Jeremy Bentham criou, na primeira metade do século
XIX, o termo utilitarian, como uma designação do
conteúdo central de su...
• Benthan fundou o University College London onde, tal
como o solicitou em seu testamento, seu corpo
embalsamado é vestido...
Contudo, foi Stuart Mill quem, pela primeira vez,
empregou o termo utilitarianism, ao propor a
fundação de uma Sociedade U...
• John Stuart Mill nasceu na casa de seu pai em
Pentonville, Londres, sendo o primeiro filho do filósofo
escocês radicado ...
O que é mais fundamental?
O bem da INTENSÃO?
O bem da AÇÃO?
O bem da CONSEQUÊNCIA?
O LOCUS ORIGINÁRIO DO VALOR MORAL
ESTÁ NA CONSEQUENCIA.
Ética do conseqüêncialismo
* Que se centram nas
conseqüências da ação.
Egoísmo
Altruísmo
Utilitarismo
• Porque é moralmente errado
torturar uma pessoa?
UTILITARISMO
Corrente filosófica surgida no século XVIII, na
Inglaterra, que afirma a utilidade como o valor
máximo no qua...
Conceituação

“Concepção que
sustenta que só existe
um princípio moral: oo
de buscar a maiorde buscar a maior
felicidade ...
Outra forma de conceituar...
O utilitarismo baseia-se na compreensão
empírica de que os homens regulam suas
ações de acord...
O que é a Utilidade...
Nesta perspectiva, a utilidade, entendida como
capacidade de proporcionar prazer e evitar a dor,
de...
O Princípio Geral do Utilitarismo, denominado
Princípio de Utilidade pode ser expresso da seguinte
maneira:
Uma ação é mor...
De acordo com este princípio sempre que
temos a possibilidade de escolher entre ações
alternativas, devemos escolher aquel...
Em determinada situação, não podendo
alcançar sua formulação positiva devemos
realizar a ação que traga menor mal para o
m...
Jeremy Bentham formulou oJeremy Bentham formulou o
Princípio de Utilidade da seguintePrincípio de Utilidade da seguinte
ma...
Bentham teve dentre seus seguidores John
Stuart Mill, cuja argüição foi, no mínimo, mais
elegante e persuasiva que a do me...
Imaginamos a possibilidade de um 
determinado estado de coisas que 
gostaríamos de ver concretizado — um 
estado de coisa ...
“De acordo com o Princípio da Maior Felicidade
[...] o fim último, relativamente ao qual e em função
do qual todas as outr...
A concepção Utilitarista não se apresenta
como uma unidade, mas apresenta
variações.
Vejamos as principais perspectivas do...
O utilitarismo pode tomar duas
formas:
> A de um UTILITARISMO
de ação.
> A de um UTILITARISMO
de regras.
1. Utilitarismo Clássico – Utilitarismo
de Ato ou ação…
O Utilitarismo de Ato apresenta duas
versões, a saber, de Jeremy B...
1. 1 Jeremy Bentham
Para Bentham a felicidade é o bem último (e a
infelicidade o mal último) da ação humana e
esta é alcan...
Hedonismo
Trata-se de uma perspectiva hedonista de felicidade.
Segundo esta perspectiva, a felicidade consiste noSegundo e...
Bentham propõe um hedonismo quantitativohedonismo quantitativo,
ou seja, o prazer é algo que tem uma
quantidadequantidade ...
Para mensurar a diferença entre o prazer e o dor,
Bentham sugeriu um cálculo utilitário:
Consiste em fazer um balanço do p...
No caso do balanço final privilegiar o prazer sobre a
dor a ação será moralmente correta, caso contrário ela
será uma má a...
Para aplicar o cálculo utilitarista é
preciso:
(1) Calcular as opções. Fazer A ou B.
(2) Estimar as prováveis conseqüências prazerosas e
dolorosas de cada opção para as ...
Esses passos exigem uma reflexão.
O passo (2) é difícil, visto que
envolve tentar descobrir as
conseqüências futuras de
no...
• (3) Decidir qual opção
maximiza o equilíbrio do
prazer sobre a dor, ou seja,
proporcionando mais
prazer para o maior
núm...
OpçõesOpções → ação Aação A ação Bação B
Tom +1 -3
Dick -3 +1
Harry +4 +5
TotalTotal +2+2 +3+3
O Utilitarismo de Ato de Bentham nos indica
para seguirmos a ação B, pois no geral ela
proporciona um total superior a açã...
Mas o cálculo dos efeitos ou conseqüências
não é uma tarefa fácil, ainda que se faça por
unidades numéricas, como pretendi...
Vamos exemplificar isso
concretamente.
Vamos supor que o governo deseja construir uma
represa em determinada localidade.
E...
Esse mal poderá ser reduzido se o governo reembolsar as perdas
das famílias, etc. Como o prazer resultante acabará sendo m...
1.2 John Stuart Mill
Afirma Mill:
A doutrina utilitarista consiste nisto: a felicidade é
desejável, e a única coisa desejá...
Para Mill, as ações corretas são as que produzem o
maior equilíbrio possível de felicidade e infelicidade,
sendo a felicid...
Capítulo 2 do livro...
[1] Prazeres inferiores:[1] Prazeres inferiores:
Ligados às necessidades
físicas, de ordem
sensoria...
Para Mill, os prazeres superiores possuem mais valor quePara Mill, os prazeres superiores possuem mais valor que
os prazer...
O hedonismo de Mill é sofisticado por levar em
conta a qualidade dos prazeres na promoção da
felicidade para o maior númer...
É a qualidade do prazer que é relevante e decisiva
para Mill.
Por isso sua afirmação de que “É preferível ser um“É preferí...
Hedonismo pluralista
Mill afirma que, se fizéssemos a pergunta às pessoas
com experiência destes dois tipos de prazer, ela...
Assim como o utilitarismo hedonista
quantitativo de Jeremy Bentham, o
utilitarismo pluralista qualitativo de Mill
sofreu m...
Utilitarismo
Utilitarismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Utilitarismo

5.473 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.473
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
166
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Utilitarismo

  1. 1. Jeremy Bentham criou, na primeira metade do século XIX, o termo utilitarian, como uma designação do conteúdo central de sua doutrina.
  2. 2. • Benthan fundou o University College London onde, tal como o solicitou em seu testamento, seu corpo embalsamado é vestido com suas próprias roupas e segue exposto em uma vitrine num corredor muito concorrido à vista dos alunos. Há muitas piadas relacionadas com esta curiosa excentricidade. A cabeça exposta atualmente é de cera, a real foi roubada várias vezes como uma brincadeira tradicional dos alunos. Atualmente a cabeça está conservada em uma caixa forte da UCL. O corpo, contudo, é conduzido todos os anos para presidir algumas reuniões nas quais é lembrado com a frase "Jeremy Bentham, presente, mas, sem direito a voto".
  3. 3. Contudo, foi Stuart Mill quem, pela primeira vez, empregou o termo utilitarianism, ao propor a fundação de uma Sociedade Utilitarista (Utilitarian Society).
  4. 4. • John Stuart Mill nasceu na casa de seu pai em Pentonville, Londres, sendo o primeiro filho do filósofo escocês radicado na Inglaterra James Mill. Mill foi educado pelo pai, com a assistência de Jeremy Bentham e Francis Place. Foi-lhe dada uma educação muito rigorosa e ele foi deliberadamente escudado de rapazes da mesma idade. O seu pai, um seguidor de Bentham e um aderente ao associativismo, tinha como objetivo explícito criar um gênio intelectual que iria assegurar a causa do utilitarismo e a sua implementação após a morte dele e de Bentham. James Mill concordava com a visão de John Locke a respeito da mente humana como uma folha em branco para o registro das experiências e por isso prometeu estabelecer quais experiências preencheriam a mente de seu filho empreendendo um rigoroso programa de aulas particulares.
  5. 5. O que é mais fundamental? O bem da INTENSÃO? O bem da AÇÃO? O bem da CONSEQUÊNCIA?
  6. 6. O LOCUS ORIGINÁRIO DO VALOR MORAL ESTÁ NA CONSEQUENCIA.
  7. 7. Ética do conseqüêncialismo * Que se centram nas conseqüências da ação. Egoísmo Altruísmo Utilitarismo
  8. 8. • Porque é moralmente errado torturar uma pessoa?
  9. 9. UTILITARISMO Corrente filosófica surgida no século XVIII, na Inglaterra, que afirma a utilidade como o valor máximo no qual a elaboração de uma ética deve fundamentar-se.
  10. 10. Conceituação  “Concepção que sustenta que só existe um princípio moral: oo de buscar a maiorde buscar a maior felicidade para o maiorfelicidade para o maior número de pessoas;número de pessoas; além disso, sustentasustenta que “felicidade”que “felicidade” significa prazer esignifica prazer e privação da dor...privação da dor...  E também que esse único princípio moral – pois é de fato único – deve ser aplicado individualmente a cada situação (utilitarismo dos atos).”
  11. 11. Outra forma de conceituar... O utilitarismo baseia-se na compreensão empírica de que os homens regulam suas ações de acordo com o prazer e a dor, perpetuamente tentando alcançar o primeiro e escapar à segunda. Deste modo, uma moral que possa abarcar efetivamente a natureza humana precisa voltar- se para este fato, conduzindo-o às suas últimas consequências.
  12. 12. O que é a Utilidade... Nesta perspectiva, a utilidade, entendida como capacidade de proporcionar prazer e evitar a dor, deve constituir o primeiro princípio moral, isto é, seu valor supremo.
  13. 13. O Princípio Geral do Utilitarismo, denominado Princípio de Utilidade pode ser expresso da seguinte maneira: Uma ação é moralmente correta quando produz (maximiza) o maior bem (felicidade – prazer) para o maior número e/ou produz o menor mal (infelicidade – dor) para o menor número.
  14. 14. De acordo com este princípio sempre que temos a possibilidade de escolher entre ações alternativas, devemos escolher aquela que, no seu todo, traga melhores conseqüências para todos os envolvidos. Em sua formulação positiva, em cada situação concreta, devemos determinar qual é o efeito ou conseqüência de um ato possível e decidir-nos pela realização daquilo que possa trazer maior bem para o maior número.
  15. 15. Em determinada situação, não podendo alcançar sua formulação positiva devemos realizar a ação que traga menor mal para o menor numero.
  16. 16. Jeremy Bentham formulou oJeremy Bentham formulou o Princípio de Utilidade da seguintePrincípio de Utilidade da seguinte maneira:maneira: Pelo princípio de utilidade designa-se aquelePelo princípio de utilidade designa-se aquele princípio pelo qualprincípio pelo qual todas as açõestodas as ações se aprovam ouse aprovam ou desaprovam em função da tendência que pareçamdesaprovam em função da tendência que pareçam ter para aumentar ou diminuir a felicidade de quemter para aumentar ou diminuir a felicidade de quem tem os seus interesses em causa; ou, o que é atem os seus interesses em causa; ou, o que é a mesma coisa dita por outras palavras, paramesma coisa dita por outras palavras, para promover ou opor-se à felicidade.promover ou opor-se à felicidade.
  17. 17. Bentham teve dentre seus seguidores John Stuart Mill, cuja argüição foi, no mínimo, mais elegante e persuasiva que a do mestre. No seu pequeno livro Utilitarismo (1861), Mill apresenta a idéia principal da teoria da seguinte maneira.
  18. 18. Imaginamos a possibilidade de um  determinado estado de coisas que  gostaríamos de ver concretizado — um  estado de coisa no qual todas as pessoas  sejam tão felizes quanto possível:
  19. 19. “De acordo com o Princípio da Maior Felicidade [...] o fim último, relativamente ao qual e em função do qual todas as outras coisas são desejáveis (quer consideremos o nosso próprio bem quer o bem de outras pessoas), é uma existência tanto quanto possível isenta de dor, e tão rica quanto possível de prazeres.”
  20. 20. A concepção Utilitarista não se apresenta como uma unidade, mas apresenta variações. Vejamos as principais perspectivas do utilitarismo.
  21. 21. O utilitarismo pode tomar duas formas: > A de um UTILITARISMO de ação. > A de um UTILITARISMO de regras.
  22. 22. 1. Utilitarismo Clássico – Utilitarismo de Ato ou ação… O Utilitarismo de Ato apresenta duas versões, a saber, de Jeremy Bentham e Johnde Jeremy Bentham e John Stuart Mill.Stuart Mill.
  23. 23. 1. 1 Jeremy Bentham Para Bentham a felicidade é o bem último (e a infelicidade o mal último) da ação humana e esta é alcançada quando maximizamos o prazer sobre a dor.
  24. 24. Hedonismo Trata-se de uma perspectiva hedonista de felicidade. Segundo esta perspectiva, a felicidade consiste noSegundo esta perspectiva, a felicidade consiste no prazer e na ausência de dor.prazer e na ausência de dor. O prazer pode ser mais ou menos intenso e maisO prazer pode ser mais ou menos intenso e mais ou menos duradouro.ou menos duradouro.
  25. 25. Bentham propõe um hedonismo quantitativohedonismo quantitativo, ou seja, o prazer é algo que tem uma quantidadequantidade que se pode medir meramente em termos de duração e intensidade.
  26. 26. Para mensurar a diferença entre o prazer e o dor, Bentham sugeriu um cálculo utilitário: Consiste em fazer um balanço do prazer e da dor, medidos em termos de intensidade, duração, certeza, proximidade, fecundidade e pureza para cada pessoa envolvida, somando em seguida os resultados de modo a obter um balanço final.
  27. 27. No caso do balanço final privilegiar o prazer sobre a dor a ação será moralmente correta, caso contrário ela será uma má ação. Assim, uma ação é boa quando proporciona maior prazer e menor dor; é uma ação má quando resulta em maior dor e menor prazer.
  28. 28. Para aplicar o cálculo utilitarista é preciso:
  29. 29. (1) Calcular as opções. Fazer A ou B. (2) Estimar as prováveis conseqüências prazerosas e dolorosas de cada opção para as partes afetadas. Talvez A torne alguns felizes, mas faça a maioria infeliz. (3) Decidir qual opção maximiza o equilíbrio do prazer sobre a dor, ou seja, proporcionando mais prazer para o maior número. (4) Essa opção é meu dever.
  30. 30. Esses passos exigem uma reflexão. O passo (2) é difícil, visto que envolve tentar descobrir as conseqüências futuras de nossas ações. Entretanto, ainda que jamais possamos ter certeza a respeito disso, podemos basear nossos juízos em estimativas melhores ou piores. • (2) Estimar as prováveis conseqüências prazerosas e dolorosas de cada opção para as partes afetadas. Talvez A torne alguns felizes, mas faça a maioria infeliz.
  31. 31. • (3) Decidir qual opção maximiza o equilíbrio do prazer sobre a dor, ou seja, proporcionando mais prazer para o maior número. • O passo (3) pode ser difícil também, visto que envolve adicionar benefícios e danos.
  32. 32. OpçõesOpções → ação Aação A ação Bação B Tom +1 -3 Dick -3 +1 Harry +4 +5 TotalTotal +2+2 +3+3
  33. 33. O Utilitarismo de Ato de Bentham nos indica para seguirmos a ação B, pois no geral ela proporciona um total superior a ação A. Cálculos desse tipo tornariam nosso pensamento moral mais nítido.
  34. 34. Mas o cálculo dos efeitos ou conseqüências não é uma tarefa fácil, ainda que se faça por unidades numéricas, como pretendia Bentham com seu cálculo utilitarista, no qual as unidades de bem eram unidades de prazer.
  35. 35. Vamos exemplificar isso concretamente. Vamos supor que o governo deseja construir uma represa em determinada localidade. Essa ação produzirá um bem, pois possibilitará uma maior produção de energia elétrica e trará irrigação para as terras da região aumentando assim a produção. Por outro lado, produzirá certo sofrimento à algumas famílias, pois famílias que há muito tempo vivem na região que será alagada terão de ser deslocadas, poderá haver extinção de espécies nativas, etc.
  36. 36. Esse mal poderá ser reduzido se o governo reembolsar as perdas das famílias, etc. Como o prazer resultante acabará sendo muito maior que o sofrimento causado, a construção da represa torna-se, quando medida por seus prováveis efeitos, uma boa ação. Portanto, do ponto de vista utilitarista, a ação é moralmente correta, pois produz maior bem para o maior número. O utilitarismo hedonista de Jeremy Bentham sofreu muitas críticas ao longo do tempo. E, por essa razão seu aluno John Stuart Mill reformulou a doutrina de seu mestre.
  37. 37. 1.2 John Stuart Mill Afirma Mill: A doutrina utilitarista consiste nisto: a felicidade é desejável, e a única coisa desejável, enquanto finalidade; todas as outras coisas são desejáveis como meios para esse fim. A felicidade que forma o padrão utilitarista daquilo que é correto na conduta não é a felicidade do próprio agente, mas a de todos os implicados. Entre a felicidade do agente e a dos outros, o utilitarismo exige que o agente seja tão estritamente imparcial como um espectador desinteressado e benévolo.
  38. 38. Para Mill, as ações corretas são as que produzem o maior equilíbrio possível de felicidade e infelicidade, sendo a felicidade de cada pessoa contabilizada como igualmente importante. Mill também tem uma perspectiva hedonista de felicidade. A novidade de Mill está na distinção entre:
  39. 39. Capítulo 2 do livro... [1] Prazeres inferiores:[1] Prazeres inferiores: Ligados às necessidades físicas, de ordem sensorial, como beber, comer e sexo. São possivelmente mais intensos e episódicos, e, comumente associados ao excesso. [2] Prazeres superiores;[2] Prazeres superiores; Ligados à ordem intelectual, estética e social. São mais duradouros e seguros.
  40. 40. Para Mill, os prazeres superiores possuem mais valor quePara Mill, os prazeres superiores possuem mais valor que os prazeres inferiores, devido à sua natureza.os prazeres inferiores, devido à sua natureza. De acordo com Mill os prazeres superiores têm mais valoros prazeres superiores têm mais valor porque sãoporque são os prazeres do pensamento, do sentimento eos prazeres do pensamento, do sentimento e da imaginação;da imaginação; tais prazeres resultam da experiência de apreciar a beleza, a verdade, o amor, a liberdade, o conhecimento, a criação artística. Qualquer prazer destes terá mais valor e fará as pessoas mais felizes do que a maior quantidade imaginável de prazeres inferiores.
  41. 41. O hedonismo de Mill é sofisticado por levar em conta a qualidade dos prazeres na promoção da felicidade para o maior número; a conseqüência disso é deixar em segundo plano a idéia de que o prazer é algo que tem uma quantidade que se pode medir meramente em termos de duração e intensidade, etc.
  42. 42. É a qualidade do prazer que é relevante e decisiva para Mill. Por isso sua afirmação de que “É preferível ser um“É preferível ser um Sócrates insatisfeito a um tolo satisfeito".Sócrates insatisfeito a um tolo satisfeito". Sócrates é capaz de prazeres elevados e prazeres inferiores e escolheu os primeiros; o tolo só é capaz de prazeres inferiores e está limitado a uma vida sem qualidade.
  43. 43. Hedonismo pluralista Mill afirma que, se fizéssemos a pergunta às pessoas com experiência destes dois tipos de prazer, elas responderiam que os prazeres elevados produzem mais felicidade do que os prazeres inferiores. Todas fariam à escolha de Sócrates. Assim, Mill assume um hedonismo pluralista, pois não restringe as conseqüências, apenas, ao binômio prazer – dor, mas as amplia qualitativamente, mas as amplia qualitativamente.
  44. 44. Assim como o utilitarismo hedonista quantitativo de Jeremy Bentham, o utilitarismo pluralista qualitativo de Mill sofreu muitas criticas e objeções. Isso levou os muitos utilitaristas a reformularem a concepção.

×