SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 72
PACTO NACIONAL PELA
ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
Orientadora de Estudos: Adriana Braga
11/06/2014
Pauta:
•Leitura de texto para deleite: “Oito a comer
biscoito, dez a comer pastéis”, Elenice Machado
de Almeida;
•Retomada do encontro anterior;
•Conclusão do texto: Organização da Sala de
Aula: Fazendo a Aula Acontecer;
•Socialização do texto: O Fechamento da Aula;
•Grupos para realização das atividades 2 a 5;
•Apresentação do caderno 2:
- Seção “Iniciando a Conversa”;
- Objetivos da unidade 2 ;
- Aprofundando o tema – Leitura do Texto 1;
- Seção Compartilhando;
•Jogos no Ensino da Matemática;
•Jogo: Pega-varetas;
•Tarefas;
•Torcida das Pactitas pelo Brasil.
LEITURA DELEITE
RETOMADA DO
ENCONTRO ANTERIOR
•DIFERENTES FORMAS DE
PLANEJAMENTO;
•ORGANIZAÇÃO DA SALA DE
AULA;
•O ESPAÇO FÍSICO DA SALA DE
AULA;
•O AMBIENTE PROPÍCIO À
APRENDIZAGEM...
Essa organização pode contribuir com o ensino-
aprendizagem de Matemática?
Como que a organização do trabalho pedagógico
pode facilitar ou melhorar nossa prática
pedagógica?
O ambiente propício à aprendizagem
Cabe ao professor criar um ambiente problematizador que
propicie a aprendizagem matemática, uma comunidade de
aprendizagem compartilhada por professor e alunos. Tal
comunidade pode ser entendida como um cenário de
investigação, tal como proposto por Skovsmose (2000), que
defende um espaço de aprendizagem em que os alunos possam
matematizar, ou seja, formular, criticar e desenvolver maneiras
matemáticas de entender o mundo. Nesse ambiente
problematizador, “os alunos podem formular questões e
planejar linhas de investigação de forma diversificada. Eles
podem participar do processo de investigação” (ALRO;
SKOVSMOSE, 2006, p. 55).
• investigar coletivamente;
• ler e discutir matematicamente;
• levantar hipóteses;
• buscar indícios;
• observar regularidades;
• registrar resultados provisórios;
• compartilhar estratégias;
• variar procedimentos;
• argumentar e investigar;
• ouvir argumentos;
• generalizar;
• conceituar
Um ambiente problematizador
estimula os alunos a:
Segundo Freire (2005), ensinar é criar possibilidades
para a produção e construção de conhecimento. Nesse
sentido, a dialogicidade é o caminho para se constituir
essas possibilidades. A relação dialógica que necessita
ser estabelecida em sala de aula envolve a
compreensão de que, em uma investigação, todos se
envolvem em uma relação horizontal, em que todos
aprendem, professores e alunos, em que o que detém
mais experiência ou mais conhecimento sobre um
assunto contribui com o seu saber e ajuda os outros a
avançar. Para Freire, a dialogicidade é uma prática
(práxis) libertadora.
Além disso, aprender Matemática
em um ambiente colaborativo é
importante para a leitura e a escrita.
Ler e escrever são ações não
somente restritas ao campo da
linguagem e da alfabetização em
língua.
Nesse sentido, da mesma forma que os
conceitos matemáticos vão sendo construídos
pelos alunos por meio das investigações e
problematizações, uma linguagem matemática
também vai sendo produzida a fim de comunicar
ideias ou mesmo servir de instrumento de
reflexão do conhecimento produzido. Dessa
forma, focamos na importância da valorização da
leitura e escrita em aulas de Matemática como
possibilidade de acesso a uma cultura escrita, ao
letramento.
PORQUE VALORIZAR A LEITURA E A ESCRITA
NAS AULAS DE MATEMÁTICA?
Possibilita acesso a uma cultura
escrita e ao letramento.
Ler e escrever são ações não somente restritas ao
campo da linguagem.
Compreender um texto com conceitos
matemáticos exigem um letramento para além
da língua materna.
À medida que conceitos vão ser apropriados,
uma linguagem matemática também vai sendo
elaborada.
Assim a leitura em Matemática assume um
papel político, segundo Fonseca (2013):
As práticas sociais envolvendo quantificação,
medição, orientação, ordenação ou classificação são
modos de usar a língua.
Nossa herança cultural nos legou modos escritos
de fazer Matemática.
Cultura escrita nas sociedades grafocêntricas é
permeada pela mesma racionalidade.
LEITURA, ESCRITA E ORALIDADE PARA O
REGISTRO DA PRÁTICA
“O saber dizer depende do saber fazer, e o
saber escrever, do saber interiorizado da
criança.”
(BRUNER apud KISHIMOTO, 2004)
REGISTRANDO A PRÁTICA
É importante considerar a função social do
registro, enquanto o gênero textual que
representa.
Direcionar o estudante para a estrutura do
gênero textual a ser produzido na aula de
Matemática.
As várias formas de registro possibilitam a
produção de sentidos próprios do objeto
matemático pelas crianças.
Valorizar o desenho como forma de registro de modos
de pensar matematicamente.
PIMM (1999) entende a necessidade do registro
na aula de Matemática como:
Forma de registro e comunicação de ideias;
Comunicação sobre ideias, objetos e processos
matemáticos;
Constituídos por termos próprios da linguagem
matemática;
Inclui modos característicos de pensar e argumentar
representados no TEXTO MATEMÁTICO.
O registro pode ser realizado por meio de
diferentes gêneros textuais, assumindo sentidos
diversos no contexto de aulas de Matemática:
• registro reflexivo para os alunos;
• registro de comunicação aos colegas e professor;
• registro do processo para constituir memória;
• registro como forma de sistematização;
• registro como apropriação de uma linguagem;
• registro como forma de comunicação da resolução
e/ou formulação de um problema.
Concluindo...
Vimos até aqui o planejamento das aulas e como
podemos pensar este planejamento adequado ao
espaço físico que temos, ou como podemos
pensar em modificar esse espaço físico para
torná-lo mais propício às nossas práticas de
Alfabetização Matemática. O próximo texto
aborda o fechamento da aula, um dos momentos
que proporcionam ao professor e alunos uma
oportunidade de estabelecer e deixar claro o que
foi visto e elaborado até então.
SOCIALIZAÇÃO DO TEXTO:
O FECHAMENTO DA AULA
Todo o trabalho que foi planejado e desenvolvido em sala de aula
necessita de um fechamento.
Momento de socialização ou entrega das produções
- Socialização das ideias desenvolvidas pelos alunos.
- Os alunos entregam suas produções escritas.
-O congresso matemático como possibilidade de socialização de ideias.
Síntese final
A tarefa de casa
Avaliação, progressão e continuidade das aprendizagens
• Todo o trabalho que foi planejado e
desenvolvido em sala de aula necessita
gerar uma síntese. As formas de fazer
essa síntese precisam constar no
planejamento do professor.
MOMENTO DE SOCIALIZAÇÃO
• As atividades desenvolvidas foram coletivas e
em situações de oralidade ou em um contexto
de jogo ou de manipulação de materiais:
• Nesse caso, o professor pode produzir,
coletivamente com os alunos, um texto síntese,
discutindo com eles as principais ideias que foram
trabalhadas, organizando-as num texto curto,
escrito na lousa – o professor como escriba – e
copiado pelos alunos, dependendo do nível de
alfabetização das crianças.
MOMENTO DE SOCIALIZAÇÃO
• As atividades desenvolvidas foram realizadas
individualmente ou em grupos
• A atividade foi individual, mas envolvia
resolução de situações-problema. Nesse
caso, os próprios alunos contam aos demais
colegas como pensaram na situação
proposta.
• A cada exposição o professor registra na
lousa as ideias apresentadas.
MOMENTO DE SOCIALIZAÇÃO
• As atividades desenvolvidas foram realizadas
individualmente ou em grupos
• A atividade foi realizada em grupo ou em dupla,
durante a realização das atividades propostas, o
professor deve circular pelos grupos e identificar as
diferentes resoluções ou respostas dadas pelos alunos.
• Ao acompanhar os grupos, selecionar quais discutir e
escolher três ou quatro duplas ou grupos para fazer a
exposição, procurando escolher respostas ou
estratégias diferenciadas.
• O grupo elege um relator do trabalho.
SÍNTESE DA PRÁXIS
• Como já foi dito anteriormente, o professor
precisa valorizar as falas dos alunos e as
inconsistências ou respostas inadequadas
ou incompletas, remetendo-as para a
turma discutir. Se houver um ambiente de
respeito pela fala dos alunos, eles não
terão dificuldades em expor suas ideias,
mesmo que elas não estejam corretas.
A TAREFA DE CASA
• A tarefa de casa é importante para o
momento de estudo individual do aluno.
No entanto, essa tarefa deve ser para o
aluno e não para a família. Assim, sempre
propor tarefas que sejam exequíveis pelos
próprios alunos.
A TAREFA DE CASA
• Tarefas de retomada e/ou fixação do
conteúdo trabalhado.
• O professor poderá propor pequenas tarefas
que possibilitem aos alunos continuar
pensando sobre o assunto tratado em aula.
No entanto, essas tarefas precisam ser
planejadas para que haja tempo suficiente de
correção na aula seguinte.
A TAREFA DE CASA
• Tarefas que irão desencadear a próxima
aula.
• O professor poderá propor, por exemplo, a
resolução de uma situação pelos alunos, na
qual eles utilizarão diferentes formas de
resolvê-la.
A TAREFA DE CASA
• Tarefas que exigem coleta de material.
• Muitas vezes a tarefa a ser proposta exige
a coleta de material em jornais ou
revistas, escolha de sucatas ou outros
materiais que serão utilizados na aula
seguinte.
MATERIAL PARA AVALIAÇÃO
• Todo o material produzido pelos alunos,
individualmente ou em grupos, em sala
ou em casa, pode se constituir em objeto
de avaliação. Nele, o professor tem
elementos para acompanhar o progresso
dos alunos, os desafios e dificuldades
que por ventura experimentem:
AVALIAÇÃO
- se conseguem
explicar de forma
mais clara e
adequada um
procedimento;
- se estão
conseguindo ler e
interpretar a
instrução de um
exercício ou o
enunciado de um
problema;
- se estão se
apropriando das
ideias/estratégias
que são
compartilhadas
nos trabalhos em
grupo ou nos
momentos de
socialização.
MATERIAL PARA AVALIAÇÃO
• O caderno do aluno mostra-se como um
instrumento favorável para o registro de
todo o movimento de resolução de
atividades propostas, bem como das
sínteses produzidas e negociadas pelo
coletivo da turma.
AVALIAÇÃO, PROGRESSÃO E
CONTINUIDADE DA
APRENDIZAGEM
• Entendemos que no ciclo de alfabetização
não faz sentido interromper o movimento
de aprendizagem de sala de aula para
realização de uma prova formal pelo
professor. A avaliação precisa ser contínua
e formativa.
O eixo Número e Operações será abordado em um
conjunto de três cadernos, sendo este o primeiro. O
tema central deste caderno são os Números. Esses
serão observados, basicamente, a partir de duas
perspectivas: a primeira apresenta os números como
resultantes de uma operação de contagem que
segue alguns princípios lógicos e possui variadas
formas de registro. A partir daí, estabelece-se a
relação entre a contagem, a quantificação, os
sistemas de registro e os sistemas de numeração. A
segunda apresenta os números no âmbito das
situações de uso em contextos sociais. Ambas são
abordadas simultaneamente, de modo que os
problemas que surgem num lado encontram
respostas no outro e geram novas questões tanto
para a matemática quanto para as práticas sociais.
• provocar reflexões sobre a ideia
de número e seus usos em
situações do cotidiano,
oferecendo subsídios para
práticas pedagógicas de modo
que a criança possa:
• Estabelecer relações de semelhança e ordem,
utilizando critérios diversificados para
classificar, seriar e ordenar seleções;
• Identificar números em diferentes contextos e
funções;
• Quantificar elementos de uma coleção,
utilizando diferentes estratégias;
• Comunicar as quantidades, utilizando a
linguagem oral, os dedos da mão ou materiais
substitutivos aos da coleção;
• Representar graficamente quantidades e
compartilhar, confrontar, validar e aprimorar
seus registros nas atividades que envolvem a
quantificação;
• Reproduzir sequências numéricas em escalas
ascendentes e descendentes a partir de
qualquer número dado;
• Elaborar, comparar, comunicar, confrontar e
validar hipóteses sobre as escritas e leituras
numéricas analisando a posição e a
quantidade de algarismos e estabelecendo
relações entre a linguagem escrita e a oral.
Ao jogar, a criança
sente-se desafiada e
procura meios para
superar os obstáculos e
vencer a partida;
Criança põe em ação seus recursos cognitivos:
• corrige as jogadas;
• avalia se suas ações foram favoráveis ou não;
• realiza antecipações;
• constrói estratégias e procedimentos;
• organiza as informações;
• toma decisões e relaciona as situações de
jogo com os conteúdos trabalhados em sala
de aula.
• interesse nas atividades;
• envolvimento;
• atenção;
• concentração;
• disponibilidade;
• resistência às frustrações.
Jogar deve ser um convite, não uma
imposição.
Forme grupos e jogue!!!!!
Não se esqueçam de registrar as jogadas.
• O jogo Pega-vareta;
• Objetivos e regras do jogo;
• Sugestão de roteiro para o
trabalho com o jogo;
*Aprendizagem do jogo;
*Intervenção pedagógica:
algumas possibilidades.
O jogo Pega-Varetas é um jogo chinês
muito antigo, também conhecido como
Mikado ou Xangai.
Exige muita paciência, concentração e
habilidade manual de seus participantes.
A versão do jogo utilizada é a brasileira que
consiste em 41 varetas coloridas
organizadas da seguinte maneira :
 14 amarelas que valem 5 pontos cada;
 14 vermelhas que valem 10 pontos cada;
 06 verdes que valem 15 pontos cada;
 06 azuis que valem 20 pontos cada;
 01 preta (General) que vale 50 pontos.
Estes valores convencionais são muito altos
para as crianças operarem no início do
Ensino Fundamental. O professor pode
propor uma substituição destes valores,
levando-se em conta que todos são
múltiplos de cinco. Para se chegar a estes
valores, sem alterar a hierarquia entre eles,
divide-se cada número pelo Máximo Divisor
Comum (5), obtendo os seguintes valores:
 amarela = 01 ponto (5 : 5 = 1)
 vermelha = 02 pontos (10 : 5 = 2)
 verde = 03 pontos (15 :5 = 3)
 azul = 04 pontos (20 : 5 = 4)
 preta = 10 pontos (50: 5 = 10)
Questões:
“Vocês conhecem este jogo?”
“Vocês já jogaram?”
“Como é que se joga?”
“Quem ganha o jogo?”
Os registros de pontos podem variar, mas de
maneira geral, as representações nos
registros devem conter informações
necessárias e completas em relação aos
observáveis do jogo: quantidade de varetas,
cores e valores de cada cor.
Registro Espontâneo de FER (8; 9) no Jogo Pega- Varetas
Mostra os valores de cada cor de vareta e a
quantidade que obteve cada uma.
Registro de CAM (9; 1) no Jogo Pega-Varetas
utilizando a Matemática
Utiliza-se apenas da adição, começando por somar
individualmente por cores e depois soma os resultados de
cada cor, esquecendo-se de acrescentar três pontos
correspondentes a uma vareta azul .
Diferentes Composições do todo efetuadas
por MAN (9; 11) no Jogo Pega-Varetas
a) são elaboradas a partir de momentos significativos do
próprio jogo;
b) apresentam um obstáculo, ou seja, representam alguma
situação de impasse ou decisão sobre qual a melhor ação
a ser realizada;
c) favorecem o domínio cada vez maior da estrutura do
jogo;
d) têm como objetivo principal promover análise e
questionamento sobre a ação de jogar, tornando menos
relevante o fator sorte e as jogadas por ensaio-e-erro.
(MACEDO, 2000, p. 21)
“A forma como a criança e o professor
enfrentam os erros e os acertos pode
interferir diretamente na aprendizagem
da matemática.” (GUIMARÃES, 2009, p. 145)
• Ler os textos que compõem o “Aprofundando o
Tema”;
• Aplicar a sequência didática elaborada durante o
momento de formação, registrando as observações
de seus alunos de forma sintética, para socialização
no próximo encontro;
• Desenvolver um jogo com sua classe que envolva
contagem. Não esqueça do registro das jogadas.
Todos os corações do
mundo num só lugar!!!!
Vai lá Brasil!!
2 encontro 1 momento pnaic matematica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamento e rotina pnaic 2015
Planejamento e rotina pnaic 2015Planejamento e rotina pnaic 2015
Planejamento e rotina pnaic 2015
Fabiana Esteves
 
Alfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papel
Alfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papelAlfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papel
Alfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papel
Cecilia Pinheiro
 
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho PedagógicoPNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
ElieneDias
 
Plano intervenção
Plano intervençãoPlano intervenção
Plano intervenção
josihy
 
Oficina 01 direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciências
Oficina 01   direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciênciasOficina 01   direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciências
Oficina 01 direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciências
Atividades Diversas Cláudia
 
Pnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamento
Pnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamentoPnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamento
Pnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamento
tlfleite
 
Ppt 3 ano 2 encontro pnaic
Ppt 3 ano   2 encontro pnaicPpt 3 ano   2 encontro pnaic
Ppt 3 ano 2 encontro pnaic
miesbella
 

Mais procurados (18)

Planejamento e rotina pnaic 2015
Planejamento e rotina pnaic 2015Planejamento e rotina pnaic 2015
Planejamento e rotina pnaic 2015
 
Alfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papel
Alfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papelAlfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papel
Alfabetização matemática, ambiente alfabetizador e o papel
 
Situações didáticas
Situações didáticasSituações didáticas
Situações didáticas
 
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho PedagógicoPNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
 
Minicurso falando de alfabetizacao e letramento
Minicurso falando de alfabetizacao e letramentoMinicurso falando de alfabetizacao e letramento
Minicurso falando de alfabetizacao e letramento
 
Raitec (2)
Raitec (2)Raitec (2)
Raitec (2)
 
1 encontro pacto matematica
1 encontro pacto matematica1 encontro pacto matematica
1 encontro pacto matematica
 
Plano intervenção
Plano intervençãoPlano intervenção
Plano intervenção
 
Slides Unidade 8
Slides Unidade 8Slides Unidade 8
Slides Unidade 8
 
Oficina 01 direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciências
Oficina 01   direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciênciasOficina 01   direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciências
Oficina 01 direitos de aprendizagem de leitura e escrita em ciências
 
Pnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamento
Pnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamentoPnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamento
Pnaic planejamento e rotina unidade 2 fechamento
 
11º encontro
11º encontro11º encontro
11º encontro
 
A Matematica como um texto
A Matematica como um textoA Matematica como um texto
A Matematica como um texto
 
Combinados 2011
Combinados 2011Combinados 2011
Combinados 2011
 
Eunice
EuniceEunice
Eunice
 
Pnaic caderno 10
Pnaic caderno 10Pnaic caderno 10
Pnaic caderno 10
 
Ppt 3 ano 2 encontro pnaic
Ppt 3 ano   2 encontro pnaicPpt 3 ano   2 encontro pnaic
Ppt 3 ano 2 encontro pnaic
 
Caderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º anoCaderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º ano
 

Semelhante a 2 encontro 1 momento pnaic matematica

Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Bete Feliciano
 
Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1
weleslima
 
2encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp01
2encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp012encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp01
2encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp01
Maria Angelica Pimentel
 
Relatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapa
Relatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapaRelatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapa
Relatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapa
Givanildo Sousa oliveira
 
Pauta formativa pnaic 7º encontro
Pauta formativa pnaic   7º encontroPauta formativa pnaic   7º encontro
Pauta formativa pnaic 7º encontro
taboao
 
Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01
Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01
Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01
Kelly Arduino
 

Semelhante a 2 encontro 1 momento pnaic matematica (20)

Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
 
Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1Apresentar caderno 1
Apresentar caderno 1
 
2encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp01
2encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp012encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp01
2encontropnaic2014vniaok 140722165357-phpapp01
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
 
Relatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapa
Relatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapaRelatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapa
Relatorio de formmacao_de_1o_mes_da_4a_etapa
 
Cap 9 Kamila.pptx
Cap 9 Kamila.pptxCap 9 Kamila.pptx
Cap 9 Kamila.pptx
 
Plano de ação 2ª unidade
Plano de ação 2ª unidade Plano de ação 2ª unidade
Plano de ação 2ª unidade
 
rotina-na-alfabetizac3a7c3a3o.pptx
rotina-na-alfabetizac3a7c3a3o.pptxrotina-na-alfabetizac3a7c3a3o.pptx
rotina-na-alfabetizac3a7c3a3o.pptx
 
Pauta formativa pnaic 7º encontro
Pauta formativa pnaic   7º encontroPauta formativa pnaic   7º encontro
Pauta formativa pnaic 7º encontro
 
Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01
Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01
Unidade6 projetos-131010153909-phpapp01
 
Apresenta Final Ufrgs
Apresenta Final UfrgsApresenta Final Ufrgs
Apresenta Final Ufrgs
 
Projeto (1)
Projeto (1)Projeto (1)
Projeto (1)
 
Projetos didáticos
Projetos didáticosProjetos didáticos
Projetos didáticos
 
Encontro sobre alfabetização
Encontro sobre alfabetizaçãoEncontro sobre alfabetização
Encontro sobre alfabetização
 
Unidade 5 10º e 11º encontro
Unidade 5   10º e 11º encontroUnidade 5   10º e 11º encontro
Unidade 5 10º e 11º encontro
 
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdfLibaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
 
Planejamento e rotinas nas aulas de matemática
Planejamento e rotinas nas aulas de matemáticaPlanejamento e rotinas nas aulas de matemática
Planejamento e rotinas nas aulas de matemática
 
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
 
Heterogeneidade
HeterogeneidadeHeterogeneidade
Heterogeneidade
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 

2 encontro 1 momento pnaic matematica

  • 1. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA Orientadora de Estudos: Adriana Braga 11/06/2014
  • 2. Pauta: •Leitura de texto para deleite: “Oito a comer biscoito, dez a comer pastéis”, Elenice Machado de Almeida; •Retomada do encontro anterior; •Conclusão do texto: Organização da Sala de Aula: Fazendo a Aula Acontecer; •Socialização do texto: O Fechamento da Aula; •Grupos para realização das atividades 2 a 5; •Apresentação do caderno 2: - Seção “Iniciando a Conversa”; - Objetivos da unidade 2 ; - Aprofundando o tema – Leitura do Texto 1; - Seção Compartilhando; •Jogos no Ensino da Matemática; •Jogo: Pega-varetas; •Tarefas; •Torcida das Pactitas pelo Brasil.
  • 5. •DIFERENTES FORMAS DE PLANEJAMENTO; •ORGANIZAÇÃO DA SALA DE AULA; •O ESPAÇO FÍSICO DA SALA DE AULA; •O AMBIENTE PROPÍCIO À APRENDIZAGEM...
  • 6. Essa organização pode contribuir com o ensino- aprendizagem de Matemática? Como que a organização do trabalho pedagógico pode facilitar ou melhorar nossa prática pedagógica?
  • 7. O ambiente propício à aprendizagem Cabe ao professor criar um ambiente problematizador que propicie a aprendizagem matemática, uma comunidade de aprendizagem compartilhada por professor e alunos. Tal comunidade pode ser entendida como um cenário de investigação, tal como proposto por Skovsmose (2000), que defende um espaço de aprendizagem em que os alunos possam matematizar, ou seja, formular, criticar e desenvolver maneiras matemáticas de entender o mundo. Nesse ambiente problematizador, “os alunos podem formular questões e planejar linhas de investigação de forma diversificada. Eles podem participar do processo de investigação” (ALRO; SKOVSMOSE, 2006, p. 55).
  • 8. • investigar coletivamente; • ler e discutir matematicamente; • levantar hipóteses; • buscar indícios; • observar regularidades; • registrar resultados provisórios; • compartilhar estratégias; • variar procedimentos; • argumentar e investigar; • ouvir argumentos; • generalizar; • conceituar Um ambiente problematizador estimula os alunos a:
  • 9. Segundo Freire (2005), ensinar é criar possibilidades para a produção e construção de conhecimento. Nesse sentido, a dialogicidade é o caminho para se constituir essas possibilidades. A relação dialógica que necessita ser estabelecida em sala de aula envolve a compreensão de que, em uma investigação, todos se envolvem em uma relação horizontal, em que todos aprendem, professores e alunos, em que o que detém mais experiência ou mais conhecimento sobre um assunto contribui com o seu saber e ajuda os outros a avançar. Para Freire, a dialogicidade é uma prática (práxis) libertadora.
  • 10. Além disso, aprender Matemática em um ambiente colaborativo é importante para a leitura e a escrita. Ler e escrever são ações não somente restritas ao campo da linguagem e da alfabetização em língua.
  • 11. Nesse sentido, da mesma forma que os conceitos matemáticos vão sendo construídos pelos alunos por meio das investigações e problematizações, uma linguagem matemática também vai sendo produzida a fim de comunicar ideias ou mesmo servir de instrumento de reflexão do conhecimento produzido. Dessa forma, focamos na importância da valorização da leitura e escrita em aulas de Matemática como possibilidade de acesso a uma cultura escrita, ao letramento.
  • 12. PORQUE VALORIZAR A LEITURA E A ESCRITA NAS AULAS DE MATEMÁTICA? Possibilita acesso a uma cultura escrita e ao letramento.
  • 13. Ler e escrever são ações não somente restritas ao campo da linguagem. Compreender um texto com conceitos matemáticos exigem um letramento para além da língua materna. À medida que conceitos vão ser apropriados, uma linguagem matemática também vai sendo elaborada.
  • 14. Assim a leitura em Matemática assume um papel político, segundo Fonseca (2013): As práticas sociais envolvendo quantificação, medição, orientação, ordenação ou classificação são modos de usar a língua. Nossa herança cultural nos legou modos escritos de fazer Matemática. Cultura escrita nas sociedades grafocêntricas é permeada pela mesma racionalidade.
  • 15. LEITURA, ESCRITA E ORALIDADE PARA O REGISTRO DA PRÁTICA “O saber dizer depende do saber fazer, e o saber escrever, do saber interiorizado da criança.” (BRUNER apud KISHIMOTO, 2004)
  • 16. REGISTRANDO A PRÁTICA É importante considerar a função social do registro, enquanto o gênero textual que representa. Direcionar o estudante para a estrutura do gênero textual a ser produzido na aula de Matemática. As várias formas de registro possibilitam a produção de sentidos próprios do objeto matemático pelas crianças. Valorizar o desenho como forma de registro de modos de pensar matematicamente.
  • 17. PIMM (1999) entende a necessidade do registro na aula de Matemática como: Forma de registro e comunicação de ideias; Comunicação sobre ideias, objetos e processos matemáticos; Constituídos por termos próprios da linguagem matemática; Inclui modos característicos de pensar e argumentar representados no TEXTO MATEMÁTICO.
  • 18. O registro pode ser realizado por meio de diferentes gêneros textuais, assumindo sentidos diversos no contexto de aulas de Matemática: • registro reflexivo para os alunos; • registro de comunicação aos colegas e professor; • registro do processo para constituir memória; • registro como forma de sistematização; • registro como apropriação de uma linguagem; • registro como forma de comunicação da resolução e/ou formulação de um problema.
  • 19. Concluindo... Vimos até aqui o planejamento das aulas e como podemos pensar este planejamento adequado ao espaço físico que temos, ou como podemos pensar em modificar esse espaço físico para torná-lo mais propício às nossas práticas de Alfabetização Matemática. O próximo texto aborda o fechamento da aula, um dos momentos que proporcionam ao professor e alunos uma oportunidade de estabelecer e deixar claro o que foi visto e elaborado até então.
  • 20. SOCIALIZAÇÃO DO TEXTO: O FECHAMENTO DA AULA Todo o trabalho que foi planejado e desenvolvido em sala de aula necessita de um fechamento. Momento de socialização ou entrega das produções - Socialização das ideias desenvolvidas pelos alunos. - Os alunos entregam suas produções escritas. -O congresso matemático como possibilidade de socialização de ideias. Síntese final A tarefa de casa Avaliação, progressão e continuidade das aprendizagens
  • 21. • Todo o trabalho que foi planejado e desenvolvido em sala de aula necessita gerar uma síntese. As formas de fazer essa síntese precisam constar no planejamento do professor.
  • 22. MOMENTO DE SOCIALIZAÇÃO • As atividades desenvolvidas foram coletivas e em situações de oralidade ou em um contexto de jogo ou de manipulação de materiais: • Nesse caso, o professor pode produzir, coletivamente com os alunos, um texto síntese, discutindo com eles as principais ideias que foram trabalhadas, organizando-as num texto curto, escrito na lousa – o professor como escriba – e copiado pelos alunos, dependendo do nível de alfabetização das crianças.
  • 23. MOMENTO DE SOCIALIZAÇÃO • As atividades desenvolvidas foram realizadas individualmente ou em grupos • A atividade foi individual, mas envolvia resolução de situações-problema. Nesse caso, os próprios alunos contam aos demais colegas como pensaram na situação proposta. • A cada exposição o professor registra na lousa as ideias apresentadas.
  • 24. MOMENTO DE SOCIALIZAÇÃO • As atividades desenvolvidas foram realizadas individualmente ou em grupos • A atividade foi realizada em grupo ou em dupla, durante a realização das atividades propostas, o professor deve circular pelos grupos e identificar as diferentes resoluções ou respostas dadas pelos alunos. • Ao acompanhar os grupos, selecionar quais discutir e escolher três ou quatro duplas ou grupos para fazer a exposição, procurando escolher respostas ou estratégias diferenciadas. • O grupo elege um relator do trabalho.
  • 25. SÍNTESE DA PRÁXIS • Como já foi dito anteriormente, o professor precisa valorizar as falas dos alunos e as inconsistências ou respostas inadequadas ou incompletas, remetendo-as para a turma discutir. Se houver um ambiente de respeito pela fala dos alunos, eles não terão dificuldades em expor suas ideias, mesmo que elas não estejam corretas.
  • 26. A TAREFA DE CASA • A tarefa de casa é importante para o momento de estudo individual do aluno. No entanto, essa tarefa deve ser para o aluno e não para a família. Assim, sempre propor tarefas que sejam exequíveis pelos próprios alunos.
  • 27. A TAREFA DE CASA • Tarefas de retomada e/ou fixação do conteúdo trabalhado. • O professor poderá propor pequenas tarefas que possibilitem aos alunos continuar pensando sobre o assunto tratado em aula. No entanto, essas tarefas precisam ser planejadas para que haja tempo suficiente de correção na aula seguinte.
  • 28. A TAREFA DE CASA • Tarefas que irão desencadear a próxima aula. • O professor poderá propor, por exemplo, a resolução de uma situação pelos alunos, na qual eles utilizarão diferentes formas de resolvê-la.
  • 29. A TAREFA DE CASA • Tarefas que exigem coleta de material. • Muitas vezes a tarefa a ser proposta exige a coleta de material em jornais ou revistas, escolha de sucatas ou outros materiais que serão utilizados na aula seguinte.
  • 30. MATERIAL PARA AVALIAÇÃO • Todo o material produzido pelos alunos, individualmente ou em grupos, em sala ou em casa, pode se constituir em objeto de avaliação. Nele, o professor tem elementos para acompanhar o progresso dos alunos, os desafios e dificuldades que por ventura experimentem:
  • 31. AVALIAÇÃO - se conseguem explicar de forma mais clara e adequada um procedimento; - se estão conseguindo ler e interpretar a instrução de um exercício ou o enunciado de um problema; - se estão se apropriando das ideias/estratégias que são compartilhadas nos trabalhos em grupo ou nos momentos de socialização.
  • 32. MATERIAL PARA AVALIAÇÃO • O caderno do aluno mostra-se como um instrumento favorável para o registro de todo o movimento de resolução de atividades propostas, bem como das sínteses produzidas e negociadas pelo coletivo da turma.
  • 33. AVALIAÇÃO, PROGRESSÃO E CONTINUIDADE DA APRENDIZAGEM • Entendemos que no ciclo de alfabetização não faz sentido interromper o movimento de aprendizagem de sala de aula para realização de uma prova formal pelo professor. A avaliação precisa ser contínua e formativa.
  • 34.
  • 35.
  • 36. O eixo Número e Operações será abordado em um conjunto de três cadernos, sendo este o primeiro. O tema central deste caderno são os Números. Esses serão observados, basicamente, a partir de duas perspectivas: a primeira apresenta os números como resultantes de uma operação de contagem que segue alguns princípios lógicos e possui variadas formas de registro. A partir daí, estabelece-se a relação entre a contagem, a quantificação, os sistemas de registro e os sistemas de numeração. A segunda apresenta os números no âmbito das situações de uso em contextos sociais. Ambas são abordadas simultaneamente, de modo que os problemas que surgem num lado encontram respostas no outro e geram novas questões tanto para a matemática quanto para as práticas sociais.
  • 37. • provocar reflexões sobre a ideia de número e seus usos em situações do cotidiano, oferecendo subsídios para práticas pedagógicas de modo que a criança possa:
  • 38. • Estabelecer relações de semelhança e ordem, utilizando critérios diversificados para classificar, seriar e ordenar seleções; • Identificar números em diferentes contextos e funções; • Quantificar elementos de uma coleção, utilizando diferentes estratégias;
  • 39. • Comunicar as quantidades, utilizando a linguagem oral, os dedos da mão ou materiais substitutivos aos da coleção; • Representar graficamente quantidades e compartilhar, confrontar, validar e aprimorar seus registros nas atividades que envolvem a quantificação;
  • 40. • Reproduzir sequências numéricas em escalas ascendentes e descendentes a partir de qualquer número dado; • Elaborar, comparar, comunicar, confrontar e validar hipóteses sobre as escritas e leituras numéricas analisando a posição e a quantidade de algarismos e estabelecendo relações entre a linguagem escrita e a oral.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46. Ao jogar, a criança sente-se desafiada e procura meios para superar os obstáculos e vencer a partida;
  • 47. Criança põe em ação seus recursos cognitivos: • corrige as jogadas; • avalia se suas ações foram favoráveis ou não; • realiza antecipações; • constrói estratégias e procedimentos; • organiza as informações; • toma decisões e relaciona as situações de jogo com os conteúdos trabalhados em sala de aula.
  • 48. • interesse nas atividades; • envolvimento; • atenção; • concentração; • disponibilidade; • resistência às frustrações. Jogar deve ser um convite, não uma imposição.
  • 49. Forme grupos e jogue!!!!! Não se esqueçam de registrar as jogadas.
  • 50. • O jogo Pega-vareta; • Objetivos e regras do jogo; • Sugestão de roteiro para o trabalho com o jogo; *Aprendizagem do jogo; *Intervenção pedagógica: algumas possibilidades.
  • 51. O jogo Pega-Varetas é um jogo chinês muito antigo, também conhecido como Mikado ou Xangai. Exige muita paciência, concentração e habilidade manual de seus participantes.
  • 52. A versão do jogo utilizada é a brasileira que consiste em 41 varetas coloridas organizadas da seguinte maneira :  14 amarelas que valem 5 pontos cada;  14 vermelhas que valem 10 pontos cada;  06 verdes que valem 15 pontos cada;  06 azuis que valem 20 pontos cada;  01 preta (General) que vale 50 pontos.
  • 53. Estes valores convencionais são muito altos para as crianças operarem no início do Ensino Fundamental. O professor pode propor uma substituição destes valores, levando-se em conta que todos são múltiplos de cinco. Para se chegar a estes valores, sem alterar a hierarquia entre eles, divide-se cada número pelo Máximo Divisor Comum (5), obtendo os seguintes valores:
  • 54.  amarela = 01 ponto (5 : 5 = 1)  vermelha = 02 pontos (10 : 5 = 2)  verde = 03 pontos (15 :5 = 3)  azul = 04 pontos (20 : 5 = 4)  preta = 10 pontos (50: 5 = 10)
  • 55. Questões: “Vocês conhecem este jogo?” “Vocês já jogaram?” “Como é que se joga?” “Quem ganha o jogo?”
  • 56. Os registros de pontos podem variar, mas de maneira geral, as representações nos registros devem conter informações necessárias e completas em relação aos observáveis do jogo: quantidade de varetas, cores e valores de cada cor.
  • 57. Registro Espontâneo de FER (8; 9) no Jogo Pega- Varetas Mostra os valores de cada cor de vareta e a quantidade que obteve cada uma.
  • 58. Registro de CAM (9; 1) no Jogo Pega-Varetas utilizando a Matemática Utiliza-se apenas da adição, começando por somar individualmente por cores e depois soma os resultados de cada cor, esquecendo-se de acrescentar três pontos correspondentes a uma vareta azul .
  • 59.
  • 60. Diferentes Composições do todo efetuadas por MAN (9; 11) no Jogo Pega-Varetas
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67. a) são elaboradas a partir de momentos significativos do próprio jogo; b) apresentam um obstáculo, ou seja, representam alguma situação de impasse ou decisão sobre qual a melhor ação a ser realizada; c) favorecem o domínio cada vez maior da estrutura do jogo; d) têm como objetivo principal promover análise e questionamento sobre a ação de jogar, tornando menos relevante o fator sorte e as jogadas por ensaio-e-erro. (MACEDO, 2000, p. 21)
  • 68. “A forma como a criança e o professor enfrentam os erros e os acertos pode interferir diretamente na aprendizagem da matemática.” (GUIMARÃES, 2009, p. 145)
  • 69.
  • 70. • Ler os textos que compõem o “Aprofundando o Tema”; • Aplicar a sequência didática elaborada durante o momento de formação, registrando as observações de seus alunos de forma sintética, para socialização no próximo encontro; • Desenvolver um jogo com sua classe que envolva contagem. Não esqueça do registro das jogadas.
  • 71. Todos os corações do mundo num só lugar!!!! Vai lá Brasil!!