SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
A racionalidade científica
O que é a atitude costumeira ou
senso comum?
> A raça é uma realidade natural ou
biológica produzida pela diferença dos
climas, da alimentação, da geografia e da
reprodução sexual.
Quem duvidará disso, se vemos que os africanos são
negros, os asiáticos são amarelos de olhos
puxados, os índios são vermelhos e os europeus,
brancos?
Certezas como essas formam nossa vida e o
senso comum de nossa sociedade, transmitido
de geração em geração, e, muitas vezes,
transformando-se em crença religiosa, em
doutrina inquestionável.
No entanto....
> Sociólogos e antropólogos mostram que a idéia
de raça também é recente – data do século XVIII
-, sendo usada por pensadores que procuravam
uma explicação para as diferenças físicas e
culturais entre os europeus e os povos
conhecidos a partir do século XIV, com as
viagens de Marco Pólo, e do século XV, com as
grandes navegações e as descobertas de
continentes ultramarinos.
Ao que parece, há uma grande diferença entreAo que parece, há uma grande diferença entre
nossas certezas cotidianas e o conhecimentonossas certezas cotidianas e o conhecimento
científico.científico.
> Como e por que ela existe?> Como e por que ela existe?
Características do senso comum
* São subjetivosSão subjetivos, isto é, exprimem
sentimentos e opiniões individuais e de
grupos, variando de uma pessoa para outra,
ou de um grupo para outro, dependendo das
condições em que vivemos. Assim, por
exemplo, se eu for artista, verei a beleza da
árvore; se eu for marceneira, a qualidade da
madeira.
* são qualitativos,* são qualitativos, isto é, as coisas são
julgadas por nós como grandes ou
pequenas, doces ou azedas, pesadas ou
leves, novas ou velhas, belas ou feias,
quentes ou frias, úteis ou inúteis.
* são heterogêneos* são heterogêneos, isto é, referem-se a fatos
que julgamos diferentes, porque os
percebemos como diversos entre si. Por
exemplo, um corpo que cai e uma pena que
flutua no ar são acontecimentos diferentes.
* são individualizadores por serem* são individualizadores por serem
qualitativos e heterogêneos,qualitativos e heterogêneos, isto é, cada
coisa ou cada fato nos aparece como um
indivíduo ou como um ser autônomo: a seda
é macia, a pedra é rugosa.
* mas também são generalizadores,* mas também são generalizadores, pois
tendem a reunir numa só opinião ou numa
só idéia coisas e fatos julgados semelhantes:
falamos dos animais, das plantas.
* Em decorrência das generalizações,Em decorrência das generalizações,
tendem a estabelecer relações de causa etendem a estabelecer relações de causa e
efeito entre as coisas ou entre os fatos:efeito entre as coisas ou entre os fatos:
“onde há fumaça, há fogo”; “quem tudo
quer, tudo perde”.
* não por compreenderem o que seja
investigação científica, tendem a identificá-
la com a magia, considerando que ambas
lidam com o misterioso, o oculto, o
incompreensível.
* costumam projetar nas coisas ou no mundo
sentimentos de angústia e de medo diante
do desconhecido.
* por serem subjetivos, generalizadores,
expressões de sentimentos de medo e
angústia, e de incompreensão quanto ao
trabalho científico, nossas certezas
cotidianas e o senso comum de nossa
sociedade ou de nosso grupo social
cristalizam-se em preconceitos com os
quais passamos a interpretar toda a
realidade que nos cerca e todos os
acontecimentos.
A Atitude científica
O que distingue a atitude científica daO que distingue a atitude científica da
atitude costumeira ou do senso comum?atitude costumeira ou do senso comum?
Antes de qualquer coisa,
a ciência desconfia da
veracidade de nossas
certezas, de nossa
adesão imediata às
coisas, da ausência de
crítica e da falta de
curiosidade.
Por isso, ali onde vemos
coisas, fatos e
acontecimentos, a
atitude científica vê
problemas e
obstáculos, aparências
que precisam ser
explicadas e, em
certos casos, afastadas.
Sob quase todos os aspectos, podemos dizer
que o conhecimento científico opõe-se ponto
por ponto às características do senso comum.
* é objetivo* é objetivo, isto é, procura as estruturas
universais e necessárias das coisas
investigadas.
* é quantitativo,* é quantitativo, isto é, busca medidas,
padrões, critérios de comparação e
avaliação para coisas que parecem ser
diferentes. Assim, por exemplo, as
diferenças de cor são explicadas por
diferenças de um mesmo padrão ou critério
de medida, o comprimento das ondas
luminosas;
* é homogêneo,* é homogêneo, isto é, busca as leis gerais de
funcionamento dos fenômenos, que são as
mesmas para fatos que nos parecem
diferentes. Por exemplo, a lei universal da
gravitação demonstra que a queda de uma
pedra e a flutuação de uma pluma
obedecem à mesma lei de atração e
repulsão no interior do campo gravitacional
* é generalizador,* é generalizador, pois reúne individualidades,
percebidas como diferentes, sob as mesmas leis,
os mesmos padrões ou critérios de medida,
mostrando que possuem a mesma estrutura.
Assim, por exemplo, a química mostra que a
enorme variedade de corpos se reduz a um
número limitado de corpos simples que se
combinam de maneiras variadas, de modo que o
número de elementos é infinitamente menor do
que a variedade empírica dos compostos.
* são diferenciadores,* são diferenciadores, pois não reúnem nem
generalizam por semelhanças aparentes, mas
distinguem os que parecem iguais, desde que
obedeçam a estruturas diferentes. Lembremos
aqui um exemplo que usamos no capítulo sobre a
linguagem, quando mostramos que a palavra
queijo parece ser a mesma coisa que a palavra
inglesa cheese e a palavra francesa fromage,
quando, na realidade, são muito diferentes,
porque se referem a estruturas alimentares
diferentes;
* só estabelecem relações causais depois de
investigar a natureza ou estrutura do fato
estudado e suas relações com outros semelhantes
ou diferentes. Assim, por exemplo, um corpo não
cai porque é pesado, mas o peso de um corpo
depende do campo gravitacional onde se
encontra.
* surpreende-se com a regularidade, a constância, a
freqüência, a repetição e a diferença das coisas e
procura mostrar que o maravilhoso, o
extraordinário ou o “milagroso” é um caso
particular do que é regular, normal, freqüente.
Um eclipse, um terremoto, um furacão, embora
excepcionais, obedecem às leis da física.
* Distingue-se da magia.* Distingue-se da magia. A
magia admite uma
participação ou simpatia
secreta entre coisas
diferentes, que agem umas
sobre as outras por meio de
qualidades ocultas e
considera o psiquismo
humano uma força capaz de
ligar-se a psiquismos
superiores (planetários,
astrais, angélicos,
demoníacos) para provocar
efeitos inesperados nas
coisas e nas pessoas.
A atitude científica, ao contrário, opera um
desencantamento ou desenfeitiçamentodesencantamento ou desenfeitiçamento do mundo,
mostrando que nele não agem forças secretas, mas
causas e relações racionais que podem ser
conhecidas e que tais conhecimentos podem ser
transmitidos a todos.
* afirma que, pelo conhecimento, o homem pode
libertar-se do medo e das superstições, deixando
de projetá-los no mundo e nos outros.
* procura renovar-se e modificar-se
continuamente, evitando a transformação das
teorias em doutrinas, e destas em preconceitos
sociais. O fato científico resulta de um trabalho
paciente e lento de investigação e de pesquisa
racional, aberto a mudanças, não sendo nem um
mistério incompreensível nem uma doutrina
geral sobre o mundo.
* separar os elementos subjetivos e objetivos
de um fenômeno;
* construir o fenômeno como um objeto do
conhecimento, controlável, verificável,
interpretável e capaz de ser retificado e
corrigido por novas elaborações;
* demonstrar e provar os resultados obtidos
durante a investigação, graças ao rigor das
relações definidas entre os fatos estudados;
* Relacionar com outros
fatos um fato isolado,
integrando-o numa
explicação racional
unificada, pois
somente essa
integração transforma
o fenômeno em objeto
científico, isto é, em
fato explicado por
uma teoria
* formular uma teoria geral
sobre o conjunto dos
fenômenos observados e
dos fatos investigados,
isto é, formular um
conjunto sistemático de
conceitos que expliquem
e interpretem as causas e
os efeitos, as relações de
dependência, identidade e
diferença entre todos os
objetos que constituem o
campo investigado.
Porque a ciência diferencia-se do
senso comum?
 A ciência baseia-se em
pesquisas, investigações
metódicas e sistemáticas
e na exigência de que as
teorias sejam
internamente coerentes e
digam a verdade sobre a
realidade. A ciência é
conhecimento que
resulta de um trabalho
racional.
 O senso comum é
uma opinião baseada
em hábitos,
preconceitos,
tradições
cristalizadas.
O que é uma teoria científica?
> É um sistema ordenado e coerente de
proposições ou enunciados baseados em um
pequeno número de princípios, cuja finalidade é
descrever, explicar e prever do modo mais
completo possível um conjunto de fenômenos,
oferecendo suas leis necessárias.
> A teoria científica permite que uma
multiplicidade empírica de fatos aparentemente
muito diferentes sejam compreendidos como
semelhantes e submetidos às mesmas leis; e, vice-
versa, permite compreender por que fatos
aparentemente semelhantes são diferentes e
submetidos a leis diferentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
conhecimento_crença_verdadeira
conhecimento_crença_verdadeiraconhecimento_crença_verdadeira
conhecimento_crença_verdadeira
 
Popper e kuhn
Popper e kuhnPopper e kuhn
Popper e kuhn
 
Metodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de métodoMetodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de método
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Método Hipotético Dedutivo
 Método Hipotético Dedutivo Método Hipotético Dedutivo
Método Hipotético Dedutivo
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 
Cogito_Descartes
Cogito_DescartesCogito_Descartes
Cogito_Descartes
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Popper e a indução
Popper e a induçãoPopper e a indução
Popper e a indução
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Objeção-do-círculo-vicioso
Objeção-do-círculo-viciosoObjeção-do-círculo-vicioso
Objeção-do-círculo-vicioso
 

Semelhante a Racionalidade Científica

A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científicaMaria Diovani
 
Psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
PsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaPsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
PsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaFinneJack
 
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumLeonardo Kaplan
 
Introdução a ciencia
Introdução a cienciaIntrodução a ciencia
Introdução a cienciaClaudiaGianine
 
Cap 01(qualitativa)
Cap 01(qualitativa)Cap 01(qualitativa)
Cap 01(qualitativa)Eliúde Maia
 
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaRefletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaarrowds7
 
Filosofia 3º ano 3
Filosofia 3º ano 3Filosofia 3º ano 3
Filosofia 3º ano 3Milena Leite
 
Apostila de introdução ao conhecimento
Apostila de introdução ao conhecimentoApostila de introdução ao conhecimento
Apostila de introdução ao conhecimentoRobert Cesar
 
Introduzindo a sociologia.ppt
Introduzindo a sociologia.pptIntroduzindo a sociologia.ppt
Introduzindo a sociologia.pptHellenOliveira68
 
MIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptxMIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptxVenncioCorreia
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilGisele Finatti Baraglio
 

Semelhante a Racionalidade Científica (20)

Senso comum Marilena Chauí
Senso comum Marilena ChauíSenso comum Marilena Chauí
Senso comum Marilena Chauí
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
Psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
PsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaPsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
 
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
 
Introdução a ciencia
Introdução a cienciaIntrodução a ciencia
Introdução a ciencia
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
Cap 01(qualitativa)
Cap 01(qualitativa)Cap 01(qualitativa)
Cap 01(qualitativa)
 
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaRefletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
 
Filosofia 3º ano 3
Filosofia 3º ano 3Filosofia 3º ano 3
Filosofia 3º ano 3
 
Apostila de introdução ao conhecimento
Apostila de introdução ao conhecimentoApostila de introdução ao conhecimento
Apostila de introdução ao conhecimento
 
Logica
LogicaLogica
Logica
 
Sensocomum chaui
Sensocomum chauiSensocomum chaui
Sensocomum chaui
 
Interpretação ambiental
Interpretação ambientalInterpretação ambiental
Interpretação ambiental
 
Introduzindo a sociologia.ppt
Introduzindo a sociologia.pptIntroduzindo a sociologia.ppt
Introduzindo a sociologia.ppt
 
MIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptxMIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptx
 
Formas de conhecer o mundo
Formas de conhecer o mundoFormas de conhecer o mundo
Formas de conhecer o mundo
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
 

Mais de Elisama Lopes

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoElisama Lopes
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoElisama Lopes
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemElisama Lopes
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficosElisama Lopes
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeElisama Lopes
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaElisama Lopes
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroElisama Lopes
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOElisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Elisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Elisama Lopes
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoElisama Lopes
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Elisama Lopes
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutóriaElisama Lopes
 

Mais de Elisama Lopes (20)

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimento
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicação
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagem
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficos
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo Sociedade
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - Empirismo
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutória
 
Filosofia - Mito
Filosofia - MitoFilosofia - Mito
Filosofia - Mito
 
Russel cap 12
Russel cap 12Russel cap 12
Russel cap 12
 
Eutidemo
EutidemoEutidemo
Eutidemo
 

Último

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Racionalidade Científica

  • 2. O que é a atitude costumeira ou senso comum?
  • 3. > A raça é uma realidade natural ou biológica produzida pela diferença dos climas, da alimentação, da geografia e da reprodução sexual.
  • 4. Quem duvidará disso, se vemos que os africanos são negros, os asiáticos são amarelos de olhos puxados, os índios são vermelhos e os europeus, brancos?
  • 5. Certezas como essas formam nossa vida e o senso comum de nossa sociedade, transmitido de geração em geração, e, muitas vezes, transformando-se em crença religiosa, em doutrina inquestionável.
  • 6. No entanto.... > Sociólogos e antropólogos mostram que a idéia de raça também é recente – data do século XVIII -, sendo usada por pensadores que procuravam uma explicação para as diferenças físicas e culturais entre os europeus e os povos conhecidos a partir do século XIV, com as viagens de Marco Pólo, e do século XV, com as grandes navegações e as descobertas de continentes ultramarinos.
  • 7. Ao que parece, há uma grande diferença entreAo que parece, há uma grande diferença entre nossas certezas cotidianas e o conhecimentonossas certezas cotidianas e o conhecimento científico.científico. > Como e por que ela existe?> Como e por que ela existe?
  • 8. Características do senso comum * São subjetivosSão subjetivos, isto é, exprimem sentimentos e opiniões individuais e de grupos, variando de uma pessoa para outra, ou de um grupo para outro, dependendo das condições em que vivemos. Assim, por exemplo, se eu for artista, verei a beleza da árvore; se eu for marceneira, a qualidade da madeira.
  • 9. * são qualitativos,* são qualitativos, isto é, as coisas são julgadas por nós como grandes ou pequenas, doces ou azedas, pesadas ou leves, novas ou velhas, belas ou feias, quentes ou frias, úteis ou inúteis. * são heterogêneos* são heterogêneos, isto é, referem-se a fatos que julgamos diferentes, porque os percebemos como diversos entre si. Por exemplo, um corpo que cai e uma pena que flutua no ar são acontecimentos diferentes.
  • 10. * são individualizadores por serem* são individualizadores por serem qualitativos e heterogêneos,qualitativos e heterogêneos, isto é, cada coisa ou cada fato nos aparece como um indivíduo ou como um ser autônomo: a seda é macia, a pedra é rugosa. * mas também são generalizadores,* mas também são generalizadores, pois tendem a reunir numa só opinião ou numa só idéia coisas e fatos julgados semelhantes: falamos dos animais, das plantas.
  • 11. * Em decorrência das generalizações,Em decorrência das generalizações, tendem a estabelecer relações de causa etendem a estabelecer relações de causa e efeito entre as coisas ou entre os fatos:efeito entre as coisas ou entre os fatos: “onde há fumaça, há fogo”; “quem tudo quer, tudo perde”. * não por compreenderem o que seja investigação científica, tendem a identificá- la com a magia, considerando que ambas lidam com o misterioso, o oculto, o incompreensível.
  • 12. * costumam projetar nas coisas ou no mundo sentimentos de angústia e de medo diante do desconhecido.
  • 13. * por serem subjetivos, generalizadores, expressões de sentimentos de medo e angústia, e de incompreensão quanto ao trabalho científico, nossas certezas cotidianas e o senso comum de nossa sociedade ou de nosso grupo social cristalizam-se em preconceitos com os quais passamos a interpretar toda a realidade que nos cerca e todos os acontecimentos.
  • 14. A Atitude científica O que distingue a atitude científica daO que distingue a atitude científica da atitude costumeira ou do senso comum?atitude costumeira ou do senso comum?
  • 15. Antes de qualquer coisa, a ciência desconfia da veracidade de nossas certezas, de nossa adesão imediata às coisas, da ausência de crítica e da falta de curiosidade. Por isso, ali onde vemos coisas, fatos e acontecimentos, a atitude científica vê problemas e obstáculos, aparências que precisam ser explicadas e, em certos casos, afastadas.
  • 16. Sob quase todos os aspectos, podemos dizer que o conhecimento científico opõe-se ponto por ponto às características do senso comum.
  • 17. * é objetivo* é objetivo, isto é, procura as estruturas universais e necessárias das coisas investigadas. * é quantitativo,* é quantitativo, isto é, busca medidas, padrões, critérios de comparação e avaliação para coisas que parecem ser diferentes. Assim, por exemplo, as diferenças de cor são explicadas por diferenças de um mesmo padrão ou critério de medida, o comprimento das ondas luminosas;
  • 18. * é homogêneo,* é homogêneo, isto é, busca as leis gerais de funcionamento dos fenômenos, que são as mesmas para fatos que nos parecem diferentes. Por exemplo, a lei universal da gravitação demonstra que a queda de uma pedra e a flutuação de uma pluma obedecem à mesma lei de atração e repulsão no interior do campo gravitacional
  • 19. * é generalizador,* é generalizador, pois reúne individualidades, percebidas como diferentes, sob as mesmas leis, os mesmos padrões ou critérios de medida, mostrando que possuem a mesma estrutura. Assim, por exemplo, a química mostra que a enorme variedade de corpos se reduz a um número limitado de corpos simples que se combinam de maneiras variadas, de modo que o número de elementos é infinitamente menor do que a variedade empírica dos compostos.
  • 20. * são diferenciadores,* são diferenciadores, pois não reúnem nem generalizam por semelhanças aparentes, mas distinguem os que parecem iguais, desde que obedeçam a estruturas diferentes. Lembremos aqui um exemplo que usamos no capítulo sobre a linguagem, quando mostramos que a palavra queijo parece ser a mesma coisa que a palavra inglesa cheese e a palavra francesa fromage, quando, na realidade, são muito diferentes, porque se referem a estruturas alimentares diferentes;
  • 21. * só estabelecem relações causais depois de investigar a natureza ou estrutura do fato estudado e suas relações com outros semelhantes ou diferentes. Assim, por exemplo, um corpo não cai porque é pesado, mas o peso de um corpo depende do campo gravitacional onde se encontra.
  • 22. * surpreende-se com a regularidade, a constância, a freqüência, a repetição e a diferença das coisas e procura mostrar que o maravilhoso, o extraordinário ou o “milagroso” é um caso particular do que é regular, normal, freqüente. Um eclipse, um terremoto, um furacão, embora excepcionais, obedecem às leis da física.
  • 23. * Distingue-se da magia.* Distingue-se da magia. A magia admite uma participação ou simpatia secreta entre coisas diferentes, que agem umas sobre as outras por meio de qualidades ocultas e considera o psiquismo humano uma força capaz de ligar-se a psiquismos superiores (planetários, astrais, angélicos, demoníacos) para provocar efeitos inesperados nas coisas e nas pessoas.
  • 24. A atitude científica, ao contrário, opera um desencantamento ou desenfeitiçamentodesencantamento ou desenfeitiçamento do mundo, mostrando que nele não agem forças secretas, mas causas e relações racionais que podem ser conhecidas e que tais conhecimentos podem ser transmitidos a todos.
  • 25. * afirma que, pelo conhecimento, o homem pode libertar-se do medo e das superstições, deixando de projetá-los no mundo e nos outros. * procura renovar-se e modificar-se continuamente, evitando a transformação das teorias em doutrinas, e destas em preconceitos sociais. O fato científico resulta de um trabalho paciente e lento de investigação e de pesquisa racional, aberto a mudanças, não sendo nem um mistério incompreensível nem uma doutrina geral sobre o mundo.
  • 26. * separar os elementos subjetivos e objetivos de um fenômeno; * construir o fenômeno como um objeto do conhecimento, controlável, verificável, interpretável e capaz de ser retificado e corrigido por novas elaborações; * demonstrar e provar os resultados obtidos durante a investigação, graças ao rigor das relações definidas entre os fatos estudados;
  • 27. * Relacionar com outros fatos um fato isolado, integrando-o numa explicação racional unificada, pois somente essa integração transforma o fenômeno em objeto científico, isto é, em fato explicado por uma teoria * formular uma teoria geral sobre o conjunto dos fenômenos observados e dos fatos investigados, isto é, formular um conjunto sistemático de conceitos que expliquem e interpretem as causas e os efeitos, as relações de dependência, identidade e diferença entre todos os objetos que constituem o campo investigado.
  • 28. Porque a ciência diferencia-se do senso comum?  A ciência baseia-se em pesquisas, investigações metódicas e sistemáticas e na exigência de que as teorias sejam internamente coerentes e digam a verdade sobre a realidade. A ciência é conhecimento que resulta de um trabalho racional.  O senso comum é uma opinião baseada em hábitos, preconceitos, tradições cristalizadas.
  • 29. O que é uma teoria científica?
  • 30. > É um sistema ordenado e coerente de proposições ou enunciados baseados em um pequeno número de princípios, cuja finalidade é descrever, explicar e prever do modo mais completo possível um conjunto de fenômenos, oferecendo suas leis necessárias.
  • 31. > A teoria científica permite que uma multiplicidade empírica de fatos aparentemente muito diferentes sejam compreendidos como semelhantes e submetidos às mesmas leis; e, vice- versa, permite compreender por que fatos aparentemente semelhantes são diferentes e submetidos a leis diferentes.