SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
A ideia de cultura
Terry Eagleton
• Complexidade da palavra “cultura”: conceito derivado do
de natureza, a mais nobre as atividades humanas é
derivada de trabalho e agricultura, colheita e cultivo. De
início, denotava um processo completamente material,
depois metaforicamente transferido para questões do
espírito.
• Essa mudança semântica é paradoxal A raiz latina da
palavra “cultura” é colere, que significa qualquer coisa,
desde cultivar e habitar (colonus => colonialismo) a adorar
e proteger.
• Cultus, no termo religioso “culto”, da mesmo forma que a
ideia de cultura se coloca no lugar de um sentido de
divindade e transcendência na Idade Moderna, herdando
o manto da autoridade religiosa, mas tem afinidades com
ocupação e invasão.
• Além de guardar em si os resquícios de uma transição histórica de grande
importância, a palavra “cultura” codifica várias questões filosóficas
fundamentais, como liberdade e determinismo, o fazer e o sofrer, mudança
e identidade, o dado e o criado. O termo sugere uma dialética entre o
artificial e o natural, entre o que fazemos no mundo e o que o mundo nos
faz.
• A natureza produz cultura que transforma a natureza. Dessa forma, a
cultura pode ser vista como meio da autorrenovação constante da
natureza, ou seja, a natureza mesma produz os meios de sua própria
transcendência: se a natureza é sempre de alguma forma cultural, então as
culturas são construídas com base no incessante tráfego com a natureza
que chamamos de trabalho.
• Nesse sentido, a ideia de cultura significa uma dupla recusa: do determinismo orgânico e
da autonomia do espírito, rejeitando o naturalismo (pois há algo na natureza que a excede
e a anula) e o idealismo (pois mesmo o mais nobre agir humano tem raízes humildes na
biologia e no ambiente natural).
• Dessa forma, é um termo descritivo e analítico, que compreende uma tensão entre fazer e
ser feito, racionalidade e espontaneidade. Cultura alude ao contraste político entre
evolução (“orgânica” e “espontânea”) e revolução (artificial e forçada), sugerindo como se
poderia ir além dessa antítese batida, ao combinar crescimento e cálculo, liberdade e
necessidade, a ideia de um projeto consciente e um excedente não planejável.
• A cultura seria uma espécie de pedagogia ética que nos torna aptos
para a cidadania política: temos que ser homens para ser cidadãos.
Assim, o Estado encarna a cultura, que corporifica nossa humanidade
comum.
• Dessa forma, designa uma espécie de autodivisão e autocura pela qual
nossos eus rebeldes e terrestres não são abolidos, mas refinados
valendo-se de dentro por uma espécie mais ideal de humanidade.
• A cultura é uma forma de sujeito universal agindo dentro de cada um
de nós, exatamente como o Estado é a presença do universal dentro do
âmbito particularista da sociedade civil.
• Por volta do século XIX, três coisas sucedem a essa noção de
“cultura”:
• (I) começa a deixar de ser um sinônimo de civilização para vir a
ser seu antônimo, na medida em que os aspectos descritivo e
normativo da palavra “civilização” começam a se separar.
• (II) “civilização” tinha adquirido uma concepção inevitavelmente
imperialista, suficiente para desacreditá-la aos olhos de alguns
liberais, sendo necessária outra palavra para denotar como a vida
social deveria ser em vez de como era.
• (III) o conceito de “cultura” nascido no coração do iluminismo
lutava agora contra seus progenitores na querela entre tradição e
modernidade. Civilização (abstrata, alienada, fragmentada,
mecanicista, utilitária, escrava de uma crença obtusa no
progresso material) X cultura (holística, orgânica, sensível,
autotélica, recordável).
• A partir do idealismo alemão, a cultura assume algo do significado moderno de um modo de vida
característico. Dessa forma, a cultura significa uma diversidade de formas de vida específicas,
cada um com suas leis evolutivas próprias e peculiares, e não uma narrativa grandiosa e unilinear
da humanidade em seu todo.
• Para Herder, a luta entre os dois sentidos se associa a um conflito entre a Europa (o
eurocentrismo de uma cultura como civilização univeral) e os seus Outros coloniais (clamando
que não viveram e pereceram em prol da honra duvidosa de ter sua posteridade tornada feliz por
uma cultura europeia ilusoriamente superior).
• a ideia de cultura como um modo de vida característico está estritamente ligada a um pendor
romântico anticolonialista por sociedades “exóticas” subjugadas. O exotismo ressurgirá no século
XX nos aspectos primitivistas do modernismo e, bem mais tarde, em uma roupagem pós-
moderna, com a romantização da cultura popular.
• A “totalidade” é um mito, pois os “hábitos, pensamentos e ações mais heterogêneos
podem coexistir lado a lado” (Boas), como ensinado pelos antropólogos. No pós-
modernismoo, ao passo que a cultura como civilização é rigorosamente
discriminativa, a cultura como forma de vida não o é.
• Nesse sentido, como teoria, o pós-modernismo aparece depois dos grandes
movimentos de libertação nacional dos meados do século XX.
• Herder propõe pluralizar o termo “cultura” em um sentido que tentativamente criará
raízes em meados do século XIX, mas não se estabelecerá decididamente até o início
do século XX.
• Eagleton (2005) identifica a dificuldade de
compatibilizar a pluralização do conceito de
cultura com a manutenção de seu caráter
positivo, pois historicamente existiu uma
variedade de culturas de tortura, por exemplo.
• O autor destaca que nenhum cultura humana
é mais heterogênea que o capitalismo.
• Eagleton (2005) vê a crítica anticapitalista como a
primeira variante importante da palavra “cultura”;
a segunda é um estreitamento e,
concomitantemente, uma pluralização da noção a
um modo de vida total; a terceira é a sua gradual
especialização às artes, podendo incluir atividade
intelectual em geral (Ciência, Filosofia, Educação)
ou ser mais limitada a atividades supostamente
mais “imaginativas” (Música, Pintura, Literatura).
• A cultura exige dos que clamam por justiça que
olhem para além de seus próprios interesses
parciais, que olhem para o todo, para os interesses
de seus governantes da mesma forma que para
seus próprios. Desa forma, a associação da cultura
com a justiça para grupos minoritários é um
desenvolvimento novo.
• Eagleton (2005) coloca a seguinte questão: o
que liga cultura como crítica utópica, cultura
como modo de vida e cultura como criação
artística? A resposta é negativa, pois as três são
diferentes reações ao fracasso da cultura como
civilização real, como a grande narrativa do
autodesenvolvimento humano.
• Esssa ideia minoritária de cultura, embora
sintoma de crise histórica, é uma espécie de
solução que confere cor e textura à abstração
iluminista da cultura como civilização com a
imediação sensível da cultura como forma de
vida, além de herdar o viés normativo da cultura
como civilização.
• Para Marx, as práticas culturais mais benignas que conhecemos como criação estão implícitas na
própria existência da injustiça. Todas as culturas devem incluir práticas como criação de crianças,
educação, assistência social, comunicação e apoio mútuo, pois, em caso contrário, seriam
incapazes de se reproduzir e, assim, incapazes de engajar-se em práticas exploradoras.
• A ideia de cultura como modo de vida orgânico faz parte da “alta” cultura, produto de
intelectuais cultos que pode representar o outro primordial que poderia revitalizar as suas
próprias sociedades degeneradas. Assim, a cultura é ao mesmo tempo, uma realidade concreta e
uma visão enevoada da perfeição
• Como ideia, a cultura começa a ser importante em quatro pontos de crise histórica:
(I) quando se torna a única alternativa aparente a uma sociedade degradada; (II)
quando parece que, sem mudança social profunda, a cultura no sentido das artes e
do bem viver não será mais nem menos possível; (III) quando fornece os termos nos
quais um grupo ou povo busca sua emancipação política; e (IV) quando uma potência
imperialista é forçada a chegar a um acordo com o modo de vida daqueles que
subjuga.
• A noção moderna de cultura se deve em grande parte ao nacionalismo e
colonialismo. Nesse sentido, à medida que a nação pré-moderna dá lugar ao Estado-
nação moderno, a estrutura de papéis tradicionais já não pode manter a sociedade
unida: é a cultura (no sentido de ter em comum uma linguagem, herança, sistema
educacional, valores compartilhados) que intervém como o princípio da unidade
social.
• A Antropologia estrutural de Lévi-Strauss pode apresentar tais “primitivos”
tanto como confortavelmente similares, como exoticamente diferentes de
nós mesmos. Nesse sentido, tendo chegado a um ponto de decadência
complexa, a civilização podia refrescar-se somente na fonte da cultura,
olhando para trás a fim de caminhar para frente. O modernismo engatou a
marcha a ré no tempo, descobrindo no passado uma imagem do futuro.
• Estruturalismo: traçou parte de suas origens de volta ao imperialism. Hermenêutica: dúvida
se o outro é inteligível. Pós-estruturalismo: coloca em questão o que considera ser uma
metafísica profundamente eurocêntrica. Teoria pós-moderna: contra a ideia de uma cultura
estável, pré-moderna, firmemente unificada, por isso busca sua hibridez e seu caráter ilimitado
e aberto.
• No mundo pós-moderno, a cultura e a vida social estão mais uma vez estreitamente aliadas na
forma da estética da mercadoria, da espetacularização da política, do consumismo do estilo de
vida, da centralidade da imagem e da integração final da cultura dentro da produção de
mercadorias em geral.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx

Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10mundissa
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglasDouglasElaine Moraes
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalPsicologia_2015
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptxWillianVieira54
 
Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...
Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...
Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...Vítor Vieira
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].pptAdelmaFerreiradeSouz
 
O que se entende por cultura
O que se entende por culturaO que se entende por cultura
O que se entende por culturaIvon Rodrigues
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...Silvana
 
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaMudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaSilvana
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptRubensMartins36
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Salomao Lucio Dos Santos
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade Vjoao paulo
 
Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA...
 Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA... Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA...
Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA...Francilis Enes
 
Antropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoAntropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoDaniel Buchmann
 

Semelhante a A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx (20)

Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo cultural
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
 
Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...
Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...
Breves comentários críticos sobre o conceito de cultura em tempos de Pós-Mode...
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
 
Cultura e vida social
Cultura e vida socialCultura e vida social
Cultura e vida social
 
O que se entende por cultura
O que se entende por culturaO que se entende por cultura
O que se entende por cultura
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
 
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaMudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
 
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
 
As scolas de antropologia
As scolas de antropologiaAs scolas de antropologia
As scolas de antropologia
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade V
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA...
 Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA... Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA...
Culturas e artes do pós-humano; Da cultura das mídias à cibercultura. (LUCIA...
 
Sociologia1
Sociologia1Sociologia1
Sociologia1
 
Antropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoAntropologia da Comunicação
Antropologia da Comunicação
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
Concepções de Cultura
Concepções de CulturaConcepções de Cultura
Concepções de Cultura
 

Mais de Marília Vieira

Multiculturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptx
Multiculturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptxMulticulturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptx
Multiculturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptxMarília Vieira
 
Culturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptx
Culturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptxCulturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptx
Culturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptxMarília Vieira
 
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdfA invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdfMarília Vieira
 
A apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdf
A apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdfA apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdf
A apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdfMarília Vieira
 
A colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdf
A colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdfA colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdf
A colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdfMarília Vieira
 
FARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdf
FARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdfFARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdf
FARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdfMarília Vieira
 

Mais de Marília Vieira (8)

Multiculturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptx
Multiculturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptxMulticulturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptx
Multiculturalidade, Transculturalidade e Interculturalidade.pptx
 
Culturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptx
Culturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptxCulturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptx
Culturas híbridas, Nesto Garcia Canclini.pptx
 
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdfA invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
 
A apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdf
A apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdfA apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdf
A apropriação da língua portuguesa por imigrantes haitianos no IFRS.pdf
 
A colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdf
A colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdfA colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdf
A colônia de Rio Uvá: várias histórias em uma só.pdf
 
284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf
 
FARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdf
FARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdfFARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdf
FARACO, Carlos Alberto - Linguística Histórica.pdf
 
35 69-1-pb
35 69-1-pb35 69-1-pb
35 69-1-pb
 

Último

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 

A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx

  • 1. A ideia de cultura Terry Eagleton
  • 2. • Complexidade da palavra “cultura”: conceito derivado do de natureza, a mais nobre as atividades humanas é derivada de trabalho e agricultura, colheita e cultivo. De início, denotava um processo completamente material, depois metaforicamente transferido para questões do espírito. • Essa mudança semântica é paradoxal A raiz latina da palavra “cultura” é colere, que significa qualquer coisa, desde cultivar e habitar (colonus => colonialismo) a adorar e proteger. • Cultus, no termo religioso “culto”, da mesmo forma que a ideia de cultura se coloca no lugar de um sentido de divindade e transcendência na Idade Moderna, herdando o manto da autoridade religiosa, mas tem afinidades com ocupação e invasão.
  • 3. • Além de guardar em si os resquícios de uma transição histórica de grande importância, a palavra “cultura” codifica várias questões filosóficas fundamentais, como liberdade e determinismo, o fazer e o sofrer, mudança e identidade, o dado e o criado. O termo sugere uma dialética entre o artificial e o natural, entre o que fazemos no mundo e o que o mundo nos faz.
  • 4. • A natureza produz cultura que transforma a natureza. Dessa forma, a cultura pode ser vista como meio da autorrenovação constante da natureza, ou seja, a natureza mesma produz os meios de sua própria transcendência: se a natureza é sempre de alguma forma cultural, então as culturas são construídas com base no incessante tráfego com a natureza que chamamos de trabalho.
  • 5. • Nesse sentido, a ideia de cultura significa uma dupla recusa: do determinismo orgânico e da autonomia do espírito, rejeitando o naturalismo (pois há algo na natureza que a excede e a anula) e o idealismo (pois mesmo o mais nobre agir humano tem raízes humildes na biologia e no ambiente natural). • Dessa forma, é um termo descritivo e analítico, que compreende uma tensão entre fazer e ser feito, racionalidade e espontaneidade. Cultura alude ao contraste político entre evolução (“orgânica” e “espontânea”) e revolução (artificial e forçada), sugerindo como se poderia ir além dessa antítese batida, ao combinar crescimento e cálculo, liberdade e necessidade, a ideia de um projeto consciente e um excedente não planejável.
  • 6. • A cultura seria uma espécie de pedagogia ética que nos torna aptos para a cidadania política: temos que ser homens para ser cidadãos. Assim, o Estado encarna a cultura, que corporifica nossa humanidade comum. • Dessa forma, designa uma espécie de autodivisão e autocura pela qual nossos eus rebeldes e terrestres não são abolidos, mas refinados valendo-se de dentro por uma espécie mais ideal de humanidade. • A cultura é uma forma de sujeito universal agindo dentro de cada um de nós, exatamente como o Estado é a presença do universal dentro do âmbito particularista da sociedade civil.
  • 7. • Por volta do século XIX, três coisas sucedem a essa noção de “cultura”: • (I) começa a deixar de ser um sinônimo de civilização para vir a ser seu antônimo, na medida em que os aspectos descritivo e normativo da palavra “civilização” começam a se separar. • (II) “civilização” tinha adquirido uma concepção inevitavelmente imperialista, suficiente para desacreditá-la aos olhos de alguns liberais, sendo necessária outra palavra para denotar como a vida social deveria ser em vez de como era. • (III) o conceito de “cultura” nascido no coração do iluminismo lutava agora contra seus progenitores na querela entre tradição e modernidade. Civilização (abstrata, alienada, fragmentada, mecanicista, utilitária, escrava de uma crença obtusa no progresso material) X cultura (holística, orgânica, sensível, autotélica, recordável).
  • 8. • A partir do idealismo alemão, a cultura assume algo do significado moderno de um modo de vida característico. Dessa forma, a cultura significa uma diversidade de formas de vida específicas, cada um com suas leis evolutivas próprias e peculiares, e não uma narrativa grandiosa e unilinear da humanidade em seu todo. • Para Herder, a luta entre os dois sentidos se associa a um conflito entre a Europa (o eurocentrismo de uma cultura como civilização univeral) e os seus Outros coloniais (clamando que não viveram e pereceram em prol da honra duvidosa de ter sua posteridade tornada feliz por uma cultura europeia ilusoriamente superior). • a ideia de cultura como um modo de vida característico está estritamente ligada a um pendor romântico anticolonialista por sociedades “exóticas” subjugadas. O exotismo ressurgirá no século XX nos aspectos primitivistas do modernismo e, bem mais tarde, em uma roupagem pós- moderna, com a romantização da cultura popular.
  • 9. • A “totalidade” é um mito, pois os “hábitos, pensamentos e ações mais heterogêneos podem coexistir lado a lado” (Boas), como ensinado pelos antropólogos. No pós- modernismoo, ao passo que a cultura como civilização é rigorosamente discriminativa, a cultura como forma de vida não o é. • Nesse sentido, como teoria, o pós-modernismo aparece depois dos grandes movimentos de libertação nacional dos meados do século XX. • Herder propõe pluralizar o termo “cultura” em um sentido que tentativamente criará raízes em meados do século XIX, mas não se estabelecerá decididamente até o início do século XX.
  • 10. • Eagleton (2005) identifica a dificuldade de compatibilizar a pluralização do conceito de cultura com a manutenção de seu caráter positivo, pois historicamente existiu uma variedade de culturas de tortura, por exemplo. • O autor destaca que nenhum cultura humana é mais heterogênea que o capitalismo.
  • 11. • Eagleton (2005) vê a crítica anticapitalista como a primeira variante importante da palavra “cultura”; a segunda é um estreitamento e, concomitantemente, uma pluralização da noção a um modo de vida total; a terceira é a sua gradual especialização às artes, podendo incluir atividade intelectual em geral (Ciência, Filosofia, Educação) ou ser mais limitada a atividades supostamente mais “imaginativas” (Música, Pintura, Literatura). • A cultura exige dos que clamam por justiça que olhem para além de seus próprios interesses parciais, que olhem para o todo, para os interesses de seus governantes da mesma forma que para seus próprios. Desa forma, a associação da cultura com a justiça para grupos minoritários é um desenvolvimento novo.
  • 12. • Eagleton (2005) coloca a seguinte questão: o que liga cultura como crítica utópica, cultura como modo de vida e cultura como criação artística? A resposta é negativa, pois as três são diferentes reações ao fracasso da cultura como civilização real, como a grande narrativa do autodesenvolvimento humano. • Esssa ideia minoritária de cultura, embora sintoma de crise histórica, é uma espécie de solução que confere cor e textura à abstração iluminista da cultura como civilização com a imediação sensível da cultura como forma de vida, além de herdar o viés normativo da cultura como civilização.
  • 13. • Para Marx, as práticas culturais mais benignas que conhecemos como criação estão implícitas na própria existência da injustiça. Todas as culturas devem incluir práticas como criação de crianças, educação, assistência social, comunicação e apoio mútuo, pois, em caso contrário, seriam incapazes de se reproduzir e, assim, incapazes de engajar-se em práticas exploradoras. • A ideia de cultura como modo de vida orgânico faz parte da “alta” cultura, produto de intelectuais cultos que pode representar o outro primordial que poderia revitalizar as suas próprias sociedades degeneradas. Assim, a cultura é ao mesmo tempo, uma realidade concreta e uma visão enevoada da perfeição
  • 14. • Como ideia, a cultura começa a ser importante em quatro pontos de crise histórica: (I) quando se torna a única alternativa aparente a uma sociedade degradada; (II) quando parece que, sem mudança social profunda, a cultura no sentido das artes e do bem viver não será mais nem menos possível; (III) quando fornece os termos nos quais um grupo ou povo busca sua emancipação política; e (IV) quando uma potência imperialista é forçada a chegar a um acordo com o modo de vida daqueles que subjuga. • A noção moderna de cultura se deve em grande parte ao nacionalismo e colonialismo. Nesse sentido, à medida que a nação pré-moderna dá lugar ao Estado- nação moderno, a estrutura de papéis tradicionais já não pode manter a sociedade unida: é a cultura (no sentido de ter em comum uma linguagem, herança, sistema educacional, valores compartilhados) que intervém como o princípio da unidade social.
  • 15. • A Antropologia estrutural de Lévi-Strauss pode apresentar tais “primitivos” tanto como confortavelmente similares, como exoticamente diferentes de nós mesmos. Nesse sentido, tendo chegado a um ponto de decadência complexa, a civilização podia refrescar-se somente na fonte da cultura, olhando para trás a fim de caminhar para frente. O modernismo engatou a marcha a ré no tempo, descobrindo no passado uma imagem do futuro.
  • 16. • Estruturalismo: traçou parte de suas origens de volta ao imperialism. Hermenêutica: dúvida se o outro é inteligível. Pós-estruturalismo: coloca em questão o que considera ser uma metafísica profundamente eurocêntrica. Teoria pós-moderna: contra a ideia de uma cultura estável, pré-moderna, firmemente unificada, por isso busca sua hibridez e seu caráter ilimitado e aberto. • No mundo pós-moderno, a cultura e a vida social estão mais uma vez estreitamente aliadas na forma da estética da mercadoria, da espetacularização da política, do consumismo do estilo de vida, da centralidade da imagem e da integração final da cultura dentro da produção de mercadorias em geral.