SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Microcefalia e/ou alterações do
Sistema Nervoso Central e a
relação com vírus Zika
Wanderson K. Oliveira
Epidemiologista
j.mp/blog-epilibertas
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
ALTERAÇÕES CONGÊNITAS
 São alterações morfológicas e/ou funcionais detectáveis na gestação e ao
nascer e que exibem manifestações clínicas muito diversificadas, de dismorfias
leves até defeitos complexos de órgãos que podem apresentar-se isolados ou
associados.
 Algumas anomalias importantes podem ser diagnosticadas antes do
nascimento, podendo ser leves ou graves e muitas podem ser tratadas ou
reparadas. Apesar disso, a maioria trata-se depois do parto ou mais adiante.
 Malformações congênitas constituem a principal causa de mortalidade infantil.
 Aproximadamente 3-4 % dos recém-nascidos têm algum defeito congênito.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
ANOMALIAS CONGÊNITAS OU DEFEITOS CONGÊNITOS
 Aproximadamente 50% de todas as anomalias congênitas não podem
ser relacionadas a causas específicas, há apenas algumas causas e
fatores de risco conhecidos;
 Alguns casos somente são descobertos quando a criança cresce.
Aproximadamente 7,5% das crianças com <5 anos diagnostica-se um
defeito deste tipo, embora muitos deles sejam insignificantes;
 As anomalias congênitas mais comuns são graves defeitos cardíacos,
defeitos do tubo neural e síndrome de Down;
 Apesar de anomalias congênitas pode ser genética, infecciosa,
nutricional e ambiental na origem, na maioria das vezes é difícil
identificar as causas exatas;
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
ANOMALIAS CONGÊNITAS OU DEFEITOS CONGÊNITOS
 Algumas anomalias não necessitam de nenhum tratamento. Outras não podem ser
tratadas e, em consequência, a criança poderá apresentar algum tipo de incapacidade
permanente.
 Até a década de 1940, acreditava-se que os embriões humanos estavam protegidos de
agentes ambientais, tais como drogas e vírus, pelas membranas extraembrionárias/fetais
(âmnio e córion) e pelas paredes abdominal e do útero da mãe.
 A identificação da síndrome da rubéola congênita, em 1941, derrubou a ideia de que a
placenta seria uma barreira eficaz de proteção contra organismos exógenos.
 Na década de 1960 a tragédia da talidomida, provocada pelo uso de fármacos durante a
gravidez, trouxe maior atenção.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
FISIOPATOGENIA DAS ANOMALIAS CONGÊNITAS
 Malformação: Defeito morfológico de um órgão, parte de um órgão ou região
maior do corpo resultante de um processo de desenvolvimento
intrinsecamente anormal. Exemplos: alterações cromossômicas e gênicas como
fator intrínseco.
 Deformidade: Uma estrutura deformada intrauterina, que originariamente
(geneticamente) estava definida para se desenvolver normalmente e cujo
processo de desenvolvimento foi alterado por agentes mecânicos. Exemplo: Pé
torto por miopatia.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
FISIOPATOGENIA DAS ANOMALIAS CONGÊNITAS
 Disrupção ou ruptura: é um defeito morfológico de um órgão, parte de um
órgão, ou uma região maior do corpo resultante do desarranjo do processo de
desenvolvimento originalmente normal que fica comprometido por
interferência de um:
 Fator extrínseco: infecções congênitas (sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes
símplex), isquemia intrauterina, radiações ionizantes, outras agressões teratogênicas (drogas
como talidomida, aspirina, tetraciclina, calmantes, amino glicosídeos, quinolonas, hidantoína,
warfarina), alcoolismo materno, drogadição (cocaína). Exemplo: microcefalia.
 Displasia: anormalidade da organização das células ao formarem tecidos e seus
resultados morfológicos. Exemplo: displasias esqueléticas – acondroplasia.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
ANOMALIAS CONGÊNITAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL
 As malformações congênitas das estruturas que recobrem o sistema nervoso central
(meninges, arcos vertebrais, músculos e pele) são chamadas de defeitos de
fechamento do tubo neural (DFTN)
 Defeitos do tubo neural afetam o cérebro e a medula espinhal, e estão entre as
anomalias congênitas mais comuns (em geral 10/10.000 nascidos vivos no mundo)
 Os tipos mais prevalentes de defeitos no tubo neural são anencefalia, inencefalia,
espinha bífida e encefalocele
Source: adapted, with permsiion from the publisher, from Botto et al. N. Engl. J. Med. 1999;341:1509–19.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
ANOMALIAS CONGÊNITAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL
Source: adapted, with permsiion from the publisher, from Botto et al. N. Engl. J. Med. 1999;341:1509–19.
Inencefalia
Cranioraquisquis
e
Espinha Bífida
Aberta
Anencefalia
Encefalocele
Espinha
Bífida
Fechada
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
ANENCEFALIA
Fonte: OMS – World Atlas of Birth Defects - 2003
 A anencefalia é definida como a ausência
completa (holo) ou parcial (mero) do cérebro,
causada por uma falha no fechamento do tubo
neural cefálico, resultando na protrusão de
tecido cerebral através do defeito na calvária
(exencefalia) e na sua degeneração
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
CAUSAS E RISCOS
 Apesar de se desconhecer a causa das anomalias congênitas, sabe-se que
certos fatores aumentam o risco de desenvolvê-las, como: as deficiências
nutricionais, a radiação, certos fármacos e outras drogas, como o consumo de
álcool e tabaco, certos tipos de infecções e outras doenças da mãe,
traumatismos e outros transtornos hereditários.
 Alguns riscos podem ser evitados, enquanto outros não. Assim, uma gestante
pode seguir estritamente todos os conselhos (dieta apropriada, descansar o
suficiente e evitar tomar medicamentos) e mesmo assim ter um neonato com
defeito congênito. Por outro lado, outra mulher pode fazer muitas coisas
prejudiciais para o feto e, no entanto, ter um filho sem nenhum defeito congênito.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
TERATOGÊNESE
 Qualquer fator ou substância que possa induzir ou incrementar o risco de defeitos
congênitos, interferindo no desenvolvimento do embrião, recebe o nome de
teratógeno.
 Esses elementos têm diferentes origens, como as substâncias químicas, tais como a
aspirina e a talidomida; agentes biológicos (infecciosos), tais como bactérias, vírus,
fungos, parasitos; e agentes físicos, tal como a radiação.
 A ação de um agente teratogênico sobre o embrião ou feto em desenvolvimento
depende de diversos fatores, como: estágio de desenvolvimento do concepto,
relação entre dose e efeito, genótipo materno-fetal e mecanismo patogênico
específico de cada agente.
 A fase fetal é menos atingida, porém estruturas como o cérebro, o cerebelo, o
sistema endócrino e o urogenital continuam se diferenciando, e, por isso, são
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
TERATOGÊNESE
 A fase embrionária é a
mais prejudicada,
podendo afetar várias
estruturas.
 Após a fecundação, entre
15 e 25 dias, o teratógeno
afeta o cérebro;
 de 24 a 40 dias, os olhos;
 de 20 a 40 dias, o coração;
 de 24 a 36 dias, os
membros;
 de 45 dias em diante, a
genitália.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
TERATOGÊNESE
 Fatores nutricionais: Uma das substâncias necessárias para um desenvolvimento apropriado é o fosfato (ácido
fólico). Uma quantidade insuficiente do mesmo na dieta aumenta o risco de o bebê sofrer de espinha bífida ou
outros defeitos do tubo neural.
 Fatores físicos dentro do útero: Uma quantidade anormal de líquido amniótico pode indicar ou causar certos
defeitos congênitos. A acumulação de líquido amniótico pode acontecer quando o feto tem dificuldades em
engolir, um problema que pode ser causado por uma grave doença cerebral, como a anencefalia ou por uma
atresia esofágica.
 Fatores genéticos e cromossômicos: Alguns defeitos congênitos são herdados de um ou de ambos os pais. Outros
são causados por mudanças espontâneas e inexplicáveis (mutações) nos genes. Outros ainda derivam de alguma
anomalia cromossômica, como um cromossoma a mais ou a falta dele. Quanto maior a idade da gestante
(principalmente se tem mais de 35 anos), maior é a probabilidade de que o feto tenha uma anomalia
cromossômica.
 Fatores infecciosos: Sífilis, Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Simplex.
 Fatores físicos: radiação ionizante
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
SOBRE A MICROCEFALIA
 Cerca de 3% dos lactentes apresentam malformações estruturais significativas
detectáveis no nascimento e a maioria (65%) não tem etiologia conhecida.
 A microcefalia é frequentemente está associada com atraso no
desenvolvimento intelectual, motor e alterações neurológicas;
 A definição de microcefalia após o nascimento não é padronizada. Geralmente
considera-se o perímetro cefálico (PC) com mais de 2 desvios padrão (DP)
abaixo da média para idade e sexo. Outros autores utilizam 3 DP como
referência;
 Para o PC menor que 2 DP abaixo da média, estima-se entre 0,56% a 0,54% das
crianças e para 3 DP e somente 0,1% das crianças diagnosticadas com
microcefalia;
 A incidência de atraso no desenvolvimento, correlacionado com o PC menor
que a média é de 11% para 2 DP e 51% para 3 DP;
Fonte: Leibovitz, Z., et al. "Microcephaly at birth‐the accuracy of three references for fetal head circumference. How can we improve
prediction?." Ultrasound in Obstetrics & Gynecology (2015) e Manual de Obstetrícia de Williams - 23ed: Complicações na Gestação
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
 A microcefalia se define como a presença de um Perímetro Cefálico (PC)
menor que dois desvios padrão abaixo da média para a idade, sexo,
raça e tempo de gestação.
 Um PC baixo (microcefalia) indica, de modo geral, um cérebro pequeno
(microencefalia), seja de causa primária ou adquirida.
 Cerca de 90% das microcefalias estão associadas com retardo mental,
exceto nas de origem familiar que podem ter o desenvolvimento
cognitivo normal. Ou seja, crianças que apresentam PC proporcional ao
corpo, mesmo que pequeno, são normais. Portanto, Microcefalia não
significa doença e sim um sinal clínico.
 Os três modelos etiopatogênicos se associam com os diversos graus de
atrofia cerebral identificados em tomografia e ressonância cerebral.
SOBRE A MICROCEFALIA
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
MICROCEFALIA
http://es.atlaseclamc.org/cabeza/10-microcefalia-Q02.-#.Vjw1gvmrQdU
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
PERÍODO DA ORGANOGÊNESE DURANTE O PERÍODO EMBRIONÁRIO
Fonte: Manual de Obstetrícia de Williams - 23ed: Complicações na Gestação
 Causas de malformações:
o Substâncias químicas (ex.:
drogas, agrotóxicos, etc);
o Biológicos (ex.: bactérias,
vírus, fungos, etc.);
o Agentes físicos (ex.:
radiação, etc);
 Fatores relacionados:
o Estágio de
desenvolvimento do
concepto,
o Relação entre dose e efeito,
o Genótipo materno-fetal e
o Mecanismo patogênico
específico de cada agente.
O cérebro fica suscetível a complicações durante toda a gestação
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
IMAGENS AUTORIZADAS DE CRIANÇAS COM MICROCEFALIA.
REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE, 01/08 A 31/10/2015.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
GRÁFICOS DE REFERÊNCIA PARA MEDIDA DO PERÍMETRO CEFÁLICO
Para crianças pré-termo
(<37 semanas de gestação)
Exemplo: meninas
Para crianças a termo
(37 a 42 semanas de gestação)
Exemplo: meninas
Fonte: Fenton, Tanis R and Kim, Jae H. A systematic review and meta-analysis to revise the Fenton
growth chart for preterm infants. BMC Pediatr. 2013; 13: 59. Published online 2013 April 20. doi:
10.1186/1471-2431-13-59. http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1471-2431-13-59.pdf
Fonte: OMS. Curvas de circuferência da cabeça por idade.
http://www.who.int/childgrowth/standards/hc_for_age/en/
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
GRÁFICOS DE REFERÊNCIA DO PERÍMETRO CEFÁLICO NO BRASIL
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
MORFOGÊNESE DO CÉREBRO HUMANO ENTRE 4 E 7 SEMANAS DE GESTAÇÃO.
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
22
Fonte: Ministério da Saúde e Secretarias Estaduais de Saúde
Atualização: 16 de janeiro de 2016
Norte
Roraima
Rondônia
Pará
Amazonas
Tocantins
Nordeste
Maranhão
Piauí
Ceará
Rio Grande do Norte
Paraíba
Pernambuco
Alagoas
Bahia
Sudeste
Rio de Janeiro
São Paulo
Espírito Santo
Minas Gerais
Centro-oeste
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Distrito Federal
Sul
Paraná
CASOS AUTÓCTONES DE ZIKA VÍRUS, BRASIL
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
POSSÍVEL RELAÇÃO ENTRE MICROCEFALIA E ZIKA VÍRUS
23
 Aumento de síndrome exantemática antes da
ocorrência de microcefalia no nordeste do Brasil
 Mães de bebês com microcefalia informarem presença
de exantema durante gravidez
 Amostras positivas para Zika vírus em líquido
amniótico, tecidos e amostras de sangue
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
POSSÍVEL RELAÇÃO ENTRE MICROCEFALIA E ZIKA VÍRUS
24
Recém-nascidos com microcefalia
Aborto sugestivo de infecção congênita
Natimorto com microcefalia e/ou malformação sugestiva
de infecção congênita
Feto com microcefalia e/ou comprometimento do
sistema nervoso central sugestiva de infecção congênita
Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista
HTTP://COMBATEAEDES.SAUDE.GOV.BR/
Microcefalia e vírus Zika: relação e causas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

O Desmatamento
O DesmatamentoO Desmatamento
O Desmatamento
 
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e VerdadesOutubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
 
Cartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIA
Cartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIACartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIA
Cartilha GRAVIDEZ na ADOLESCÊNCIA e PRIMEIRA INFÂNCIA
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotosReplicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
 
Avaliacao da criança
Avaliacao da criançaAvaliacao da criança
Avaliacao da criança
 
Inclusão digital
Inclusão digital Inclusão digital
Inclusão digital
 
Saúde ambiental
Saúde ambientalSaúde ambiental
Saúde ambiental
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Distrofia Muscular
Distrofia MuscularDistrofia Muscular
Distrofia Muscular
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Genoma humano
Genoma humanoGenoma humano
Genoma humano
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Malformação Congênitas
Malformação CongênitasMalformação Congênitas
Malformação Congênitas
 
Malformações Congênitas
Malformações CongênitasMalformações Congênitas
Malformações Congênitas
 
Evolução Humana
Evolução HumanaEvolução Humana
Evolução Humana
 

Destaque (6)

Slides a dengue
Slides a dengueSlides a dengue
Slides a dengue
 
Zika Vírus
Zika VírusZika Vírus
Zika Vírus
 
Zika Virus O que sabemos ate agora
Zika Virus  O que sabemos ate agoraZika Virus  O que sabemos ate agora
Zika Virus O que sabemos ate agora
 
Virus zika slideshare
Virus zika slideshareVirus zika slideshare
Virus zika slideshare
 
Zika
ZikaZika
Zika
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 

Semelhante a Microcefalia e vírus Zika: relação e causas

BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...
BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...
BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...Van Der Häägen Brazil
 
malformaescongnitashumanas. enfermagem .
malformaescongnitashumanas. enfermagem .malformaescongnitashumanas. enfermagem .
malformaescongnitashumanas. enfermagem .LuanMiguelCosta
 
Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02
Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02
Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02Mohema Duarte
 
Doenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromesDoenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromesElda Aguiar Gama
 
Anomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitasAnomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitasAdila Trubat
 
Doenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: SíndromesDoenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: SíndromesMatheus Fellipe
 
Gravidez Na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
Gravidez Na Adolescência X DNT X Ácido FólicoGravidez Na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
Gravidez Na Adolescência X DNT X Ácido FólicoJoalmeida
 
A gravidez na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
A gravidez na Adolescência X DNT X Ácido FólicoA gravidez na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
A gravidez na Adolescência X DNT X Ácido FólicoJoalmeida
 
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downQuais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downWellinton Prestes
 
Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...
Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...
Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...Van Der Häägen Brazil
 
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes EspeciaisIntrodução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes EspeciaisFlavio Salomao-Miranda
 
malformao congnita enfermagem ...........
malformao congnita enfermagem ...........malformao congnita enfermagem ...........
malformao congnita enfermagem ...........LuanMiguelCosta
 
Aconselhamento Genético.pptx
Aconselhamento Genético.pptxAconselhamento Genético.pptx
Aconselhamento Genético.pptxbianca375788
 
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Margarida Pedro da Silva
 
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Margarida Pedro da Silva
 
Microcefalia - Perguntas e Respostas
Microcefalia - Perguntas e RespostasMicrocefalia - Perguntas e Respostas
Microcefalia - Perguntas e RespostasMinistério da Saúde
 
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso centralUltrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso centralUiliam Santos
 

Semelhante a Microcefalia e vírus Zika: relação e causas (20)

BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...
BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...
BAIXA ESTATURA E CRESCER INFANTIL E JUVENIL; ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS E SÍ...
 
malformaescongnitashumanas. enfermagem .
malformaescongnitashumanas. enfermagem .malformaescongnitashumanas. enfermagem .
malformaescongnitashumanas. enfermagem .
 
Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02
Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02
Malformaescongnitashumanas 140102165115-phpapp02
 
Doenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromesDoenças geneticas sindromes
Doenças geneticas sindromes
 
Anomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitasAnomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitas
 
Doenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: SíndromesDoenças genéticas: Síndromes
Doenças genéticas: Síndromes
 
Doenças Raras Apreentação 1
Doenças Raras Apreentação 1Doenças Raras Apreentação 1
Doenças Raras Apreentação 1
 
Restrição do Crescimento Intrauterino
Restrição do Crescimento IntrauterinoRestrição do Crescimento Intrauterino
Restrição do Crescimento Intrauterino
 
Gravidez Na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
Gravidez Na Adolescência X DNT X Ácido FólicoGravidez Na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
Gravidez Na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
 
A gravidez na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
A gravidez na Adolescência X DNT X Ácido FólicoA gravidez na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
A gravidez na Adolescência X DNT X Ácido Fólico
 
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downQuais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
 
Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...
Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...
Fatores Maternos que Implicam na Baixa Altura Desde a Fase Intra Útero de fet...
 
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes EspeciaisIntrodução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
 
malformao congnita enfermagem ...........
malformao congnita enfermagem ...........malformao congnita enfermagem ...........
malformao congnita enfermagem ...........
 
Anencefalia 2.0
Anencefalia 2.0Anencefalia 2.0
Anencefalia 2.0
 
Aconselhamento Genético.pptx
Aconselhamento Genético.pptxAconselhamento Genético.pptx
Aconselhamento Genético.pptx
 
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
 
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
Trabalho de biologia Distúrbios Multifatoriais, Alzheimer, Malformação Congén...
 
Microcefalia - Perguntas e Respostas
Microcefalia - Perguntas e RespostasMicrocefalia - Perguntas e Respostas
Microcefalia - Perguntas e Respostas
 
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso centralUltrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
Ultrassonografia morfológica e malformações do sistema nervoso central
 

Mais de Hospital das Forças Armadas/Ministério da Defesa (7)

Sociedade de Pediatria do DF: Covid-19, aspectos epidemiológicos e retorno às...
Sociedade de Pediatria do DF: Covid-19, aspectos epidemiológicos e retorno às...Sociedade de Pediatria do DF: Covid-19, aspectos epidemiológicos e retorno às...
Sociedade de Pediatria do DF: Covid-19, aspectos epidemiológicos e retorno às...
 
2020 07 22 - ceensp - desafios e potencialidades da vs
2020 07 22 - ceensp - desafios e potencialidades da vs2020 07 22 - ceensp - desafios e potencialidades da vs
2020 07 22 - ceensp - desafios e potencialidades da vs
 
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em SaúdeCampus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
 
SINAN - Vigilância em Saúde
SINAN - Vigilância em SaúdeSINAN - Vigilância em Saúde
SINAN - Vigilância em Saúde
 
Sinan violência wanderson - 23ago2017
Sinan violência   wanderson - 23ago2017 Sinan violência   wanderson - 23ago2017
Sinan violência wanderson - 23ago2017
 
Dinâmica das epidemias de zika vírus no mundo 14jun2015
Dinâmica das epidemias de zika vírus no mundo   14jun2015Dinâmica das epidemias de zika vírus no mundo   14jun2015
Dinâmica das epidemias de zika vírus no mundo 14jun2015
 

Microcefalia e vírus Zika: relação e causas

  • 1. Microcefalia e/ou alterações do Sistema Nervoso Central e a relação com vírus Zika Wanderson K. Oliveira Epidemiologista j.mp/blog-epilibertas
  • 2. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista ALTERAÇÕES CONGÊNITAS  São alterações morfológicas e/ou funcionais detectáveis na gestação e ao nascer e que exibem manifestações clínicas muito diversificadas, de dismorfias leves até defeitos complexos de órgãos que podem apresentar-se isolados ou associados.  Algumas anomalias importantes podem ser diagnosticadas antes do nascimento, podendo ser leves ou graves e muitas podem ser tratadas ou reparadas. Apesar disso, a maioria trata-se depois do parto ou mais adiante.  Malformações congênitas constituem a principal causa de mortalidade infantil.  Aproximadamente 3-4 % dos recém-nascidos têm algum defeito congênito.
  • 3. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista ANOMALIAS CONGÊNITAS OU DEFEITOS CONGÊNITOS  Aproximadamente 50% de todas as anomalias congênitas não podem ser relacionadas a causas específicas, há apenas algumas causas e fatores de risco conhecidos;  Alguns casos somente são descobertos quando a criança cresce. Aproximadamente 7,5% das crianças com <5 anos diagnostica-se um defeito deste tipo, embora muitos deles sejam insignificantes;  As anomalias congênitas mais comuns são graves defeitos cardíacos, defeitos do tubo neural e síndrome de Down;  Apesar de anomalias congênitas pode ser genética, infecciosa, nutricional e ambiental na origem, na maioria das vezes é difícil identificar as causas exatas;
  • 4. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista ANOMALIAS CONGÊNITAS OU DEFEITOS CONGÊNITOS  Algumas anomalias não necessitam de nenhum tratamento. Outras não podem ser tratadas e, em consequência, a criança poderá apresentar algum tipo de incapacidade permanente.  Até a década de 1940, acreditava-se que os embriões humanos estavam protegidos de agentes ambientais, tais como drogas e vírus, pelas membranas extraembrionárias/fetais (âmnio e córion) e pelas paredes abdominal e do útero da mãe.  A identificação da síndrome da rubéola congênita, em 1941, derrubou a ideia de que a placenta seria uma barreira eficaz de proteção contra organismos exógenos.  Na década de 1960 a tragédia da talidomida, provocada pelo uso de fármacos durante a gravidez, trouxe maior atenção.
  • 5. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista FISIOPATOGENIA DAS ANOMALIAS CONGÊNITAS  Malformação: Defeito morfológico de um órgão, parte de um órgão ou região maior do corpo resultante de um processo de desenvolvimento intrinsecamente anormal. Exemplos: alterações cromossômicas e gênicas como fator intrínseco.  Deformidade: Uma estrutura deformada intrauterina, que originariamente (geneticamente) estava definida para se desenvolver normalmente e cujo processo de desenvolvimento foi alterado por agentes mecânicos. Exemplo: Pé torto por miopatia.
  • 6. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista FISIOPATOGENIA DAS ANOMALIAS CONGÊNITAS  Disrupção ou ruptura: é um defeito morfológico de um órgão, parte de um órgão, ou uma região maior do corpo resultante do desarranjo do processo de desenvolvimento originalmente normal que fica comprometido por interferência de um:  Fator extrínseco: infecções congênitas (sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes símplex), isquemia intrauterina, radiações ionizantes, outras agressões teratogênicas (drogas como talidomida, aspirina, tetraciclina, calmantes, amino glicosídeos, quinolonas, hidantoína, warfarina), alcoolismo materno, drogadição (cocaína). Exemplo: microcefalia.  Displasia: anormalidade da organização das células ao formarem tecidos e seus resultados morfológicos. Exemplo: displasias esqueléticas – acondroplasia.
  • 7. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista ANOMALIAS CONGÊNITAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL  As malformações congênitas das estruturas que recobrem o sistema nervoso central (meninges, arcos vertebrais, músculos e pele) são chamadas de defeitos de fechamento do tubo neural (DFTN)  Defeitos do tubo neural afetam o cérebro e a medula espinhal, e estão entre as anomalias congênitas mais comuns (em geral 10/10.000 nascidos vivos no mundo)  Os tipos mais prevalentes de defeitos no tubo neural são anencefalia, inencefalia, espinha bífida e encefalocele Source: adapted, with permsiion from the publisher, from Botto et al. N. Engl. J. Med. 1999;341:1509–19.
  • 8. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista ANOMALIAS CONGÊNITAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Source: adapted, with permsiion from the publisher, from Botto et al. N. Engl. J. Med. 1999;341:1509–19. Inencefalia Cranioraquisquis e Espinha Bífida Aberta Anencefalia Encefalocele Espinha Bífida Fechada
  • 9. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista ANENCEFALIA Fonte: OMS – World Atlas of Birth Defects - 2003  A anencefalia é definida como a ausência completa (holo) ou parcial (mero) do cérebro, causada por uma falha no fechamento do tubo neural cefálico, resultando na protrusão de tecido cerebral através do defeito na calvária (exencefalia) e na sua degeneração
  • 10. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista CAUSAS E RISCOS  Apesar de se desconhecer a causa das anomalias congênitas, sabe-se que certos fatores aumentam o risco de desenvolvê-las, como: as deficiências nutricionais, a radiação, certos fármacos e outras drogas, como o consumo de álcool e tabaco, certos tipos de infecções e outras doenças da mãe, traumatismos e outros transtornos hereditários.  Alguns riscos podem ser evitados, enquanto outros não. Assim, uma gestante pode seguir estritamente todos os conselhos (dieta apropriada, descansar o suficiente e evitar tomar medicamentos) e mesmo assim ter um neonato com defeito congênito. Por outro lado, outra mulher pode fazer muitas coisas prejudiciais para o feto e, no entanto, ter um filho sem nenhum defeito congênito.
  • 11. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista TERATOGÊNESE  Qualquer fator ou substância que possa induzir ou incrementar o risco de defeitos congênitos, interferindo no desenvolvimento do embrião, recebe o nome de teratógeno.  Esses elementos têm diferentes origens, como as substâncias químicas, tais como a aspirina e a talidomida; agentes biológicos (infecciosos), tais como bactérias, vírus, fungos, parasitos; e agentes físicos, tal como a radiação.  A ação de um agente teratogênico sobre o embrião ou feto em desenvolvimento depende de diversos fatores, como: estágio de desenvolvimento do concepto, relação entre dose e efeito, genótipo materno-fetal e mecanismo patogênico específico de cada agente.  A fase fetal é menos atingida, porém estruturas como o cérebro, o cerebelo, o sistema endócrino e o urogenital continuam se diferenciando, e, por isso, são
  • 12. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista TERATOGÊNESE  A fase embrionária é a mais prejudicada, podendo afetar várias estruturas.  Após a fecundação, entre 15 e 25 dias, o teratógeno afeta o cérebro;  de 24 a 40 dias, os olhos;  de 20 a 40 dias, o coração;  de 24 a 36 dias, os membros;  de 45 dias em diante, a genitália.
  • 13. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista TERATOGÊNESE  Fatores nutricionais: Uma das substâncias necessárias para um desenvolvimento apropriado é o fosfato (ácido fólico). Uma quantidade insuficiente do mesmo na dieta aumenta o risco de o bebê sofrer de espinha bífida ou outros defeitos do tubo neural.  Fatores físicos dentro do útero: Uma quantidade anormal de líquido amniótico pode indicar ou causar certos defeitos congênitos. A acumulação de líquido amniótico pode acontecer quando o feto tem dificuldades em engolir, um problema que pode ser causado por uma grave doença cerebral, como a anencefalia ou por uma atresia esofágica.  Fatores genéticos e cromossômicos: Alguns defeitos congênitos são herdados de um ou de ambos os pais. Outros são causados por mudanças espontâneas e inexplicáveis (mutações) nos genes. Outros ainda derivam de alguma anomalia cromossômica, como um cromossoma a mais ou a falta dele. Quanto maior a idade da gestante (principalmente se tem mais de 35 anos), maior é a probabilidade de que o feto tenha uma anomalia cromossômica.  Fatores infecciosos: Sífilis, Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Simplex.  Fatores físicos: radiação ionizante
  • 14. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista SOBRE A MICROCEFALIA  Cerca de 3% dos lactentes apresentam malformações estruturais significativas detectáveis no nascimento e a maioria (65%) não tem etiologia conhecida.  A microcefalia é frequentemente está associada com atraso no desenvolvimento intelectual, motor e alterações neurológicas;  A definição de microcefalia após o nascimento não é padronizada. Geralmente considera-se o perímetro cefálico (PC) com mais de 2 desvios padrão (DP) abaixo da média para idade e sexo. Outros autores utilizam 3 DP como referência;  Para o PC menor que 2 DP abaixo da média, estima-se entre 0,56% a 0,54% das crianças e para 3 DP e somente 0,1% das crianças diagnosticadas com microcefalia;  A incidência de atraso no desenvolvimento, correlacionado com o PC menor que a média é de 11% para 2 DP e 51% para 3 DP; Fonte: Leibovitz, Z., et al. "Microcephaly at birth‐the accuracy of three references for fetal head circumference. How can we improve prediction?." Ultrasound in Obstetrics & Gynecology (2015) e Manual de Obstetrícia de Williams - 23ed: Complicações na Gestação
  • 15. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista  A microcefalia se define como a presença de um Perímetro Cefálico (PC) menor que dois desvios padrão abaixo da média para a idade, sexo, raça e tempo de gestação.  Um PC baixo (microcefalia) indica, de modo geral, um cérebro pequeno (microencefalia), seja de causa primária ou adquirida.  Cerca de 90% das microcefalias estão associadas com retardo mental, exceto nas de origem familiar que podem ter o desenvolvimento cognitivo normal. Ou seja, crianças que apresentam PC proporcional ao corpo, mesmo que pequeno, são normais. Portanto, Microcefalia não significa doença e sim um sinal clínico.  Os três modelos etiopatogênicos se associam com os diversos graus de atrofia cerebral identificados em tomografia e ressonância cerebral. SOBRE A MICROCEFALIA
  • 16. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista MICROCEFALIA http://es.atlaseclamc.org/cabeza/10-microcefalia-Q02.-#.Vjw1gvmrQdU
  • 17. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista PERÍODO DA ORGANOGÊNESE DURANTE O PERÍODO EMBRIONÁRIO Fonte: Manual de Obstetrícia de Williams - 23ed: Complicações na Gestação  Causas de malformações: o Substâncias químicas (ex.: drogas, agrotóxicos, etc); o Biológicos (ex.: bactérias, vírus, fungos, etc.); o Agentes físicos (ex.: radiação, etc);  Fatores relacionados: o Estágio de desenvolvimento do concepto, o Relação entre dose e efeito, o Genótipo materno-fetal e o Mecanismo patogênico específico de cada agente. O cérebro fica suscetível a complicações durante toda a gestação
  • 18. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista IMAGENS AUTORIZADAS DE CRIANÇAS COM MICROCEFALIA. REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE, 01/08 A 31/10/2015.
  • 19. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista GRÁFICOS DE REFERÊNCIA PARA MEDIDA DO PERÍMETRO CEFÁLICO Para crianças pré-termo (<37 semanas de gestação) Exemplo: meninas Para crianças a termo (37 a 42 semanas de gestação) Exemplo: meninas Fonte: Fenton, Tanis R and Kim, Jae H. A systematic review and meta-analysis to revise the Fenton growth chart for preterm infants. BMC Pediatr. 2013; 13: 59. Published online 2013 April 20. doi: 10.1186/1471-2431-13-59. http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1471-2431-13-59.pdf Fonte: OMS. Curvas de circuferência da cabeça por idade. http://www.who.int/childgrowth/standards/hc_for_age/en/
  • 20. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista GRÁFICOS DE REFERÊNCIA DO PERÍMETRO CEFÁLICO NO BRASIL
  • 21. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista MORFOGÊNESE DO CÉREBRO HUMANO ENTRE 4 E 7 SEMANAS DE GESTAÇÃO.
  • 22. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista 22 Fonte: Ministério da Saúde e Secretarias Estaduais de Saúde Atualização: 16 de janeiro de 2016 Norte Roraima Rondônia Pará Amazonas Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Bahia Sudeste Rio de Janeiro São Paulo Espírito Santo Minas Gerais Centro-oeste Mato Grosso Mato Grosso do Sul Distrito Federal Sul Paraná CASOS AUTÓCTONES DE ZIKA VÍRUS, BRASIL
  • 23. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista POSSÍVEL RELAÇÃO ENTRE MICROCEFALIA E ZIKA VÍRUS 23  Aumento de síndrome exantemática antes da ocorrência de microcefalia no nordeste do Brasil  Mães de bebês com microcefalia informarem presença de exantema durante gravidez  Amostras positivas para Zika vírus em líquido amniótico, tecidos e amostras de sangue
  • 24. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista POSSÍVEL RELAÇÃO ENTRE MICROCEFALIA E ZIKA VÍRUS 24 Recém-nascidos com microcefalia Aborto sugestivo de infecção congênita Natimorto com microcefalia e/ou malformação sugestiva de infecção congênita Feto com microcefalia e/ou comprometimento do sistema nervoso central sugestiva de infecção congênita
  • 25. Wanderson Kleber de Oliveira – Epidemiologista HTTP://COMBATEAEDES.SAUDE.GOV.BR/