microgotas: V em ml T em horas
  • 22. Exemplos  Calcular o número de gotas na prescrição de SG 5% 500ml de 8/8 horas 1ml--------20 gts x= 10.000 gts 500ml-----x 1h-----60 min x= 480 minutos 10.000= 21 gts/min 8h-----x 480
  • 23. Exemplos  Foi prescrito SG 5% - 500 ml – 10 gts/min. Quantas horas vão demorar para acabar o soro? 1 ml----20 gts x= 10.000 gts 500 ml---x 1 min----10 gts 10x= 10.000 x= 1000 minutos x---------10.000 gts 1h------60 min x= 16 horas e 40 min x------1000 min
  • 24. Exercícios: Calcular o gotejamento  Prescrito SF o,9% 90 ml para correr em 30 min;  Prescrito SG 5% 100 ml para correr em 1h e 10 min;  Prescrito SG 5% 125 ml para correr em 35 min;  SG 10% 250 ml EV em 24 hs. Nº de microgotas/min
  • 25. Cálculo de insulina  Outra questão de cálculo que exige redobrada atenção para sua administração é a Insulina, pois pode haver incompatibilidade entre a concentração do frasco e a seringa disponível;  Quando houver compatibilidade, não há necessidade de efetuar cálculos, bastando apenas aspirar na seringa a quantidade de unidades prescritas pelo médico. A formula é: Insulina = Dose prescrita Seringa X
  • 26. Exemplo  Temos insulina de 80 U e seringa de 40 U em 1 ml. A dose prescrita foi de 20 U. Quanto deve-se aspirar? 80 = 20 80 x= 800 x= 10 U 40 X
  • 27. Antibióticos  Muitos antibióticos ainda são padronizados em unidades internacionais, contendo pó liofilizado (solutos) e deverão ser diluídos;  Os medicamentos mais comuns que se apresentam em frasco-ampola tem as seguintes concentrações: -Penicilina G potássica: 5.000.000 UI; 10.000.000 UI; -Benzilpenicilina Benzatina: 600.000 UI; 1.200.000 UI -Benzilpenicilina Procaína: 4.000.000 UI O soluto da Penicilina G Potássica 5.000.000 equivale a 2ml de solução após diluído e o de 10.000.000 a 4 ml de solução
  • 28. EXEMPLOS  Prescritos 300.000 UI de Benzilpenicilina Benzatina IM, tenho FA de 600.000. Se diluir em 4 ml, quanto devo aspirar?  Prescritos 4.500.000 UI EV de Penicilina G Potássica. Tenho FA de 5.000.000. Em quantos ml devo diluir e quanto devo aspirar?  Prescritos 6.000.000 UI de Penicilina G Potássica. Tenho FA de 10.000.000 UI. Em quanto devo diluir e aplicar?
  • 30. CÁLCULO DE GOTEJAMENTO  Fórmulas:  Nº. de gotas/min. = V/Tx3  Nº. de microgotas/min. = V/T Onde, V = volume em ml e T = tempo em horas
  • 31. CÁLCULO DE GOTEJAMENTO 1. Quantas gotas deverão correr em um minuto para administrar 1.000 ml de SG a 5% de 6/6 horas? Nº. de gotas/min. = V/Tx3 = 1.000/6x3 1.000/18 = 55,5* = 56 gotas/min. * Regra para arredondamento
  • 32. CÁLCULO DE GOTEJAMENTO 2. Quantas microgotas deverão correr em um minuto para administrar 300ml de SF 0,9% em 4 horas? Nº. de mgts/min. = V/T = 300/4 =75
  • 33. CÁLCULO DE GOTEJAMENTO  Mas o que fazer quando o tempo prescrito pelo médico vem em minutos? Nova Regra: Nº. de gotas/min. = V x 20/ nº. de minutos 3.Devemos administrar 100 ml de bicarbonato de sódio a 10% em 30 minutos. Quantas gotas deverão correr por minuto? Nº. de gotas/min. = 100 x 20/30 =2.000/30 = 66,6* = 67 gotas/min.
  • 34. CÁLCULO DE GOTEJAMENTO  Lembrar sempre que 1 gota = 3 microgotas  Portanto nº. de microgotas/min. = nº. de gotas x 3 Vamos praticar? Ex.1 Calcule o nº. de gotas/min. Das seguintes prescrições: a) 1.000 ml de SG 5% EV em 24 horas. b) 500 ml de SG 5% EV de 6/6h. c) 500 ml de SF 0,9% EV em 1 hora. d) 500 ml de SF 0,9% EV de 8/8h. e) 100 ml de SF 0,9% EV em 30 minutos.
  • 35. CÁLCULO DE GOTEJAMENTO Vamos praticar? Ex.1 Calcule o nº. de microgotas/min. Das seguintes prescrições: a)SF 0,9% 500 ml EV de 6/6h. b) SG 5% 500 ml EV de 8/8h. c) SGF 1.000 ml EV de 12/12h.
  • 36. CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO  Exemplo 1: Foram prescritos 500 mg VO de Keflex suspensão de 6/6h quantos ml devemos administrar?  O primeiro passo é olhar o frasco e verificar a quantidade do soluto por ml que nesse caso está descrito: 250 mg/5ml, significando que cada 5ml eu tenho 250 mg de soluto.  Agora é só montar a regra de três: 250 mg------- 5 ml 250 x = 2.500 500 mg-------- x x = 2.500/250 x = 10 ml
  • 37.  Exemplo 2: Devemos administrar 250 mg de Novamin IM de 12/12 h. Temos na clínica ampolas de 2 ml com 500 mg. Quantos ml devo administrar? 500 mg ------- 2 ml 500 x = 500 x = 1 ml 250 mg-------- x x= 500/500
  • 38.  Exemplo 3: Devemos administrar 200 mg de Cefalin EV de 6/6h. Temos na clínica fr./amp. de 1g. Como proceder?  Primeiro passo, vou diluir o medicamento pois há somente soluto;  Nesse caso vamos utilizar 10 ml de AD;  A quantidade de soluto é de 1g = 1.000 mg; Agora é só montar a regra de três: 1.000 mg ---- 10 ml 1.000 x = 2.000 200 mg ------- x x = 2.000/1.000 x = 2 ml
  • 39.  Exemplo 4: Foram prescritos 5 mg de Garamicina EV de 12/12 h. diluídos em 20 ml de SG 5%. Temos na clínica apenas ampolas de 1ml com 40 mg/ml.  Como a quantidade prescrita é muito pequena, iremos rediluir, ou seja aspirar toda ampola e acrescentar mais AD, nesse caso adicionaremos 7 ml de AD para facilitar o cálculo.  Portanto eu tenho 1ml da ampola + 7 ml de AD = 8 ml com 40 mg. 40 mg ----- 8 ml 40 x = 40 x = 1 ml 5 mg ------ x x = 40/40 Devemos utilizar 1 ml da solução, colocando-a em 20 ml de SG5% EV.
  • 40.  Exemplo 5: Foram prescritos 7 mg de Novamin EV de 12/12 h. Temos na clínica ampolas de 2 ml com 100mg/2ml. Quantos ml devemos administrar?  Observe que aqui também a quantidade prescrita é muito pequena, precisaremos rediluir, nesse caso em 8 ml de AD para facilitar o cálculo.  Portanto, terei 2 ml da ampola + 8 ml de AD = 10 ml com 100 mg. 100 mg ----- 10 ml 100 x = 70 x = 0,7 ml 7 mg ------ x x = 70/100 Devemos aspirar 0,7 ml da medicação e rediluir para aplicação pois a mesma não pode ser administrada diretamente na veia.
  • 41.  Exemplo 6: Foi prescrito 1/3 da ampola de Plasil EV se necessário. Temos na clínica ampolas de 2 ml. Quantos ml devemos administrar?  A prescrição me pede para dividir a ampola em 3 partes e pegar 1 = 0,66 ml;  Então devemos rediluir aspirando toda ampola + 1ml de AD assim teremos números inteiros. Então 2ml da ampola + 1ml de AD = 3 ml /3 = 1 ml
  • 42.  Exemplo 7: Foram prescritos 120 mg de Targocid uma vez ao dia EV. Temos na clínica frascos de 200 mg. Quantos ml devemos administrar?  Precisamos diluir o medicamento e nesse caso utilizaremos 5 ml de AD; 200 mg ----- 5 ml 200 x = 600 120 mg ----- x x = 600/200 X = 3 ml
  • 43.  Exemplo 8: Foi prescrito Vancomicina 16 mg em 10 ml de SG 5% de 6/6 horas.Temos na clínica frascos de 500 mg. Como devemos proceder?  Precisaremos diluir o medicamento (soluto) nesse caso vamos utilizar 5 ml de AD. 500 mg ----- 5 ml 500 x = 500 x = 1 ml 100 mg ----- x x = 500/500 Descobrimos que em 1ml temos 100 mg Pegaremos esse 1ml + 9 ml de AD = 10ml 100 mg ----- 10 ml 100 x = 160 x = 1,6 ml 16 mg ------ x x = 160/100 Devemos então utilizar 1,6 ml da solução colocar em 10 ml de SG 5% e administrar
  • 44. 1. Calcule quantos ml do medicamento deveremos administrar ao paciente nas seguintes prescrições: a) Tienam 250 mg EV de 6/6h. Temos fr./amp. 500 mg (diluir em 20 ml). b) Cefrom 2g EV de 12/12h. Temos fr./amp. de 1g. (diluir em 10 ml). c) Targocid 80 mg EV de 12/12h. Temos fr./amp. De 400 mg. (diluir em 10 ml). d) Calciferol ¼ de ampola IM. Temos ampolas de 1 ml (15mg/ml). (Rediluir em 1 ml). e) Dramim ¼ de ampola EV. Temos ampolas de 1ml. (rediluir em 3 ml).
  • 45. CÁLCULO COM PENICILINA CRISTALINA  Nos cálculos anteriores a quantidade de soluto contida em uma solução é indicada em gramas ou miligramas. A penicilina cristalina virá apresentada em unidades podendo ser:  Frasco/amp. com 5.000.000 UI  Frasco/amp. com 10.000.000 Vem em pó e precisa ser diluída.
  • 46. CÁLCULO COM PENICILINA CRISTALINA  Exemplo 1: Temos que administrar 2.000.000 UI de penicilina cristalina EV de 4/4 h. Temos na clínica somente frascos de 5.000.000 UI Quantos ml devemos administrar?  Na diluição da penicilina sempre que injetar-mos o solvente teremos um volume de 2 ml a mais. 5.000.000 UI ------ 8 ml de AD + 2 ml do pó = 10 ml 2.000.000 UI ------- x 5.000.000 x = 20.000.000 UI X = 20.000.000/5.000.000 X = 4 ml
  • 47.  Exemplo 2: Temos que administrar 100.000 UI de penicilina cristalina EV de 4/4h. Temos na clínica somente frascos de 5.000.000 UI. Quantos ml devemos administrar? (diluir com 8 ml de AD) 5.000.000 UI ------ 10 ml 5.000.000 X = 10.000.000 1.000.000 UI ------ x x = 10.000.000/5.000.000 X = 2 ml Descobrimos que em 2 ml temos 1.000.000 e precisamos de 100.000, teremos que rediluir em + 8 ml de AD, assim: 1.000.000 ------- 10 ml (2 ml de medicamento + 8 ml de AD) 100.000 -------- x 1.000.000 x = 1.000.000 x = 1.000.000/1.000.000 x = 1 ml
  • 48. 1. Foi prescrito Penicilina cristalina 2.000.000 UI EV de 6/6h. Temos frasco/amp. De 5.000.000 UI. Em quantos ml devo diluir e quantos devo administrar? 2. Temos que administrar 2.000.000 UI de Penicilina cristalina EV de 4/4h. Temos frascos de 5.000.000 UI. Em quantos ml devo diluir e quantos devo administrar?
  • 49. CÁLCULOS DE INSULINA/HEPARINA  Exemplo 1: Foram prescritos 50 UI de insulina NPH por via SC e não temos seringa própria só de 3 ml. Como devemos proceder? 100 UI ------ 1 ml 100 x = 50 x = 0,5 ml 50 UI ------- x x = 50/100  Exemplo 2: Temos que administrar 2.500 UI de heparina SC de 12/12h. Temos frasco de 5.000 UI em 1ml. Como devemos proceder? 5.000 UI ------ 1 ml 5.000 x = 2.500 x = 0,5 ml 2.500 UI ------ x x = 2.500/5.000
  • 50. 1. Temos que administrar insulina SC e não temos seringa própria só de 3 ml. Então calcule o ml de cada valor prescrito: a) 60 UI de insulina b) 80 UI de insulina c) 50 UI de insulina
  • 51. CÁLCULOS DE DIFERENTES PORCENTAGENS  Exemplo 1: Temos na clínica ampolas de glicose a 50% com 20 ml. Quantas gramas de glicose temos nesta ampola? 50 g ------- 100 ml 100 x = 1.000 x = 10 g x -------- 20 ml x = 1.000/100
  • 52.  Exemplo 2: Temos disponíveis ampolas de Vit. C a 10% com 5 ml. Quantos mg de Vit. C temos na ampola? 10 g ------ 100 ml 100 x = 50 x = 0,5 g x ----- 5 ml x = 50/100 Mas queremos saber em mg 1 g ----- 1.000 mg 1 x = 500 x = 500 mg 0,5 g ---- x x = 500/1
  • 53. 1. Quanto de soluto encontramos nas seguintes soluções: a) 1 ampola de 20 ml de glicose a 25% b) 1 ampola de 20 ml de NaCl a 30% c) 1 frasco de 500 ml de SG a 5% d) 1 frasco de 1.000 ml de SG a 5%
  • 54. TRANSFORMANDO O SORO Exemplo 1: Foi prescrito S.G. de 1.000 ml a 10%, temos somente SG de 1.000 ml a 5% e ampolas de glicose 50 % com 10 ml. Como devo proceder para transformar o soro de 5 para 10%?  PASSO 1: descobrir quantas gramas de glicose tem no soro que eu tenho. 5 g ------ 100 ml 100 x = 5.000 X ------- 1.000 ml x = 5.000/100 x = 50 g de glicose
  • 55.  PASSO 2: descobrir quantas gramas de glicose contém no soro prescrito. 10 g ------- 100 ml 100 x = 10.000 x = 100 g x ------ 1.000 ml x = 10.000/100  Descobri que devo acrescentar 50 gramas de glicose no SG 5% de 1.000 ml.  Tenho ampola de glicose 50% 50 g ---- 100 ml 100 x = 500 x = 5 g X -------- 10 ml x = 500/100  Portanto cada ampola de 10 ml contém 5 g de glicose, assim devo colocar 10 ampolas no frasco de soro = 100 ml.  Entretanto não cabe no frasco, devo então desprezar 100 ml do frasco onde estarei perdendo 5 g de glicose e acrescento + 1 ampola de glicose.  Assim utilizaremos 11 ampolas de glicose 50% para transformar o soro.
  • 56. 1. Foi prescrito um frasco de SG 10% de 500 ml. Temos frascos de SG 5% 500 ml e ampolas de glicose de 20 ml a 50%. Como devemos proceder para transformar o soro?