SlideShare uma empresa Scribd logo
POLÍTICA NACIONAL DE
HUMANIZAÇÃO –
HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO
Docente: Enf. Caroline Mendonça
 O professor deverá fazer a chamada no inicio e no final de cada
turno de aula.
 O aluno poderá faltar, até 25% das horas em sala de aula em cada
disciplina;
 O aluno que exceder ao máximo de faltas permitidas não terá o
direito de recuperá-las por meio de trabalhos salvo as exceções
citadas logo a seguir:
 Licença maternidade;
 Intervenção cirúrgica;
 Tratamento de urgência ou doença infecto-contagiosa;
 Ausência de alunos que comprovadamente estejam
participando de eventos considerados “atividades
complementares”.
SISTEMA DE AVALIAÇÃO
 Notas serão dividas em AP1, AP2 e AP3.
 Escala de 0 a 10.
 Considerar-se-á reprovado o aluno que não cumprir a frequência mínima
de 75% (setenta e cinco por cento) às aulas, sendo-lhe,
consequentemente, proibido prestar exames para obtenção da NAF.
 O aluno que apresentar frequência mínima de 75% nas atividades
desenvolvidas em sala de aula e obtiver média aritmética (AP) igual ou
superior a 7,0 (sete), será APROVADO POR MÉDIA.
 Aspectos teóricos da humanização e da bioética;
 Humanização na Atenção Básica e Hospitalar;
 Atitudes e Crenças Perante a Humanização;
 Humanização na Saúde Mental;
 Humanização, Sexualidade e Gênero;
 Humanização em Grupos e Situações Especiais;
 Educação em Saúde e Humanização.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
 “A saúde é direito de todos e dever do Estado”. Esta é uma
conquista do povo brasileiro. Toda conquista é, entretanto,
resultado e início de um outro processo. Em 1988, votamos a
criação do Sistema Único de Saúde (SUS). Com ele afirmamos
a universalidade, a integralidade e a equidade da atenção em
saúde. Com ele também apontamos para uma concepção de
saúde que não se reduz à ausência de doença, mas a uma vida
com qualidade. Muitas são as dimensões com as quais
estamos comprometidos: prevenir, cuidar, proteger, tratar,
recuperar, promover, enfim, produzir saúde. Muitos são os
desafios que aceitamos enfrentar quando estamos lidando
com a defesa da vida, com a garantia do direito à saúde.
CONTEXTUALIZANDO
 A humanização é valorização dos diferentes sujeitos do
processo de saúde:
 GESTORES
 TRABALHADORES
 USUÁRIOS
*Resgata o respeito a vida humana, levado em
consideração aspectos sociais, éticos, educacionais e
psíquicos.
O QUE É POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO?
o Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH)
busca pôr em prática os princípios do SUS no cotidiano dos
serviços de saúde, produzindo mudanças nos modos de gerir e
cuidar.
o A PNH estimula a comunicação entre gestores,
trabalhadores e usuários para construir processos coletivos
de enfrentamento de relações de poder, trabalho e afeto que
muitas vezes produzem atitudes e práticas desumanizadoras
que inibem a autonomia e a corresponsabilidade dos
profissionais de saúde em seu trabalho e dos usuários no
cuidado de si.
A PNH É UMA POLÍTICA TRANSVERSAL
• SUGERE QUE SEJAM
ULTRAPASSADAS
FRONTEIRAS;
• COM DIFERENTES
NÚCLEOS DO SABER;
• PARA PRODUZIR
SAÚDE.
FUNDAMENTA-SE EM:
TROCA E CONSTRUÇÃO DE
SABERES
DIÁLOGO ENTRE OS
PROFISSIONAIS
TRABALHO EM EQUIPE
CONSIDERAÇÕES ÀS
NECESSIDADES, DESEJOS E
INTERESSE DOS ATORES
 TRANSVERSALIDADE – a PHN deve se fazer presente e estar
inserida em todas as políticas e programas do SUS;
 INDISSOCIABILIDADE DE ATENÇÃO E GESTÃO – decisões da
gestão interferem diretamente na atenção à saúde;
 PROTAGONISMO E AUTONOMIA DOS SUJEITOS E
COLETIVOS – qualquer mudança na gestão e atenção é mais
concreta se construída com a ampliação da autonomia e da
vontade das pessoas envolvidas, que compartilham
responsabilidade.
“Hoje a ciência tem muito
a oferecer, mas as
pessoas não oferecem
mais nada além da
técnica.”
 O doente passou a ser instrumento de:
aprendizagem, estatística e pesquisa, passando
a representar fonte de recursos econômicos.
A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO (PNH) SE ESTRUTURA
A PARTIR DE:
 Princípios
 Método
 Diretrizes
 Dispositivos
TEM POR OBJETIVO:
 Provocar inovações nas práticas gerenciais e nas
práticas de produção de saúde, propondo para os
diferentes coletivos/equipes implicados nestas práticas
o desafio de superar limites e experimentar novas
formas de organização dos serviços e novos modos de
produção e circulação de poder;
 Contagiar trabalhadores, gestores e usuários do SUS
com princípios de humanização;
 Fortalecer iniciativas de humanização já existentes;
OS VALORES QUE NORTEIAM ESSA POLÍTICA SÃO:
o A autonomia e o protagonismo dos sujeitos;
o A corresponsabilidade entre eles;
o O estabelecimento de vínculos solidários;
o A construção de redes de cooperação;
o A participação coletiva no processo de gestão.
PRINCÍPIOS NORTEADORES DA POLÍTICA DE
HUMANIZAÇÃO
Fortalecimento de trabalho em equipe multiprofissional,
estimulando a transdisciplinaridade e a grupalidade;
Utilização da informação, da comunicação, da educação
permanente e dos espaços da gestão na construção de
autonomia e protagonismo de sujeitos e coletivos.
Estímulo a processos comprometidos com a produção de
saúde e com a produção de sujeitos
 Atuação em rede com alta conectividade, de modo
cooperativo e solidário, em conformidade com as
diretrizes do SUS
MÉTODO
 O Método proposto pela PNH é o “método de tríplice inclusão” A
comunicação entre esses três atores do SUS provoca movimentos
de perturbação e inquietação que a PNH considera o “motor” de
mudanças e que também precisam ser incluídos como recursos
para a produção de saúde (BRASIL, 2015).
• Trabalhadores;
• Usuários;
• Gestores
As diretrizes são orientações gerais de determinada
política. No caso da PNH, suas diretrizes expressam o
método da inclusão no sentido do:
• Acolhimento;
• Cogestão;
• Ambiência;
• Clínica Ampliada;
• Valorização do trabalho e do trabalhador;
• Defesa dos Direitos do Usuário;
• Igualdade;
• Integralidade;
• Universalidade;
• Visita Aberta;
• Familiar participante;
• Equidade.
 ACOLHIMENTO
Acolher é reconhecer o que
o outro traz como legítima
e singular necessidade de
saúde. Tem como objetivo
a construção de relações de
confiança, compromisso e
vínculo entre as
equipes/serviços,
trabalhador/equipes e
usuário com sua rede
socioafetiva.
 ACOLHER É AINDA:
 Saber que não existe profissionais específico para isto;
 Sustentar relações com as pessoas;
 A dor do outro pode não ser a sua;
aula 1 PDF.pdf
• Acolhimento com classificação de risco;
Acolhimento com Avaliação de Risco
Na avaliação de risco e de vulnerabilidade, não podem ser
desconsideradas as percepções do usuário (e de sua rede
social) acerca do seu processo de adoecimento.
Avaliar os riscos e a vulnerabilidade implica estar atento
tanto ao grau de sofrimento físico quanto psíquico, pois
muitas vezes o usuário que chega andando, sem sinais
visíveis de problemas físicos, mas muito angustiado, pode
estar mais necessitado de atendimento e com maior grau de
risco e vulnerabilidade do que outros pacientes
aparentemente mais necessitados.
AVALIAÇÃO DE RISCO
Mudança na lógica do atendimento, permitindo que o
critério de priorização da atenção seja o agravo à
saúde e/ou grau de sofrimento e não mais a ordem de
chegada (burocrática). Realizado por profissional da
saúde que, utilizando protocolos técnicos, identifica
os pacientes que necessitam tratamento imediato,
considerando o potencial de risco, agravo à saúde ou
grau de sofrimento e providencia de forma ágil o
atendimento adequado a cada caso.
 GESTÃO PARTICIPATIVA E COGESTÃO
Expressa tanto a inclusão de novos sujeitos nos
processos de análise e decisão quanto a ampliação
das tarefas da gestão. A organização e
experimentação de rodas é uma importante
orientação da cogestão. Rodas para colocar as
diferenças em contato de modo a produzir
movimentos de desestabilização que favoreçam
mudanças nas práticas de gestão e de atenção
 AMBIÊNCIA
Criar espaços saudáveis, acolhedores e
confortáveis, que respeitem a privacidade,
propiciem mudanças no processo de trabalho e
sejam lugares de encontro entre as pessoas.
 CLÍNICA AMPLIADA E COMPARTILHADA
É uma ferramenta teórica e prática cuja finalidade é
contribuir para uma abordagem clínica do
adoecimento e do sofrimento, que considere a
singularidade do sujeito e a complexidade do
processo saúde/doença.
 DEFESA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS
Os usuários de saúde possuem direitos garantidos
por lei e os serviços de saúde devem incentivar o
conhecimento desses direitos e assegurar que eles
sejam cumpridos em todas as fases do cuidado,
desde a recepção até a alta.
 IGUALDADE E EQUIDADE
Segundo os preceitos do SUS e conforme o texto da
Constituição brasileira, o acesso às ações e serviços, para
promoção, proteção e recuperação da saúde, além de
universal, deve basear-se na igualdade de resultados
finais, garantida mediante políticas sociais e econômicas
que visem à redução do risco de doença e de outros
agravos.
 VALORIZAÇÃO DO TRABALHADOR
É importante dar visibilidade à experiência dos
trabalhadores e incluí-los na tomada de decisão,
apostando na sua capacidade de analisar, definir e
qualificar os processos de trabalho.
 INTEGRALIDADE
Um dos princípios constitucionais do SUS, garante ao
cidadão o direito de ser atendido desde a prevenção de
doenças até o mais difícil tratamento de uma
patologia, não excluindo nenhuma doença.
 UNIVERSALIDADE
A Constituição brasileira institui o princípio da universalidade
da cobertura e do atendimento para determinar a dimensão do
dever estatal no campo da saúde, de sorte a compreender o
atendimento a brasileiros e a estrangeiros que estejam no país,
aos nascituros e aos nascidos, crianças, jovens e velhos.
 VISITA ABERTA
É o dispositivo que amplia as possibilidades de acesso para os
visitantes de forma a garantir o elo entre o paciente, sua rede
social e os demais serviços da rede de saúde, mantendo
latente o projeto de vida do paciente.
 FAMILIAR PARTICIPANTE
Representante da rede social do usuário que garante a
integração da rede social/familiar e equipe profissional
dos serviços de saúde.
 EQUIDADE
No vocabulário do SUS, diz respeito aos meios necessários para se
alcançar a igualdade, estando relacionada com a ideia de justiça
social. Condições para que todas as pessoas tenham acesso aos
direitos que lhe são garantidos. Para que se possa exercer a
equidade, é preciso que existam ambientes favoráveis, acesso à
informação, acesso a experiências e habilidades na vida, assim como
oportunidades que permitam fazer escolhas por uma vida mais
sadia.
Emergência é quando há uma situação crítica ou algo iminente,
com ocorrência de perigo; incidente; imprevisto. No âmbito da
medicina, é a circunstância que exige uma cirurgia ou intervenção
médica de imediato. Ex.: hemorragias, parada respiratória e parada
cardíaca.
Urgência é quando há uma situação que não pode ser adiada, que
deve ser resolvida rapidamente, pois se houver demora, corre-se o
risco até mesmo de morte. Na medicina, ocorrências de caráter
urgente necessitam de tratamento médico e muitas vezes de
cirurgia, contudo, possuem um caráter menos imediatista.
Ex.:Luxações, torções, fraturas (dependendo da gravidade) e dengue.
GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO
Gestores, profissionais administrativos e assistenciais,
usuários para organizar espaços coletivos e participativos,
objetivando a promoção de relações humanizadas e ações
pertinentes à humanização em benefício dos usuários e
dos profissionais da saúde.
MARCAS/PRIORIDADES DA PNH
1. Serão reduzidas as filas e o tempo de espera com ampliação do
acesso e atendimento acolhedor e resolutivo baseados em critérios
de risco;
2. Todo usuário do SUS saberá quem são os profissionais que
cuidam de sua saúde, e os serviços de saúde se responsabilizarão por
sua referência territorial;
3. As unidades de saúde garantirão as informações ao usuário, o
acompanhamento de pessoas de sua rede social (de livre escolha) e os
direitos do código dos usuários do SUS;
4. As unidades de saúde garantirão gestão participativa aos seus
trabalhadores e usuários, assim como educação permanente aos
trabalhadores.
DIRETRIZES ESPECÍFICAS POR NÍVEL DE ATENÇÃO
Na Atenção Básica:
1. Elaborar projetos de saúde individuais e coletivos
para usuários e sua rede social, considerando as
políticas intersetoriais e as necessidades de saúde;
2. Incentivar práticas promocionais de saúde;
3. Estabelecer formas de acolhimento e inclusão do
usuário que promovam a otimização dos serviços, o
fim das filas, a hierarquização de riscos e o acesso aos
demais níveis do sistema;
4. Comprometer-se com o trabalho em equipe, de
modo a aumentar o grau de corresponsabilidade, e
com a rede de apoio.
Na Urgência e Emergência, nos pronto-socorros, nos
pronto-atendimentos, na Assistência Pré-Hospitalar e
outros:
1. Acolher a demanda por meio de critérios de avaliação de risco,
garantindo o acesso referenciado aos demais níveis de
assistência.
2. Comprometer-se com a referência e a contrarreferência,
aumentando a resolução da urgência e emergência, provendo o
acesso à estrutura hospitalar e a transferência segura, conforme
a necessidade dos usuários.
3. Definir protocolos clínicos, garantindo a eliminação de
intervenções desnecessárias e respeitando as diferenças e as
necessidades do sujeito.
NA ATENÇÃO ESPECIALIZADA:
1. Garantir agenda extraordinária em função da análise de
risco e das necessidades do usuário.
2. Estabelecer critérios de acesso, identificados de forma
pública, incluídos na rede assistencial, com efetivação de
protocolos de referência e contrarreferência.
3. Otimizar o atendimento ao usuário, articulando a
agenda multiprofissional em ações diagnósticas,
terapêuticas que impliquem diferentes saberes e
terapêuticas de reabilitação.
4. Definir protocolos clínicos, garantindo a eliminação de
intervenções desnecessárias e respeitando as diferenças e
as necessidades do sujeito.
NA ATENÇÃO HOSPITALAR
Neste âmbito, propomos dois níveis crescentes (B e A) de
padrões para adesão à PNH:
Parâmetros para o Nível B
- Existência de Grupos de Trabalho de Humanização (GTH) com plano de trabalho
definido;
- Garantia de visita aberta, através da presença do acompanhante e de sua rede
social, respeitando a dinâmica de cada unidade hospitalar e peculiaridades das
necessidades do acompanhante;
- Mecanismos de recepção com acolhimento aos usuários;
- Mecanismos de escuta para a população e trabalhadores;
- Equipe multiprofissional (minimamente com médico e enfermeiro) de atenção à
saúde para seguimento dos pacientes internados e com horário pactuado para
atendimento à família e/ou sua rede social;
- Existência de mecanismos de desospitalização, visando alternativas às práticas
hospitalares como as de cuidados domiciliares;
- Garantia de continuidade de assistência com sistema de referência e contra-
referência.
Parâmetros para o Nível A
- Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) com plano de trabalho implantado;
-Garantia de visita aberta, através da presença do acompanhante e de sua rede
social, respeitando a dinâmica de cada unidade hospitalar e peculiaridades das
necessidades do acompanhante;
- Ouvidoria funcionando;
- Equipe multiprofissional (minimamente com médico e enfermeiro) de atenção
à saúde para seguimento dos pacientes internados e com horário pactuado para
atendimento à família e/ou sua rede social;
- Existência de mecanismos de desospitalização, visando alternativas às
práticas hospitalares como as de cuidados domiciliares;
- Garantia de continuidade de assistência com sistema de referência e contra-
referência;
- Conselho Gestor Local, com funcionamento adequado;
- Existência de acolhimento com avaliação de risco nas áreas de acesso (Pronto
Atendimento, Pronto Socorro, Ambulatório, Serviço de Apoio Diagnóstico e
Terapia);
- Plano de educação permanente para trabalhadores com temas de
humanização, em implementação.
A Política Nacional de Humanização (PNH) foi lançada em 2003 com objetivo maior de consolidar os
princípios do SUS nos serviços de saúde, produzindo modos de gestão e de cuidado a partir da
comunicação, promoção da autonomia e corresponsabilização. A PNH ou HumanizaSUS, como é
chamada, se orienta a partir de algumas diretrizes.
 São diretrizes da PNH:
A) Transversalidade, Indissociabilidade entre atenção e gestão, Protagonismo, Corresponsabilidade e
Autonomia dos sujeitos e coletivos.
B) Hierarquização, Descentralização, Integralidade, Universalidade, Participação Social, Estímulo às
ações intersetoriais.
C) Confidencialidade, Integridade e Disponibilidade, Segurança, Estímulo à participação e ao
fortalecimento do controle social.
D) Descentralização Político-Administrativa, Municipalização, Participação da População, Mobilização
Social.
E) Acolhimento, Gestão Participativa e Cogestão, Ambiência, Clínica Ampliada e Compartilhada,
Valorização do Trabalhador, Defesa dos Direitos dos Usuários.
 O HumanizaSUS é uma política pública do SUS voltada para o
desenvolvimento de atividades que favoreçam ações de humanização no
âmbito da atenção e da gestão da saúde no Brasil. Na prática, Política
Nacional de Humanização busca, EXCETO:
A) Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso.
B) Valorização do trabalho na saúde.
C) Que o usuário do SUS procure atendimento apenas quando não puder
resolver em casa.
D)Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco.
aula 1 PDF.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
ISCISA
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisãoGerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Aroldo Gavioli
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
Priscila Tenório
 
Apostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemApostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagem
EDSON OLIVEIRA
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Aroldo Gavioli
 
Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
Gabriela Severo Minghelli
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
Fernanda Marinho
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
Flávio Rocha
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
Valdirene1977
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
guest38a579
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Sae
SaeSae
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
Aprova Saúde
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 

Mais procurados (20)

Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisãoGerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Apostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemApostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagem
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
 
Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 

Semelhante a aula 1 PDF.pdf

HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
Lene So
 
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptxAULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
EnfaVivianeCampos
 
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptxModelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
GustavoArouche1
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
RitaOliveira691334
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
Francielttonsantos
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
danilo rodrigues
 
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
DomingosMagnoMeloCma
 
Aula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saudeAula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saude
jorge luiz dos santos de souza
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
irisneth duarte
 
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
Juliana Azevedo
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
EvertonMonteiro19
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
feraps
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
bibliotecasaude
 
Gestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdfGestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdf
Antônio Lino
 
Aps
ApsAps
Cola
ColaCola
Aprentação 14ªconferencia
Aprentação 14ªconferenciaAprentação 14ªconferencia
Aprentação 14ªconferencia
Alinebrauna Brauna
 
0103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-03380103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-0338
Graziele Guimarães
 
0103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-03380103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-0338
Graziele Guimarães
 

Semelhante a aula 1 PDF.pdf (20)

HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
 
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptxAULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
 
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptxModelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
Modelo-de-Gestao-da-Saude-da-Populacao-Beneficios-para-o-SUS.pptx
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
 
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
 
Aula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saudeAula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saude
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
 
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
 
Gestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdfGestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdf
 
Aps
ApsAps
Aps
 
Cola
ColaCola
Cola
 
Aprentação 14ªconferencia
Aprentação 14ªconferenciaAprentação 14ªconferencia
Aprentação 14ªconferencia
 
0103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-03380103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-0338
 
0103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-03380103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-0338
 

aula 1 PDF.pdf

  • 1. POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO – HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO Docente: Enf. Caroline Mendonça
  • 2.  O professor deverá fazer a chamada no inicio e no final de cada turno de aula.  O aluno poderá faltar, até 25% das horas em sala de aula em cada disciplina;  O aluno que exceder ao máximo de faltas permitidas não terá o direito de recuperá-las por meio de trabalhos salvo as exceções citadas logo a seguir:  Licença maternidade;  Intervenção cirúrgica;  Tratamento de urgência ou doença infecto-contagiosa;  Ausência de alunos que comprovadamente estejam participando de eventos considerados “atividades complementares”.
  • 3. SISTEMA DE AVALIAÇÃO  Notas serão dividas em AP1, AP2 e AP3.  Escala de 0 a 10.  Considerar-se-á reprovado o aluno que não cumprir a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) às aulas, sendo-lhe, consequentemente, proibido prestar exames para obtenção da NAF.  O aluno que apresentar frequência mínima de 75% nas atividades desenvolvidas em sala de aula e obtiver média aritmética (AP) igual ou superior a 7,0 (sete), será APROVADO POR MÉDIA.
  • 4.  Aspectos teóricos da humanização e da bioética;  Humanização na Atenção Básica e Hospitalar;  Atitudes e Crenças Perante a Humanização;  Humanização na Saúde Mental;  Humanização, Sexualidade e Gênero;  Humanização em Grupos e Situações Especiais;  Educação em Saúde e Humanização. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
  • 5.  “A saúde é direito de todos e dever do Estado”. Esta é uma conquista do povo brasileiro. Toda conquista é, entretanto, resultado e início de um outro processo. Em 1988, votamos a criação do Sistema Único de Saúde (SUS). Com ele afirmamos a universalidade, a integralidade e a equidade da atenção em saúde. Com ele também apontamos para uma concepção de saúde que não se reduz à ausência de doença, mas a uma vida com qualidade. Muitas são as dimensões com as quais estamos comprometidos: prevenir, cuidar, proteger, tratar, recuperar, promover, enfim, produzir saúde. Muitos são os desafios que aceitamos enfrentar quando estamos lidando com a defesa da vida, com a garantia do direito à saúde.
  • 6. CONTEXTUALIZANDO  A humanização é valorização dos diferentes sujeitos do processo de saúde:  GESTORES  TRABALHADORES  USUÁRIOS *Resgata o respeito a vida humana, levado em consideração aspectos sociais, éticos, educacionais e psíquicos.
  • 7. O QUE É POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO? o Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH) busca pôr em prática os princípios do SUS no cotidiano dos serviços de saúde, produzindo mudanças nos modos de gerir e cuidar. o A PNH estimula a comunicação entre gestores, trabalhadores e usuários para construir processos coletivos de enfrentamento de relações de poder, trabalho e afeto que muitas vezes produzem atitudes e práticas desumanizadoras que inibem a autonomia e a corresponsabilidade dos profissionais de saúde em seu trabalho e dos usuários no cuidado de si.
  • 8. A PNH É UMA POLÍTICA TRANSVERSAL • SUGERE QUE SEJAM ULTRAPASSADAS FRONTEIRAS; • COM DIFERENTES NÚCLEOS DO SABER; • PARA PRODUZIR SAÚDE.
  • 9. FUNDAMENTA-SE EM: TROCA E CONSTRUÇÃO DE SABERES DIÁLOGO ENTRE OS PROFISSIONAIS TRABALHO EM EQUIPE CONSIDERAÇÕES ÀS NECESSIDADES, DESEJOS E INTERESSE DOS ATORES
  • 10.  TRANSVERSALIDADE – a PHN deve se fazer presente e estar inserida em todas as políticas e programas do SUS;  INDISSOCIABILIDADE DE ATENÇÃO E GESTÃO – decisões da gestão interferem diretamente na atenção à saúde;  PROTAGONISMO E AUTONOMIA DOS SUJEITOS E COLETIVOS – qualquer mudança na gestão e atenção é mais concreta se construída com a ampliação da autonomia e da vontade das pessoas envolvidas, que compartilham responsabilidade.
  • 11. “Hoje a ciência tem muito a oferecer, mas as pessoas não oferecem mais nada além da técnica.”  O doente passou a ser instrumento de: aprendizagem, estatística e pesquisa, passando a representar fonte de recursos econômicos.
  • 12. A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO (PNH) SE ESTRUTURA A PARTIR DE:  Princípios  Método  Diretrizes  Dispositivos
  • 13. TEM POR OBJETIVO:  Provocar inovações nas práticas gerenciais e nas práticas de produção de saúde, propondo para os diferentes coletivos/equipes implicados nestas práticas o desafio de superar limites e experimentar novas formas de organização dos serviços e novos modos de produção e circulação de poder;  Contagiar trabalhadores, gestores e usuários do SUS com princípios de humanização;  Fortalecer iniciativas de humanização já existentes;
  • 14. OS VALORES QUE NORTEIAM ESSA POLÍTICA SÃO: o A autonomia e o protagonismo dos sujeitos; o A corresponsabilidade entre eles; o O estabelecimento de vínculos solidários; o A construção de redes de cooperação; o A participação coletiva no processo de gestão.
  • 15. PRINCÍPIOS NORTEADORES DA POLÍTICA DE HUMANIZAÇÃO Fortalecimento de trabalho em equipe multiprofissional, estimulando a transdisciplinaridade e a grupalidade; Utilização da informação, da comunicação, da educação permanente e dos espaços da gestão na construção de autonomia e protagonismo de sujeitos e coletivos. Estímulo a processos comprometidos com a produção de saúde e com a produção de sujeitos  Atuação em rede com alta conectividade, de modo cooperativo e solidário, em conformidade com as diretrizes do SUS
  • 16. MÉTODO  O Método proposto pela PNH é o “método de tríplice inclusão” A comunicação entre esses três atores do SUS provoca movimentos de perturbação e inquietação que a PNH considera o “motor” de mudanças e que também precisam ser incluídos como recursos para a produção de saúde (BRASIL, 2015). • Trabalhadores; • Usuários; • Gestores
  • 17. As diretrizes são orientações gerais de determinada política. No caso da PNH, suas diretrizes expressam o método da inclusão no sentido do: • Acolhimento; • Cogestão; • Ambiência; • Clínica Ampliada; • Valorização do trabalho e do trabalhador; • Defesa dos Direitos do Usuário; • Igualdade; • Integralidade; • Universalidade; • Visita Aberta; • Familiar participante; • Equidade.
  • 18.  ACOLHIMENTO Acolher é reconhecer o que o outro traz como legítima e singular necessidade de saúde. Tem como objetivo a construção de relações de confiança, compromisso e vínculo entre as equipes/serviços, trabalhador/equipes e usuário com sua rede socioafetiva.
  • 19.  ACOLHER É AINDA:  Saber que não existe profissionais específico para isto;  Sustentar relações com as pessoas;  A dor do outro pode não ser a sua;
  • 21. • Acolhimento com classificação de risco;
  • 22. Acolhimento com Avaliação de Risco Na avaliação de risco e de vulnerabilidade, não podem ser desconsideradas as percepções do usuário (e de sua rede social) acerca do seu processo de adoecimento. Avaliar os riscos e a vulnerabilidade implica estar atento tanto ao grau de sofrimento físico quanto psíquico, pois muitas vezes o usuário que chega andando, sem sinais visíveis de problemas físicos, mas muito angustiado, pode estar mais necessitado de atendimento e com maior grau de risco e vulnerabilidade do que outros pacientes aparentemente mais necessitados.
  • 23. AVALIAÇÃO DE RISCO Mudança na lógica do atendimento, permitindo que o critério de priorização da atenção seja o agravo à saúde e/ou grau de sofrimento e não mais a ordem de chegada (burocrática). Realizado por profissional da saúde que, utilizando protocolos técnicos, identifica os pacientes que necessitam tratamento imediato, considerando o potencial de risco, agravo à saúde ou grau de sofrimento e providencia de forma ágil o atendimento adequado a cada caso.
  • 24.  GESTÃO PARTICIPATIVA E COGESTÃO Expressa tanto a inclusão de novos sujeitos nos processos de análise e decisão quanto a ampliação das tarefas da gestão. A organização e experimentação de rodas é uma importante orientação da cogestão. Rodas para colocar as diferenças em contato de modo a produzir movimentos de desestabilização que favoreçam mudanças nas práticas de gestão e de atenção
  • 25.  AMBIÊNCIA Criar espaços saudáveis, acolhedores e confortáveis, que respeitem a privacidade, propiciem mudanças no processo de trabalho e sejam lugares de encontro entre as pessoas.
  • 26.  CLÍNICA AMPLIADA E COMPARTILHADA É uma ferramenta teórica e prática cuja finalidade é contribuir para uma abordagem clínica do adoecimento e do sofrimento, que considere a singularidade do sujeito e a complexidade do processo saúde/doença.
  • 27.  DEFESA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS Os usuários de saúde possuem direitos garantidos por lei e os serviços de saúde devem incentivar o conhecimento desses direitos e assegurar que eles sejam cumpridos em todas as fases do cuidado, desde a recepção até a alta.
  • 28.  IGUALDADE E EQUIDADE Segundo os preceitos do SUS e conforme o texto da Constituição brasileira, o acesso às ações e serviços, para promoção, proteção e recuperação da saúde, além de universal, deve basear-se na igualdade de resultados finais, garantida mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos.
  • 29.  VALORIZAÇÃO DO TRABALHADOR É importante dar visibilidade à experiência dos trabalhadores e incluí-los na tomada de decisão, apostando na sua capacidade de analisar, definir e qualificar os processos de trabalho.
  • 30.  INTEGRALIDADE Um dos princípios constitucionais do SUS, garante ao cidadão o direito de ser atendido desde a prevenção de doenças até o mais difícil tratamento de uma patologia, não excluindo nenhuma doença.
  • 31.  UNIVERSALIDADE A Constituição brasileira institui o princípio da universalidade da cobertura e do atendimento para determinar a dimensão do dever estatal no campo da saúde, de sorte a compreender o atendimento a brasileiros e a estrangeiros que estejam no país, aos nascituros e aos nascidos, crianças, jovens e velhos.
  • 32.  VISITA ABERTA É o dispositivo que amplia as possibilidades de acesso para os visitantes de forma a garantir o elo entre o paciente, sua rede social e os demais serviços da rede de saúde, mantendo latente o projeto de vida do paciente.
  • 33.  FAMILIAR PARTICIPANTE Representante da rede social do usuário que garante a integração da rede social/familiar e equipe profissional dos serviços de saúde.
  • 34.  EQUIDADE No vocabulário do SUS, diz respeito aos meios necessários para se alcançar a igualdade, estando relacionada com a ideia de justiça social. Condições para que todas as pessoas tenham acesso aos direitos que lhe são garantidos. Para que se possa exercer a equidade, é preciso que existam ambientes favoráveis, acesso à informação, acesso a experiências e habilidades na vida, assim como oportunidades que permitam fazer escolhas por uma vida mais sadia.
  • 35. Emergência é quando há uma situação crítica ou algo iminente, com ocorrência de perigo; incidente; imprevisto. No âmbito da medicina, é a circunstância que exige uma cirurgia ou intervenção médica de imediato. Ex.: hemorragias, parada respiratória e parada cardíaca. Urgência é quando há uma situação que não pode ser adiada, que deve ser resolvida rapidamente, pois se houver demora, corre-se o risco até mesmo de morte. Na medicina, ocorrências de caráter urgente necessitam de tratamento médico e muitas vezes de cirurgia, contudo, possuem um caráter menos imediatista. Ex.:Luxações, torções, fraturas (dependendo da gravidade) e dengue.
  • 36. GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO Gestores, profissionais administrativos e assistenciais, usuários para organizar espaços coletivos e participativos, objetivando a promoção de relações humanizadas e ações pertinentes à humanização em benefício dos usuários e dos profissionais da saúde.
  • 37. MARCAS/PRIORIDADES DA PNH 1. Serão reduzidas as filas e o tempo de espera com ampliação do acesso e atendimento acolhedor e resolutivo baseados em critérios de risco; 2. Todo usuário do SUS saberá quem são os profissionais que cuidam de sua saúde, e os serviços de saúde se responsabilizarão por sua referência territorial; 3. As unidades de saúde garantirão as informações ao usuário, o acompanhamento de pessoas de sua rede social (de livre escolha) e os direitos do código dos usuários do SUS; 4. As unidades de saúde garantirão gestão participativa aos seus trabalhadores e usuários, assim como educação permanente aos trabalhadores.
  • 38. DIRETRIZES ESPECÍFICAS POR NÍVEL DE ATENÇÃO Na Atenção Básica: 1. Elaborar projetos de saúde individuais e coletivos para usuários e sua rede social, considerando as políticas intersetoriais e as necessidades de saúde; 2. Incentivar práticas promocionais de saúde; 3. Estabelecer formas de acolhimento e inclusão do usuário que promovam a otimização dos serviços, o fim das filas, a hierarquização de riscos e o acesso aos demais níveis do sistema; 4. Comprometer-se com o trabalho em equipe, de modo a aumentar o grau de corresponsabilidade, e com a rede de apoio.
  • 39. Na Urgência e Emergência, nos pronto-socorros, nos pronto-atendimentos, na Assistência Pré-Hospitalar e outros: 1. Acolher a demanda por meio de critérios de avaliação de risco, garantindo o acesso referenciado aos demais níveis de assistência. 2. Comprometer-se com a referência e a contrarreferência, aumentando a resolução da urgência e emergência, provendo o acesso à estrutura hospitalar e a transferência segura, conforme a necessidade dos usuários. 3. Definir protocolos clínicos, garantindo a eliminação de intervenções desnecessárias e respeitando as diferenças e as necessidades do sujeito.
  • 40. NA ATENÇÃO ESPECIALIZADA: 1. Garantir agenda extraordinária em função da análise de risco e das necessidades do usuário. 2. Estabelecer critérios de acesso, identificados de forma pública, incluídos na rede assistencial, com efetivação de protocolos de referência e contrarreferência. 3. Otimizar o atendimento ao usuário, articulando a agenda multiprofissional em ações diagnósticas, terapêuticas que impliquem diferentes saberes e terapêuticas de reabilitação. 4. Definir protocolos clínicos, garantindo a eliminação de intervenções desnecessárias e respeitando as diferenças e as necessidades do sujeito.
  • 41. NA ATENÇÃO HOSPITALAR Neste âmbito, propomos dois níveis crescentes (B e A) de padrões para adesão à PNH: Parâmetros para o Nível B - Existência de Grupos de Trabalho de Humanização (GTH) com plano de trabalho definido; - Garantia de visita aberta, através da presença do acompanhante e de sua rede social, respeitando a dinâmica de cada unidade hospitalar e peculiaridades das necessidades do acompanhante; - Mecanismos de recepção com acolhimento aos usuários; - Mecanismos de escuta para a população e trabalhadores; - Equipe multiprofissional (minimamente com médico e enfermeiro) de atenção à saúde para seguimento dos pacientes internados e com horário pactuado para atendimento à família e/ou sua rede social; - Existência de mecanismos de desospitalização, visando alternativas às práticas hospitalares como as de cuidados domiciliares; - Garantia de continuidade de assistência com sistema de referência e contra- referência.
  • 42. Parâmetros para o Nível A - Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) com plano de trabalho implantado; -Garantia de visita aberta, através da presença do acompanhante e de sua rede social, respeitando a dinâmica de cada unidade hospitalar e peculiaridades das necessidades do acompanhante; - Ouvidoria funcionando; - Equipe multiprofissional (minimamente com médico e enfermeiro) de atenção à saúde para seguimento dos pacientes internados e com horário pactuado para atendimento à família e/ou sua rede social; - Existência de mecanismos de desospitalização, visando alternativas às práticas hospitalares como as de cuidados domiciliares; - Garantia de continuidade de assistência com sistema de referência e contra- referência; - Conselho Gestor Local, com funcionamento adequado; - Existência de acolhimento com avaliação de risco nas áreas de acesso (Pronto Atendimento, Pronto Socorro, Ambulatório, Serviço de Apoio Diagnóstico e Terapia); - Plano de educação permanente para trabalhadores com temas de humanização, em implementação.
  • 43. A Política Nacional de Humanização (PNH) foi lançada em 2003 com objetivo maior de consolidar os princípios do SUS nos serviços de saúde, produzindo modos de gestão e de cuidado a partir da comunicação, promoção da autonomia e corresponsabilização. A PNH ou HumanizaSUS, como é chamada, se orienta a partir de algumas diretrizes.  São diretrizes da PNH: A) Transversalidade, Indissociabilidade entre atenção e gestão, Protagonismo, Corresponsabilidade e Autonomia dos sujeitos e coletivos. B) Hierarquização, Descentralização, Integralidade, Universalidade, Participação Social, Estímulo às ações intersetoriais. C) Confidencialidade, Integridade e Disponibilidade, Segurança, Estímulo à participação e ao fortalecimento do controle social. D) Descentralização Político-Administrativa, Municipalização, Participação da População, Mobilização Social. E) Acolhimento, Gestão Participativa e Cogestão, Ambiência, Clínica Ampliada e Compartilhada, Valorização do Trabalhador, Defesa dos Direitos dos Usuários.
  • 44.  O HumanizaSUS é uma política pública do SUS voltada para o desenvolvimento de atividades que favoreçam ações de humanização no âmbito da atenção e da gestão da saúde no Brasil. Na prática, Política Nacional de Humanização busca, EXCETO: A) Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso. B) Valorização do trabalho na saúde. C) Que o usuário do SUS procure atendimento apenas quando não puder resolver em casa. D)Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco.