SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
CONCLUSÃO DA ÉTICA
DEONTOLÓGICA DE KANT
• A importância da ética de
Kant.
• A autonomia da vontade.
• Críticas a esta teoria.
A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA DE KANT
• Encontrar um fundamento e uma razão universal para a ação
correta.
• Demonstrar qual a atitude ética e moral correta e como ela é
acessível embora muito difícil.
• Tornar o pensamento ético e moral independente da religião e da
fé.
LIBERDADE E AUTONOMIA DA VONTADE
• A finalidade da moral é permitir a autonomia do sujeito
face a qualquer lei que não seja a lei racional.
• A vontade autónoma é aquela
que
• Submete-se à lei moral que o indivíduo tem para si
mesmo.
• Quer o que é correto de acordo com a razão. Procura
razões.
• Não é tomada por medos ou desejos de benefícios ou
castigos, que advém da ação que escolhe.
• BOA VONTADE
• Heteronomia da vontade
• Segue uma lei moral que lhe é exterior.
• A lei moral vigente na sociedade.
• Exemplo: Não minto porque toda a ente diz que é errado
mentir.
A VONTADE BOA: VALOR MORAL INTRÍNSECO
• Tudo na natureza age segundo leis. Só um ser racional tem
a capacidade de agir segundo a representação das leis, isto
é segundo princípios, ou: só ele tem uma vontade.
• isto é, a vontade é a faculdade de escolher só aquilo que a
razão, independentemente da inclinação, reconhece como
praticamente necessário, quer dizer como bom”
• Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos
costumes, Ed.70, Lx, 1997, p. 47/48
AS LEIS MORAIS DETERMINAM A VONTADE SÃO A
PRIORI.
• Aqui trata-se, porém, da lei objetiva-prática, isto é, da
relação de uma vontade consigo mesma enquanto essa
vontade se determina só pela razão, pois então tudo o que
se relaciona com o empírico desaparece por si, porque, se a
razão por si só determina o procedimento (é essa
possibilidade que vamos agora investigar), terá de fazê-lo
necessariamente a priori.
• Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos costumes, Ed.70, Lx, 1997, p. 47/48
O OBJETIVO DA ÉTICA DEONTOLÓGICA DE KANT
• A questão ética é uma questão da liberdade e não de submissão a uma autoridade
externa, social, política ou religiosa.
• A liberdade é a autonomia da vontade face a essas regras e normas e a capacidade
da vontade obedecer ao imperativo categórico.
• À lei que o sujeito a si próprio impõe, ao que considera necessário.
• O homem é naturalmente mau. A Ética e a moral contrariam essa maldade natural.
Permitem que a liberdade seja a capacidade humana para criar as suas leis de
conduta.
• A única forma de agir contrariando a má vontade é agir com uma vontade
desinteressada pelos seus interesses egoístas. (boa vontade)
RAZÕES:
• Porque a lei apresenta-se com a forma de um imperativo que
coloca cada sujeito como representando todos e deste modo a
ação não tem motivações egoístas. Ao agir está a representar
todos, a lei a que se submete a vontade será igual para todos os
homens que a ela querem recorrer.
• Só pode ser moral aquele que quer recorrer à lei porque essa
vontade é “ santa” é uma boa vontade.
• Só a boa vontade é a virtude primeira e tem valor moral.
• Porque todas as virtudes como a coragem ou a honestidade se
não forem motivadas por uma boa vontade não têm valor.
OS LIMITES DA TEORIA
• 1ª Crítica
• Ética demasiado formal e fria pois não têm em conta a realidade
que o que nos motiva é o sentimento e que sem piedade (por
exemplo) nunca ajudaríamos ninguém. Porque a razão porque
ajudas é porque o outro precisa, a tua ação é condicionada pela
necessidade que te toca e não porque o dever e a lei te obrigam a
fazê-lo.
2ª CRÍTICA
• Não terão as consequências importância para avaliar as nossas
ações?
• Kant afirma que não porque as consequências da ação não estão
sob o controlo do sujeito, mas de fatores variáveis, logo, o sujeito
não pode ser responsável.
• Contra exemplo:
• No caso da menina judia…devemos revelar onde estava escondida
se um soldado nos perguntasse, só para não mentir. Não será
moralmente repreensível ser indiferentes ao destino da menina?
3ª CRÍTICA
• Pode haver máximas contrárias e ambas universalizáveis. Nesse
caso há um dilema moral que a ética deontológica não resolve.
• Exemplo: Máximas em conflito: “Deves ajudar sempre um amigo
em apuros.”
• “Não deves mentir.”
4ª CRÍTICA
• Pode então haver máximas diferentes que são igualmente
universalizáveis.
• Exemplo: deves mentir para salvar alguém
• Contraria o argumento de Kant que nunca devemos mentir. A
máxima “deves mentir” é autodestrutiva porque as pessoas
perderiam a confiança umas nas outras.
• Quando Kant propõe […], enquanto princípio fundamental da moral, a lei «Age de modo que a tua regra de conduta possa ser
adotada como lei por todos os seres racionais», reconhece virtualmente que o interesse coletivo da humanidade, ou, pelo
menos, o interesse indiscriminado da humanidade, tem de estar na mente do agente quando este determina
conscienciosamente a moralidade do ato. Caso contrário, Kant estaria [a] usar palavras vazias, pois nem sequer se pode
defender plausivelmente que mesmo uma regra de absoluto egoísmo não poderia ser adotada por todos os seres racionais,
isto é, que a natureza das coisas coloca um obstáculo insuperável à sua adoção. Para dar algum significado ao princípio de
Kant, o sentido a atribuir-lhe tem de ser o de que devemos moldar a nossa conduta segundo uma regra que todos os seres
racionais possam adotar com benefício para o seu interesse coletivo.
• John Stuart Mill, Utilitarismo, Porto, Porto Editora, 2005
• Na resposta a cada um dos itens de 2.1. a 2.4., selecione a única opção adequada ao sentido do texto. Escreva, na folha de
respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida.
• .1. Segundo Stuart Mill, Kant verdadeiramente valoriza
• (A) as circunstâncias da ação.
• (B) o interesse da humanidade.
• (C) o imperativo categórico.
• (D) um imperativo hipotético.
Os limites da promessa
Um amigo quer lhe contar um segredo e pede que você prometa
não contar a ninguém. Você dá a sua palavra. Ele conta que
atropelou um pedestre e, por isso, vai se refugiar na casa de uma
prima. Quando a polícia o procura querendo saber do amigo, o que
faz?
Conta à polícia?
Não conta à polícia?
PROBLEMA
• Eichmann coronel nazi, em julgamento,
defende-se com a ideia de Kant de que agiu em
cumprimento do seu dever.
• https://www.youtube.com/watch?v=TtXJNcwT1
c
• https://www.youtube.com/watch?v=I6l4BJy1rH
s

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantFilazambuja
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radicalIsabel Moura
 
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
O que é a filosofia   os problemas filosóficos.O que é a filosofia   os problemas filosóficos.
O que é a filosofia os problemas filosóficos.Luis De Sousa Rodrigues
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point Julia Martins
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)InesTeixeiraDuarte
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millFilazambuja
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)InesTeixeiraDuarte
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantFilipe Prado
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasJoão Simões
 
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millEsquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millLuis De Sousa Rodrigues
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderadoIsabel Moura
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºaRui Neto
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralIsabel Moura
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoAntónio Daniel
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radicalpauloricardom
 
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecidoJohn Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecidoHelena Serrão
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisLuis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
O que é a filosofia   os problemas filosóficos.O que é a filosofia   os problemas filosóficos.
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
 
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millEsquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºa
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecidoJohn Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
John Rawls e a teoria da justiça como equidade - Retirado de autor desconhecido
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
 

Semelhante a Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx

éTica Kantiana
éTica KantianaéTica Kantiana
éTica KantianaJNR
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?alinesantana1422
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverEder Nogueira
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxFreiheit Ribeiro
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.millPatricia .
 
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Lucas Vinicius
 
Fundamentos da ética - legislação e ética da comunicação
Fundamentos da ética - legislação e ética da comunicaçãoFundamentos da ética - legislação e ética da comunicação
Fundamentos da ética - legislação e ética da comunicaçãoLaércio Góes
 
2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptxczarfilsofo
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Sara Cacais
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012Fábio Peres
 

Semelhante a Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx (20)

éTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart milléTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart mill
 
éTica Kantiana
éTica KantianaéTica Kantiana
éTica Kantiana
 
Eticakant
EticakantEticakant
Eticakant
 
Eticakant
EticakantEticakant
Eticakant
 
Marilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kantMarilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kant
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do Dever
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
 
Etica Deontológica
Etica DeontológicaEtica Deontológica
Etica Deontológica
 
Kant
KantKant
Kant
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
Deontologia pronto
Deontologia prontoDeontologia pronto
Deontologia pronto
 
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
Fundamentos da ética - legislação e ética da comunicação
Fundamentos da ética - legislação e ética da comunicaçãoFundamentos da ética - legislação e ética da comunicação
Fundamentos da ética - legislação e ética da comunicação
 
Ética e Moral - Filosofia
Ética e Moral - FilosofiaÉtica e Moral - Filosofia
Ética e Moral - Filosofia
 
2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
 
Apriorismo kantiano
Apriorismo kantianoApriorismo kantiano
Apriorismo kantiano
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxHelena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxHelena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxHelena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pietaHelena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesHelena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaHelena Serrão
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificialHelena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daHelena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 

Último

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 

Último (20)

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 

Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx

  • 1. CONCLUSÃO DA ÉTICA DEONTOLÓGICA DE KANT • A importância da ética de Kant. • A autonomia da vontade. • Críticas a esta teoria.
  • 2. A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA DE KANT • Encontrar um fundamento e uma razão universal para a ação correta. • Demonstrar qual a atitude ética e moral correta e como ela é acessível embora muito difícil. • Tornar o pensamento ético e moral independente da religião e da fé.
  • 3. LIBERDADE E AUTONOMIA DA VONTADE • A finalidade da moral é permitir a autonomia do sujeito face a qualquer lei que não seja a lei racional. • A vontade autónoma é aquela que • Submete-se à lei moral que o indivíduo tem para si mesmo. • Quer o que é correto de acordo com a razão. Procura razões. • Não é tomada por medos ou desejos de benefícios ou castigos, que advém da ação que escolhe. • BOA VONTADE • Heteronomia da vontade • Segue uma lei moral que lhe é exterior. • A lei moral vigente na sociedade. • Exemplo: Não minto porque toda a ente diz que é errado mentir.
  • 4. A VONTADE BOA: VALOR MORAL INTRÍNSECO • Tudo na natureza age segundo leis. Só um ser racional tem a capacidade de agir segundo a representação das leis, isto é segundo princípios, ou: só ele tem uma vontade. • isto é, a vontade é a faculdade de escolher só aquilo que a razão, independentemente da inclinação, reconhece como praticamente necessário, quer dizer como bom” • Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos costumes, Ed.70, Lx, 1997, p. 47/48
  • 5. AS LEIS MORAIS DETERMINAM A VONTADE SÃO A PRIORI. • Aqui trata-se, porém, da lei objetiva-prática, isto é, da relação de uma vontade consigo mesma enquanto essa vontade se determina só pela razão, pois então tudo o que se relaciona com o empírico desaparece por si, porque, se a razão por si só determina o procedimento (é essa possibilidade que vamos agora investigar), terá de fazê-lo necessariamente a priori. • Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos costumes, Ed.70, Lx, 1997, p. 47/48
  • 6. O OBJETIVO DA ÉTICA DEONTOLÓGICA DE KANT • A questão ética é uma questão da liberdade e não de submissão a uma autoridade externa, social, política ou religiosa. • A liberdade é a autonomia da vontade face a essas regras e normas e a capacidade da vontade obedecer ao imperativo categórico. • À lei que o sujeito a si próprio impõe, ao que considera necessário. • O homem é naturalmente mau. A Ética e a moral contrariam essa maldade natural. Permitem que a liberdade seja a capacidade humana para criar as suas leis de conduta. • A única forma de agir contrariando a má vontade é agir com uma vontade desinteressada pelos seus interesses egoístas. (boa vontade)
  • 7. RAZÕES: • Porque a lei apresenta-se com a forma de um imperativo que coloca cada sujeito como representando todos e deste modo a ação não tem motivações egoístas. Ao agir está a representar todos, a lei a que se submete a vontade será igual para todos os homens que a ela querem recorrer. • Só pode ser moral aquele que quer recorrer à lei porque essa vontade é “ santa” é uma boa vontade. • Só a boa vontade é a virtude primeira e tem valor moral. • Porque todas as virtudes como a coragem ou a honestidade se não forem motivadas por uma boa vontade não têm valor.
  • 8. OS LIMITES DA TEORIA • 1ª Crítica • Ética demasiado formal e fria pois não têm em conta a realidade que o que nos motiva é o sentimento e que sem piedade (por exemplo) nunca ajudaríamos ninguém. Porque a razão porque ajudas é porque o outro precisa, a tua ação é condicionada pela necessidade que te toca e não porque o dever e a lei te obrigam a fazê-lo.
  • 9. 2ª CRÍTICA • Não terão as consequências importância para avaliar as nossas ações? • Kant afirma que não porque as consequências da ação não estão sob o controlo do sujeito, mas de fatores variáveis, logo, o sujeito não pode ser responsável. • Contra exemplo: • No caso da menina judia…devemos revelar onde estava escondida se um soldado nos perguntasse, só para não mentir. Não será moralmente repreensível ser indiferentes ao destino da menina?
  • 10. 3ª CRÍTICA • Pode haver máximas contrárias e ambas universalizáveis. Nesse caso há um dilema moral que a ética deontológica não resolve. • Exemplo: Máximas em conflito: “Deves ajudar sempre um amigo em apuros.” • “Não deves mentir.”
  • 11. 4ª CRÍTICA • Pode então haver máximas diferentes que são igualmente universalizáveis. • Exemplo: deves mentir para salvar alguém • Contraria o argumento de Kant que nunca devemos mentir. A máxima “deves mentir” é autodestrutiva porque as pessoas perderiam a confiança umas nas outras.
  • 12. • Quando Kant propõe […], enquanto princípio fundamental da moral, a lei «Age de modo que a tua regra de conduta possa ser adotada como lei por todos os seres racionais», reconhece virtualmente que o interesse coletivo da humanidade, ou, pelo menos, o interesse indiscriminado da humanidade, tem de estar na mente do agente quando este determina conscienciosamente a moralidade do ato. Caso contrário, Kant estaria [a] usar palavras vazias, pois nem sequer se pode defender plausivelmente que mesmo uma regra de absoluto egoísmo não poderia ser adotada por todos os seres racionais, isto é, que a natureza das coisas coloca um obstáculo insuperável à sua adoção. Para dar algum significado ao princípio de Kant, o sentido a atribuir-lhe tem de ser o de que devemos moldar a nossa conduta segundo uma regra que todos os seres racionais possam adotar com benefício para o seu interesse coletivo. • John Stuart Mill, Utilitarismo, Porto, Porto Editora, 2005 • Na resposta a cada um dos itens de 2.1. a 2.4., selecione a única opção adequada ao sentido do texto. Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida. • .1. Segundo Stuart Mill, Kant verdadeiramente valoriza • (A) as circunstâncias da ação. • (B) o interesse da humanidade. • (C) o imperativo categórico. • (D) um imperativo hipotético.
  • 13. Os limites da promessa Um amigo quer lhe contar um segredo e pede que você prometa não contar a ninguém. Você dá a sua palavra. Ele conta que atropelou um pedestre e, por isso, vai se refugiar na casa de uma prima. Quando a polícia o procura querendo saber do amigo, o que faz? Conta à polícia? Não conta à polícia?
  • 14. PROBLEMA • Eichmann coronel nazi, em julgamento, defende-se com a ideia de Kant de que agiu em cumprimento do seu dever. • https://www.youtube.com/watch?v=TtXJNcwT1 c • https://www.youtube.com/watch?v=I6l4BJy1rH s