SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline

 
Quais são os limites da razão e da experiência? 
Obras: Crítica da razão pura. (Avanço da tecnologia) 
Crítica da razão prática. (Ética e valores)
 
Ciência e Metafísica
 
Método
 
Teoria do Conhecimento
 
Fenômeno e Númeno: o fenômeno é aquilo que podemos conhecer, enquanto que o número é aquilo que não se apresenta a nós, ou seja, aquilo que é abstrato. 
Esses temas (númenos) não precisam ser analisados, de modo que a preocupação da filosofia deve ser com os fenômenos (Deus, por exemplo). 
Algumas coisas não valem a pena conhecer.
 
O que é a Ilustração?
 
Menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo. E o culpado dessa menoridade é o próprio indivíduo. 
O homem é o próprio culpado dessa menoridade se a causa dela não se encontra na falta de entendimento, mas na falta de decisão e coragem de servir-se de si mesmo sem a direção de outrem. 
 Sapere aude! Tem coragem de fazer uso de teu próprio entendimento, tal é o lema do esclarecimento.
 
Kant afirma que todo individuo vive uma situação de menoridade em algum momento ou fase de sua vida, isso pode acontecer tanto por comodismo como por oportunismo, medo ou preguiça. 
Mas o que não pode acontecer é o indivíduo permanecer na menoridade a vida toda, renunciando esse processo a si e aos outros.

 
Para haver esclarecimento deve se ter liberdade, mas a limitação da mesma está por toda parte. Em várias situações se pode questionar, mas não se pode desobedecer, um grande exemplo disso é o pagamento do imposto: pode-se questionar este pagamento, mas não se deve deixar de pagá-lo, pois acarretaria diversas consequências. 
Para este esclarecimento, porém, nada mais se exige senão liberdade. E a mais inofensiva entre tudo aquilo que se possa chamar liberdade, a saber: a de fazer um uso público de sua razão em todas as questões. Ouço, agora, porém, exclamar de todos os lados: não raciocineis! O oficial diz: não raciocineis, mas exercitai- vos! O financista diz: não raciocineis, mas pagai! O sacerdote proclama: não raciocineis, mas crede. Eis aqui, por toda a parte a limitação da liberdade

 
Crítica da Razão Pura
 
Juízo Analítico -> quando o predicado já está contido no sujeito, ou seja, basta que eu analise o sujeito para conhecer o restante. É UNIVERSAL e NECESSÁRIO. É um conhecimento seguro. Está ligado às deduções, à matemática. 
Serve apenas para elucidar o que já se sabe. 
Ex: o quadrado tem 04 lados. 
Juízo Sintético-> o predicado não está no sujeito, e há uma nova informação. Tem a ver com as percepções e sensações, mas não é um conhecimento seguro. 
Ex: o quadrado tem 04 lados e é azul. 
Os tipos de juízo
 
Como as duas formas de conhecimento não são suficientes, Kant cria uma terceira forma de conhecimento: 
Juízo Sintético a priori: traz novas informações e leva a uma ampliação do conhecimento não limitada ao espaço e tempo, tornando-se UNIVERSAL e NECESSÁRIO. Junta a dedução com a experiência. O conhecimento é reinterpretado de uma forma segura. 
Assim, supera a dicotomia entre racionalismo e empirismo.
 
Teoria da Moral e da Ética
 
O que é a ética Kantiana? Conjunto de valores para vivermos bem, valores que estão em constante avaliação. 
O principal valor ético (imperativos categóricos): 
1 – o dever (agir de tal forma que sua ação seja considerada como norma universal). 
2 – A felicidade não diz nada sobre os valores, pois ela muda o tempo todo. Assim, o dever vem em primeiro lugar e a felicidade em segundo plano. 
“Tomar a humanidade como fim e não como meio”.
 
Ação é sempre precedida pela razão -> como funciona o pensamento? Quais são os tipos de ação? 
São dois tipos de ação: 
1 – Máximas -> conjuntos de ações subjetivas e empíricas. 
Ex: Sentar na primeira fileira para prestar atenção na aula. 
2 – Leis -> conjuntos de ações objetivas com uma moral. 
Ex: Sempre tenho que socorrer quem necessita. 
Para Kant, as ações devem ser livres e autônomas. O ser humano deve ser livre para causar os efeitos em sua sociedade (metafísica dos costumes). 
Crítica da Razão Prática
 
O homem sai do homem natural e ingressa em sociedade, e através da razão se transforma no que ele quer ser. 
Entretanto, a liberdade do homem é limitada pelas condições materiais. Assim, para ele, a autonomia é apenas concedida para os que possuem propriedade privada (dentro da minha casa, faço o que quero), mas fora da propriedade privada, minha autonomia é limitada. 
Além de tudo, fora de sua propriedade, o homem deve lidar com os instintos das outras pessoas (há uma batalha entre o individualismo e a socialização). 
Política e Direito
 
Ao viver em sociedade, o homem se torna um ser moralizado, ou seja, toma conhecimento das regras, das leis, das ações, e segue colocando em uma balança esses dois lados (os valores individuais e os sociais). 
As leis se transformam por reformas sucessivas mediante o exercício da crítica, ou seja, as revoluções de nada adiantam se não existe uma participação efetiva da sociedade.
Kant

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Teoria do conhecimento kant
Teoria do conhecimento   kantTeoria do conhecimento   kant
Teoria do conhecimento kant
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do Dever
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
 

Destaque

Immanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aulaImmanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aulaRafael Oliveira
 
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoJorge Barbosa
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantJorge Barbosa
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantFilazambuja
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantJorge Lopes
 
Material crianças ebd professor
Material crianças ebd   professorMaterial crianças ebd   professor
Material crianças ebd professorSergio Silva
 

Destaque (13)

A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Kant
KantKant
Kant
 
Fil kant
Fil kantFil kant
Fil kant
 
Kant - Crítica da Razão Pura
Kant - Crítica da Razão PuraKant - Crítica da Razão Pura
Kant - Crítica da Razão Pura
 
Perguntas a Kant
Perguntas a KantPerguntas a Kant
Perguntas a Kant
 
Immanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aulaImmanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aula
 
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 
Immanuel Kant
Immanuel KantImmanuel Kant
Immanuel Kant
 
Material crianças ebd professor
Material crianças ebd   professorMaterial crianças ebd   professor
Material crianças ebd professor
 

Semelhante a Kant

Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Lucas Vinicius
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasJoão Simões
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.millPatricia .
 
Trabalho kant prof douglas
Trabalho kant prof douglasTrabalho kant prof douglas
Trabalho kant prof douglasMoises Martins
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?alinesantana1422
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantFilipe Prado
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012Fábio Peres
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipArte de Lorena
 
Binder1 (9)
Binder1 (9)Binder1 (9)
Binder1 (9)hc car
 
Resumo - minhas anotações curso de ética - Prof Clóvis
Resumo - minhas anotações curso de ética - Prof ClóvisResumo - minhas anotações curso de ética - Prof Clóvis
Resumo - minhas anotações curso de ética - Prof ClóvisIlton Marcos Soares Freitas
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosisacamel
 

Semelhante a Kant (20)

Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
Anotações do Curso de Ética da USP/VEDUCA.
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
Trabalho kant prof douglas
Trabalho kant prof douglasTrabalho kant prof douglas
Trabalho kant prof douglas
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Obras PAS 2 serie.pdf
Obras PAS 2 serie.pdfObras PAS 2 serie.pdf
Obras PAS 2 serie.pdf
 
Kant
KantKant
Kant
 
Trabalho kant
Trabalho kant Trabalho kant
Trabalho kant
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
Marilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kantMarilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kant
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
 
Deontologia pronto
Deontologia prontoDeontologia pronto
Deontologia pronto
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
Binder1 (9)
Binder1 (9)Binder1 (9)
Binder1 (9)
 
Resumo - minhas anotações curso de ética - Prof Clóvis
Resumo - minhas anotações curso de ética - Prof ClóvisResumo - minhas anotações curso de ética - Prof Clóvis
Resumo - minhas anotações curso de ética - Prof Clóvis
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
 
Kant (1) copia
Kant (1)   copiaKant (1)   copia
Kant (1) copia
 
Ética
Ética Ética
Ética
 

Mais de Juliana Corvino de Araújo (13)

Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Francis bacon
Francis baconFrancis bacon
Francis bacon
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 

Último

Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 

Kant

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.  Quais são os limites da razão e da experiência? Obras: Crítica da razão pura. (Avanço da tecnologia) Crítica da razão prática. (Ética e valores)
  • 5.  Ciência e Metafísica
  • 6.
  • 7.
  • 9.
  • 10.  Teoria do Conhecimento
  • 11.
  • 12.
  • 13.  Fenômeno e Númeno: o fenômeno é aquilo que podemos conhecer, enquanto que o número é aquilo que não se apresenta a nós, ou seja, aquilo que é abstrato. Esses temas (númenos) não precisam ser analisados, de modo que a preocupação da filosofia deve ser com os fenômenos (Deus, por exemplo). Algumas coisas não valem a pena conhecer.
  • 14.  O que é a Ilustração?
  • 15.
  • 16.  Menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo. E o culpado dessa menoridade é o próprio indivíduo. O homem é o próprio culpado dessa menoridade se a causa dela não se encontra na falta de entendimento, mas na falta de decisão e coragem de servir-se de si mesmo sem a direção de outrem.  Sapere aude! Tem coragem de fazer uso de teu próprio entendimento, tal é o lema do esclarecimento.
  • 17.  Kant afirma que todo individuo vive uma situação de menoridade em algum momento ou fase de sua vida, isso pode acontecer tanto por comodismo como por oportunismo, medo ou preguiça. Mas o que não pode acontecer é o indivíduo permanecer na menoridade a vida toda, renunciando esse processo a si e aos outros.
  • 18.
  • 19.  Para haver esclarecimento deve se ter liberdade, mas a limitação da mesma está por toda parte. Em várias situações se pode questionar, mas não se pode desobedecer, um grande exemplo disso é o pagamento do imposto: pode-se questionar este pagamento, mas não se deve deixar de pagá-lo, pois acarretaria diversas consequências. Para este esclarecimento, porém, nada mais se exige senão liberdade. E a mais inofensiva entre tudo aquilo que se possa chamar liberdade, a saber: a de fazer um uso público de sua razão em todas as questões. Ouço, agora, porém, exclamar de todos os lados: não raciocineis! O oficial diz: não raciocineis, mas exercitai- vos! O financista diz: não raciocineis, mas pagai! O sacerdote proclama: não raciocineis, mas crede. Eis aqui, por toda a parte a limitação da liberdade
  • 20.
  • 21.  Crítica da Razão Pura
  • 22.
  • 23.  Juízo Analítico -> quando o predicado já está contido no sujeito, ou seja, basta que eu analise o sujeito para conhecer o restante. É UNIVERSAL e NECESSÁRIO. É um conhecimento seguro. Está ligado às deduções, à matemática. Serve apenas para elucidar o que já se sabe. Ex: o quadrado tem 04 lados. Juízo Sintético-> o predicado não está no sujeito, e há uma nova informação. Tem a ver com as percepções e sensações, mas não é um conhecimento seguro. Ex: o quadrado tem 04 lados e é azul. Os tipos de juízo
  • 24.  Como as duas formas de conhecimento não são suficientes, Kant cria uma terceira forma de conhecimento: Juízo Sintético a priori: traz novas informações e leva a uma ampliação do conhecimento não limitada ao espaço e tempo, tornando-se UNIVERSAL e NECESSÁRIO. Junta a dedução com a experiência. O conhecimento é reinterpretado de uma forma segura. Assim, supera a dicotomia entre racionalismo e empirismo.
  • 25.  Teoria da Moral e da Ética
  • 26.
  • 27.  O que é a ética Kantiana? Conjunto de valores para vivermos bem, valores que estão em constante avaliação. O principal valor ético (imperativos categóricos): 1 – o dever (agir de tal forma que sua ação seja considerada como norma universal). 2 – A felicidade não diz nada sobre os valores, pois ela muda o tempo todo. Assim, o dever vem em primeiro lugar e a felicidade em segundo plano. “Tomar a humanidade como fim e não como meio”.
  • 28.
  • 29.  Ação é sempre precedida pela razão -> como funciona o pensamento? Quais são os tipos de ação? São dois tipos de ação: 1 – Máximas -> conjuntos de ações subjetivas e empíricas. Ex: Sentar na primeira fileira para prestar atenção na aula. 2 – Leis -> conjuntos de ações objetivas com uma moral. Ex: Sempre tenho que socorrer quem necessita. Para Kant, as ações devem ser livres e autônomas. O ser humano deve ser livre para causar os efeitos em sua sociedade (metafísica dos costumes). Crítica da Razão Prática
  • 30.  O homem sai do homem natural e ingressa em sociedade, e através da razão se transforma no que ele quer ser. Entretanto, a liberdade do homem é limitada pelas condições materiais. Assim, para ele, a autonomia é apenas concedida para os que possuem propriedade privada (dentro da minha casa, faço o que quero), mas fora da propriedade privada, minha autonomia é limitada. Além de tudo, fora de sua propriedade, o homem deve lidar com os instintos das outras pessoas (há uma batalha entre o individualismo e a socialização). Política e Direito
  • 31.  Ao viver em sociedade, o homem se torna um ser moralizado, ou seja, toma conhecimento das regras, das leis, das ações, e segue colocando em uma balança esses dois lados (os valores individuais e os sociais). As leis se transformam por reformas sucessivas mediante o exercício da crítica, ou seja, as revoluções de nada adiantam se não existe uma participação efetiva da sociedade.