SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Estética e Filosofia da Arte
O QUE É ARTE?
O que dizem os desenhos
nas paredes da caverna?


Que o mundo é visível e que o artista dá
          a ver o mundo.
Que mundo???




 Aquele mundo eternamente novo,
 buscado incensantemente pelos
            artistas.
O que é ARTE?
                 ”A literatura, pintura,
                  a música, a escultura
                  e qualquer das artes é
                  a passagem do
                  instituído ao
                  instituinte.
                  Transfiguração do
                  existente numa outra
                  realidade, que o faz
                  renascer em forma de
                  uma obra.”
Arte e Técnica
 A palavra arte vem      O que é ordenado ou
  do latim ars e           toda espécie de
  corresponde ao termo     atividade humana
  grego techne,            submetida a regras.
  técnica,
  significando...
                          No sentido geral, arte
                           é o conjunto de
                           regras para dirigir
                           uma atividade
                           humana qualquer.
Distinção de arte para
Platão...
                        Dispositivas ou
                         imperativas:
                       Voltadas para a direção
                          de uma atividade,
                          com base no
  Judicativas:           conhecimento de
 Dedicadas apenas ao      suas regras.
    conhecimento.
Para Aristóteles
                            Arte ou técnica:
                           Refere-se ao contingente
                              ou ao possível,
                              portanto, ao que pode
 Ciência-Filosofia:          ser diferente do que
                              é.
Refere-se ao necessário,
   isto é, ao que não
   pode ser diferente do
   que é.
Diferença entre ação e
fabricação:


 A política e a ética     As artes ou técnicas
  são ciências da ação.     são atividades de
                            fabricação.
Arte Grega
Magna Grécia: Grécia, sul de Itália,
Sicília, século VI a IV a.C..
- Arquitetura Religiosa (Templos em
pedra, ordens arquitetônicas), edifícios
públicos teatros etc.).
- Cerâmica (com pintura decorativa),
escultura de vulto (mármore, bronze).
- Arte ligada ao intelectualismo,
valorização do homem, busca da
perfeição, harmonia, equilíbrio,
proporção. Inspiração na natureza,
realismo.
- Temática mitológica, do quotidiano.
Povo etrusco, região da
  Toscana, séculos VIII a II
            a.C..
  - Arte funerária, câmaras
tumulares com pintura mural,
urnas, escultura em sarcófago
     (jacentes), bustos.
- Peças decorativas em bronze
    e terracota, joalharia.
 - Influência da arte arcaica
Arte Helenística
Arte grega do final do século
IV até o final do século I a.C.
- Civilização grega estende-se
pelo Mediterrâneo e Próximo
  Oriente sob Alexandre, o
           Grande.
 - Escultura com sentimento
     pleno de emoção e
         movimento.
ARTE ROMANA   Império Romano, século VIII
                 a.C. a IV d.C.. Grande
                influência da arte grega.

                    - Desenvolvimento
              arquitectónico com gosto pelo
                  colossal e magnificente.
                Edifícios públicos (pontes,
              aquedutos, termas, anfiteatros
                 etc.), religiosos basílicas,
                           templos.

              - Escultura histórica, bustos.
Cristianismo
Arte Paleocristã

Primeira expressão artística dos cristãos, área do
Império Romano do ocidente, Roma, entre século III e
V d.C..
- Pintura mural (fresco) em catacumbas, sarcófago
- Surgimento das primeiras basílicas cristãs após a
oficialização da religião.
ARTE BIZANTINA

Arte cristã do IMPÉRIO ROMANO do oriente, desde
a transição da capital do império para Constantinopla à
sua conquista em 1453 pelos turcos.
- Influência da arte romana e da arte oriental.
- Arquitetura Religiosa (cúpula, pintura e mosaico) de
carácter bidimensional e simbólico (cones).
Idade média
 Artes liberais:         Artes mecânicas:
gramática, retórica,     medicina, arquitetura,
   lógica, aritmética,      agricultura, pintura,
   geometria,               escultura, olaria...
   astronomia...          Dirigem o trabalho
 Dirigem o trabalho       das mãos!
  da razão.
Durante a Idade Média europeia, as pinturas e
esculturas tendiam a focalizar a religião, mais
especialmente o Cristianismo.

À medida que a Renascença emerge, porém, o foco dos
artistas descola-se para o passado clássico, buscando
influências na Grécia e Roma antiga, levando a
profundas mudanças tanto nos aspectos técnicos
quanto nos motivos e temáticas da pintura e escultura.
Os pintores, então, passam a aumentar o realismo de
seus trabalhos usando as novas técnicas da
perspectiva      (recém-redescoberta  e     bastante
desenvolvida), representando mais autenticamente as
três dimensões.


 A manipulação da luz e sombra, como o contraste de
tom evidente nos trabalhos de Ticciano, foi aprimorada
com as técnicas do chiaroscuro e do sfummato
desenvolvidas por Leonardo da Vici.


 Os escultores, também, redescobriram muitas técnicas
antigas como o contraposto.
Seguindo o espírito humanista do período, a arte tornou-
se mais laica em suas temáticas, buscando motivos na
mitologia clássica em adição aos temas cristãos.


  Este gênero de arte costuma ser chamado de
classicismo renascentista.
            renascentista


Os três mais influentes artistas renascentistas são
Leonardo da Vinci, Michelangelo Buonarroti e Rafael
Sânzio, pertencentes à Renascença italiana.
O Homem Vitruviano de
  Leonardo da Vinci é o
    símbolo do espírito
humanista da Renascença.

A arte do período reflete as
características do desenho:
   classicismo, razão e
         simetria.
Renascença
 O humanismo dignifica        Aqui acontece uma
    o corpo humano e essa        nova distinção entre a
    dignidade se traduz na       arte mecânica...
    batalha pela dignidade
   das artes mecânicas para
   convertê-las à condição
       de artes liberais.
Dentro da Renascença...

 As que tem como fim        Aquelas cujo fim é o
   oque é ÚTIL:                 BELO: pintura,
   medicina, agricultura,       escultura,
   culinária...                 arquitetura...

 Técnica > útil            Arte > belo (belas-artes)
Nasce uma nova definição...

 Técnico > aplicador      Artes > ação
   de regras e receitas        individual
  vindas da tradição ou   espontânea, vinda da
       da ciência.         sensibilidade e da
                           fantasia do artista
                          como gênio criador.
A criação do BELO...
                          Surge assim, o
                           conceito de juízo de
                           gosto.(estudado por
                           gosto
 ...É a finalidade da     Kant)
   obra de arte.
Em que
consiste o BELO?




Depende
de quem?
Os pilares da Estética:
 Gênio criador e inspiração (do lado do artista).


 Beleza (do lado da obra).


 Juízo de gosto (do lado do público).
Contemporaneidade
 As artes não pretendem imitar a realidade, nem
    pretendem ser ilusões sobre a realidade, mas exprimir por
    meios artísticos a própria realidade.

 Três manifestações atísticas contemporâneas podem
    ilustrar o modo como arte e técnica se encontram e se
    comunicam: A FOTOGRAFIA, O CINEMA E O
    DESIGN.
Em nossos dias temos
artes...

   Popular:      Erudita:

  Artesanal.     Tecnológica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
 
Estética - Artes Visuais
Estética - Artes VisuaisEstética - Artes Visuais
Estética - Artes Visuais
 
Estética e poética
Estética e poéticaEstética e poética
Estética e poética
 
Historia da beleza 02
Historia da beleza 02Historia da beleza 02
Historia da beleza 02
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
História da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções EstéticasHistória da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções Estéticas
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
 
Estética e ensino de arte
Estética e ensino de arteEstética e ensino de arte
Estética e ensino de arte
 
Estética em Schiller
Estética em SchillerEstética em Schiller
Estética em Schiller
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 
Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
 
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
 
A ARTE
A ARTEA ARTE
A ARTE
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
 

Semelhante a Artes

Semelhante a Artes (20)

Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
O universo das artes
O universo das artes   O universo das artes
O universo das artes
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
 
Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
 
Apostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdfApostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdf
 
O que é a arte e outros
O que é a arte e outrosO que é a arte e outros
O que é a arte e outros
 
Aula iv estética
Aula iv   estéticaAula iv   estética
Aula iv estética
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Aula 2 arte - 3º ano
Aula 2   arte - 3º anoAula 2   arte - 3º ano
Aula 2 arte - 3º ano
 
Aula 2 arte - 2º ano
Aula 2   arte - 2º anoAula 2   arte - 2º ano
Aula 2 arte - 2º ano
 
4 breve viagem pela
4 breve viagem pela4 breve viagem pela
4 breve viagem pela
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
 
Alexsandro Junior da Silva
Alexsandro Junior da Silva Alexsandro Junior da Silva
Alexsandro Junior da Silva
 
Galeria Leonardo Da Vince
Galeria Leonardo Da VinceGaleria Leonardo Da Vince
Galeria Leonardo Da Vince
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
 
Renascimento2
Renascimento2Renascimento2
Renascimento2
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
 

Mais de Elisama Lopes

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoElisama Lopes
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoElisama Lopes
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemElisama Lopes
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficosElisama Lopes
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeElisama Lopes
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaElisama Lopes
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade CientíficaElisama Lopes
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroElisama Lopes
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOElisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Elisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Elisama Lopes
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoElisama Lopes
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Elisama Lopes
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutóriaElisama Lopes
 

Mais de Elisama Lopes (20)

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimento
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicação
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagem
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficos
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo Sociedade
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade Científica
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - Empirismo
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutória
 
Filosofia - Mito
Filosofia - MitoFilosofia - Mito
Filosofia - Mito
 
Russel cap 12
Russel cap 12Russel cap 12
Russel cap 12
 

Último

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 

Último (20)

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 

Artes

  • 2. O QUE É ARTE?
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. O que dizem os desenhos nas paredes da caverna? Que o mundo é visível e que o artista dá a ver o mundo.
  • 8. Que mundo??? Aquele mundo eternamente novo, buscado incensantemente pelos artistas.
  • 9. O que é ARTE?  ”A literatura, pintura, a música, a escultura e qualquer das artes é a passagem do instituído ao instituinte. Transfiguração do existente numa outra realidade, que o faz renascer em forma de uma obra.”
  • 10. Arte e Técnica  A palavra arte vem  O que é ordenado ou do latim ars e toda espécie de corresponde ao termo atividade humana grego techne, submetida a regras. técnica, significando...  No sentido geral, arte é o conjunto de regras para dirigir uma atividade humana qualquer.
  • 11. Distinção de arte para Platão...  Dispositivas ou imperativas: Voltadas para a direção de uma atividade, com base no  Judicativas: conhecimento de Dedicadas apenas ao suas regras. conhecimento.
  • 12. Para Aristóteles  Arte ou técnica: Refere-se ao contingente ou ao possível, portanto, ao que pode  Ciência-Filosofia: ser diferente do que é. Refere-se ao necessário, isto é, ao que não pode ser diferente do que é.
  • 13. Diferença entre ação e fabricação:  A política e a ética  As artes ou técnicas são ciências da ação. são atividades de fabricação.
  • 14. Arte Grega Magna Grécia: Grécia, sul de Itália, Sicília, século VI a IV a.C.. - Arquitetura Religiosa (Templos em pedra, ordens arquitetônicas), edifícios públicos teatros etc.). - Cerâmica (com pintura decorativa), escultura de vulto (mármore, bronze). - Arte ligada ao intelectualismo, valorização do homem, busca da perfeição, harmonia, equilíbrio, proporção. Inspiração na natureza, realismo. - Temática mitológica, do quotidiano.
  • 15. Povo etrusco, região da Toscana, séculos VIII a II a.C.. - Arte funerária, câmaras tumulares com pintura mural, urnas, escultura em sarcófago (jacentes), bustos. - Peças decorativas em bronze e terracota, joalharia. - Influência da arte arcaica
  • 16. Arte Helenística Arte grega do final do século IV até o final do século I a.C. - Civilização grega estende-se pelo Mediterrâneo e Próximo Oriente sob Alexandre, o Grande. - Escultura com sentimento pleno de emoção e movimento.
  • 17. ARTE ROMANA Império Romano, século VIII a.C. a IV d.C.. Grande influência da arte grega. - Desenvolvimento arquitectónico com gosto pelo colossal e magnificente. Edifícios públicos (pontes, aquedutos, termas, anfiteatros etc.), religiosos basílicas, templos. - Escultura histórica, bustos.
  • 19.
  • 20. Arte Paleocristã Primeira expressão artística dos cristãos, área do Império Romano do ocidente, Roma, entre século III e V d.C.. - Pintura mural (fresco) em catacumbas, sarcófago - Surgimento das primeiras basílicas cristãs após a oficialização da religião.
  • 21.
  • 22. ARTE BIZANTINA Arte cristã do IMPÉRIO ROMANO do oriente, desde a transição da capital do império para Constantinopla à sua conquista em 1453 pelos turcos. - Influência da arte romana e da arte oriental. - Arquitetura Religiosa (cúpula, pintura e mosaico) de carácter bidimensional e simbólico (cones).
  • 23. Idade média  Artes liberais:  Artes mecânicas: gramática, retórica, medicina, arquitetura, lógica, aritmética, agricultura, pintura, geometria, escultura, olaria... astronomia...  Dirigem o trabalho  Dirigem o trabalho das mãos! da razão.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Durante a Idade Média europeia, as pinturas e esculturas tendiam a focalizar a religião, mais especialmente o Cristianismo. À medida que a Renascença emerge, porém, o foco dos artistas descola-se para o passado clássico, buscando influências na Grécia e Roma antiga, levando a profundas mudanças tanto nos aspectos técnicos quanto nos motivos e temáticas da pintura e escultura.
  • 27. Os pintores, então, passam a aumentar o realismo de seus trabalhos usando as novas técnicas da perspectiva (recém-redescoberta e bastante desenvolvida), representando mais autenticamente as três dimensões. A manipulação da luz e sombra, como o contraste de tom evidente nos trabalhos de Ticciano, foi aprimorada com as técnicas do chiaroscuro e do sfummato desenvolvidas por Leonardo da Vici. Os escultores, também, redescobriram muitas técnicas antigas como o contraposto.
  • 28. Seguindo o espírito humanista do período, a arte tornou- se mais laica em suas temáticas, buscando motivos na mitologia clássica em adição aos temas cristãos. Este gênero de arte costuma ser chamado de classicismo renascentista. renascentista Os três mais influentes artistas renascentistas são Leonardo da Vinci, Michelangelo Buonarroti e Rafael Sânzio, pertencentes à Renascença italiana.
  • 29. O Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci é o símbolo do espírito humanista da Renascença. A arte do período reflete as características do desenho: classicismo, razão e simetria.
  • 30. Renascença  O humanismo dignifica  Aqui acontece uma o corpo humano e essa nova distinção entre a dignidade se traduz na arte mecânica... batalha pela dignidade das artes mecânicas para convertê-las à condição de artes liberais.
  • 31. Dentro da Renascença...  As que tem como fim  Aquelas cujo fim é o oque é ÚTIL: BELO: pintura, medicina, agricultura, escultura, culinária... arquitetura...  Técnica > útil Arte > belo (belas-artes)
  • 32. Nasce uma nova definição...  Técnico > aplicador  Artes > ação de regras e receitas individual vindas da tradição ou espontânea, vinda da da ciência. sensibilidade e da fantasia do artista como gênio criador.
  • 33. A criação do BELO...  Surge assim, o conceito de juízo de gosto.(estudado por gosto  ...É a finalidade da Kant) obra de arte.
  • 34. Em que consiste o BELO? Depende de quem?
  • 35. Os pilares da Estética:  Gênio criador e inspiração (do lado do artista).  Beleza (do lado da obra).  Juízo de gosto (do lado do público).
  • 36. Contemporaneidade  As artes não pretendem imitar a realidade, nem pretendem ser ilusões sobre a realidade, mas exprimir por meios artísticos a própria realidade.  Três manifestações atísticas contemporâneas podem ilustrar o modo como arte e técnica se encontram e se comunicam: A FOTOGRAFIA, O CINEMA E O DESIGN.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49. Em nossos dias temos artes...  Popular:  Erudita: Artesanal. Tecnológica.