SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
A crítica de Hume ao conhecimento.
Princípio da causalidade e
Princípio da regularidade da
natureza
O que é o princípio da causalidade?
 É o que nos permite associar duas ideias e
estabelecer um nexo causal entre elas. Permite-
nos explicar um facto com outro facto pois
associamos a ideia de um com a ideia de outro.
Fazemos esta associação de ideias entre dois
factos como se tratasse de uma conexão
necessária pois deduzimos que um facto vai
ocorrer se o outro (a sua causa) também ocorrer.
Qual o problema?
 Não há uma conexão necessária entre factos, só
há uma conexão necessária na relação de ideias,
mas o princípio da causalidade aplica-se aos
factos e não às ideias. Este princípio tem pois a
sua origem na experiência e não na razão, logo
não há na experiência nenhuma impressão de
causalidade, como podemos então ter essa
ideia? Não pode ter origem na razão pois
ninguém sem experiência de um facto pode
deduzir por cálculo o seu efeito ou causa. Se tem
origem na experiência na observação da
sucessão constante entre certos factos como o
fogo e o fumo, não pode contudo ser justificada
pela experiência porque esta só nos permite ter
acesso a relações contingentes e não
Conclusão
 o fundamento deste princípio justifica-se ou
fundamenta-se no hábito ou costume. Observar
repetidas vezes uma mesma sucessão de factos
leva-nos a formar a ideia que eles estão
necessariamente juntos, mas essa ideia não tem
uma justificação aceitável, é mais uma projeção
da mente sobre a natureza do que um real
conhecimento.
Quais as consequências?
 Se todo o conhecimento dos factos se baseia nas
relações causais entre eles teremos de aceitar
que esse conhecimento é apenas provável e que
pode ser enganador se considerarmos que o seu
fundamento é um hábito psicológico, nada na
sucessão dos factos nos permite ter a certeza de
que se seguirão um ao outro no futuro, dado que
se seguiram até ao presente. O conhecimento
está assim posto em causa, não só porque se
fundamenta em crenças sem justificação, como
se desenvolve a partir de uma forma de adesão
que resulta de um sentimento e portante não é
sólida.
Princípio da regularidade da
natureza:
 De causas semelhantes seguem-se efeitos
semelhantes.
 As conjunções constantes observadas podem
garantir-nos que no futuro continuarão a existir?
 O futuro assemelhar-se-á ao passado. É a nossa
crença.
 Para Hume é impossível justificar que o futuro se
vai assemelhar ao passado
Exemplo:
 Até agora, todas as sementes de jacarandá
quando plantadas dão jacarandás.
 Logo, todas as sementes de jacarandá quando
plantadas dão jacarandás. (generalização)
 Previsão: Se tenho uma semente de jacarandá e
a plantar é muito provável que dê um jacarandá.
A experiência repetida permite a
generalização
Semente logo Árvore não é lógica,
são dois factos que se repetem.
O problema:
 Só podemos justificar o princípio da regularidade
da natureza a partir de argumentos indutivos cuja
conclusão é provável e não certa.
 (Pode não nascer um jacarandá da semente)
 Não podemos deduzir que irá nascer um
jacarandá. Pois o curso da natureza pode
mudar(embora seja pouco provável ).
O raciocínio indutivo não está justificado nem pode
servir como justificação.
 Ora se o curso da natureza pode mudar, então
 Não podemos demonstrar dedutivamente que a
natureza é regular.
 Só poderemos saber que provavelmente a
natureza é regular.
 Mas para termos uma justificação para essa
conclusão baseamo-nos num argumento indutivo
que por sua vez só é sólido se a natureza for
regular- É uma petição de princípio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
mluisavalente
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
AnaKlein1
 
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidadeO empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
Joaquim Melro
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
pyteroliva
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
guest9578d1
 

Mais procurados (19)

David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
Empirismo de David Hume (Doc2)
Empirismo de David Hume (Doc2)Empirismo de David Hume (Doc2)
Empirismo de David Hume (Doc2)
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidadeO empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º FilosofiaResumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
 
Hume
HumeHume
Hume
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
 
Jogo_Glória de Descartes_regras2
Jogo_Glória de Descartes_regras2Jogo_Glória de Descartes_regras2
Jogo_Glória de Descartes_regras2
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Jogo_Glória de Descartes_regras
Jogo_Glória de Descartes_regrasJogo_Glória de Descartes_regras
Jogo_Glória de Descartes_regras
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
 
Ana suely
Ana suelyAna suely
Ana suely
 
Empirismo de David Hume (Doc.1)
Empirismo de David Hume (Doc.1)Empirismo de David Hume (Doc.1)
Empirismo de David Hume (Doc.1)
 
4 Hume
4 Hume 4 Hume
4 Hume
 

Semelhante a David hume2

Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
EfaSucesso
 
Texto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidadeTexto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidade
Isabel Moura
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
rinogaetano
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Davidson condições do pensamento
Davidson condições do pensamentoDavidson condições do pensamento
Davidson condições do pensamento
rodrigokun
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)
Aida Cunha
 
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio
Resumofilosofia10e11anos testeintermedioResumofilosofia10e11anos testeintermedio
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio
leonor rentroia
 
7471 texto do artigo-23448-1-10-20180115
7471 texto do artigo-23448-1-10-201801157471 texto do artigo-23448-1-10-20180115
7471 texto do artigo-23448-1-10-20180115
hc car
 

Semelhante a David hume2 (18)

Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Texto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidadeTexto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidade
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
O empirismo de david Hume (Nereu)
O empirismo de david Hume (Nereu)O empirismo de david Hume (Nereu)
O empirismo de david Hume (Nereu)
 
O emprismo de David Hume (Nereu)
O emprismo de David Hume (Nereu)O emprismo de David Hume (Nereu)
O emprismo de David Hume (Nereu)
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Davidson condições do pensamento
Davidson condições do pensamentoDavidson condições do pensamento
Davidson condições do pensamento
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio (1)
 
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio
Resumofilosofia10e11anos testeintermedioResumofilosofia10e11anos testeintermedio
Resumofilosofia10e11anos testeintermedio
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
7471 texto do artigo-23448-1-10-20180115
7471 texto do artigo-23448-1-10-201801157471 texto do artigo-23448-1-10-20180115
7471 texto do artigo-23448-1-10-20180115
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 
Ficha logica proposicional1
Ficha logica proposicional1Ficha logica proposicional1
Ficha logica proposicional1
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 

Último (20)

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

David hume2

  • 1. A crítica de Hume ao conhecimento. Princípio da causalidade e Princípio da regularidade da natureza
  • 2. O que é o princípio da causalidade?  É o que nos permite associar duas ideias e estabelecer um nexo causal entre elas. Permite- nos explicar um facto com outro facto pois associamos a ideia de um com a ideia de outro. Fazemos esta associação de ideias entre dois factos como se tratasse de uma conexão necessária pois deduzimos que um facto vai ocorrer se o outro (a sua causa) também ocorrer.
  • 3. Qual o problema?  Não há uma conexão necessária entre factos, só há uma conexão necessária na relação de ideias, mas o princípio da causalidade aplica-se aos factos e não às ideias. Este princípio tem pois a sua origem na experiência e não na razão, logo não há na experiência nenhuma impressão de causalidade, como podemos então ter essa ideia? Não pode ter origem na razão pois ninguém sem experiência de um facto pode deduzir por cálculo o seu efeito ou causa. Se tem origem na experiência na observação da sucessão constante entre certos factos como o fogo e o fumo, não pode contudo ser justificada pela experiência porque esta só nos permite ter acesso a relações contingentes e não
  • 4. Conclusão  o fundamento deste princípio justifica-se ou fundamenta-se no hábito ou costume. Observar repetidas vezes uma mesma sucessão de factos leva-nos a formar a ideia que eles estão necessariamente juntos, mas essa ideia não tem uma justificação aceitável, é mais uma projeção da mente sobre a natureza do que um real conhecimento.
  • 5. Quais as consequências?  Se todo o conhecimento dos factos se baseia nas relações causais entre eles teremos de aceitar que esse conhecimento é apenas provável e que pode ser enganador se considerarmos que o seu fundamento é um hábito psicológico, nada na sucessão dos factos nos permite ter a certeza de que se seguirão um ao outro no futuro, dado que se seguiram até ao presente. O conhecimento está assim posto em causa, não só porque se fundamenta em crenças sem justificação, como se desenvolve a partir de uma forma de adesão que resulta de um sentimento e portante não é sólida.
  • 6. Princípio da regularidade da natureza:  De causas semelhantes seguem-se efeitos semelhantes.  As conjunções constantes observadas podem garantir-nos que no futuro continuarão a existir?  O futuro assemelhar-se-á ao passado. É a nossa crença.  Para Hume é impossível justificar que o futuro se vai assemelhar ao passado
  • 7. Exemplo:  Até agora, todas as sementes de jacarandá quando plantadas dão jacarandás.  Logo, todas as sementes de jacarandá quando plantadas dão jacarandás. (generalização)  Previsão: Se tenho uma semente de jacarandá e a plantar é muito provável que dê um jacarandá.
  • 8. A experiência repetida permite a generalização
  • 9. Semente logo Árvore não é lógica, são dois factos que se repetem.
  • 10. O problema:  Só podemos justificar o princípio da regularidade da natureza a partir de argumentos indutivos cuja conclusão é provável e não certa.  (Pode não nascer um jacarandá da semente)  Não podemos deduzir que irá nascer um jacarandá. Pois o curso da natureza pode mudar(embora seja pouco provável ).
  • 11. O raciocínio indutivo não está justificado nem pode servir como justificação.  Ora se o curso da natureza pode mudar, então  Não podemos demonstrar dedutivamente que a natureza é regular.  Só poderemos saber que provavelmente a natureza é regular.  Mas para termos uma justificação para essa conclusão baseamo-nos num argumento indutivo que por sua vez só é sólido se a natureza for regular- É uma petição de princípio.