SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Carta sobre a Felicidade (a Meneceu).
Trad. Álvaro Lorencini e Enzo del Carratore. São Paulo:
Editora da Unesp, 2002.
EPICURO.
Epicuro
• Epicuro de Samos (341 a.C.,
Samos — 271 ou 270 a.C.,
Atenas) foi um filósofo
grego do período
helenístico.
Seu pensamento foi muito
difundido e numerosos
centros epicuristas se
desenvolveram na Jônia, no
Egito e, a partir do século I,
em Roma, onde Lucrécio foi
seu maior divulgador.
VIDA
• Quando ainda muito
jovem partiu para Téos,
na costa da Ásia Menor.
• Quando criança
estudou com o
platonista Pânfilo por
quatro anos e era
considerado um dos
melhores alunos.
• Certa vez ao ouvir a
frase de Hesíodo, todas
as coisas vieram do
caos, ele perguntou: e o
caos veio de que?
> Retornou para a terra
natal em 323 a.c.
• Sofria de cálculo renal, o que contribuiu
para que tivesse uma vida marcada pela
dor.
Sofria de cálculo renal, o que contribuiu para que tivesse uma vida marcada pela dor.
• Epicuro ouviu o filósofo acadêmico Pânfilo em
Samos, que não lhe foi de muito agrado.
Por isso foi mandado para Téos pelo seu pai.
Com Nausífanes de Téos, discípulo de
Demócrito de Abdera, Epicuro teria entrado
em contato com a teoria atomista — da qual
reformulou alguns pontos.
> Epicuro ensinou filosofia em Lâmpsaco,
Mitilene e Cólofon até que em 306 a.C.
fundou sua própria escola filosófica, chamada
O Jardim, onde residia com alguns amigos, na
cidade de Atenas.
> Lecionou em sua escola até a morte, em 270
a.C., cercado de amigos e discípulos e tendo
sua vida marcada pelo ascetismo, serenidade
e doçura.
Ascetismo
• O adjetivo "ascetismo" deriva de um termo
grego askesis (prática, treinamento ou
exercício).
• Originalmente associado com qualquer forma
de disciplina ou filosofia prática, o termo
ascetismo significa alguém que pratica uma
renúncia ao mundo com objetivo de adquirir
um alto intelecto e espírito.
• O ascetismo ou asceticismo é uma filosofia de
vida na qual são refreados os prazeres
mundanos, onde se propõem a austeridade.
• Aquelas que praticam um estilo de vida
austero definem suas praticas como virtuosa e
perseguem o objetivo de adquirir uma grande
espiritualidade.
• Muitos ascéticos acreditam que a purificação
do corpo ajuda a purificação da alma, e de
fato a obter a compreensão de uma divindade
ou encontrar a paz interior.
• Isto também pode ser obtido com a
automortificação, rituais, ou uma severa
renúncia ao prazer.
• Entretanto, ascéticos defendem que essa
restrições auto-impostas trazem grande
liberdade em várias áreas de suas vidas, tais
como aumento das habilidades para pensar
limpidamente e para resistir a potenciais
impulsos destrutivos.
O PROPÓSITO DA FILOSOFIA
• “Que ninguém hesite em se dedicar à
filosofia enquanto jovem, nem se canse de
fazê-lo depois de velho, porque ninguém
jamais é demasiado jovem ou demasiado
velho para alcançar a saúde do espírito. Quem
afirma que a hora de dedicar-se à filosofia
ainda não chegou, ou que ela já passou, é
como se dissesse que ainda não chegou ou
que já passou a hora de ser feliz.”
• “Desse modo, a filosofia é útil tanto ao jovem
quanto ao velho: para quem está
envelhecendo sentir-se rejuvenescer através
da grata recordação das coisas que já se
foram, e para o jovem poder envelhecer sem
sentir medo das coisas que estão por vir; é
necessário, portanto, cuidar das coisas que
trazem a felicidade, já que, estando esta
presente, tudo temos, e, sem ela, tudo
fazemos para alcançá-la.”
>>> O propósito da filosofia para Epicuro era
atingir a felicidade, estado caracterizado pela
aponia, a ausência de dor (física) e ataraxia ou
imperturbabilidade da alma.
• Ele buscou na natureza as balizas para o seu
pensamento: o homem, a exemplo dos
animais, busca afastar-se da dor e aproximar-
se do prazer.
• Estas referências seriam as melhores
maneiras de medir o que é bom ou ruim.
• Utilizou-se da teoria atômica de Demócrito
para justificar a constituição de tudo o que há.
Das estrelas à alma, tudo é formado de
átomos, sendo, porém de diferentes
naturezas.
• Dizia que os átomos são de qualidades finitas,
de quantidades infinitas e sujeitos a infinitas
combinações.
• A morte física seria o fim do corpo (e do
indivíduo), que era entendido como somatório
de carne e alma, pela desintegração completa
dos átomos que o constituem.
• Desta forma, os átomos, eternos e indestrutíveis,
estariam livres para constituir outros corpos.
• Essa teoria, exaustivamente trabalhada, tinha a
finalidade de explicar todos os fenômenos
naturais conhecidos ou ainda não e
principalmente extirpar os maiores medos
humanos: o medo da morte e o medo dos
deuses.
• “Na tua opinião, será que pode existir
alguém mais feliz do que o sábio, que tem um
juízo reverente acerca dos deuses, que se
comporta de modo absolutamente indiferente
perante a morte, que bem compreende a
finalidade da natureza, que discerne que o
bem supremo está nas coisas simples e fáceis
de obter, e que o mal supremos ou dura
pouco, ou só nos causa sofrimentos leves?...”
• “...Que nega o destino, apresentado por
alguns como o senhor de tudo, já que as coisas
acontecem ou por necessidade, ou por acaso,
ou por vontade nossa; e que a necessidade é
incoercível, o acaso instável, enquanto nossa
vontade é livre, razão pela qual nos
acompanham a censura e o louvor?”
• Carta sobre a Felicidade - Epicuro
Os deuses
• Naqueles tempos, Epicuro percebeu que as
pessoas eram muito supersticiosas e haviam
se afastado da verdadeira função das religiões
e dos deuses.
• Os deuses, segundo ele, viviam em perfeita
harmonia, desfrutando da bem-aventurança
(felicidade) divina. Não seria preocupação
divina atormentar o homem de qualquer
forma.
• Os deuses deveriam ser tomados como foram em
tempos remotos, modelos de bem-aventurança
que servem como modelo para os homens e não
seres instáveis, com paixões humanas, que
devem ser temidos.
• Desta forma procurou tranqüilizar as pessoas
quanto aos tormentos futuros ou após a morte.
• Não há por que temer os deuses nem em vida e
nem após a vida.
• E além disso, depois de mortos, como não
estaremos mais de posse de nossos sentidos,
será impossível sentir alguma coisa.
• Então, não haveria nada a temer com a morte.
As dores físicas
• No entanto, a caminho da busca da felicidade,
ainda estão as dores e os prazeres.
• Quanto às dores físicas, nem sempre seria
possível evitá-las.
• Mas Epicuro faz questão de frisar que elas não
são duradouras e podem ser suportadas com
as lembranças de bons momentos que o
indivíduo tenha vivido.
• Piores e mais difíceis de lidar são as dores
que perturbam a alma.
• Essas podem continuar a doer mesmo muito
tempo depois de terem sido despertadas pela
primeira vez.
• Para essas, Epicuro recomenda a reflexão.
• As dores da alma estão frequentemente
associadas às frustrações.
• Em geral, oriunda de um desejo não
satisfeito.
• “Entendendo que a sorte não é uma
divindade, como a maioria das pessoas
acredita (pois um deus não faz nada ao
acaso), nem algo incerto, o sábio não crê que
ela proporcione aos homens nenhum bem ou
nenhum mal que sejam fundamentais para
uma vida feliz, mas, sim, que dela pode surgir
o início de grandes bens e de grandes males.
• A seu ver, é preferível ser desafortunado e
sábio, a ser afortunado e tolo; na prática, é
melhor que um bom projeto não chegue a
bom termo, do que chegue a ter êxito um
projeto mau.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

As escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
As escolas helenistas - Epicurismo e EstoicismoAs escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
As escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
 
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
 
Epicuro
EpicuroEpicuro
Epicuro
 
Filosofia 3ª série - felicidade
Filosofia   3ª série - felicidadeFilosofia   3ª série - felicidade
Filosofia 3ª série - felicidade
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
 
Estoicismo
EstoicismoEstoicismo
Estoicismo
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
 
Felicidade 2018
Felicidade 2018Felicidade 2018
Felicidade 2018
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
 
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
Avaliação de filosofia   1º ano    2º bimetreAvaliação de filosofia   1º ano    2º bimetre
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
 
Introdução a filosofia
Introdução a filosofiaIntrodução a filosofia
Introdução a filosofia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 
Questões para prova 2º ano do ensino médio ...
Questões para prova                           2º ano do ensino médio         ...Questões para prova                           2º ano do ensino médio         ...
Questões para prova 2º ano do ensino médio ...
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
 

Destaque

Epicuro carta sobre_a_felicidade
Epicuro carta sobre_a_felicidadeEpicuro carta sobre_a_felicidade
Epicuro carta sobre_a_felicidadeAntônio Filho
 
05 epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...
05   epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...05   epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...
05 epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...bahakagd
 
Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.
Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.
Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.Otávio Lima
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidadeMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Sintese De Epicuro
Sintese De  EpicuroSintese De  Epicuro
Sintese De Epicuroalbiofabian
 
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia HelênicaAula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia HelênicaLeandro Nazareth Souto
 
A responsabilidade ecológica
A responsabilidade ecológicaA responsabilidade ecológica
A responsabilidade ecológicaDiogo Andre
 
Francis bacon e o método empírico - Mini Seminário
Francis bacon e o método empírico -  Mini SeminárioFrancis bacon e o método empírico -  Mini Seminário
Francis bacon e o método empírico - Mini SeminárioWagner Bonfim
 
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho EscolarEmpirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho EscolarLizandra Dias
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoHelena Serrão
 

Destaque (17)

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
As delicias do_jardim
As delicias do_jardimAs delicias do_jardim
As delicias do_jardim
 
Epicuro carta sobre_a_felicidade
Epicuro carta sobre_a_felicidadeEpicuro carta sobre_a_felicidade
Epicuro carta sobre_a_felicidade
 
05 epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...
05   epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...05   epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...
05 epicuro, lucrã©cio, cã­cero, sãªneca e marco aurã©lio - coleã§ã£o os pen...
 
Francis bacon 303
Francis bacon 303Francis bacon 303
Francis bacon 303
 
Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.
Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.
Epicuro e a felicidade - A autosatisfação como base do trabalho.
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
 
Sintese De Epicuro
Sintese De  EpicuroSintese De  Epicuro
Sintese De Epicuro
 
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia HelênicaAula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
 
A responsabilidade ecológica
A responsabilidade ecológicaA responsabilidade ecológica
A responsabilidade ecológica
 
Idealismo 306
Idealismo 306Idealismo 306
Idealismo 306
 
Fracis bacon e o método indutivo
Fracis bacon e o método indutivoFracis bacon e o método indutivo
Fracis bacon e o método indutivo
 
Francis bacon
Francis baconFrancis bacon
Francis bacon
 
Francis bacon e o método empírico - Mini Seminário
Francis bacon e o método empírico -  Mini SeminárioFrancis bacon e o método empírico -  Mini Seminário
Francis bacon e o método empírico - Mini Seminário
 
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho EscolarEmpirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismo
 
Epicuro
EpicuroEpicuro
Epicuro
 

Semelhante a Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro

Bas 04 ética de epicuro
Bas 04 ética de epicuroBas 04 ética de epicuro
Bas 04 ética de epicuroTate Carreiro
 
Trabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mp
Trabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mpTrabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mp
Trabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mpAlexandre Misturini
 
O caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастью
O caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастьюO caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастью
O caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастьюMarcelo Bomfim de Aguiar
 
Religião e o sentido da existência
Religião e o sentido da existênciaReligião e o sentido da existência
Religião e o sentido da existênciamluisavalente
 
Epicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdf
Epicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdfEpicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdf
Epicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdfJessicaLacerda10
 
Escolas Filosóficas da era Helenística
Escolas Filosóficas da era Helenística Escolas Filosóficas da era Helenística
Escolas Filosóficas da era Helenística JefersonRodrigoTagli
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraErnandez Oliveira
 
Trabalho de sociologia 23 2232323
Trabalho de sociologia 23 2232323Trabalho de sociologia 23 2232323
Trabalho de sociologia 23 2232323Alexandre Misturini
 
Conceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - LiteraturaConceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - LiteraturaCarson Souza
 

Semelhante a Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro (20)

Bas 04 ética de epicuro
Bas 04 ética de epicuroBas 04 ética de epicuro
Bas 04 ética de epicuro
 
Os epicuristas
Os epicuristasOs epicuristas
Os epicuristas
 
Trabalho filosofia
Trabalho filosofiaTrabalho filosofia
Trabalho filosofia
 
Trabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mp
Trabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mpTrabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mp
Trabalho de filosofia, larissa, marina, kauanna, carine e elisa 11 mp
 
Epicuristas-Filosofia.pptx
Epicuristas-Filosofia.pptxEpicuristas-Filosofia.pptx
Epicuristas-Filosofia.pptx
 
O caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастью
O caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастьюO caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастью
O caminho para a felicidade / The way to happiness / Путь к счастью
 
O caminho para a felicidade
O caminho para a felicidadeO caminho para a felicidade
O caminho para a felicidade
 
Religião e o sentido da existência
Religião e o sentido da existênciaReligião e o sentido da existência
Religião e o sentido da existência
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
Epicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdf
Epicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdfEpicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdf
Epicuro e a felicidade - slide 8º ano 03.08.pdf
 
A felicidade à luz da filosofia 2
A felicidade à luz da filosofia 2A felicidade à luz da filosofia 2
A felicidade à luz da filosofia 2
 
Escolas Filosóficas da era Helenística
Escolas Filosóficas da era Helenística Escolas Filosóficas da era Helenística
Escolas Filosóficas da era Helenística
 
Filosofia 24 333
Filosofia 24 333Filosofia 24 333
Filosofia 24 333
 
Epicurismo Rick and Morty
Epicurismo Rick and MortyEpicurismo Rick and Morty
Epicurismo Rick and Morty
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
 
Trabalho de sociologia 23 2232323
Trabalho de sociologia 23 2232323Trabalho de sociologia 23 2232323
Trabalho de sociologia 23 2232323
 
Conceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - LiteraturaConceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - Literatura
 
2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+
 
Filosofia 23m fff
Filosofia 23m fffFilosofia 23m fff
Filosofia 23m fff
 
Epicurismo 25
Epicurismo 25Epicurismo 25
Epicurismo 25
 

Mais de Elisama Lopes

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoElisama Lopes
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoElisama Lopes
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemElisama Lopes
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficosElisama Lopes
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeElisama Lopes
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaElisama Lopes
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade CientíficaElisama Lopes
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOElisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Elisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Elisama Lopes
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoElisama Lopes
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Elisama Lopes
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutóriaElisama Lopes
 

Mais de Elisama Lopes (20)

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimento
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicação
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagem
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficos
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo Sociedade
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade Científica
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - Empirismo
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutória
 
Filosofia - Mito
Filosofia - MitoFilosofia - Mito
Filosofia - Mito
 
Russel cap 12
Russel cap 12Russel cap 12
Russel cap 12
 
Eutidemo
EutidemoEutidemo
Eutidemo
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro

  • 1. Carta sobre a Felicidade (a Meneceu). Trad. Álvaro Lorencini e Enzo del Carratore. São Paulo: Editora da Unesp, 2002. EPICURO.
  • 2. Epicuro • Epicuro de Samos (341 a.C., Samos — 271 ou 270 a.C., Atenas) foi um filósofo grego do período helenístico. Seu pensamento foi muito difundido e numerosos centros epicuristas se desenvolveram na Jônia, no Egito e, a partir do século I, em Roma, onde Lucrécio foi seu maior divulgador.
  • 3. VIDA • Quando ainda muito jovem partiu para Téos, na costa da Ásia Menor. • Quando criança estudou com o platonista Pânfilo por quatro anos e era considerado um dos melhores alunos. • Certa vez ao ouvir a frase de Hesíodo, todas as coisas vieram do caos, ele perguntou: e o caos veio de que? > Retornou para a terra natal em 323 a.c.
  • 4. • Sofria de cálculo renal, o que contribuiu para que tivesse uma vida marcada pela dor. Sofria de cálculo renal, o que contribuiu para que tivesse uma vida marcada pela dor.
  • 5. • Epicuro ouviu o filósofo acadêmico Pânfilo em Samos, que não lhe foi de muito agrado. Por isso foi mandado para Téos pelo seu pai. Com Nausífanes de Téos, discípulo de Demócrito de Abdera, Epicuro teria entrado em contato com a teoria atomista — da qual reformulou alguns pontos.
  • 6. > Epicuro ensinou filosofia em Lâmpsaco, Mitilene e Cólofon até que em 306 a.C. fundou sua própria escola filosófica, chamada O Jardim, onde residia com alguns amigos, na cidade de Atenas. > Lecionou em sua escola até a morte, em 270 a.C., cercado de amigos e discípulos e tendo sua vida marcada pelo ascetismo, serenidade e doçura.
  • 7. Ascetismo • O adjetivo "ascetismo" deriva de um termo grego askesis (prática, treinamento ou exercício). • Originalmente associado com qualquer forma de disciplina ou filosofia prática, o termo ascetismo significa alguém que pratica uma renúncia ao mundo com objetivo de adquirir um alto intelecto e espírito.
  • 8. • O ascetismo ou asceticismo é uma filosofia de vida na qual são refreados os prazeres mundanos, onde se propõem a austeridade. • Aquelas que praticam um estilo de vida austero definem suas praticas como virtuosa e perseguem o objetivo de adquirir uma grande espiritualidade. • Muitos ascéticos acreditam que a purificação do corpo ajuda a purificação da alma, e de fato a obter a compreensão de uma divindade ou encontrar a paz interior.
  • 9. • Isto também pode ser obtido com a automortificação, rituais, ou uma severa renúncia ao prazer. • Entretanto, ascéticos defendem que essa restrições auto-impostas trazem grande liberdade em várias áreas de suas vidas, tais como aumento das habilidades para pensar limpidamente e para resistir a potenciais impulsos destrutivos.
  • 10. O PROPÓSITO DA FILOSOFIA • “Que ninguém hesite em se dedicar à filosofia enquanto jovem, nem se canse de fazê-lo depois de velho, porque ninguém jamais é demasiado jovem ou demasiado velho para alcançar a saúde do espírito. Quem afirma que a hora de dedicar-se à filosofia ainda não chegou, ou que ela já passou, é como se dissesse que ainda não chegou ou que já passou a hora de ser feliz.”
  • 11. • “Desse modo, a filosofia é útil tanto ao jovem quanto ao velho: para quem está envelhecendo sentir-se rejuvenescer através da grata recordação das coisas que já se foram, e para o jovem poder envelhecer sem sentir medo das coisas que estão por vir; é necessário, portanto, cuidar das coisas que trazem a felicidade, já que, estando esta presente, tudo temos, e, sem ela, tudo fazemos para alcançá-la.”
  • 12. >>> O propósito da filosofia para Epicuro era atingir a felicidade, estado caracterizado pela aponia, a ausência de dor (física) e ataraxia ou imperturbabilidade da alma.
  • 13. • Ele buscou na natureza as balizas para o seu pensamento: o homem, a exemplo dos animais, busca afastar-se da dor e aproximar- se do prazer. • Estas referências seriam as melhores maneiras de medir o que é bom ou ruim.
  • 14. • Utilizou-se da teoria atômica de Demócrito para justificar a constituição de tudo o que há. Das estrelas à alma, tudo é formado de átomos, sendo, porém de diferentes naturezas. • Dizia que os átomos são de qualidades finitas, de quantidades infinitas e sujeitos a infinitas combinações.
  • 15. • A morte física seria o fim do corpo (e do indivíduo), que era entendido como somatório de carne e alma, pela desintegração completa dos átomos que o constituem. • Desta forma, os átomos, eternos e indestrutíveis, estariam livres para constituir outros corpos. • Essa teoria, exaustivamente trabalhada, tinha a finalidade de explicar todos os fenômenos naturais conhecidos ou ainda não e principalmente extirpar os maiores medos humanos: o medo da morte e o medo dos deuses.
  • 16. • “Na tua opinião, será que pode existir alguém mais feliz do que o sábio, que tem um juízo reverente acerca dos deuses, que se comporta de modo absolutamente indiferente perante a morte, que bem compreende a finalidade da natureza, que discerne que o bem supremo está nas coisas simples e fáceis de obter, e que o mal supremos ou dura pouco, ou só nos causa sofrimentos leves?...”
  • 17. • “...Que nega o destino, apresentado por alguns como o senhor de tudo, já que as coisas acontecem ou por necessidade, ou por acaso, ou por vontade nossa; e que a necessidade é incoercível, o acaso instável, enquanto nossa vontade é livre, razão pela qual nos acompanham a censura e o louvor?” • Carta sobre a Felicidade - Epicuro
  • 18. Os deuses • Naqueles tempos, Epicuro percebeu que as pessoas eram muito supersticiosas e haviam se afastado da verdadeira função das religiões e dos deuses. • Os deuses, segundo ele, viviam em perfeita harmonia, desfrutando da bem-aventurança (felicidade) divina. Não seria preocupação divina atormentar o homem de qualquer forma.
  • 19. • Os deuses deveriam ser tomados como foram em tempos remotos, modelos de bem-aventurança que servem como modelo para os homens e não seres instáveis, com paixões humanas, que devem ser temidos. • Desta forma procurou tranqüilizar as pessoas quanto aos tormentos futuros ou após a morte. • Não há por que temer os deuses nem em vida e nem após a vida. • E além disso, depois de mortos, como não estaremos mais de posse de nossos sentidos, será impossível sentir alguma coisa. • Então, não haveria nada a temer com a morte.
  • 20. As dores físicas • No entanto, a caminho da busca da felicidade, ainda estão as dores e os prazeres. • Quanto às dores físicas, nem sempre seria possível evitá-las. • Mas Epicuro faz questão de frisar que elas não são duradouras e podem ser suportadas com as lembranças de bons momentos que o indivíduo tenha vivido.
  • 21. • Piores e mais difíceis de lidar são as dores que perturbam a alma. • Essas podem continuar a doer mesmo muito tempo depois de terem sido despertadas pela primeira vez. • Para essas, Epicuro recomenda a reflexão. • As dores da alma estão frequentemente associadas às frustrações. • Em geral, oriunda de um desejo não satisfeito.
  • 22.
  • 23. • “Entendendo que a sorte não é uma divindade, como a maioria das pessoas acredita (pois um deus não faz nada ao acaso), nem algo incerto, o sábio não crê que ela proporcione aos homens nenhum bem ou nenhum mal que sejam fundamentais para uma vida feliz, mas, sim, que dela pode surgir o início de grandes bens e de grandes males. • A seu ver, é preferível ser desafortunado e sábio, a ser afortunado e tolo; na prática, é melhor que um bom projeto não chegue a bom termo, do que chegue a ter êxito um projeto mau.”