SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
ESTUDA OS ARGUMENTOS NÃO
APENAS DO PONTO DE VISTA DA SUA
VALIDADE FORMAL MAS TAMBÉM
DO PONTO DE VISTA DO SEU
CONTEÚDO.
Lógica informal -
Argumentação
Distinção entre dois tipos de raciocínios:
Dedutivos.
A validade depende da sua
forma.
A conclusão segue-se
necessariamente das
premissas
No argumento válido, se as
premissas são verdadeiras
a conclusão também é
verdadeira.
Não dedutivos.
(indutivos, analogia, de
causas e de autoridade)
Não têm forma lógica.
As premissas podem ser
verdadeiras mas a
conclusão é apenas
provavelmente
verdadeira.
Distinção entre o plano da lógica formal e informal
 A Lógica formal
 Distingue argumentos
válidos ou inválidos
segundo a sua forma.
 Prescinde das referências
ao auditório e ao contexto
 Impessoal, não implica a
discussão de pontos de
vista. Pretende
demonstrar.
 Lógica informal
 A validade depende do
conteúdo das premissas e
da conclusão.
 Não prescinde das
referências ao auditório e
ao contexto.
 Destina-se a persuadir
um auditório sem que
este seja forçado a aceitar
as conclusões do orador.
Argumentação e retórica.
A retórica é a arte de persuadir pelo discurso.
O plano da argumentação é o plano da discussão em
que prevalece o que tem argumentos mais
convincentes e consegue persuadir o outro.
Onde se discute a plausibilidade das razões
apresentadas.
Em caso de não sabermos a verdade, podemos
aceitar o mais plausível. O auditório e o contexto são
importantes.
Tipos de argumentos utilizados no
discurso persuasivo:
Indutivos
De Analogia
De autoridade
qualificada
De causas
ARGUMENTO 1: INDUÇÃO
Pode ser uma generalização e uma previsão. A
partir de certos casos, conclui-se para todos ou para
a maioria.
EXEMPLO: O vírus da gripe o ano passado fez
9 vítimas em Portugal
Dessas 9 vítimas 8 estavam hospitalizadas e
eram provenientes de lares de terceira
idade.
Logo, os idosos em lares são mais
vulneráveis ao vírus e devem ser vacinados.
8 das pessoas que morrem com o vírus da gripe são idosos,
logo, os idosos são mais vulneráveis ao vírus da gripe.
Argumentos por indução:
1. Parte de exemplos particulares para uma
conclusão geral. GENERALIZAÇÃO
Ou
Parte de uma premissa geral para concluir para o
futuro um caso particular.
PREVISÃO
EXEMPLO: O Sr João está no hospital, é
idoso, logo, é mais vulnerável ao vírus da
gripe.
Regras para uma indução ser válida
Ter uma amostra ampla
Os casos têm que ser representativos.
Não omitir dados relevantes.
Não pode ter contra exemplos fortes.
Argumento 2: Analogia
Uma analogia é uma comparação entre coisas
diferentes mas onde é realçado algo de comum que é
importante para colocar em evidência o tópico que
queremos mostrar ou concluir.
Exemplo de um argumento por analogia
Catwoman:Para queCatwoman:Para que
queres tu o teuqueres tu o teu
mordomo? Nãomordomo? Não
precisas dele.precisas dele.
►Batman: TuBatman: Tu
também nãotambém não
precisas de jóiasprecisas de jóias
mas não podesmas não podes
passar sem elas.passar sem elas.
Regras para uma analogia válida/forte
Não haver diferenças relevantes.
As semelhanças devem ser suficientes para aceitar a
conclusão
Haver semelhanças relevantes para o tópico que
queremos concluir.
Argumento 3: Autoridade Qualificada
Recorre-se a uma autoridade no assunto que
queremos tratar.
Esta autoridade tem de ser reconhecida pelos seus
pares.
Deve ser exposto o recurso às fontes.
Não pode haver divergências relevantes entre várias
autoridades reconhecidas.
São argumentos geralmente falaciosos no caso da
Filosofia
►O mayor e aO mayor e a
assembleia deassembleia de
cidadãoscidadãos
aprovaramaprovaram
regras muitoregras muito
claras contra aclaras contra a
criminalidade.criminalidade.
Logo, aLogo, a
criminalidadecriminalidade
deve serdeve ser
castigadacastigada
Encadeamento de causas
Causa efeito entre
fenómenos
 Busca-se a correlação
entre vários factos.
 Tudo o que acontece não
tem uma só causa, é
preciso encontrar as
causas mais prováveis.
 É preciso também
fundamentar com
estudos de causa efeito
sobre os fenómenos que
queremos defender.
Argumento de causas
Exemplo de um encadeamento de causas
O desemprego causa mau estar. Há muito
desemprego na sociedade ocidental. Por outro lado
há valores de sucesso que pressionam e são injustos.
Há também muitos que vieram de outras culturas e
não têm sentimentos de pertença. O
desenraizamento cultural pode também causar mal
estar. O mau estar pode crescer até ao efeito de ódio.
Logo, o terrorismo é um fenómeno de exclusão
social.
Avaliar os
argumentos
Critérios para um bom argumento:
1.Devem ter premissas verdadeiras ou
plausíveis, isto é bem justificadas com
factos e o uso de fontes reconhecidas.
2. Devem ter informação suficiente (isto é
exemplos que sejam conhecidos e em
número suficiente, ou razões bem
encadeadas) para aceitar a conclusão.
3. Não devem fazer omissão de dados,
nem mostrar dados tendenciosos,
omitindo contraexemplos que podem
anular o que se pretende concluir.
4. Devem ter exemplos e razões
relevantes, isto é, que tenham uma
relação forte com a tese que se quer
defender.
Retórica a arte de persuadir
Persuadir significa poder
encaminhar alguém a
aceitar uma ideia que
não tinha ou que
rejeitava. Isso deve ser
feito através de razões
que são relevantes para o
interlocutor.
Podemos persuadir com
ou sem manipulação. Em
geral as falácias são
persuasivas no
sentido manipulador.
Os elementos que contribuem para a
persuasão:
LOGOS
(o discurso e a
argumentação
utilizada)
O PATHOS
(O estado emocional do
auditório)
O ETHOS
(O comportamento do
orador)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Argumentos e Falácias
Argumentos e FaláciasArgumentos e Falácias
Argumentos e Falácias
Isaque Tomé
 
Lógica informal argumentação
Lógica informal   argumentaçãoLógica informal   argumentação
Lógica informal argumentação
Helena Serrão
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípio
Luis De Sousa Rodrigues
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Lista_falácias_informais
Lista_falácias_informaisLista_falácias_informais
Lista_falácias_informais
Isabel Moura
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
Filazambuja
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Argumentos e Falácias
Argumentos e FaláciasArgumentos e Falácias
Argumentos e Falácias
 
Lógica informal argumentação
Lógica informal   argumentaçãoLógica informal   argumentação
Lógica informal argumentação
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípio
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Logica formal e_informal
Logica formal e_informalLogica formal e_informal
Logica formal e_informal
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
 
Lista_falácias_informais
Lista_falácias_informaisLista_falácias_informais
Lista_falácias_informais
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 

Semelhante a Logica informal

Artigo de opinião @profkbrito
Artigo de opinião   @profkbritoArtigo de opinião   @profkbrito
Artigo de opinião @profkbrito
Kleber Brito
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
Isis Barros
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
waltermoreira
 
Breve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofiaBreve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofia
Adriana Cahongo
 

Semelhante a Logica informal (20)

1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
 
Tipos de Argumentos
Tipos de ArgumentosTipos de Argumentos
Tipos de Argumentos
 
Falácias lógicas.pptx
Falácias lógicas.pptxFalácias lógicas.pptx
Falácias lógicas.pptx
 
Artigo de Opinião
Artigo de OpiniãoArtigo de Opinião
Artigo de Opinião
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
 
Artigo de opinião @profkbrito
Artigo de opinião   @profkbritoArtigo de opinião   @profkbrito
Artigo de opinião @profkbrito
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
metodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.pptmetodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.ppt
 
metodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.pptmetodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.ppt
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Dissertação esquema básico 2014
Dissertação esquema básico 2014Dissertação esquema básico 2014
Dissertação esquema básico 2014
 
Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
tipos de falácias.docx
tipos de falácias.docxtipos de falácias.docx
tipos de falácias.docx
 
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
 
Breve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofiaBreve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofia
 
Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Argumentos indutivos.pptx
Argumentos indutivos.pptxArgumentos indutivos.pptx
Argumentos indutivos.pptx
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 

Último

O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
azulassessoria9
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 

Logica informal

  • 1. ESTUDA OS ARGUMENTOS NÃO APENAS DO PONTO DE VISTA DA SUA VALIDADE FORMAL MAS TAMBÉM DO PONTO DE VISTA DO SEU CONTEÚDO. Lógica informal - Argumentação
  • 2. Distinção entre dois tipos de raciocínios: Dedutivos. A validade depende da sua forma. A conclusão segue-se necessariamente das premissas No argumento válido, se as premissas são verdadeiras a conclusão também é verdadeira. Não dedutivos. (indutivos, analogia, de causas e de autoridade) Não têm forma lógica. As premissas podem ser verdadeiras mas a conclusão é apenas provavelmente verdadeira.
  • 3. Distinção entre o plano da lógica formal e informal  A Lógica formal  Distingue argumentos válidos ou inválidos segundo a sua forma.  Prescinde das referências ao auditório e ao contexto  Impessoal, não implica a discussão de pontos de vista. Pretende demonstrar.  Lógica informal  A validade depende do conteúdo das premissas e da conclusão.  Não prescinde das referências ao auditório e ao contexto.  Destina-se a persuadir um auditório sem que este seja forçado a aceitar as conclusões do orador.
  • 4. Argumentação e retórica. A retórica é a arte de persuadir pelo discurso. O plano da argumentação é o plano da discussão em que prevalece o que tem argumentos mais convincentes e consegue persuadir o outro. Onde se discute a plausibilidade das razões apresentadas. Em caso de não sabermos a verdade, podemos aceitar o mais plausível. O auditório e o contexto são importantes.
  • 5.
  • 6. Tipos de argumentos utilizados no discurso persuasivo: Indutivos De Analogia De autoridade qualificada De causas
  • 7. ARGUMENTO 1: INDUÇÃO Pode ser uma generalização e uma previsão. A partir de certos casos, conclui-se para todos ou para a maioria. EXEMPLO: O vírus da gripe o ano passado fez 9 vítimas em Portugal Dessas 9 vítimas 8 estavam hospitalizadas e eram provenientes de lares de terceira idade. Logo, os idosos em lares são mais vulneráveis ao vírus e devem ser vacinados.
  • 8. 8 das pessoas que morrem com o vírus da gripe são idosos, logo, os idosos são mais vulneráveis ao vírus da gripe.
  • 9. Argumentos por indução: 1. Parte de exemplos particulares para uma conclusão geral. GENERALIZAÇÃO Ou Parte de uma premissa geral para concluir para o futuro um caso particular. PREVISÃO EXEMPLO: O Sr João está no hospital, é idoso, logo, é mais vulnerável ao vírus da gripe.
  • 10. Regras para uma indução ser válida Ter uma amostra ampla Os casos têm que ser representativos. Não omitir dados relevantes. Não pode ter contra exemplos fortes.
  • 11. Argumento 2: Analogia Uma analogia é uma comparação entre coisas diferentes mas onde é realçado algo de comum que é importante para colocar em evidência o tópico que queremos mostrar ou concluir.
  • 12. Exemplo de um argumento por analogia Catwoman:Para queCatwoman:Para que queres tu o teuqueres tu o teu mordomo? Nãomordomo? Não precisas dele.precisas dele. ►Batman: TuBatman: Tu também nãotambém não precisas de jóiasprecisas de jóias mas não podesmas não podes passar sem elas.passar sem elas.
  • 13. Regras para uma analogia válida/forte Não haver diferenças relevantes. As semelhanças devem ser suficientes para aceitar a conclusão Haver semelhanças relevantes para o tópico que queremos concluir.
  • 14. Argumento 3: Autoridade Qualificada Recorre-se a uma autoridade no assunto que queremos tratar. Esta autoridade tem de ser reconhecida pelos seus pares. Deve ser exposto o recurso às fontes. Não pode haver divergências relevantes entre várias autoridades reconhecidas. São argumentos geralmente falaciosos no caso da Filosofia
  • 15. ►O mayor e aO mayor e a assembleia deassembleia de cidadãoscidadãos aprovaramaprovaram regras muitoregras muito claras contra aclaras contra a criminalidade.criminalidade. Logo, aLogo, a criminalidadecriminalidade deve serdeve ser castigadacastigada
  • 16. Encadeamento de causas Causa efeito entre fenómenos  Busca-se a correlação entre vários factos.  Tudo o que acontece não tem uma só causa, é preciso encontrar as causas mais prováveis.  É preciso também fundamentar com estudos de causa efeito sobre os fenómenos que queremos defender. Argumento de causas
  • 17. Exemplo de um encadeamento de causas O desemprego causa mau estar. Há muito desemprego na sociedade ocidental. Por outro lado há valores de sucesso que pressionam e são injustos. Há também muitos que vieram de outras culturas e não têm sentimentos de pertença. O desenraizamento cultural pode também causar mal estar. O mau estar pode crescer até ao efeito de ódio. Logo, o terrorismo é um fenómeno de exclusão social.
  • 18. Avaliar os argumentos Critérios para um bom argumento: 1.Devem ter premissas verdadeiras ou plausíveis, isto é bem justificadas com factos e o uso de fontes reconhecidas. 2. Devem ter informação suficiente (isto é exemplos que sejam conhecidos e em número suficiente, ou razões bem encadeadas) para aceitar a conclusão. 3. Não devem fazer omissão de dados, nem mostrar dados tendenciosos, omitindo contraexemplos que podem anular o que se pretende concluir. 4. Devem ter exemplos e razões relevantes, isto é, que tenham uma relação forte com a tese que se quer defender.
  • 19. Retórica a arte de persuadir Persuadir significa poder encaminhar alguém a aceitar uma ideia que não tinha ou que rejeitava. Isso deve ser feito através de razões que são relevantes para o interlocutor. Podemos persuadir com ou sem manipulação. Em geral as falácias são persuasivas no sentido manipulador.
  • 20. Os elementos que contribuem para a persuasão: LOGOS (o discurso e a argumentação utilizada) O PATHOS (O estado emocional do auditório) O ETHOS (O comportamento do orador)