SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária de Tondela



Apontamentos de
Psicologia.
O cérebro
2
                                      Cérebro




4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

    Caracterizar os elementos estruturais e funcionais básicos do sistema nervoso
    humano
       Indicar a estrutura geral do sistema nervoso.
       Esclarecer o papel específico do sistema nervoso central e periférico.
       Descrever a constituição dos neurónios.
       Enunciar as propriedades dos neurónios.
       Esclarecer o papel das sinapses.
       Diferenciar os diferentes tipos de nervos.
       Explicar como se efectua a comunicação no sistema nervoso.



    a) Importância geral do sistema nervoso →SN:


         O SN permite o contacto com o meio e, consequentemente, a
        aprendizagem e a adaptação.
         É a rede da comunicação global do organismo, permitindo dar
          conta do que se passa e reagir ao que se passa.
         É o controlador do agir, do pensar e do sentir.

Escola Secundária de Tondela
3
         Coordena toda a actividade: da mais voluntária, espontânea ou
        inconsciente, até à mais reflectida.
         Resumindo: coordena todo o comportamento (reacções orgânicas,
          acções, actividade intelectual, sentimental e emocional.


    b) Estrutura geral do sistema nervoso.

                                         Espinal medula

                               Central
                                         Cérebro [encéfalo]
         Sistema Nervoso

                                                                      Nervos sensitivos

                               Periférico Sistema nervoso somático    Nervos motores

                                           Sistema nervoso autónomo     Simpático
                                                                        Parassimpático

       Obs.: Os diferentes sistemas nervosos actuam coordenada, integrada
                e conjugadamente, ou seja, como um todo em interacção, fazendo
                com que o Homem consiga adaptar-se ao meio externo e manter
                o equilíbrio interno.


    c) Elementos estruturantes do sistema nervoso – neurónios e sinapses:




Escola Secundária de Tondela
4
         Neurónios / células nervosas: (vídeo)

           – Todo o SN é formado por centenas de milhões de células: as
             células nervosas têm o nome de neurónios.

           – Ramificam-se por todo o corpo – são uma espécie de rede
             telegráfica – a partir do encéfalo ou da espinal medula.


           – É através deles que recebemos as informações do mundo –
             estímulos – e que damos as respostas.

           – Agrupam-se por feixes, formando os nervos.

         Características dos neurónios:

           – NÃO SE REGENERAM. [Daí a impossibilidade de recuperação em
             lesões associadas a paralisias, tromboses, dormência pós-
             operatória].

           – SÃO EXCITÁVEIS/EXCITABILIDADE. [reagem a estímulos] dando
             origem a correntes bioeléctricas diferenciadas [daí a sensação de
             dor, de frio, de cócegas].


           – SÃO CONDUTORES/CONDUTIBILIDADE [transmitem as diferentes
               sensações pelo corpo].

         Sinapses: (doc:) Os neurónios não estão em contacto directo, mas
          comunicam entre si através de sinapses. Entre um neurónio e o
          seguinte há uma separação: fenda sináptica. O estímulo de um
          neurónio transmite-se ao seguinte através das sinapses que
          libertam os neurotransmissores, substâncias bioquímicas, que
          possibilitam a circulação do influxo nervoso. Apesar de a
          importância dos neurotransmissores ainda não estar totalmente
          esclarecida, é ponto assente que eles têm um papel muito
          importante nas reacções do organismo, nomeadamente no controlo
          emocional e na resistência à fadiga e à dor.



Escola Secundária de Tondela
5




    d) Comunicação nervosa:(vídeo)

         Diferentes tipos de neurónios:
           – AFERENTES OU SENSORIAIS: ligados aos sentidos (órgãos
             receptores), captam e conduzem a informação para o SNC.

           – EFERENTES OU MOTORES: levam a informação do SNC aos órgãos
             efectores, que executam as respostas (músculos ou glândulas).


           – NEURÓNIOS DE CONEXÃO: integram o SNC e interpretam os
             estímulos e elaboram as respostas.


         Transmissão da informação nervosa:

            Da captação dos estímulos pelos órgãos dos sentidos à efectuação
           da resposta, há um processo complexo e, ao mesmo tempo,
           organizado. Por exemplo, é sabido que “a luz faz chegar aos olhos”,
           em simultâneo, múltiplas imagens, mas os olhos não vêem tudo ao
           mesmo tempo. De facto, há processos envolvidos que levam a
           selecções. Por outro lado, os nervos estão especializados no
           cumprimento de funções específicas.




Escola Secundária de Tondela
6


           Lê o que se segue:

Dos estímulos às respostas / Os órgãos dos sentidos:

1º - Como qualquer outro animal, o Homem é estimulado pelo meio [ou
   pelo próprio organismo] e reage aos estímulos.

2º - Podemos esquematizar o percurso estímulo-resposta do seguinte
 modo: Meio → Estímulo → Recepção →Processamento/Coordenação →
 Resposta.

3º - Neste processo estão envolvidos, por parte de quem reage,
 mecanismos:
  De recepção, a cargo de órgãos receptores: os órgãos dos sentidos.
   Função: captar estímulos do meio, que chegam ao SNC através dos
   nervos sensitivos/sensoriais.

    De reacção, a cargo de órgãos efectores: os músculos e as glândulas.
     Função: executar as respostas, que são recebidas através de nervos
     motores.


    De conexão, a cargo do centro coordenador: o sistema nervoso
     central e, em particular, o cérebro. Função: conduzir e interpretar os
     estímulos captados pelos órgãos receptores (e que chegam ao SNC
     pelos nervos sensitivos) e enviar (pelos nervos motores) as
     respectivas respostas aos órgãos efectores.

4º - Sobre os órgãos receptores (órgãos dos sentidos) importa
   esclarecer:
    Serão apenas cinco? Dizemos que sentimos fome ou sede ou frio ou
     calor. De facto, há quem os ache insuficientes e refira, por exemplo, o
     equilíbrio, a orientação, a cinestesia [posição dos membros]…

    Os órgãos dos sentidos estão especializados em captar determinado
     tipo de estímulos, desde que não ultrapassem certos limites [limiar
     de sensibilidade], por defeito (há odores ou ruídos que outros
     animais captam e nós não por serem muito fracos), ou por excesso
     (uma luz demasiado intensa cega ou um ruído excessivo ensurdece).
Escola Secundária de Tondela
7



    Cada pessoa tem um mapa mental da realidade que resulta da
     contribuição dos diferentes sentidos: ao vermos comida, já lhe
     sentimos o cheiro; a saia leva-nos a ver uma mulher… As disfunções
     sensoriais alteram este mapa: imagina como é o mundo para quem
     sofre de daltonismo, surdez, anosmia [ausência de olfacto]…

    Este mapa é incompleto, pois não nos dá informações que seriam
     preciosas para a sobrevivência: por exemplo, salvar-se-iam milhares
     de vidas se sentíssemos as variações da pressão atmosférica, os raios
     ultravioletas, a radioactividade, a ausência de oxigénio em ambientes
     saturados de monóxido de carbono ou de metano.


    Há perturbações que levam o indivíduo a percepcionar a realidade
     sem haver estímulo [intervém o cérebro sem os sentidos]: estamos
     perante as alucinações. Uma alucinação ocorre em situações de
     stress, alcoolismo, drogas, tumores cerebrais… As mais habituais:
     alucinações auditivas (ouvir vozes) e visuais… Ocorre também a
     possibilidade de haver distorção do estímulo: os olhos vêem uma
     pessoa, mas o cérebro percepciona, representa outra.

   [A questão da percepção sensorial será abordada a propósito da aprendizagem].



    e) Funções gerais do sistema nervoso:

         Função condutora:

           – É processada pelo sistema nervoso periférico.

           – Através de nervos sensitivos, transporta as informações
             provenientes do meio ou do organismo até aos centros de
             descodificação (sistema nervoso central).


           – Através de nervos motores, transporta             igualmente     as
             informações/ordens provenientes do SNC.
Escola Secundária de Tondela
8
         Função coordenadora:

           – É processada pelo sistema nervoso central.

           – Descodifica as informações recebidas (provenientes dos nervos
             sensitivos)

           – Coordena as respostas adequadas a cada situação/estímulo
             (enviando-as para os nervos motores).
5. FUNCIONAMENTO GLOBAL DO CÉREBRO HUMANO
     Explicar o funcionamento global do cérebro humano:
      Indicar as principais funções da espinal medula e do cérebro.
      Especificar as diferenças de coordenação dos hemisférios esquerdo e direito.
      Explicar o funcionamento sistémico dos hemisférios cerebrais.
      Diferenciar as áreas primárias das secundárias.
      Caracterizar as funções de cada lobo do córtex.
      Indicar as consequências de lesões em diferentes áreas cerebrais.
      Apresentar a teoria das localizações cerebrais.
      Explicar a unidade funcional do cérebro.
      Explicar as funções de suplência.
      Explicar os dois princípios fundamentais do funcionamento do cérebro propostos por A.
       Damásio.
      Mostrar o papel das áreas pré-frontais na coordenação de comportamentos especificamente
       humanos.



   a) O sistema nervoso central:
       É constituído pela espinal medula e pelo cérebro/encéfalo.

          É o centro coordenador de toda a actividade fisiológica, física ou
           psíquica.

                               - Espinal medula
          SNC                               - cerebelo
                               - Cérebro     - amígdala
                                             - hipotálamo
                                             - hipófise
                                             - corpo caloso
                                             - hemisférios cerebrais
                                             - córtex          - lobos corticais
                                                               - áreas pré-frontais

Escola Secundária de Tondela
9
   b) A espinal medula:


        Funções:
                               -Função condutora: transmite mensagens dos
                                receptores para o cérebro e do cérebro para
                                os músculos e glândulas.
                               - Função coordenadora: regula os actos
                                reflexos / reflexos sensório-motores.


                                   - Resposta simples, automática, involuntária
        O acto reflexo /           [não intervém a decisão, ou cérebro], inata e
        Reflexo                     imediata do organismo a um estímulo.
        Sensório-motor:            - Rege-se por mecanismos inatos, anteriores
                                    à aprendizagem.
                                   - Descrição do arco reflexo/acto reflexo.
                                    Interacção dos mecanismos de recepção
                                    (associados a neurónios sensitivos), de
                                    conexão (neurónios conectores) e de
                                    reacção     (dependentes    de    neurónios
                                    motores).

                                   - Não confundir os reflexos sensório-motores
      Reflexos e
                                    com a actividade reflexa.
   actividade reflexa:
                                   - Esta está associada ao controlo das funções
                                    básicas do corpo (dos órgãos internos, do
                                    metabolismo…) e é regulada, globalmente,
                                    pelo sistema nervoso autónomo. Em cada
                                    situação o organismo activa medidas para
                                    manter o equilíbrio: por exemplo, numa
                                    situação de falta de oxigénio, aumenta o ritmo
                                    respiratório e cardíaco. Falaremos, mais
                                    adiante, da importância do hipotálamo neste
                                    processo de regulação.



Escola Secundária de Tondela
10
Reflexos sensório-motores, actividade reflexa e actividade reflexiva.
1º - Os actos reflexos traduzem-se por formas de comportamento,
 movimentos, contracções… automatizados e, por isso, independentes
 da vontade. São, então, o oposto de actos reflexivos.
2º - Características dos actos reflexos: mecânicos, involuntários,
 espontâneos, ligados a reacções tendencialmente inatas ou biológicas.
3º - A espinal medula é decisiva para o funcionamento orgânico em
 geral como o comprovam os muitos casos de pessoas com lesões
 traumáticas que levaram a situações de paraplegia ou tetraplegia:
  A paraplegia caracteriza-se pela perda de controlo da actividade
   sensório-motora da cintura para baixo, Repercute-se, de modo mais
   visível na paralisia das pernas. Resulta, por isso, de lesões ao nível
   das vértebras lombares da coluna.
  A tetraplegia caracteriza-se pela perda de controlo da actividade
   sensório-motora do pescoço para baixo. Resulta, por isso, de lesões
   ao nível das vértebras cervicais da coluna, causando a paralisia dos
   membros superiores e inferiores.
  Em ambos os casos, existem outras complicações, tais como: perda
   de sensibilidade, problemas de controlo dos esfíncteres anal e
   urinário, disfunção da regulação térmica, comprometimento da
   sexualidade, problemas da pressão arterial…
  Se tiveres presente que a grande maioria das lesões graves da
   coluna resultam de episódios que dependem do indivíduo, está na
   tua mão evitá-los: condução automóvel prudente, trabalho em
   segurança…
4º - Os reflexos sensório-motores manifestam-se por movimentos
 musculares e são coordenados pela espinal medula. A actividade
 reflexa é coordenada pelo sistema nervoso autónomo. A actividade
 reflexiva (ou reflexão) manifesta-se pela elaboração de raciocínios ou
 teorias e é coordenada pelo córtex cerebral, áreas pré-frontais.




Escola Secundária de Tondela
11
 “Reflexos”

O reflexo traduz-se por uma resposta imediata e involuntária. Muitos
reflexos são inatos e estão associados ao equilíbrio orgânico. Por
exemplo, os arrepios, tremuras e “pele de galinha” são respostas
orgânicas imediatas, involuntárias e, por isso, automáticas do
organismo para restabelecer o equilíbrio térmico.
No entanto, há muitos outros reflexos que são adquiridos pela
aprendizagem, são fruto da experiência, mas nem por isso deixam de
ser automáticos e independentes da vontade: trata-se dos reflexos
condicionados. Por exemplo, uma simples bata pode deixar nervosa a
pessoa que teve uma má experiência num hospital.


Os reflexos primitivos: há quem defenda que estes reflexos são um
eco do processo evolutivo da espécie e que foram, no passado remoto,
importantes para a sobrevivência. Tendem a desaparecer nos primeiros
meses de vida. A sua ausência, após o nascimento, pode ser sintoma de
um problema neurológico.




   c)O cérebro (vídeo) - Divide-se em zonas diferenciadas, cada uma
       delas coordena características específicas:
        Cerebelo: controla o equilíbrio e precisão de movimentos
         (movimentos finos).

        Hipófise:             actividade   hormonal   (em   coordenação   com   o
           hipotálamo)


        Hipotálamo [tamanho de um amendoim, 4 grs]: regula as
         necessidades primárias ou fisiológicas (fome, sede, sono,
         sexualidade) e das emoções e sentimentos. A sua importância levou
         a darem-lhe o nome de “guardião do corpo”.

        Amígdala: reguladora da agressividade e do medo.
Escola Secundária de Tondela
12
        Corpo caloso: permite a comunicação entre os hemisférios
         cerebrais.

        Córtex cerebral:
           – Preside à actividade mental: intelectual, afectiva, emotiva e
             sensorial.
           – Divide-se nos hemisférios esquerdo e direito.
           – Cada hemisfério subdivide-se em lobos e coordena funções
             específicas.

   d) Os hemisférios cerebrais:
        Comunicam entre si através do corpo caloso.

         O hemisfério direito: - Coordena a actividade motora e sensorial
          da parte esquerda do corpo. Organiza as percepções espaciais.
          Preside ao pensamento sintético [associa], holístico [estabelece
          relações], artístico, criativo e imagístico [regido por imagens].

         O hemisfério esquerdo: - Coordena a actividade motora e
          sensorial da parte direita do corpo. Coordena o pensamento
          simbólico [a linguagem verbal, escrita ou falada] e lógico [cálculo,
          matemática]. Preside também ao pensamento analítico
          [decompõe], científico e tecnológico. A sua importância no controlo
          da linguagem e do raciocínio levou erradamente a supor que a
          parte direita era uma espécie de complemento do hemisfério
          esquerdo.

         A assimetria funcional dos hemisférios cerebrais é apontada
          como uma das razões para a superioridade da inteligência humana.
          Anatomicamente, os hemisférios são simétricos, no entanto – e
          contrariamente à actividade cerebral da generalidade dos
          mamíferos – têm funções diferenciadas: assimetria funcional.




Escola Secundária de Tondela
13



   e) Os lobos cerebrais de cada hemisfério – São quatro. Seguem-se os
     nomes e as funções a que presidem:



        Lobo occipital = visão.
        Lobo temporal = audição.
        Lobo parietal = sensações do
         corpo.
        Lobo frontal = movimentos.




         Cada lobo cerebral subdivide-se em áreas primárias e secundárias.

         As áreas primárias ou de projecção são centros veiculadores da
          informação: permitem receber e enviar a informação. Uma lesão na
          área primária fará com que, por exemplo, o som não seja
          transmitido para ser decifrado ou, consoante a lesão, que não se
          traduza em reacção orgânica ao som. A pessoa sofrerá de surdez
          cerebral (cortical).

         As áreas secundárias ou de associação são centros que
          coordenam, integram – assimilam e processam – a informação.
          Pegando no exemplo dado, uma lesão na área secundária fará com
          que, ao som, não seja dado qualquer significado: agnosia auditiva.




Escola Secundária de Tondela
14




        Distúrbios resultantes de lesões.

        Ver a tabela seguinte:

LOBOS CEREBRAIS – ÁREAS FUNCIONAIS


  LOBO            FUNÇÃO GERAL     ÁREA      FUNÇÃO ESPECÍFICA:             LESÃO
                   CONTROLA                      CONTROLA




                                 Primária   Movimento do          Paralisia cortical:
                                            corpo                 perda de motricidade
                                                                  dos movimentos finos.
FRONTAL Movimentos

                                 Secundária Coordenação
                                            dos movimentos.
                                                                  Apraxia: a acção deixa
                                                                  de ser controlada pela
                                                                  vontade.


                                            Recebe                Anestesia cortical:
                                 Primária   informações da        perda de sensibilidade
                                            pele e músculos.      táctil, térmica e álgica
         Sensações                                                [dor].
PARIETAL da pele
                                            Reconhece e
                                 Secundária coordena da pele e
                                            estímulos
                                                                  Agnosia sensorial: não
                                                                  reconhece o que sente.
                                            músculos.

                                            Recebe as imagens     Cegueira cortical:
OCCIPITAL Visão                  Primária   captadas pelos        perda de visão
                                            olhos.

                                 Secundária Reconhece as
                                            imagens.
                                                                  Agnosia visual: não
                                                                  reconhece o que vê.

                  Audição        Primária   Recebe os sons.       Surdez cortical: perda
TEMPORAL                                                          de audição

                                                                  Agnosia auditiva: não
                                                                  reconhece o que ouve.
                                 Secundária Reconhece os sons.



Escola Secundária de Tondela
15




    f) Áreas pré-frontais (córtex ou cérebro pré-frontal):

         O córtex pré-frontal localiza-se na parte anterior do lobo frontal e é
          o centro coordenador último e unificador da actividade cerebral.

         É em resultado da actividade desta zona que damos significado e
          orientação planeada ao que fazemos.


         É responsável pela coordenação das actividades características da
          inteligência e dos comportamentos específicos do Homem tais
          como:

           – Pensamento abstracto (abstracção) e científico, de reflexão e
             teorização.
           – Orientação da atenção, planificação, orientação da vontade e
             decisão/deliberação.
           – Imaginação, criatividade artística e inovação técnica.
           – Simbolismo, assunção de valores, sentido ético e estético…
           – Integração da personalidade: consciência de si enquanto
             indivíduo único, distinto de todos os outros.
Escola Secundária de Tondela
16


         Esta área do córtex é, então, a chave distintiva da inteligência
          humana da inteligência animal.



O cérebro, o comportamento e a conjugação de aspectos orgânicos
e psicológicos

1º - Sabes o que é um tartamudo? Quantos homens conheces que são
 gagos? E quantas mulheres? A gaguez é uma característica mais
 comum nos homens. Há quem a associe a traumas da infância e a
 grandes situações de susto ou pânico.

2º - As características ou problemas de comportamento associados ao
 cérebro são múltiplas e não se relacionam necessariamente com
 distúrbios ou lesões. Por exemplo, a incapacidade de cantar afinado
 não é considerado sintoma de um distúrbio, assim como não o é a falta
 de habilidade de muitas pessoas em resolverem aspectos da vida
 prática (nomeadamente em tarefas domésticas ou de pequenas
 reparações).



3º - Um distúrbio está associado a uma alteração orgânica, psíquica ou
 emocional que, em termos comparativos, se afasta dos padrões
 daquilo que se considera normal. (No plano psíquico, questiona-se
 frequentemente o que é o normal e o anormal. Por outras palavras,
 qual a bitola para medir, por exemplo, o comportamento
 emocionalmente perturbado e emocionalmente equilibrado?).

    Distúrbios orgânicos: um desarranjo intestinal é fácil de detectar,
     mas o mesmo pode não acontecer com a tensão arterial ou a glicose
     incontroladas.
    Psíquicos e emocionais: hipersensibilidade (irritação explosiva) ao

Escola Secundária de Tondela
17
    mínimo ruído; incapacidade de concentração...
4º - Mas quando há uma lesão cerebral - resultante de traumatismos, de
 tumores, derrames ou infecções - as repercussões manifestam-se na
 perda parcial ou total das funções coordenadas pela área afectada.

5º - Como o organismo é um todo em interacção, não se pode concluir
 que a perda de uma capacidade se deva necessariamente à inibição da
 área correspondente a nível cerebral: por exemplo, uma pessoa pode
 deixar de ver por lesões do globo ocular, do nervo óptico que
 estabelece a ligação com o córtex ou do próprio lobo occipital.

6º - Para se perceber a dinâmica e a importância das áreas pré-frontais
 repara no exemplo seguinte, tendo em consideração,
 simultaneamente, a interacção de aspectos fisiológicos, orgânicos e
 psicológicos envolvidos no processo:



    Um rapaz vê uma rapariga muito bonita no fundo da rua. [Ver: sentir
     e percepcionar]
    Sente-se logo atraído por ela, tanto mais que é parecida com a antiga
     namorada, entretanto falecida. [Memória: relacionar; componente
     física e psicológica da atracção - a semelhança com a ex-namorada]:
    A emoção apodera-se dele e logo decide abeirá-la [Componente
     emocional em que interagem aspectos hormonais e psicológicos:
     lembranças afectivas].
    Mas logo desiste, pois verifica que, ao encontro dela, vem um
     homem com uma criança, que julga ser marido e filho.
    Neste pequeno exemplo encontras uma actividade em que intervêm
     as áreas primária e secundária dos lobos occipital (ver e associar) e
     frontal (ir ao encontro); mas também estruturas ligadas à
     componente emocional (hipocampo, hipotálamo, amígdala…) com
     implicações a nível fisiológico e orgânico (aceleração do ritmo
     cardíaco e respiratório, rubor, andar mais agitado e apressado,
     ansiedade visível na expressão facial)... E tudo isto acontece deste
Escola Secundária de Tondela
18
       modo porque o córtex pré-frontal acentuou a importância do
       momento pela associação de lembranças com um significado
       especial… E tudo acaba em nada porque, mais uma vez o córtex pré-
       frontal (onde estão interiorizados significados e valores morais),
       levou à decisão de não abordar uma rapariga que, aparentemente –
       e só aparentemente – era casada e mãe de uma criança.


Apresentam-se a seguir alguns aspectos ilustrativos da complexidade da
comunicação humana: que envolve processos visuais (ler), auditivos
(ouvir, falar) e motores (articular palavras); assim como envolve o córtex
pré-frontal que atribui significados e produz pensamentos complexos.
A linguagem                  Problemas                      Área/lesão
     Fala       Afasia de Broca (área de Broca): Lobo frontal: área
                dificuldade de articular palavras, fala psicomotora.
                lenta.

                               Afasia de Wernicke (área de           Zona     temporal
                               Wernicke):    incapacidade    para    esquerda     (está
                               compreender o que é dito (pelo        ligada à área de
                               indivíduo ou pelos outros); escrita   Broca)
                               também comprometida.

                               Surdez cortical / Agnosia auditiva: Lobo temporal
                               incapacidade para captar ou perceber
                               a linguagem.

      Escrita                  Agrafia:     descoordenação   dos Lobo frontal
                               movimentos das mãos, incapacidade
                               de escrever.                      Lobo occipital

Interpretação Problemas em analisar ou sintetizar.                   Áreas pré-frontais




Escola Secundária de Tondela
19


A SENSAÇÃO DO DÉJÁ VU: - Crê-se que está associada a uma descoordenação
do hipocampo -responsável pela memória. Quando ocorre um facto novo,
o hipocampo processa-o como algo que já tenha ocorrido. Os epilépticos
têm uma maior probabilidade de isto acontecer.


   g)Teorias sobre o Funcionamento do cérebro:

        Teoria das localizações cerebrais (frenologia)




           – Foi defendida no séc. XVIII por Franz Gall.

           – Segundo esta teoria, a cada área cerebral correspondem
             capacidades específicas.


           – O cérebro funciona, assim, compartimentadamente, ou seja, cada
             lobo é o responsável único e insubstituível do controlo de uma
             determinada função.

           – Nesta perspectiva, seria possível determinar se alguém é um
             potencial assassino: basta analisar a área controladora da
             agressividade.




Escola Secundária de Tondela
20




        Teoria da unidade funcional do cérebro:




           – Segundo esta teoria, o cérebro funciona integrada e
             interactivamente, como um todo organizado e interdependente,
             mas não indiferenciado, isto é, com funções distintas.

           – No cérebro há efectivamente zonas especializadas na
             coordenação das actividades, mas a sua concretização passa pela
             conjugação de diversas áreas. Exemplificando, o cerebelo
             coordena os movimentos, mas na coordenação motora intervêm
             igualmente o lobo frontal e as áreas pré-frontais.


           – Por outro lado, cada zona cerebral tem a plasticidade para se
            adaptar ao exercício de novas funções.

           – A esta capacidade dá-se o nome de função de suplência ou
             vicariante. Ou seja, o exercício pode estimular o cérebro a
             adquirir, na medida do possível, as competências perdidas na
             sequência de um traumatismo craniano ou de uma qualquer
             outra lesão.
Escola Secundária de Tondela
21

        A teoria de António Damásio:

        Entrevista na RTP:
                       1ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=9mzNWzCKpbQ
                       2ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=4ROab8folGU&feature=related
                       3ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=Yh9C8tvZGtA&feature=related
                       4ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=M782irIghec&feature=related




           – Acentua o conceito da especialização: o cérebro não funciona de
             forma indiferenciada, mas de acordo com os contributos próprios
             de cada área.
           – Acentua igualmente o conceito da integração: a coordenação de
             funções complexas como a linguagem, aprendizagem, memória
             requer a mobilização coordenada de diferentes áreas.


6. O cérebro e a capacidade de adaptação e autonomia do ser
humano:

    Analisar a relação entre o cérebro e a capacidade de adaptação e
    de autonomia do ser humano:
      Descrever a tese triúnica de P. MacLean.
      Caracterizar o conceito de complexidade cerebral.
      Relacionar os conceitos de lentificação e individuação.
      Explicar o sentido de plasticidade cerebral.
      Distinguir os conceitos orgânico/fisiológico/somático de psíquico.
      Demonstrar que o comportamento se deve à interacção de factores
       orgânicos e psíquicos.



Escola Secundária de Tondela
22
   a) O cérebro humano actual resulta de uma evolução de milhões de
     anos com um conjunto de fases.

   b) A tese triúnica do cérebro, apresentada por Paul MacLean,
     defende que no ser humano actual coexistem três cérebros que
     constituem as marcas das fases desse passado evolutivo remoto.




        Cérebro reptiliano, correspondente ao tronco cerebral: coordena
         funções básicas de sobrevivência e reacções instintivas de defesa
         e agressividade. (É o cérebro mais primitivo).

        Cérebro paleomamífero: típico dos mamíferos inferiores. Permite
         uma organização difusa e não consciente de dados relativos à
         memória, sentimento e emoção.

        Cérebro neomamífero característico do córtex dos mamíferos
         superiores, com a consequente capacidade de aprendizagem.
         [Recordar as capacidades ímpares da inteligência humana:
         raciocínio, criatividade e imaginação, consciência, simbolismo e
         linguagem, sentido ético e estético]…

        A cada um destes cérebros correspondem capacidades que vão do
         menos complexo e mais primitivo e instintivo para o mais
         complexo e elaborado. À base do cérebro, directamente ligada à
         coluna, correspondem as características mais primitivas do
Escola Secundária de Tondela
23
           comportamento associadas ao cérebro reptiliano e ao córtex as
           características mais “evoluídas”, próprias de comportamentos
           resultantes da aprendizagem.

       c)              Lentificação e individuação:

        Independentemente da aceitação da tese triúnica, o cérebro, apesar
         de possuir diferentes áreas, funciona coordenadamente: é uma
         força mobilizadora de milhões de neurónios cuja actividade resulta
         de um ritmo de desenvolvimento complexo e extraordinariamente
         lento. Processos rápidos de desenvolvimento são característicos de
         animais de estruturas biológicas relativamente simples, cujo
         comportamento é geneticamente determinado. A lentificação, em
         contrapartida, traduzindo-se, na prática, por um desenvolvimento
         vagaroso, tem a vantagem de permitir o desenvolvimento de
         estruturas biológicas e mentais complexas e a aprendizagem de
         múltiplos aspectos.

        Por outro lado, a lentidão no desenvolvimento, permitindo
         construir processos comportamentais e mentais complexos, leva o
         indivíduo a ter formas únicas de ser, de pensar e de estar,
         permitindo que cada um construa uma imagem de si e dos outros.
         A individuação está relacionada com o facto de cada um se sentir
         autónomo, diferente e único entre os outros indivíduos da mesma
         espécie. [A noção do eu permite assumir com convicção atitudes
         extremas ou bizarras, e assumir comportamentos não
         normativos…]

   d) Plasticidade e aprendizagem:
      Uma das características do sistema nervoso relaciona-se com a sua
       plasticidade, isto é, a capacidade de se alterar em resultado do que
       se aprende e memoriza.

        A nível mental ou psíquico, a plasticidade traduz-se por um
           acumular de novas informações ou competências. A nível
Escola Secundária de Tondela
24
           neurológico, a plasticidade é acompanhada por transformações
           [nomeadamente, por novas ligações neuronais] que permitem um
           acumular crescente de capacidades ou construção de novos dados.

   e) A distinção entre aspectos orgânicos e aspectos psíquicos:

        A tradição ocidental habituou-nos a distinguir processos mentais
         de processos não mentais: os primeiros integravam o domínio
         psíquico/psicológico e os segundos diziam respeito ao domínio
         somático/orgânico, fisiológico ou biológico.

        Os processos psicológicos envolviam aspectos associados ao
         pensamento e ao sentimento.



        Sabendo que o cérebro é o regulador-chave da actividade
         fisiológica, emocional ou cognitiva e sabendo que há uma
         interacção de todos estes aspectos, poderá perguntar-se se há uma
         base sólida para dividir o corpo em dimensão somática e dimensão
         psíquica.

        Uma dor de cabeça é um problema orgânico, mas a impaciência daí
         gerada é um problema psicológico. Uma preocupação excessiva é
         um problema psicológico, mas o aumento da tensão arterial daí
         decorrente é um problema orgânico/fisiológico.



        “Mente sã em corpo são” - Já os romanos tinham a noção de que o
         corpo e a mente estabeleciam parcerias de cooperação: em que o
         bem de ambas as partes era fundamental para o equilíbrio do
         indivíduo.




Escola Secundária de Tondela
25
- Interacção orgânico-psíquico:
1º - O comportamento abrange o conjunto de reacções do organismo.
   Aplicado às pessoas, o comportamento abrange aspectos externos
   directamente observáveis (gestos, mímica, manifestações emotivas),
   aspectos internos, menos visíveis, mas tecnicamente observáveis
   (tensão arterial, fluxo da adrenalina, teor de glicose no sangue…) e
   aspectos não observáveis, mas de que, de algum modo, temos
   consciência (sentimentos, convicções íntimas, pensamentos…). Os
   dois primeiros aspectos pertencem ao conjunto de reacções orgânicas,
   somáticas. O último pertence ao domínio psíquico, mental.

2º - A compreensão da complexidade do comportamento humano passa
 pela interpretação dos dois factores (orgânicos/fisiológicos e
 psíquicos/mentais).

3º - Vários aspectos se tornam evidentes:
  1º - O comportamento humano é particularmente complexo, uma
    vez que resulta da interacção de factores internos com dados
    externos, de factores biológicos/orgânicos com dados psicológicos
    causados pela complexa cadeia da actividade mental.

    2º - O que designamos por dados psicológicos tem um suporte
     biológico: é o córtex cerebral que permite pensar, sentir
     intimamente, acreditar em causas e ideais. A “degradação” deste
     suporte põe um termo a estas características humanas: basta pensar
     numa pessoa com a doença de alzheimer em estado terminal.



    3º - Quer isto dizer que os factores biológicos/orgânicos influenciam
     acentuadamente        a    componente        psicológica.    Exemplos
     comprovativos há muitos: qualquer doença ou o simples cansaço
     interferem, em maior ou menor grau, na estabilidade emotiva ou no
     rendimento intelectual; a hiperactividade da hormona da tiróide
     torna as pessoas irritadiças, agitadas, com insónias; a influência das
Escola Secundária de Tondela
26
       hormonas sexuais pode criar mecanismos que levam à atracção e à
       perda de objectividade em relação à pessoa que nos cativa (não é
       por acaso que se diz que o amor é cego) …

    4º - De igual modo, o equilíbrio psíquico é fundamental à
       estabilidade orgânica. Se assim não fosse, não haveria úlceras
       nervosas. Cada vez mais se acentua o papel do stress e dos nervos
       no aparecimento de determinadas doenças: dermatoses, pruridos,
       problemas de voz, trânsito intestinal irregular, enfraquecimento do
       sistema imunitário.




                               (Vídeo de revisão da matéria)




                                           FIM




Escola Secundária de Tondela

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoJoana Filipa Rodrigues
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaAna Felizardo
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1psicologiaazambuja
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoEscoladocs
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando PessoaFilipaFonseca
 
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoElementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoCarolina Cruz
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússiahome
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroSilvia Revez
 
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado PessoaQuinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoadanikj
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.home
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BSilvia Revez
 
Psicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAnoPsicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAnoFilipe Leal
 

Mais procurados (20)

O Cérebro
O CérebroO Cérebro
O Cérebro
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Psicologia B
Psicologia  BPsicologia  B
Psicologia B
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoElementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebro
 
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado PessoaQuinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Dicotomias
DicotomiasDicotomias
Dicotomias
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Psicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAnoPsicologia-12ºAno
Psicologia-12ºAno
 

Destaque

Lesões cerebrais - Psicologia
Lesões cerebrais - PsicologiaLesões cerebrais - Psicologia
Lesões cerebrais - Psicologiajokapera
 
Cérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunosCérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunosAnaKlein1
 
Processos Mentais 2 - A Percepção
Processos Mentais 2 - A PercepçãoProcessos Mentais 2 - A Percepção
Processos Mentais 2 - A PercepçãoJorge Barbosa
 

Destaque (7)

Cerebro
Cerebro Cerebro
Cerebro
 
Trabalho Cérebro
Trabalho CérebroTrabalho Cérebro
Trabalho Cérebro
 
Lesões cerebrais - Psicologia
Lesões cerebrais - PsicologiaLesões cerebrais - Psicologia
Lesões cerebrais - Psicologia
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
 
Cérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunosCérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunos
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Processos Mentais 2 - A Percepção
Processos Mentais 2 - A PercepçãoProcessos Mentais 2 - A Percepção
Processos Mentais 2 - A Percepção
 

Semelhante a Psicologia: cérebro

Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonalleonorsm
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonalHugo Martins
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoCatir
 
Sistemaneurohormonalaulas
SistemaneurohormonalaulasSistemaneurohormonalaulas
SistemaneurohormonalaulasDeolinda Silva
 
Apostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologiaApostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologiaOmep Cuiabá
 
8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpo8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpoSarah Lemes
 
Trabalho sistema nervoso
Trabalho sistema nervosoTrabalho sistema nervoso
Trabalho sistema nervosopaulaluiza
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalLeonardo Alves
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptxFabianoDoVale
 
3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptx
3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptx3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptx
3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptxAlciosantos1
 
Gab humaita sistnervcentralperiferico2015
Gab humaita sistnervcentralperiferico2015Gab humaita sistnervcentralperiferico2015
Gab humaita sistnervcentralperiferico2015alecar13
 

Semelhante a Psicologia: cérebro (20)

Gabarito Sistema Nervoso
Gabarito Sistema NervosoGabarito Sistema Nervoso
Gabarito Sistema Nervoso
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonal
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
 
Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal
 
Sistemaneurohormonalaulas
SistemaneurohormonalaulasSistemaneurohormonalaulas
Sistemaneurohormonalaulas
 
Apostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologiaApostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologia
 
8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpo8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpo
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Trabalho sistema nervoso
Trabalho sistema nervosoTrabalho sistema nervoso
Trabalho sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptx
3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptx3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptx
3.Aula_Transmisssão Nervosa-Potencial de Ação e SENSÓRIO-MOTORA.pptx
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
AULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptxAULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptx
 
Gab humaita sistnervcentralperiferico2015
Gab humaita sistnervcentralperiferico2015Gab humaita sistnervcentralperiferico2015
Gab humaita sistnervcentralperiferico2015
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Mais de davidaaduarte

Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiadavidaaduarte
 
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiadavidaaduarte
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literaturadavidaaduarte
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a culturadavidaaduarte
 
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOPCREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOPdavidaaduarte
 

Mais de davidaaduarte (16)

Rui Belo
Rui BeloRui Belo
Rui Belo
 
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
 
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologiaProblemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
Problemas e conceitos teóricos estruturadores de psicologia
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literatura
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
 
Tema 1 genética
Tema 1   genéticaTema 1   genética
Tema 1 genética
 
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOPCREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
CREATIVE GRAMMAR WORKSHOP
 
Filipa Duarte
Filipa Duarte Filipa Duarte
Filipa Duarte
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
 
René magritte
René magritteRené magritte
René magritte
 
René Magritte
René MagritteRené Magritte
René Magritte
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
 
António Nobre
António NobreAntónio Nobre
António Nobre
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
 
Poesia Chinesa
Poesia  ChinesaPoesia  Chinesa
Poesia Chinesa
 
Eugénio De Andrade
Eugénio De AndradeEugénio De Andrade
Eugénio De Andrade
 

Último

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 

Último (20)

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 

Psicologia: cérebro

  • 1. Escola Secundária de Tondela Apontamentos de Psicologia. O cérebro
  • 2. 2 Cérebro 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Caracterizar os elementos estruturais e funcionais básicos do sistema nervoso humano  Indicar a estrutura geral do sistema nervoso.  Esclarecer o papel específico do sistema nervoso central e periférico.  Descrever a constituição dos neurónios.  Enunciar as propriedades dos neurónios.  Esclarecer o papel das sinapses.  Diferenciar os diferentes tipos de nervos.  Explicar como se efectua a comunicação no sistema nervoso. a) Importância geral do sistema nervoso →SN:  O SN permite o contacto com o meio e, consequentemente, a aprendizagem e a adaptação.  É a rede da comunicação global do organismo, permitindo dar conta do que se passa e reagir ao que se passa.  É o controlador do agir, do pensar e do sentir. Escola Secundária de Tondela
  • 3. 3  Coordena toda a actividade: da mais voluntária, espontânea ou inconsciente, até à mais reflectida.  Resumindo: coordena todo o comportamento (reacções orgânicas, acções, actividade intelectual, sentimental e emocional. b) Estrutura geral do sistema nervoso. Espinal medula Central Cérebro [encéfalo] Sistema Nervoso Nervos sensitivos Periférico Sistema nervoso somático Nervos motores Sistema nervoso autónomo Simpático Parassimpático Obs.: Os diferentes sistemas nervosos actuam coordenada, integrada e conjugadamente, ou seja, como um todo em interacção, fazendo com que o Homem consiga adaptar-se ao meio externo e manter o equilíbrio interno. c) Elementos estruturantes do sistema nervoso – neurónios e sinapses: Escola Secundária de Tondela
  • 4. 4  Neurónios / células nervosas: (vídeo) – Todo o SN é formado por centenas de milhões de células: as células nervosas têm o nome de neurónios. – Ramificam-se por todo o corpo – são uma espécie de rede telegráfica – a partir do encéfalo ou da espinal medula. – É através deles que recebemos as informações do mundo – estímulos – e que damos as respostas. – Agrupam-se por feixes, formando os nervos.  Características dos neurónios: – NÃO SE REGENERAM. [Daí a impossibilidade de recuperação em lesões associadas a paralisias, tromboses, dormência pós- operatória]. – SÃO EXCITÁVEIS/EXCITABILIDADE. [reagem a estímulos] dando origem a correntes bioeléctricas diferenciadas [daí a sensação de dor, de frio, de cócegas]. – SÃO CONDUTORES/CONDUTIBILIDADE [transmitem as diferentes sensações pelo corpo].  Sinapses: (doc:) Os neurónios não estão em contacto directo, mas comunicam entre si através de sinapses. Entre um neurónio e o seguinte há uma separação: fenda sináptica. O estímulo de um neurónio transmite-se ao seguinte através das sinapses que libertam os neurotransmissores, substâncias bioquímicas, que possibilitam a circulação do influxo nervoso. Apesar de a importância dos neurotransmissores ainda não estar totalmente esclarecida, é ponto assente que eles têm um papel muito importante nas reacções do organismo, nomeadamente no controlo emocional e na resistência à fadiga e à dor. Escola Secundária de Tondela
  • 5. 5 d) Comunicação nervosa:(vídeo)  Diferentes tipos de neurónios: – AFERENTES OU SENSORIAIS: ligados aos sentidos (órgãos receptores), captam e conduzem a informação para o SNC. – EFERENTES OU MOTORES: levam a informação do SNC aos órgãos efectores, que executam as respostas (músculos ou glândulas). – NEURÓNIOS DE CONEXÃO: integram o SNC e interpretam os estímulos e elaboram as respostas.  Transmissão da informação nervosa: Da captação dos estímulos pelos órgãos dos sentidos à efectuação da resposta, há um processo complexo e, ao mesmo tempo, organizado. Por exemplo, é sabido que “a luz faz chegar aos olhos”, em simultâneo, múltiplas imagens, mas os olhos não vêem tudo ao mesmo tempo. De facto, há processos envolvidos que levam a selecções. Por outro lado, os nervos estão especializados no cumprimento de funções específicas. Escola Secundária de Tondela
  • 6. 6 Lê o que se segue: Dos estímulos às respostas / Os órgãos dos sentidos: 1º - Como qualquer outro animal, o Homem é estimulado pelo meio [ou pelo próprio organismo] e reage aos estímulos. 2º - Podemos esquematizar o percurso estímulo-resposta do seguinte modo: Meio → Estímulo → Recepção →Processamento/Coordenação → Resposta. 3º - Neste processo estão envolvidos, por parte de quem reage, mecanismos:  De recepção, a cargo de órgãos receptores: os órgãos dos sentidos. Função: captar estímulos do meio, que chegam ao SNC através dos nervos sensitivos/sensoriais.  De reacção, a cargo de órgãos efectores: os músculos e as glândulas. Função: executar as respostas, que são recebidas através de nervos motores.  De conexão, a cargo do centro coordenador: o sistema nervoso central e, em particular, o cérebro. Função: conduzir e interpretar os estímulos captados pelos órgãos receptores (e que chegam ao SNC pelos nervos sensitivos) e enviar (pelos nervos motores) as respectivas respostas aos órgãos efectores. 4º - Sobre os órgãos receptores (órgãos dos sentidos) importa esclarecer:  Serão apenas cinco? Dizemos que sentimos fome ou sede ou frio ou calor. De facto, há quem os ache insuficientes e refira, por exemplo, o equilíbrio, a orientação, a cinestesia [posição dos membros]…  Os órgãos dos sentidos estão especializados em captar determinado tipo de estímulos, desde que não ultrapassem certos limites [limiar de sensibilidade], por defeito (há odores ou ruídos que outros animais captam e nós não por serem muito fracos), ou por excesso (uma luz demasiado intensa cega ou um ruído excessivo ensurdece). Escola Secundária de Tondela
  • 7. 7  Cada pessoa tem um mapa mental da realidade que resulta da contribuição dos diferentes sentidos: ao vermos comida, já lhe sentimos o cheiro; a saia leva-nos a ver uma mulher… As disfunções sensoriais alteram este mapa: imagina como é o mundo para quem sofre de daltonismo, surdez, anosmia [ausência de olfacto]…  Este mapa é incompleto, pois não nos dá informações que seriam preciosas para a sobrevivência: por exemplo, salvar-se-iam milhares de vidas se sentíssemos as variações da pressão atmosférica, os raios ultravioletas, a radioactividade, a ausência de oxigénio em ambientes saturados de monóxido de carbono ou de metano.  Há perturbações que levam o indivíduo a percepcionar a realidade sem haver estímulo [intervém o cérebro sem os sentidos]: estamos perante as alucinações. Uma alucinação ocorre em situações de stress, alcoolismo, drogas, tumores cerebrais… As mais habituais: alucinações auditivas (ouvir vozes) e visuais… Ocorre também a possibilidade de haver distorção do estímulo: os olhos vêem uma pessoa, mas o cérebro percepciona, representa outra. [A questão da percepção sensorial será abordada a propósito da aprendizagem]. e) Funções gerais do sistema nervoso:  Função condutora: – É processada pelo sistema nervoso periférico. – Através de nervos sensitivos, transporta as informações provenientes do meio ou do organismo até aos centros de descodificação (sistema nervoso central). – Através de nervos motores, transporta igualmente as informações/ordens provenientes do SNC. Escola Secundária de Tondela
  • 8. 8  Função coordenadora: – É processada pelo sistema nervoso central. – Descodifica as informações recebidas (provenientes dos nervos sensitivos) – Coordena as respostas adequadas a cada situação/estímulo (enviando-as para os nervos motores). 5. FUNCIONAMENTO GLOBAL DO CÉREBRO HUMANO Explicar o funcionamento global do cérebro humano:  Indicar as principais funções da espinal medula e do cérebro.  Especificar as diferenças de coordenação dos hemisférios esquerdo e direito.  Explicar o funcionamento sistémico dos hemisférios cerebrais.  Diferenciar as áreas primárias das secundárias.  Caracterizar as funções de cada lobo do córtex.  Indicar as consequências de lesões em diferentes áreas cerebrais.  Apresentar a teoria das localizações cerebrais.  Explicar a unidade funcional do cérebro.  Explicar as funções de suplência.  Explicar os dois princípios fundamentais do funcionamento do cérebro propostos por A. Damásio.  Mostrar o papel das áreas pré-frontais na coordenação de comportamentos especificamente humanos. a) O sistema nervoso central:  É constituído pela espinal medula e pelo cérebro/encéfalo.  É o centro coordenador de toda a actividade fisiológica, física ou psíquica. - Espinal medula  SNC - cerebelo - Cérebro - amígdala - hipotálamo - hipófise - corpo caloso - hemisférios cerebrais - córtex - lobos corticais - áreas pré-frontais Escola Secundária de Tondela
  • 9. 9 b) A espinal medula:  Funções: -Função condutora: transmite mensagens dos receptores para o cérebro e do cérebro para os músculos e glândulas. - Função coordenadora: regula os actos reflexos / reflexos sensório-motores. - Resposta simples, automática, involuntária  O acto reflexo / [não intervém a decisão, ou cérebro], inata e Reflexo imediata do organismo a um estímulo. Sensório-motor: - Rege-se por mecanismos inatos, anteriores à aprendizagem. - Descrição do arco reflexo/acto reflexo. Interacção dos mecanismos de recepção (associados a neurónios sensitivos), de conexão (neurónios conectores) e de reacção (dependentes de neurónios motores). - Não confundir os reflexos sensório-motores  Reflexos e com a actividade reflexa. actividade reflexa: - Esta está associada ao controlo das funções básicas do corpo (dos órgãos internos, do metabolismo…) e é regulada, globalmente, pelo sistema nervoso autónomo. Em cada situação o organismo activa medidas para manter o equilíbrio: por exemplo, numa situação de falta de oxigénio, aumenta o ritmo respiratório e cardíaco. Falaremos, mais adiante, da importância do hipotálamo neste processo de regulação. Escola Secundária de Tondela
  • 10. 10 Reflexos sensório-motores, actividade reflexa e actividade reflexiva. 1º - Os actos reflexos traduzem-se por formas de comportamento, movimentos, contracções… automatizados e, por isso, independentes da vontade. São, então, o oposto de actos reflexivos. 2º - Características dos actos reflexos: mecânicos, involuntários, espontâneos, ligados a reacções tendencialmente inatas ou biológicas. 3º - A espinal medula é decisiva para o funcionamento orgânico em geral como o comprovam os muitos casos de pessoas com lesões traumáticas que levaram a situações de paraplegia ou tetraplegia:  A paraplegia caracteriza-se pela perda de controlo da actividade sensório-motora da cintura para baixo, Repercute-se, de modo mais visível na paralisia das pernas. Resulta, por isso, de lesões ao nível das vértebras lombares da coluna.  A tetraplegia caracteriza-se pela perda de controlo da actividade sensório-motora do pescoço para baixo. Resulta, por isso, de lesões ao nível das vértebras cervicais da coluna, causando a paralisia dos membros superiores e inferiores.  Em ambos os casos, existem outras complicações, tais como: perda de sensibilidade, problemas de controlo dos esfíncteres anal e urinário, disfunção da regulação térmica, comprometimento da sexualidade, problemas da pressão arterial…  Se tiveres presente que a grande maioria das lesões graves da coluna resultam de episódios que dependem do indivíduo, está na tua mão evitá-los: condução automóvel prudente, trabalho em segurança… 4º - Os reflexos sensório-motores manifestam-se por movimentos musculares e são coordenados pela espinal medula. A actividade reflexa é coordenada pelo sistema nervoso autónomo. A actividade reflexiva (ou reflexão) manifesta-se pela elaboração de raciocínios ou teorias e é coordenada pelo córtex cerebral, áreas pré-frontais. Escola Secundária de Tondela
  • 11. 11 “Reflexos” O reflexo traduz-se por uma resposta imediata e involuntária. Muitos reflexos são inatos e estão associados ao equilíbrio orgânico. Por exemplo, os arrepios, tremuras e “pele de galinha” são respostas orgânicas imediatas, involuntárias e, por isso, automáticas do organismo para restabelecer o equilíbrio térmico. No entanto, há muitos outros reflexos que são adquiridos pela aprendizagem, são fruto da experiência, mas nem por isso deixam de ser automáticos e independentes da vontade: trata-se dos reflexos condicionados. Por exemplo, uma simples bata pode deixar nervosa a pessoa que teve uma má experiência num hospital. Os reflexos primitivos: há quem defenda que estes reflexos são um eco do processo evolutivo da espécie e que foram, no passado remoto, importantes para a sobrevivência. Tendem a desaparecer nos primeiros meses de vida. A sua ausência, após o nascimento, pode ser sintoma de um problema neurológico. c)O cérebro (vídeo) - Divide-se em zonas diferenciadas, cada uma delas coordena características específicas:  Cerebelo: controla o equilíbrio e precisão de movimentos (movimentos finos).  Hipófise: actividade hormonal (em coordenação com o hipotálamo)  Hipotálamo [tamanho de um amendoim, 4 grs]: regula as necessidades primárias ou fisiológicas (fome, sede, sono, sexualidade) e das emoções e sentimentos. A sua importância levou a darem-lhe o nome de “guardião do corpo”.  Amígdala: reguladora da agressividade e do medo. Escola Secundária de Tondela
  • 12. 12  Corpo caloso: permite a comunicação entre os hemisférios cerebrais.  Córtex cerebral: – Preside à actividade mental: intelectual, afectiva, emotiva e sensorial. – Divide-se nos hemisférios esquerdo e direito. – Cada hemisfério subdivide-se em lobos e coordena funções específicas. d) Os hemisférios cerebrais:  Comunicam entre si através do corpo caloso.  O hemisfério direito: - Coordena a actividade motora e sensorial da parte esquerda do corpo. Organiza as percepções espaciais. Preside ao pensamento sintético [associa], holístico [estabelece relações], artístico, criativo e imagístico [regido por imagens].  O hemisfério esquerdo: - Coordena a actividade motora e sensorial da parte direita do corpo. Coordena o pensamento simbólico [a linguagem verbal, escrita ou falada] e lógico [cálculo, matemática]. Preside também ao pensamento analítico [decompõe], científico e tecnológico. A sua importância no controlo da linguagem e do raciocínio levou erradamente a supor que a parte direita era uma espécie de complemento do hemisfério esquerdo.  A assimetria funcional dos hemisférios cerebrais é apontada como uma das razões para a superioridade da inteligência humana. Anatomicamente, os hemisférios são simétricos, no entanto – e contrariamente à actividade cerebral da generalidade dos mamíferos – têm funções diferenciadas: assimetria funcional. Escola Secundária de Tondela
  • 13. 13 e) Os lobos cerebrais de cada hemisfério – São quatro. Seguem-se os nomes e as funções a que presidem:  Lobo occipital = visão.  Lobo temporal = audição.  Lobo parietal = sensações do corpo.  Lobo frontal = movimentos.  Cada lobo cerebral subdivide-se em áreas primárias e secundárias.  As áreas primárias ou de projecção são centros veiculadores da informação: permitem receber e enviar a informação. Uma lesão na área primária fará com que, por exemplo, o som não seja transmitido para ser decifrado ou, consoante a lesão, que não se traduza em reacção orgânica ao som. A pessoa sofrerá de surdez cerebral (cortical).  As áreas secundárias ou de associação são centros que coordenam, integram – assimilam e processam – a informação. Pegando no exemplo dado, uma lesão na área secundária fará com que, ao som, não seja dado qualquer significado: agnosia auditiva. Escola Secundária de Tondela
  • 14. 14  Distúrbios resultantes de lesões.  Ver a tabela seguinte: LOBOS CEREBRAIS – ÁREAS FUNCIONAIS LOBO FUNÇÃO GERAL ÁREA FUNÇÃO ESPECÍFICA: LESÃO CONTROLA CONTROLA Primária Movimento do Paralisia cortical: corpo perda de motricidade dos movimentos finos. FRONTAL Movimentos Secundária Coordenação dos movimentos. Apraxia: a acção deixa de ser controlada pela vontade. Recebe Anestesia cortical: Primária informações da perda de sensibilidade pele e músculos. táctil, térmica e álgica Sensações [dor]. PARIETAL da pele Reconhece e Secundária coordena da pele e estímulos Agnosia sensorial: não reconhece o que sente. músculos. Recebe as imagens Cegueira cortical: OCCIPITAL Visão Primária captadas pelos perda de visão olhos. Secundária Reconhece as imagens. Agnosia visual: não reconhece o que vê. Audição Primária Recebe os sons. Surdez cortical: perda TEMPORAL de audição Agnosia auditiva: não reconhece o que ouve. Secundária Reconhece os sons. Escola Secundária de Tondela
  • 15. 15 f) Áreas pré-frontais (córtex ou cérebro pré-frontal):  O córtex pré-frontal localiza-se na parte anterior do lobo frontal e é o centro coordenador último e unificador da actividade cerebral.  É em resultado da actividade desta zona que damos significado e orientação planeada ao que fazemos.  É responsável pela coordenação das actividades características da inteligência e dos comportamentos específicos do Homem tais como: – Pensamento abstracto (abstracção) e científico, de reflexão e teorização. – Orientação da atenção, planificação, orientação da vontade e decisão/deliberação. – Imaginação, criatividade artística e inovação técnica. – Simbolismo, assunção de valores, sentido ético e estético… – Integração da personalidade: consciência de si enquanto indivíduo único, distinto de todos os outros. Escola Secundária de Tondela
  • 16. 16  Esta área do córtex é, então, a chave distintiva da inteligência humana da inteligência animal. O cérebro, o comportamento e a conjugação de aspectos orgânicos e psicológicos 1º - Sabes o que é um tartamudo? Quantos homens conheces que são gagos? E quantas mulheres? A gaguez é uma característica mais comum nos homens. Há quem a associe a traumas da infância e a grandes situações de susto ou pânico. 2º - As características ou problemas de comportamento associados ao cérebro são múltiplas e não se relacionam necessariamente com distúrbios ou lesões. Por exemplo, a incapacidade de cantar afinado não é considerado sintoma de um distúrbio, assim como não o é a falta de habilidade de muitas pessoas em resolverem aspectos da vida prática (nomeadamente em tarefas domésticas ou de pequenas reparações). 3º - Um distúrbio está associado a uma alteração orgânica, psíquica ou emocional que, em termos comparativos, se afasta dos padrões daquilo que se considera normal. (No plano psíquico, questiona-se frequentemente o que é o normal e o anormal. Por outras palavras, qual a bitola para medir, por exemplo, o comportamento emocionalmente perturbado e emocionalmente equilibrado?).  Distúrbios orgânicos: um desarranjo intestinal é fácil de detectar, mas o mesmo pode não acontecer com a tensão arterial ou a glicose incontroladas.  Psíquicos e emocionais: hipersensibilidade (irritação explosiva) ao Escola Secundária de Tondela
  • 17. 17 mínimo ruído; incapacidade de concentração... 4º - Mas quando há uma lesão cerebral - resultante de traumatismos, de tumores, derrames ou infecções - as repercussões manifestam-se na perda parcial ou total das funções coordenadas pela área afectada. 5º - Como o organismo é um todo em interacção, não se pode concluir que a perda de uma capacidade se deva necessariamente à inibição da área correspondente a nível cerebral: por exemplo, uma pessoa pode deixar de ver por lesões do globo ocular, do nervo óptico que estabelece a ligação com o córtex ou do próprio lobo occipital. 6º - Para se perceber a dinâmica e a importância das áreas pré-frontais repara no exemplo seguinte, tendo em consideração, simultaneamente, a interacção de aspectos fisiológicos, orgânicos e psicológicos envolvidos no processo:  Um rapaz vê uma rapariga muito bonita no fundo da rua. [Ver: sentir e percepcionar]  Sente-se logo atraído por ela, tanto mais que é parecida com a antiga namorada, entretanto falecida. [Memória: relacionar; componente física e psicológica da atracção - a semelhança com a ex-namorada]:  A emoção apodera-se dele e logo decide abeirá-la [Componente emocional em que interagem aspectos hormonais e psicológicos: lembranças afectivas].  Mas logo desiste, pois verifica que, ao encontro dela, vem um homem com uma criança, que julga ser marido e filho.  Neste pequeno exemplo encontras uma actividade em que intervêm as áreas primária e secundária dos lobos occipital (ver e associar) e frontal (ir ao encontro); mas também estruturas ligadas à componente emocional (hipocampo, hipotálamo, amígdala…) com implicações a nível fisiológico e orgânico (aceleração do ritmo cardíaco e respiratório, rubor, andar mais agitado e apressado, ansiedade visível na expressão facial)... E tudo isto acontece deste Escola Secundária de Tondela
  • 18. 18 modo porque o córtex pré-frontal acentuou a importância do momento pela associação de lembranças com um significado especial… E tudo acaba em nada porque, mais uma vez o córtex pré- frontal (onde estão interiorizados significados e valores morais), levou à decisão de não abordar uma rapariga que, aparentemente – e só aparentemente – era casada e mãe de uma criança. Apresentam-se a seguir alguns aspectos ilustrativos da complexidade da comunicação humana: que envolve processos visuais (ler), auditivos (ouvir, falar) e motores (articular palavras); assim como envolve o córtex pré-frontal que atribui significados e produz pensamentos complexos. A linguagem Problemas Área/lesão Fala Afasia de Broca (área de Broca): Lobo frontal: área dificuldade de articular palavras, fala psicomotora. lenta. Afasia de Wernicke (área de Zona temporal Wernicke): incapacidade para esquerda (está compreender o que é dito (pelo ligada à área de indivíduo ou pelos outros); escrita Broca) também comprometida. Surdez cortical / Agnosia auditiva: Lobo temporal incapacidade para captar ou perceber a linguagem. Escrita Agrafia: descoordenação dos Lobo frontal movimentos das mãos, incapacidade de escrever. Lobo occipital Interpretação Problemas em analisar ou sintetizar. Áreas pré-frontais Escola Secundária de Tondela
  • 19. 19 A SENSAÇÃO DO DÉJÁ VU: - Crê-se que está associada a uma descoordenação do hipocampo -responsável pela memória. Quando ocorre um facto novo, o hipocampo processa-o como algo que já tenha ocorrido. Os epilépticos têm uma maior probabilidade de isto acontecer. g)Teorias sobre o Funcionamento do cérebro:  Teoria das localizações cerebrais (frenologia) – Foi defendida no séc. XVIII por Franz Gall. – Segundo esta teoria, a cada área cerebral correspondem capacidades específicas. – O cérebro funciona, assim, compartimentadamente, ou seja, cada lobo é o responsável único e insubstituível do controlo de uma determinada função. – Nesta perspectiva, seria possível determinar se alguém é um potencial assassino: basta analisar a área controladora da agressividade. Escola Secundária de Tondela
  • 20. 20  Teoria da unidade funcional do cérebro: – Segundo esta teoria, o cérebro funciona integrada e interactivamente, como um todo organizado e interdependente, mas não indiferenciado, isto é, com funções distintas. – No cérebro há efectivamente zonas especializadas na coordenação das actividades, mas a sua concretização passa pela conjugação de diversas áreas. Exemplificando, o cerebelo coordena os movimentos, mas na coordenação motora intervêm igualmente o lobo frontal e as áreas pré-frontais. – Por outro lado, cada zona cerebral tem a plasticidade para se adaptar ao exercício de novas funções. – A esta capacidade dá-se o nome de função de suplência ou vicariante. Ou seja, o exercício pode estimular o cérebro a adquirir, na medida do possível, as competências perdidas na sequência de um traumatismo craniano ou de uma qualquer outra lesão. Escola Secundária de Tondela
  • 21. 21  A teoria de António Damásio:  Entrevista na RTP: 1ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=9mzNWzCKpbQ 2ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=4ROab8folGU&feature=related 3ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=Yh9C8tvZGtA&feature=related 4ª Parte: http://www.youtube.com/watch?v=M782irIghec&feature=related – Acentua o conceito da especialização: o cérebro não funciona de forma indiferenciada, mas de acordo com os contributos próprios de cada área. – Acentua igualmente o conceito da integração: a coordenação de funções complexas como a linguagem, aprendizagem, memória requer a mobilização coordenada de diferentes áreas. 6. O cérebro e a capacidade de adaptação e autonomia do ser humano: Analisar a relação entre o cérebro e a capacidade de adaptação e de autonomia do ser humano:  Descrever a tese triúnica de P. MacLean.  Caracterizar o conceito de complexidade cerebral.  Relacionar os conceitos de lentificação e individuação.  Explicar o sentido de plasticidade cerebral.  Distinguir os conceitos orgânico/fisiológico/somático de psíquico.  Demonstrar que o comportamento se deve à interacção de factores orgânicos e psíquicos. Escola Secundária de Tondela
  • 22. 22 a) O cérebro humano actual resulta de uma evolução de milhões de anos com um conjunto de fases. b) A tese triúnica do cérebro, apresentada por Paul MacLean, defende que no ser humano actual coexistem três cérebros que constituem as marcas das fases desse passado evolutivo remoto.  Cérebro reptiliano, correspondente ao tronco cerebral: coordena funções básicas de sobrevivência e reacções instintivas de defesa e agressividade. (É o cérebro mais primitivo).  Cérebro paleomamífero: típico dos mamíferos inferiores. Permite uma organização difusa e não consciente de dados relativos à memória, sentimento e emoção.  Cérebro neomamífero característico do córtex dos mamíferos superiores, com a consequente capacidade de aprendizagem. [Recordar as capacidades ímpares da inteligência humana: raciocínio, criatividade e imaginação, consciência, simbolismo e linguagem, sentido ético e estético]…  A cada um destes cérebros correspondem capacidades que vão do menos complexo e mais primitivo e instintivo para o mais complexo e elaborado. À base do cérebro, directamente ligada à coluna, correspondem as características mais primitivas do Escola Secundária de Tondela
  • 23. 23 comportamento associadas ao cérebro reptiliano e ao córtex as características mais “evoluídas”, próprias de comportamentos resultantes da aprendizagem. c) Lentificação e individuação:  Independentemente da aceitação da tese triúnica, o cérebro, apesar de possuir diferentes áreas, funciona coordenadamente: é uma força mobilizadora de milhões de neurónios cuja actividade resulta de um ritmo de desenvolvimento complexo e extraordinariamente lento. Processos rápidos de desenvolvimento são característicos de animais de estruturas biológicas relativamente simples, cujo comportamento é geneticamente determinado. A lentificação, em contrapartida, traduzindo-se, na prática, por um desenvolvimento vagaroso, tem a vantagem de permitir o desenvolvimento de estruturas biológicas e mentais complexas e a aprendizagem de múltiplos aspectos.  Por outro lado, a lentidão no desenvolvimento, permitindo construir processos comportamentais e mentais complexos, leva o indivíduo a ter formas únicas de ser, de pensar e de estar, permitindo que cada um construa uma imagem de si e dos outros. A individuação está relacionada com o facto de cada um se sentir autónomo, diferente e único entre os outros indivíduos da mesma espécie. [A noção do eu permite assumir com convicção atitudes extremas ou bizarras, e assumir comportamentos não normativos…] d) Plasticidade e aprendizagem:  Uma das características do sistema nervoso relaciona-se com a sua plasticidade, isto é, a capacidade de se alterar em resultado do que se aprende e memoriza.  A nível mental ou psíquico, a plasticidade traduz-se por um acumular de novas informações ou competências. A nível Escola Secundária de Tondela
  • 24. 24 neurológico, a plasticidade é acompanhada por transformações [nomeadamente, por novas ligações neuronais] que permitem um acumular crescente de capacidades ou construção de novos dados. e) A distinção entre aspectos orgânicos e aspectos psíquicos:  A tradição ocidental habituou-nos a distinguir processos mentais de processos não mentais: os primeiros integravam o domínio psíquico/psicológico e os segundos diziam respeito ao domínio somático/orgânico, fisiológico ou biológico.  Os processos psicológicos envolviam aspectos associados ao pensamento e ao sentimento.  Sabendo que o cérebro é o regulador-chave da actividade fisiológica, emocional ou cognitiva e sabendo que há uma interacção de todos estes aspectos, poderá perguntar-se se há uma base sólida para dividir o corpo em dimensão somática e dimensão psíquica.  Uma dor de cabeça é um problema orgânico, mas a impaciência daí gerada é um problema psicológico. Uma preocupação excessiva é um problema psicológico, mas o aumento da tensão arterial daí decorrente é um problema orgânico/fisiológico.  “Mente sã em corpo são” - Já os romanos tinham a noção de que o corpo e a mente estabeleciam parcerias de cooperação: em que o bem de ambas as partes era fundamental para o equilíbrio do indivíduo. Escola Secundária de Tondela
  • 25. 25 - Interacção orgânico-psíquico: 1º - O comportamento abrange o conjunto de reacções do organismo. Aplicado às pessoas, o comportamento abrange aspectos externos directamente observáveis (gestos, mímica, manifestações emotivas), aspectos internos, menos visíveis, mas tecnicamente observáveis (tensão arterial, fluxo da adrenalina, teor de glicose no sangue…) e aspectos não observáveis, mas de que, de algum modo, temos consciência (sentimentos, convicções íntimas, pensamentos…). Os dois primeiros aspectos pertencem ao conjunto de reacções orgânicas, somáticas. O último pertence ao domínio psíquico, mental. 2º - A compreensão da complexidade do comportamento humano passa pela interpretação dos dois factores (orgânicos/fisiológicos e psíquicos/mentais). 3º - Vários aspectos se tornam evidentes:  1º - O comportamento humano é particularmente complexo, uma vez que resulta da interacção de factores internos com dados externos, de factores biológicos/orgânicos com dados psicológicos causados pela complexa cadeia da actividade mental.  2º - O que designamos por dados psicológicos tem um suporte biológico: é o córtex cerebral que permite pensar, sentir intimamente, acreditar em causas e ideais. A “degradação” deste suporte põe um termo a estas características humanas: basta pensar numa pessoa com a doença de alzheimer em estado terminal.  3º - Quer isto dizer que os factores biológicos/orgânicos influenciam acentuadamente a componente psicológica. Exemplos comprovativos há muitos: qualquer doença ou o simples cansaço interferem, em maior ou menor grau, na estabilidade emotiva ou no rendimento intelectual; a hiperactividade da hormona da tiróide torna as pessoas irritadiças, agitadas, com insónias; a influência das Escola Secundária de Tondela
  • 26. 26 hormonas sexuais pode criar mecanismos que levam à atracção e à perda de objectividade em relação à pessoa que nos cativa (não é por acaso que se diz que o amor é cego) …  4º - De igual modo, o equilíbrio psíquico é fundamental à estabilidade orgânica. Se assim não fosse, não haveria úlceras nervosas. Cada vez mais se acentua o papel do stress e dos nervos no aparecimento de determinadas doenças: dermatoses, pruridos, problemas de voz, trânsito intestinal irregular, enfraquecimento do sistema imunitário. (Vídeo de revisão da matéria) FIM Escola Secundária de Tondela