SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
As teorias estéticas essencialistas
www.filosofarliberta.blogspot.pt
O primeiro problema que qualquer teoria da arte
tem de enfrentar é o problema da própria definição
de “arte” ou de “obra de arte”.
Como podemos então definir “arte”?
Patrícia Piccinini
As teorias essencialistas defendem que existe uma
essência de arte, ou seja, que existem propriedades
essenciais comuns a todas as obras de arte e que só
nas obras de arte se encontram.
Picasso
Uma definição essencialista exige também que tais
propriedades sirvam para distinguir a arte de outras
coisas que não são arte. Daí que se procurem apenas
identificar as propriedades essenciais que sejam
individuadoras da arte.
Vieira da Silva
A teoria da arte como imitação
Esta é uma das mais antigas teorias da arte. Foi, aliás, durante
muito tempo aceite pelos próprios artistas como inquestionável.
A teoria da arte como imitação
José Malhoa
1855-1933
A definição que constitui a sua tese central é a
seguinte:
Uma obra é arte se, e só se, é produzida pelo
homem e imita algo.
A característica própria desta teoria não reside no
facto de defender que uma obra de arte tem de ser
produzida pelo homem, o que é comum a outras
teorias, mas na ideia de que para ser arte essa
obra tem de imitar algo.
A teoria da arte como imitação
Vários foram os filósofos que se referiram à arte como
imitação. Alguns desprezavam-na por isso mesmo, como
acontecia com o conhecido filósofo grego Platão que, ao
considerar que as obras de arte imitavam os objectos
naturais, via essas obras como imagens imperfeitas dos
seus originais. Ainda por cima quando, no seu ponto de
vista, os próprios objectos naturais eram por sua vez
cópias de outros seres mais perfeitos.
A teoria da arte como imitação
Já o seu contemporâneo Aristóteles, mantendo
embora a ideia de arte como imitação, tinha uma
opinião mais favorável à arte, uma vez que os
objectos que a arte imita não são, segundo ele,
cópias de nada [e a arte pode contribuir para uma
purificação emocional das pessoas que entram em
relação com ela, libertando-as de emoções
negativas - Catharsis].
A teoria da arte como imitação
Pontos fortes da teoria:
A teoria da arte como imitação
Fotografia de
Eugenio Recuenco,
inspirada nos frisos
do Parténon
1. Adequa-se ao facto incontestável de muitas pinturas,
esculturas e outras obras de arte, como peças de teatro ou
filmes imitarem algo da natureza: paisagens, pessoas,
objectos, acontecimentos, etc.
A teoria da arte como imitação
Fotografia de
Eugenio Recuenco,
inspirada nos frisos
do Parténon
Friso do Parténon
atribuído a Fídeas
Sec. V a.C.
Caravaggio
Sec. XVII
Vermeer
Sec. XVII
2. Oferece um critério de classificação das obras de arte bastante
rigoroso, o que nos permite, aparentemente, distinguir com
alguma facilidade um objecto que é uma obra de arte de outro que
o não é.
A teoria da arte como imitação
Pinturas hiperrealistas de Roberto Bernardi
Pintura de Roberto Bernardi
Pintura de Nathan Walsh
Pintura de Nathan Walsh
Pintura de Javier Arizabalo
Pintura de Alyssa Monks
Pintura de Gina Heyer
Pintura de Rob Hefferan
Um aspecto geral desta teoria mostra-nos que é uma teoria centrada nos objectos
imitados. Ela exprime-se frequentemente através de frases como “este filme é
excelente, pois é um retrato fiel da sociedade americana nos anos 60”, ou como “este
quadro é tão bom que mal conseguimos distinguir aquilo que o artista pintou do modelo
utilizado”.
A teoria da arte como imitação
Turner (1775-1851)
Limitações da teoria:
A teoria da arte como imitação
Obras de arte que não imitam nada encontramo-las
tanto na pintura como na escultura abstratas ou
noutras artes visuais não figurativas. De forma ainda
mais notória encontramo-las na literatura e na
música.
Jackson Pollock
Mark Rothko
Teoria da arte como expressão
Munch, o Grito
Teoria da arte como expressão
Insatisfeitos com a teoria da arte como imitação (ou
representação), muitos filósofos e artistas
românticos do século XIX propuseram uma
definição de arte que procurava libertar-se das
limitações da teoria anterior, ao mesmo tempo que
deslocava para o artista, ou criador, a chave da
compreensão da arte. Trata-se da teoria da arte
como expressão.
Segundo a teoria da expressão:
Uma obra é arte se, e só se, exprime sentimentos e
emoções do artista.
Van Gogh
Se é verdade, como parece ser, que a arte provoca
em nós determinadas emoções ou sentimentos,
então é porque tais sentimentos e emoções
existiram no seu criador e deram origem a tais
obras.
Também nos oferece, como a teoria anterior, um
critério que permite, com algum rigor, classificar
objectos como obras de arte. Com a vantagem
acrescida de classificar como arte todas as obras
que não imitam nada, o que acontece
frequentemente na literatura e sempre na música e
na arte abstracta.
Mais uma vez oferece um critério valorativo: uma
obra é tanto melhor quanto melhor conseguir
exprimir os sentimentos do artista que a criou.
Uma teoria como esta manifesta-se frequentemente
em juízos como “Este é um livro exemplar em que o
autor nos transmite o seu desespero perante uma
vida sem sentido” ou como “O autor do filme filma
magistralmente os seus próprios traumas e
obsessões”.
Teoria da arte como expressão
Contudo, esta teoria, tal como acontecia com a teoria da imitação,
não consegue apresentar um critério que permita decidir com
segurança o que é arte e o que não o é.
Piet Mondrian
Teoria da arte como expressão
Há obras de arte que não expressam emoções do artista,
nem procuram provocar determinadas emoções no
espectador.
Yves Klein
Teoria da arte como expressão
De acordo com a teoria da expressão essas obras não seriam arte…
Victor Vasarely
Por outro lado, se não soubéssemos quem é o autor de uma obra, ou se
não nos fosse possível saber quais as emoções que estavam na origem da
obra, não a poderíamos interpretar…
E poderá haver arte produzida sem um autor?
Pelo menos sem um autor humano?
Teoria da arte como forma significante
Claude Monet (1840-1926)
Verificando que a diversidade de obras de arte é bem maior do que
as teorias da imitação e da expressão fariam supor, uma teoria
mais elaborada, e também mais recente, conhecida como teoria da
forma significante (ou “teoria formalista”), abandonou a ideia de
que existe uma característica que possa ser directamente
encontrada em todas as obras de arte.
Teoria da arte como forma significante
Gustave
Klimt
(1840-1926)
Esta teoria, defendida, entre outros, pelo filósofo Clive Bell,
considera que não se deve começar por procurar aquilo que define
uma obra de arte na própria obra, mas sim no sujeito que a
aprecia.
Marc Chagall
(1887-1985)
Teoria da arte como forma significante
Gustave Klimt
“A árvore de vida”
Gustave Klimt
“O beijo”
Marc Chagall
A característica comum a todas as obras de arte só
pode ser identificada por intermédio de um tipo de
emoção peculiar, a que Clive Bell chama emoção
estética, que elas, e só elas, provocam em nós.
Teoria da arte como forma significante
Salvador Dali
“A persistência da memória”
De acordo com a teoria formalista de Clive Bell:
Uma obra é arte se, e só se, provoca nas pessoas emoções
estéticas.
Tendo em conta a definição dada, reparamos que a
característica de provocar emoções estéticas constitui,
simultaneamente, a condição necessária e suficiente
para que um objecto seja uma obra de arte.
Almada Negreiros
Tendo em conta a definição dada, reparamos que a
característica de provocar emoções estéticas constitui,
simultaneamente, a condição necessária e suficiente
para que um objecto seja uma obra de arte.
Francis Bacon
A pintar
Mas se essa emoção peculiar chamada “emoção
estética” é provocada pelas obras de arte, e só por
elas, então tem de haver alguma propriedade também
ela peculiar a todas as obras de arte, que seja capaz
de provocar tal emoção nas pessoas.
Mas essa característica existe mesmo? Clive Bell
responde que sim e diz que é a forma significante.
Mas essa característica existe mesmo? Clive Bell responde
que sim e diz que é a forma significante.
Wassily Kandinsky
Frases como “Este quadro é uma verdadeira obra prima devido à
excepcional harmonia das cores e ao equilíbrio da composição”,
ou como “Aquele livro é excelente porque está muito bem escrito
e apresenta uma história bem construída apoiada em
personagens convincentes e bem caracterizadas”, exprimem
habitualmente uma perspectiva formalista da arte.
Texto da apresentação até este slide é baseado no seguinte
documento: Aires Almeida "O que é a arte?"
´
Piet Mondrian
“A teoria de Bell pode ser resumida na expressão “A arte é forma
significante”. A teoria é essencialmente a seguinte: alguns objectos,
criados por mãos humanas, foram, por algum motivo, dotados com
o poder de produzir uma emoção estética nos espectadores
sensíveis. Estes objectos estão por todo o lado; e quando estamos
interessados neles enquanto obras de arte é irrelevante quando
foram feitos, quem os fez ou porquê. O poder para produzir uma
emoção estética é inerente à forma significante. A forma significante
é uma combinação de linhas, formas e cores em certas relações.”
Nigel Warburt
Nem toda a forma é significante; mas se um objecto tem uma forma
significante, tem-na por causa das relações entre essas linhas,
formas e cores. A forma significante, defendeu Bell, é “a única
qualidade comum a todas as obras de arte visual”. A representação
– o que uma pintura pinta – é irrelevante para a nossa apreciação
das obras de arte como arte. Não se trata de Bell achar que existe
algo de intrinsecamente errado com a representação; mas antes
que o valor artístico da arte visual se encontra noutro lado.
Nigel Warburt
Assim, a arte não é acerca da vida, mesmo quando parece sê-lo. O único
conhecimento relevante que o observador precisa de ter é um sentido da
forma, da cor e do espaço tridimensional.
Nigel Warburt
Salvador Dali
Teorias estéticas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperJorge Barbosa
 
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoEstatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoDaniela França
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informaisIsabel Moura
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio InesTeixeiraDuarte
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
Teoria institucional da arte
Teoria institucional da arteTeoria institucional da arte
Teoria institucional da arteJoão Martins
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoEstatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Estética2
Estética2Estética2
Estética2
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Teoria institucional da arte
Teoria institucional da arteTeoria institucional da arte
Teoria institucional da arte
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 

Destaque

A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valoresPaulo Gomes
 
A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?Paulo Gomes
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homemPaulo Gomes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoAntónio Daniel
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioFilazambuja
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade culturalPaulo Gomes
 
Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018Isaque Tomé
 
Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisJulieta Martins
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAnorberto faria
 
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaIsaque Tomé
 

Destaque (13)

A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valores
 
Os valores
Os valoresOs valores
Os valores
 
A decisão
A decisãoA decisão
A decisão
 
A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homem
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
 
Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informais
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
 

Semelhante a Teorias estéticas

Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteJulia Martins
 
Estetica-part 3.1.docx
Estetica-part 3.1.docxEstetica-part 3.1.docx
Estetica-part 3.1.docxLuisa679574
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Helena Serrão
 
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundárioO que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundárioanimarescue
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética3000zxsc
 
Arte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArthur Barreto
 
Arte Conceitual Semina´Rio
Arte Conceitual  Semina´RioArte Conceitual  Semina´Rio
Arte Conceitual Semina´Rioguest2b9b0d
 
Introdução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arqIntrodução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arqWívian Diniz
 
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2Fernando Alves
 
O fim da arte
O fim da arteO fim da arte
O fim da arterodcassio
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arteEllen_A
 

Semelhante a Teorias estéticas (20)

Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
 
Estetica-part 3.1.docx
Estetica-part 3.1.docxEstetica-part 3.1.docx
Estetica-part 3.1.docx
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Aula iv estética
Aula iv   estéticaAula iv   estética
Aula iv estética
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
 
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundárioO que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
 
Tres teorias
Tres teoriasTres teorias
Tres teorias
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
 
Arte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArte conceitual - Seminário
Arte conceitual - Seminário
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Arte 1o2o ano 11.02.2014
Arte 1o2o ano 11.02.2014Arte 1o2o ano 11.02.2014
Arte 1o2o ano 11.02.2014
 
Arte Conceitual Semina´Rio
Arte Conceitual  Semina´RioArte Conceitual  Semina´Rio
Arte Conceitual Semina´Rio
 
V dfilo cap4p_arte
V dfilo cap4p_arteV dfilo cap4p_arte
V dfilo cap4p_arte
 
Introdução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arqIntrodução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arq
 
A o que é arte
A o que é arteA o que é arte
A o que é arte
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
Estética e Arte Contemporânea - Aulas 1 e 2
 
O fim da arte
O fim da arteO fim da arte
O fim da arte
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
 

Mais de Paulo Gomes

Pressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniõesPressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniõesPaulo Gomes
 
Revisões teste01
Revisões teste01Revisões teste01
Revisões teste01Paulo Gomes
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do JuízoPaulo Gomes
 
Conceito apresentação
Conceito apresentaçãoConceito apresentação
Conceito apresentaçãoPaulo Gomes
 
85857099 descartes
85857099 descartes85857099 descartes
85857099 descartesPaulo Gomes
 
Integração europeia
Integração europeiaIntegração europeia
Integração europeiaPaulo Gomes
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoPaulo Gomes
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentaçãoPaulo Gomes
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a PsicanálisePaulo Gomes
 
Menino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.VdMenino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.VdPaulo Gomes
 
O Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De DesenvolvimentoO Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De DesenvolvimentoPaulo Gomes
 
O sentido da existência humana
O sentido da existência humanaO sentido da existência humana
O sentido da existência humanaPaulo Gomes
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça socialPaulo Gomes
 
A opinião Pública
A opinião PúblicaA opinião Pública
A opinião PúblicaPaulo Gomes
 

Mais de Paulo Gomes (20)

Pressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniõesPressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniões
 
Revisões teste01
Revisões teste01Revisões teste01
Revisões teste01
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
 
Conceito apresentação
Conceito apresentaçãoConceito apresentação
Conceito apresentação
 
85857099 descartes
85857099 descartes85857099 descartes
85857099 descartes
 
Integração europeia
Integração europeiaIntegração europeia
Integração europeia
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
 
Salt
SaltSalt
Salt
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Menino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.VdMenino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.Vd
 
O Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De DesenvolvimentoO Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De Desenvolvimento
 
O sentido da existência humana
O sentido da existência humanaO sentido da existência humana
O sentido da existência humana
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
 
A política
A políticaA política
A política
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
 
O agir moral
O agir moralO agir moral
O agir moral
 
A opinião Pública
A opinião PúblicaA opinião Pública
A opinião Pública
 

Teorias estéticas

  • 1. As teorias estéticas essencialistas www.filosofarliberta.blogspot.pt
  • 2.
  • 3. O primeiro problema que qualquer teoria da arte tem de enfrentar é o problema da própria definição de “arte” ou de “obra de arte”. Como podemos então definir “arte”? Patrícia Piccinini
  • 4. As teorias essencialistas defendem que existe uma essência de arte, ou seja, que existem propriedades essenciais comuns a todas as obras de arte e que só nas obras de arte se encontram. Picasso
  • 5.
  • 6. Uma definição essencialista exige também que tais propriedades sirvam para distinguir a arte de outras coisas que não são arte. Daí que se procurem apenas identificar as propriedades essenciais que sejam individuadoras da arte. Vieira da Silva
  • 7.
  • 8. A teoria da arte como imitação
  • 9. Esta é uma das mais antigas teorias da arte. Foi, aliás, durante muito tempo aceite pelos próprios artistas como inquestionável. A teoria da arte como imitação José Malhoa 1855-1933
  • 10. A definição que constitui a sua tese central é a seguinte: Uma obra é arte se, e só se, é produzida pelo homem e imita algo. A característica própria desta teoria não reside no facto de defender que uma obra de arte tem de ser produzida pelo homem, o que é comum a outras teorias, mas na ideia de que para ser arte essa obra tem de imitar algo. A teoria da arte como imitação
  • 11. Vários foram os filósofos que se referiram à arte como imitação. Alguns desprezavam-na por isso mesmo, como acontecia com o conhecido filósofo grego Platão que, ao considerar que as obras de arte imitavam os objectos naturais, via essas obras como imagens imperfeitas dos seus originais. Ainda por cima quando, no seu ponto de vista, os próprios objectos naturais eram por sua vez cópias de outros seres mais perfeitos. A teoria da arte como imitação
  • 12. Já o seu contemporâneo Aristóteles, mantendo embora a ideia de arte como imitação, tinha uma opinião mais favorável à arte, uma vez que os objectos que a arte imita não são, segundo ele, cópias de nada [e a arte pode contribuir para uma purificação emocional das pessoas que entram em relação com ela, libertando-as de emoções negativas - Catharsis]. A teoria da arte como imitação
  • 13. Pontos fortes da teoria: A teoria da arte como imitação Fotografia de Eugenio Recuenco, inspirada nos frisos do Parténon
  • 14. 1. Adequa-se ao facto incontestável de muitas pinturas, esculturas e outras obras de arte, como peças de teatro ou filmes imitarem algo da natureza: paisagens, pessoas, objectos, acontecimentos, etc. A teoria da arte como imitação Fotografia de Eugenio Recuenco, inspirada nos frisos do Parténon
  • 15. Friso do Parténon atribuído a Fídeas Sec. V a.C.
  • 18. 2. Oferece um critério de classificação das obras de arte bastante rigoroso, o que nos permite, aparentemente, distinguir com alguma facilidade um objecto que é uma obra de arte de outro que o não é. A teoria da arte como imitação Pinturas hiperrealistas de Roberto Bernardi
  • 19. Pintura de Roberto Bernardi
  • 22. Pintura de Javier Arizabalo
  • 25. Pintura de Rob Hefferan
  • 26. Um aspecto geral desta teoria mostra-nos que é uma teoria centrada nos objectos imitados. Ela exprime-se frequentemente através de frases como “este filme é excelente, pois é um retrato fiel da sociedade americana nos anos 60”, ou como “este quadro é tão bom que mal conseguimos distinguir aquilo que o artista pintou do modelo utilizado”. A teoria da arte como imitação Turner (1775-1851)
  • 27. Limitações da teoria: A teoria da arte como imitação Obras de arte que não imitam nada encontramo-las tanto na pintura como na escultura abstratas ou noutras artes visuais não figurativas. De forma ainda mais notória encontramo-las na literatura e na música. Jackson Pollock
  • 28.
  • 30. Teoria da arte como expressão Munch, o Grito
  • 31.
  • 32. Teoria da arte como expressão Insatisfeitos com a teoria da arte como imitação (ou representação), muitos filósofos e artistas românticos do século XIX propuseram uma definição de arte que procurava libertar-se das limitações da teoria anterior, ao mesmo tempo que deslocava para o artista, ou criador, a chave da compreensão da arte. Trata-se da teoria da arte como expressão.
  • 33. Segundo a teoria da expressão: Uma obra é arte se, e só se, exprime sentimentos e emoções do artista. Van Gogh
  • 34. Se é verdade, como parece ser, que a arte provoca em nós determinadas emoções ou sentimentos, então é porque tais sentimentos e emoções existiram no seu criador e deram origem a tais obras. Também nos oferece, como a teoria anterior, um critério que permite, com algum rigor, classificar objectos como obras de arte. Com a vantagem acrescida de classificar como arte todas as obras que não imitam nada, o que acontece frequentemente na literatura e sempre na música e na arte abstracta. Mais uma vez oferece um critério valorativo: uma obra é tanto melhor quanto melhor conseguir exprimir os sentimentos do artista que a criou.
  • 35. Uma teoria como esta manifesta-se frequentemente em juízos como “Este é um livro exemplar em que o autor nos transmite o seu desespero perante uma vida sem sentido” ou como “O autor do filme filma magistralmente os seus próprios traumas e obsessões”.
  • 36. Teoria da arte como expressão Contudo, esta teoria, tal como acontecia com a teoria da imitação, não consegue apresentar um critério que permita decidir com segurança o que é arte e o que não o é. Piet Mondrian
  • 37. Teoria da arte como expressão Há obras de arte que não expressam emoções do artista, nem procuram provocar determinadas emoções no espectador. Yves Klein
  • 38. Teoria da arte como expressão De acordo com a teoria da expressão essas obras não seriam arte… Victor Vasarely
  • 39. Por outro lado, se não soubéssemos quem é o autor de uma obra, ou se não nos fosse possível saber quais as emoções que estavam na origem da obra, não a poderíamos interpretar… E poderá haver arte produzida sem um autor? Pelo menos sem um autor humano?
  • 40. Teoria da arte como forma significante Claude Monet (1840-1926)
  • 41.
  • 42.
  • 43. Verificando que a diversidade de obras de arte é bem maior do que as teorias da imitação e da expressão fariam supor, uma teoria mais elaborada, e também mais recente, conhecida como teoria da forma significante (ou “teoria formalista”), abandonou a ideia de que existe uma característica que possa ser directamente encontrada em todas as obras de arte. Teoria da arte como forma significante Gustave Klimt (1840-1926)
  • 44. Esta teoria, defendida, entre outros, pelo filósofo Clive Bell, considera que não se deve começar por procurar aquilo que define uma obra de arte na própria obra, mas sim no sujeito que a aprecia. Marc Chagall (1887-1985) Teoria da arte como forma significante
  • 48. A característica comum a todas as obras de arte só pode ser identificada por intermédio de um tipo de emoção peculiar, a que Clive Bell chama emoção estética, que elas, e só elas, provocam em nós. Teoria da arte como forma significante Salvador Dali “A persistência da memória”
  • 49. De acordo com a teoria formalista de Clive Bell: Uma obra é arte se, e só se, provoca nas pessoas emoções estéticas.
  • 50. Tendo em conta a definição dada, reparamos que a característica de provocar emoções estéticas constitui, simultaneamente, a condição necessária e suficiente para que um objecto seja uma obra de arte. Almada Negreiros
  • 51.
  • 52. Tendo em conta a definição dada, reparamos que a característica de provocar emoções estéticas constitui, simultaneamente, a condição necessária e suficiente para que um objecto seja uma obra de arte. Francis Bacon A pintar
  • 53. Mas se essa emoção peculiar chamada “emoção estética” é provocada pelas obras de arte, e só por elas, então tem de haver alguma propriedade também ela peculiar a todas as obras de arte, que seja capaz de provocar tal emoção nas pessoas. Mas essa característica existe mesmo? Clive Bell responde que sim e diz que é a forma significante.
  • 54. Mas essa característica existe mesmo? Clive Bell responde que sim e diz que é a forma significante. Wassily Kandinsky
  • 55.
  • 56. Frases como “Este quadro é uma verdadeira obra prima devido à excepcional harmonia das cores e ao equilíbrio da composição”, ou como “Aquele livro é excelente porque está muito bem escrito e apresenta uma história bem construída apoiada em personagens convincentes e bem caracterizadas”, exprimem habitualmente uma perspectiva formalista da arte. Texto da apresentação até este slide é baseado no seguinte documento: Aires Almeida "O que é a arte?" ´ Piet Mondrian
  • 57.
  • 58. “A teoria de Bell pode ser resumida na expressão “A arte é forma significante”. A teoria é essencialmente a seguinte: alguns objectos, criados por mãos humanas, foram, por algum motivo, dotados com o poder de produzir uma emoção estética nos espectadores sensíveis. Estes objectos estão por todo o lado; e quando estamos interessados neles enquanto obras de arte é irrelevante quando foram feitos, quem os fez ou porquê. O poder para produzir uma emoção estética é inerente à forma significante. A forma significante é uma combinação de linhas, formas e cores em certas relações.” Nigel Warburt
  • 59. Nem toda a forma é significante; mas se um objecto tem uma forma significante, tem-na por causa das relações entre essas linhas, formas e cores. A forma significante, defendeu Bell, é “a única qualidade comum a todas as obras de arte visual”. A representação – o que uma pintura pinta – é irrelevante para a nossa apreciação das obras de arte como arte. Não se trata de Bell achar que existe algo de intrinsecamente errado com a representação; mas antes que o valor artístico da arte visual se encontra noutro lado. Nigel Warburt
  • 60. Assim, a arte não é acerca da vida, mesmo quando parece sê-lo. O único conhecimento relevante que o observador precisa de ter é um sentido da forma, da cor e do espaço tridimensional. Nigel Warburt Salvador Dali