SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
BIOGRAFIA DE
         ANTERO DE QUENTAL
   História Social Contemporânea de Portugal
   Docente: João Carmo


                                            Discente:
                          Catarina Gomes - 110230037
BIOGRAFIA – ANTERO DE QUENTAL

 1842: Em Ponta Delgada, a 18 de Abril, nasceu Antero de Quental;

 1847: Começou a aprender francês com António Feliciano de Castilho
que vivia nessa altura na capital açoriana.

 1852: Em Agosto veio com a sua mãe para
Lisboa, onde matriculou-se no Colégio do
Pórtico, do qual Castilho é director.

 1856: Inscreveu-se como aluno interno no
        Colégio de S. Bento, em Coimbra.


                                                    Feliciano de Castilho
 Escreveu os primeiros versos que lhe são
conhecidos numa carta enviada ao seu irmão
André.
 1858: Matriculou-se no 1º ano de Direito em 28
                        de Setembro, sendo admitido a 2 de Outubro.


                         1861: Em Abril, participou na fundação da
                        Sociedade do Raio.


                                         sociedade secreta que se
                                         caracteriza por lançar desafios
                                         ofensivos a Deus durante a
                                         ocorrência de trovoadas.
  Antero de Quental


 1864: Em 2 de Julho conclui o curso de Direito, na Universidade de Coimbra.


 1865: Quental aderiu às ideias modernas do seu tempo.
 1866: Em Janeiro tenta alistar-se no exército de Garibaldi.




             Exército Garibaldi
                                                Giuseppe Garibaldi


 1868 – Fundou com antigos colegas da Universidade, O Cenáculo, na
Casa de Jaime Batalha Reis.


                Grande defensor das ideias republicanas
 Fundou diversas associações operárias

 Dirigiu jornais de propaganda das novas
ideias

                                                   A República Federal

                          1871                     A República-Jornal da
                                                  Democracia Portuguesa
                                                   O Pensamento Social
                                                   Revista Ocidente

 Organizou as Conferências do Casino


 Marcaram o início da difusão das ideias
socialistas e anarquistas em Portugal
                                         Rompeu com o Cristianismo
                                         Defendeu uma organização
                                        social de inspiração anarquista
 1885 - Terminou o seu período poético
       - Deu início ao filosófico

 1890 – Foi chamado para encabeçar um movimento patriótico, que opôs
Portugal à Inglaterra, em relação à partilha de África




                                                   Consequência da
                                                 Conferência de Berlim



                                        1891 – Antero regressou a Ponta
                                       Delgada, onde acabou por se suicidar



   Banco onde A. Quental se suicidou
Antero de Quental                 “GERAÇÃO DE 70”



   Contra o naturalismo e o
          positivismo



                                      Assumiu como grande
No final da sua vida concebeu uma
filosofia centrada na consciência e
                                       objectivo a reforma
            na liberdade               cultural e social de
                                            Portugal
Grupo da “Geração de 70”
PAPEL NA SOCIEDADE
                     As Conferências do Casino

 Em 1871, a 22 de Maio, são abertas as Conferências do Casino, que o
grupo do Cenáculo, orientado por Antero, promovem.

 Foram uma série de conferências realizadas, influenciadas pelas
ideias revolucionárias de Proudhon.


                                        • Propriedade
                                        • Liberdade
                   Principais Ideias    • Autoridade
                                        • Justiça Social
                                        • Pobreza
                                        • Sociedade


                                        • Propriedade é roubo
                    Ideias Notáveis     • Anarquia é ordem
                                        • Federação é económica
    Proudhon
 As Conferências do Casino têm uma visão internacionalista e de
participação activa na sociedade.

 Recusam que Portugal continue avesso às novas ideias que circulam
na Europa.


 • Na 1ª Conferência: «O Espírito             • A      2ª   Conferência:     «Causas        da
 das Conferências», que decorreu a 22         Decadência dos Povos Peninsulares nos
 de Maio de 1871, foi orador Antero de        últimos três séculos» , a 24 de Maio de 1871,

 Quental;                                     foi igualmente feita por Antero de Quental;


 • Na 3ª Conferência, a 8 de Junho de         • A 4ª Conferência: «A Literatura Nova
 1871, Augusto Soromenho professor            ou o Realismo como Nova Expressão de
 do Curso Superior de Letras, falou de «A     Arte», a 12 de Junho de 1871, teve como
 Literatura Portuguesa»;                      palestrante Eça de Queirós;


 • Na 5ª Conferência, a 19 de Junho de 1871, Adolfo Coelho, analisa: «A Questão do Ensino».
 O Governo, mandou encerrar, em 26 de
Junho de 1871, a sala do Casino Lisbonense e
proibir as     Conferências,     alegando que
constituem uma ofensa à religião e às
instituições do Estado.


      Em consequência desta proibição, não
       chegaram a realizar-se as seguintes
                                                                 Casino de Lisboa
                 conferências:

- 6ª. «Os Historiadores Críticos de Jesus» por Salomão Saragga
- 7ª. «O Socialismo» por Jaime Batalha Reis
- 8ª. «A República» por Antero de Quental
- 9ª. «A Instrução Primária» por Adolfo Coelho
- 10ª. «A dedução positiva da Ideia Democrática» por Augusto Fuschini
PAPEL NA SOCIEDADE
                             A Questão Coimbrã

 Foi um dos primeiros sinais da renovação literária e Ideológica ocorrida
no séc. XIX entre o novo espírito científico europeu e o velho
sentimentalismo dos ultra-românticos.

 Protagonizada por António Feliciano de Castilho e por vários
estudantes universitários de Coimbra entre os quais: Antero de
Quental, Teófilo Braga e Vieira de Castro.




              Teófilo de Braga         Vieira de Castro
OBRAS PRINCIPAIS DO POETA

. “Sonetos de Antero”, 1861
. “Odes Modernas”, 1865 (na origem da polémica Questão
Coimbrã). Reeditadas em 1875.
. “Bom Senso e Bom Gosto”, 1865 (opúsculos)
. “Portugal perante a Revolução de Espanha”, 1868
. “A Poesia na Actualidade”, 1881
. “Sonetos Completos”, 1886

                                                         Segunda Edição da Obra “Odes
                                                             Modernas”, em 1875.




                              Obra poética “Sonetos”, em 1886.
BIBLIOGRAFIA

   http://pt.wikipedia.org/wiki/Antero_de_Quental

   http://afilosofia.no.sapo.pt/12aquental.htm

   Carvalho, Joaquim de - Evolução Espiritual de Antero de
    Quental e Outros Escritos. Maia.SRECRAA (Açores).1983

   Mendes, Manuel - Antero de Quental. Lisboa. 1942

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro modernoaramalho340
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposAline Araújo
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Marisa Ferreira
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70inesabento
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 

Mais procurados (20)

Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro moderno
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 

Semelhante a Antero de Quental

Antero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaAntero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaPaula Duarte
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugalnanasimao
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoLurdes Augusto
 
Escola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João CruzEscola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João CruzLuizFernandoBicudo
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70Cainha18
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilJose Arnaldo Silva
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordMaria Rebelo
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70anateresagranja
 
O impulso da geração de 70 2
O impulso da geração de 70 2O impulso da geração de 70 2
O impulso da geração de 70 2anateresagranja
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70anateresagranja
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70anateresagranja
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaLuisMagina
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisVítor Santos
 
Chegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no BrasilChegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no Brasilgrupodepaisceb
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalVítor Santos
 
O Positivismo e os museus no Século XIX
O Positivismo e os museus no Século XIXO Positivismo e os museus no Século XIX
O Positivismo e os museus no Século XIXCatarina Argolo
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Culturacattonia
 

Semelhante a Antero de Quental (20)

Antero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaAntero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
Cenáculo
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao Realismo
 
Escola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João CruzEscola estadual professor João Cruz
Escola estadual professor João Cruz
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - Word
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70
 
O impulso da geração de 70 2
O impulso da geração de 70 2O impulso da geração de 70 2
O impulso da geração de 70 2
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
 
Chegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no BrasilChegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no Brasil
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
O Positivismo e os museus no Século XIX
O Positivismo e os museus no Século XIXO Positivismo e os museus no Século XIX
O Positivismo e os museus no Século XIX
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
 

Mais de 010693

Regras do power point
Regras do power pointRegras do power point
Regras do power point010693
 
Tic i exemplo 1aulappt
Tic i exemplo 1aulapptTic i exemplo 1aulappt
Tic i exemplo 1aulappt010693
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo010693
 
Solidão
SolidãoSolidão
Solidão010693
 
Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)010693
 
Oral de português
Oral de portuguêsOral de português
Oral de português010693
 

Mais de 010693 (6)

Regras do power point
Regras do power pointRegras do power point
Regras do power point
 
Tic i exemplo 1aulappt
Tic i exemplo 1aulapptTic i exemplo 1aulappt
Tic i exemplo 1aulappt
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo
 
Solidão
SolidãoSolidão
Solidão
 
Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)
 
Oral de português
Oral de portuguêsOral de português
Oral de português
 

Antero de Quental

  • 1. BIOGRAFIA DE ANTERO DE QUENTAL  História Social Contemporânea de Portugal  Docente: João Carmo Discente: Catarina Gomes - 110230037
  • 2.
  • 3. BIOGRAFIA – ANTERO DE QUENTAL  1842: Em Ponta Delgada, a 18 de Abril, nasceu Antero de Quental;  1847: Começou a aprender francês com António Feliciano de Castilho que vivia nessa altura na capital açoriana.  1852: Em Agosto veio com a sua mãe para Lisboa, onde matriculou-se no Colégio do Pórtico, do qual Castilho é director.  1856: Inscreveu-se como aluno interno no Colégio de S. Bento, em Coimbra. Feliciano de Castilho  Escreveu os primeiros versos que lhe são conhecidos numa carta enviada ao seu irmão André.
  • 4.  1858: Matriculou-se no 1º ano de Direito em 28 de Setembro, sendo admitido a 2 de Outubro.  1861: Em Abril, participou na fundação da Sociedade do Raio. sociedade secreta que se caracteriza por lançar desafios ofensivos a Deus durante a ocorrência de trovoadas. Antero de Quental  1864: Em 2 de Julho conclui o curso de Direito, na Universidade de Coimbra.  1865: Quental aderiu às ideias modernas do seu tempo.
  • 5.  1866: Em Janeiro tenta alistar-se no exército de Garibaldi. Exército Garibaldi Giuseppe Garibaldi  1868 – Fundou com antigos colegas da Universidade, O Cenáculo, na Casa de Jaime Batalha Reis. Grande defensor das ideias republicanas
  • 6.  Fundou diversas associações operárias  Dirigiu jornais de propaganda das novas ideias  A República Federal 1871  A República-Jornal da Democracia Portuguesa  O Pensamento Social  Revista Ocidente  Organizou as Conferências do Casino  Marcaram o início da difusão das ideias socialistas e anarquistas em Portugal  Rompeu com o Cristianismo  Defendeu uma organização social de inspiração anarquista
  • 7.  1885 - Terminou o seu período poético - Deu início ao filosófico  1890 – Foi chamado para encabeçar um movimento patriótico, que opôs Portugal à Inglaterra, em relação à partilha de África Consequência da Conferência de Berlim  1891 – Antero regressou a Ponta Delgada, onde acabou por se suicidar Banco onde A. Quental se suicidou
  • 8. Antero de Quental “GERAÇÃO DE 70” Contra o naturalismo e o positivismo Assumiu como grande No final da sua vida concebeu uma filosofia centrada na consciência e objectivo a reforma na liberdade cultural e social de Portugal
  • 10. PAPEL NA SOCIEDADE As Conferências do Casino  Em 1871, a 22 de Maio, são abertas as Conferências do Casino, que o grupo do Cenáculo, orientado por Antero, promovem.  Foram uma série de conferências realizadas, influenciadas pelas ideias revolucionárias de Proudhon. • Propriedade • Liberdade Principais Ideias • Autoridade • Justiça Social • Pobreza • Sociedade • Propriedade é roubo Ideias Notáveis • Anarquia é ordem • Federação é económica Proudhon
  • 11.  As Conferências do Casino têm uma visão internacionalista e de participação activa na sociedade.  Recusam que Portugal continue avesso às novas ideias que circulam na Europa. • Na 1ª Conferência: «O Espírito • A 2ª Conferência: «Causas da das Conferências», que decorreu a 22 Decadência dos Povos Peninsulares nos de Maio de 1871, foi orador Antero de últimos três séculos» , a 24 de Maio de 1871, Quental; foi igualmente feita por Antero de Quental; • Na 3ª Conferência, a 8 de Junho de • A 4ª Conferência: «A Literatura Nova 1871, Augusto Soromenho professor ou o Realismo como Nova Expressão de do Curso Superior de Letras, falou de «A Arte», a 12 de Junho de 1871, teve como Literatura Portuguesa»; palestrante Eça de Queirós; • Na 5ª Conferência, a 19 de Junho de 1871, Adolfo Coelho, analisa: «A Questão do Ensino».
  • 12.  O Governo, mandou encerrar, em 26 de Junho de 1871, a sala do Casino Lisbonense e proibir as Conferências, alegando que constituem uma ofensa à religião e às instituições do Estado. Em consequência desta proibição, não chegaram a realizar-se as seguintes Casino de Lisboa conferências: - 6ª. «Os Historiadores Críticos de Jesus» por Salomão Saragga - 7ª. «O Socialismo» por Jaime Batalha Reis - 8ª. «A República» por Antero de Quental - 9ª. «A Instrução Primária» por Adolfo Coelho - 10ª. «A dedução positiva da Ideia Democrática» por Augusto Fuschini
  • 13. PAPEL NA SOCIEDADE A Questão Coimbrã  Foi um dos primeiros sinais da renovação literária e Ideológica ocorrida no séc. XIX entre o novo espírito científico europeu e o velho sentimentalismo dos ultra-românticos.  Protagonizada por António Feliciano de Castilho e por vários estudantes universitários de Coimbra entre os quais: Antero de Quental, Teófilo Braga e Vieira de Castro. Teófilo de Braga Vieira de Castro
  • 14. OBRAS PRINCIPAIS DO POETA . “Sonetos de Antero”, 1861 . “Odes Modernas”, 1865 (na origem da polémica Questão Coimbrã). Reeditadas em 1875. . “Bom Senso e Bom Gosto”, 1865 (opúsculos) . “Portugal perante a Revolução de Espanha”, 1868 . “A Poesia na Actualidade”, 1881 . “Sonetos Completos”, 1886 Segunda Edição da Obra “Odes Modernas”, em 1875. Obra poética “Sonetos”, em 1886.
  • 15. BIBLIOGRAFIA  http://pt.wikipedia.org/wiki/Antero_de_Quental  http://afilosofia.no.sapo.pt/12aquental.htm  Carvalho, Joaquim de - Evolução Espiritual de Antero de Quental e Outros Escritos. Maia.SRECRAA (Açores).1983  Mendes, Manuel - Antero de Quental. Lisboa. 1942