Humanização na saude

1.145 visualizações

Publicada em

Este trabalho trata de:
Segundo preconiza o Ministério da Saúde, é uma proposta para melhorar a qualidade das relações de trabalho na saúde, principalmente no que diz respeito à assistência á clientela. ou seja, a valorização dos processos de mudança dos sujeitos na produção de saúde.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Humanização na saude

  1. 1. SUS HUMANIZAÇÃO NA SAÚDE Fundação Francisco Mascarenhas Faculdades Integradas de Patos Biomedicina
  2. 2. DISCIPLINA: BIOÉTICA DISCENTES: DOCENTE:  Silvana Monteiro  Juliermeson Oliveira  Edcarlos Araújo
  3. 3. O que é Humanização? • Humanização significa: “ato ou efeito de humanizar • Humanizar significa: Tornar humano, tornar benévolo, tornar afável, dar a condição de homem, Civilizar.
  4. 4.  O processo de humanização implica a evolução do Homem, pois ele tenta aperfeiçoar as suas aptidões através da interação com o seu meio envolvente.  Para cumprir essa tarefa, os indivíduos utilizam recursos e instrumentos como forma de auxílio.  A comunicação é uma das ferramentas de grande importância na humanização.  A humanização visa justamente trazer o máximo de conforto e cuidado para o paciente como pessoa.
  5. 5. Humanização na Saúde •Segundo preconiza o Ministério da Saúde, é uma proposta para melhorar a qualidade das relações de trabalho na saúde, principalmente no que diz respeito à assistência á clientela. ou seja, a valorização dos processos de mudança dos sujeitos na produção de saúde.
  6. 6. HUMANIZAÇÃO E SUS A humanização é um assunto tão importante na área da saúde que em 2003 foi lançado o Plano de Humanização da saúde, que representa a Política Nacional de Humanização (PNH), que tem como objetivo “melhorar o Sistema Único de Saúde” com o objetivo de ampliar a humanização dos serviços de saúde tanto nas relações quanto nos atendimentos, a qualidade de vida do trabalhador e a rejeição de qualquer tipo de preconceito.
  7. 7. Princípios;Diretrizes;Dispositivos: COMO SE CONSTRÓI A PNH? É o que causa ou força determinada ação, o que dispara o movimento.  OS PRINCÍPIOS Transversalidade Inseparabilidade Autonomia
  8. 8. COMO SE CONSTRÓI A PNH? AS DIRETRIZES Orientações gerais de determinada política. No caso da PNH, suas diretrizes expressam o método da inclusão. Clínica Ampliada Co-gestão Acolhimento Direitos do Usuário Grupalidade Saúde do Trabalhador
  9. 9. Diretrizes estabelecem rumos para criação dos: Mecanismos que alterem a dinâmica da organização do trabalho Construção de novas realidades para as instituições de saúde e de novos modos de gerir as instituições e cuidar dos clientes. COMO SE CONSTRÓI A PNH?
  10. 10. www.saude.gov.br/bvs/humanizacao www.saude.gov.br/humanizasus www.saude.gov.br/sas DESAFIOS NÃO SE TRATA DE HUMANIZAR O HUMANO, MAS ENFRENTAR E LIDAR COM RELAÇÕES DE PODER, TRABALHO E AFETO PRODUTORAS DE PRÁTICAS DESUMANIZADAS SUS
  11. 11. PNH- ATUAL • Mortes em filas • Déficit de UTIS / CTIS • Agendamentos Bimestrais • Migração hospitalar (andarilhos) • Especialistas centralizados • Profissionais mal-humorados • Pacientes sem identidade • Remuneração / recompensa (“ele finge que me paga e eu finjo que trabalho”)
  12. 12.  Financiamento de Saúde;  Pouca agilidade da Máquina Administrativa;  Insuficiência de Equipe;  Estrutura Administrativa Inadequada;  Rotatividade e Dificuldade de Contratação de Médicos e Biomédicos;  Consumo acentuado de Medicamentos e Serviços;  Incorporação desacelerada de Inovações Tecnológicas. DIFICULDADES
  13. 13. Filas Demora AngústiaCrise Cara Fechada PolíciaChoro Tristeza CorredorMal atendimento Stress Brigas Pânico Espera Falta de Remédios Baixa auto estima QUANDO NÃO EXISTE HUMANIZAÇÃO ! Morte
  14. 14. O QUE FAZER?  Vocação  Capacitação  Motivação  Remuneração  Satisfação – pessoal / profissional
  15. 15. Política Nacional de Humanização Na Saúde  Busca colocar em prática os princípios do SUS no cotidiano dos serviços de saúde.  Estimula a comunicação entre gestores, trabalhadores e usuários.  Valorização dos diferentes;  Estabelecimento de vínculos solidários e de participação coletiva no processo de gestão;  Defesa de um Sistema de Saúde publico ou privado que reconhece a diversidade do povo brasileiro e a todos oferece a mesma atenção à saúde;
  16. 16.  Proposta de um trabalho coletivo para que o Sistema de Saúde seja mais acolhedor, mais ágil e mais resolutivo;  Compromisso com a qualificação da ambiência, melhorando as condições de trabalho e de atendimento;  Compromisso com a articulação dos processos de formação com os serviços e práticas de saúde;  Luta por um SUS mais humano, porque construído com a participação de todos e comprometido com a qualidade dos seus serviços e com a saúde integral para todos e qualquer um.”
  17. 17. VANTAGENS DA HUMANIZAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso; Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco; Implantação de modelo de atenção com responsabilização e vínculo; Garantia dos direitos dos usuários; Valorização do trabalho na saúde; Gestão participativa nos serviços.
  18. 18. DIREITOS DOS PACIENTES  Os pacientes, de qualquer doença, deverão ter, assegurados, os seguintes direitos:  Ter um atendimento digno, atencioso e respeitoso.  Ser identificado e tratado pelo seu nome e sobrenome.  Não ser identificado e tratado por: a) números; b) códigos ou; c) de modo genérico, desrespeitoso ou preconceituoso.  Ter resguardado o sigilo sobre seus dados pessoais, desde que não acarrete riscos a terceiros ou à saúde pública.
  19. 19. DIREITOS DOS PACIENTES  Poder identificar as pessoas responsáveis direta e indiretamente por sua assistência, através de crachás visíveis, legíveis e que contenham: a) nome completo; b) função; c) cargo; e d) nome da instituição.  Receber informações claras, objetivas e compreensíveis sobre: a) suspeitas diagnósticas; b) diagnósticos realizados; c) ações terapêuticas; d) riscos, benefícios e inconvenientes provenientes das medidas diagnósticas e terapêuticas propostas; e)duração prevista do tratamento proposto e exames solicitados, etc.  Ter acesso às informações existentes em seu prontuário.
  20. 20. DIREITOS DOS PACIENTES  Receber, por escrito, o diagnóstico e o tratamento indicado, com a assinatura do nome do profissional e o seu número de registro no órgão de regulamentação e controle da profissão.  Receber as prescrições médicas: a) com o nome genérico das substâncias; b) datilografadas ou em caligrafia legível; c) sem a utilização de códigos ou abreviaturas; e d) com o nome legível do profissional, assinatura e seu número de registro no órgão de controle e regulamentação da profissão.  Dentre outros...
  21. 21. Saúde Sorriso Acolhimento Humanização Vitória Satisfação Resultados Talento Protagonismo Coragem Boa auto-estima Gestão Certeza Felicidade Inovação Competência Produção QUANDO EXISTE HUMANIZAÇÃO !
  22. 22. FELIZ 10 ANOS DE HUMANIZAÇÃO....
  23. 23. “É dando, que se recebe em troca o bem .”
  24. 24. REFERENCIA: •BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. •Conselho Nacional de Saúde. O Brasil falando como quer ser tratado: efetivando o SUS, acesso, qualidade e humanização na atenção à saúde com controle social. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 11., 2000, Brasília. Relatório final... Brasília: Ministério da Saúde, 2000. (Série Histórica do Conselho Nacional de Saúde, 2). •CAMPOS, G.W. A humanização é uma estratégia política. In: BARROS, M.E.B.; •SANTOS-FILHO, S.B. (Orgs.). Trabalhador da saúde: muito prazer! Protagonismo dos trabalhadores na gestão do trabalho em saúde. Ijuí: Unijuí, 2007. p.11-5.

×