SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
RETOCOLITE ULCERATIVA
Na sua conceituação mais ampla, a doença inflamatória
intestinal (DII) corresponde a um processo inflamatório
envolvendo o trato gastrintestinal, de caráter crônico, são
afecções de etiologia desconhecida e de grande importância em
saúde pública, cujo tratamento envolve custos extremamente
altos, incluindo aqueles relacionados à perda de produtividade.
DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS (DII)
Doença de Crohn (DC)
Retocolite Ulcerativa. (RCU)
A retocolite ulcerativa é uma doença idiopática
caracterizada por um processo inflamatório crônico que
acomete predominantemente as camadas mucosas e
submucosas do intestino grosso. A doença sempre afeta o
reto e também pode se estender cranialmente, em geral de
forma contínua, ou seja, sem áreas de mucosa normal entre
as porções afetadas comprometendo parte ou todo cólon
RETOCOLITE ULCERATIVA INESPECÍFICA
RCUI
RETOCOLITE ULCERATIVA
ETIOLOGIA
FATORES GENÉTICOS
INTRALUMINAIS ( BACTÉRIAS / OU PRODUTOS )
RESPOSTA IMUNOLÓGICA ANORMAL DA MUCOSA
RETOCOLITE ULCERATIVA
PREDISPOSIÇÃO
GENÉTICA
10 % - 20 %
SISTEMA
IMUNE MUCOSO
(DEFEITO
IMUNOREGULATÓRIO)
GATILHOS AMBIENTAIS
(BACTÉRIAS LUMINAIS,
INFECÇÃO)
PATOGÊNESE DA DOENÇA INFLAMATÓRIO
DII
FATORES AMBIENTAIS
Tabagismo
Dieta
Excesso de gordura
Excesso de açúcar
Medicamentos
Antibióticos
AINES
Fatores geográficos Clima
Vida estressante
Micróbios
Microbiota intestinal
RETOCOLITE ULCERATIVA
DIAGNÓSTICO
ASPECTOS CLÍNICOS
COLONOSCOPIA
HISTOLÓGICO
ENEMA OPACO
MARCADORES SOROLÓGICOS
DIAGNÓSTICO - Exames EndoscópicosDIAGNÓSTICO - Exames Endoscópicos
 ColonoscopiaColonoscopia
– O exame é muito útil para estabelecer aO exame é muito útil para estabelecer a
extensão da doença, para o diagnósticoextensão da doença, para o diagnóstico
diferencial com a DC e nos programas dediferencial com a DC e nos programas de
vigilância preventiva contra o câncer devigilância preventiva contra o câncer de
cólon.cólon.
Exames EndoscópicosExames Endoscópicos
RETOCOLITE ULCERATIVA
ASPECTOS CLÍNICOS
DIARRÉIA COM MUCO E SANGUE
PERDA DE PÊSO
ANEMIA
DESNUTRIÇÃO
DOR ABDOMINAL
LESÕES DERMATOLÓGICAS
ICTERÍCIA
PROCESSOS APÓS
COMPLICAÇÕES DA DOENÇA
HEMORRAGIA
PERFURAÇÃO
MEGACÓLON TÓXICO
Manifestações extra-intestinaisManifestações extra-intestinais
 Pele: eritema nodoso e piodermaPele: eritema nodoso e pioderma
gangrenosogangrenoso(PERNA OU NO TRONCO)
 Boca: aftasBoca: aftas
 Olhos: uveíteOlhos: uveíte
 Articulações: artritesArticulações: artrites
 Fígado: colangite esclerosanteFígado: colangite esclerosante
 Osteoporose – deficiencia de vitamina DOsteoporose – deficiencia de vitamina D
ERITEMA NODOSO
UVEÍTE
FORMA LEVE
incide em 60% dos
pacientes
Proctite e colite distal – 80% dos
casos
Pancolite – 20 % dos casos
Sintomas: diarreia e
sangramento retal em menor
intensidade
Não apresenta anorexia, fadiga e
dor abdominal
FORMA MODERADA
Acomete 30 % dos pacientes
Quadro disenteriforme com diarréia, muco, pus e
sangramento retal. Dor abdominal em cólica que
alivia com a defecação e às vezes de ocorrência
noturna
Sentem fadiga fácil, febre baixa intermitente,
anorexia e discreta perda de peso
FORMA GRAVE
Acomete 10% dos pacientes
Quadro desinteriforme intenso com até 30
evacuações diárias.
Sangramento retal intenso e febre alta
Tenesmo retal, anorexia e palidez com rápida
perda de peso
CLASSIFICAÇÃO - Forma LeveCLASSIFICAÇÃO - Forma Leve
– Sem alteração do estado geral;Sem alteração do estado geral;
– Diarréia discreta;Diarréia discreta;
– Geralmente fezes pastosas ou formadas;Geralmente fezes pastosas ou formadas;
– No máximo 5 exonerações por dia com períodos de acalmiaNo máximo 5 exonerações por dia com períodos de acalmia
freqüentemente espontâneo ou induzidos;freqüentemente espontâneo ou induzidos;
– Anemia discreta;Anemia discreta;
– Lesões endoscópicas ou radiológicas pouco extensas;Lesões endoscópicas ou radiológicas pouco extensas;
– Resposta favorável ao tratamento clínico;Resposta favorável ao tratamento clínico;
– Capacidade laborativa preservada.Capacidade laborativa preservada.
CLASSIFICAÇÃO – Forma ModeradaCLASSIFICAÇÃO – Forma Moderada
 Alterações discretas do estado geral;Alterações discretas do estado geral;
 Evacuações líquidas ou pastosas, geralmente comEvacuações líquidas ou pastosas, geralmente com
sangue e pus;sangue e pus;
 5-10 evacuações por dia;5-10 evacuações por dia;
 Raros períodos de acalmia;Raros períodos de acalmia;
 Lesões radiológicas ou endoscópicas de médiaLesões radiológicas ou endoscópicas de média
extensão e intensidade;extensão e intensidade;
 Resposta favorável ao tratamento clínico;Resposta favorável ao tratamento clínico;
 Capacidade laborativa, em geral, diminuída.Capacidade laborativa, em geral, diminuída.
CLASSIFICAÇÃO – FormaCLASSIFICAÇÃO – Forma
GraveGrave
 Grave comprometimento do estado geral;Grave comprometimento do estado geral;
 Evacuações líquidas ou pastosas com sangue e pus;Evacuações líquidas ou pastosas com sangue e pus;
 Incontáveis exonerações diárias sem períodos de acalmia;Incontáveis exonerações diárias sem períodos de acalmia;
 Quase sempre: febre, dor abdominal e tenesmo acentuados,Quase sempre: febre, dor abdominal e tenesmo acentuados,
astenia, anorexia, emagrecimento, anemia, proteinopenia,astenia, anorexia, emagrecimento, anemia, proteinopenia,
desidratação;desidratação;
 Lesões endoscópicas e radiológicas intensas e extensas;Lesões endoscópicas e radiológicas intensas e extensas;
 Baixa resposta ao tratamento clínico;Baixa resposta ao tratamento clínico;
 Em geral incapacidade laborativa;Em geral incapacidade laborativa;
 Podem surgir complicações como: estenoses, hemorragiasPodem surgir complicações como: estenoses, hemorragias
maciças, megacólon tóxico, perfuração intestinal e complicaçõesmaciças, megacólon tóxico, perfuração intestinal e complicações
sistêmicas graves.sistêmicas graves.
RETOCOLITE ULCERATIVA
INDICAÇÃO CIRÚRGICA
INTRATABILIDADE CLÍNICA
PERFURAÇÃO
MEGACÓLON TÓXICO
DISPLASIA GRAVE
CÂNCER
RETOCOLITE ULCERATIVA
TRATAMENTO CIRURGICO
PROCTOCOLECTOMIA + ILEOSTOMIA
PROCTOCOLECTOMIA + ANAST. ILEOANAL
COM BOLSA ILEAL
ILEOSTOMIA
ILEOSTOMIA
VALVULA ILEOCECALVALVULA ILEOCECAL
ÍLEOÍLEO
TUMORTUMOR
TUMORTUMOR
TUMORTUMOR
A descrição original da doença de Crohn, efetuada por Crohn
Henzberg e Oppenheimer em 1932, localizava o distúrbio em
segmentos do íleo, sendo inicialmente denominada ileíte terminal.
Posteriormente, Crohn e Oppenheimer descreveram 52 casos de
granulomas intestinais, dos quais 13 pacientes tinham acometimento
ileal, recebendo então a denominação de ILEÍTE REGIONAL, afecção
inflamatória aguda e crônica incurável que pode envolver qualquer
segmento intestinal a partir daí tornou-se a ser chamada de DOENÇA
DE CROHN
DOENÇA DE CROHN
Doença de CrohnDoença de Crohn
 Pode envolverPode envolver qualquer segmentoqualquer segmento do trato digestivodo trato digestivo
desde a boca até o ânus e, freqüentemente, sedesde a boca até o ânus e, freqüentemente, se
apresenta com lesões multifocais separadas porapresenta com lesões multifocais separadas por
segmentos normais;segmentos normais;
 Tem naturezaTem natureza transmuraltransmural e pode acometer paredee pode acometer parede
intestinal, mesentério e gânglios linfáticos;intestinal, mesentério e gânglios linfáticos;
Em crianças é mais comumEm crianças é mais comum
em íleo terminal e cólonem íleo terminal e cólon
direitodireito
Doença de CrohnDoença de Crohn
 Inicio insidioso;Inicio insidioso;
 Outros sintomas gastrointestinais: dor abdominal,Outros sintomas gastrointestinais: dor abdominal,
diarréia, tenesmo, urgência para evacuar,diarréia, tenesmo, urgência para evacuar,
anorexia, náuseas, vômitos, aftas orais,anorexia, náuseas, vômitos, aftas orais, doençadoença
perianalperianal;;
 Os sintomas "extra-digestivos" : artrite, uveíte,Os sintomas "extra-digestivos" : artrite, uveíte,
baqueteamento digital, alterações dermatológicasbaqueteamento digital, alterações dermatológicas
(ex: pioderma gangrenoso, eritema nodoso)(ex: pioderma gangrenoso, eritema nodoso)
Diferenças entre RCU e DCDiferenças entre RCU e DC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicasPatologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicasEloi Lago
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascularresenfe2013
 
Doença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinalDoença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinalFernanda Amorim
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataCíntia Costa
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisLucas Fontes
 
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaSAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaAndressa Carmo
 

Mais procurados (20)

Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicasPatologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Doença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinalDoença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinal
 
Apresentação doença de crohn
Apresentação doença de crohnApresentação doença de crohn
Apresentação doença de crohn
 
Inflamacao e dor
Inflamacao e dorInflamacao e dor
Inflamacao e dor
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
 
Pancreatite aguda
Pancreatite agudaPancreatite aguda
Pancreatite aguda
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
PANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDAPANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDA
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
 
Anamnese
Anamnese Anamnese
Anamnese
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Aula 4 gastrite
Aula 4 gastriteAula 4 gastrite
Aula 4 gastrite
 
Ascite
Ascite Ascite
Ascite
 
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaSAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 

Destaque

Doença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinalDoença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinalMichael Collan
 
Como lidar com crianças seletivas
Como lidar com crianças seletivasComo lidar com crianças seletivas
Como lidar com crianças seletivasMaria Cristina Lopes
 
Tumores Formadores de Cartílago
Tumores Formadores de CartílagoTumores Formadores de Cartílago
Tumores Formadores de CartílagoRosa Alva
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Jorge Acosta Noriega
 
OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...
OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...
OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...marco antonio alvarez castro
 
Tumores Ósseos
Tumores ÓsseosTumores Ósseos
Tumores ÓsseosOncoguia
 
4. radiologia cervical rx do trauma
4. radiologia cervical  rx do trauma4. radiologia cervical  rx do trauma
4. radiologia cervical rx do traumaJuan Zambon
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoMarcelo Madureira Montroni
 

Destaque (20)

Doença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinalDoença inflamatória intestinal
Doença inflamatória intestinal
 
Apresentação retocolite
Apresentação retocoliteApresentação retocolite
Apresentação retocolite
 
Doença de Crohn
Doença de CrohnDoença de Crohn
Doença de Crohn
 
Manual 2
 Manual 2 Manual 2
Manual 2
 
Constipação intestinal
Constipação intestinalConstipação intestinal
Constipação intestinal
 
O que fazer para acabar com a celulite
O que fazer para acabar com a celuliteO que fazer para acabar com a celulite
O que fazer para acabar com a celulite
 
Ppt0000037
Ppt0000037Ppt0000037
Ppt0000037
 
Tumores ósseos malignos
Tumores ósseos malignosTumores ósseos malignos
Tumores ósseos malignos
 
Como lidar com crianças seletivas
Como lidar com crianças seletivasComo lidar com crianças seletivas
Como lidar com crianças seletivas
 
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPAAula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
 
Tumores Formadores de Cartílago
Tumores Formadores de CartílagoTumores Formadores de Cartílago
Tumores Formadores de Cartílago
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 
OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...
OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...
OSTEOCONDROMA, ENCONDROMA, EXOSTOSIS CARTILAGINOSA MULTIPLE, ENFERMEDAD DE OL...
 
Tumores Ósseos
Tumores ÓsseosTumores Ósseos
Tumores Ósseos
 
Osteoma
OsteomaOsteoma
Osteoma
 
4. radiologia cervical rx do trauma
4. radiologia cervical  rx do trauma4. radiologia cervical  rx do trauma
4. radiologia cervical rx do trauma
 
Tumores ósseos benignos
Tumores ósseos benignosTumores ósseos benignos
Tumores ósseos benignos
 
Sindromes diarreicas
Sindromes diarreicasSindromes diarreicas
Sindromes diarreicas
 
Cuci
CuciCuci
Cuci
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
 

Semelhante a Retocolite Ulcerativa: Sintomas, Causas e Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal

Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxHemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxBernabManuelTepa
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças IntestinaisThamyNoronha
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças IntestinaisThamyNoronha
 
Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestóriasrdgomlk
 
AULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptx
AULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptxAULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptx
AULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptxRenata Dhirajlal
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominaisDébora Souto
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN blogped1
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Marcela Lago
 
Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução IntestinalFisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução IntestinalValdeci Alves Barboza
 
Obstrução intestinal
Obstrução intestinalObstrução intestinal
Obstrução intestinalIgor Fonseca
 
Doenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte IDoenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte INEELLITON SANTOS
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoRaquel Stein
 

Semelhante a Retocolite Ulcerativa: Sintomas, Causas e Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal (20)

Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
Plivsdv2010 100920224457-phpapp01
 
Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxHemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
 
Doenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinalDoenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinal
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 
Doenças do TGI
Doenças do TGIDoenças do TGI
Doenças do TGI
 
Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestórias
 
Apresentação doença de crohn
Apresentação doença de crohnApresentação doença de crohn
Apresentação doença de crohn
 
Hemorragia Digestiva Baixa
Hemorragia Digestiva BaixaHemorragia Digestiva Baixa
Hemorragia Digestiva Baixa
 
AULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptx
AULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptxAULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptx
AULA - DOENCAS DO COLON RECTO E ANUS.pptx
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominais
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
Deseq Digestivo
Deseq DigestivoDeseq Digestivo
Deseq Digestivo
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
 
Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução IntestinalFisiologia Humana - Obstrução Intestinal
Fisiologia Humana - Obstrução Intestinal
 
Obstrução intestinal
Obstrução intestinalObstrução intestinal
Obstrução intestinal
 
Doenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte IDoenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte I
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
 

Mais de Juliermeson Morais (8)

Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
 
bioetica
 bioetica bioetica
bioetica
 
Antisepticos
AntisepticosAntisepticos
Antisepticos
 
Aids na gravidez
Aids na gravidezAids na gravidez
Aids na gravidez
 

Retocolite Ulcerativa: Sintomas, Causas e Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal

  • 2. Na sua conceituação mais ampla, a doença inflamatória intestinal (DII) corresponde a um processo inflamatório envolvendo o trato gastrintestinal, de caráter crônico, são afecções de etiologia desconhecida e de grande importância em saúde pública, cujo tratamento envolve custos extremamente altos, incluindo aqueles relacionados à perda de produtividade. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS (DII) Doença de Crohn (DC) Retocolite Ulcerativa. (RCU)
  • 3. A retocolite ulcerativa é uma doença idiopática caracterizada por um processo inflamatório crônico que acomete predominantemente as camadas mucosas e submucosas do intestino grosso. A doença sempre afeta o reto e também pode se estender cranialmente, em geral de forma contínua, ou seja, sem áreas de mucosa normal entre as porções afetadas comprometendo parte ou todo cólon RETOCOLITE ULCERATIVA INESPECÍFICA RCUI
  • 4. RETOCOLITE ULCERATIVA ETIOLOGIA FATORES GENÉTICOS INTRALUMINAIS ( BACTÉRIAS / OU PRODUTOS ) RESPOSTA IMUNOLÓGICA ANORMAL DA MUCOSA
  • 5. RETOCOLITE ULCERATIVA PREDISPOSIÇÃO GENÉTICA 10 % - 20 % SISTEMA IMUNE MUCOSO (DEFEITO IMUNOREGULATÓRIO) GATILHOS AMBIENTAIS (BACTÉRIAS LUMINAIS, INFECÇÃO) PATOGÊNESE DA DOENÇA INFLAMATÓRIO DII
  • 6. FATORES AMBIENTAIS Tabagismo Dieta Excesso de gordura Excesso de açúcar Medicamentos Antibióticos AINES Fatores geográficos Clima Vida estressante Micróbios Microbiota intestinal
  • 7.
  • 9. DIAGNÓSTICO - Exames EndoscópicosDIAGNÓSTICO - Exames Endoscópicos  ColonoscopiaColonoscopia – O exame é muito útil para estabelecer aO exame é muito útil para estabelecer a extensão da doença, para o diagnósticoextensão da doença, para o diagnóstico diferencial com a DC e nos programas dediferencial com a DC e nos programas de vigilância preventiva contra o câncer devigilância preventiva contra o câncer de cólon.cólon.
  • 11.
  • 12. RETOCOLITE ULCERATIVA ASPECTOS CLÍNICOS DIARRÉIA COM MUCO E SANGUE PERDA DE PÊSO ANEMIA DESNUTRIÇÃO DOR ABDOMINAL LESÕES DERMATOLÓGICAS ICTERÍCIA
  • 13. PROCESSOS APÓS COMPLICAÇÕES DA DOENÇA HEMORRAGIA PERFURAÇÃO MEGACÓLON TÓXICO
  • 14.
  • 15. Manifestações extra-intestinaisManifestações extra-intestinais  Pele: eritema nodoso e piodermaPele: eritema nodoso e pioderma gangrenosogangrenoso(PERNA OU NO TRONCO)  Boca: aftasBoca: aftas  Olhos: uveíteOlhos: uveíte  Articulações: artritesArticulações: artrites  Fígado: colangite esclerosanteFígado: colangite esclerosante  Osteoporose – deficiencia de vitamina DOsteoporose – deficiencia de vitamina D
  • 18.
  • 19.
  • 20. FORMA LEVE incide em 60% dos pacientes Proctite e colite distal – 80% dos casos Pancolite – 20 % dos casos Sintomas: diarreia e sangramento retal em menor intensidade Não apresenta anorexia, fadiga e dor abdominal
  • 21. FORMA MODERADA Acomete 30 % dos pacientes Quadro disenteriforme com diarréia, muco, pus e sangramento retal. Dor abdominal em cólica que alivia com a defecação e às vezes de ocorrência noturna Sentem fadiga fácil, febre baixa intermitente, anorexia e discreta perda de peso
  • 22. FORMA GRAVE Acomete 10% dos pacientes Quadro desinteriforme intenso com até 30 evacuações diárias. Sangramento retal intenso e febre alta Tenesmo retal, anorexia e palidez com rápida perda de peso
  • 23. CLASSIFICAÇÃO - Forma LeveCLASSIFICAÇÃO - Forma Leve – Sem alteração do estado geral;Sem alteração do estado geral; – Diarréia discreta;Diarréia discreta; – Geralmente fezes pastosas ou formadas;Geralmente fezes pastosas ou formadas; – No máximo 5 exonerações por dia com períodos de acalmiaNo máximo 5 exonerações por dia com períodos de acalmia freqüentemente espontâneo ou induzidos;freqüentemente espontâneo ou induzidos; – Anemia discreta;Anemia discreta; – Lesões endoscópicas ou radiológicas pouco extensas;Lesões endoscópicas ou radiológicas pouco extensas; – Resposta favorável ao tratamento clínico;Resposta favorável ao tratamento clínico; – Capacidade laborativa preservada.Capacidade laborativa preservada.
  • 24. CLASSIFICAÇÃO – Forma ModeradaCLASSIFICAÇÃO – Forma Moderada  Alterações discretas do estado geral;Alterações discretas do estado geral;  Evacuações líquidas ou pastosas, geralmente comEvacuações líquidas ou pastosas, geralmente com sangue e pus;sangue e pus;  5-10 evacuações por dia;5-10 evacuações por dia;  Raros períodos de acalmia;Raros períodos de acalmia;  Lesões radiológicas ou endoscópicas de médiaLesões radiológicas ou endoscópicas de média extensão e intensidade;extensão e intensidade;  Resposta favorável ao tratamento clínico;Resposta favorável ao tratamento clínico;  Capacidade laborativa, em geral, diminuída.Capacidade laborativa, em geral, diminuída.
  • 25. CLASSIFICAÇÃO – FormaCLASSIFICAÇÃO – Forma GraveGrave  Grave comprometimento do estado geral;Grave comprometimento do estado geral;  Evacuações líquidas ou pastosas com sangue e pus;Evacuações líquidas ou pastosas com sangue e pus;  Incontáveis exonerações diárias sem períodos de acalmia;Incontáveis exonerações diárias sem períodos de acalmia;  Quase sempre: febre, dor abdominal e tenesmo acentuados,Quase sempre: febre, dor abdominal e tenesmo acentuados, astenia, anorexia, emagrecimento, anemia, proteinopenia,astenia, anorexia, emagrecimento, anemia, proteinopenia, desidratação;desidratação;  Lesões endoscópicas e radiológicas intensas e extensas;Lesões endoscópicas e radiológicas intensas e extensas;  Baixa resposta ao tratamento clínico;Baixa resposta ao tratamento clínico;  Em geral incapacidade laborativa;Em geral incapacidade laborativa;  Podem surgir complicações como: estenoses, hemorragiasPodem surgir complicações como: estenoses, hemorragias maciças, megacólon tóxico, perfuração intestinal e complicaçõesmaciças, megacólon tóxico, perfuração intestinal e complicações sistêmicas graves.sistêmicas graves.
  • 26. RETOCOLITE ULCERATIVA INDICAÇÃO CIRÚRGICA INTRATABILIDADE CLÍNICA PERFURAÇÃO MEGACÓLON TÓXICO DISPLASIA GRAVE CÂNCER
  • 27. RETOCOLITE ULCERATIVA TRATAMENTO CIRURGICO PROCTOCOLECTOMIA + ILEOSTOMIA PROCTOCOLECTOMIA + ANAST. ILEOANAL COM BOLSA ILEAL ILEOSTOMIA
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 40. A descrição original da doença de Crohn, efetuada por Crohn Henzberg e Oppenheimer em 1932, localizava o distúrbio em segmentos do íleo, sendo inicialmente denominada ileíte terminal. Posteriormente, Crohn e Oppenheimer descreveram 52 casos de granulomas intestinais, dos quais 13 pacientes tinham acometimento ileal, recebendo então a denominação de ILEÍTE REGIONAL, afecção inflamatória aguda e crônica incurável que pode envolver qualquer segmento intestinal a partir daí tornou-se a ser chamada de DOENÇA DE CROHN DOENÇA DE CROHN
  • 41. Doença de CrohnDoença de Crohn  Pode envolverPode envolver qualquer segmentoqualquer segmento do trato digestivodo trato digestivo desde a boca até o ânus e, freqüentemente, sedesde a boca até o ânus e, freqüentemente, se apresenta com lesões multifocais separadas porapresenta com lesões multifocais separadas por segmentos normais;segmentos normais;  Tem naturezaTem natureza transmuraltransmural e pode acometer paredee pode acometer parede intestinal, mesentério e gânglios linfáticos;intestinal, mesentério e gânglios linfáticos; Em crianças é mais comumEm crianças é mais comum em íleo terminal e cólonem íleo terminal e cólon direitodireito
  • 42. Doença de CrohnDoença de Crohn  Inicio insidioso;Inicio insidioso;  Outros sintomas gastrointestinais: dor abdominal,Outros sintomas gastrointestinais: dor abdominal, diarréia, tenesmo, urgência para evacuar,diarréia, tenesmo, urgência para evacuar, anorexia, náuseas, vômitos, aftas orais,anorexia, náuseas, vômitos, aftas orais, doençadoença perianalperianal;;  Os sintomas "extra-digestivos" : artrite, uveíte,Os sintomas "extra-digestivos" : artrite, uveíte, baqueteamento digital, alterações dermatológicasbaqueteamento digital, alterações dermatológicas (ex: pioderma gangrenoso, eritema nodoso)(ex: pioderma gangrenoso, eritema nodoso)
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47. Diferenças entre RCU e DCDiferenças entre RCU e DC