Portugal no primeiro pós-guerra.

8.731 visualizações

Publicada em

Síntese informativa sobre a primeira república - período entre 1910 e 1926. Aborda a situação política, económica e social nesse período da História de Portugal.
Tem como público alvo os alunos de História A, do 12.º ano de escolaridade.

Publicada em: Educação

Portugal no primeiro pós-guerra.

  1. 1. Portugal no primeiro pós-guerra Dificuldades económicas e instabilidade política e social. A falência da Primeira República
  2. 2. A queda da monarquia  A implantação da República em Portugal, que ocorreu a 5 de outubro 1910, deveu-se ao descrédito em que caiu a monarquia, causado por:  Elevados problemas económicos, em particular a dependência externa.  Incapacidade política: O modelo rotativista era incapaz de resolver os problemas nacionais. Fracassaram os planos colonialistas. A divulgação dos ideais republicanos era cada vez maior.  Porém, a primeira experiência republicana não teve grande sucesso!
  3. 3. Dificuldades económicas • A participação na IGM desorganizou a economia: – A carência de bens essenciais (pão, carvão, gás, açúcar, batatas) fez subir os preços dos produtos, que estavam sujeitos a racionamento. – Para compensar a escassez de meios de pagamento, os governos aumentaram a quantidade de dinheiro em circulação a moeda desvalorizou, a inflação cresceu, o poder de compra diminuiu, o custo de vida aumentou. • A falta de investimento industrial fez crescer o défice da balança comercial. • A dependência do financiamento estrangeiro conduziu ao aumento da dívida pública.
  4. 4. Instabilidade social • Perda das bases de apoio republicano – a subida do custo de vida provocou o descontentamento da classe média e do operariado. • Agitação social: vagas de greves; atentados à bomba; propaganda antirrepublicana. A revolução na Rússia (1917) intensificou o movimento operário fazendo surgir a Confederação Geral do Trabalho (1920). A resposta do patronato levou à criação da Confederação Patronal. • Oposição da Igreja: as medidas anticlericais (proibição do ensino religioso nas escolas; nacionalização dos bens da Igreja; expulsão das ordens religiosas; criação do registo civil obrigatório) fizeram diminuir o apoio popular ao regime republicano. Em 1915, foi criado o Centro Católico Português. Em 1917, as aparições de Fátima aumentaram o sentimento religioso.
  5. 5. Instabilidade política - causas • Intervenção de Portugal na Grande Guerra – motivada pela tentativa de mostrar o prestígio do regime republicano; auxiliar a Inglaterra e proteger as colónias frente aos ataques da Alemanha. • Parlamentarismo/instabilidade governativa – a Constituição de 1911 atribuía ao poder legislativo, representado pelo Congresso, a supremacia política. Resultava então que a falta de maioria parlamentar ocasionava a queda dos governos. A divisão dos republicanos em vários partidos, tornava ainda mais difícil a formação de maiorias parlamentares.
  6. 6. Instabilidade política – ameaças autoritárias • 1911/1913 – Tentativas de restauração monárquica por parte de Paiva Couceiro. • 1915 – ditadura militar do general Pimenta de Castro. • 1917/1918 – Ditadura do major Sidónio Pais (a chamada “República Nova”). • 1919 – proclamação da “Monarquia do Norte” (na sequência da guerra civil de janeiro/fevereiro) • 1926 – Golpe de Estado do general Gomes da Costa, põe fim à 1.ª República e dá inicio ao período de ditadura do Estado Novo.
  7. 7. Instabilidade política – ameaças autoritárias • 1911/1913 – Tentativas de restauração monárquica por parte de Paiva Couceiro. • 1915 – ditadura militar do general Pimenta de Castro. • 1917/1918 – Ditadura do major Sidónio Pais (a chamada “República Nova”). • 1919 – proclamação da “Monarquia do Norte” (na sequência da guerra civil de janeiro/fevereiro) • 1926 – Golpe de Estado do general Gomes da Costa, põe fim à 1.ª República e dá inicio ao período de ditadura do Estado Novo.

×