SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
1
| Português – 10º ano | A lírica Camoniana
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2010 /2011
A Lírica Camoniana
Objectivos a alcançar:
. Conhecer a vida e Obra de Camões
Conhecer as principais Características do Renascimento
. Reconhecer as formas poéticas tradicionais na lírica de Camões,
através da análise de poemas como:
Descalça vai para a fonte; Endechas a Bárbara Escrava; Verdes são
os campos…
.Reconhecer as formas poéticas renascentistas e respectivas
temáticas na lírica de Camões:
o amor e a mulher petrarquista, o desconcerto do mundo; a mudança,
o destino…
. Reconhecer o carácter autobiográfico da lírica camoniana.
2
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2010 /2011
N. Lisboa (?) 1524 (?)
F. Lisboa, 10/06/1580
“Numa mão sempre a espada e noutra a pena.”
. Epopeia: Os Lusíadas
. Poesia: Tradicional / Clássica
. Peças de teatro: Autos…
3
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
O dia em que nasci moura e pereça,
Não o queira jamais o tempo dar;
Não torne mais ao Mundo, e, se tornar,
Eclipse nesse passo o Sol padeça.
A luz lhe falte, O Sol se [lhe] escureça,
Mostre o Mundo sinais de se acabar,
Nasçam-lhe monstros, sangue chova o ar,
A mãe ao próprio filho não conheça.
As pessoas pasmadas, de ignorantes,
As lágrimas no rosto, a cor perdida,
Cuidem que o mundo já se destruiu.
Ó gente temerosa, não te espantes,
Que este dia deitou ao Mundo a vida
Mais desgraçada que jamais se viu!
Luís de Camões
4
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
A LÍRICAA LÍRICA
*A obra lírica de Camões foi
publicada postumamente, em 1595, sob o
título Rimas.
A poesia de Camões marca
a transição da medida velha
(usada na tradição
medieval) para a medida
nova (soneto).
Luís Vaz de Camões é
considerado o maior poeta
renascentista português e
uma das mais expressivas
vozes de nossa língua.
5
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Cantiga alheio:
Menina dos olhos verdes,
por que me não vedes?
Eles verdes são,
e têm por usança
na cor, esperança e
nas obras, não.
Vossa condição
não é d’olhos verdes,
porque me não vedes.
Haviam de ser,
por que possa vê-los
que uns olhos tão belos
não se hão de esconder;
mas fazeis-me crer
que já não são verdes,
porque me não vedes.
Verdes não o são
no que alcanço deles;
verdes são aqueles
que esperança dão,
Se na condição está serem verdes
Por que não me vedes?
Os temas, tradicionais e
populares são geralmente
ingénuas e graciosos, e
versam sobre o amor, a
natureza, o ambiente
palaciano e a saudade.
Cultivou o verso de cinco
sílabas métricas
(redondilha menor) e de
sete sílabas métricas
(redondilha maior).
Por influência tradicional
escreveu vilancetes,
cantigas, esparsas,
trovas, ...
Contudo, Camões
frequentemente versa nas
redondilhas os mesmos
temas graves e dramáticos
dos seus sonetos.
Medida velha
6
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Medida Nova:
Soneto:
2 quartetos
2 tercetos
(Verso decassilábico)
Busque Amor novas artes, novo engenho
para matar-me, e novas esquivanças;
que não pode tirar-me as esperanças,
que mal me tirará o que eu não tenho.
Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.
Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.
Que dias há que n’alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei por quê.
Nas temáticas de influência
Renascentista cultivou o
amor platónico, a saudade, o
destino, a beleza suprema, a
mudança, o desconcerto do
mundo, a mulher vista à luz
do Petrarquismo e do
Destino.
7
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Renascimento: Tempo e Arte de mudançaTempo e Arte de mudança
. Movimento cultural que surgiu em Itália, no século XV, prolongando-se até ao
século XVII, e que teve o seu apogeu entre 1495 e 1520.
. Resultante de um conjunto de transformações sociais, culturais
económicas, o este movimento surge em oposição à escolástica medieval,
procurando uma nova maneira de olhar e estudar o mundo natural.
. Em termos artísticos, o renascimento caracteriza-se por uma forte tendência
naturalista. Os novos conhecimentos da anatomia, da fisiologia e da geometria
são prontamente incorporados, possibilitando, por exemplo, a representação do
volume no plano.
. Caracterizado pela retoma dos valores da cultura greco-romana
(Classicismo), visa a aceitação das formas artísticas greco-latinas e a
assimilação do espírito que as anima - “Imitar os Clássicos, imitar a
Natureza”:
- procura-se a pureza formal, equilíbrio e o rigor / a mitologia
passou a ser usado como tema, a par das cenas bíblicas, realçando-se a
humanização das figuras / o retrato, normalmente enquadrado na natureza, e
o nu são temas recorrentes.
8
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
"O homem é a medida de todas as coisas” Protágoras
Humanismo: o entendimento do mundo passava a ser feito a partir da importância
do ser humano, o trabalho, as guerras, as transformações, os amores, as
contradições humanas tornaram-se objectos de preocupação, compreendidos como
produto da acção do homem.
Racionalismo - Experimentalismo: a convicção de que tudo pode ser explicado
pela razão do homem e pela ciência, a recusa em acreditar em qualquer coisa que
não tenha sido provada.
Individualismo: emergência da burguesia e de novas relações de trabalho. A ideia
de que cada um é responsável pela condução de sua vida, a possibilidade de fazer
opções e de manifestar-se sobre diversos assuntos, tomando decisões.
Hedonismo: visão do prazer e da felicidade como bens supremos.
Heliocentrismo: Copérnico nega o centrismo da Terra.
Expansionismo: movimento de expansão marítima que teve como ponto alto os
Descobrimentos portugueses.
9
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Humanização das figuras / Perspectiva, luz e harmonia / Ideal de beleza / Simetria
Danae, Antonio Allegri
O homem vitruviano, Leonardo
Da Vinci
David, Michelangelo
Madona no prado, Rafael
O Nascimento de Vénus, Sandro Botticelli
10
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
A temática da líricaA temática da lírica
camoniana poderácamoniana poderá
ser essencialmenteser essencialmente
dividida em doisdividida em dois
grandes em:grandes em:
Neoplatonismo
Amoroso
Reflexão
Filosófica
TemasTemas
11
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Platão + Camões
O Amor, no ideal platónico, não se
fundamenta num interesse
material, mas na virtude.
Platão defendia que o verdadeiro
Amor nunca deveria ser
concretizado.
Quando esse amor é
concretizado, aparecem os
defeitos de carácter da pessoa
amada.
12
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Neoplatonismo
Camões cultivou o ideal Platónico (de
Platão): o Amor -com maiúscula - é um
ideal superior, único e perfeito, o Bem
supremo pelo qual ansiamos.
Mas os seres decaídos e imperfeitos
são incapazes de atingir esse ideal. A
estes resta-lhe a contingência do amor
físico (com minúscula), simples imitação
do Amor ideal.
A constante tensão entre esses dois
pólos gera toda a angústia e
insatisfação da alma humana.
Amor x amor
Superior
Perfeito
Divino
Físico
Superficial
humano
13
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
A MulherA Mulher
A mulher, objecto do desejo,
também ela um ser
imperfeito, é espiritualizadaespiritualizada,,
tornando-se a imagem da
Mulher ideal.Mulher ideal.
Transforma-se o amador na cousa amada,
por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
pois consigo tal alma está ligada.
Mas esta linda e pura semideia,
que, como um acidente em seu sujeito,
assim como a alma minha se conforma,
está no pensamento como ideia:
[e] o vivo e puro amor de que sou feito,
como a matéria simples busca a forma.
14
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Alma minha gentil, que te partiste
tão cedo desta vida descontente,
repousa lá no Céu eternamente
e viva eu cá na terra sempre triste.
Se lá no assento etéreo, onde subiste,
memória desta vida se consente,
não te esqueças daquele amor ardente
que já nos olhos meus tão puro viste.
E se vires que pode merecer-te
alguma cousa a dor que me ficou
da mágoa, sem remédio, de perder-te,
roga a Deus, que teus anos encurtou,
que tão cedo de cá me leve a ver-te,
quão cedo de meus olhos te levou.
Este soneto tem sido frequentemente
interpretado como um soneto
autobiográfico, dedicado a DinameneDinamene, a
namorada chinesa de Camões, morta em
um naufrágio.
15
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Camões contrapõe a perfeição
do mundo das Ideias
(neoplatonismo) às
imperfeições do mundo
terreno.
Disso resulta uma visão
pessimista da vida
16
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Ao desconcerto do mundo
Os bons vi sempre passar
No mundo graves
tormentos;
E para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de
contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só para mim,
Anda o mundo concertado.
Reflexão Filosófica
Ao desconcerto do mundo
Os bons vi sempre passar
No mundo graves tormentos;
E para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só para mim,
Anda o mundo concertado.
17
| Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
20102011
Os bons vi sempre passar
No mundo graves
tormentos;
E para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de
contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só para mim,
Anda o mundo concertado.
Fontes:
www.wikipedia.com
www.portaldoastronomo.org
http://educaterra.terra.com.br/literatura/temadomes/2003/11/21/004.htm
http://www.slideshare.net/clauheloisa/lus-vaz-de-cames
Para estudar e exercitar:
http://portuguesonline.no.sapo.pt/liricacamoes.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaSamuel Neves
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadasJonatas Carlos
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVDina Baptista
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeMariaVerde1995
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoJoana Filipa Rodrigues
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasclaudiarmarques
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Sofia Yuna
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensLurdes Augusto
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Recursosexpressivos
RecursosexpressivosRecursosexpressivos
Recursosexpressivosaly pereira
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Aparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio FerreiraAparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio FerreiraThaynã Guedes
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoClaudia Ribeiro
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IV
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
De tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário VerdeDe tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário Verde
 
Recursosexpressivos
RecursosexpressivosRecursosexpressivos
Recursosexpressivos
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Aparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio FerreiraAparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio Ferreira
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 

Semelhante a Camões lírico: vida obra

Semelhante a Camões lírico: vida obra (20)

Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões lírico
Camões líricoCamões lírico
Camões lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Luis de camões 1
Luis de camões 1Luis de camões 1
Luis de camões 1
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Luisdecames1
Luisdecames1 Luisdecames1
Luisdecames1
 
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
 
Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
 
Renascimento e Epopeia
Renascimento e EpopeiaRenascimento e Epopeia
Renascimento e Epopeia
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
Constância
ConstânciaConstância
Constância
 
Liricacamoniana (1)
Liricacamoniana (1)Liricacamoniana (1)
Liricacamoniana (1)
 
Liricacamoniana
LiricacamonianaLiricacamoniana
Liricacamoniana
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 

Mais de Dina Baptista

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Dina Baptista
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisDina Baptista
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Dina Baptista
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSDina Baptista
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazDina Baptista
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoDina Baptista
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesDina Baptista
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIIDina Baptista
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoDina Baptista
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade Dina Baptista
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosDina Baptista
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos SantosDina Baptista
 

Mais de Dina Baptista (20)

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel Central
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos Santos
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 

Camões lírico: vida obra

  • 1. 1 | Português – 10º ano | A lírica Camoniana Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 A Lírica Camoniana Objectivos a alcançar: . Conhecer a vida e Obra de Camões Conhecer as principais Características do Renascimento . Reconhecer as formas poéticas tradicionais na lírica de Camões, através da análise de poemas como: Descalça vai para a fonte; Endechas a Bárbara Escrava; Verdes são os campos… .Reconhecer as formas poéticas renascentistas e respectivas temáticas na lírica de Camões: o amor e a mulher petrarquista, o desconcerto do mundo; a mudança, o destino… . Reconhecer o carácter autobiográfico da lírica camoniana.
  • 2. 2 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 N. Lisboa (?) 1524 (?) F. Lisboa, 10/06/1580 “Numa mão sempre a espada e noutra a pena.” . Epopeia: Os Lusíadas . Poesia: Tradicional / Clássica . Peças de teatro: Autos…
  • 3. 3 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 O dia em que nasci moura e pereça, Não o queira jamais o tempo dar; Não torne mais ao Mundo, e, se tornar, Eclipse nesse passo o Sol padeça. A luz lhe falte, O Sol se [lhe] escureça, Mostre o Mundo sinais de se acabar, Nasçam-lhe monstros, sangue chova o ar, A mãe ao próprio filho não conheça. As pessoas pasmadas, de ignorantes, As lágrimas no rosto, a cor perdida, Cuidem que o mundo já se destruiu. Ó gente temerosa, não te espantes, Que este dia deitou ao Mundo a vida Mais desgraçada que jamais se viu! Luís de Camões
  • 4. 4 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 A LÍRICAA LÍRICA *A obra lírica de Camões foi publicada postumamente, em 1595, sob o título Rimas. A poesia de Camões marca a transição da medida velha (usada na tradição medieval) para a medida nova (soneto). Luís Vaz de Camões é considerado o maior poeta renascentista português e uma das mais expressivas vozes de nossa língua.
  • 5. 5 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Cantiga alheio: Menina dos olhos verdes, por que me não vedes? Eles verdes são, e têm por usança na cor, esperança e nas obras, não. Vossa condição não é d’olhos verdes, porque me não vedes. Haviam de ser, por que possa vê-los que uns olhos tão belos não se hão de esconder; mas fazeis-me crer que já não são verdes, porque me não vedes. Verdes não o são no que alcanço deles; verdes são aqueles que esperança dão, Se na condição está serem verdes Por que não me vedes? Os temas, tradicionais e populares são geralmente ingénuas e graciosos, e versam sobre o amor, a natureza, o ambiente palaciano e a saudade. Cultivou o verso de cinco sílabas métricas (redondilha menor) e de sete sílabas métricas (redondilha maior). Por influência tradicional escreveu vilancetes, cantigas, esparsas, trovas, ... Contudo, Camões frequentemente versa nas redondilhas os mesmos temas graves e dramáticos dos seus sonetos. Medida velha
  • 6. 6 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Medida Nova: Soneto: 2 quartetos 2 tercetos (Verso decassilábico) Busque Amor novas artes, novo engenho para matar-me, e novas esquivanças; que não pode tirar-me as esperanças, que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Que não temo contrastes nem mudanças, andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode haver desgosto onde esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n’alma me tem posto um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei por quê. Nas temáticas de influência Renascentista cultivou o amor platónico, a saudade, o destino, a beleza suprema, a mudança, o desconcerto do mundo, a mulher vista à luz do Petrarquismo e do Destino.
  • 7. 7 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Renascimento: Tempo e Arte de mudançaTempo e Arte de mudança . Movimento cultural que surgiu em Itália, no século XV, prolongando-se até ao século XVII, e que teve o seu apogeu entre 1495 e 1520. . Resultante de um conjunto de transformações sociais, culturais económicas, o este movimento surge em oposição à escolástica medieval, procurando uma nova maneira de olhar e estudar o mundo natural. . Em termos artísticos, o renascimento caracteriza-se por uma forte tendência naturalista. Os novos conhecimentos da anatomia, da fisiologia e da geometria são prontamente incorporados, possibilitando, por exemplo, a representação do volume no plano. . Caracterizado pela retoma dos valores da cultura greco-romana (Classicismo), visa a aceitação das formas artísticas greco-latinas e a assimilação do espírito que as anima - “Imitar os Clássicos, imitar a Natureza”: - procura-se a pureza formal, equilíbrio e o rigor / a mitologia passou a ser usado como tema, a par das cenas bíblicas, realçando-se a humanização das figuras / o retrato, normalmente enquadrado na natureza, e o nu são temas recorrentes.
  • 8. 8 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 "O homem é a medida de todas as coisas” Protágoras Humanismo: o entendimento do mundo passava a ser feito a partir da importância do ser humano, o trabalho, as guerras, as transformações, os amores, as contradições humanas tornaram-se objectos de preocupação, compreendidos como produto da acção do homem. Racionalismo - Experimentalismo: a convicção de que tudo pode ser explicado pela razão do homem e pela ciência, a recusa em acreditar em qualquer coisa que não tenha sido provada. Individualismo: emergência da burguesia e de novas relações de trabalho. A ideia de que cada um é responsável pela condução de sua vida, a possibilidade de fazer opções e de manifestar-se sobre diversos assuntos, tomando decisões. Hedonismo: visão do prazer e da felicidade como bens supremos. Heliocentrismo: Copérnico nega o centrismo da Terra. Expansionismo: movimento de expansão marítima que teve como ponto alto os Descobrimentos portugueses.
  • 9. 9 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Humanização das figuras / Perspectiva, luz e harmonia / Ideal de beleza / Simetria Danae, Antonio Allegri O homem vitruviano, Leonardo Da Vinci David, Michelangelo Madona no prado, Rafael O Nascimento de Vénus, Sandro Botticelli
  • 10. 10 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 A temática da líricaA temática da lírica camoniana poderácamoniana poderá ser essencialmenteser essencialmente dividida em doisdividida em dois grandes em:grandes em: Neoplatonismo Amoroso Reflexão Filosófica TemasTemas
  • 11. 11 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Platão + Camões O Amor, no ideal platónico, não se fundamenta num interesse material, mas na virtude. Platão defendia que o verdadeiro Amor nunca deveria ser concretizado. Quando esse amor é concretizado, aparecem os defeitos de carácter da pessoa amada.
  • 12. 12 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Neoplatonismo Camões cultivou o ideal Platónico (de Platão): o Amor -com maiúscula - é um ideal superior, único e perfeito, o Bem supremo pelo qual ansiamos. Mas os seres decaídos e imperfeitos são incapazes de atingir esse ideal. A estes resta-lhe a contingência do amor físico (com minúscula), simples imitação do Amor ideal. A constante tensão entre esses dois pólos gera toda a angústia e insatisfação da alma humana. Amor x amor Superior Perfeito Divino Físico Superficial humano
  • 13. 13 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 A MulherA Mulher A mulher, objecto do desejo, também ela um ser imperfeito, é espiritualizadaespiritualizada,, tornando-se a imagem da Mulher ideal.Mulher ideal. Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, pois consigo tal alma está ligada. Mas esta linda e pura semideia, que, como um acidente em seu sujeito, assim como a alma minha se conforma, está no pensamento como ideia: [e] o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma.
  • 14. 14 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Alma minha gentil, que te partiste tão cedo desta vida descontente, repousa lá no Céu eternamente e viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, memória desta vida se consente, não te esqueças daquele amor ardente que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te alguma cousa a dor que me ficou da mágoa, sem remédio, de perder-te, roga a Deus, que teus anos encurtou, que tão cedo de cá me leve a ver-te, quão cedo de meus olhos te levou. Este soneto tem sido frequentemente interpretado como um soneto autobiográfico, dedicado a DinameneDinamene, a namorada chinesa de Camões, morta em um naufrágio.
  • 15. 15 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Camões contrapõe a perfeição do mundo das Ideias (neoplatonismo) às imperfeições do mundo terreno. Disso resulta uma visão pessimista da vida
  • 16. 16 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Ao desconcerto do mundo Os bons vi sempre passar No mundo graves tormentos; E para mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só para mim, Anda o mundo concertado. Reflexão Filosófica Ao desconcerto do mundo Os bons vi sempre passar No mundo graves tormentos; E para mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só para mim, Anda o mundo concertado.
  • 17. 17 | Português – 10º ano | Luís de Camões: Vida e Obra Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 20102011 Os bons vi sempre passar No mundo graves tormentos; E para mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só para mim, Anda o mundo concertado. Fontes: www.wikipedia.com www.portaldoastronomo.org http://educaterra.terra.com.br/literatura/temadomes/2003/11/21/004.htm http://www.slideshare.net/clauheloisa/lus-vaz-de-cames Para estudar e exercitar: http://portuguesonline.no.sapo.pt/liricacamoes.htm