Lógica

1.526 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.526
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lógica

  1. 1. Introdução a Lógica e a Teoria do Conhecimento
  2. 2. Para Platão... Mundo Sensível: Há um mundo de aparências mutáveis Mundo Inteligível: Um mundo das essências imutáveis.
  3. 3. Como conhecer as essências e abandonar as aparências?
  4. 4. Através de um método chamado DIALÉTICA. Método que utiliza pensamento e linguagem!
  5. 5. Para Aristóteles... • > A um único mundo o qual existem essências e aparências. • > Ele acha que o erro de Heráclito foi supor que a mudança se realiza sob a forma da contradição, isto é, que as coisas transformam-se nos seus opostos.
  6. 6. Cabe a filosofia conhecer como e por que as coisas, sem mudarem de essência, transformam-se, assim como cabe à Filosofia conhecer como e porque há seres.
  7. 7. Conhecimento • Conhecer a realidade significa compreendê- la e explicá-la.
  8. 8. O conhecimento humano tem dois elementos básicos • Um sujeito: É o homem, ser racional que quer conhecer – Sujeito cognoscente. • Um objeto: O objeto é a realidade. Entende-se por realidade as coisas, os fatos, os fenômenos, com que coexistimos.
  9. 9. Distorção do conhecimento • A validade de nossos conhecimentos é garantida pela correção do raciocínio. É correto o raciocínio cujas preposições expressam juízos (afirmações ou negações) válidos, racionalmente fundamentados.
  10. 10. São dois os modos de raciocínio: • Raciocínio Indutivo: É amplamente usado pelas ciências experimentais. Parte de casos particulares para concluir uma verdade geral ou universal. • Raciocínio Dedutivo: Parte de uma lei universal considerada válida para determinado conjunto, aplicando-a aos casos particulares desse conjunto.
  11. 11. Exemplos • Raciocínio Indutivo:Raciocínio Indutivo: >O ferro conduz eletricidade. >O ouro conduz eletricidade. >O cobre conduz eletricidade. *Logo, todos os metais conduzem eletricidade. • Raciocínio Dedutivo:Raciocínio Dedutivo: >Todos os homens são falíveis. >Einstein é homem. *Logo, Einstein é falível.
  12. 12. Oque é a VERDADE?
  13. 13. VERDADE ... • Idade média (escolásticos): > ¨A verdade é a adequação do nosso pensamento as coisas.” • Idade moderna... >Descartes: o critério da verdade é a evidência(idéia que se impõe ao espírito)... >Nietzsche:verdade é tudo oque contribui para fomentar a vida. > O pragmatismo: A prática é o critério da verdade.
  14. 14. Há ainda os lógicos... • Verdadeiro seria o raciocínio que não encerra contradições e é coerente com um sistema de princípios estabelecidos. Essa é a verdade típica da matemática.
  15. 15. Comecemos a distinguir VERDADE de REALIDADE • A falsidade ou a veracidade não estão na coisa mesma, mas no juízo, e, portanto no valor da afirmação. • Há verdade ou não dependendo de como a coisa aparece para o sujeito que conhece • Por isso dizemos que algo é verdadeiro quando é o que parece ser.
  16. 16. VERDADE e VALIDADE • VERDADE é uma propriedade das PROPOSIÇÕES. • As PROPOSIÇÕES só podem ser verdadeiras ou falsas. • VALIDADE é uma propriedade dos ARGUMENTOS. • Não é correto dizer que os ARGUMENTOS são verdadeiros ou falsos. • ARGUMENTOS dizem-se válidos ou inválidos.
  17. 17. • Um argumento Dedutivo é válido quando as premissas e a conclusão estão de tal maneira relacionados que é possível o caso de as premissas serem falsas e a conclusão verdadeira. • Repare que para um argumento ser válido, não bastam que as premissas e a conclusão sejam verdadeiras. • É preciso que seja impossível que as premissas sejam verdadeiras e a conclusão falsa
  18. 18. Considere o seguinte argumento... • Todo homem é mortal. • Sócrates é mortal. • *logo, Sócrates é homem. > Esse argumento tem premissas verdadeiras e conclusão verdadeira e, contudo não é válido. Não é válido porque não é impossível que as premissas sejam verdadeiras e a conclusão falsa.
  19. 19. Por que? • Podemos, por exemplo, imaginar que Sócrates seja o nome do meu cachorrinho. Nesse caso a conclusão seria falsa, apesar das premissas serem verdadeiras. Portanto o argumento é inválido.
  20. 20. Considere este... • João e José são alunos do 3o ano. *Logo, o João é aluno do 3o. > Esse argumento é válido, pois é impossível que a premissa seja verdadeira e a conclusão falsa. • Se imaginarmos João como não sendo aluno do 3o ano a conclusão é falsa mas a premissa também é.
  21. 21. Considere agora este... • Todos os números primos são pares. • Nove é um número primo. *Logo, nove é um número par. >Esse argumento é válido, apesar de suas premissas e conclusão serem falsas. Se as premissas fossem verdadeiras seria impossível que a conclusão fosse falsa.
  22. 22. • Como se pode perceber, a validade de um argumento dedutivo depende da conexão lógicaconexão lógica entre as premissas e a conclusãoentre as premissas e a conclusão do argumento, e não do valor da verdade das proposições que constituem o argumento. • Num argumento dedutivo válido, a conclusão deriva necessariamente de suas premissas. Situação que não acontece num argumento dedutivo inválido. • É por esse motivo que a conclusão deve ser verdadeira quando as premissas são verdadeiras. Todavia é importante salientar que não basta que as premissas e a conclusão sejam verdadeiras.
  23. 23. A partir disso podemos ter.... > Argumentos válidos, com premissas verdadeiras e conclusão verdadeira. > Argumentos válidos, com premissas falsas e conclusão falsa. >Argumentos válidos, e premissas falsas e conclusão verdadeira. >Argumentos inválidos, com premissas verdadeiras e conclusão verdadeiras. > Argumentos inválidos, com premissas verdadeiras e conclusão falsa.
  24. 24. > Argumentos inválidos com premissas falsas e conclusão falsa. > Argumentos inválidos com premissas falsas e conclusão verdadeira.
  25. 25. Não podemos ter....  Argumentos válidos, com premissas verdadeiras e conclusão falsa.
  26. 26. Diante disto, o que é LÓGICA? • A ciência que estuda apenas a validade ou a invalidade dos argumentos, sem se preocupar com a verdade ou falsidade das sentenças envolvidas. • Lógica é o estudo dos princípios que regem a inferência(ou argumento) válida(o).
  27. 27. TIPOS DE CONHECIMENTO
  28. 28. CONHECIMENTO SENSORIAL OU EMPÍRICO • Quando o primeiro contato do homem com a realidade se dá pelos cinco sentidos.
  29. 29. CONHECIMENTO LÓGICO OU INTELECTUAL • Diferente do animal o homem consegue ultrapassar os dados capturados pelos sentidos. • A capacidade de comparar, raciocinar, combinar e tiras conclusões
  30. 30. CONHECIMENTO DE FÉ
  31. 31. A POSSIBILIDADE DO CONHECIMENTO • CETICISMO “Nada existe.” O ceticismo radical afirma que mesmo que se alguma coisa existisse não se poderia conhecê-la de fato. • Os moderados são conhecidos como Relativistas. Mesmo que não se possa conhecer deve-se continuar a busca.
  32. 32. • DOGMATISMO “que se funda em princípios” - Afirma que o homem pode atingir uma certeza. • Admite que a razão humana tem possibilidades de conhecer a verdade.
  33. 33. Para que conhecer? • > É o espanto, a surpresa perante o novo, que desencadeia nossa atividade intelectual. • > O espanto perante o novo gera angústia por não sabermos como nos afeta a realidade desconhecida. • > Conhecer é para o homem uma questão de sobrevivência, pois os seres vivos para sobreviver se adaptam ao meio. Conhecendo o meio o homem se adapta a ele e o transforma.

×