Web 2.0

721 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
721
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Web 2.0

  1. 1. FREQÜÊNCIA DE ESPINHA BÍFIDA ENTRE CRIANÇAS NASCIDAS COM DEFEITOS CONGÊNITOS NA CIDADE DE PELOTAS Pedro Funari Pereira Marilia Lagranha Tramunt Tamiris Cristina Soares Universidade Católica de Pelotas Laboratório de Genética Laboratório de Genética Escola de Ciências da Saúde UCPel
  2. 2. Introdução <ul><li>Espinha Bífida </li></ul><ul><ul><li>É um defeito de fechamento do tubo neural caracterizado por herniação ou exposição do cordão espinhal e/ou meninges, devido à não fusão das metades embrionárias dos arcos vertebrais nas primeiras semanas de gestação </li></ul></ul>
  3. 3. Introdução <ul><li>Espinha Bífida Oculta </li></ul><ul><li>Espinha Bífida Cística </li></ul>
  4. 4. Introdução <ul><li>Epidemiologia </li></ul><ul><ul><li>No mundo, é uma das mais freqüentes malformações congênitas (totalizando 30 a 47% dos defeitos do tubo neural e 5% de todas as malformações) </li></ul></ul><ul><ul><li>É a mais comum do sistema nervoso central </li></ul></ul><ul><ul><li>Também é a mais comum das malformações congênitas permanentemente debilitantes, sendo responsável por importantes seqüelas neurológicas </li></ul></ul>
  5. 5. Objetivos <ul><li>Este trabalho teve como objetivo medir a freqüência da doença entre os recém-nascidos com malformações, bem como verificar os fatores de risco associadas a elas </li></ul>
  6. 6. Método <ul><li>Trata-se de um estudo caso-controle constituído por 52 casos (recém-nascidos com espinha bífida) e de 52 controles (recém-nascidos desprovidos de morbidades) que avaliou a totalidade dos nascimentos hospitalares na cidade de Pelotas no período de 01/01/1996 a 31/12/2005 </li></ul>
  7. 7. Método <ul><li>Foi utilizado um formulário padronizado, no qual foram coletadas as informações acerca da mãe e de seu recém-nascido, para que se elaborasse um banco de dados </li></ul><ul><li>Para a análise dos dados utilizaram-se o Qui Quadrado (X²) e o Odds Ratio com intervalo de confiança de 95% (OR IC95%), sendo considerado significativo os resultados com p<0,05 </li></ul>
  8. 8. Resultados <ul><li>Foi encontrada uma prevalência de 5,8 casos em cada 10.000 nascimentos </li></ul>
  9. 9. Resultados P=0,71; OR=1,41 IC 95%=0,43-4,72. P=0,77; OR=1,34 IC95%=0,42-4,33. P=0,13; OR=1,97; IC95%=0,83-4,7.
  10. 10. Resultados P=0,96; OR(uma gestação)=0,89; IC95%=0,3-2,6. OR(três ou mais)=1; IC95%=0,34-2,94. P=0,57; OR(10-19 anos)=0,58; IC95%=0,18-1,88. OR(35-60 anos)=*. P=0,57; OR(10-19 anos)=*. OR(41-80 anos)=*. *. Valores de “Odds Ratio” não presentes porque seus “limites” não foram considerados exatos quando calculados através do programa Epi Info.
  11. 11. Conclusão <ul><li>Embora o presente estudo não tenha encontrado as associações com os fatores de risco já determinados pela literatura, não nos permite excluí-los, devendo-se aumentar a amostra, para verificar as possíveis associações entre espinha bífida e os fatores de risco estudados. </li></ul>
  12. 12. Ácido Fólico
  13. 13. Bibliografia <ul><li>Cunha CJ, Fontana T, Garcias GL, Martino-Roth MG. Genetic and ambient factors and profile of the newborns with spina bifida. Rev Bras Ginecol Obstet 2005 may; 27(5): 268-274. </li></ul><ul><li>Garcias GL, Martino-Roth MG, Azevedo ACMM, Tomasi RRV, Fontana T. Semiologia do Recém-Nascido Normal e Malformado. Educat; 2005; 232pp. </li></ul><ul><li>Groenen PM, van Rooij IA, Peer PG, Ocke MC, Zielhuis GA, Steegers-Theunissen RP. Low maternal dietary intakes of iron, magnesium, and niacin are associated with spina bifida in the offspring. J Nutr 2004 Jun; 134(6): 1516-22. </li></ul><ul><li>Kazaura M, Lie RT, Skjaerven R. Paternal age and the risk of birth defects in Norway. Ann Epidemiol 2004 Sep; 14(8): 566-70. </li></ul><ul><li>Rittler M, López-Camelo J, Castilla EE. Sex ratio and associated risk factors for 50 congenital anomaly types: clues for causal heterogeneity. Birth Defects Res. Part A Clin Mol Teratol 2004 Jan; 70(1):13-9. </li></ul><ul><li>Vieira AR, Taucher SC. Edad materna y defectos del tubo neural: evidencia para un efecto mayor en espina bífida que anencefalia. Rev méd Chile 2005 jan; 133(1). </li></ul>

×