SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
Cursinho Popular do Círculo
Palmarino
Sociologia– Aula 4
Professora Maira Conde
Aula 4:
“Cultura e Sociedade”
1. Os Significados de Cultura
2. Cultura e Identidade Cultural
3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural
4. Cultura para os “clássicos” da sociologia
5. Cultura e Ideologia
6. Industria Cultural e Escola de Frankfurt
7. Atividade
8. Dicas e Leituras
1. Os significados de cultura
O verbo “cólere”, de que deriva “cultura”, exprime a ideia de
“amanhar, cuidar revolver” a terra, fertilizando-a e semeando a boa
semente para que produza mais e melhor. Sendo assim, sua origem
etimológica vem da agricultura, mais precisamente na Roma Antiga.
Por ter sido fortemente associada ao conceito de civilização no século
XVIII, a palavra cultura, muitas vezes, se confunde com noções de:
desenvolvimento, educação, bons costumes, etiqueta e
comportamentos de elite. Daí o seu uso no senso comum como
sinônimo de educação, escolarização ou até mesmo bons modos.
Leia neste artigo do Wikipédia a origem do conceito de “civilização”.
1. Os significados de cultura
A antropologia é a ciência que estuda as diferenças culturais entre os
povos, portanto, é a partir dela que se deve olhar essa palavra.
Segundo a ciência, cultura é o conjunto de todos os costumes, crenças,
valores e hábitos de um povo.
A antropologia assim como outras ciências tem diferentes “escolas”. As
principais são:
Evolucionista principal nome Edward B. Tylor
Funcionalista principais nomes Redcliffe – Brown e Malinowski
Estruturalista principal nome Claude Levi – Strauss
1. Os significados de cultura
Características da cultura:
 Todos os povos do mundo possuem cultura.
 Não existem culturas inferiores ou superiores.
 A cultura é algo exclusivamente humana. Os animais são incapazes
de produzir cultura, pois não conseguem dar significado aos seus
atos.
 A cultura é dinâmica. Conforme o tempo e o lugar ela será diferente.
Veja neste link a diferença entre cultura popular e cultura
erudita e como essa distinção pode levar a uma hierarquização social.
2. Cultura e identidade cultural
Identidade cultural é o sentimento de identidade de um grupo,
cultura ou indivíduo, na medida em que este é influenciado pela
cultura do grupo a que pertença.
Nossa identidade cultural está diretamente ligada com o que somos
e como vemos o mundo. Ela começa a ser moldada no momento em
que nascemos e é construída até o momento em que morremos.
Segundo Stuart Hall (1999), uma identidade cultural enfatiza aspectos
relacionados a nosso pertencimento a culturas étnicas, raciais,
linguísticas, religiosas, regionais e/ou nacionais.
2. Cultura e identidade cultural
Aculturação e assimilação cultural:
A aculturação é o nome dado ao processo de troca entre culturas
diferentes a partir de sua convivência, de forma que a cultura de um
sofre ou exerce influência sobre a construção cultural do outro.
Esse processo, porém, não deve ser confundido com outros fenômenos
da interação entre culturas diferentes, como a assimilação cultural,
processo em que um grupo cultural assimila ou adota costumes e
hábitos de uma outra cultura em detrimento da sua. Nesse processo, a
cultura “original” de um grupo é gradualmente substituída e se perde
no decorrer do tempo. Embora possa ser um catalizador para essa
assimilação, nem toda adoção de traços culturais diferentes resulta na
substituição ou no abandono de outro aspecto cultural.
2. Cultura e identidade cultural
Exemplos de aculturação:
2. Cultura e identidade cultural
Exemplos de assimilação cultural:
Para saber mais sobre a construção da identidade cultural clique aqui.
2. Cultura e identidade cultural
Algumas obras que retratam a formação do povo brasileiro e nossa
diversidade cultural:
Darcy Ribeiro: O povo brasileiro
Gilberto Freyre: Casa – Grande e Senzala
Roberto DaMatta: O que faz do brasil, Brasil?
Sergio Buarque de Hollanda: Raízes do Brasil
Lilia Moritz Schwarcz: Brasil: uma biografia
Saiba mais sobre a formação da nossa diversidade cultural aqui.
3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Raça x Etnia
Enquanto o conceito de raça está ligado à ideia errônea de traços biológicos definitivos,
o conceito de etnicidade é puramente social. Ao tratarmos de etnicidade, estamos
fazendo referência a construções culturais de determinada comunidade de pessoas.
As teorias raciais surgiram como forma de tentar justificar a ordem social que surgia
à medida que países europeus tornavam-se nações imperialistas, submetendo outros
territórios e suas populações ao seu domínio. O conceito foi amplamente adotado em
todo o mundo até o período da Segunda Guerra Mundial, quando o surgimento da
ameaça nazista elevou a proporções astronômicas o preconceito e o ódio em relação a
grupos humanos específicos.
Etnicidade: os membros dos grupos étnicos enxergam-se como culturalmente
diferentes de outros grupos sociais e vice-versa. Portanto, características como religião,
língua, história e símbolos, por exemplo, são pontos de diferenciação entre etnias.
3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Raça
Etnia
Para o Dr. Kabengele Munanga, a palavra etnia virou um termo
politicamente correto frente à raça, porém essa troca não muda
a realidade do racismo, pois “as vítimas de hoje são as mesmas
de ontem e as raças de ontem são as etnias de hoje.” Ou seja, “o
racismo hoje praticado nas sociedades contemporâneas não
precisa mais do conceito de raça ou da variante biológica, ele se
reformula com base nos conceitos de etnia.” Pois este termo não
acabou com a hierarquização das culturas, que é um
componente do racismo.
3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo: do Grego éthnos, 'raça, povo', + -ismo
O Etnocentrismo é a tendência a considerar um grupo étnico como
superior a outros. É uma atitude de avaliar qualquer outro grupo social
com base nos valores do seu próprio grupo. O Etnocentrismo consiste em
julgar, a partir de padrões culturais próprios, como “certo” ou “errado”,
“normal” ou “anormal” os comportamentos e as formas de ver o mundo de
outros povos, desmerecendo suas práticas. Costumamos “ver” o mundo
através de nossa cultura, utilizando-a como parâmetro para julgarmos
outras culturas, acreditando que a nossa visão, nosso modo de vida, a nossa
cultura são corretos, normais. Tal tendência é responsável, em seus casos
extremos, pela ocorrência de numerosos conflitos sociais.
3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Exemplos de etnocentrismo:
3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural
O relativismo cultural afirma que as verdades (morais, religiosas,
políticas, científicas, etc.) variam conforme a época, o lugar, o grupo social
e os indivíduos de cada lugar. O relativismo é a "Postura segundo qual toda
avaliação é relativa a algum padrão, seja qual for, e os padrões derivam de
culturas." O relativismo, dessa forma, leva em consideração diversos tipos
de análise, mesmo sendo análises aparentemente contraditórias. As
diversas culturas humanas geram diferentes padrões segundo os quais as
avaliações são geradas.
O relativismo é um ponto de vista extremo oposto ao etnocentrismo, que
leva em consideração apenas um ponto de vista em detrimento aos demais.
Assim podemos concluir que o Relativismo é um termo filosófico que se
baseia na relatividade do conhecimento e repudia qualquer verdade ou
valor absoluto. “Todo ponto de vista é válido”.
3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo X Diversidade Cultural: as ideias de Levi – Strauss
No texto “Raça e História”, escrito para a UNESCO, Lévi-Strauss dirige seu
pensamento à diversidade cultural, elaborando sua teoria a partir de uma
crítica ao evolucionismo. Para o autor, o evolucionismo ocorre porque o
Ocidente vê a si mesmo como finalidade do desenvolvimento humano. Isso
gera o etnocentrismo, ou seja, o Ocidente vê e analisa as outras culturas
a partir de suas próprias categorias. É necessário que haja um esforço de
relativização para não julgar as outras culturas através de nossa própria
cultura. É preciso vê-las sem os pressupostos da nossa.
Vídeo: Raça e História
https://www.youtube.com/watch?v=U0dqZ7-4dzA
4. Cultura para os “clássicos” da sociologia
Para Karl Marx, a relação entre história e cultura se dá não pelas escolhas dos
homens, mas devido a condições concretas e pré-determinadas, estabelecidas no
processo de produção da sobrevivência isso porque segundo ele o fundamento de
toda vida social é a produção material.
Emile Durkheim não se debruçou sobre o tema, mas acreditava que os fenômenos
sociais têm necessariamente uma dimensão cultural pois são também fenômenos
simbólicos. Durkheim não concebia diferenças de natureza entre primitivos e
civilizados. O que existe em todas as sociedades é uma “consciência coletiva”, feita
das representações coletivas, dos ideais, dos valores e dos sentimentos comuns a
todos os seus indivíduos.
Max Weber não faz distinções entre ciências sociais, sociologia e “ciências da
cultura”. Em sua visão, a sociologia deveria estudar os fenômenos na qualidade de
fenômenos culturais, na medida em que a realidade é apreendida como uma
construção histórico-cultural.
5. Cultura e Ideologia
Os significados mais comuns de ideologia:
Destutt de Tracy: ciência das ideias.
Senso comum: conjunto de ideias e pensamentos que orientam a visão de
mundo, como na musica homônima de Cazuza.
Karl Marx: equivalente de ilusão, falsa consciência, concepção idealista na
qual a realidade é invertida como é explicado neste vídeo.
Antonio Gramsci: qualquer ideário de um grupo de indivíduos.
Saiba mais aqui.
5. Cultura e Ideologia
Ao analisar a cultura e a ideologia, vários autores procuram demonstrar que não se podem
utilizar esses dois conceitos separadamente, pois há uma profunda relação entre eles, sobretudo
no que diz respeito ao processo de dominação nas sociedades capitalistas.
O pensador italiano Antonio Gramsci (1891-1937) analisa essa questão com base no conceito de
hegemonia (palavra de origem grega que significa “supremacia”, “preponderância”) e no que ele
chama de aparelhos de hegemonia. Por hegemonia pode-se entender o processo pelo qual uma
classe dominante consegue fazer que o seu projeto seja aceito pelos dominados, desarticulando a
visão de mundo autônoma de cada grupo potencialmente adversário. Isso é feito por meio dos
aparelhos de hegemonia, que são práticas intelectuais e organizações no interior do Estado ou
fora dele (livros, jornais, escolas, música, teatro, etc.). Louis Althusser seguiu a mesma linha de
pensamento ao falar dos aparelhos ideológicos do Estado.
O sociólogo francês Pierre Bourdieu desenvolveu o conceito de violência simbólica para
identificar formas culturais que impõem e fazem que aceitemos como normal, como verdade que
sempre existiu e não pode ser questionada, um conjunto de regras não escritas nem ditas. Outros
conceitos importante de Bourdieu relacionados às ideologias são o de capital cultural e habitus.
6. Industria Cultural e Escola de Frankfurt
Theodor Adorno (1903-1969) e Max Horkheimer (1895-1973), pensadores alemães da chamada
Escola de Frankfurt , procuraram analisar a relação entre cultura e ideologia com base no
conceito de indústria cultural.
Apresentaram esse conceito em 1947, no texto A indústria cultural: o esclarecimento como
mistificação das massas. Nele, afirmavam que o conceito de indústria cultural permitia explicar o
fenômeno da exploração comercial e a vulgarização da cultura, como também a ideologia da
dominação.
A preocupação básica era com a emergência de empresas interessadas na produção em massa de
bens culturais, como qualquer mercadoria (roupas, automóveis, sabonetes, etc.), visando
exclusivamente ao consumo, tendo como fundamentos a lucratividade e a adesão incondicional
ao sistema dominante.
Adorno e Horkheimer apontaram a possibilidade de homogeneização das pessoas, grupos e
classes sociais; esse processo atingiria todas as classes, que seriam seduzidas pela indústria
cultural, pois esta coloca a felicidade imediatamente nas mãos dos consumidores mediante a
compra de alguma mercadoria ou produto cultural. Cria-se assim uma subjetividade uniforme e,
por isso, massificada. Daí surge a expressão cultura de massa e que é bem exemplificada neste
vídeo.
6. Industria Cultural e Escola de Frankfurt
A indústria cultural transforma as atividades de lazer em um prolongamento do trabalho, promete ao
trabalhador uma fuga do cotidiano e lhe oferece, de maneira ilusória, esse mesmo cotidiano como
paraíso. Por meio da sedução e do convencimento, a indústria cultural vende produtos que devem
agradar ao público, não para faze-lo pensar com informações novas que o perturbem, mas para
propiciar-lhe uma fuga da realidade. Tal fuga, segundo Adorno, faz que o indivíduo se aliene, para poder
continuar aceitando com um “tudo bem” a exploração do sistema capitalista.
Várias críticas foram feitas à ideia de que a indústria cultural estaria destruindo nossa capacidade de
discernimento. Uma delas foi formulada por Walter Benjamin (1886-1940), um companheiro de
trabalho de Theodor Adorno. Benjamin achava que não era preciso ser tão radical na análise e que a
indústria Cultural poderia ajudar a desenvolver o conhecimento, pois levaria a arte e a cultura a um
número maior de pessoas. Ele declarava que, anteriormente, as obras de arte estavam a serviço de um
grupo pequeno de pessoas, de uma classe privilegiada.
Com as novas técnicas de reprodução - como a fotografia e o cinema -, essas obras poderiam ser
difundidas entre outras classes sociais, contribuindo para a emancipação da arte de seu papel
Ritualístico. A imagem em uma pintura, que tinha unidade e duração, foi Substituída pela fotografia, que
pode ser reproduzida indefinidamente. Mas Benjamin não era ingênuo ao afirmar isso: analisava a
questão com mais abertura, sem perder a consciência de que o capitalismo utilizava as novas técnicas a
seu favor.
7. Atividade
Resolva as questões a seguir sempre assinalando a
resposta correta e explicando por que é correta,
assim como as incorretas, explique por que estão
incorretas.
ENEM 2013 QUESTÃO 38
A recuperação da herança cultural africana deve levar em conta o que é próprio do processo cultural:
seu movimento, pluralidade e complexidade. Não se trata, portanto, do resgate ingênuo do passado
nem do seu cultivo nostálgico, mas de procurar perceber o próprio rosto cultural brasileiro. O que se
quer é captar seu movimento para melhor compreendê-lo historicamente.
MINAS GERAIS: Cadernos do Arquivo 1: Escravidão em
Minas Gerais. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro, 1988.
Com base no texto, a análise de manifestações culturais de origem africana, como a capoeira ou o
candomblé, deve considerar que elas:
a) permanecem como reprodução dos valores e costumes africanos.
b) perderam a relação com o seu passado histórico.
c) derivam da interação entre valores africanos e a experiência histórica brasileira.
d) contribuem para o distanciamento cultural entre negros e brancos no Brasil atual.
e) demonstram a maior complexidade cultural dos africanos em relação aos europeus.
ENEM 2013 QUESTÃO 38
A recuperação da herança cultural africana deve levar em conta o que é próprio do processo cultural:
seu movimento, pluralidade e complexidade. Não se trata, portanto, do resgate ingênuo do passado
nem do seu cultivo nostálgico, mas de procurar perceber o próprio rosto cultural brasileiro. O que se
quer é captar seu movimento para melhor compreendê-lo historicamente.
MINAS GERAIS: Cadernos do Arquivo 1: Escravidão em
Minas Gerais. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro, 1988.
Com base no texto, a análise de manifestações culturais de origem africana, como a capoeira ou o
candomblé, deve considerar que elas:
a) permanecem como reprodução dos valores e costumes africanos.
b) perderam a relação com o seu passado histórico.
c) derivam da interação entre valores africanos e a experiência histórica brasileira.
d) contribuem para o distanciamento cultural entre negros e brancos no Brasil atual.
e) demonstram a maior complexidade cultural dos africanos em relação aos europeus.
(Enem 2010) A hibridez descreve a cultura de pessoas que mantêm suas conexões com a terra de seus
antepassados, relacionando-se com a cultura do local que habitam. Eles não anseiam retornar à sua
“pátria” ou recuperar qualquer identidade étnica “pura” ou absoluta; ainda assim, preservam traços
de outras culturas, tradições e histórias e resistem à assimilação.
CASHMORE, E. Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000 (adaptado).
Contrapondo o fenômeno da hibridez à ideia de “pureza” cultural, observa-se que ele se manifesta
quando:
a) criações originais deixam de existir entre os grupos de artistas, que passam a copiar as essências
das obras uns dos outros.
b) civilizações se fecham a ponto de retomarem os seus próprios modelos culturais do passado, antes
abandonados.
c) populações demonstram menosprezo por seu patrimônio artístico, apropriando-se de produtos
culturais estrangeiros.
d) elementos culturais autênticos são descaracterizados e reintroduzidos com valores mais altos em
seus lugares de origem.
e) intercâmbios entre diferentes povos e campos de produção cultural passam a gerar novos produtos
e manifestações.
(Enem 2010) A hibridez descreve a cultura de pessoas que mantêm suas conexões com a terra de seus
antepassados, relacionando-se com a cultura do local que habitam. Eles não anseiam retornar à sua
“pátria” ou recuperar qualquer identidade étnica “pura” ou absoluta; ainda assim, preservam traços
de outras culturas, tradições e histórias e resistem à assimilação.
CASHMORE, E. Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000 (adaptado).
Contrapondo o fenômeno da hibridez à ideia de “pureza” cultural, observa-se que ele se manifesta
quando:
a) criações originais deixam de existir entre os grupos de artistas, que passam a copiar as essências
das obras uns dos outros.
b) civilizações se fecham a ponto de retomarem os seus próprios modelos culturais do passado, antes
abandonados.
c) populações demonstram menosprezo por seu patrimônio artístico, apropriando-se de produtos
culturais estrangeiros.
d) elementos culturais autênticos são descaracterizados e reintroduzidos com valores mais altos em
seus lugares de origem.
e) intercâmbios entre diferentes povos e campos de produção cultural passam a gerar novos produtos
e manifestações.
(ENEM 2006) No início do século XIX, o naturalista alemão Carl Von Martius esteve no Brasil em
missão científica para fazer observações sobre a flora e a fauna nativas e sobre a sociedade indígena.
Referindo-se ao indígena, ele afirmou: “Permanecendo em grau inferior da humanidade, moralmente,
ainda na infância, a civilização não o altera, nenhum exemplo o excita e nada o impulsiona para um
nobre desenvolvimento progressivo (...)”. “Esse estranho e inexplicável estado do indígena americano,
até o presente, tem feito fracassarem todas as tentativas para conciliá-lo inteiramente com a Europa
vencedora e torná-lo um cidadão satisfeito e feliz.”
Carl Von Martius. O estado do direito entre os autóctones do Brasil. Belo Horizonte/São Paulo:
Itatiaia/EDUSP, 1982.
Com base nessa descrição, conclui-se que o naturalista Von Martius:
a) apoiava a independência do Novo Mundo, acreditando que os índios, diferentemente do que fazia a
missão europeia, respeitavam a flora e a fauna do país.
b) discriminava preconceituosamente as populações originárias da América e advogava o extermínio
dos índios.
c) defendia uma posição progressista para o século XIX: a de tornar o indígena cidadão satisfeito e
feliz.
d) procurava impedir o processo de aculturação, ao descrever cientificamente a cultura das
populações originárias da América.
e) desvalorizava os patrimônios étnicos e culturais das sociedades indígenas e reforçava a missão
“civilizadora europeia”, típica do século XIX.
(ENEM 2006) No início do século XIX, o naturalista alemão Carl Von Martius esteve no Brasil em
missão científica para fazer observações sobre a flora e a fauna nativas e sobre a sociedade indígena.
Referindo-se ao indígena, ele afirmou: “Permanecendo em grau inferior da humanidade, moralmente,
ainda na infância, a civilização não o altera, nenhum exemplo o excita e nada o impulsiona para um
nobre desenvolvimento progressivo (...)”. “Esse estranho e inexplicável estado do indígena americano,
até o presente, tem feito fracassarem todas as tentativas para conciliá-lo inteiramente com a Europa
vencedora e torná-lo um cidadão satisfeito e feliz.”
Carl Von Martius. O estado do direito entre os autóctones do Brasil. Belo Horizonte/São Paulo:
Itatiaia/EDUSP, 1982.
Com base nessa descrição, conclui-se que o naturalista Von Martius:
a) apoiava a independência do Novo Mundo, acreditando que os índios, diferentemente do que fazia a
missão europeia, respeitavam a flora e a fauna do país.
b) discriminava preconceituosamente as populações originárias da América e advogava o extermínio
dos índios.
c) defendia uma posição progressista para o século XIX: a de tornar o indígena cidadão satisfeito e
feliz.
d) procurava impedir o processo de aculturação, ao descrever cientificamente a cultura das
populações originárias da América.
e) desvalorizava os patrimônios étnicos e culturais das sociedades indígenas e reforçava a missão
“civilizadora europeia”, típica do século XIX.
(UEL) “Tudo indica que o termo ‘indústria cultural’ foi empregado pela primeira vez no livro Dialética
do esclarecimento, que Horkheimer [1895-1973] e eu [Adorno, 1903-1969] publicamos em 1947, em
Amsterdã. (...) Em todos os seus ramos fazem se, mais ou menos segundo um plano, produtos
adaptados ao consumo das massas e que em grande medida determinam esse consumo”. (ADORNO,
Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática,
1986. p. 92.)
Com base no texto acima e na concepção de indústria cultural expressa por Adorno e Horkheimer, é
correto afirmar:
a) Os produtos da indústria cultural caracterizam-se por ser a expressão espontânea das massas.
b) Os produtos da indústria cultural afastam o indivíduo da rotina do trabalho alienante realizado em
seu cotidiano.
c) A quantidade, a diversidade e a facilidade de acesso aos produtos da indústria cultural contribuem
para a formação de indivíduos críticos, capazes de julgar com autonomia.
d) A indústria cultural visa à promoção das mais diferentes manifestações culturais, preservando as
características originais de cada uma delas.
e) A indústria cultural banaliza a arte ao transformar as obras artísticas em produtos voltados para o
consumo das massas.
(UEL) “Tudo indica que o termo ‘indústria cultural’ foi empregado pela primeira vez no livro Dialética
do esclarecimento, que Horkheimer [1895-1973] e eu [Adorno, 1903-1969] publicamos em 1947, em
Amsterdã. (...) Em todos os seus ramos fazem se, mais ou menos segundo um plano, produtos
adaptados ao consumo das massas e que em grande medida determinam esse consumo”. (ADORNO,
Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática,
1986. p. 92.)
Com base no texto acima e na concepção de indústria cultural expressa por Adorno e Horkheimer, é
correto afirmar:
a) Os produtos da indústria cultural caracterizam-se por ser a expressão espontânea das massas.
b) Os produtos da indústria cultural afastam o indivíduo da rotina do trabalho alienante realizado em
seu cotidiano.
c) A quantidade, a diversidade e a facilidade de acesso aos produtos da indústria cultural contribuem
para a formação de indivíduos críticos, capazes de julgar com autonomia.
d) A indústria cultural visa à promoção das mais diferentes manifestações culturais, preservando as
características originais de cada uma delas.
e) A indústria cultural banaliza a arte ao transformar as obras artísticas em produtos voltados para o
consumo das massas.
8. Dicas e Leituras
Outros temas relacionados a cultura que já estiveram presentes no
ENEM ou poderão estar :
 Lei 10.639/03
 Lei 11.645/08
 Pan-africanismo
 Discriminação, preconceito, xenofobia, segregação (Apartheid), estereótipo
e estigma social.
 Determinismo geográfico e determinismo biológico
 Cultura Material e Imaterial
 Cultura e Globalização
 Arte e Estética
 Movimentos culturais
Referências
1. http://www.infoescola.com/ciencias/antropologia-cultural/
2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Civiliza%C3%A7%C3%A3o
3. http://lucianapauladasilvadeoliveira.blogspot.com.br/2011/01/cultura-um-conceito-
antropologico.html
4. http://docslide.com.br/documents/principais-correntes-teoricas-da-antropologia.html
5. http://alunosonline.uol.com.br/sociologia/identidade-cultural.html
6. https://pt.wikipedia.org/wiki/Identidade_cultural
7. http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/sociologia/aculturacao.htm
8. http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/etnia.htm
9. http://ofensivanegritude.blogspot.com.br/2010/12/raca-ou-etnia.html
10. http://resantosprofessora.blogspot.com.br/2014/05/etnocentrismo-e-relativismo-
cultural.html
11. http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/a-diversidade-cultural-levi-strauss.htm
12. https://www.significados.com.br/diferenca-entre-cultura-popular-e-cultura-erudita/
13. http://www.debatesculturais.com.br/historia-cultura-e-politica-no-pensamento-social-de-
max-weber/
14. https://politicasdaculturaecomunicacao.wordpress.com/conceito-de-cultura/
15. http://filosofia.uol.com.br/filosofia/ideologia-sabedoria/43/artigo293560-1.asp

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...Prof. Noe Assunção
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à SociologiaAlison Nunes
 
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaMarcelo Freitas
 
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1Miro Santos
 
Plano para direitos humanos e vozes da escola
Plano para direitos humanos e vozes da escolaPlano para direitos humanos e vozes da escola
Plano para direitos humanos e vozes da escolaSuelen Fabiano Aguiar
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 
O Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o AnoO Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o AnoLucas Degiovani
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 

Mais procurados (20)

Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
 
Plano para direitos humanos e vozes da escola
Plano para direitos humanos e vozes da escolaPlano para direitos humanos e vozes da escola
Plano para direitos humanos e vozes da escola
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
O Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o AnoO Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o Ano
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 

Destaque

Desigualdade racial
Desigualdade racialDesigualdade racial
Desigualdade racialMaira Conde
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoMaira Conde
 
Movimentos negro, lgbt e ambientalista
Movimentos negro, lgbt e ambientalistaMovimentos negro, lgbt e ambientalista
Movimentos negro, lgbt e ambientalistaMaira Conde
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento   Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento Maira Conde
 
Cidadania moderna
Cidadania modernaCidadania moderna
Cidadania modernaMaira Conde
 
Gincana enem 2016
Gincana enem 2016Gincana enem 2016
Gincana enem 2016Maira Conde
 
O processo de socialização dos grupos indígenas
O processo de socialização dos grupos indígenasO processo de socialização dos grupos indígenas
O processo de socialização dos grupos indígenasMaira Conde
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Maira Conde
 
Movimento feminista
Movimento feministaMovimento feminista
Movimento feministaMaira Conde
 
O caráter culturalmente construído da humanidade
O caráter culturalmente construído da humanidadeO caráter culturalmente construído da humanidade
O caráter culturalmente construído da humanidadeMaira Conde
 
Atualidades – enem 2017
Atualidades – enem 2017Atualidades – enem 2017
Atualidades – enem 2017Maira Conde
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia Maira Conde
 

Destaque (17)

Desigualdade racial
Desigualdade racialDesigualdade racial
Desigualdade racial
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
 
Movimentos negro, lgbt e ambientalista
Movimentos negro, lgbt e ambientalistaMovimentos negro, lgbt e ambientalista
Movimentos negro, lgbt e ambientalista
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento   Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
 
Cidadania moderna
Cidadania modernaCidadania moderna
Cidadania moderna
 
Cp aula 2
Cp aula 2Cp aula 2
Cp aula 2
 
Movimento lgbt
Movimento lgbtMovimento lgbt
Movimento lgbt
 
Gincana enem 2016
Gincana enem 2016Gincana enem 2016
Gincana enem 2016
 
Manual do tcem
Manual do tcemManual do tcem
Manual do tcem
 
O processo de socialização dos grupos indígenas
O processo de socialização dos grupos indígenasO processo de socialização dos grupos indígenas
O processo de socialização dos grupos indígenas
 
Desigualdade
DesigualdadeDesigualdade
Desigualdade
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3
 
Movimento feminista
Movimento feministaMovimento feminista
Movimento feminista
 
O caráter culturalmente construído da humanidade
O caráter culturalmente construído da humanidadeO caráter culturalmente construído da humanidade
O caráter culturalmente construído da humanidade
 
Atualidades – enem 2017
Atualidades – enem 2017Atualidades – enem 2017
Atualidades – enem 2017
 
Cp aula 3
Cp aula 3 Cp aula 3
Cp aula 3
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
 

Semelhante a Cp aula 4

A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalMarcos Barros de Miranda
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalPsicologia_2015
 
Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...
Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...
Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...ssuser2af87a
 
Antropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoAntropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoDaniel Buchmann
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptRubensMartins36
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAProf. Noe Assunção
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade Vjoao paulo
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].pptAdelmaFerreiradeSouz
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &Marcello Lemanski
 
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxA ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxMarília Vieira
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Culturaljuliana_f
 

Semelhante a Cp aula 4 (20)

A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo cultural
 
Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...
Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...
Aula 01 - Cultura e suas definições, no senso comum, na sociologia e na antro...
 
Antropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoAntropologia da Comunicação
Antropologia da Comunicação
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade V
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
 
Eti cid sus_09_pdf
Eti cid sus_09_pdfEti cid sus_09_pdf
Eti cid sus_09_pdf
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &
 
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxA ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
 
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIACULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
 
Antrapologia 1
Antrapologia 1Antrapologia 1
Antrapologia 1
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Cultural
 
Unidade 1
Unidade 1 Unidade 1
Unidade 1
 
Sociologia v
Sociologia vSociologia v
Sociologia v
 

Mais de Maira Conde

Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulherMaira Conde
 
Retomada sociologia
Retomada sociologiaRetomada sociologia
Retomada sociologiaMaira Conde
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalMaira Conde
 
Emprego e desemprego
Emprego e desemprego Emprego e desemprego
Emprego e desemprego Maira Conde
 
Desemprego estrutural e conjuntural
Desemprego estrutural e conjunturalDesemprego estrutural e conjuntural
Desemprego estrutural e conjunturalMaira Conde
 
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114Maira Conde
 
Cidadaniaativapassivareprimidaeregulada
CidadaniaativapassivareprimidaereguladaCidadaniaativapassivareprimidaeregulada
CidadaniaativapassivareprimidaereguladaMaira Conde
 
Genero e desigualdade
Genero e desigualdadeGenero e desigualdade
Genero e desigualdadeMaira Conde
 
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Maira Conde
 
Jovens, cultura e consumo
Jovens, cultura e consumoJovens, cultura e consumo
Jovens, cultura e consumoMaira Conde
 
Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX
Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX
Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX Maira Conde
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade culturalMaira Conde
 
Como funcionam as eleições
Como funcionam as eleiçõesComo funcionam as eleições
Como funcionam as eleiçõesMaira Conde
 
Atividade criação de partidos políticos
Atividade criação de  partidos políticos Atividade criação de  partidos políticos
Atividade criação de partidos políticos Maira Conde
 
Projeto pedagógico disciplinar
Projeto pedagógico disciplinar Projeto pedagógico disciplinar
Projeto pedagógico disciplinar Maira Conde
 

Mais de Maira Conde (16)

Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulher
 
Retomada sociologia
Retomada sociologiaRetomada sociologia
Retomada sociologia
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo cultural
 
Emprego e desemprego
Emprego e desemprego Emprego e desemprego
Emprego e desemprego
 
Desemprego estrutural e conjuntural
Desemprego estrutural e conjunturalDesemprego estrutural e conjuntural
Desemprego estrutural e conjuntural
 
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
 
Cidadaniaativapassivareprimidaeregulada
CidadaniaativapassivareprimidaereguladaCidadaniaativapassivareprimidaeregulada
Cidadaniaativapassivareprimidaeregulada
 
Genero e desigualdade
Genero e desigualdadeGenero e desigualdade
Genero e desigualdade
 
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
 
Jovens, cultura e consumo
Jovens, cultura e consumoJovens, cultura e consumo
Jovens, cultura e consumo
 
Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX
Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX
Puzzle Revoltas Populares Século XIX e XX
 
Arte urbana
Arte urbanaArte urbana
Arte urbana
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Como funcionam as eleições
Como funcionam as eleiçõesComo funcionam as eleições
Como funcionam as eleições
 
Atividade criação de partidos políticos
Atividade criação de  partidos políticos Atividade criação de  partidos políticos
Atividade criação de partidos políticos
 
Projeto pedagógico disciplinar
Projeto pedagógico disciplinar Projeto pedagógico disciplinar
Projeto pedagógico disciplinar
 

Último

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 

Último (20)

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 

Cp aula 4

  • 1. Cursinho Popular do Círculo Palmarino Sociologia– Aula 4 Professora Maira Conde
  • 2. Aula 4: “Cultura e Sociedade” 1. Os Significados de Cultura 2. Cultura e Identidade Cultural 3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural 4. Cultura para os “clássicos” da sociologia 5. Cultura e Ideologia 6. Industria Cultural e Escola de Frankfurt 7. Atividade 8. Dicas e Leituras
  • 3. 1. Os significados de cultura O verbo “cólere”, de que deriva “cultura”, exprime a ideia de “amanhar, cuidar revolver” a terra, fertilizando-a e semeando a boa semente para que produza mais e melhor. Sendo assim, sua origem etimológica vem da agricultura, mais precisamente na Roma Antiga. Por ter sido fortemente associada ao conceito de civilização no século XVIII, a palavra cultura, muitas vezes, se confunde com noções de: desenvolvimento, educação, bons costumes, etiqueta e comportamentos de elite. Daí o seu uso no senso comum como sinônimo de educação, escolarização ou até mesmo bons modos. Leia neste artigo do Wikipédia a origem do conceito de “civilização”.
  • 4. 1. Os significados de cultura A antropologia é a ciência que estuda as diferenças culturais entre os povos, portanto, é a partir dela que se deve olhar essa palavra. Segundo a ciência, cultura é o conjunto de todos os costumes, crenças, valores e hábitos de um povo. A antropologia assim como outras ciências tem diferentes “escolas”. As principais são: Evolucionista principal nome Edward B. Tylor Funcionalista principais nomes Redcliffe – Brown e Malinowski Estruturalista principal nome Claude Levi – Strauss
  • 5. 1. Os significados de cultura Características da cultura:  Todos os povos do mundo possuem cultura.  Não existem culturas inferiores ou superiores.  A cultura é algo exclusivamente humana. Os animais são incapazes de produzir cultura, pois não conseguem dar significado aos seus atos.  A cultura é dinâmica. Conforme o tempo e o lugar ela será diferente. Veja neste link a diferença entre cultura popular e cultura erudita e como essa distinção pode levar a uma hierarquização social.
  • 6. 2. Cultura e identidade cultural Identidade cultural é o sentimento de identidade de um grupo, cultura ou indivíduo, na medida em que este é influenciado pela cultura do grupo a que pertença. Nossa identidade cultural está diretamente ligada com o que somos e como vemos o mundo. Ela começa a ser moldada no momento em que nascemos e é construída até o momento em que morremos. Segundo Stuart Hall (1999), uma identidade cultural enfatiza aspectos relacionados a nosso pertencimento a culturas étnicas, raciais, linguísticas, religiosas, regionais e/ou nacionais.
  • 7. 2. Cultura e identidade cultural Aculturação e assimilação cultural: A aculturação é o nome dado ao processo de troca entre culturas diferentes a partir de sua convivência, de forma que a cultura de um sofre ou exerce influência sobre a construção cultural do outro. Esse processo, porém, não deve ser confundido com outros fenômenos da interação entre culturas diferentes, como a assimilação cultural, processo em que um grupo cultural assimila ou adota costumes e hábitos de uma outra cultura em detrimento da sua. Nesse processo, a cultura “original” de um grupo é gradualmente substituída e se perde no decorrer do tempo. Embora possa ser um catalizador para essa assimilação, nem toda adoção de traços culturais diferentes resulta na substituição ou no abandono de outro aspecto cultural.
  • 8. 2. Cultura e identidade cultural Exemplos de aculturação:
  • 9. 2. Cultura e identidade cultural Exemplos de assimilação cultural: Para saber mais sobre a construção da identidade cultural clique aqui.
  • 10. 2. Cultura e identidade cultural Algumas obras que retratam a formação do povo brasileiro e nossa diversidade cultural: Darcy Ribeiro: O povo brasileiro Gilberto Freyre: Casa – Grande e Senzala Roberto DaMatta: O que faz do brasil, Brasil? Sergio Buarque de Hollanda: Raízes do Brasil Lilia Moritz Schwarcz: Brasil: uma biografia Saiba mais sobre a formação da nossa diversidade cultural aqui.
  • 11. 3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural Raça x Etnia Enquanto o conceito de raça está ligado à ideia errônea de traços biológicos definitivos, o conceito de etnicidade é puramente social. Ao tratarmos de etnicidade, estamos fazendo referência a construções culturais de determinada comunidade de pessoas. As teorias raciais surgiram como forma de tentar justificar a ordem social que surgia à medida que países europeus tornavam-se nações imperialistas, submetendo outros territórios e suas populações ao seu domínio. O conceito foi amplamente adotado em todo o mundo até o período da Segunda Guerra Mundial, quando o surgimento da ameaça nazista elevou a proporções astronômicas o preconceito e o ódio em relação a grupos humanos específicos. Etnicidade: os membros dos grupos étnicos enxergam-se como culturalmente diferentes de outros grupos sociais e vice-versa. Portanto, características como religião, língua, história e símbolos, por exemplo, são pontos de diferenciação entre etnias.
  • 12. 3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural Raça Etnia Para o Dr. Kabengele Munanga, a palavra etnia virou um termo politicamente correto frente à raça, porém essa troca não muda a realidade do racismo, pois “as vítimas de hoje são as mesmas de ontem e as raças de ontem são as etnias de hoje.” Ou seja, “o racismo hoje praticado nas sociedades contemporâneas não precisa mais do conceito de raça ou da variante biológica, ele se reformula com base nos conceitos de etnia.” Pois este termo não acabou com a hierarquização das culturas, que é um componente do racismo.
  • 13. 3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo: do Grego éthnos, 'raça, povo', + -ismo O Etnocentrismo é a tendência a considerar um grupo étnico como superior a outros. É uma atitude de avaliar qualquer outro grupo social com base nos valores do seu próprio grupo. O Etnocentrismo consiste em julgar, a partir de padrões culturais próprios, como “certo” ou “errado”, “normal” ou “anormal” os comportamentos e as formas de ver o mundo de outros povos, desmerecendo suas práticas. Costumamos “ver” o mundo através de nossa cultura, utilizando-a como parâmetro para julgarmos outras culturas, acreditando que a nossa visão, nosso modo de vida, a nossa cultura são corretos, normais. Tal tendência é responsável, em seus casos extremos, pela ocorrência de numerosos conflitos sociais.
  • 14. 3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural Exemplos de etnocentrismo:
  • 15. 3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural O relativismo cultural afirma que as verdades (morais, religiosas, políticas, científicas, etc.) variam conforme a época, o lugar, o grupo social e os indivíduos de cada lugar. O relativismo é a "Postura segundo qual toda avaliação é relativa a algum padrão, seja qual for, e os padrões derivam de culturas." O relativismo, dessa forma, leva em consideração diversos tipos de análise, mesmo sendo análises aparentemente contraditórias. As diversas culturas humanas geram diferentes padrões segundo os quais as avaliações são geradas. O relativismo é um ponto de vista extremo oposto ao etnocentrismo, que leva em consideração apenas um ponto de vista em detrimento aos demais. Assim podemos concluir que o Relativismo é um termo filosófico que se baseia na relatividade do conhecimento e repudia qualquer verdade ou valor absoluto. “Todo ponto de vista é válido”.
  • 16. 3. Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo X Diversidade Cultural: as ideias de Levi – Strauss No texto “Raça e História”, escrito para a UNESCO, Lévi-Strauss dirige seu pensamento à diversidade cultural, elaborando sua teoria a partir de uma crítica ao evolucionismo. Para o autor, o evolucionismo ocorre porque o Ocidente vê a si mesmo como finalidade do desenvolvimento humano. Isso gera o etnocentrismo, ou seja, o Ocidente vê e analisa as outras culturas a partir de suas próprias categorias. É necessário que haja um esforço de relativização para não julgar as outras culturas através de nossa própria cultura. É preciso vê-las sem os pressupostos da nossa. Vídeo: Raça e História https://www.youtube.com/watch?v=U0dqZ7-4dzA
  • 17. 4. Cultura para os “clássicos” da sociologia Para Karl Marx, a relação entre história e cultura se dá não pelas escolhas dos homens, mas devido a condições concretas e pré-determinadas, estabelecidas no processo de produção da sobrevivência isso porque segundo ele o fundamento de toda vida social é a produção material. Emile Durkheim não se debruçou sobre o tema, mas acreditava que os fenômenos sociais têm necessariamente uma dimensão cultural pois são também fenômenos simbólicos. Durkheim não concebia diferenças de natureza entre primitivos e civilizados. O que existe em todas as sociedades é uma “consciência coletiva”, feita das representações coletivas, dos ideais, dos valores e dos sentimentos comuns a todos os seus indivíduos. Max Weber não faz distinções entre ciências sociais, sociologia e “ciências da cultura”. Em sua visão, a sociologia deveria estudar os fenômenos na qualidade de fenômenos culturais, na medida em que a realidade é apreendida como uma construção histórico-cultural.
  • 18. 5. Cultura e Ideologia Os significados mais comuns de ideologia: Destutt de Tracy: ciência das ideias. Senso comum: conjunto de ideias e pensamentos que orientam a visão de mundo, como na musica homônima de Cazuza. Karl Marx: equivalente de ilusão, falsa consciência, concepção idealista na qual a realidade é invertida como é explicado neste vídeo. Antonio Gramsci: qualquer ideário de um grupo de indivíduos. Saiba mais aqui.
  • 19. 5. Cultura e Ideologia Ao analisar a cultura e a ideologia, vários autores procuram demonstrar que não se podem utilizar esses dois conceitos separadamente, pois há uma profunda relação entre eles, sobretudo no que diz respeito ao processo de dominação nas sociedades capitalistas. O pensador italiano Antonio Gramsci (1891-1937) analisa essa questão com base no conceito de hegemonia (palavra de origem grega que significa “supremacia”, “preponderância”) e no que ele chama de aparelhos de hegemonia. Por hegemonia pode-se entender o processo pelo qual uma classe dominante consegue fazer que o seu projeto seja aceito pelos dominados, desarticulando a visão de mundo autônoma de cada grupo potencialmente adversário. Isso é feito por meio dos aparelhos de hegemonia, que são práticas intelectuais e organizações no interior do Estado ou fora dele (livros, jornais, escolas, música, teatro, etc.). Louis Althusser seguiu a mesma linha de pensamento ao falar dos aparelhos ideológicos do Estado. O sociólogo francês Pierre Bourdieu desenvolveu o conceito de violência simbólica para identificar formas culturais que impõem e fazem que aceitemos como normal, como verdade que sempre existiu e não pode ser questionada, um conjunto de regras não escritas nem ditas. Outros conceitos importante de Bourdieu relacionados às ideologias são o de capital cultural e habitus.
  • 20. 6. Industria Cultural e Escola de Frankfurt Theodor Adorno (1903-1969) e Max Horkheimer (1895-1973), pensadores alemães da chamada Escola de Frankfurt , procuraram analisar a relação entre cultura e ideologia com base no conceito de indústria cultural. Apresentaram esse conceito em 1947, no texto A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. Nele, afirmavam que o conceito de indústria cultural permitia explicar o fenômeno da exploração comercial e a vulgarização da cultura, como também a ideologia da dominação. A preocupação básica era com a emergência de empresas interessadas na produção em massa de bens culturais, como qualquer mercadoria (roupas, automóveis, sabonetes, etc.), visando exclusivamente ao consumo, tendo como fundamentos a lucratividade e a adesão incondicional ao sistema dominante. Adorno e Horkheimer apontaram a possibilidade de homogeneização das pessoas, grupos e classes sociais; esse processo atingiria todas as classes, que seriam seduzidas pela indústria cultural, pois esta coloca a felicidade imediatamente nas mãos dos consumidores mediante a compra de alguma mercadoria ou produto cultural. Cria-se assim uma subjetividade uniforme e, por isso, massificada. Daí surge a expressão cultura de massa e que é bem exemplificada neste vídeo.
  • 21. 6. Industria Cultural e Escola de Frankfurt A indústria cultural transforma as atividades de lazer em um prolongamento do trabalho, promete ao trabalhador uma fuga do cotidiano e lhe oferece, de maneira ilusória, esse mesmo cotidiano como paraíso. Por meio da sedução e do convencimento, a indústria cultural vende produtos que devem agradar ao público, não para faze-lo pensar com informações novas que o perturbem, mas para propiciar-lhe uma fuga da realidade. Tal fuga, segundo Adorno, faz que o indivíduo se aliene, para poder continuar aceitando com um “tudo bem” a exploração do sistema capitalista. Várias críticas foram feitas à ideia de que a indústria cultural estaria destruindo nossa capacidade de discernimento. Uma delas foi formulada por Walter Benjamin (1886-1940), um companheiro de trabalho de Theodor Adorno. Benjamin achava que não era preciso ser tão radical na análise e que a indústria Cultural poderia ajudar a desenvolver o conhecimento, pois levaria a arte e a cultura a um número maior de pessoas. Ele declarava que, anteriormente, as obras de arte estavam a serviço de um grupo pequeno de pessoas, de uma classe privilegiada. Com as novas técnicas de reprodução - como a fotografia e o cinema -, essas obras poderiam ser difundidas entre outras classes sociais, contribuindo para a emancipação da arte de seu papel Ritualístico. A imagem em uma pintura, que tinha unidade e duração, foi Substituída pela fotografia, que pode ser reproduzida indefinidamente. Mas Benjamin não era ingênuo ao afirmar isso: analisava a questão com mais abertura, sem perder a consciência de que o capitalismo utilizava as novas técnicas a seu favor.
  • 22. 7. Atividade Resolva as questões a seguir sempre assinalando a resposta correta e explicando por que é correta, assim como as incorretas, explique por que estão incorretas.
  • 23. ENEM 2013 QUESTÃO 38 A recuperação da herança cultural africana deve levar em conta o que é próprio do processo cultural: seu movimento, pluralidade e complexidade. Não se trata, portanto, do resgate ingênuo do passado nem do seu cultivo nostálgico, mas de procurar perceber o próprio rosto cultural brasileiro. O que se quer é captar seu movimento para melhor compreendê-lo historicamente. MINAS GERAIS: Cadernos do Arquivo 1: Escravidão em Minas Gerais. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro, 1988. Com base no texto, a análise de manifestações culturais de origem africana, como a capoeira ou o candomblé, deve considerar que elas: a) permanecem como reprodução dos valores e costumes africanos. b) perderam a relação com o seu passado histórico. c) derivam da interação entre valores africanos e a experiência histórica brasileira. d) contribuem para o distanciamento cultural entre negros e brancos no Brasil atual. e) demonstram a maior complexidade cultural dos africanos em relação aos europeus.
  • 24. ENEM 2013 QUESTÃO 38 A recuperação da herança cultural africana deve levar em conta o que é próprio do processo cultural: seu movimento, pluralidade e complexidade. Não se trata, portanto, do resgate ingênuo do passado nem do seu cultivo nostálgico, mas de procurar perceber o próprio rosto cultural brasileiro. O que se quer é captar seu movimento para melhor compreendê-lo historicamente. MINAS GERAIS: Cadernos do Arquivo 1: Escravidão em Minas Gerais. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro, 1988. Com base no texto, a análise de manifestações culturais de origem africana, como a capoeira ou o candomblé, deve considerar que elas: a) permanecem como reprodução dos valores e costumes africanos. b) perderam a relação com o seu passado histórico. c) derivam da interação entre valores africanos e a experiência histórica brasileira. d) contribuem para o distanciamento cultural entre negros e brancos no Brasil atual. e) demonstram a maior complexidade cultural dos africanos em relação aos europeus.
  • 25. (Enem 2010) A hibridez descreve a cultura de pessoas que mantêm suas conexões com a terra de seus antepassados, relacionando-se com a cultura do local que habitam. Eles não anseiam retornar à sua “pátria” ou recuperar qualquer identidade étnica “pura” ou absoluta; ainda assim, preservam traços de outras culturas, tradições e histórias e resistem à assimilação. CASHMORE, E. Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000 (adaptado). Contrapondo o fenômeno da hibridez à ideia de “pureza” cultural, observa-se que ele se manifesta quando: a) criações originais deixam de existir entre os grupos de artistas, que passam a copiar as essências das obras uns dos outros. b) civilizações se fecham a ponto de retomarem os seus próprios modelos culturais do passado, antes abandonados. c) populações demonstram menosprezo por seu patrimônio artístico, apropriando-se de produtos culturais estrangeiros. d) elementos culturais autênticos são descaracterizados e reintroduzidos com valores mais altos em seus lugares de origem. e) intercâmbios entre diferentes povos e campos de produção cultural passam a gerar novos produtos e manifestações.
  • 26. (Enem 2010) A hibridez descreve a cultura de pessoas que mantêm suas conexões com a terra de seus antepassados, relacionando-se com a cultura do local que habitam. Eles não anseiam retornar à sua “pátria” ou recuperar qualquer identidade étnica “pura” ou absoluta; ainda assim, preservam traços de outras culturas, tradições e histórias e resistem à assimilação. CASHMORE, E. Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000 (adaptado). Contrapondo o fenômeno da hibridez à ideia de “pureza” cultural, observa-se que ele se manifesta quando: a) criações originais deixam de existir entre os grupos de artistas, que passam a copiar as essências das obras uns dos outros. b) civilizações se fecham a ponto de retomarem os seus próprios modelos culturais do passado, antes abandonados. c) populações demonstram menosprezo por seu patrimônio artístico, apropriando-se de produtos culturais estrangeiros. d) elementos culturais autênticos são descaracterizados e reintroduzidos com valores mais altos em seus lugares de origem. e) intercâmbios entre diferentes povos e campos de produção cultural passam a gerar novos produtos e manifestações.
  • 27. (ENEM 2006) No início do século XIX, o naturalista alemão Carl Von Martius esteve no Brasil em missão científica para fazer observações sobre a flora e a fauna nativas e sobre a sociedade indígena. Referindo-se ao indígena, ele afirmou: “Permanecendo em grau inferior da humanidade, moralmente, ainda na infância, a civilização não o altera, nenhum exemplo o excita e nada o impulsiona para um nobre desenvolvimento progressivo (...)”. “Esse estranho e inexplicável estado do indígena americano, até o presente, tem feito fracassarem todas as tentativas para conciliá-lo inteiramente com a Europa vencedora e torná-lo um cidadão satisfeito e feliz.” Carl Von Martius. O estado do direito entre os autóctones do Brasil. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/EDUSP, 1982. Com base nessa descrição, conclui-se que o naturalista Von Martius: a) apoiava a independência do Novo Mundo, acreditando que os índios, diferentemente do que fazia a missão europeia, respeitavam a flora e a fauna do país. b) discriminava preconceituosamente as populações originárias da América e advogava o extermínio dos índios. c) defendia uma posição progressista para o século XIX: a de tornar o indígena cidadão satisfeito e feliz. d) procurava impedir o processo de aculturação, ao descrever cientificamente a cultura das populações originárias da América. e) desvalorizava os patrimônios étnicos e culturais das sociedades indígenas e reforçava a missão “civilizadora europeia”, típica do século XIX.
  • 28. (ENEM 2006) No início do século XIX, o naturalista alemão Carl Von Martius esteve no Brasil em missão científica para fazer observações sobre a flora e a fauna nativas e sobre a sociedade indígena. Referindo-se ao indígena, ele afirmou: “Permanecendo em grau inferior da humanidade, moralmente, ainda na infância, a civilização não o altera, nenhum exemplo o excita e nada o impulsiona para um nobre desenvolvimento progressivo (...)”. “Esse estranho e inexplicável estado do indígena americano, até o presente, tem feito fracassarem todas as tentativas para conciliá-lo inteiramente com a Europa vencedora e torná-lo um cidadão satisfeito e feliz.” Carl Von Martius. O estado do direito entre os autóctones do Brasil. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/EDUSP, 1982. Com base nessa descrição, conclui-se que o naturalista Von Martius: a) apoiava a independência do Novo Mundo, acreditando que os índios, diferentemente do que fazia a missão europeia, respeitavam a flora e a fauna do país. b) discriminava preconceituosamente as populações originárias da América e advogava o extermínio dos índios. c) defendia uma posição progressista para o século XIX: a de tornar o indígena cidadão satisfeito e feliz. d) procurava impedir o processo de aculturação, ao descrever cientificamente a cultura das populações originárias da América. e) desvalorizava os patrimônios étnicos e culturais das sociedades indígenas e reforçava a missão “civilizadora europeia”, típica do século XIX.
  • 29. (UEL) “Tudo indica que o termo ‘indústria cultural’ foi empregado pela primeira vez no livro Dialética do esclarecimento, que Horkheimer [1895-1973] e eu [Adorno, 1903-1969] publicamos em 1947, em Amsterdã. (...) Em todos os seus ramos fazem se, mais ou menos segundo um plano, produtos adaptados ao consumo das massas e que em grande medida determinam esse consumo”. (ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, 1986. p. 92.) Com base no texto acima e na concepção de indústria cultural expressa por Adorno e Horkheimer, é correto afirmar: a) Os produtos da indústria cultural caracterizam-se por ser a expressão espontânea das massas. b) Os produtos da indústria cultural afastam o indivíduo da rotina do trabalho alienante realizado em seu cotidiano. c) A quantidade, a diversidade e a facilidade de acesso aos produtos da indústria cultural contribuem para a formação de indivíduos críticos, capazes de julgar com autonomia. d) A indústria cultural visa à promoção das mais diferentes manifestações culturais, preservando as características originais de cada uma delas. e) A indústria cultural banaliza a arte ao transformar as obras artísticas em produtos voltados para o consumo das massas.
  • 30. (UEL) “Tudo indica que o termo ‘indústria cultural’ foi empregado pela primeira vez no livro Dialética do esclarecimento, que Horkheimer [1895-1973] e eu [Adorno, 1903-1969] publicamos em 1947, em Amsterdã. (...) Em todos os seus ramos fazem se, mais ou menos segundo um plano, produtos adaptados ao consumo das massas e que em grande medida determinam esse consumo”. (ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, 1986. p. 92.) Com base no texto acima e na concepção de indústria cultural expressa por Adorno e Horkheimer, é correto afirmar: a) Os produtos da indústria cultural caracterizam-se por ser a expressão espontânea das massas. b) Os produtos da indústria cultural afastam o indivíduo da rotina do trabalho alienante realizado em seu cotidiano. c) A quantidade, a diversidade e a facilidade de acesso aos produtos da indústria cultural contribuem para a formação de indivíduos críticos, capazes de julgar com autonomia. d) A indústria cultural visa à promoção das mais diferentes manifestações culturais, preservando as características originais de cada uma delas. e) A indústria cultural banaliza a arte ao transformar as obras artísticas em produtos voltados para o consumo das massas.
  • 31. 8. Dicas e Leituras Outros temas relacionados a cultura que já estiveram presentes no ENEM ou poderão estar :  Lei 10.639/03  Lei 11.645/08  Pan-africanismo  Discriminação, preconceito, xenofobia, segregação (Apartheid), estereótipo e estigma social.  Determinismo geográfico e determinismo biológico  Cultura Material e Imaterial  Cultura e Globalização  Arte e Estética  Movimentos culturais
  • 32. Referências 1. http://www.infoescola.com/ciencias/antropologia-cultural/ 2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Civiliza%C3%A7%C3%A3o 3. http://lucianapauladasilvadeoliveira.blogspot.com.br/2011/01/cultura-um-conceito- antropologico.html 4. http://docslide.com.br/documents/principais-correntes-teoricas-da-antropologia.html 5. http://alunosonline.uol.com.br/sociologia/identidade-cultural.html 6. https://pt.wikipedia.org/wiki/Identidade_cultural 7. http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/sociologia/aculturacao.htm 8. http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/etnia.htm 9. http://ofensivanegritude.blogspot.com.br/2010/12/raca-ou-etnia.html 10. http://resantosprofessora.blogspot.com.br/2014/05/etnocentrismo-e-relativismo- cultural.html 11. http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/a-diversidade-cultural-levi-strauss.htm 12. https://www.significados.com.br/diferenca-entre-cultura-popular-e-cultura-erudita/ 13. http://www.debatesculturais.com.br/historia-cultura-e-politica-no-pensamento-social-de- max-weber/ 14. https://politicasdaculturaecomunicacao.wordpress.com/conceito-de-cultura/ 15. http://filosofia.uol.com.br/filosofia/ideologia-sabedoria/43/artigo293560-1.asp