SlideShare uma empresa Scribd logo
I. Kant (1724-1804)

O Criticismo como forma de
superação relativamente ao
 empirismo e racionalismo.
O que aproveita do…
         Empirismo                      Racionalismo
• Para Kant é importante       • Apesar do conhecimento
  ressalvar que o                ser inicialmente
  conhecimento versa sobre       empírico, deve tentar-se
  os objectos exteriores. Só     salvaguardar a
  assim é possível o             universalidade do
  conhecimento progredir.        conhecimento.
Os juízos da Ciência: Características
       Juízo Sintético                    a priori
• Forma de juízo oriundo da    • Juízo independente da
  experiência em que o           experiência. Garantia de
  predicado não está contido     universalidade e
  no sujeito. Aumenta o          necessidade.
  conhecimento

• Ex: "Todos os habitantes     Ex: Todo o efeito tem uma
  desta casa são velhos."         causa.
«Todos os habitantes desta casa
           são velhos.»
• É um juízo puramente sintético. Apesar de
  aumentar o nosso conhecimento, não é um
  juízo universal e necessário. Pode ser, e é bem
  possível, que amanhã sejam jovens a habitar a
  casa. Portanto…

• Não é um juízo com características científicas.
Juízos sintéticos a priori
• "Todo o acontecimento tem uma causa."
• Este juízo é sintético a priori pois o predicado não
  está contido no sujeito (estaria se eu dissesse:
  todo o efeito tem uma causa).
• Contudo, a experiência é o aqui e agora, é
  limitada, por isso o todos o… é a expressão de
  uma necessidade. Significa que todos os
  acontecimentos passados, presentes e futuros
  têm uma causa. Ora, esta noção não é retirada da
  experiência.
Juízos sintéticos a priori
• A realidade é adaptada ao sujeito.
• O sujeito não é um ser passivo, ele intervém
  no conhecimento.
• Como?
• Estruturando, organizando, dando sentido à
  realidade que capta a partir da Sensibilidade.
O conhecimento

 Como se conhece?
• Capacidade de receber
Sensibilidade        impressões dos objectos.
Formas a priori:   • É uma capacidade
                     receptiva.
Espaço
                   • Produz intuições sensíveis
                     (também conhecidas como
Tempo                sensações) através das
                     impressões e das intuições
                     puras (também designadas
                     formas a priori)
EXEMPLOS
• Um automóvel, passa em frente à minha casa ao meio-dia, fazendo muito
  barulho e buzinando constantemente. O automóvel provoca em mim uma
  determinada impressão sensível. Eu recebo esta impressão sensível de
  uma determinada forma, isto é, espacializo-a e temporalizo-a porque me
  refiro ao barulho do automóvel, como verificando-se em frente à minha
  casa (espacialização) e a uma determinada hora (temporalização). Assim
  vê-se que a intuição sensível consiste em estabelecer uma relação
  espácio-temporal entre as impressões sensíveis provenientes das coisas
  (no exemplo, do automóvel). http://filosofia.platanoeditora.pt/Site%20Inicial/Kant.html
• Capacidade de pensar.
Entendimento         • Sintetiza as impressões
Formas «a priori»:     sensíveis.
Categorias ou        • É uma faculdade
conceitos puros.       espontânea porque aplica
                       os conceitos puros às
                       intuições sensíveis.
                     • Conceitos sem intuições
                       são vazios.
                     • Intuições sem conceitos
                       são cegas.
EXEMPLOS
• Conhecer cientificamente um fenómeno como a dilatação de um corpo
  não é simplesmente dizer que aconteceu depois do aumento da
  temperatura num determinado lugar. É dizer que o aumento da
  temperatura é a causa ou a explicação da dilatação de um corpo. A
  sensibilidade só estabelece entre estes dois dados sensíveis uma relação
  de sucessão temporal, "desconhecendo" que os dois estão
  necessariamente ligados, não "vendo" que um não acontece
  simplesmente antes e o outro depois, mas que um acontece como efeito
  de outro.
• Isto só é possível quando o entendimento aplica o conceito de causa. Este
  conceito permite estabelecer relações de dependência entre dois
  fenómenos transformando um em causa e outro em efeito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Kant
KantKant
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
Joel Nóbrega
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - Empirismo
Elisama Lopes
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
Italo Colares
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
rodrigomagarinus
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Kant - Prof. Altair Aguilar
Kant  - Prof. Altair AguilarKant  - Prof. Altair Aguilar
Kant - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Ceticismo slides
Ceticismo slidesCeticismo slides
Ceticismo slides
Alexandre Misturini
 
filoaulaKant
filoaulaKant filoaulaKant
filoaulaKant
celio correa
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
Hegel - power point
Hegel - power pointHegel - power point
Hegel - power point
Leandrocesarcn
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
Alexandre Misturini
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Tiago Machado
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
Joaquim Melro
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
Marcelo Avila
 
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de EspinosaFilosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 

Mais procurados (20)

Kant
KantKant
Kant
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - Empirismo
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
Kant - Prof. Altair Aguilar
Kant  - Prof. Altair AguilarKant  - Prof. Altair Aguilar
Kant - Prof. Altair Aguilar
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Ceticismo slides
Ceticismo slidesCeticismo slides
Ceticismo slides
 
filoaulaKant
filoaulaKant filoaulaKant
filoaulaKant
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Hegel - power point
Hegel - power pointHegel - power point
Hegel - power point
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
 
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de EspinosaFilosofia: o racionalismo de Espinosa
Filosofia: o racionalismo de Espinosa
 

Destaque

Teoria do conhecimento kant
Teoria do conhecimento   kantTeoria do conhecimento   kant
Teoria do conhecimento kant
João Paulo Rodrigues
 
Teoria da Razão - Kant
Teoria da Razão - KantTeoria da Razão - Kant
Teoria da Razão - Kant
Jorge Barbosa
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
Dylan Bonnet
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
Resumo kant
Resumo kantResumo kant
Resumo kant
historiapsi
 
Apriorismo kantiano
Apriorismo kantianoApriorismo kantiano
Apriorismo kantiano
Alexandre Misturini
 
Ceticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismoCeticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismo
Alan
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
Jorge Barbosa
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
Victoria Perdomo
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
PrDonizete Apolinario
 
Kant - critica da razao pura
Kant - critica da razao puraKant - critica da razao pura
Kant - critica da razao pura
pedagogiaveracruz
 
Dogmatismo
Dogmatismo Dogmatismo
Dogmatismo
Jhonatan Veelez
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Jorge Barbosa
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Estude Mais
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
Joana Filipa Rodrigues
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Carson Souza
 
Emmanuel Kant
Emmanuel KantEmmanuel Kant
Emmanuel Kant
Larissa Soares Santos
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
Isa Pitanga
 

Destaque (20)

Teoria do conhecimento kant
Teoria do conhecimento   kantTeoria do conhecimento   kant
Teoria do conhecimento kant
 
Teoria da Razão - Kant
Teoria da Razão - KantTeoria da Razão - Kant
Teoria da Razão - Kant
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
Resumo kant
Resumo kantResumo kant
Resumo kant
 
Apriorismo kantiano
Apriorismo kantianoApriorismo kantiano
Apriorismo kantiano
 
Ceticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismoCeticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismo
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Kant - critica da razao pura
Kant - critica da razao puraKant - critica da razao pura
Kant - critica da razao pura
 
Dogmatismo
Dogmatismo Dogmatismo
Dogmatismo
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Emmanuel Kant
Emmanuel KantEmmanuel Kant
Emmanuel Kant
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
 

Semelhante a Kant. Conhecimento.

Kant.pptx
Kant.pptxKant.pptx
Kant_introducao_e_epistemologia.ppt
Kant_introducao_e_epistemologia.pptKant_introducao_e_epistemologia.ppt
Kant_introducao_e_epistemologia.ppt
ELIANAPEREIRA93
 
Slides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdf
Slides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdfSlides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdf
Slides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdf
Natan Baptista
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
Sandra Wirthmann
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
starlightmimi
 
Ficha kant 1
Ficha kant 1Ficha kant 1
Ficha kant 1
pyteroliva
 
Introdução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do ConhecimentoIntrodução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do Conhecimento
CursoDeFerias
 
Aula de conhecimento 2010.2
Aula de conhecimento 2010.2Aula de conhecimento 2010.2
Aula de conhecimento 2010.2
Franciele De Sousa E Silva
 
Ficha kant 2
Ficha kant 2Ficha kant 2
Ficha kant 2
pyteroliva
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
mluisavalente
 
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
LucianaCosta9469
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
Milena Marelli
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
juliomatheusaquino1
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
João Bastos
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
Dicionário de filosofia
Dicionário de filosofiaDicionário de filosofia
Dicionário de filosofia
Manasses Santos
 
Immanuel kant
Immanuel kantImmanuel kant
Immanuel kant
Douglas Barreto
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
Joao Balbi
 

Semelhante a Kant. Conhecimento. (20)

Kant.pptx
Kant.pptxKant.pptx
Kant.pptx
 
Kant_introducao_e_epistemologia.ppt
Kant_introducao_e_epistemologia.pptKant_introducao_e_epistemologia.ppt
Kant_introducao_e_epistemologia.ppt
 
Slides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdf
Slides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdfSlides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdf
Slides - Aula 04 - Síntese Kantiana.pdf
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 
Ficha kant 1
Ficha kant 1Ficha kant 1
Ficha kant 1
 
Introdução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do ConhecimentoIntrodução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do Conhecimento
 
Aula de conhecimento 2010.2
Aula de conhecimento 2010.2Aula de conhecimento 2010.2
Aula de conhecimento 2010.2
 
Ficha kant 2
Ficha kant 2Ficha kant 2
Ficha kant 2
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Dicionário de filosofia
Dicionário de filosofiaDicionário de filosofia
Dicionário de filosofia
 
Immanuel kant
Immanuel kantImmanuel kant
Immanuel kant
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 

Mais de António Daniel

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
António Daniel
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
António Daniel
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
António Daniel
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
António Daniel
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
António Daniel
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
António Daniel
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
António Daniel
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
António Daniel
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
António Daniel
 
Concepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawlsConcepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawls
António Daniel
 

Mais de António Daniel (16)

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Concepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawlsConcepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawls
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Kant. Conhecimento.

  • 1.
  • 2. I. Kant (1724-1804) O Criticismo como forma de superação relativamente ao empirismo e racionalismo.
  • 3. O que aproveita do… Empirismo Racionalismo • Para Kant é importante • Apesar do conhecimento ressalvar que o ser inicialmente conhecimento versa sobre empírico, deve tentar-se os objectos exteriores. Só salvaguardar a assim é possível o universalidade do conhecimento progredir. conhecimento.
  • 4. Os juízos da Ciência: Características Juízo Sintético a priori • Forma de juízo oriundo da • Juízo independente da experiência em que o experiência. Garantia de predicado não está contido universalidade e no sujeito. Aumenta o necessidade. conhecimento • Ex: "Todos os habitantes Ex: Todo o efeito tem uma desta casa são velhos." causa.
  • 5. «Todos os habitantes desta casa são velhos.» • É um juízo puramente sintético. Apesar de aumentar o nosso conhecimento, não é um juízo universal e necessário. Pode ser, e é bem possível, que amanhã sejam jovens a habitar a casa. Portanto… • Não é um juízo com características científicas.
  • 6. Juízos sintéticos a priori • "Todo o acontecimento tem uma causa." • Este juízo é sintético a priori pois o predicado não está contido no sujeito (estaria se eu dissesse: todo o efeito tem uma causa). • Contudo, a experiência é o aqui e agora, é limitada, por isso o todos o… é a expressão de uma necessidade. Significa que todos os acontecimentos passados, presentes e futuros têm uma causa. Ora, esta noção não é retirada da experiência.
  • 7. Juízos sintéticos a priori • A realidade é adaptada ao sujeito. • O sujeito não é um ser passivo, ele intervém no conhecimento. • Como? • Estruturando, organizando, dando sentido à realidade que capta a partir da Sensibilidade.
  • 8.
  • 9. O conhecimento Como se conhece?
  • 10. • Capacidade de receber Sensibilidade impressões dos objectos. Formas a priori: • É uma capacidade receptiva. Espaço • Produz intuições sensíveis (também conhecidas como Tempo sensações) através das impressões e das intuições puras (também designadas formas a priori)
  • 11. EXEMPLOS • Um automóvel, passa em frente à minha casa ao meio-dia, fazendo muito barulho e buzinando constantemente. O automóvel provoca em mim uma determinada impressão sensível. Eu recebo esta impressão sensível de uma determinada forma, isto é, espacializo-a e temporalizo-a porque me refiro ao barulho do automóvel, como verificando-se em frente à minha casa (espacialização) e a uma determinada hora (temporalização). Assim vê-se que a intuição sensível consiste em estabelecer uma relação espácio-temporal entre as impressões sensíveis provenientes das coisas (no exemplo, do automóvel). http://filosofia.platanoeditora.pt/Site%20Inicial/Kant.html
  • 12. • Capacidade de pensar. Entendimento • Sintetiza as impressões Formas «a priori»: sensíveis. Categorias ou • É uma faculdade conceitos puros. espontânea porque aplica os conceitos puros às intuições sensíveis. • Conceitos sem intuições são vazios. • Intuições sem conceitos são cegas.
  • 13. EXEMPLOS • Conhecer cientificamente um fenómeno como a dilatação de um corpo não é simplesmente dizer que aconteceu depois do aumento da temperatura num determinado lugar. É dizer que o aumento da temperatura é a causa ou a explicação da dilatação de um corpo. A sensibilidade só estabelece entre estes dois dados sensíveis uma relação de sucessão temporal, "desconhecendo" que os dois estão necessariamente ligados, não "vendo" que um não acontece simplesmente antes e o outro depois, mas que um acontece como efeito de outro. • Isto só é possível quando o entendimento aplica o conceito de causa. Este conceito permite estabelecer relações de dependência entre dois fenómenos transformando um em causa e outro em efeito.