SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS  Índice Estrutura em 3D do ciclo-hexano Nomenclatura Sistemática - Exemplos Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCANOS ALCANOS - Nomenclatura Hidrocarbonetos Halogenados Nomenclatura Sistemática (Oficial) Numeração da Cadeia Carbônica Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCENOS ALCENOS - Nomenclatura Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCINOS Hidrocarbonetos Cíclicos Não Aromáticos Hidrocarbonetos Aromáticos Nomenclatura  orto, meta, para
Nomenclatura Sistemática (Oficial) (1)  O número de átomos de carbono na cadeia principal do composto: (2)  A existência de insaturações: (3)  A função orgânica do composto: A base da nomenclatura sistemática utilizada hoje estabelece que o nome dos compostos orgânicos forneçam informações sobre: Nº de C Prefixo 1 MET 2 ET 3 PROP 4 BUT 5 PENT 6 HEX 7 HEPT 8 OCT 9 NON 10 DEC Insaturação Intermediário Só ligações simples AN 1 ligação dupla EN 2 ligações duplas DIEN 1 ligação tripla IN Função Sufixo Hidrocarboneto O Álcool OL Aldeído AL Cetona ONA Ácido Carboxílico OICO
Nomenclatura Sistemática – Exemplos: Obs.: *as insaturações a serem consideradas para a determinação do intermediário (meio do nome) são aquela entre átomos de carbono somente;  **antigas nomenclaturas (como a do “álcool metílico”) ainda aparecem em compostos muito conhecidos. Fórmula Estrutural Prefixo (Nº de C) Meio do Nome* (Insaturações) Sufixo (F. Orgânica) Nome Sistemático CH 3  – CH 2  – CH 3 prop an o propano CH 2  =   CH 2 et en o eteno CH 3  - OH met an ol metanol (álcool metílico)** et an al etanal but an ona butanona et an oico Ácido etanoico
Numeração da Cadeia Carbônica A numeração dos carbonos de uma cadeia carbônica se faz necessária: Para indicar  a posição de um grupo funcional , como por exemplo, nos álcoois: A numeração deve iniciar da extremidade da cadeia mais próxima ao grupo funcional e a posição é indicada pelo nº do carbono ao qual o grupo pertence ou no qual ele aparece. Butan-2-ol Para indicar  a posição de insaturações : A numeração deve iniciar da extremidade da cadeia mais próxima à insaturação e a posição é indicada pelo  nº do menor carbono  onde a insaturação aparece. Pent-2-eno Obs.: Numa cadeia carbônica onde houver insaturações e grupo funcional, a numeração deve iniciar da extremidade mais próxima ao grupo funcional.
Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCANOS Os ALCANOS são hidrocarbonetos que apresentam apenas  ligações simples  entre os átomos de carbono e são representados pela fórmula geral  C n H (2n+2) . PROPANO (C 3 H 8 ) e BUTANO (C 4 H 10 ) são exemplos de alcanos e estão presentes na mistura que compõe o GLP (gás liquefeito de Petróleo). Botijões de 45 kg de GLP  pt.wikipédia.org  NOMENCLATURA DOS ALCANOS Primeiro passo : identificar a  cadeia principal  (a sequência que apresenta maior número de átomos de carbono). Uma vez identificada esta sequência, as demais sequências são entendidas como  ramificações  da cadeia principal. cadeia principal ramificações
ALCANOS - Nomenclatura Segundo passo : numerar a  cadeia principal  a partir da extremidade mais próxima à ramificação. Terceiro passo : escrever o nome do composto segundo o esquema: Número(s) do(s) carbono(s) ramificado(s) hífen Nome da(s) ramificação(ões) (em ordem alfabética) Nome da cadeia principal (prefixo + meio do nome + sufixo) Assim, o nome do composto exemplificado acima será escrito como: 3,5-di metil octano indica a presença de 2 ramificações metil no composto.
Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCENOS Os ALCENOS são hidrocarbonetos que apresentam ao menos uma  ligação dupla  entre os átomos de carbono e são representados pela fórmula geral  C n H (2n) . O ETENO (etileno) de fórmula (C 2 H 6 ) é o alceno mais simples e é utilizado na produção de plásticos como o PET (polietileno tereftálico). Exemplos de materiais de polietileno  pt.wikipédia.org  NOMENCLATURA DOS ALCENOS Primeiro passo : identificar a  cadeia principal  (a sequência que apresenta maior número de átomos de carbono e  que contenha a maior quantidade possível de ligações duplas ). Uma vez identificada esta sequência, as demais sequências são entendidas como  ramificações  da cadeia principal. cadeia principal ramificação
ALCENOS - Nomenclatura Segundo passo : numerar a  cadeia principal  a partir da extremidade mais próxima à uma dupla ligação. Terceiro passo : escrever o nome do composto segundo o esquema: Número(s) do(s) carbono(s) ramificado(s) hífen Nome da(s) ramificação(ões) (em ordem alfabética) Nome da cadeia principal (prefixo + meio do nome + sufixo) Assim, o nome do composto exemplificado acima será escrito como: 3- etil - hex-2-eno indica a localização da dupla ligação no composto.
Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCINOS Os ALCINOS são hidrocarbonetos que apresentam ao menos uma  ligação tripla  entre os átomos de carbono e são representados pela fórmula geral  C n H (2n-2) . O ETINO (acetileno) de fórmula (C 2 H 2 ) é o alcino mais simples e é utilizado como combustível nos maçaricos oxiacetilênicos. Maçarico de corte  pt.wikipédia.org  NOMENCLATURA DOS ALCINOS A nomenclatura dos ALCINOS segue exatamente a dos ALCINOS, apenas trocando o “EN” pelo “IN” para indicar a tripla ligação. 3- metil - pent-1-ino
Hidrocarbonetos Cíclicos Não Aromáticos Os HIDROCARBONETOS CÍCLICOS são aqueles que apresentam  cadeia carbônica fechada  (sem extremidades). As cadeias podem apresentar ramificações, ligações duplas ou triplas. A nomenclatura segue as regras estudadas para os hidrocarbonetos não cíclicos, acrescentando-se ao nome do composto a palavra “CICLO”. Exemplos: Ciclobutano 3-metilciclo-hex-1-eno
Hidrocarbonetos Halogenados Os HIDROCARBONETOS HALOGENADOS são compostos resultantes da substituição de um ou mais átomos de hidrogênio de um hidrocarboneto por átomos de elementos do grupo dos halogênios. A NOMENCLATURA segue as regras válidas para os hidrocarbonetos acrescentando-se o nome do halogênio precedido pelo nº do carbono em que ele está ligado. Exemplos: diclorometano 1,2-dibromoeteno Triclorometano (clorofórmio) –  tem ação anestésica e hoje é muito utilizado como solvente. pt.wikipédia.org
Hidrocarbonetos aromáticos COMPOSTOS AROMÁTICOS são aqueles que possuem ao menos um grupo benzênico em sua estrutura. Representações da molécula do benzeno A NOMENCLATURA segue as regras válidas para os hidrocarbonetos e a cadeia do benzeno é considerada a principal do composto. Exemplos: 1-etil-2-metilbenzeno 1,4-dietilbenzeno Está presente em combustíveis derivados do petróleo. A regulamentação brasileira permite de 1 a 1,5% na gasolina de automóveis. pt.wikipédia.org
Nomenclatura  Orto, Meta, Para ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],1,2-dimetilbenzeno ou  orto -dimetilbenzeno 1-etil-3-metilbenzeno ou  para -etilmetilbenzeno 1,4-dimetilbenzeno ou  para -dimetilbenzeno

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Calculo estequiometrico
Calculo estequiometricoCalculo estequiometrico
Calculo estequiometrico
 
Ligações covalentes
Ligações covalentesLigações covalentes
Ligações covalentes
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Haletos Orgânicos
Haletos OrgânicosHaletos Orgânicos
Haletos Orgânicos
 
Isomeria espacial
Isomeria espacialIsomeria espacial
Isomeria espacial
 
Mol e massas molares ppt
Mol e massas molares   pptMol e massas molares   ppt
Mol e massas molares ppt
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
 
Química orgânica - Isomeria
Química orgânica - IsomeriaQuímica orgânica - Isomeria
Química orgânica - Isomeria
 
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
 
Aula 1 a história da química orgânica
Aula 1   a história da química orgânicaAula 1   a história da química orgânica
Aula 1 a história da química orgânica
 
Aula 11 13 estereoquímica
Aula 11   13 estereoquímicaAula 11   13 estereoquímica
Aula 11 13 estereoquímica
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
hidrocarbonetos
hidrocarbonetoshidrocarbonetos
hidrocarbonetos
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 

Destaque

Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]Manuel Vicente
 
Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e Naftaleno
Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e NaftalenoHidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e Naftaleno
Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e NaftalenoCarmen Theodoro Mendes
 
Janice pós
Janice pósJanice pós
Janice pósJanicenf
 
100 latinhas mint to be personalizadas para maternidade
100 latinhas mint to be personalizadas para maternidade100 latinhas mint to be personalizadas para maternidade
100 latinhas mint to be personalizadas para maternidadeAdemir Da Costa Costa
 
Reciclagem slideshare302
Reciclagem slideshare302Reciclagem slideshare302
Reciclagem slideshare302sibfreguesia
 
Aula 8 9 nomenclatura compostos orgânicos
Aula 8   9  nomenclatura compostos orgânicosAula 8   9  nomenclatura compostos orgânicos
Aula 8 9 nomenclatura compostos orgânicosGustavo Silveira
 
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosQuímica Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosCarson Souza
 
Reciclagem do alumínio
Reciclagem do alumínioReciclagem do alumínio
Reciclagem do alumíniosoradinda_59
 
Latinhas porta trecos com reciclagem
Latinhas porta trecos com reciclagemLatinhas porta trecos com reciclagem
Latinhas porta trecos com reciclagemVila do Artesão
 
Apresentação plásticos
Apresentação plásticosApresentação plásticos
Apresentação plásticosJessicaSCivl
 
Intoxicação por solventes orgânicos
Intoxicação por solventes orgânicosIntoxicação por solventes orgânicos
Intoxicação por solventes orgânicosMaria Celeste Moraes
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesJoanna de Paoli
 
Funções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadasFunções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadasmarinha1996
 
Plástico - PP
Plástico - PPPlástico - PP
Plástico - PPEcodar
 
AROMÁTICOS - AULA 11
AROMÁTICOS - AULA 11AROMÁTICOS - AULA 11
AROMÁTICOS - AULA 11Kaires Braga
 
Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos.
 Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos. Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos.
Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos.Raiane Assunção
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosKarol Maia
 
Reações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisierReações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisierPiedade Alves
 

Destaque (20)

Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
 
Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e Naftaleno
Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e NaftalenoHidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e Naftaleno
Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, Antraceno e Naftaleno
 
Janice pós
Janice pósJanice pós
Janice pós
 
100 latinhas mint to be personalizadas para maternidade
100 latinhas mint to be personalizadas para maternidade100 latinhas mint to be personalizadas para maternidade
100 latinhas mint to be personalizadas para maternidade
 
Reciclagem slideshare302
Reciclagem slideshare302Reciclagem slideshare302
Reciclagem slideshare302
 
Aula 8 9 nomenclatura compostos orgânicos
Aula 8   9  nomenclatura compostos orgânicosAula 8   9  nomenclatura compostos orgânicos
Aula 8 9 nomenclatura compostos orgânicos
 
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosQuímica Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
 
Reciclagem do alumínio
Reciclagem do alumínioReciclagem do alumínio
Reciclagem do alumínio
 
Latinhas porta trecos com reciclagem
Latinhas porta trecos com reciclagemLatinhas porta trecos com reciclagem
Latinhas porta trecos com reciclagem
 
Apresentação plásticos
Apresentação plásticosApresentação plásticos
Apresentação plásticos
 
Função oxigenadas e nitrogenadas
Função oxigenadas e nitrogenadasFunção oxigenadas e nitrogenadas
Função oxigenadas e nitrogenadas
 
Intoxicação por solventes orgânicos
Intoxicação por solventes orgânicosIntoxicação por solventes orgânicos
Intoxicação por solventes orgânicos
 
Anabolizantes (1)
Anabolizantes (1)Anabolizantes (1)
Anabolizantes (1)
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
 
Funções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadasFunções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadas
 
Plástico - PP
Plástico - PPPlástico - PP
Plástico - PP
 
AROMÁTICOS - AULA 11
AROMÁTICOS - AULA 11AROMÁTICOS - AULA 11
AROMÁTICOS - AULA 11
 
Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos.
 Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos. Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos.
Quimica-orgânica- Aula 2- Nomenclatura dos compostos orgânicos.
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicos
 
Reações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisierReações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisier
 

Semelhante a Nomenclatura Orgânica

1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptxssuser03bb93
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânicatenraquel
 
Aula 2 funções orgânicas.
Aula 2   funções orgânicas.Aula 2   funções orgânicas.
Aula 2 funções orgânicas.Ajudar Pessoas
 
Nomenclatura dos compostos_orgânicos
Nomenclatura dos compostos_orgânicosNomenclatura dos compostos_orgânicos
Nomenclatura dos compostos_orgânicosAndré Garrido
 
Nomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicosNomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicosHenrique Zini
 
Nomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicosNomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicostamandarealfamanha
 
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia14 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1Joyce Fagundes
 
(506870168) resumos de química
(506870168) resumos de química(506870168) resumos de química
(506870168) resumos de químicaJéssica Amaral
 
Polimeros sintéticos, ana e anibal
Polimeros sintéticos, ana e anibalPolimeros sintéticos, ana e anibal
Polimeros sintéticos, ana e anibalPauloMaiaCampos
 
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2Albano Novaes
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaSilvana
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaSilvana
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anosDIRLUIZ
 
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria PatríciaApostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria PatríciaJose Carlos Machado Cunha
 
Grupos orgânicos.pptx
Grupos orgânicos.pptxGrupos orgânicos.pptx
Grupos orgânicos.pptxUilsonRamos6
 

Semelhante a Nomenclatura Orgânica (20)

1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
 
Nomenclatura 02
Nomenclatura 02Nomenclatura 02
Nomenclatura 02
 
Aula 2 funções orgânicas.
Aula 2   funções orgânicas.Aula 2   funções orgânicas.
Aula 2 funções orgânicas.
 
Nomenclatura dos compostos_orgânicos
Nomenclatura dos compostos_orgânicosNomenclatura dos compostos_orgânicos
Nomenclatura dos compostos_orgânicos
 
hidrocarbonetos - rodrigo
 hidrocarbonetos  - rodrigo hidrocarbonetos  - rodrigo
hidrocarbonetos - rodrigo
 
Nomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicosNomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicos
 
Nomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicosNomenclatura dos compostos_org_nicos
Nomenclatura dos compostos_org_nicos
 
Hc nomenclatura
Hc nomenclaturaHc nomenclatura
Hc nomenclatura
 
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia14 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
 
Nomenclatura Dos Compostos OrgâNicos
Nomenclatura Dos Compostos OrgâNicosNomenclatura Dos Compostos OrgâNicos
Nomenclatura Dos Compostos OrgâNicos
 
(506870168) resumos de química
(506870168) resumos de química(506870168) resumos de química
(506870168) resumos de química
 
Polimeros sintéticos, ana e anibal
Polimeros sintéticos, ana e anibalPolimeros sintéticos, ana e anibal
Polimeros sintéticos, ana e anibal
 
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anos
 
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria PatríciaApostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
 
004 estudo da família dos alcanos
004 estudo da família dos alcanos004 estudo da família dos alcanos
004 estudo da família dos alcanos
 
Grupos orgânicos.pptx
Grupos orgânicos.pptxGrupos orgânicos.pptx
Grupos orgânicos.pptx
 

Mais de con_seguir

Transformações geométricas no plano
Transformações geométricas no planoTransformações geométricas no plano
Transformações geométricas no planocon_seguir
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas linearescon_seguir
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulocon_seguir
 
Numeros complexos aula
Numeros complexos aulaNumeros complexos aula
Numeros complexos aulacon_seguir
 
Numeros complexos
Numeros complexosNumeros complexos
Numeros complexoscon_seguir
 
Matematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logicoMatematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logicocon_seguir
 
Matematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas iMatematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas icon_seguir
 
Geometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidosGeometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidoscon_seguir
 
Geometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da retaGeometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da retacon_seguir
 
Fundamentos matematica iv
Fundamentos matematica ivFundamentos matematica iv
Fundamentos matematica ivcon_seguir
 
Fundamentos matematica ii
Fundamentos matematica iiFundamentos matematica ii
Fundamentos matematica iicon_seguir
 
Fundamentos matematica i
Fundamentos matematica iFundamentos matematica i
Fundamentos matematica icon_seguir
 
Fundamentos geometria i
Fundamentos geometria iFundamentos geometria i
Fundamentos geometria icon_seguir
 
Funcao do primeiro grau
Funcao do primeiro grauFuncao do primeiro grau
Funcao do primeiro graucon_seguir
 
Fisica 003 optica
Fisica   003 opticaFisica   003 optica
Fisica 003 opticacon_seguir
 
Exercicios resolvidos poligonos
Exercicios resolvidos   poligonosExercicios resolvidos   poligonos
Exercicios resolvidos poligonoscon_seguir
 
Estudos da reta
Estudos da retaEstudos da reta
Estudos da retacon_seguir
 

Mais de con_seguir (20)

Transformações geométricas no plano
Transformações geométricas no planoTransformações geométricas no plano
Transformações geométricas no plano
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
 
Ponto reta
Ponto retaPonto reta
Ponto reta
 
Poliedro
PoliedroPoliedro
Poliedro
 
Numeros complexos aula
Numeros complexos aulaNumeros complexos aula
Numeros complexos aula
 
Numeros complexos
Numeros complexosNumeros complexos
Numeros complexos
 
Matematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logicoMatematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logico
 
Matematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas iMatematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas i
 
Geometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidosGeometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidos
 
Geometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da retaGeometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da reta
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Fundamentos matematica iv
Fundamentos matematica ivFundamentos matematica iv
Fundamentos matematica iv
 
Fundamentos matematica ii
Fundamentos matematica iiFundamentos matematica ii
Fundamentos matematica ii
 
Fundamentos matematica i
Fundamentos matematica iFundamentos matematica i
Fundamentos matematica i
 
Fundamentos geometria i
Fundamentos geometria iFundamentos geometria i
Fundamentos geometria i
 
Funcao do primeiro grau
Funcao do primeiro grauFuncao do primeiro grau
Funcao do primeiro grau
 
Fisica 003 optica
Fisica   003 opticaFisica   003 optica
Fisica 003 optica
 
Exercicios resolvidos poligonos
Exercicios resolvidos   poligonosExercicios resolvidos   poligonos
Exercicios resolvidos poligonos
 
Estudos da reta
Estudos da retaEstudos da reta
Estudos da reta
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Nomenclatura Orgânica

  • 1. NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Índice Estrutura em 3D do ciclo-hexano Nomenclatura Sistemática - Exemplos Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCANOS ALCANOS - Nomenclatura Hidrocarbonetos Halogenados Nomenclatura Sistemática (Oficial) Numeração da Cadeia Carbônica Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCENOS ALCENOS - Nomenclatura Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCINOS Hidrocarbonetos Cíclicos Não Aromáticos Hidrocarbonetos Aromáticos Nomenclatura orto, meta, para
  • 2. Nomenclatura Sistemática (Oficial) (1) O número de átomos de carbono na cadeia principal do composto: (2) A existência de insaturações: (3) A função orgânica do composto: A base da nomenclatura sistemática utilizada hoje estabelece que o nome dos compostos orgânicos forneçam informações sobre: Nº de C Prefixo 1 MET 2 ET 3 PROP 4 BUT 5 PENT 6 HEX 7 HEPT 8 OCT 9 NON 10 DEC Insaturação Intermediário Só ligações simples AN 1 ligação dupla EN 2 ligações duplas DIEN 1 ligação tripla IN Função Sufixo Hidrocarboneto O Álcool OL Aldeído AL Cetona ONA Ácido Carboxílico OICO
  • 3. Nomenclatura Sistemática – Exemplos: Obs.: *as insaturações a serem consideradas para a determinação do intermediário (meio do nome) são aquela entre átomos de carbono somente; **antigas nomenclaturas (como a do “álcool metílico”) ainda aparecem em compostos muito conhecidos. Fórmula Estrutural Prefixo (Nº de C) Meio do Nome* (Insaturações) Sufixo (F. Orgânica) Nome Sistemático CH 3 – CH 2 – CH 3 prop an o propano CH 2 = CH 2 et en o eteno CH 3 - OH met an ol metanol (álcool metílico)** et an al etanal but an ona butanona et an oico Ácido etanoico
  • 4. Numeração da Cadeia Carbônica A numeração dos carbonos de uma cadeia carbônica se faz necessária: Para indicar a posição de um grupo funcional , como por exemplo, nos álcoois: A numeração deve iniciar da extremidade da cadeia mais próxima ao grupo funcional e a posição é indicada pelo nº do carbono ao qual o grupo pertence ou no qual ele aparece. Butan-2-ol Para indicar a posição de insaturações : A numeração deve iniciar da extremidade da cadeia mais próxima à insaturação e a posição é indicada pelo nº do menor carbono onde a insaturação aparece. Pent-2-eno Obs.: Numa cadeia carbônica onde houver insaturações e grupo funcional, a numeração deve iniciar da extremidade mais próxima ao grupo funcional.
  • 5. Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCANOS Os ALCANOS são hidrocarbonetos que apresentam apenas ligações simples entre os átomos de carbono e são representados pela fórmula geral C n H (2n+2) . PROPANO (C 3 H 8 ) e BUTANO (C 4 H 10 ) são exemplos de alcanos e estão presentes na mistura que compõe o GLP (gás liquefeito de Petróleo). Botijões de 45 kg de GLP pt.wikipédia.org NOMENCLATURA DOS ALCANOS Primeiro passo : identificar a cadeia principal (a sequência que apresenta maior número de átomos de carbono). Uma vez identificada esta sequência, as demais sequências são entendidas como ramificações da cadeia principal. cadeia principal ramificações
  • 6. ALCANOS - Nomenclatura Segundo passo : numerar a cadeia principal a partir da extremidade mais próxima à ramificação. Terceiro passo : escrever o nome do composto segundo o esquema: Número(s) do(s) carbono(s) ramificado(s) hífen Nome da(s) ramificação(ões) (em ordem alfabética) Nome da cadeia principal (prefixo + meio do nome + sufixo) Assim, o nome do composto exemplificado acima será escrito como: 3,5-di metil octano indica a presença de 2 ramificações metil no composto.
  • 7. Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCENOS Os ALCENOS são hidrocarbonetos que apresentam ao menos uma ligação dupla entre os átomos de carbono e são representados pela fórmula geral C n H (2n) . O ETENO (etileno) de fórmula (C 2 H 6 ) é o alceno mais simples e é utilizado na produção de plásticos como o PET (polietileno tereftálico). Exemplos de materiais de polietileno pt.wikipédia.org NOMENCLATURA DOS ALCENOS Primeiro passo : identificar a cadeia principal (a sequência que apresenta maior número de átomos de carbono e que contenha a maior quantidade possível de ligações duplas ). Uma vez identificada esta sequência, as demais sequências são entendidas como ramificações da cadeia principal. cadeia principal ramificação
  • 8. ALCENOS - Nomenclatura Segundo passo : numerar a cadeia principal a partir da extremidade mais próxima à uma dupla ligação. Terceiro passo : escrever o nome do composto segundo o esquema: Número(s) do(s) carbono(s) ramificado(s) hífen Nome da(s) ramificação(ões) (em ordem alfabética) Nome da cadeia principal (prefixo + meio do nome + sufixo) Assim, o nome do composto exemplificado acima será escrito como: 3- etil - hex-2-eno indica a localização da dupla ligação no composto.
  • 9. Hidrocarbonetos Não Aromáticos - ALCINOS Os ALCINOS são hidrocarbonetos que apresentam ao menos uma ligação tripla entre os átomos de carbono e são representados pela fórmula geral C n H (2n-2) . O ETINO (acetileno) de fórmula (C 2 H 2 ) é o alcino mais simples e é utilizado como combustível nos maçaricos oxiacetilênicos. Maçarico de corte pt.wikipédia.org NOMENCLATURA DOS ALCINOS A nomenclatura dos ALCINOS segue exatamente a dos ALCINOS, apenas trocando o “EN” pelo “IN” para indicar a tripla ligação. 3- metil - pent-1-ino
  • 10. Hidrocarbonetos Cíclicos Não Aromáticos Os HIDROCARBONETOS CÍCLICOS são aqueles que apresentam cadeia carbônica fechada (sem extremidades). As cadeias podem apresentar ramificações, ligações duplas ou triplas. A nomenclatura segue as regras estudadas para os hidrocarbonetos não cíclicos, acrescentando-se ao nome do composto a palavra “CICLO”. Exemplos: Ciclobutano 3-metilciclo-hex-1-eno
  • 11. Hidrocarbonetos Halogenados Os HIDROCARBONETOS HALOGENADOS são compostos resultantes da substituição de um ou mais átomos de hidrogênio de um hidrocarboneto por átomos de elementos do grupo dos halogênios. A NOMENCLATURA segue as regras válidas para os hidrocarbonetos acrescentando-se o nome do halogênio precedido pelo nº do carbono em que ele está ligado. Exemplos: diclorometano 1,2-dibromoeteno Triclorometano (clorofórmio) – tem ação anestésica e hoje é muito utilizado como solvente. pt.wikipédia.org
  • 12. Hidrocarbonetos aromáticos COMPOSTOS AROMÁTICOS são aqueles que possuem ao menos um grupo benzênico em sua estrutura. Representações da molécula do benzeno A NOMENCLATURA segue as regras válidas para os hidrocarbonetos e a cadeia do benzeno é considerada a principal do composto. Exemplos: 1-etil-2-metilbenzeno 1,4-dietilbenzeno Está presente em combustíveis derivados do petróleo. A regulamentação brasileira permite de 1 a 1,5% na gasolina de automóveis. pt.wikipédia.org
  • 13.