SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
ARTES
Profa. Karen Olivan
A Arte e o Artista
• Desde que o mundo é mundo o ser humano
constrói seus próprios objetos, suas coisas.
A Arte e o Artista
• A arte é uma forma criativa por meio da qual a
humanidade expressa suas emoções, sua
história e sua cultura através de alguns valores
estéticos, como beleza, harmonia, equilíbrio. A
arte pode ser representada através de várias
formas, em especial na música, na literatura, na
escultura, na pintura, no cinema, na dança, entre
tantas outras.
A Arte e o Artista
• Em algum momento já sentimos o efeito de uma
obra de arte sobre nós, que pode ser:
• Admiração.
• Estranheza.
• Encanto.
• Repúdio.
• Prazer.
• Contemplação.
• Bem-estar.
• O que você vê?
• O que vejo é realmente o que entendo?
In Bed, 2000 - Ron Mueck
A Arte e o Artista
• Mulher com sombrinha
(1875), é uma das mais
famosas obras do pintor
francês impressionista
Claude Monet.
• O que mais nos encanta
neste quadro não são as
jovens retratadas, mas o
modo sutil pelo qual a
luz e a brisa conservam-
se na tela como que
para sempre aos nossos
olhos.
A Arte e o Artista
• arte também manifesta
fatos, acontecimentos,
expressa ideias e, nesse
sentido, possui também
a função formativa, ou
seja, educativa.
• O livro Os sertões,
escrito por Euclides da
Cunha, conta a história
da Guerra de Canudos,
uma revolta ocorrida no
interior da Bahia, entre
1896 e 1897, liderada
por Antonio Conselheiro.
A Arte e o Artista
• A arte se apresenta de várias formas, como a
música, a literatura, o teatro, a dança etc.
• Pode ser vista ou percebida de três maneira:
visualizadas, ouvidas ou mistas.
• O artista precisa da arte e da técnica para
comunicar-se.
• Nos faz repensar os novos posicionamentos
socioculturais e artísticos.
• Busca a análise dos objetos de arte em
percursos históricos, pois de alguma forma a
arte interfere na sociedade e, ao mesmo tempo,
recebe influências do meio em que está inserida.
A Arte e o Artista
• O artista é o homem que cria objetos para:
• satisfazer as suas necessidades práticas –
arte utilitária;
• como meio de vida para que o mundo saiba
o que pensa;
• para divulgar as suas crenças (ou as de
outros);
• para estimular e distrair a si mesmo e aos
outros;
• para explorar novas formas de olhar e
interpretar objetos e cenas.
A Arte e o Artista
• Em 1911, o crítico de cinema italiano Ricciotto
Canudo escreveu o Manifesto das Sete Artes.
• Mais tarde, historiadores acrescentaram a esse
manifesto mais quatro artes.
Primeira arte: música (arte do som)
Segunda arte: dança (arte do movimento)
Terceira arte: pintura (arte da cor)
Quarta arte: escultura (arte do volume)
Quinta arte: teatro (arte da representação)
Sexta arte: literatura (arte da palavra)
Sétima arte: cinema (arte que reúne elementos das seis
anteriores)
Oitava arte: fotografia (arte da imagem)
Nona arte: História em quadrinhos (arte sequencial)
Décima arte: jogos eletrônicos
Décima primeira arte: arte digital
A Arte e o Artista
• O artista: tem uma mensagem e toma
decisões.
• Você, o apreciador:
• Exige esforço, dedicação e diálogo com o
trabalho, então se pergunte:
• Qual é o tema?
• Quais são os materiais utilizados?
• Quando e onde foi feita?
• Como são as cores?
• Gosto?
• Já vi algo parecido?
• O trabalho: a obra
Os primórdios da arte
• Antes de pintar as paredes da caverna, o
homem fazia ornamentos corporais, como
colares, e, depois magníficas estatuetas, como
as famosas “Vênus”.
• Existem várias cavernas pelo mundo, que
demonstram a pintura rupestre, algumas delas
são:
• Caverna de ALTAMIRA, Espanha, quase uma
centena de desenhos feitos a 14.000 anos,
foram os primeiros desenhos descobertos, em
1879. Sua autenticidade, porém, só foi
reconhecida em 1902.
Os primórdios da arte
• Caverna de LASCAUX, França, suas pinturas
foram achadas em 1940, têm 17.000 anos. A cor
preta, por exemplo, contém carvão moído e
dióxido de manganês.
• Caverna de CHAUVET, França, há ursos,
panteras, cavalos, mamutes, hienas, dezenas de
rinocerontes peludos e animais diversos,
descoberta em 1994.
• Gruta de RODÉSIA, África, com mais de 40.000
anos.
Conceito de Arte
“Não vês que o olho abraça a beleza do mundo inteiro?
(...) É janela do corpo humano, por onde a alma especula e
frui a beleza do mundo, aceitando a prisão do corpo que,
sem esse poder, seria um tormento (...) Ó admirável
necessidade!
Quem acreditaria que um espaço tão reduzido seria capaz
de absorver as imagens do universo? (...) O espírito do
pintor deve fazer-se semelhante a um espelho que adota a
cor do que olha e se enche de tantas imagens quantas
coisas tiver adiante de si.”
Leonardo da Vinci

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
 
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
 
11 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 202011 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 2020
 
Evolução conceito arte
Evolução conceito arteEvolução conceito arte
Evolução conceito arte
 
História das artes visuais edite
História das artes visuais editeHistória das artes visuais edite
História das artes visuais edite
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Revisão 4ºbim respondida
Revisão 4ºbim respondidaRevisão 4ºbim respondida
Revisão 4ºbim respondida
 
Arte Pública
Arte PúblicaArte Pública
Arte Pública
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJAARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
 
Revisão - História da Arte Brasileira
Revisão - História da Arte BrasileiraRevisão - História da Arte Brasileira
Revisão - História da Arte Brasileira
 
Arte+contemporanea+brasileira
Arte+contemporanea+brasileiraArte+contemporanea+brasileira
Arte+contemporanea+brasileira
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
 
9ano
9ano9ano
9ano
 
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichaçãoArte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
 

Destaque

Destaque (13)

Arte
ArteArte
Arte
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Arte Abstrata
Arte AbstrataArte Abstrata
Arte Abstrata
 
Arte, Cultura E Filosofia Enade
Arte, Cultura E Filosofia EnadeArte, Cultura E Filosofia Enade
Arte, Cultura E Filosofia Enade
 
Resumão de História da Arte
Resumão de História da ArteResumão de História da Arte
Resumão de História da Arte
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 

Semelhante a ARTES

A arte da pré história
A arte da pré históriaA arte da pré história
A arte da pré históriaCEF16
 
Apostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte novaApostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte novaLuis Silva
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-históriahbilinha
 
Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01Fernando Souza
 
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTEAPOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTEVIVIAN TROMBINI
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoPaula Poiet
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-ArtesElisa
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arteEllen_A
 
Romantismo grupo A
Romantismo grupo ARomantismo grupo A
Romantismo grupo Abecresforte
 
1) o que é arte -Texto
1)  o que é arte -Texto1)  o que é arte -Texto
1) o que é arte -TextoArtesElisa
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-históriahbilinha
 
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 20122c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012www.historiadasartes.com
 
Apostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdfApostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdfGustavoPaz34
 

Semelhante a ARTES (20)

4 breve viagem pela
4 breve viagem pela4 breve viagem pela
4 breve viagem pela
 
Slideestela arte-1235047907847191-2
Slideestela arte-1235047907847191-2Slideestela arte-1235047907847191-2
Slideestela arte-1235047907847191-2
 
Arte.pptx
Arte.pptxArte.pptx
Arte.pptx
 
A arte da pré história
A arte da pré históriaA arte da pré história
A arte da pré história
 
Apostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte novaApostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte nova
 
PPT_O_que_e_arte.pdf
PPT_O_que_e_arte.pdfPPT_O_que_e_arte.pdf
PPT_O_que_e_arte.pdf
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01Arte e publicidade - Aula 01
Arte e publicidade - Aula 01
 
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTEAPOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
 
Romantismo grupo A
Romantismo grupo ARomantismo grupo A
Romantismo grupo A
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
1) o que é arte -Texto
1)  o que é arte -Texto1)  o que é arte -Texto
1) o que é arte -Texto
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
 
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 20122c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
 
Apostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdfApostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdf
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 

Mais de Karen Olivan

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanholKaren Olivan
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntosKaren Olivan
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatroKaren Olivan
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativoKaren Olivan
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOKaren Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisKaren Olivan
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavrasKaren Olivan
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo portuguêsKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoKaren Olivan
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoKaren Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Karen Olivan
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraKaren Olivan
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem Karen Olivan
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaKaren Olivan
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 

Mais de Karen Olivan (20)

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativo
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 

Último

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 

Último (20)

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 

ARTES

  • 2. A Arte e o Artista • Desde que o mundo é mundo o ser humano constrói seus próprios objetos, suas coisas.
  • 3. A Arte e o Artista • A arte é uma forma criativa por meio da qual a humanidade expressa suas emoções, sua história e sua cultura através de alguns valores estéticos, como beleza, harmonia, equilíbrio. A arte pode ser representada através de várias formas, em especial na música, na literatura, na escultura, na pintura, no cinema, na dança, entre tantas outras.
  • 4. A Arte e o Artista • Em algum momento já sentimos o efeito de uma obra de arte sobre nós, que pode ser: • Admiração. • Estranheza. • Encanto. • Repúdio. • Prazer. • Contemplação. • Bem-estar.
  • 5. • O que você vê?
  • 6. • O que vejo é realmente o que entendo? In Bed, 2000 - Ron Mueck
  • 7.
  • 8. A Arte e o Artista • Mulher com sombrinha (1875), é uma das mais famosas obras do pintor francês impressionista Claude Monet. • O que mais nos encanta neste quadro não são as jovens retratadas, mas o modo sutil pelo qual a luz e a brisa conservam- se na tela como que para sempre aos nossos olhos.
  • 9. A Arte e o Artista • arte também manifesta fatos, acontecimentos, expressa ideias e, nesse sentido, possui também a função formativa, ou seja, educativa. • O livro Os sertões, escrito por Euclides da Cunha, conta a história da Guerra de Canudos, uma revolta ocorrida no interior da Bahia, entre 1896 e 1897, liderada por Antonio Conselheiro.
  • 10. A Arte e o Artista • A arte se apresenta de várias formas, como a música, a literatura, o teatro, a dança etc. • Pode ser vista ou percebida de três maneira: visualizadas, ouvidas ou mistas. • O artista precisa da arte e da técnica para comunicar-se. • Nos faz repensar os novos posicionamentos socioculturais e artísticos. • Busca a análise dos objetos de arte em percursos históricos, pois de alguma forma a arte interfere na sociedade e, ao mesmo tempo, recebe influências do meio em que está inserida.
  • 11. A Arte e o Artista • O artista é o homem que cria objetos para: • satisfazer as suas necessidades práticas – arte utilitária; • como meio de vida para que o mundo saiba o que pensa; • para divulgar as suas crenças (ou as de outros); • para estimular e distrair a si mesmo e aos outros; • para explorar novas formas de olhar e interpretar objetos e cenas.
  • 12. A Arte e o Artista • Em 1911, o crítico de cinema italiano Ricciotto Canudo escreveu o Manifesto das Sete Artes. • Mais tarde, historiadores acrescentaram a esse manifesto mais quatro artes.
  • 13. Primeira arte: música (arte do som)
  • 14. Segunda arte: dança (arte do movimento)
  • 15. Terceira arte: pintura (arte da cor)
  • 16. Quarta arte: escultura (arte do volume)
  • 17. Quinta arte: teatro (arte da representação)
  • 18. Sexta arte: literatura (arte da palavra)
  • 19. Sétima arte: cinema (arte que reúne elementos das seis anteriores)
  • 20. Oitava arte: fotografia (arte da imagem)
  • 21. Nona arte: História em quadrinhos (arte sequencial)
  • 22. Décima arte: jogos eletrônicos
  • 23. Décima primeira arte: arte digital
  • 24. A Arte e o Artista • O artista: tem uma mensagem e toma decisões. • Você, o apreciador: • Exige esforço, dedicação e diálogo com o trabalho, então se pergunte: • Qual é o tema? • Quais são os materiais utilizados? • Quando e onde foi feita? • Como são as cores? • Gosto? • Já vi algo parecido? • O trabalho: a obra
  • 25. Os primórdios da arte • Antes de pintar as paredes da caverna, o homem fazia ornamentos corporais, como colares, e, depois magníficas estatuetas, como as famosas “Vênus”. • Existem várias cavernas pelo mundo, que demonstram a pintura rupestre, algumas delas são: • Caverna de ALTAMIRA, Espanha, quase uma centena de desenhos feitos a 14.000 anos, foram os primeiros desenhos descobertos, em 1879. Sua autenticidade, porém, só foi reconhecida em 1902.
  • 26. Os primórdios da arte • Caverna de LASCAUX, França, suas pinturas foram achadas em 1940, têm 17.000 anos. A cor preta, por exemplo, contém carvão moído e dióxido de manganês. • Caverna de CHAUVET, França, há ursos, panteras, cavalos, mamutes, hienas, dezenas de rinocerontes peludos e animais diversos, descoberta em 1994. • Gruta de RODÉSIA, África, com mais de 40.000 anos.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Conceito de Arte “Não vês que o olho abraça a beleza do mundo inteiro? (...) É janela do corpo humano, por onde a alma especula e frui a beleza do mundo, aceitando a prisão do corpo que, sem esse poder, seria um tormento (...) Ó admirável necessidade! Quem acreditaria que um espaço tão reduzido seria capaz de absorver as imagens do universo? (...) O espírito do pintor deve fazer-se semelhante a um espelho que adota a cor do que olha e se enche de tantas imagens quantas coisas tiver adiante de si.” Leonardo da Vinci