SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Livre Arbitrio
objetivo: Ajudá-los a perceber que o homem é feliz ou infeliz, conforme as escolhas feitas por si mesmo levá-los
a observar que não há fatalidade nos menores acontecimentos da vida e que, muitas vezes, somos os
responsáveis por algo que sai errado; treiná-los na contestação de sofismas.
Opção de Dinâmicas:
A) monitor irá dividir o grupo em pares, e entregar um pedaço de papel a cada dupla, depois pedir para que
um dos componentes passe uma tarefa para o outro componente fazer. Após a conclusão de todos, o
monitor pedirá para que aquele que passou a tarefa a realize.
B) Você já viu aquele jogo do caldeirão do Huck que uma criança entra na cabine,a prova de som e do lado de
fora o apresentar fala ( sem ela ouvir) se ela quer uma geladeira, uma banana e etc... e ela tem que
responder sim ou não?? Podiamos fazer igual , eles colocam fones de ouvido numa musica beemmm alta e
agente mostra uma placa para escolher sim ou não. Agente ofereceria as coisas mais estranhas mas ainda
não pensei no que....
Desenvolvimento da aula: Separar em grupos A, B, C, D e E. Será feita perguntas durante a aula relacionados ao
tema. A primeira pergunta será feita ao grupo A. Que terá 30 segundos para responder. Caso Não saiba a
resposta ou esteja errada o grupo poderá ir até o centro da roda onde estará as resposta de todas as
perguntas da aula ( uns 15 papeis). O grupo escolherá uma resposta e falará para o monitor, caso esteja errado
será sorteado um grupo para responder no mesmo esquema ate acertar. Na próxima pergunta o grupo B que
começa e assim por diante.
Poderia ter um placar e instigar uma competição saudável.
Pedir para comentar sobre: “Tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém.” – Paulo de Tarso .
1) O que é a liberdade? Qual é o grau da liberdade de que dispomos? Por que ela não é total?
* Liberdade é o estado daquele que é livre, a ausência de constrangimentos físicos ou morais. * Nosso grau de
liberdade é limitado. A partir do momento em que dois homens convivem, há direitos recíprocos a respeitar, logo
não existe liberdade completa de ação.
Somente vivendo como eremita o homem pode aspirar a uma completa liberdade de agir. No estágio atual do
planeta, dar aos homens liberdade completa de ação seria instaurar o caos.
2. Perguntar se há algo em que o homem seja totalmente livre.
* No pensamento, o homem é completamente livre, embora deva a Deus contas sobre o que reflete. "Cuidado com
os teus pensamentos: eles gerarão tuas palavras; cuidado c om tuas palavras: elas gerarão tuas atitudes; c
cuidado
com tuas atitudes: elas gerarão teu destino." (Autor desconhecido)
3. Qual a c consequência ia da liberdade de pensar?
Podermos pensar livremente resulta que temos também a liberdade
de consciência. Essa liberdade de consciência se reflete nas nossas crenças e na maneira de nos posicionarmos
diante das mais diversas situações.
4. A pretexto de respeitarmos a liberdade de consciência, devemos deixar que se propaguem ideias
falsas? Devemos buscar esclarecer aqueles que pensam de forma notoriamente equivocada?
* Podem- se reprimir as manifestações externas, mas não há como opor obstáculo à convicção íntima. Podemos e
devemos esclarecer aqueles que seguem ideias falsas, mas devemos fazer isso, a exemplo de Jesus, c om
brandura, sem violência ia, c om paciência e firmeza, lembrando que uma crença não pode ser imposta. A
imposição já produziu muitos incrédulos.
5. Perguntar: O que é o livre- arbítrio? Nós o temos? Por quê?
é a liberdade de dirigir- se a si mesmo, ter a escolha dos próprios atos. T odos temos, pois, do contrário,
seríamos simples máquinas. Se temos a liberdade de pensar, possuímos também a de agir.
6. O livre arbítrio existe sempre no mesmo grau?
É exercido conforme a vontade e as necessidades do homem.
Uma criança, por exemplo, não o utiliza para decidir grandes c coisas, do ponto de vista de um adulto, mas para.
escolher algo como brincar ou assistir à televisão. Nos primeiros anos, quase nula é a liberdade.
7. A sociedade exerce influência sobre o livre- arbítrio?
Sem dúvida a vida em sociedade tem suas exigências, mas que Deus tudo leva em conta. Culpados seremos por
não lutar para modificar uma situação negativa em que nos encontremos. Um exemplo: somos levados pelas
circunstâncias a estudar em uma escola em que o ensino é fraco e nos acomodamos, tirando dela muito menos do
que poderia nos oferecer, quando poderíamos buscar forma de obter tudo o que ela pudesse nos dar e ainda um
pouco mais.
8. E o nosso corpo exerce influencia no livre arbítrio?
O corpo também pode oferece embaraços à livre manifestação do espírito. Contudo, é preciso notar que aquele
não dá as características deste. Um homem violento cujo corpo é forte tem a predisposição para as brigas não
por culpa do seu físico, mas porque a tendência está em seu espírito. Há homens fisicamente fortes que utilizam
sua força para trabalhar, enquanto existem fracos violentos, que só não batem nos outros por lhes faltarem
condições.
9. Segundo o determinismo, doutrina filosófica do século XIX, o homem é: produto do meio, da raça e do
momento histórico. Concorda com isso? Por quê?
* O determinismo é uma doutrina que não leva em conta o espírito, portanto não considera o livre- arbítrio. Sem
a liberdade de decidir sobre seus atos, o homem seria, sim, um produto dos três fatores citados; porém, a partir
do momento em que pode escolher entre fazer algo ou não, pode, embora sofrendo a influência deles, agir de
forma diversa daquela a que eles o predispõem. Se a crença determinista estivesse correta, todos os jovens que
viveram nos anos sessenta, época em que o uso de drogas parecia ser algo normal entre eles, fariam uso de tais
substâncias; todos que fossem criados em meio a bandidos acabariam por se tornar criminosos; todos os
indivíduos de uma determinada raça não conseguiriam se adaptar a uma vida em meio a homens de outra e
gostariam necessariamente das coisas do seu grupo de origem, o que não acontece sempre.
10. Se temos nosso livre- arbítrio e não vivemos em uma ditadura, não está errado que nos sejam
impostas leis gerais e normas de conduta em determinados grupos sociais? A decisão de fazer algo ou não
deve ser norteada pelo bom- senso de cada um?
A vida em sociedade necessita de regras, porque a liberdade e o direito de um só pode ir até onde começa o do
outro. Deixar todas as decisões de conduta à conta do bom- senso é uma temeridade, visto que claramente nem
todos o têm. O estabelecimento de leis e regras não bloqueia o livre- arbítrio, porque o indivíduo pode escolher
fazer ou não o que é ilegal e socialmente recriminado.
11. Quais as consequências morais da existência do livre- arbítrio?
Sendo o homem dotado da liberdade de agir, é ele, quase sempre, responsável pelo que lhe ocorre de bom e de
mau. Aquele que escolhe o c aminho do erro e lhe sofre os resultados mais tarde só de si, e não de Deus, pode
queixar- se. Deus, dando- nos o livre- arbítrio, quer que tenhamos o mérito por nossas boas escolhas e a
responsabilidade pelas más.
12. Há destino? Todos os acontecimentos da vida são predeterminados? Nesse c aso, como fica o livre-
arbítrio?
Antes de encarnar, o espírito normalmente faz a escolha das provas por que crê que deva passar. Pode se dizer
que há o destino em relação a essas provas, ou seja, o homem não tem como se furtar a viver provas que ele
mesmo escolheu em espírito. Isto se refere a provas físicas, pois os acontecimentos da vida moral estão sempre
ligados ao livre- arbítrio. Exemplo: antes de encarnar, João vê que seria bom para ele ter problemas para andar.
Ao encarnar, de uma forma ou de outra, acabará por ter dificuldades para se locomover. A forma, porém, de ele
reagir a isso é de sua escolha.
13. Mas há pessoas que parecem perseguidas pela má sorte, enquanto outras conseguem sucesso em tudo
que tentam. Isso não seria destino?
* Muitas vezes, o espírito sofre uma série de revezes por sua própria culpa, por imprudência ou invigilância.
Outras vezes, escolhe passar por uma vida de infortúnios, para aprender com as dificuldades. Aquele que
aparentemente
Tem mais sorte muitas vezes batalhou muito para alcançar o sucesso, nessa ou em outras vidas; além disso, o
sucesso é uma prova para a vaidade e o orgulho. Frequentemente, atribuímos ao destino um acontecimento que.
ocorreu por nossa inteira Responsabilidade. Fazemos isso porque é mais simples, menos humilhante.
De fatal, mesmo, ou seja, de inevitável, só o *instante* da morte. Não há como "desmorrer".
14. Mas, e no c aso de obsessão, não é inevitável que cometamos certos erros?
* Sem dúvida alguma, pode levar- nos a diversos equívocos, mas a decisão de agir é sempre nossa,
do encarnado. Alguém poderá dizer: "E no caso de subjugação?" É preciso notar que nenhum processo obsessivo
começa por esse estágio. Se ele aí chegou, é porque o encarnado aceitou o início do processo e dele não se livrou,
quando estava no princípio.
15. Diz a sabedoria popular que "Não c ai uma folha da árvore sem que Deus queira". Isso é verdadeiro?
* Provavelmente haverá opiniões conflitantes. Deixar que fossem manifestadas. Em seguida, mostrar- lhes que,
se
assim fosse Deus quereria o mal também, visto que rotineiramente ele acontece. Além disso, Deus seria culpado
por coisas que o homem faz utilizando- se do seu livre- arbítrio. Se tudo acontecesse conforme a vontade de
Deus, nós não erraríamos tanto, porque ele, sendo justo e bom, certamente quer que evoluamos sem tantos
sofrimentos
desnecessários que nos impomos.
Atribuir todos os acontecimentos à vontade de Deus é buscar isentar- se de responsabilidades e negar uma das
melhores coisas que ele nos deu: o livre- arbítrio. Tudo que acontece foi ""permitido"" por Deus, que muitas
vezes percebe no aparente mal uma possibilidade de crescimento para os envolvidos.
16. A alteração das faculdades intelectuais pela embriaguez desculpa os atos repreensíveis?
— Não, pois o ébrio voluntariamente se priva da razão para satisfazer paixões brutais: em lugar de uma
falta, comete duas.
17. Qual é, no homem em estado selvagem, a faculdade dominante: o instinto ou o livre-arbítrio?
— O instinto, o que não o impede de agir com inteira liberdade em certas coisas. Mas, como a criança, ele
aplica essa liberdade às suas necessidades e ela se desenvolve com a inteligência. Por conseguinte, tu, que és
mais esclarecido que um selvagem, és também mais responsável que ele pelo que fazes.
18. A posição social não é, às vezes, um obstáculo à inteira liberdade de ação?
— O mundo tem, sem duvida, as suas exigências. Deus é justo e tudo leva em conta, mas vos deixa a
responsabilidade dos poucos esforços que fazeis para superar os obstáculos.
Subjugação Etapa grave no curso das obsessões, caracterizada pela perda do discernimento e da emoção, o estágio da subjugação
representa o clímax do processo ultriz que o adversário desencarnado impõe à sua vítima, em torpe tentativa de aniquilar lhe a existência
física.
Determinismo - A ênfase do determinismo - A liberdade não existe, pois o homem é sempre determinado, seja por sua natureza
biológica ( necessidade e instintos) seja por sua natureza histórico-social ( leis, normas , costumes). Ou seja, as ações individuais seriam
causadas e determinadas por fatores naturais ou constrangimentos sociais, e a liberdade seria apenas uma ilusão. Essa concepção encontra-
se presente no pensamento de filósofos materialistas do século XVII tais como os franceses Helvetius( 1715-1771) e Holbach ( 1723-1789)
Liberdade e Responsabilidade
É o caso dos policiais, eles são a figura maior do cumprimento da lei, no entanto têm a responsabilidade de dar o
bom exemplo para os cidadãos.
Todos que abusam de sua liberdade cedo ou tarde respondem perante a lei dos homens e a lei natural,
como a época da escravidão que desapareceu de acordo com a lei natural de progresso. Igualmente devemos
ser responsáveis com relação a liberdade que nos é dada por nossos pais.
Lei de causa e efeito
É importante a nossa disciplina para com o estudo, levar a sério a escola, pois esta será a base para os
conhecimentos maiores do futuro.
Eu sou responsável pelo meu próximo à medida que o amo, mas a felicidade ou infelicidade dele não depende de
mim. O que quero dizer é que somos indivíduos e, como tal, somos sempre os responsáveis pelas nossas próprias
escolhas.
Costumamos culpar outros quando nos sentimos infelizes ou quando fracassamos em algo.
"Quando formos culpar os outros pelos nossos fracassos, devemos tentar também dar a eles o mérito das nossas
vitórias."
Muitas vezes dizemos que as pessoas nos decepcionam e elas não estão nem aí. E sabem por quê? Porque elas não
tinham a mínima ideia do que esperávamos delas. Nesse caso, elas não nos decepcionaram, somos nós que nos
sentimos decepcionados, o que é bem diferente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instinto e inteligência
Instinto e inteligênciaInstinto e inteligência
Instinto e inteligência
Shantappa Jewur
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
alice martins
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
CeiClarencio
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
Jorge Luiz dos Santos
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
Graça Maciel
 

Mais procurados (20)

Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
 
Instinto e inteligência
Instinto e inteligênciaInstinto e inteligência
Instinto e inteligência
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
 
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildadeCapítulo vii – o orgulho e a humildade
Capítulo vii – o orgulho e a humildade
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
 
Reuniões Mediúnicas
Reuniões MediúnicasReuniões Mediúnicas
Reuniões Mediúnicas
 
Principio vital
Principio vitalPrincipio vital
Principio vital
 
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 -  Umbral e Colônias EspirituaisAula 2 -  Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
 
Evolução segundo espiritismo
Evolução segundo espiritismoEvolução segundo espiritismo
Evolução segundo espiritismo
 
Palestra a reencarnacao
Palestra   a reencarnacaoPalestra   a reencarnacao
Palestra a reencarnacao
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
Roteiro 4 progressão dos espíritos
Roteiro  4   progressão dos espíritosRoteiro  4   progressão dos espíritos
Roteiro 4 progressão dos espíritos
 
O Passe
O PasseO Passe
O Passe
 
Palestra - O Despertar da Consciência Espiritual - Rosana De Rosa-Palestra
Palestra - O Despertar da Consciência Espiritual  - Rosana De Rosa-PalestraPalestra - O Despertar da Consciência Espiritual  - Rosana De Rosa-Palestra
Palestra - O Despertar da Consciência Espiritual - Rosana De Rosa-Palestra
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
 

Semelhante a Livre arbitrio e Espiritismo

Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Marta Gomes
 
Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1
becresforte
 
O princípio de ação e reação
O princípio de ação e reaçãoO princípio de ação e reação
O princípio de ação e reação
Vania Moura
 
O princípio de ação e reação
O princípio de ação e reaçãoO princípio de ação e reação
O princípio de ação e reação
Vania Moura
 
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
RafaelaQueiros
 
Esboço o que é livre-arbítrio
Esboço o que é livre-arbítrioEsboço o que é livre-arbítrio
Esboço o que é livre-arbítrio
Helio Cruz
 
Aula 13 Liberdade e conhecimento - Espinosa
Aula 13   Liberdade e conhecimento - EspinosaAula 13   Liberdade e conhecimento - Espinosa
Aula 13 Liberdade e conhecimento - Espinosa
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O Que é livre-arbítrio
O Que é livre-arbítrioO Que é livre-arbítrio
O Que é livre-arbítrio
Helio Cruz
 

Semelhante a Livre arbitrio e Espiritismo (20)

Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
 
Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1
 
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 CapituloEtica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
 
O princípio de ação e reação
O princípio de ação e reaçãoO princípio de ação e reação
O princípio de ação e reação
 
O princípio de ação e reação
O princípio de ação e reaçãoO princípio de ação e reação
O princípio de ação e reação
 
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convémTudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
A maldade do ser humano
A maldade do ser humanoA maldade do ser humano
A maldade do ser humano
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMOAULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
 
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
 
Aula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticosAula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticos
 
O nosso direito de escolher
O nosso direito de escolherO nosso direito de escolher
O nosso direito de escolher
 
Reforma intima real
Reforma intima realReforma intima real
Reforma intima real
 
Esboço o que é livre-arbítrio
Esboço o que é livre-arbítrioEsboço o que é livre-arbítrio
Esboço o que é livre-arbítrio
 
O nosso direito de escolher
O nosso direito de escolherO nosso direito de escolher
O nosso direito de escolher
 
Aula 13 Liberdade e conhecimento - Espinosa
Aula 13   Liberdade e conhecimento - EspinosaAula 13   Liberdade e conhecimento - Espinosa
Aula 13 Liberdade e conhecimento - Espinosa
 
O Que é livre-arbítrio
O Que é livre-arbítrioO Que é livre-arbítrio
O Que é livre-arbítrio
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
 

Mais de Mocidade Bezzerra de Menezes

Mais de Mocidade Bezzerra de Menezes (20)

O povo hebreu 2016
O povo hebreu 2016O povo hebreu 2016
O povo hebreu 2016
 
Gestação E Espirismo
Gestação E EspirismoGestação E Espirismo
Gestação E Espirismo
 
Aula Lei de reprodução - Espiritismo
Aula Lei de reprodução - EspiritismoAula Lei de reprodução - Espiritismo
Aula Lei de reprodução - Espiritismo
 
Aula Fé e a Prece
Aula Fé e a PreceAula Fé e a Prece
Aula Fé e a Prece
 
Deficiências e Espiritismo
Deficiências e EspiritismoDeficiências e Espiritismo
Deficiências e Espiritismo
 
Aula honrar pai e mae 3ciclo 2010
Aula honrar pai e mae 3ciclo 2010Aula honrar pai e mae 3ciclo 2010
Aula honrar pai e mae 3ciclo 2010
 
Doença sexualmente transmissível e Espiritismo
Doença sexualmente transmissível e EspiritismoDoença sexualmente transmissível e Espiritismo
Doença sexualmente transmissível e Espiritismo
 
Aula parabola do semeador 2013 m1
Aula parabola do semeador 2013 m1Aula parabola do semeador 2013 m1
Aula parabola do semeador 2013 m1
 
Aula Celular
Aula Celular Aula Celular
Aula Celular
 
Aula Introdução a Mediunidade
Aula Introdução a MediunidadeAula Introdução a Mediunidade
Aula Introdução a Mediunidade
 
Caridade com o proximo
Caridade com o proximoCaridade com o proximo
Caridade com o proximo
 
Aula maior mandamento
Aula maior mandamentoAula maior mandamento
Aula maior mandamento
 
Amar ao proximo Familia
Amar ao proximo FamiliaAmar ao proximo Familia
Amar ao proximo Familia
 
Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
Aula responsabilidade e disciplina 3ciclo 2010
 
Aula Reencarnação
Aula Reencarnação Aula Reencarnação
Aula Reencarnação
 
Aula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento ReencarnatórioAula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento Reencarnatório
 
Aula porque nasci
Aula porque nasciAula porque nasci
Aula porque nasci
 
Aula fidelidade 2014
Aula fidelidade 2014Aula fidelidade 2014
Aula fidelidade 2014
 
Aborto e suas Consequências
Aborto e suas Consequências Aborto e suas Consequências
Aborto e suas Consequências
 
Aborto e Espiritimo
Aborto e EspiritimoAborto e Espiritimo
Aborto e Espiritimo
 

Último

Último (7)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 

Livre arbitrio e Espiritismo

  • 1. Livre Arbitrio objetivo: Ajudá-los a perceber que o homem é feliz ou infeliz, conforme as escolhas feitas por si mesmo levá-los a observar que não há fatalidade nos menores acontecimentos da vida e que, muitas vezes, somos os responsáveis por algo que sai errado; treiná-los na contestação de sofismas. Opção de Dinâmicas: A) monitor irá dividir o grupo em pares, e entregar um pedaço de papel a cada dupla, depois pedir para que um dos componentes passe uma tarefa para o outro componente fazer. Após a conclusão de todos, o monitor pedirá para que aquele que passou a tarefa a realize. B) Você já viu aquele jogo do caldeirão do Huck que uma criança entra na cabine,a prova de som e do lado de fora o apresentar fala ( sem ela ouvir) se ela quer uma geladeira, uma banana e etc... e ela tem que responder sim ou não?? Podiamos fazer igual , eles colocam fones de ouvido numa musica beemmm alta e agente mostra uma placa para escolher sim ou não. Agente ofereceria as coisas mais estranhas mas ainda não pensei no que.... Desenvolvimento da aula: Separar em grupos A, B, C, D e E. Será feita perguntas durante a aula relacionados ao tema. A primeira pergunta será feita ao grupo A. Que terá 30 segundos para responder. Caso Não saiba a resposta ou esteja errada o grupo poderá ir até o centro da roda onde estará as resposta de todas as perguntas da aula ( uns 15 papeis). O grupo escolherá uma resposta e falará para o monitor, caso esteja errado será sorteado um grupo para responder no mesmo esquema ate acertar. Na próxima pergunta o grupo B que começa e assim por diante. Poderia ter um placar e instigar uma competição saudável. Pedir para comentar sobre: “Tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém.” – Paulo de Tarso . 1) O que é a liberdade? Qual é o grau da liberdade de que dispomos? Por que ela não é total? * Liberdade é o estado daquele que é livre, a ausência de constrangimentos físicos ou morais. * Nosso grau de liberdade é limitado. A partir do momento em que dois homens convivem, há direitos recíprocos a respeitar, logo não existe liberdade completa de ação. Somente vivendo como eremita o homem pode aspirar a uma completa liberdade de agir. No estágio atual do planeta, dar aos homens liberdade completa de ação seria instaurar o caos. 2. Perguntar se há algo em que o homem seja totalmente livre. * No pensamento, o homem é completamente livre, embora deva a Deus contas sobre o que reflete. "Cuidado com os teus pensamentos: eles gerarão tuas palavras; cuidado c om tuas palavras: elas gerarão tuas atitudes; c cuidado com tuas atitudes: elas gerarão teu destino." (Autor desconhecido) 3. Qual a c consequência ia da liberdade de pensar? Podermos pensar livremente resulta que temos também a liberdade de consciência. Essa liberdade de consciência se reflete nas nossas crenças e na maneira de nos posicionarmos diante das mais diversas situações. 4. A pretexto de respeitarmos a liberdade de consciência, devemos deixar que se propaguem ideias falsas? Devemos buscar esclarecer aqueles que pensam de forma notoriamente equivocada? * Podem- se reprimir as manifestações externas, mas não há como opor obstáculo à convicção íntima. Podemos e devemos esclarecer aqueles que seguem ideias falsas, mas devemos fazer isso, a exemplo de Jesus, c om brandura, sem violência ia, c om paciência e firmeza, lembrando que uma crença não pode ser imposta. A imposição já produziu muitos incrédulos. 5. Perguntar: O que é o livre- arbítrio? Nós o temos? Por quê? é a liberdade de dirigir- se a si mesmo, ter a escolha dos próprios atos. T odos temos, pois, do contrário, seríamos simples máquinas. Se temos a liberdade de pensar, possuímos também a de agir. 6. O livre arbítrio existe sempre no mesmo grau? É exercido conforme a vontade e as necessidades do homem. Uma criança, por exemplo, não o utiliza para decidir grandes c coisas, do ponto de vista de um adulto, mas para. escolher algo como brincar ou assistir à televisão. Nos primeiros anos, quase nula é a liberdade.
  • 2. 7. A sociedade exerce influência sobre o livre- arbítrio? Sem dúvida a vida em sociedade tem suas exigências, mas que Deus tudo leva em conta. Culpados seremos por não lutar para modificar uma situação negativa em que nos encontremos. Um exemplo: somos levados pelas circunstâncias a estudar em uma escola em que o ensino é fraco e nos acomodamos, tirando dela muito menos do que poderia nos oferecer, quando poderíamos buscar forma de obter tudo o que ela pudesse nos dar e ainda um pouco mais. 8. E o nosso corpo exerce influencia no livre arbítrio? O corpo também pode oferece embaraços à livre manifestação do espírito. Contudo, é preciso notar que aquele não dá as características deste. Um homem violento cujo corpo é forte tem a predisposição para as brigas não por culpa do seu físico, mas porque a tendência está em seu espírito. Há homens fisicamente fortes que utilizam sua força para trabalhar, enquanto existem fracos violentos, que só não batem nos outros por lhes faltarem condições. 9. Segundo o determinismo, doutrina filosófica do século XIX, o homem é: produto do meio, da raça e do momento histórico. Concorda com isso? Por quê? * O determinismo é uma doutrina que não leva em conta o espírito, portanto não considera o livre- arbítrio. Sem a liberdade de decidir sobre seus atos, o homem seria, sim, um produto dos três fatores citados; porém, a partir do momento em que pode escolher entre fazer algo ou não, pode, embora sofrendo a influência deles, agir de forma diversa daquela a que eles o predispõem. Se a crença determinista estivesse correta, todos os jovens que viveram nos anos sessenta, época em que o uso de drogas parecia ser algo normal entre eles, fariam uso de tais substâncias; todos que fossem criados em meio a bandidos acabariam por se tornar criminosos; todos os indivíduos de uma determinada raça não conseguiriam se adaptar a uma vida em meio a homens de outra e gostariam necessariamente das coisas do seu grupo de origem, o que não acontece sempre. 10. Se temos nosso livre- arbítrio e não vivemos em uma ditadura, não está errado que nos sejam impostas leis gerais e normas de conduta em determinados grupos sociais? A decisão de fazer algo ou não deve ser norteada pelo bom- senso de cada um? A vida em sociedade necessita de regras, porque a liberdade e o direito de um só pode ir até onde começa o do outro. Deixar todas as decisões de conduta à conta do bom- senso é uma temeridade, visto que claramente nem todos o têm. O estabelecimento de leis e regras não bloqueia o livre- arbítrio, porque o indivíduo pode escolher fazer ou não o que é ilegal e socialmente recriminado. 11. Quais as consequências morais da existência do livre- arbítrio? Sendo o homem dotado da liberdade de agir, é ele, quase sempre, responsável pelo que lhe ocorre de bom e de mau. Aquele que escolhe o c aminho do erro e lhe sofre os resultados mais tarde só de si, e não de Deus, pode queixar- se. Deus, dando- nos o livre- arbítrio, quer que tenhamos o mérito por nossas boas escolhas e a responsabilidade pelas más. 12. Há destino? Todos os acontecimentos da vida são predeterminados? Nesse c aso, como fica o livre- arbítrio? Antes de encarnar, o espírito normalmente faz a escolha das provas por que crê que deva passar. Pode se dizer que há o destino em relação a essas provas, ou seja, o homem não tem como se furtar a viver provas que ele mesmo escolheu em espírito. Isto se refere a provas físicas, pois os acontecimentos da vida moral estão sempre ligados ao livre- arbítrio. Exemplo: antes de encarnar, João vê que seria bom para ele ter problemas para andar. Ao encarnar, de uma forma ou de outra, acabará por ter dificuldades para se locomover. A forma, porém, de ele reagir a isso é de sua escolha. 13. Mas há pessoas que parecem perseguidas pela má sorte, enquanto outras conseguem sucesso em tudo que tentam. Isso não seria destino? * Muitas vezes, o espírito sofre uma série de revezes por sua própria culpa, por imprudência ou invigilância. Outras vezes, escolhe passar por uma vida de infortúnios, para aprender com as dificuldades. Aquele que aparentemente Tem mais sorte muitas vezes batalhou muito para alcançar o sucesso, nessa ou em outras vidas; além disso, o sucesso é uma prova para a vaidade e o orgulho. Frequentemente, atribuímos ao destino um acontecimento que. ocorreu por nossa inteira Responsabilidade. Fazemos isso porque é mais simples, menos humilhante. De fatal, mesmo, ou seja, de inevitável, só o *instante* da morte. Não há como "desmorrer".
  • 3. 14. Mas, e no c aso de obsessão, não é inevitável que cometamos certos erros? * Sem dúvida alguma, pode levar- nos a diversos equívocos, mas a decisão de agir é sempre nossa, do encarnado. Alguém poderá dizer: "E no caso de subjugação?" É preciso notar que nenhum processo obsessivo começa por esse estágio. Se ele aí chegou, é porque o encarnado aceitou o início do processo e dele não se livrou, quando estava no princípio. 15. Diz a sabedoria popular que "Não c ai uma folha da árvore sem que Deus queira". Isso é verdadeiro? * Provavelmente haverá opiniões conflitantes. Deixar que fossem manifestadas. Em seguida, mostrar- lhes que, se assim fosse Deus quereria o mal também, visto que rotineiramente ele acontece. Além disso, Deus seria culpado por coisas que o homem faz utilizando- se do seu livre- arbítrio. Se tudo acontecesse conforme a vontade de Deus, nós não erraríamos tanto, porque ele, sendo justo e bom, certamente quer que evoluamos sem tantos sofrimentos desnecessários que nos impomos. Atribuir todos os acontecimentos à vontade de Deus é buscar isentar- se de responsabilidades e negar uma das melhores coisas que ele nos deu: o livre- arbítrio. Tudo que acontece foi ""permitido"" por Deus, que muitas vezes percebe no aparente mal uma possibilidade de crescimento para os envolvidos. 16. A alteração das faculdades intelectuais pela embriaguez desculpa os atos repreensíveis? — Não, pois o ébrio voluntariamente se priva da razão para satisfazer paixões brutais: em lugar de uma falta, comete duas. 17. Qual é, no homem em estado selvagem, a faculdade dominante: o instinto ou o livre-arbítrio? — O instinto, o que não o impede de agir com inteira liberdade em certas coisas. Mas, como a criança, ele aplica essa liberdade às suas necessidades e ela se desenvolve com a inteligência. Por conseguinte, tu, que és mais esclarecido que um selvagem, és também mais responsável que ele pelo que fazes. 18. A posição social não é, às vezes, um obstáculo à inteira liberdade de ação? — O mundo tem, sem duvida, as suas exigências. Deus é justo e tudo leva em conta, mas vos deixa a responsabilidade dos poucos esforços que fazeis para superar os obstáculos. Subjugação Etapa grave no curso das obsessões, caracterizada pela perda do discernimento e da emoção, o estágio da subjugação representa o clímax do processo ultriz que o adversário desencarnado impõe à sua vítima, em torpe tentativa de aniquilar lhe a existência física. Determinismo - A ênfase do determinismo - A liberdade não existe, pois o homem é sempre determinado, seja por sua natureza biológica ( necessidade e instintos) seja por sua natureza histórico-social ( leis, normas , costumes). Ou seja, as ações individuais seriam causadas e determinadas por fatores naturais ou constrangimentos sociais, e a liberdade seria apenas uma ilusão. Essa concepção encontra- se presente no pensamento de filósofos materialistas do século XVII tais como os franceses Helvetius( 1715-1771) e Holbach ( 1723-1789) Liberdade e Responsabilidade É o caso dos policiais, eles são a figura maior do cumprimento da lei, no entanto têm a responsabilidade de dar o bom exemplo para os cidadãos. Todos que abusam de sua liberdade cedo ou tarde respondem perante a lei dos homens e a lei natural, como a época da escravidão que desapareceu de acordo com a lei natural de progresso. Igualmente devemos ser responsáveis com relação a liberdade que nos é dada por nossos pais. Lei de causa e efeito É importante a nossa disciplina para com o estudo, levar a sério a escola, pois esta será a base para os conhecimentos maiores do futuro. Eu sou responsável pelo meu próximo à medida que o amo, mas a felicidade ou infelicidade dele não depende de mim. O que quero dizer é que somos indivíduos e, como tal, somos sempre os responsáveis pelas nossas próprias escolhas.
  • 4. Costumamos culpar outros quando nos sentimos infelizes ou quando fracassamos em algo. "Quando formos culpar os outros pelos nossos fracassos, devemos tentar também dar a eles o mérito das nossas vitórias." Muitas vezes dizemos que as pessoas nos decepcionam e elas não estão nem aí. E sabem por quê? Porque elas não tinham a mínima ideia do que esperávamos delas. Nesse caso, elas não nos decepcionaram, somos nós que nos sentimos decepcionados, o que é bem diferente.