SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Imagem : capa do Dicionário de Luís de Camões, Ed. LeYa Brasil
Luís Vaz de Camões
O sonetista lusitano tem sua
história pessoal descrita por incertezas,
mas historiadores acreditam que ele tenha
nascido em Lisboa em 1524 ou 1525 e
falecido em 1580 ( teria vivido, portanto,
cerca de 55 anos).
Obra
3 gêneros
Teatro
Auto de
Filodemo
Poesia
Sonetos
Épica
Os
Lusíadas
O teatro camoniano
Camões compôs três peças
teatrais,
no estilo AUTO.
Dessas três, duas são segundo
o modelo vicentino e uma
segundo
o modelo clássico
Auto de Filodemo
El-rei Seleuco
Anfitriões
Modelo vicentino
Modelo clássico
a poesia
*A obra lírica de Camões foi publicada
postumamente, em 1595, sob o título
Rimas.
A poesia de Camões marca a
transição da
medida velha
(redondilha
usada na tradição medieval)
para a
medida nova
(soneto).
Luís Vaz de Camões é
considerado o maior poeta
renascentista português e uma
das mais expressivas vozes de
nossa língua.
Cantiga
A este mote alheio:
Menina dos olhos verdes,
por que me não vedes?
Eles verdes são,
e têm por usança
na cor, esperança e
nas obras, não.
Vossa condição
não é d’olhos verdes,
porque me não vedes.
Haviam de ser,
por que possa vê-los
que uns olhos tão belos
não se hão de esconder;
mas fazeis-me crer
que já não são verdes,
porque me não vedes.
Verdes não o são
no que alcanço deles;
verdes são aqueles
que esperança dão,
Se na condição está serem verdes
Por que não me vedes?
Nem sempre os
poemas em medida
velha desenvolvem
temas ingênuos e
graciosos, como o da
―menina dos olhos
verdes‖.
Há também poesias
sobre temas mais
dramáticos e do
cotidiano.
*medida velha - redondilha
*medida nova : sonetoBusque Amor novas artes, novo engenho
para matar-me, e novas esquivanças;
que não pode tirar-me as esperanças,
que mal me tirará o que eu não tenho.
Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.
Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.
Que dias há que n’alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei por quê.
4 versos
4 versos
3 versos
3 versos
Os temas de Camões
Observando a
poesia de Camões,
é possível dividi-la
nesses dois temas.
Reflexão
Filosófica
Neoplatonismo
Amoroso
Ao desconcerto do mundo
Os bons vi sempre passar
No mundo graves tormentos;
E para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só para mim,
Anda o mundo concertado.
Reflexão Filosófica em
Medida velha (redondilha)
Platão + Camões
Amor, no ideal platônico, não se
fundamenta num interesse
material, mas na virtude.
Platão defendia que o verdadeiro
Amor nunca deveria ser
concretizado, pois quando se ama
tende-se a cultuar a pessoa amada
com as virtudes do que é perfeito.
Quando esse amor é concretizado,
aparecem os defeitos
de caráter da pessoa amada.
Neoplatonismo
Camões cultivou o ideal platônico
(de Platão): o Amor -com
maiúscula- é um ideal superior,
único e perfeito, o Bem supremo
pelo qual ansiamos.
Mas, seres decaídos e imperfeitos,
somos incapazes de atingir esse
ideal. Resta-nos o amor (com
minúscula), físico, simples imitação
do Amor ideal.
A constante tensão entre esses dois
pólos gera toda a angústia e
insatisfação da alma humana.
Amor x amor
Superior
Perfeito
Divino
Físico
Superficial
humano
Neste soneto, Camões contrapõe :
a perfeição do mundo das ideias
(neoplatonismo)
X
às imperfeições do mundo terreno.
Essa oposição conduz o raciocínio
a uma visão pessimista da vida,
à angústia.
Reflexão Filosófica
A interpretação da mulher em Camões
Camões idealiza a mulher,
transforma-a em objeto do seu
desejo espiritual.
Portanto, vista através das ideias
platônicas , Camões canta a
mulher com as características
divinas, ideais, perfeitas:
mulher ideal.
Transforma-se o amador na cousa amada,
por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
pois consigo tal alma está ligada.
Mas esta linda e pura semideia,
que, como um acidente em seu sujeito,
assim como a alma minha se conforma,
está no pensamento como ideia:
[e] o vivo e puro amor de que sou feito,
como a matéria simples busca a forma.
Ana Júlia
Quem te vê passar assim por mim
Não sabe o que é sofrer.
Ter que ver você assim sempre tão linda.
Contemplar o sol do teu olhar,
perder você no ar
Na certeza de um amor
me achar um nada,
Pois sem ter teu carinho
eu me sinto sozinho
eu me afogo em solidão...
Oh Anna Juliaaaaa (2x)
Nunca acreditei na ilusão
de ter você pra mim.
Me atormenta a previsão
do nosso destino.
Eu passando o dia a te esperar,
você sem me notar.
Quando tudo tiver fim,
você vai estar com um cara,
Um alguém sem carinho.
Será sempre um espinho
dentro do meu coração.
Oh Anna Juliaaaaa (2x)
Sei que você já não quer
o meu amor,
Sei que você já não gosta
de mim,
Eu sei que eu não sou quem
você sempre sonhou,
Mas vou reconquistar o seu
amor todo pra mim.
Oh Anna Juliaaaaa (3x)
Oh Anna Julia, Julia, Julia
ouououou!
Los Hermanos
Observe que o ideal platônico poetizado por
Camões sobrevive até nossos dias
Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.
É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?
Alma minha gentil, que te partiste
tão cedo desta vida descontente,
repousa lá no Céu eternamente
e viva eu cá na terra sempre triste.
Se lá no assento etéreo, onde subiste,
memória desta vida se consente,
não te esqueças daquele amor ardente
que já nos olhos meus tão puro viste.
E se vires que pode merecer-te
alguma cousa a dor que me ficou
da mágoa, sem remédio, de perder-te,
roga a Deus, que teus anos encurtou,
que tão cedo de cá me leve a ver-te,
quão cedo de meus olhos te levou.
Este soneto tem sido frequentemente interpretado como um soneto
autobiográfico, dedicado a Dinamene, a namorada chinesa de Camões,
morta em um naufrágio.
Neste soneto Camões canta a
história bíblica (Gênesis 29,15) do
amor de Jacob por Raquel.
O que se evidencia neste soneto é a
capacidade de servidão do sujeito
que ama pelo prêmio de ser amado
pela mulher escolhida.
Junta-se a isso a negação do tempo
quando o amor é o ideal maior.
Ou seja: o amor vence o tempo e o
amor vence a servidão.
Monte Castelo
Ainda que eu falasse a língua do homens.
E falasse a língua do anjos,
sem amor eu nada seria.
É só o amor, é só o amor.
Que conhece o que é verdade.
O amor é bom, não quer o mal.
Não sente inveja ou se envaidece.
O amor é o fogo que arde sem se ver.
É ferida que dói e não se sente.
É um contentamento descontente.
É dor que desatina sem doer.
Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua dos anjos,
sem amor eu nada seria.
É um não querer mais que bem querer.
É solitário andar por entre a gente.
É um não contentar-se de contente.
É cuidar que se ganha em se perder.
É um estar-se preso por vontade.
É servir a quem vence, o vencedor;
É um ter com quem nos mata a lealdade.
Tão contrário a si é o mesmo amor.
Estou acordado e todos dormem todos
dormem todos dormem.
Agora vejo em parte,
mas então veremos face a face.
É só o amor, é só o amor.
Que conhece o que é verdade.
Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua do anjos, sem amor..
eu nada seria...
Adapt. "I Coríntios 13" e soneto de Luís de Camões
Épica Camoniana
Os Lusíadas
A obra segue a seguinte estrutura:
 dez cantos
 1102 estrofes em oitavas (8 versos)
 versos decassílabos
 esquema de rima fixo: AB AB AB CC
publicado em 1572, em pleno
Renascimento na Europa
Canto IX.
1 Nesta frescura tal desembarcavam A
2 Já das naus os segundos Argonautas*, B
3 Onde pela floresta se deixavam A
4 Andar as belas Deusas, como incautas. B
5 Algumas doces cítaras tocavam, A
6 Algumas harpas e sonoras flautas, B
7 Outras com os arcos de ouro se fingiam C
8 Seguir os animais, que não seguiam. C
*Argonautas ( mitologia grega) são tripulantes da nau Argos.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
10 sílabas poéticas
em cada verso
O tema central de Os Lusíadas é a descoberta da rota marítima para a Índia por
Vasco da Gama. Com este pretexto, Camões descreve episódios da história de
Portugal, enaltecendo essas conquistas e a coragem do povo português.
Visão geral dos cantos/ episódios
Canto I Início da narrativa: a frota já está no Canal de Moçambique
Canto II
A frota escapa de uma armadilha em Mombaça . Depois são
recebidos em Melinde.
Cantos III e IV Vasco da Gama conta a história de Portugal ao rei de Melinde .
Canto V
O narrador conta ao rei de Melinde os perigos enfrentados na
viagem desde que saíram de Lisboa. Conta como ultrapassaram o
cabo das Tormentas.
Canto VI A frota continua viagem até Calecute.
Cantos VII, VIII Calecute
Canto IX Ilha dos Amores
Canto X
Vasco da Gama encontra a deusa Tétis, que lhe desvenda o
destino glorioso do povo português.
O Modelo
Clássico Camões se baseia nas epopeias clássicas
como modelo:
Ilíada e Odisseia / Eneida
(Homero) ( Virgílio)
As 5 divisões da epopeia clássica,
aparecem também em Os Lusíadas:
 Proposição: Canto I
 Invocação: Canto I
 Dedicatória: Canto I
 Narração: Canto I a Canto X
 Epílogo: Canto X, estrofes 145 a 156
Afinal, é Classicismo
Os argonautas
O barco, meu coração não aguenta
Tanta tormenta, alegria
Meu coração não contenta
O dia, o marco, meu coração, o porto, não
Navegar é preciso, viver não é preciso (2x)
O barco, noite no céu tão bonito
Sorriso solto perdido
Horizonte, madrugada
O riso, o arco, da madrugada
O porto, nada
Navegar é preciso, viver não é preciso (2x)
O barco, o automóvel brilhante
O trilho solto, o barulho
Do meu dente em tua veia
O sangue, o charco, barulho lento
O porto silêncio
Navegar é preciso, viver não é preciso (2x)
Caetano Veloso
Os episódios célebres
Inês de
Castro
Concílio
dos deuses
Velho do
Restelo
Gigante
Adamastor
Máquina
do
Mundo
Ilha dos
Amores
―Ó gente ousada, mais que quantas
No mundo cometeram grandes cousas,
Tu, que por guerras cruas, tais e tantas,
E por trabalhos vãos nunca repousas,
Pois os vedados términos quebrantas
E navegar nos longos mares ousas (...)‖
Canto V
O Concílio dos Deuses
O concílio dos deuses é um episódio mitológico (simbólico). Camões associa deuses gregos ao
sucesso e aos perigos que viveram no mar. Júpiter, Vênus e Marte são favoráveis aos
portugueses, e Baco é contra e convence Netuno a impedir o sucesso dos navegadores.
Quando os Deuses no Olimpo luminoso,
Onde o governo está da humana gente,
Se ajuntam em concílio glorioso
Sobre as cousas futuras do Oriente.
(...)
Sustentava contra ele Vênus bela,
Afeiçoada à gente Lusitana,
Por quantas qualidades via nela
Da antiga tão amada sua Romana;
Nos fortes corações, na grande estrela,
Que mostraram na terra Tingitana,
E na língua, na qual quando imagina,
Com pouca corrupção crê que é a Latina.
(Canto I)
Inês de Castro
Inês de Castro foi uma nobre galega, amante e talvez esposa do futuro Pedro I de Portugal, tendo sido
executada às ordens do pai deste, Afonso IV. Este episódio é histórico, e símbolo da força de um
amor que venceu a morte.
Estavas, linda Inês, posta em sossego,
De teus anos colhendo doce fruto,
Naquele engano da alma, ledo e cego,
Que a fortuna não deixa durar muito,
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus fermosos olhos nunca enxuto,
Aos montes ensinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas.
(canto III)
Velho do Restelo
O "Velho do Restelo" um episódio simbólico, em que a personificação da prudência (o
velho) condena as expedições, acusando os navegadores de abandonarem seu país e
suas famílias em nome da fama, da vaidade e da cobiça.
—"Ó glória de mandar! Ó vã cobiça
Desta vaidade, a quem chamamos Fama!
Ó fraudulento gosto, que se atiça
C'uma aura popular, que honra se chama!
Que castigo tamanho e que justiça
Fazes no peito vão que muito te ama!
Que mortes, que perigos, que tormentas,
Que crueldades neles experimentas!
(Canto IV)
O Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor é um episódio mitológico (simbólico) O Gigante representa
os perigos, as tempestades enfrentados no mar. Na viagem, o Gigante é a
personificação do Cabo das Tormentas, onde inúmeras embarcações naufragaram.
Tão temerosa vinha e carregada,
Que pôs nos corações um grande medo;
Bramindo, o negro mar de longe brada,
Como se desse em vão nalgum rochedo.
"Ó Potestade (disse) sublimada:
Que ameaço divino ou que segredo
Este clima e este mar nos apresenta,
Que mor cousa parece que tormenta?
(...)
Eu sou aquele oculto e grande Cabo
A quem chamais vós outros Tormentório
(...)
(Canto V)
Ilha dos Amores
É outro episódio mitológico (simbólico) em que Camões coloca os portugueses em
uma espécie de paraíso, onde são recebidos por ninfas e muita festa. Camões afirma
que o prêmio pelas conquistas é a imortalidade do povo português.
De longe a Ilha viram, fresca e bela,
Que Vénus pelas ondas lha levava
(Bem como o vento leva branca vela)
Pera onde a forte armada se enxergava;
Que, por que não passassem, sem que nela
Tomassem porto, como desejava,
Pera onde as naus navegam a movia
A Acidália, que tudo, enfim, podia.
(...)
Porque dos feitos grandes, da ousadia
Forte e famosa, o mundo está guardando
O prémio lá no fim, bem merecido,
Com fama grande e nome alto e subido.
(Canto IX)
A Máquina do Mundo
Tomando-o pela mão, o leva e guia
Pera o cume dum monte alto e divino,
No qual ua rica fábrica se erguia,
De cristal toda e de ouro puro e fino.
(Canto IX)
(...)
Uniforme, perfeito, em si sustido,
Qual, enfim, o Arquetipo que o criou.
Vendo o Gama este globo, comovido
De espanto e de desejo ali ficou.
Diz-lhe a Deusa: "O trasunto, reduzido
Em pequeno volume, aqui te dou
Do Mundo aos olhos teus, pera que vejas
Por onde vás e irás e o que desejas.
(Canto X)
Essa passagem está compreendida no episódio Ilha dos Amores, e nela Tétis profetiza outras
descobertas no futuro dos portugueses,
Quem descobriu o Brasil?
Vedes a grande terra que continua
Vai de Calisto ao seu contrário Pólo,
Que soberba a fará a luzente mina
Do metal que a cor tem do louro Apolo.
Castela, vossa amiga, será digna
De lançar-lhe o colar ao rudo colo.
Várias províncias tem de várias gentes,
Em ritos e costumes, diferentes.
Mas cá onde mais se alarga, ali tereis
Parte também, co pau vermelho nota;
De Santa Cruz o nome lhe poreis;
Descobri-la-á a primeira vossa frota.
Ao longo desta costa, que tereis,
Irá buscando a parte mais remota
O Magalhães, no feito, com verdade,
Português, porém não na lealdade.
(Canto X)
No canto X, Camões coloca nas palavras de Tétis a ―profecia‖ da descoberta do Brasil, o que comprova que o território já
era de conhecimento dos navegantes antes da chegada de Cabral, afinal, o poema trata da viagem de Vasco da Gama, que
se iniciara em 1497, e durou 2 anos, um mês e 21 dias (até retornar da partida rumo à Índia) .
O destino de Camões
Túmulo de Camões,
Mosteiro dos Jerónimos
―Dono de um estilo de vida
boêmio, foi frequentador da Corte,
viajou para o Oriente, esteve preso,
passou por um naufrágio, foi
processado e terminou em miséria.
Seus últimos anos de vida foram na
mais completa pobreza.
A bagagem literária deixada pelo
escritor é de inestimável valor.
Faleceu em Lisboa, Portugal, no
ano de 1580. Seus livros vendem
milhares de exemplares e foram
traduzidos para diversos idiomas.‖
(suapesquisa.com)
Imortal Camões
Monumentos
Estátua do poeta na Praça Luís de
Camões, ao Bairro Alto em Lisboa
Monumento ao poeta no Jardim Luís
de Camões, em Leiria.
Filmografia Indicada
Cartaz de "Camões", de
Leitão de Barros (col.
Cinemateca Portuguesa)
Longa Metragem; 1946
Fontes
 www.portrasdasletras.com.br
 www.wikipedia.com
 www.portaldoastronomo.org
 http://lusiadas.gertrudes.com
 www.educarede.com.br
 http://educaterra.terra.com.br/literatura/temadomes/2003/11/21/004.htm
 http://www.artimanha.com.br
Pesquisa, organização e layout
Profa. Cláudia Heloísa C. Andria
Graduada em Letras – Unisantos
Contato: clauheloisa@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
rita Silva
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
Ricardo Reis - Heterónimo de Fernando Pessoa
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Pois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simónPois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simón
 
Cantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescasCantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescas
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
Camões lírico 2017
Camões lírico 2017Camões lírico 2017
Camões lírico 2017
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 

Destaque

Apresentação luís de camões
Apresentação luís de camõesApresentação luís de camões
Apresentação luís de camões
inaciasantana
 
Biografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de CamõesBiografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de Camões
camoesparasempre
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 

Destaque (20)

Camoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obraCamoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obra
 
Apresentação luís de camões
Apresentação luís de camõesApresentação luís de camões
Apresentação luís de camões
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Vida e Obra de Luís Vaz de Camões
Vida e Obra de Luís Vaz de CamõesVida e Obra de Luís Vaz de Camões
Vida e Obra de Luís Vaz de Camões
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
 
Camões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraCamões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obra
 
Biografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de CamõesBiografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de Camões
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Luís Vaz de Camões - Sonetos
Luís Vaz de Camões - SonetosLuís Vaz de Camões - Sonetos
Luís Vaz de Camões - Sonetos
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Trabalho de português vida e obra de luís vaz de camões - andré fonseca nº1...
Trabalho de português   vida e obra de luís vaz de camões - andré fonseca nº1...Trabalho de português   vida e obra de luís vaz de camões - andré fonseca nº1...
Trabalho de português vida e obra de luís vaz de camões - andré fonseca nº1...
 
Luis de camões 1
Luis de camões 1Luis de camões 1
Luis de camões 1
 

Semelhante a Luís Vaz de Camões

Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Sarah Michele
 
Constância
ConstânciaConstância
Constância
guida04
 
Viniciuspraviverumgrandeamor
ViniciuspraviverumgrandeamorViniciuspraviverumgrandeamor
Viniciuspraviverumgrandeamor
Fabio Murilo
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
Marco Silva
 

Semelhante a Luís Vaz de Camões (20)

Luisdecames1
Luisdecames1 Luisdecames1
Luisdecames1
 
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões lírico
Camões líricoCamões lírico
Camões lírico
 
SONETO-CAMÕES.ppt
SONETO-CAMÕES.pptSONETO-CAMÕES.ppt
SONETO-CAMÕES.ppt
 
Constância
ConstânciaConstância
Constância
 
Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)
 
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsfUnic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
 
Poemas de amor
Poemas de amorPoemas de amor
Poemas de amor
 
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2  viniciu 1ºbTrabalho de portugues 2  viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
 
Livro fragmentos(1) (1)
 Livro fragmentos(1) (1) Livro fragmentos(1) (1)
Livro fragmentos(1) (1)
 
Vinicius antologia poetica
Vinicius antologia poeticaVinicius antologia poetica
Vinicius antologia poetica
 
Viniciuspraviverumgrandeamor
ViniciuspraviverumgrandeamorViniciuspraviverumgrandeamor
Viniciuspraviverumgrandeamor
 
Vinicius
ViniciusVinicius
Vinicius
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 

Mais de Cláudia Heloísa

Mais de Cláudia Heloísa (20)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 

Luís Vaz de Camões

  • 1. Imagem : capa do Dicionário de Luís de Camões, Ed. LeYa Brasil
  • 2. Luís Vaz de Camões O sonetista lusitano tem sua história pessoal descrita por incertezas, mas historiadores acreditam que ele tenha nascido em Lisboa em 1524 ou 1525 e falecido em 1580 ( teria vivido, portanto, cerca de 55 anos).
  • 4. O teatro camoniano Camões compôs três peças teatrais, no estilo AUTO. Dessas três, duas são segundo o modelo vicentino e uma segundo o modelo clássico Auto de Filodemo El-rei Seleuco Anfitriões Modelo vicentino Modelo clássico
  • 5. a poesia *A obra lírica de Camões foi publicada postumamente, em 1595, sob o título Rimas. A poesia de Camões marca a transição da medida velha (redondilha usada na tradição medieval) para a medida nova (soneto). Luís Vaz de Camões é considerado o maior poeta renascentista português e uma das mais expressivas vozes de nossa língua.
  • 6. Cantiga A este mote alheio: Menina dos olhos verdes, por que me não vedes? Eles verdes são, e têm por usança na cor, esperança e nas obras, não. Vossa condição não é d’olhos verdes, porque me não vedes. Haviam de ser, por que possa vê-los que uns olhos tão belos não se hão de esconder; mas fazeis-me crer que já não são verdes, porque me não vedes. Verdes não o são no que alcanço deles; verdes são aqueles que esperança dão, Se na condição está serem verdes Por que não me vedes? Nem sempre os poemas em medida velha desenvolvem temas ingênuos e graciosos, como o da ―menina dos olhos verdes‖. Há também poesias sobre temas mais dramáticos e do cotidiano. *medida velha - redondilha
  • 7. *medida nova : sonetoBusque Amor novas artes, novo engenho para matar-me, e novas esquivanças; que não pode tirar-me as esperanças, que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Que não temo contrastes nem mudanças, andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode haver desgosto onde esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n’alma me tem posto um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei por quê. 4 versos 4 versos 3 versos 3 versos
  • 8. Os temas de Camões Observando a poesia de Camões, é possível dividi-la nesses dois temas. Reflexão Filosófica Neoplatonismo Amoroso
  • 9. Ao desconcerto do mundo Os bons vi sempre passar No mundo graves tormentos; E para mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só para mim, Anda o mundo concertado. Reflexão Filosófica em Medida velha (redondilha)
  • 10. Platão + Camões Amor, no ideal platônico, não se fundamenta num interesse material, mas na virtude. Platão defendia que o verdadeiro Amor nunca deveria ser concretizado, pois quando se ama tende-se a cultuar a pessoa amada com as virtudes do que é perfeito. Quando esse amor é concretizado, aparecem os defeitos de caráter da pessoa amada.
  • 11. Neoplatonismo Camões cultivou o ideal platônico (de Platão): o Amor -com maiúscula- é um ideal superior, único e perfeito, o Bem supremo pelo qual ansiamos. Mas, seres decaídos e imperfeitos, somos incapazes de atingir esse ideal. Resta-nos o amor (com minúscula), físico, simples imitação do Amor ideal. A constante tensão entre esses dois pólos gera toda a angústia e insatisfação da alma humana. Amor x amor Superior Perfeito Divino Físico Superficial humano
  • 12. Neste soneto, Camões contrapõe : a perfeição do mundo das ideias (neoplatonismo) X às imperfeições do mundo terreno. Essa oposição conduz o raciocínio a uma visão pessimista da vida, à angústia. Reflexão Filosófica
  • 13. A interpretação da mulher em Camões Camões idealiza a mulher, transforma-a em objeto do seu desejo espiritual. Portanto, vista através das ideias platônicas , Camões canta a mulher com as características divinas, ideais, perfeitas: mulher ideal. Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, pois consigo tal alma está ligada. Mas esta linda e pura semideia, que, como um acidente em seu sujeito, assim como a alma minha se conforma, está no pensamento como ideia: [e] o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma.
  • 14. Ana Júlia Quem te vê passar assim por mim Não sabe o que é sofrer. Ter que ver você assim sempre tão linda. Contemplar o sol do teu olhar, perder você no ar Na certeza de um amor me achar um nada, Pois sem ter teu carinho eu me sinto sozinho eu me afogo em solidão... Oh Anna Juliaaaaa (2x) Nunca acreditei na ilusão de ter você pra mim. Me atormenta a previsão do nosso destino. Eu passando o dia a te esperar, você sem me notar. Quando tudo tiver fim, você vai estar com um cara, Um alguém sem carinho. Será sempre um espinho dentro do meu coração. Oh Anna Juliaaaaa (2x) Sei que você já não quer o meu amor, Sei que você já não gosta de mim, Eu sei que eu não sou quem você sempre sonhou, Mas vou reconquistar o seu amor todo pra mim. Oh Anna Juliaaaaa (3x) Oh Anna Julia, Julia, Julia ouououou! Los Hermanos Observe que o ideal platônico poetizado por Camões sobrevive até nossos dias
  • 15. Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor?
  • 16. Alma minha gentil, que te partiste tão cedo desta vida descontente, repousa lá no Céu eternamente e viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, memória desta vida se consente, não te esqueças daquele amor ardente que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te alguma cousa a dor que me ficou da mágoa, sem remédio, de perder-te, roga a Deus, que teus anos encurtou, que tão cedo de cá me leve a ver-te, quão cedo de meus olhos te levou. Este soneto tem sido frequentemente interpretado como um soneto autobiográfico, dedicado a Dinamene, a namorada chinesa de Camões, morta em um naufrágio.
  • 17. Neste soneto Camões canta a história bíblica (Gênesis 29,15) do amor de Jacob por Raquel. O que se evidencia neste soneto é a capacidade de servidão do sujeito que ama pelo prêmio de ser amado pela mulher escolhida. Junta-se a isso a negação do tempo quando o amor é o ideal maior. Ou seja: o amor vence o tempo e o amor vence a servidão.
  • 18. Monte Castelo Ainda que eu falasse a língua do homens. E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria. É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal. Não sente inveja ou se envaidece. O amor é o fogo que arde sem se ver. É ferida que dói e não se sente. É um contentamento descontente. É dor que desatina sem doer. Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. É um não querer mais que bem querer. É solitário andar por entre a gente. É um não contentar-se de contente. É cuidar que se ganha em se perder. É um estar-se preso por vontade. É servir a quem vence, o vencedor; É um ter com quem nos mata a lealdade. Tão contrário a si é o mesmo amor. Estou acordado e todos dormem todos dormem todos dormem. Agora vejo em parte, mas então veremos face a face. É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade. Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua do anjos, sem amor.. eu nada seria... Adapt. "I Coríntios 13" e soneto de Luís de Camões
  • 20. Os Lusíadas A obra segue a seguinte estrutura:  dez cantos  1102 estrofes em oitavas (8 versos)  versos decassílabos  esquema de rima fixo: AB AB AB CC publicado em 1572, em pleno Renascimento na Europa
  • 21. Canto IX. 1 Nesta frescura tal desembarcavam A 2 Já das naus os segundos Argonautas*, B 3 Onde pela floresta se deixavam A 4 Andar as belas Deusas, como incautas. B 5 Algumas doces cítaras tocavam, A 6 Algumas harpas e sonoras flautas, B 7 Outras com os arcos de ouro se fingiam C 8 Seguir os animais, que não seguiam. C *Argonautas ( mitologia grega) são tripulantes da nau Argos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 10 sílabas poéticas em cada verso
  • 22. O tema central de Os Lusíadas é a descoberta da rota marítima para a Índia por Vasco da Gama. Com este pretexto, Camões descreve episódios da história de Portugal, enaltecendo essas conquistas e a coragem do povo português.
  • 23. Visão geral dos cantos/ episódios Canto I Início da narrativa: a frota já está no Canal de Moçambique Canto II A frota escapa de uma armadilha em Mombaça . Depois são recebidos em Melinde. Cantos III e IV Vasco da Gama conta a história de Portugal ao rei de Melinde . Canto V O narrador conta ao rei de Melinde os perigos enfrentados na viagem desde que saíram de Lisboa. Conta como ultrapassaram o cabo das Tormentas. Canto VI A frota continua viagem até Calecute. Cantos VII, VIII Calecute Canto IX Ilha dos Amores Canto X Vasco da Gama encontra a deusa Tétis, que lhe desvenda o destino glorioso do povo português.
  • 24. O Modelo Clássico Camões se baseia nas epopeias clássicas como modelo: Ilíada e Odisseia / Eneida (Homero) ( Virgílio) As 5 divisões da epopeia clássica, aparecem também em Os Lusíadas:  Proposição: Canto I  Invocação: Canto I  Dedicatória: Canto I  Narração: Canto I a Canto X  Epílogo: Canto X, estrofes 145 a 156 Afinal, é Classicismo
  • 25. Os argonautas O barco, meu coração não aguenta Tanta tormenta, alegria Meu coração não contenta O dia, o marco, meu coração, o porto, não Navegar é preciso, viver não é preciso (2x) O barco, noite no céu tão bonito Sorriso solto perdido Horizonte, madrugada O riso, o arco, da madrugada O porto, nada Navegar é preciso, viver não é preciso (2x) O barco, o automóvel brilhante O trilho solto, o barulho Do meu dente em tua veia O sangue, o charco, barulho lento O porto silêncio Navegar é preciso, viver não é preciso (2x) Caetano Veloso
  • 26. Os episódios célebres Inês de Castro Concílio dos deuses Velho do Restelo Gigante Adamastor Máquina do Mundo Ilha dos Amores ―Ó gente ousada, mais que quantas No mundo cometeram grandes cousas, Tu, que por guerras cruas, tais e tantas, E por trabalhos vãos nunca repousas, Pois os vedados términos quebrantas E navegar nos longos mares ousas (...)‖ Canto V
  • 27. O Concílio dos Deuses O concílio dos deuses é um episódio mitológico (simbólico). Camões associa deuses gregos ao sucesso e aos perigos que viveram no mar. Júpiter, Vênus e Marte são favoráveis aos portugueses, e Baco é contra e convence Netuno a impedir o sucesso dos navegadores. Quando os Deuses no Olimpo luminoso, Onde o governo está da humana gente, Se ajuntam em concílio glorioso Sobre as cousas futuras do Oriente. (...) Sustentava contra ele Vênus bela, Afeiçoada à gente Lusitana, Por quantas qualidades via nela Da antiga tão amada sua Romana; Nos fortes corações, na grande estrela, Que mostraram na terra Tingitana, E na língua, na qual quando imagina, Com pouca corrupção crê que é a Latina. (Canto I)
  • 28. Inês de Castro Inês de Castro foi uma nobre galega, amante e talvez esposa do futuro Pedro I de Portugal, tendo sido executada às ordens do pai deste, Afonso IV. Este episódio é histórico, e símbolo da força de um amor que venceu a morte. Estavas, linda Inês, posta em sossego, De teus anos colhendo doce fruto, Naquele engano da alma, ledo e cego, Que a fortuna não deixa durar muito, Nos saudosos campos do Mondego, De teus fermosos olhos nunca enxuto, Aos montes ensinando e às ervinhas O nome que no peito escrito tinhas. (canto III)
  • 29. Velho do Restelo O "Velho do Restelo" um episódio simbólico, em que a personificação da prudência (o velho) condena as expedições, acusando os navegadores de abandonarem seu país e suas famílias em nome da fama, da vaidade e da cobiça. —"Ó glória de mandar! Ó vã cobiça Desta vaidade, a quem chamamos Fama! Ó fraudulento gosto, que se atiça C'uma aura popular, que honra se chama! Que castigo tamanho e que justiça Fazes no peito vão que muito te ama! Que mortes, que perigos, que tormentas, Que crueldades neles experimentas! (Canto IV)
  • 30. O Gigante Adamastor O Gigante Adamastor é um episódio mitológico (simbólico) O Gigante representa os perigos, as tempestades enfrentados no mar. Na viagem, o Gigante é a personificação do Cabo das Tormentas, onde inúmeras embarcações naufragaram. Tão temerosa vinha e carregada, Que pôs nos corações um grande medo; Bramindo, o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. "Ó Potestade (disse) sublimada: Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta? (...) Eu sou aquele oculto e grande Cabo A quem chamais vós outros Tormentório (...) (Canto V)
  • 31. Ilha dos Amores É outro episódio mitológico (simbólico) em que Camões coloca os portugueses em uma espécie de paraíso, onde são recebidos por ninfas e muita festa. Camões afirma que o prêmio pelas conquistas é a imortalidade do povo português. De longe a Ilha viram, fresca e bela, Que Vénus pelas ondas lha levava (Bem como o vento leva branca vela) Pera onde a forte armada se enxergava; Que, por que não passassem, sem que nela Tomassem porto, como desejava, Pera onde as naus navegam a movia A Acidália, que tudo, enfim, podia. (...) Porque dos feitos grandes, da ousadia Forte e famosa, o mundo está guardando O prémio lá no fim, bem merecido, Com fama grande e nome alto e subido. (Canto IX)
  • 32. A Máquina do Mundo Tomando-o pela mão, o leva e guia Pera o cume dum monte alto e divino, No qual ua rica fábrica se erguia, De cristal toda e de ouro puro e fino. (Canto IX) (...) Uniforme, perfeito, em si sustido, Qual, enfim, o Arquetipo que o criou. Vendo o Gama este globo, comovido De espanto e de desejo ali ficou. Diz-lhe a Deusa: "O trasunto, reduzido Em pequeno volume, aqui te dou Do Mundo aos olhos teus, pera que vejas Por onde vás e irás e o que desejas. (Canto X) Essa passagem está compreendida no episódio Ilha dos Amores, e nela Tétis profetiza outras descobertas no futuro dos portugueses,
  • 33. Quem descobriu o Brasil? Vedes a grande terra que continua Vai de Calisto ao seu contrário Pólo, Que soberba a fará a luzente mina Do metal que a cor tem do louro Apolo. Castela, vossa amiga, será digna De lançar-lhe o colar ao rudo colo. Várias províncias tem de várias gentes, Em ritos e costumes, diferentes. Mas cá onde mais se alarga, ali tereis Parte também, co pau vermelho nota; De Santa Cruz o nome lhe poreis; Descobri-la-á a primeira vossa frota. Ao longo desta costa, que tereis, Irá buscando a parte mais remota O Magalhães, no feito, com verdade, Português, porém não na lealdade. (Canto X) No canto X, Camões coloca nas palavras de Tétis a ―profecia‖ da descoberta do Brasil, o que comprova que o território já era de conhecimento dos navegantes antes da chegada de Cabral, afinal, o poema trata da viagem de Vasco da Gama, que se iniciara em 1497, e durou 2 anos, um mês e 21 dias (até retornar da partida rumo à Índia) .
  • 34. O destino de Camões Túmulo de Camões, Mosteiro dos Jerónimos ―Dono de um estilo de vida boêmio, foi frequentador da Corte, viajou para o Oriente, esteve preso, passou por um naufrágio, foi processado e terminou em miséria. Seus últimos anos de vida foram na mais completa pobreza. A bagagem literária deixada pelo escritor é de inestimável valor. Faleceu em Lisboa, Portugal, no ano de 1580. Seus livros vendem milhares de exemplares e foram traduzidos para diversos idiomas.‖ (suapesquisa.com)
  • 36. Monumentos Estátua do poeta na Praça Luís de Camões, ao Bairro Alto em Lisboa Monumento ao poeta no Jardim Luís de Camões, em Leiria.
  • 37. Filmografia Indicada Cartaz de "Camões", de Leitão de Barros (col. Cinemateca Portuguesa) Longa Metragem; 1946
  • 38. Fontes  www.portrasdasletras.com.br  www.wikipedia.com  www.portaldoastronomo.org  http://lusiadas.gertrudes.com  www.educarede.com.br  http://educaterra.terra.com.br/literatura/temadomes/2003/11/21/004.htm  http://www.artimanha.com.br Pesquisa, organização e layout Profa. Cláudia Heloísa C. Andria Graduada em Letras – Unisantos Contato: clauheloisa@yahoo.com.br