SlideShare uma empresa Scribd logo
MENSAGEM
“Mar Português”
Mensagem
1ª Parte
Brasão
2ª Parte
Mar Português
3ª Parte
O Encoberto
X. Mar Português
Contexto Histórico
A segunda parte da mensagem centra-se no retrato dos heróis - marinheiros - da
expansão marítima portuguesa, que foram os descobridores das terras novas, entre a
época de Infante D. Henrique e a de D. Sebastião.
Este processo de descoberta e de conhecimento torna-se também num processo de
autodescoberta e reconhecimentodo povo português.
O poema “Mar Português” retrata a altura em que D. Sebastião partiu na Última Nau da
sua frota.
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
PG.203
https://www.youtube.com/watch?v=k6kzTUWaaU4
Herói
O herói deste poema é o Povo Português, pois
apesar de tantos sacrifícios e de tanta dor,
continuarame “conquistaram” o mar.
“Mar Português”
Simbologia
Crescimento
e Apogeu
Morte
Nascimento
da Nação
Simbologia
12 Discípulos de Cristo
12 Cavaleiros da Távola Redonda
12 Meses do Ano
12 Signos do Zodíaco
12 = Ação (posse dos mares)
12 = Final de um ciclo (ao qual sucede a
morte e o renascimento)
12 Poemas no “Mar Português”
12 Versos no total do poema
12 letras no título
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
6 Versos
6 Versos
2 Estrofes
Emparelhado (aabbcc)
Esquema RimáticoÓ mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Ó /mar/ sal/ga/do,/ quan/to/ do/ teu/ sal
São/ lá/gri/mas/ de/ Por/tu/gal!
Por/ te/ cru/zar/mos,/ quan/tas/ mães/ cho/ra/ram,
Quan/tos/ fi/lho/s em/ vão/ re/za/ram!
10
10
8
8
Alternância de versos decassílabos e
octossílabos
Métrica
ANÁLISE DA 1ª ESTROFE
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Conteúdo
Sacrifícios dos Portugueses na
conquista do mar;
Aspetos negativos dos Descobrimentos;
Valorização do sofrimento e do espirito
de sacrifício dos Portugueses (grandeza
espiritual).
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Campo lexical de sofrimento;
Linguagem emotiva.
MetáforaÓ mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Hipérbole
ApóstrofeÓ mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Personificação
Quantificadores
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Anáfora
ANÁLISE DA 2ª ESTROFE
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Conteúdo
Justificação dos sacrifícios feitos pelos
Portugueses;
Apenas através da dor se chega à glória.
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Interrogação Retórica
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
QUESTIONÁRIO
1.1.
A primeira parte do poema refere os
sacrifícios que os portugueses fizeram
para conseguirem conquistar o mar.
1.1.1.
Para reforçar o sentido de sacrifício dos
portugueses, o poeta recorre a frases de tipo
exclamativo, ao repetitivo uso de
quantificadores, e recursos estilísticos como a
apóstrofe («Ó mar»), a metáfora e a hipérbole
(«quando do teu sal/São lágrimas de
Portugal»).
1.2.
A ideia-chave que o sujeito poético
defende é a de que tudo vale a pena.
1.2.1.
A ideia-chave na segunda parte, “Tudo vale a
pena”, é possível apenas, como o sujeito
poético refere, “Se a alma não é pequena”. Por
outras palavras, tudo vale a pena, se o homem
tiver a coragem e força para seguir as suas
convicções.
1.2.1.1.
Oração subordinada adverbial condicional.
“...Tudo vale a pena/ Se a alma não for pequena.”
1.3.
Os argumentos apresentados pelo sujeito poético para
justificar que “Tudo vale a pena” são: nada se consegue sem
ultrapassar obstáculos (“Quem quer passar além do Bojador/
Tem que passar além da dor.”); e apesar dos perigos do mar, a
sua conquista eleva os portugueses num sentido mais
espiritual (“Deus ao mar o perigo e o abismo deu,/ Mas nele é
que espelhou o céu.”)
FICHA TÉCNICA
Escola Artística António Arroio
Disciplina: Português
Professora Teresa Atouguia
Margarida Almeida (N.º20)
Inês Sousa (N.º15)
12ºP
Ano Letivo 2016/2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
aramalho340
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
Maria Teresa Soveral
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Alexandre R
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
VniaRodrigues30
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 

Mais procurados (20)

Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 

Semelhante a "Mar Português" - Mensagem

8_mar_portugues (1).pptx
8_mar_portugues (1).pptx8_mar_portugues (1).pptx
8_mar_portugues (1).pptx
anasimoes49
 
A mensagem
A mensagemA mensagem
A mensagem
Ana Helena
 
Mar Português
Mar PortuguêsMar Português
Mar Português
Ana Cruz
 
Final De Curso
Final De CursoFinal De Curso
Final De Curso
guest614bbd
 
Mar português e velho do restelo
Mar português e velho do resteloMar português e velho do restelo
Mar português e velho do restelo
Maria Hogan Teves
 
Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de Fernando Pessoa Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de fernando pessoa
Mensagem de fernando pessoaMensagem de fernando pessoa
Fernando pessoa mensagem
Fernando pessoa   mensagemFernando pessoa   mensagem
Fernando pessoa mensagem
Maria Manuela Torres Paredes
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
FilipeReis48
 
Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do mar
cruchinho
 
3 paragem todos aler_junho2015_final
3 paragem todos aler_junho2015_final3 paragem todos aler_junho2015_final
3 paragem todos aler_junho2015_final
filofrei
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Vanda Marques
 
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
CrisBiagio
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Seduc/AM
 
Comparação de Poemas
Comparação de PoemasComparação de Poemas
Comparação de Poemas
SaraBranco
 
Mar na literatura
Mar na literaturaMar na literatura
Mar na literatura
Maria Paredes
 
No fundo do mar
No fundo do marNo fundo do mar
No fundo do mar
Mensagens Virtuais
 
Apresentação do tema de Vida
Apresentação do tema de VidaApresentação do tema de Vida
Apresentação do tema de Vida
Maria Barros
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o mar
Lucilia Fonseca
 
Ler o mar
Ler o marLer o mar
Ler o mar
casmaria
 

Semelhante a "Mar Português" - Mensagem (20)

8_mar_portugues (1).pptx
8_mar_portugues (1).pptx8_mar_portugues (1).pptx
8_mar_portugues (1).pptx
 
A mensagem
A mensagemA mensagem
A mensagem
 
Mar Português
Mar PortuguêsMar Português
Mar Português
 
Final De Curso
Final De CursoFinal De Curso
Final De Curso
 
Mar português e velho do restelo
Mar português e velho do resteloMar português e velho do restelo
Mar português e velho do restelo
 
Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de Fernando Pessoa Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de Fernando Pessoa
 
Mensagem de fernando pessoa
Mensagem de fernando pessoaMensagem de fernando pessoa
Mensagem de fernando pessoa
 
Fernando pessoa mensagem
Fernando pessoa   mensagemFernando pessoa   mensagem
Fernando pessoa mensagem
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
 
Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do mar
 
3 paragem todos aler_junho2015_final
3 paragem todos aler_junho2015_final3 paragem todos aler_junho2015_final
3 paragem todos aler_junho2015_final
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Comparação de Poemas
Comparação de PoemasComparação de Poemas
Comparação de Poemas
 
Mar na literatura
Mar na literaturaMar na literatura
Mar na literatura
 
No fundo do mar
No fundo do marNo fundo do mar
No fundo do mar
 
Apresentação do tema de Vida
Apresentação do tema de VidaApresentação do tema de Vida
Apresentação do tema de Vida
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o mar
 
Ler o mar
Ler o marLer o mar
Ler o mar
 

Mais de Iga Almeida

Human Trafficking
Human TraffickingHuman Trafficking
Human Trafficking
Iga Almeida
 
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - GhibertiPorta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Iga Almeida
 
As Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os MaiasAs Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os Maias
Iga Almeida
 
Petit Trianon
Petit TrianonPetit Trianon
Petit Trianon
Iga Almeida
 
Igreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do CarmoIgreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do Carmo
Iga Almeida
 
Metro das Olaias
Metro das OlaiasMetro das Olaias
Metro das Olaias
Iga Almeida
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
Lies
LiesLies
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
Iga Almeida
 
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Iga Almeida
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
Iga Almeida
 
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos RelvasCasa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Iga Almeida
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
Fotojornalismo
Iga Almeida
 
As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais
Iga Almeida
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Iga Almeida
 
Emily Dickinson
Emily DickinsonEmily Dickinson
Emily Dickinson
Iga Almeida
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
Iga Almeida
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
Iga Almeida
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
Iga Almeida
 
O Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de PortugalO Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de Portugal
Iga Almeida
 

Mais de Iga Almeida (20)

Human Trafficking
Human TraffickingHuman Trafficking
Human Trafficking
 
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - GhibertiPorta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
 
As Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os MaiasAs Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os Maias
 
Petit Trianon
Petit TrianonPetit Trianon
Petit Trianon
 
Igreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do CarmoIgreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do Carmo
 
Metro das Olaias
Metro das OlaiasMetro das Olaias
Metro das Olaias
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Lies
LiesLies
Lies
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
 
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos RelvasCasa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos Relvas
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
Fotojornalismo
 
As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
 
Emily Dickinson
Emily DickinsonEmily Dickinson
Emily Dickinson
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
 
O Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de PortugalO Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de Portugal
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

"Mar Português" - Mensagem

  • 2. Mensagem 1ª Parte Brasão 2ª Parte Mar Português 3ª Parte O Encoberto X. Mar Português
  • 3. Contexto Histórico A segunda parte da mensagem centra-se no retrato dos heróis - marinheiros - da expansão marítima portuguesa, que foram os descobridores das terras novas, entre a época de Infante D. Henrique e a de D. Sebastião. Este processo de descoberta e de conhecimento torna-se também num processo de autodescoberta e reconhecimentodo povo português. O poema “Mar Português” retrata a altura em que D. Sebastião partiu na Última Nau da sua frota.
  • 4. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. PG.203 https://www.youtube.com/watch?v=k6kzTUWaaU4
  • 5. Herói O herói deste poema é o Povo Português, pois apesar de tantos sacrifícios e de tanta dor, continuarame “conquistaram” o mar. “Mar Português”
  • 7. Simbologia 12 Discípulos de Cristo 12 Cavaleiros da Távola Redonda 12 Meses do Ano 12 Signos do Zodíaco 12 = Ação (posse dos mares) 12 = Final de um ciclo (ao qual sucede a morte e o renascimento) 12 Poemas no “Mar Português” 12 Versos no total do poema 12 letras no título
  • 8. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. 6 Versos 6 Versos 2 Estrofes
  • 9. Emparelhado (aabbcc) Esquema RimáticoÓ mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.
  • 10. Ó /mar/ sal/ga/do,/ quan/to/ do/ teu/ sal São/ lá/gri/mas/ de/ Por/tu/gal! Por/ te/ cru/zar/mos,/ quan/tas/ mães/ cho/ra/ram, Quan/tos/ fi/lho/s em/ vão/ re/za/ram! 10 10 8 8 Alternância de versos decassílabos e octossílabos Métrica
  • 11. ANÁLISE DA 1ª ESTROFE Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar!
  • 12. Conteúdo Sacrifícios dos Portugueses na conquista do mar; Aspetos negativos dos Descobrimentos; Valorização do sofrimento e do espirito de sacrifício dos Portugueses (grandeza espiritual).
  • 13. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Campo lexical de sofrimento; Linguagem emotiva.
  • 14. MetáforaÓ mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Hipérbole
  • 15. ApóstrofeÓ mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Personificação
  • 16. Quantificadores Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Anáfora
  • 17. ANÁLISE DA 2ª ESTROFE Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.
  • 18. Conteúdo Justificação dos sacrifícios feitos pelos Portugueses; Apenas através da dor se chega à glória.
  • 19. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.
  • 20. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.
  • 21. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.
  • 22. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Interrogação Retórica
  • 23. Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.
  • 25. 1.1. A primeira parte do poema refere os sacrifícios que os portugueses fizeram para conseguirem conquistar o mar.
  • 26. 1.1.1. Para reforçar o sentido de sacrifício dos portugueses, o poeta recorre a frases de tipo exclamativo, ao repetitivo uso de quantificadores, e recursos estilísticos como a apóstrofe («Ó mar»), a metáfora e a hipérbole («quando do teu sal/São lágrimas de Portugal»).
  • 27. 1.2. A ideia-chave que o sujeito poético defende é a de que tudo vale a pena.
  • 28. 1.2.1. A ideia-chave na segunda parte, “Tudo vale a pena”, é possível apenas, como o sujeito poético refere, “Se a alma não é pequena”. Por outras palavras, tudo vale a pena, se o homem tiver a coragem e força para seguir as suas convicções.
  • 29. 1.2.1.1. Oração subordinada adverbial condicional. “...Tudo vale a pena/ Se a alma não for pequena.”
  • 30. 1.3. Os argumentos apresentados pelo sujeito poético para justificar que “Tudo vale a pena” são: nada se consegue sem ultrapassar obstáculos (“Quem quer passar além do Bojador/ Tem que passar além da dor.”); e apesar dos perigos do mar, a sua conquista eleva os portugueses num sentido mais espiritual (“Deus ao mar o perigo e o abismo deu,/ Mas nele é que espelhou o céu.”)
  • 31. FICHA TÉCNICA Escola Artística António Arroio Disciplina: Português Professora Teresa Atouguia Margarida Almeida (N.º20) Inês Sousa (N.º15) 12ºP Ano Letivo 2016/2017