SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
DESCARTES: ANÁLISE
DO CAPÍTULO IV DA OBRA
"O DISCURSO DO MÉTODO"
PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
1º ARGUMENTO DA
CAUSALIDADE/MARCA IMPRESSA
1. Vejo claramente que não sou perfeito
porque:
2. Duvido e tenho pensamentos obscuros
3. Vejo claramente que duvidar é uma
imperfeição pois não sei, sobre todas as
coisas que gostaria de saber.
4. Desejaria ter aquilo que vejo claramente que
me falta, ser perfeito.
5. Logo se tenho ideia que me falta perfeição
tenho a ideia de perfeito.
QUAL A CAUSA DA IDEIA DE
PERFEITO?
1. Não pode ser fruto do meu pensamento porque:
2. O que é imperfeito não pode ser a causa do que é perfeito
porque isso repugna ao pensamento e à razão.
3. Porque a causa de uma ideia tem que ter mais realidade
que o seu efeito.
4. Porque do nada nada se produz.
5. Também não a posso ter tirado de algo corpóreo que tão
pouco sei se existe e é dependente do meu pensamento.
6. Esta ideia tem que ter sido colocada em mim por algo
mais perfeito.
7. Só pode ser Deus, logo Deus existe
2º ARGUMENTO -NATUREZA DE
DEUS/CAUSA DO COGITO
1. Deus tem de ter todas as perfeições que eu posso pensar mais as
que o meu pensamento por ser imperfeito não conhece.
2. Deus é um ser de uma substância diferente da substância
extensa/corpórea ou da substância pensante.
3. A substância divina é omnisciente , omnipotente e
omnipresente.
4. É também criador do meu ser, visto que na perfeição não haver
dependência ele basta-se a si próprio,(causa sui) enquanto eu e
tudo o que posso pensar de perfeito e verdadeiro dependo dele.
5. Como ser imperfeito, não sou o criador de mim, devendo a
existência do meu pensamento a Deus.
3º ARGUMENTO PARA PROVAR A
EXISTÊNCIA DE DEUS:
ARGUMENTO ONTOLÓGICO.
1. Podemos pensar em figuras geométricas como um triângulo,
mas nada na ideia de triângulo nos permite concluir que existem
triângulos fora da nossa mente.
2. A ideia de triângulo é necessariamente uma figura com três
lados e três ângulos, mas nada diz sobre ele existir.
3. Mas com a ideia de perfeito, descubro que a existência está
contida na ideia de Deus, com mais evidência do que a ideia de
um triângulo ter três lados.
4. Logo, a existência de Deus segue-se necessariamente da ideia de
um ser perfeito.(Deus).
TIPOS DE IDEIAS
1. A ideia de Deus não foi tirada dos sentidos de algo que vi ou que
recordo que vi. Essas ideias são totalmente obscuras e a ideia de
Deus é evidente. Ideias retiradas da experiência - Ideias
adventícias.
• Também não é inventada porque não a posso mudar de acordo
com a minha vontade . Ideias fictícias.
• Só pode ter sido colocada em mim por um ser perfeito. Deus. É
portanto uma ideia Inata.
• Marca da criação. As ideias inatas são as únicas que são claras e
distintas, ou seja, evidentes.
DEUS É A
GARANTIA DA
VERDADE DAS
MINHAS IDEIAS
• Se existe um Deus com todas as perfeições então ele não é
enganador, (porque a fraude não faz parte da perfeição) então tudo
o que posso pensar com clareza e distinção é verdadeiro.
• Mesmo que esteja a sonhar, o pensamento do que tudo o que
concebo claramente é verdadeiro, podendo assim ter outros
conhecimentos de outras coisas para além de mim, como o
conhecimento matemático e outras matérias intelectuais.
• Com a existência de Deus é afastado o génio maligno e os raciocínios
dedutivos da matemática têm um fundamento
• Deus é a garantia da realidade objetiva das ideias e da existência
do mundo exterior à mente.
• Deus é a garantia de que posso conhecer com clareza e distinção a
substância pensante, a substância divina e a substância extensa.
• Posso conhecer o mundo exterior corpóreo com clareza e distinção.
As características que posso conhecer do mundo corpóreo são
aquelas que se relacionam com a substância extensa (altura,
cumprimento, largura). As características matemáticas das coisas
corpóreas.
TRÊS CRENÇAS BÁSICAS QUE SÃO FUNDAMENTO DE
TODO O CONHECIMENTO.
Ficam assim estabelecidas três substâncias que
são intelectualmente conhecidas: a substância
pensante, (Res cogitans) a substância extensa
(Res extensa/corpo) e substância divida (Res divina)
Pela evidência podemos fundamentar o conhecimento em
três crenças básicas (ideias inatas).
• Eu existo como substância pensante – COGITO
• O corpo é distinto da alma. (Distinção a substância
corporal/extensa e a substância pensante)
• Deus existe (Res divina)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Descartes provas da existência de Deus.pptx

Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
Jorge Barbosa
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
pyteroliva
 
Mapa conceitual de Rene descartes
Mapa conceitual de Rene descartesMapa conceitual de Rene descartes
Mapa conceitual de Rene descartes
Isabella Silva
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Helena Serrão
 

Semelhante a Descartes provas da existência de Deus.pptx (20)

Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Aula 5-descartes-e-o-racionalismo
Aula 5-descartes-e-o-racionalismoAula 5-descartes-e-o-racionalismo
Aula 5-descartes-e-o-racionalismo
 
espistemologia decartes
espistemologia decartesespistemologia decartes
espistemologia decartes
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
Mapa conceitual de Rene descartes
Mapa conceitual de Rene descartesMapa conceitual de Rene descartes
Mapa conceitual de Rene descartes
 
Osho - Buda - Sua Vida e Seus Ensinamentos.pdf
Osho - Buda - Sua Vida e Seus Ensinamentos.pdfOsho - Buda - Sua Vida e Seus Ensinamentos.pdf
Osho - Buda - Sua Vida e Seus Ensinamentos.pdf
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismo
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Atributos da dinvindade
Atributos da dinvindadeAtributos da dinvindade
Atributos da dinvindade
 

Mais de Helena Serrão

Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 

Descartes provas da existência de Deus.pptx

  • 1. DESCARTES: ANÁLISE DO CAPÍTULO IV DA OBRA "O DISCURSO DO MÉTODO" PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
  • 2. 1º ARGUMENTO DA CAUSALIDADE/MARCA IMPRESSA 1. Vejo claramente que não sou perfeito porque: 2. Duvido e tenho pensamentos obscuros 3. Vejo claramente que duvidar é uma imperfeição pois não sei, sobre todas as coisas que gostaria de saber. 4. Desejaria ter aquilo que vejo claramente que me falta, ser perfeito. 5. Logo se tenho ideia que me falta perfeição tenho a ideia de perfeito.
  • 3. QUAL A CAUSA DA IDEIA DE PERFEITO? 1. Não pode ser fruto do meu pensamento porque: 2. O que é imperfeito não pode ser a causa do que é perfeito porque isso repugna ao pensamento e à razão. 3. Porque a causa de uma ideia tem que ter mais realidade que o seu efeito. 4. Porque do nada nada se produz. 5. Também não a posso ter tirado de algo corpóreo que tão pouco sei se existe e é dependente do meu pensamento. 6. Esta ideia tem que ter sido colocada em mim por algo mais perfeito. 7. Só pode ser Deus, logo Deus existe
  • 4. 2º ARGUMENTO -NATUREZA DE DEUS/CAUSA DO COGITO 1. Deus tem de ter todas as perfeições que eu posso pensar mais as que o meu pensamento por ser imperfeito não conhece. 2. Deus é um ser de uma substância diferente da substância extensa/corpórea ou da substância pensante. 3. A substância divina é omnisciente , omnipotente e omnipresente. 4. É também criador do meu ser, visto que na perfeição não haver dependência ele basta-se a si próprio,(causa sui) enquanto eu e tudo o que posso pensar de perfeito e verdadeiro dependo dele. 5. Como ser imperfeito, não sou o criador de mim, devendo a existência do meu pensamento a Deus.
  • 5. 3º ARGUMENTO PARA PROVAR A EXISTÊNCIA DE DEUS: ARGUMENTO ONTOLÓGICO. 1. Podemos pensar em figuras geométricas como um triângulo, mas nada na ideia de triângulo nos permite concluir que existem triângulos fora da nossa mente. 2. A ideia de triângulo é necessariamente uma figura com três lados e três ângulos, mas nada diz sobre ele existir. 3. Mas com a ideia de perfeito, descubro que a existência está contida na ideia de Deus, com mais evidência do que a ideia de um triângulo ter três lados. 4. Logo, a existência de Deus segue-se necessariamente da ideia de um ser perfeito.(Deus).
  • 6. TIPOS DE IDEIAS 1. A ideia de Deus não foi tirada dos sentidos de algo que vi ou que recordo que vi. Essas ideias são totalmente obscuras e a ideia de Deus é evidente. Ideias retiradas da experiência - Ideias adventícias. • Também não é inventada porque não a posso mudar de acordo com a minha vontade . Ideias fictícias. • Só pode ter sido colocada em mim por um ser perfeito. Deus. É portanto uma ideia Inata. • Marca da criação. As ideias inatas são as únicas que são claras e distintas, ou seja, evidentes.
  • 7. DEUS É A GARANTIA DA VERDADE DAS MINHAS IDEIAS • Se existe um Deus com todas as perfeições então ele não é enganador, (porque a fraude não faz parte da perfeição) então tudo o que posso pensar com clareza e distinção é verdadeiro. • Mesmo que esteja a sonhar, o pensamento do que tudo o que concebo claramente é verdadeiro, podendo assim ter outros conhecimentos de outras coisas para além de mim, como o conhecimento matemático e outras matérias intelectuais. • Com a existência de Deus é afastado o génio maligno e os raciocínios dedutivos da matemática têm um fundamento • Deus é a garantia da realidade objetiva das ideias e da existência do mundo exterior à mente. • Deus é a garantia de que posso conhecer com clareza e distinção a substância pensante, a substância divina e a substância extensa. • Posso conhecer o mundo exterior corpóreo com clareza e distinção. As características que posso conhecer do mundo corpóreo são aquelas que se relacionam com a substância extensa (altura, cumprimento, largura). As características matemáticas das coisas corpóreas.
  • 8. TRÊS CRENÇAS BÁSICAS QUE SÃO FUNDAMENTO DE TODO O CONHECIMENTO. Ficam assim estabelecidas três substâncias que são intelectualmente conhecidas: a substância pensante, (Res cogitans) a substância extensa (Res extensa/corpo) e substância divida (Res divina) Pela evidência podemos fundamentar o conhecimento em três crenças básicas (ideias inatas). • Eu existo como substância pensante – COGITO • O corpo é distinto da alma. (Distinção a substância corporal/extensa e a substância pensante) • Deus existe (Res divina)