SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Luís Vaz de Camões Nascimento 1524 ou 1525 Falecimento  1580
Obra Épica “ Os Lusíadas” 3 gêneros Teatro Autos Lírica Sonetos
O teatro camoniano ,[object Object],[object Object],[object Object],O teatro de Camões é inferior à sua lírica e à sua épica. Ele deixou três autos: com características vicentinas uma composição à moda clássica.
a Lírica   ,[object Object],A poesia de Camões marca a transição da  medida velha  (usada na tradição medieval)  para a  medida nova  (soneto).  Luís Vaz de Camões  é considerado o maior poeta renascentista português e uma das mais expressivas vozes de nossa língua.
Cantiga          A este mote alheio:         Menina dos olhos verdes,         por que me não vedes? Eles verdes são,         e têm por usança         na cor, esperança e         nas obras, não.         Vossa condição         não é d’olhos verdes,         porque me não vedes. Haviam de ser,         por que possa vê-los         que uns olhos tão belos         não se hão de esconder;         mas fazeis-me crer         que já não são verdes,         porque me não vedes. Verdes não o são         no que alcanço deles;         verdes são aqueles         que esperança dão,         Se na condição está serem verdes Por que não me vedes?  Nem sempre os poemas em medida velha desenvolvem temas ingênuos e graciosos, como o da “menina dos olhos verdes”. Camões freqüentemente versa em redondilhas os mesmos temas graves e dramáticos de seus sonetos.  *medida   velha
*Medida Nova: 2 quartetos 2 tercetos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],4 versos 4 versos 3 versos 3 versos
Os temas de Camões Observando a temática utilizada por Camões em sua poesia, pode-se dividi-la em: Neoplatonismo Amoroso Reflexão Filosófica Temas
Platão  +   Camões Amor , no ideal platônico, não se fundamenta num interesse material, mas na  virtude .  Platão  defendia que o verdadeiro Amor nunca deveria ser concretizado, pois quando se ama tende-se a cultuar a pessoa amada com as virtudes do que é perfeito.  Quando esse amor é concretizado, aparecem os  defeitos de caráter da pessoa amada.
Neo platonismo Camões cultivou o ideal  Platônico  (de Platão): o Amor -com maiúscula- é um ideal superior, único e perfeito, o Bem supremo pelo qual ansiamos.  Mas, seres decaídos e imperfeitos, somos incapazes de atingir esse ideal. Resta-nos a contingência do amor físico (com minúscula), simples imitação do Amor ideal.  A constante  tensão  entre esses dois pólos gera toda a angústia e insatisfação da alma humana.        Amor  x  amor Superior Perfeito Divino Físico Superficial humano
Amor platônico Eu sou apenas alguém ou ate mesmo ninguém talvez alguém invisível que a admira a distancia sem a menor esperança de um dia tornar-me visível e você? você é o motivo do meu amanhecer e a minha angustia ao anoitecer você é o brinquedo caro e eu a criança pobre o menino solitário  que quer ter o que não pode dono de um amor sublime mas culpado por querê-la como quem a olha na vitrine mas jamais poderá tê-la eu sei de todas as suas tristezas e alegrias mas você nada sabe... nem da minha fraqueza nem da minha covardia nem sequer que eu existo e como um filme banal entre o figurante e a atriz principal meu papel era irrelevante para contracenar no final no final no final
Soneto A mulher, objeto do desejo, também ela um ser imperfeito, é  espiritualizada  ,  tornando-se a imagem da  Mulher ideal.   Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, pois consigo tal alma está ligada. Mas esta linda e pura semidéia, que, como um acidente em seu sujeito, assim como a alma minha se conforma, está no pensamento como idéia: [e] o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma.
Alma minha gentil, que te partiste         tão cedo desta vida descontente,         repousa lá no Céu eternamente         e viva eu cá na terra sempre triste.        Se lá no assento etéreo, onde subiste,         memória desta vida se consente,         não te esqueças daquele amor ardente         que já nos olhos meus tão puro viste.        E se vires que pode merecer-te         alguma cousa a dor que me ficou         da mágoa, sem remédio, de perder-te,         roga a Deus, que teus anos encurtou,         que tão cedo de cá me leve a ver-te,         quão cedo de meus olhos te levou.  Este soneto  tem sido freqüentemente interpretado como um soneto autobiográfico, dedicado a Dinamene, a namorada chinesa de Camões, morta em um naufrágio.
Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor? Soneto XI
Monte Castelo Ainda que eu falasse a língua do homens.  E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria.  É só o amor, é só o amor.  Que conhece o que é verdade.  O amor é bom, não quer o mal.  Não sente inveja ou se envaidece.  O amor é o fogo que arde sem se ver.  É ferida que dói e não se sente.  É um contentamento descontente.  É dor que desatina sem doer.  Ainda que eu falasse a língua dos homens.  E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.  É um não querer mais que bem querer.  É solitário andar por entre a gente.  É um não contentar-se de contente.  É cuidar que se ganha em se perder.  É um estar-se preso por vontade.  É servir a quem vence, o vencedor;  É um ter com quem nos mata a lealdade.  Tão contrário a si é o mesmo amor.  Estou acordado e todos dormem todos dormem todos dormem.  Agora vejo em parte, mas então veremos face a face.  É só o amor, é só o amor.  Que conhece o que é verdade.  Ainda que eu falasse a língua dos homens.  E falasse a língua do anjos, sem amor.. eu nada seria...  Adapt. "I Coríntios 13" e "Soneto 11" de Luís de Camões
Camões contrapõe a perfeição do mundo das Idéias (neoplatonismo) às imperfeições do mundo terreno.  Disso resulta uma visão  pessimista da vida
Ao desconcerto do mundo Os bons vi sempre passar No mundo graves tormentos; E para mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só para mim, Anda o mundo concertado.  Reflexão Filosófica
Épica Camoniana
Os Lusíadas é uma obra poética do escritor Luís Vaz de Camões, considerada a epopéia portuguesa por excelência. Provavelmente concluída em 1556, foi publicada pela primeira vez em 1572 no período literário do classicismo, três anos após o regresso do autor do Oriente .
[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
Os Lusíadas publicado em 1572  A obra é composta de : dez cantos de 8.816 versos com 1.102 estrofes que são oitavas decassílabas. Com o esquema rítmico fixo ( AB AB AB CC ). Veja a seguir:
Canto IX,64. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],*Argonautas  são, na mitologia grega, tripulantes da nau  Argo  que, segundo a lenda  grega, foi até à Cólquida  em busca da lã do carneiro alado (velo de ouro).  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 10 sílabas poéticas em cada verso
Visão Geral    Descrição do mundo pela deusa Tétis Canto X Ilha dos Amores  Canto IX  Calecute Cantos VII, VIII  De Melinde a Calecute  Canto VI Gama relata ao rei de Melinde a sua viagem até ali: a armada vai de Lisboa à Ilha de Santiago, passa o equador, toca na Angra de Santa Helena, dobra o Cabo, surge em Moçambique, chega a Melinde Canto V História de Portugal relatada por Gama ao rei de Melinde  Cantos III, IV De uma cilada em Mombaça a uma recepção calorosa em Melinde Canto II A frota viaja do Canal de Moçambique a Mombaça Canto I
O Modelo Clássico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],As divisões da epopéia (clássica) encontradas em  Os Lusíadas : Proposição: Canto I Invocação: Canto I Dedicatória: Canto I Narração: Canto I a Canto X  (até a estrofe 144) Epílogo: Canto X, estrofes 145 a 156 Afinal, é  Classicismo
A ação central é a descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama, à volta da qual se vão descrevendo outros  episódios da história de Portugal , glorificando o povo português.
Os argonautas O Barco! Meu coração não aguenta Tanta tormenta, alegria Meu coração não contenta  O dia, o marco, meu coração O porto, não!... Navegar é preciso Viver não é preciso...(2x) O Barco! Noite no teu, tão bonito Sorriso solto perdido  Horizonte, madrugada  O riso, o arco da madrugada  O porto, nada!... Navegar é preciso Viver não é preciso (2x) O Barco! O automóvel brilhante  O trilho solto, o barulho  Do meu dente em tua veia  O sangue, o charco, barulho lento  O porto, silêncio!... Navegar é preciso Viver não é preciso...(6x)
Inês de  Castro ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Canto III Inês de Castro  foi uma nobre galega,  amante e talvez esposa do futuro Pedro I de Portugal, tendo sido executada às ordens do pai deste, Afonso IV.
Velho do  Restelo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Canto IV
O Gigante Adamastor ,[object Object],[object Object],Canto V É o próprio cabo das Tormentas
Ilha dos  Amores Todo o episódio tem um caráter simbólico.  Representa a glorificação do povo português. Trata-se de uma ilha paradisíaca onde receberão o prêmio do seu esforço: a imortalidade  Canto IX
Quem descobriu o Brasil? Vedes a grande terra que continua Vai de Calisto ao seu contrário Pólo, Que soberba a fará a luzente mina Do metal que a cor tem do louro  Apolo. Castela, vossa amiga, será digna De lançar-lhe o colar ao rudo colo. Várias províncias tem de várias gentes, Em ritos e costumes, diferentes. Mas cá onde mais se alarga, ali tereis Parte também,  co´ pau vermelho nota; De Santa Cruz o nome lhe poreis; Descobri-la-á a primeira vossa frota. Ao longo desta costa, que tereis, Irá buscando a parte mais remota O Magalhães, no feito, com verdade, Português, porém não na lealdade.   No canto X, Camões coloca nas palavras de Tétis a “profecia” da descoberta do Brasil, o que comprova que o território já era de conhecimento dos navegantes antes da chegada de Cabral, afinal,  o poema trata da viagem de Vasco da Gama, que se iniciara em  1497 , levando 2 anos, um mês e 21 dias até retornar da partida rumo à Índia .
Homenagens Estátua do poeta na Praça Luís de Camões, ao Bairro Alto em Lisboa
Túmulo de Camões , Mosteiro dos Jerónimos
Filmografia Indicada Cartaz de "Camões", de Leitão de Barros (col. Cinemateca Portuguesa)  Longa Metragem; 1946
Fontes: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof ªAmélia  Pereira de Barros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaHelena Coutinho
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraHelena Coutinho
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoGijasilvelitz 2
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosacnlx
 
Pois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simónPois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simónHelena Coutinho
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteHelena Coutinho
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaMargarida Rodrigues
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteHelena Coutinho
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesCristina Martins
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseBruno Jardim
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Paula Pereira
 

Mais procurados (20)

Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
A lírica de camões medida nova
A lírica de camões   medida novaA lírica de camões   medida nova
A lírica de camões medida nova
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Pois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simónPois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simón
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Endechas a bárbara
Endechas a bárbaraEndechas a bárbara
Endechas a bárbara
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Livro do prof 10º ano.pdf
Livro do prof 10º ano.pdfLivro do prof 10º ano.pdf
Livro do prof 10º ano.pdf
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
 

Destaque

Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAngela Silva
 
Camões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraCamões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraDina Baptista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80luisprista
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camõesAna Helena
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisterita Silva
 
Apresentaçãocamoesvinicius
ApresentaçãocamoesviniciusApresentaçãocamoesvinicius
Apresentaçãocamoesviniciussersanx
 
Vida e Obra de Luís Vaz de Camões
Vida e Obra de Luís Vaz de CamõesVida e Obra de Luís Vaz de Camões
Vida e Obra de Luís Vaz de CamõesLarissa Barreis
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoValeria Nunes
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismocomplementoindirecto
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaHelena Coutinho
 

Destaque (19)

Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
 
Camões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraCamões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obra
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camões
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Apresentaçãocamoesvinicius
ApresentaçãocamoesviniciusApresentaçãocamoesvinicius
Apresentaçãocamoesvinicius
 
Luís Vaz de Camões - Sonetos
Luís Vaz de Camões - SonetosLuís Vaz de Camões - Sonetos
Luís Vaz de Camões - Sonetos
 
Amor é um fogo
Amor é um fogoAmor é um fogo
Amor é um fogo
 
Vida e Obra de Luís Vaz de Camões
Vida e Obra de Luís Vaz de CamõesVida e Obra de Luís Vaz de Camões
Vida e Obra de Luís Vaz de Camões
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 

Semelhante a Luis de camões 1

Semelhante a Luis de camões 1 (20)

Luisdecames1
Luisdecames1 Luisdecames1
Luisdecames1
 
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões lírico
Camões líricoCamões lírico
Camões lírico
 
SONETO-CAMÕES.ppt
SONETO-CAMÕES.pptSONETO-CAMÕES.ppt
SONETO-CAMÕES.ppt
 
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsfUnic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
 
Constância
ConstânciaConstância
Constância
 
Catulo E Ovídio
Catulo E OvídioCatulo E Ovídio
Catulo E Ovídio
 
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2  viniciu 1ºbTrabalho de portugues 2  viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
A poesia lírica de luís vaz de camões
A poesia lírica de luís vaz de camõesA poesia lírica de luís vaz de camões
A poesia lírica de luís vaz de camões
 
Carlos drummond de andrade -POEMAS
Carlos drummond de andrade -POEMASCarlos drummond de andrade -POEMAS
Carlos drummond de andrade -POEMAS
 
Antologia de Poemas
Antologia de PoemasAntologia de Poemas
Antologia de Poemas
 
Camoes Lirica
Camoes LiricaCamoes Lirica
Camoes Lirica
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 

Mais de Amelia Barros

Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)Amelia Barros
 
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02Amelia Barros
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemAmelia Barros
 
48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-vocAmelia Barros
 
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01Amelia Barros
 
Origem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesaOrigem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesaAmelia Barros
 
Predicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracaoPredicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracaoAmelia Barros
 
Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1Amelia Barros
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASAmelia Barros
 

Mais de Amelia Barros (14)

Iframe src
Iframe srcIframe src
Iframe src
 
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
 
291 arquivo
291 arquivo291 arquivo
291 arquivo
 
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc
 
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
 
Novo acordo
Novo acordoNovo acordo
Novo acordo
 
Origem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesaOrigem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesa
 
Or subord-subst-
Or subord-subst-Or subord-subst-
Or subord-subst-
 
Predicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracaoPredicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracao
 
Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Romantico
RomanticoRomantico
Romantico
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

Luis de camões 1

  • 1. Luís Vaz de Camões Nascimento 1524 ou 1525 Falecimento 1580
  • 2. Obra Épica “ Os Lusíadas” 3 gêneros Teatro Autos Lírica Sonetos
  • 3.
  • 4.
  • 5. Cantiga       A este mote alheio:       Menina dos olhos verdes,       por que me não vedes? Eles verdes são,       e têm por usança       na cor, esperança e       nas obras, não.       Vossa condição       não é d’olhos verdes,       porque me não vedes. Haviam de ser,       por que possa vê-los       que uns olhos tão belos       não se hão de esconder;       mas fazeis-me crer       que já não são verdes,       porque me não vedes. Verdes não o são       no que alcanço deles;       verdes são aqueles       que esperança dão,       Se na condição está serem verdes Por que não me vedes? Nem sempre os poemas em medida velha desenvolvem temas ingênuos e graciosos, como o da “menina dos olhos verdes”. Camões freqüentemente versa em redondilhas os mesmos temas graves e dramáticos de seus sonetos. *medida velha
  • 6.
  • 7. Os temas de Camões Observando a temática utilizada por Camões em sua poesia, pode-se dividi-la em: Neoplatonismo Amoroso Reflexão Filosófica Temas
  • 8. Platão + Camões Amor , no ideal platônico, não se fundamenta num interesse material, mas na virtude . Platão defendia que o verdadeiro Amor nunca deveria ser concretizado, pois quando se ama tende-se a cultuar a pessoa amada com as virtudes do que é perfeito. Quando esse amor é concretizado, aparecem os defeitos de caráter da pessoa amada.
  • 9. Neo platonismo Camões cultivou o ideal Platônico (de Platão): o Amor -com maiúscula- é um ideal superior, único e perfeito, o Bem supremo pelo qual ansiamos. Mas, seres decaídos e imperfeitos, somos incapazes de atingir esse ideal. Resta-nos a contingência do amor físico (com minúscula), simples imitação do Amor ideal. A constante tensão entre esses dois pólos gera toda a angústia e insatisfação da alma humana.       Amor x amor Superior Perfeito Divino Físico Superficial humano
  • 10. Amor platônico Eu sou apenas alguém ou ate mesmo ninguém talvez alguém invisível que a admira a distancia sem a menor esperança de um dia tornar-me visível e você? você é o motivo do meu amanhecer e a minha angustia ao anoitecer você é o brinquedo caro e eu a criança pobre o menino solitário que quer ter o que não pode dono de um amor sublime mas culpado por querê-la como quem a olha na vitrine mas jamais poderá tê-la eu sei de todas as suas tristezas e alegrias mas você nada sabe... nem da minha fraqueza nem da minha covardia nem sequer que eu existo e como um filme banal entre o figurante e a atriz principal meu papel era irrelevante para contracenar no final no final no final
  • 11. Soneto A mulher, objeto do desejo, também ela um ser imperfeito, é espiritualizada , tornando-se a imagem da Mulher ideal. Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, pois consigo tal alma está ligada. Mas esta linda e pura semidéia, que, como um acidente em seu sujeito, assim como a alma minha se conforma, está no pensamento como idéia: [e] o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma.
  • 12. Alma minha gentil, que te partiste       tão cedo desta vida descontente,       repousa lá no Céu eternamente       e viva eu cá na terra sempre triste.       Se lá no assento etéreo, onde subiste,       memória desta vida se consente,       não te esqueças daquele amor ardente       que já nos olhos meus tão puro viste.       E se vires que pode merecer-te       alguma cousa a dor que me ficou       da mágoa, sem remédio, de perder-te,       roga a Deus, que teus anos encurtou,       que tão cedo de cá me leve a ver-te,       quão cedo de meus olhos te levou. Este soneto tem sido freqüentemente interpretado como um soneto autobiográfico, dedicado a Dinamene, a namorada chinesa de Camões, morta em um naufrágio.
  • 13. Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor? Soneto XI
  • 14. Monte Castelo Ainda que eu falasse a língua do homens. E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria. É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal. Não sente inveja ou se envaidece. O amor é o fogo que arde sem se ver. É ferida que dói e não se sente. É um contentamento descontente. É dor que desatina sem doer. Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. É um não querer mais que bem querer. É solitário andar por entre a gente. É um não contentar-se de contente. É cuidar que se ganha em se perder. É um estar-se preso por vontade. É servir a quem vence, o vencedor; É um ter com quem nos mata a lealdade. Tão contrário a si é o mesmo amor. Estou acordado e todos dormem todos dormem todos dormem. Agora vejo em parte, mas então veremos face a face. É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade. Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua do anjos, sem amor.. eu nada seria... Adapt. "I Coríntios 13" e "Soneto 11" de Luís de Camões
  • 15. Camões contrapõe a perfeição do mundo das Idéias (neoplatonismo) às imperfeições do mundo terreno. Disso resulta uma visão pessimista da vida
  • 16. Ao desconcerto do mundo Os bons vi sempre passar No mundo graves tormentos; E para mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só para mim, Anda o mundo concertado. Reflexão Filosófica
  • 18. Os Lusíadas é uma obra poética do escritor Luís Vaz de Camões, considerada a epopéia portuguesa por excelência. Provavelmente concluída em 1556, foi publicada pela primeira vez em 1572 no período literário do classicismo, três anos após o regresso do autor do Oriente .
  • 19.
  • 20.
  • 21. Os Lusíadas publicado em 1572 A obra é composta de : dez cantos de 8.816 versos com 1.102 estrofes que são oitavas decassílabas. Com o esquema rítmico fixo ( AB AB AB CC ). Veja a seguir:
  • 22.
  • 23. Visão Geral   Descrição do mundo pela deusa Tétis Canto X Ilha dos Amores Canto IX Calecute Cantos VII, VIII De Melinde a Calecute Canto VI Gama relata ao rei de Melinde a sua viagem até ali: a armada vai de Lisboa à Ilha de Santiago, passa o equador, toca na Angra de Santa Helena, dobra o Cabo, surge em Moçambique, chega a Melinde Canto V História de Portugal relatada por Gama ao rei de Melinde Cantos III, IV De uma cilada em Mombaça a uma recepção calorosa em Melinde Canto II A frota viaja do Canal de Moçambique a Mombaça Canto I
  • 24.
  • 25. A ação central é a descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama, à volta da qual se vão descrevendo outros episódios da história de Portugal , glorificando o povo português.
  • 26. Os argonautas O Barco! Meu coração não aguenta Tanta tormenta, alegria Meu coração não contenta O dia, o marco, meu coração O porto, não!... Navegar é preciso Viver não é preciso...(2x) O Barco! Noite no teu, tão bonito Sorriso solto perdido Horizonte, madrugada O riso, o arco da madrugada O porto, nada!... Navegar é preciso Viver não é preciso (2x) O Barco! O automóvel brilhante O trilho solto, o barulho Do meu dente em tua veia O sangue, o charco, barulho lento O porto, silêncio!... Navegar é preciso Viver não é preciso...(6x)
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Ilha dos Amores Todo o episódio tem um caráter simbólico. Representa a glorificação do povo português. Trata-se de uma ilha paradisíaca onde receberão o prêmio do seu esforço: a imortalidade Canto IX
  • 31. Quem descobriu o Brasil? Vedes a grande terra que continua Vai de Calisto ao seu contrário Pólo, Que soberba a fará a luzente mina Do metal que a cor tem do louro Apolo. Castela, vossa amiga, será digna De lançar-lhe o colar ao rudo colo. Várias províncias tem de várias gentes, Em ritos e costumes, diferentes. Mas cá onde mais se alarga, ali tereis Parte também, co´ pau vermelho nota; De Santa Cruz o nome lhe poreis; Descobri-la-á a primeira vossa frota. Ao longo desta costa, que tereis, Irá buscando a parte mais remota O Magalhães, no feito, com verdade, Português, porém não na lealdade. No canto X, Camões coloca nas palavras de Tétis a “profecia” da descoberta do Brasil, o que comprova que o território já era de conhecimento dos navegantes antes da chegada de Cabral, afinal, o poema trata da viagem de Vasco da Gama, que se iniciara em 1497 , levando 2 anos, um mês e 21 dias até retornar da partida rumo à Índia .
  • 32. Homenagens Estátua do poeta na Praça Luís de Camões, ao Bairro Alto em Lisboa
  • 33. Túmulo de Camões , Mosteiro dos Jerónimos
  • 34. Filmografia Indicada Cartaz de "Camões", de Leitão de Barros (col. Cinemateca Portuguesa) Longa Metragem; 1946
  • 35.