SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Baixar para ler offline
Disciplina: Química
Profª: Alda Ernestina
25/06/2015
1
Pré-Vestibular Samora Machel
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Polaridade, geometria molecular e
ligações intermoleculares
Geometria molecular
Teoria da repulsão dos pares de elétrons da camada de valência
“Ao redor do átomo central, os pares eletrônicos ligantes e os não ligantes
se repelem entre si e se afastam ao máximo uns dos outros”
Retrata o arranjo tridimensional dos átomos em uma molécula,ou seja, a
forma da molécula
.. ..
H O H
H
O
H
.. ..
180°
104.5 °
Na molécula de água os pares de elétrons não ligantes do oxigênio se repelem,
diminuindo o ângulo da ligação de 180° para 104.5 °
A geometria molecular então depende de dois fatores, a quantidade de átomos ligados ao átomo
central e a presença de pares eletrônicos não ligantes
Moléculas com 2 átomos
A geometria de uma molécula com apenas 2 átomos
será sempre LINEAR
FH H Cl
O O
Na geometria linear o ângulo de ligação é de 180°
Moléculas com 3 átomos
A geometria de uma molécula com 3 átomos pode ser:
Na geometria angular o ângulo de ligação é de 116.8° quando há um par não ligante e
de 104.5 ° quando há 2 pares
LINEAR – se o átomo central NÃO apresentar par de elétrons não ligantes
O C O H C N
BeH2 CO2 HCN
ANGULAR – se o átomo central apresentar um ou mais pares de elétrons
não ligantes
O
H H
S
O O
O
O O
H2O SO2 O3
.. .. .. ..
Moléculas com 4 átomos
A geometria de uma molécula com 4 átomos pode ser:
TRIGONAL PLANA – se o átomo central NÃO apresentar par de
elétrons não ligantes
TRIGONAL PIRAMIDAL – se o átomo central apresentar par (es) de
elétrons não ligantes
..
.. ..
B
H
HH
S
O
OO F F
F
B
BH3 SO3 BF3
N
H
HH
P
Cl
ClCl
NH3 PCl3
120°
Ângulo de 107°
Moléculas com 5 átomos
Uma molécula com 5 átomos apresenta geometria TETRAÉDRICA
formando um ângulo de ligação de 109.5°
CH4
H
H
H
H
C
CCl4
Cl
Cl
Cl
Cl
C
109.5°C
Compostos orgânicos que apresentam somente ligações simples apresentam
geometria tetraérica
Moléculas com 6 ou 7 átomos
Uma molécula com 6 átomos apresenta geometria BIPIRÂMIDE
TRIGONAL
Uma molécula com 7 átomos apresenta geometria OCTAÉDRICA
PCl5
SF6
Vamos praticar?
Eletronegatividade e ligações químicas
Eletronegatividade – é a capacidade que um átomo tem de atrair para si
os elétrons que ele compartilha com outro átomo em uma ligação covalente
Quanto maior a eletronegatividade maior a força com que o átomo “puxa”
para si os elétrons compartilhados
Polarização das ligações
A polaridade de uma ligação é expressa pela diferença de eletronegatividade
(∆) entre os átomos ligados e de acordo com seu valor podemos classificar
as ligações em:
O acúmulo de cargas elétricas em determinada região é denominado pólo e
pode ser de dois tipos
maior concentração de elétrons
menor concentração de elétrons
∆= 0 ∆ = 0,1 até 1,7 ∆ > 1,7
Toda ligação iônica é polar, pois produz íons
Ligação covalente APOLAR
Apresenta momento dipolar igual a zero (µ = 0), ocorre quando dois átomos
iguais se ligam
∆ = 2,1 – 2,1 = 0
∆ = 3,5 – 3,5 = 0 ∆ = 4,0 – 4,0 = 0
∆ = 3,0 – 3,0 = 0
F2
H2
O2
H H Cl Cl
Cl2
O O F F
Como os átomos que se ligam são iguais a eletronegatividade é a mesma e nenhum
“puxa” mais os elétrons do que o outro
Ligação covalente POLAR
Apresenta momento dipolar diferente de zero (µ ≠ 0), ocorre quando dois
átomos diferentes se ligam
H Cl
∆ = 3,0 – 2,1 = 0,9
H Cl
+δ -δ
H F
∆ = 4,0 – 2,1 = 1,9
H F
+δ -δ
C O
∆ = 3,5 – 2,5 = 1,0
C O
+δ -δ
Neste caso o átomo mais eletronegativo sempre “puxa” mais os elétrons do que o
outro e o momento dipolar (µ) é orientado no sentido do átomo menos
eletronegativo para o mais eletronegativo
µ µ µ
Vamos praticar?
Eletronegatividade: H = 2.1; Cl = 3.0
Eletronegatividade: S= 2.5; H = 2.1; C = 2.5; Na = 0.9
Polaridade das moléculas
As moléculas também apresentam polaridade, que depende do tipo de
ligação química (polar ou apolar) e da geometria molecular
Uma molécula polar apresenta pólos, devido à distribuição desigual dos elétrons
nas ligações que as compõe e sob a ação de um campo elétrico se orientam. O
mesmo não ocorrem com as moléculas apolares
Moléculas Apolares
Apresentam momento dipolar resultante igual a zero ( )
Uma molécula será apolar quando:
1) Todas as ligações que a compõe forem apolares
2) A soma total dos momentos dipolares for igual a zero
Ligação apolar
H2
Molécula apolar
Ligação apolar
Cl2
Molécula apolar
Ligação apolar
O2
Molécula apolar
H H Cl Cl O O
CO2, BeH2 e BF3 apesar de apresentarem
ligações polares são moléculas apolares
devido a geometria molecular, pois em ambos
os casos os vetores se anulam
Moléculas Polares
Apresentam momento dipolar resultante diferente de zero ( )
Molécula de HF é polar
Molécula de CHCl3 é polar
N
H
H
H
H F O
H H
C
H
Cl Cl
Cl
µ = 1.91 D
µ = 1.84 D
Molécula de H2O é polar
Molécula de NH3 é polar
µ = 1.48 D
E a molécula de metano (CH4) é polar?
.. ..
..
Vamos praticar?
Eletronegatividade: Si = 1.8; O = 3.5; C = 2.5; Cl = 3.0; P = 2.1; H = 2.1; Be = 1.6
Forças intermoleculares (ligações intermoleculares)
Forças que mantém as moléculas unidas em um composto covalente
Determinam as mudanças de estados físicos
São de 3 tipos: forças de London; dipolo-dipolo permanente e ligações de
hidrogênio
O éter evapora mais rapidamente do que a água, pois a força intermolecular
que mantém suas moléculas unidas é mais fraca
Então dizemos que o éter é mais volátil (evapora mais rapidamente) que a água
Forças de London (dipolo instantâneo – dipolo induzido )
Esse tipo de força intermolecular ocorre entre moléculas apolares
Uma molécula mesmo sendo apolar, devido ao movimento dos elétrons pode
momentaneamente ficar polarizada e por indução elétrica provocar a polarização de
uma molécula vizinha
Molécula
apolar
Molécula
apolar
dipolo instantâneo dipolo instantâneo
Surge então uma atração elétrica muito fraca que mantém as moléculas unidas
Por serem forças muito fracas, as moléculas unidas por este tipo de força
apresentam baixos pontos de ebulição (são voláteis) e constituem geralmente
substâncias gasosas
H2, O2, N2, CO2, CH4, Cl2, He, Ne, Ar
As forças de London são as forças intermoleculares mais fracas que existem e são
também conhecidas por forças de VAN DER WALLS
Forças Dipolo – Dipolo (dipolo permanente)
Esse tipo de força intermolecular ocorre entre moléculas polares
O pólo negativo de uma molécula atrai o pólo positivo da molécula vizinha,
de forma que a molécula apresenta um dipolo permanente
Esse tipo de força intermolecular ocorre em substâncias polares como:
HCl, HBr, H2S, CO, CHCl3, SO3
As forças dipolo-dipolo permanente são cerca de 10 vezes mais fortes que as
forças de London e por isso provocam pontos de ebulição mais elevados
HCl
P ebulição = 50.5 °C
H2
P ebulição = - 252.8 °C
Forças dipolo-dipolo permanente Forças de London
Ligações por pontes de hidrogênio
Tipo especial de ligação dipolo-dipolo permanente que ocorre em entre
moléculas que apresentam átomo de hidrogênio ligados á átomos muito
eletronegativos como: FLÚOR, OXIGÊNIO ou NITROGÊNIO (FON)
É o tipo de força intermolecular mais forte que há e ocorre em substâncias
polares como:
HF
NH3
H2O
Vamos praticar?
Vamos praticar?
Ligações por pontes de hidrogênio e os cabelos
Os fios de cabelos são formados por proteínas, principalmente queratina
O formato do cabelo depende das forças intermoleculares que atuam na
queratina, que são de dois tipos: pontes de hidrogênio e pontes de enxofre
A alta temperatura do secador ou da chapinha é
suficiente para romper essas ligações, tornando
o cabelo liso e pronto para ser moldado
Princípio de funcionamento dos alisantes
Os alisantes são formulados com ácidos ou
bases capazes de romper as ligações de enxofre
do cabelo, permitindo moldá-lo
Forças intermoleculares e ponto de ebulição
Para que uma substância entre em ebulição é necessário que as forças
intermoleculares sejam rompidas.
Dois fatores interferem no ponto de ebulição das substâncias covalentes:
1) Tipo de força intermolecular – quanto mais forte for a interação, maior
será o ponto de ebulição da substância
HCl
H2
Aumento do ponto de ebulição
H2 H2 H2O
Peb = -258,8 °C
Peb = 50,5 °C
Peb = 100 °C
Forças intermoleculares e ponto de ebulição
2)Tamanho da molécula – em moléculas com o mesmo tipo de interação
quanto maior a molécula, maior será o ponto de ebulição
CH4
CH3CH3
CH3CH2CH3
CH3CH2CH2CH3
CH3CH2CH2CH2CH3
CH3CH2CH2CH2CH2CH3
Forças de London
Temperaturadeebulição
CH3OH
CH3CH2OH
CH3CH2CH2OH
CH3CH2CH2CH2OH
CH3CH2CH2CH2CH2OH
CH3CH2CH2CH2CH2CH2OH
Ponte de hidrogênio
O ponto de ebulição aumenta com o aumento do tamanho da cadeia
Vamos praticar?
Forças intermoleculares e solubilidade
O tipo de força intermolecular também influencia na solubilidade das
substâncias covalentes, que geralmente obedece à regra do “semelhante
dissolve semelhante”
H2O e etanol se misturam pois
o etanol é capaz de fazer ligações de
hidrogênio com as moléculas de água
H2O e óleo não se misturam pois o óleo
(forças de London) não é capaz de fazer
ligações de hidrogênio com a água
Mas por que o etanol que é polar se mistura com gasolina?
O etanol apesar de ser polar é solúvel tanto em água (polar), quanto em
gasolina (apolar) pois contém grupos apolares e polares
CH3 CH2 OH
Parte apolar
(Solúvel em gasolina)
Parte polar
(Solúvel em água)
Quanto maior a cadeia carbônica menos solúvel em água
Etanol – solúvel tanto em água quanto em gasolina
CH2 CH2 CH2 CH3
OH
Parte apolar
(Solúvel em gasolina)
Parte polar
(Solúvel em água)
Como a parte apolar é bem maior que
a polar, o butanol é insolúvel em água
São vitaminas insolúveis em água pois apresentam grande cadeia carbônica e poucos
grupos polares capazes de fazer ligações de hidrogênio com a água
Vitaminas Lipossolúveis
OH
CH3 CH3
CH3 CH3
CH3
CH3 CH3
CH3
CH2
OH
CH3
O
OH
CH3
CH3
CH3
CH3
CH3
CH3CH3
CH3
Vitamina A
Vitamina E
Vitamina D
As vitaminas A, D e E são apolares e por isso lipossolúveis (solúveis em gorduras)
Vitaminas Hidrossolúveis
N
N
N
+
S
OH
CH3
NH2 CH3
N N
N
H
N
OH
CH3CH3
O
O
OH
OH OH
O
O
OH
OH
OH OH
São vitaminas solúveis em água pois apresentam muitos grupos polares
capazes de fazer ligação hidrogênio com as moléculas de água
Vitamina B1
Vitamina B2
Vitamina C
As vitaminas B1, B2 e C são polares e por isso hidrossolúveis (solúveis em água)
Vitaminas Hidrossolúveis
N
N
N
+
S
OH
CH3
NH2 CH3
N N
N
H
N
OH
CH3CH3
O
O
OH
OH OH
O
O
OH
OH
OH OH
São vitaminas solúveis em água pois apresentam muitos grupos polares
capazes de fazer ligação hidrogênio com as moléculas de água
Vitamina B1
Vitamina B2
Vitamina C
As vitaminas B1, B2 e C são polares e por isso hidrossolúveis (solúveis em água)
Como funcionam os sabões
Os sabões são produzidos a partir da reação entre óleos graxos (gorduras) ou
óleos vegetais e uma base forte (NaOH) e por esse motivo apresenta duas
partes, uma lipofílica (solúvel em gordura) e outra hidrofílica (solúvel em
água)
Solubilidade dos gases em água
A maioria dos gases têm suas moléculas unidas por forças de London e por
este motivo apresentam baixa solubilidade em água, pois interagem
fracamente com as moléculas de água
Nos refrigerantes o CO2 é solúvel pois
está a alta pressão dentro da garrafa
Mas então como são feitos os refrigerantes?
Vamos praticar?
GeoMolPol
GeoMolPol

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Ligações covalentes
Ligações covalentesLigações covalentes
Ligações covalentes
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
 
Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenação
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Unidade 02 - Estereoquímica
Unidade 02 - EstereoquímicaUnidade 02 - Estereoquímica
Unidade 02 - Estereoquímica
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
PH e pOH
 
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
 
Mol a unidade da química
Mol a unidade da químicaMol a unidade da química
Mol a unidade da química
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 

Semelhante a GeoMolPol

Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesResumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesProfª Alda Ernestina
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeValquiria R. Nascimento
 
Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Geometria molecular e forças intermoleculares.pptGeometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Geometria molecular e forças intermoleculares.pptLalyson Matheus
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptCristianoRamosSilva1
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptVaniaMaria37
 
ligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleecularesligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleecularesluizdr1
 
Cap 3 4quimidist2010
Cap 3   4quimidist2010Cap 3   4quimidist2010
Cap 3 4quimidist2010Sandra Silva
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularCarlos Priante
 
Ligações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimicaLigações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimicaslidesescolares
 
Aula i fbaiano_ligações químicas
Aula i fbaiano_ligações químicasAula i fbaiano_ligações químicas
Aula i fbaiano_ligações químicasSaulo Luis Capim
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesBio Sem Limites
 
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdfintroducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdfSemilleroGENUBA
 
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemploSimone Belorte de Andrade
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermolecularesDacio Cardoso
 
Lista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostos
Lista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostosLista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostos
Lista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostosDAVINCCI LOURENÇO DE ALMEIDA
 

Semelhante a GeoMolPol (20)

Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesResumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
 
AULA 7.ppt
AULA 7.pptAULA 7.ppt
AULA 7.ppt
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
 
Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Geometria molecular e forças intermoleculares.pptGeometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
 
ligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleecularesligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleeculares
 
Cap 3 4quimidist2010
Cap 3   4quimidist2010Cap 3   4quimidist2010
Cap 3 4quimidist2010
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
 
Ligações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimicaLigações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimica
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
Aula i fbaiano_ligações químicas
Aula i fbaiano_ligações químicasAula i fbaiano_ligações químicas
Aula i fbaiano_ligações químicas
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
 
Trabalho de química
Trabalho de químicaTrabalho de química
Trabalho de química
 
Aulas 21 e 28 - Forças Intermoleculares
Aulas 21 e 28 - Forças IntermolecularesAulas 21 e 28 - Forças Intermoleculares
Aulas 21 e 28 - Forças Intermoleculares
 
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdfintroducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
 
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Lista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostos
Lista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostosLista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostos
Lista de exercicios forcas intermoleculares e propriedades dos compostos
 

Mais de Profª Alda Ernestina

Seminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - MestradoSeminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - MestradoProfª Alda Ernestina
 
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-CorrenteApresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-CorrenteProfª Alda Ernestina
 
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de DoutoradoApresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de DoutoradoProfª Alda Ernestina
 
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...Profª Alda Ernestina
 
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificaçãoApresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificaçãoProfª Alda Ernestina
 
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos NaturaisExame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos NaturaisProfª Alda Ernestina
 
Aula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-MalonatoAula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-MalonatoProfª Alda Ernestina
 
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação  Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação Profª Alda Ernestina
 
Reações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicosReações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicosProfª Alda Ernestina
 
Resumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânicaResumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânicaProfª Alda Ernestina
 
Lista de exercícios ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios   ácido-base e reações de adiçãoLista de exercícios   ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios ácido-base e reações de adiçãoProfª Alda Ernestina
 
Exercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminaçãoExercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminaçãoProfª Alda Ernestina
 
Exercicios reações de substituição
Exercicios   reações de substituiçãoExercicios   reações de substituição
Exercicios reações de substituiçãoProfª Alda Ernestina
 
Exercícios de revisão reações orgânicas
Exercícios  de revisão   reações orgânicasExercícios  de revisão   reações orgânicas
Exercícios de revisão reações orgânicasProfª Alda Ernestina
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaProfª Alda Ernestina
 
Lista de exercicios reações químicas
Lista de exercicios   reações químicasLista de exercicios   reações químicas
Lista de exercicios reações químicasProfª Alda Ernestina
 

Mais de Profª Alda Ernestina (20)

Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado  Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado
 
Seminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - MestradoSeminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - Mestrado
 
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-CorrenteApresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
 
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de DoutoradoApresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
 
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
 
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificaçãoApresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
 
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos NaturaisExame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
 
Aula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-MalonatoAula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-Malonato
 
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação  Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
 
Aula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerizaçãoAula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerização
 
Reações de polimerização
Reações de polimerização Reações de polimerização
Reações de polimerização
 
Reações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicosReações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicos
 
Resumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânicaResumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânica
 
Lista de exercícios ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios   ácido-base e reações de adiçãoLista de exercícios   ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios ácido-base e reações de adição
 
Exercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminaçãoExercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminação
 
Exercicios reações de substituição
Exercicios   reações de substituiçãoExercicios   reações de substituição
Exercicios reações de substituição
 
Exercícios de revisão reações orgânicas
Exercícios  de revisão   reações orgânicasExercícios  de revisão   reações orgânicas
Exercícios de revisão reações orgânicas
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
 
Lista de exercicios revisão
Lista de exercicios   revisãoLista de exercicios   revisão
Lista de exercicios revisão
 
Lista de exercicios reações químicas
Lista de exercicios   reações químicasLista de exercicios   reações químicas
Lista de exercicios reações químicas
 

Último

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

GeoMolPol

  • 1. Disciplina: Química Profª: Alda Ernestina 25/06/2015 1 Pré-Vestibular Samora Machel Universidade Federal do Rio de Janeiro Polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
  • 2. Geometria molecular Teoria da repulsão dos pares de elétrons da camada de valência “Ao redor do átomo central, os pares eletrônicos ligantes e os não ligantes se repelem entre si e se afastam ao máximo uns dos outros” Retrata o arranjo tridimensional dos átomos em uma molécula,ou seja, a forma da molécula .. .. H O H H O H .. .. 180° 104.5 ° Na molécula de água os pares de elétrons não ligantes do oxigênio se repelem, diminuindo o ângulo da ligação de 180° para 104.5 ° A geometria molecular então depende de dois fatores, a quantidade de átomos ligados ao átomo central e a presença de pares eletrônicos não ligantes
  • 3. Moléculas com 2 átomos A geometria de uma molécula com apenas 2 átomos será sempre LINEAR FH H Cl O O Na geometria linear o ângulo de ligação é de 180°
  • 4. Moléculas com 3 átomos A geometria de uma molécula com 3 átomos pode ser: Na geometria angular o ângulo de ligação é de 116.8° quando há um par não ligante e de 104.5 ° quando há 2 pares LINEAR – se o átomo central NÃO apresentar par de elétrons não ligantes O C O H C N BeH2 CO2 HCN ANGULAR – se o átomo central apresentar um ou mais pares de elétrons não ligantes O H H S O O O O O H2O SO2 O3 .. .. .. ..
  • 5. Moléculas com 4 átomos A geometria de uma molécula com 4 átomos pode ser: TRIGONAL PLANA – se o átomo central NÃO apresentar par de elétrons não ligantes TRIGONAL PIRAMIDAL – se o átomo central apresentar par (es) de elétrons não ligantes .. .. .. B H HH S O OO F F F B BH3 SO3 BF3 N H HH P Cl ClCl NH3 PCl3 120° Ângulo de 107°
  • 6. Moléculas com 5 átomos Uma molécula com 5 átomos apresenta geometria TETRAÉDRICA formando um ângulo de ligação de 109.5° CH4 H H H H C CCl4 Cl Cl Cl Cl C 109.5°C Compostos orgânicos que apresentam somente ligações simples apresentam geometria tetraérica
  • 7. Moléculas com 6 ou 7 átomos Uma molécula com 6 átomos apresenta geometria BIPIRÂMIDE TRIGONAL Uma molécula com 7 átomos apresenta geometria OCTAÉDRICA PCl5 SF6
  • 9.
  • 10.
  • 11. Eletronegatividade e ligações químicas Eletronegatividade – é a capacidade que um átomo tem de atrair para si os elétrons que ele compartilha com outro átomo em uma ligação covalente Quanto maior a eletronegatividade maior a força com que o átomo “puxa” para si os elétrons compartilhados
  • 12. Polarização das ligações A polaridade de uma ligação é expressa pela diferença de eletronegatividade (∆) entre os átomos ligados e de acordo com seu valor podemos classificar as ligações em: O acúmulo de cargas elétricas em determinada região é denominado pólo e pode ser de dois tipos maior concentração de elétrons menor concentração de elétrons ∆= 0 ∆ = 0,1 até 1,7 ∆ > 1,7 Toda ligação iônica é polar, pois produz íons
  • 13. Ligação covalente APOLAR Apresenta momento dipolar igual a zero (µ = 0), ocorre quando dois átomos iguais se ligam ∆ = 2,1 – 2,1 = 0 ∆ = 3,5 – 3,5 = 0 ∆ = 4,0 – 4,0 = 0 ∆ = 3,0 – 3,0 = 0 F2 H2 O2 H H Cl Cl Cl2 O O F F Como os átomos que se ligam são iguais a eletronegatividade é a mesma e nenhum “puxa” mais os elétrons do que o outro
  • 14. Ligação covalente POLAR Apresenta momento dipolar diferente de zero (µ ≠ 0), ocorre quando dois átomos diferentes se ligam H Cl ∆ = 3,0 – 2,1 = 0,9 H Cl +δ -δ H F ∆ = 4,0 – 2,1 = 1,9 H F +δ -δ C O ∆ = 3,5 – 2,5 = 1,0 C O +δ -δ Neste caso o átomo mais eletronegativo sempre “puxa” mais os elétrons do que o outro e o momento dipolar (µ) é orientado no sentido do átomo menos eletronegativo para o mais eletronegativo µ µ µ
  • 16. Eletronegatividade: S= 2.5; H = 2.1; C = 2.5; Na = 0.9
  • 17. Polaridade das moléculas As moléculas também apresentam polaridade, que depende do tipo de ligação química (polar ou apolar) e da geometria molecular Uma molécula polar apresenta pólos, devido à distribuição desigual dos elétrons nas ligações que as compõe e sob a ação de um campo elétrico se orientam. O mesmo não ocorrem com as moléculas apolares
  • 18. Moléculas Apolares Apresentam momento dipolar resultante igual a zero ( ) Uma molécula será apolar quando: 1) Todas as ligações que a compõe forem apolares 2) A soma total dos momentos dipolares for igual a zero Ligação apolar H2 Molécula apolar Ligação apolar Cl2 Molécula apolar Ligação apolar O2 Molécula apolar H H Cl Cl O O CO2, BeH2 e BF3 apesar de apresentarem ligações polares são moléculas apolares devido a geometria molecular, pois em ambos os casos os vetores se anulam
  • 19. Moléculas Polares Apresentam momento dipolar resultante diferente de zero ( ) Molécula de HF é polar Molécula de CHCl3 é polar N H H H H F O H H C H Cl Cl Cl µ = 1.91 D µ = 1.84 D Molécula de H2O é polar Molécula de NH3 é polar µ = 1.48 D E a molécula de metano (CH4) é polar? .. .. ..
  • 21. Eletronegatividade: Si = 1.8; O = 3.5; C = 2.5; Cl = 3.0; P = 2.1; H = 2.1; Be = 1.6
  • 22. Forças intermoleculares (ligações intermoleculares) Forças que mantém as moléculas unidas em um composto covalente Determinam as mudanças de estados físicos São de 3 tipos: forças de London; dipolo-dipolo permanente e ligações de hidrogênio O éter evapora mais rapidamente do que a água, pois a força intermolecular que mantém suas moléculas unidas é mais fraca Então dizemos que o éter é mais volátil (evapora mais rapidamente) que a água
  • 23. Forças de London (dipolo instantâneo – dipolo induzido ) Esse tipo de força intermolecular ocorre entre moléculas apolares Uma molécula mesmo sendo apolar, devido ao movimento dos elétrons pode momentaneamente ficar polarizada e por indução elétrica provocar a polarização de uma molécula vizinha Molécula apolar Molécula apolar dipolo instantâneo dipolo instantâneo Surge então uma atração elétrica muito fraca que mantém as moléculas unidas Por serem forças muito fracas, as moléculas unidas por este tipo de força apresentam baixos pontos de ebulição (são voláteis) e constituem geralmente substâncias gasosas H2, O2, N2, CO2, CH4, Cl2, He, Ne, Ar As forças de London são as forças intermoleculares mais fracas que existem e são também conhecidas por forças de VAN DER WALLS
  • 24. Forças Dipolo – Dipolo (dipolo permanente) Esse tipo de força intermolecular ocorre entre moléculas polares O pólo negativo de uma molécula atrai o pólo positivo da molécula vizinha, de forma que a molécula apresenta um dipolo permanente Esse tipo de força intermolecular ocorre em substâncias polares como: HCl, HBr, H2S, CO, CHCl3, SO3 As forças dipolo-dipolo permanente são cerca de 10 vezes mais fortes que as forças de London e por isso provocam pontos de ebulição mais elevados HCl P ebulição = 50.5 °C H2 P ebulição = - 252.8 °C Forças dipolo-dipolo permanente Forças de London
  • 25. Ligações por pontes de hidrogênio Tipo especial de ligação dipolo-dipolo permanente que ocorre em entre moléculas que apresentam átomo de hidrogênio ligados á átomos muito eletronegativos como: FLÚOR, OXIGÊNIO ou NITROGÊNIO (FON) É o tipo de força intermolecular mais forte que há e ocorre em substâncias polares como: HF NH3 H2O
  • 28. Ligações por pontes de hidrogênio e os cabelos Os fios de cabelos são formados por proteínas, principalmente queratina O formato do cabelo depende das forças intermoleculares que atuam na queratina, que são de dois tipos: pontes de hidrogênio e pontes de enxofre A alta temperatura do secador ou da chapinha é suficiente para romper essas ligações, tornando o cabelo liso e pronto para ser moldado Princípio de funcionamento dos alisantes Os alisantes são formulados com ácidos ou bases capazes de romper as ligações de enxofre do cabelo, permitindo moldá-lo
  • 29. Forças intermoleculares e ponto de ebulição Para que uma substância entre em ebulição é necessário que as forças intermoleculares sejam rompidas. Dois fatores interferem no ponto de ebulição das substâncias covalentes: 1) Tipo de força intermolecular – quanto mais forte for a interação, maior será o ponto de ebulição da substância HCl H2 Aumento do ponto de ebulição H2 H2 H2O Peb = -258,8 °C Peb = 50,5 °C Peb = 100 °C
  • 30. Forças intermoleculares e ponto de ebulição 2)Tamanho da molécula – em moléculas com o mesmo tipo de interação quanto maior a molécula, maior será o ponto de ebulição CH4 CH3CH3 CH3CH2CH3 CH3CH2CH2CH3 CH3CH2CH2CH2CH3 CH3CH2CH2CH2CH2CH3 Forças de London Temperaturadeebulição CH3OH CH3CH2OH CH3CH2CH2OH CH3CH2CH2CH2OH CH3CH2CH2CH2CH2OH CH3CH2CH2CH2CH2CH2OH Ponte de hidrogênio O ponto de ebulição aumenta com o aumento do tamanho da cadeia
  • 32.
  • 33.
  • 34. Forças intermoleculares e solubilidade O tipo de força intermolecular também influencia na solubilidade das substâncias covalentes, que geralmente obedece à regra do “semelhante dissolve semelhante” H2O e etanol se misturam pois o etanol é capaz de fazer ligações de hidrogênio com as moléculas de água H2O e óleo não se misturam pois o óleo (forças de London) não é capaz de fazer ligações de hidrogênio com a água
  • 35. Mas por que o etanol que é polar se mistura com gasolina? O etanol apesar de ser polar é solúvel tanto em água (polar), quanto em gasolina (apolar) pois contém grupos apolares e polares CH3 CH2 OH Parte apolar (Solúvel em gasolina) Parte polar (Solúvel em água) Quanto maior a cadeia carbônica menos solúvel em água Etanol – solúvel tanto em água quanto em gasolina CH2 CH2 CH2 CH3 OH Parte apolar (Solúvel em gasolina) Parte polar (Solúvel em água) Como a parte apolar é bem maior que a polar, o butanol é insolúvel em água
  • 36. São vitaminas insolúveis em água pois apresentam grande cadeia carbônica e poucos grupos polares capazes de fazer ligações de hidrogênio com a água Vitaminas Lipossolúveis OH CH3 CH3 CH3 CH3 CH3 CH3 CH3 CH3 CH2 OH CH3 O OH CH3 CH3 CH3 CH3 CH3 CH3CH3 CH3 Vitamina A Vitamina E Vitamina D As vitaminas A, D e E são apolares e por isso lipossolúveis (solúveis em gorduras)
  • 37. Vitaminas Hidrossolúveis N N N + S OH CH3 NH2 CH3 N N N H N OH CH3CH3 O O OH OH OH O O OH OH OH OH São vitaminas solúveis em água pois apresentam muitos grupos polares capazes de fazer ligação hidrogênio com as moléculas de água Vitamina B1 Vitamina B2 Vitamina C As vitaminas B1, B2 e C são polares e por isso hidrossolúveis (solúveis em água)
  • 38. Vitaminas Hidrossolúveis N N N + S OH CH3 NH2 CH3 N N N H N OH CH3CH3 O O OH OH OH O O OH OH OH OH São vitaminas solúveis em água pois apresentam muitos grupos polares capazes de fazer ligação hidrogênio com as moléculas de água Vitamina B1 Vitamina B2 Vitamina C As vitaminas B1, B2 e C são polares e por isso hidrossolúveis (solúveis em água)
  • 39. Como funcionam os sabões Os sabões são produzidos a partir da reação entre óleos graxos (gorduras) ou óleos vegetais e uma base forte (NaOH) e por esse motivo apresenta duas partes, uma lipofílica (solúvel em gordura) e outra hidrofílica (solúvel em água)
  • 40. Solubilidade dos gases em água A maioria dos gases têm suas moléculas unidas por forças de London e por este motivo apresentam baixa solubilidade em água, pois interagem fracamente com as moléculas de água Nos refrigerantes o CO2 é solúvel pois está a alta pressão dentro da garrafa Mas então como são feitos os refrigerantes?