Primeira fase do modernismo

1.031 visualizações

Publicada em

A Primeira Fase do Modernismo surge como consequência da Semana de Arte Moderna. Entre 1922 e 1930 consolida-se o período, que ficou conhecido como fase da “destruição”. Essa etapa atuou como elemento de desconstrução dos movimentos literários anteriores.
Revolucionária, traz consigo uma nova perspectiva à composição literária. Surpreendente, inovador e crítico: o movimento modernista – rejeitado em sua época – expõe, hoje, a sua influência e relevância para a literatura contemporânea.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.031
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Primeira fase do modernismo

  1. 1. PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO
  2. 2. APRESENTAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Departamento Acadêmico de Automação e Sistemas Coordenação de Automação Industrial Salvador 2014
  3. 3. INTRODUÇÃO A Primeira Fase do Modernismo surge como consequência da Semana de Arte Moderna. Entre 1922 e 1930 consolida-se o período, que ficou conhecido como fase da “destruição”. Essa etapa atuou como elemento de desconstrução dos movimentos literários anteriores. Revolucionária, traz consigo uma nova perspectiva à composição literária. Surpreendente, inovador e crítico: o movimento modernista – rejeitado em sua época – expõe, hoje, a sua influência e relevância para a literatura contemporânea. Este trabalho tem por objetivo apresentar o modernismo enquanto movimento literário singular no Brasil. Para isso, buscou-se através de artigos científicos, livros e we bsite s, os principais marcos e influências do período. A fim de possibilitar uma abordagem histórico-crítica-descritiva sobre o períodos, seus autores e principais obras.
  4. 4. CONTEXTO HISTÓRICO Revolta Tenentista; Crise Econômica; Criação do Partido Comunista; Coluna Prestes; Semana de Arte Moderna.
  5. 5. MODERNISMO O modernismo foi uma corrente de pensamento que reunia diversas formas de arte e propunha uma revolução na forma de fazê-las.  Seu marco inicial foi a Semana de Arte Moderna de 1922
  6. 6. PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO A primeira fase do modernismo, 1922-1930, também conhecida como Fase de Destruição, possui três principais características, que são: •Rompimento com o passado; •Orientação revolucionária; •Busca de uma expressão Nacional.
  7. 7. ROMPIMENTO COM O PASSADO Abaporu, Tarcila do Amaral
  8. 8. ORIENTAÇÃO REVOLUCIONÁRIA Esse aspecto do modernismo fazia críticas severas ao Parnasianismo, enquanto defendia a liberdade de expressão. A Ventania, Anita Malfatti
  9. 9.  O Movimento do Verde Amarelismo por sua vez tinha como ideal o nacionalismo ufanista, beirando o fascismo. Composto por Plínio Salgado e outros autores, o símbolo desse movimento eram o Tupi e a Anta, que eram simbolos nacionais. BUSCA DE EXPRESSÃO NACIONAL  O Movimento do Pau Brasil teve como obra principal o Manifesto do Pau Brasil e depois o livro de Oswald de Andrade com o mesmo título. Esse movimento defendia um nacionalismo crítico, simplicidade no verso e linguagem sem erudição.  Em resposta a chamada escola da Anta foi criado a Antropofagia, que tinha o ideal de assim como os índios se alimentavam dos seus inimigos, a arte brasileira poderia se alimentar de vertentes europeias.
  10. 10. PRINCIPAIS AUTORES Na primeira fase do Modernismo, há alguns autores que marcaram o período fortemente, dentre eles pode-se destacar: •Mário de Andrade; •Oswald de Andrade; •Manuel Bandeira. Em conjunto, foram os três singulares autores, que marcaram a cultura modernista de forma acentuada, com suas obras e expressões únicas.
  11. 11. Remate de Males (1930) O livro "Remate de Males", publicado em 1930, reúne diversas composições do autor, em vários estilos, escritas durante os anos 20, desde o vanguardismo até a lírica equilibrada e contida, passando pelo nacionalismo. PRINCIPAIS AUTORES: MÁRIO DE ANDRADE •Mário Raul de Morais de Andrade nasceu e morreu na cidade de São Paulo (1893-1945). •Em 1917, publicou seu primeiro livro: Há uma gota de sangue em cada poema, sob o pseudônimo Mário Sobral. •A cidade de São Paulo constitui tema frequente de sua obra. Paulicea Desvairada (1922) Esse livro de poesias é de 1922. É uma reunião dos primeiros poemas modernistas de Mário de Andrade, que correspondem às ousadas experiências de linguagem: verso livre, associações de imagens, simultaneidade e linguagem coloquial.
  12. 12. LITERATURA MODERNISTA EU SOU TREZENTOS Negação de outros estilos; anti-passado; Utilização das palavras em liberdade; Apego à modernidade da época; Originalidade literária; Simultaneidad e Versos livres; Coloquialidad e Valorização do cotidiano; Utilização da paródia Nacionalismo intransigente; bairrismo onte: Poema extraído de: ALMEIDA, 2014; características extraídas de: UNICANTO, 2014. Ausência de rimas tradicionais; Tendência crítica e anarquista.
  13. 13. PRINCIPAIS AUTORES: OSWALD DE ANDRADE •José Oswald de Sousa Andrade nasceu e morreu em São Paulo (1890-1954).  •De espírito irrequieto, Oswald tinha 22 anos quando fez a primeira de várias viagens à Europa (1912), onde entrou em contato com os movimentos de vanguarda, especialmente o Futurismo e o Cubismo e de lá trouxe ideias vanguardistas que muito colaboraram para a eclosão da Semana de Arte Moderna. Memórias Sentimentais de João Miramar   •Primeiro grande romance da prosa modernista brasileira, esta obra foi publicada em 1924. •São 163 episódios numerados, tendo João Miramar como personagem central. A montagem do romance é totalmente fragmentária, o que impossibilita uma leitura linear. •O estilo do livro é telegráfico e sintético. Seus episódios se assemelham a
  14. 14. LITERATURA MODERNISTA Só a ANTROPOFAGIA nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente. Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismos. De todas as religiões. De todos os tratados de paz. Tupi, or not tupi that is the question. […] Contra todos os importadores de consciência enlatada. A existência palpável da vida. E a mentalidade pré-lógica [...]. Queremos a Revolução Caraíba. Maior que a revolução Francesa. A unificação de todas as revoltas eficazes na direção do homem. Sem nós a Europa não teria sequer a sua pobre declaração dos direitos do homem. [...] Somos concretistas. As ideias tomam conta, reagem, queimam gente nas praças públicas. [...] Contra a realidade social, vestida e opressora, cadastrada por Freud - a realidade sem complexos, sem loucura, sem prostituições e sem penitenciárias do matriarcado de Pindorama. ANDRADE, Oswald de. 1928. MANIFESTO ANTROPÓFAGO Negação de outros estilos; anti- passado;Utilização das palavras em liberdade; Apego à modernidade da época; Originalidade literária; Simultaneidad e Versos livres; Coloquialidad e Valorização do cotidiano; Utilização da paródia Nacionalismo intransigente; bairrismo onte: Manifesto extraído de: ALMEIDA, 2014; características extraídas de: UNICANTO, 2014. Ausência de rimas tradicionais; Tendência crítica e anarquista.
  15. 15. PRINCIPAIS AUTORES: MANUEL BANDEIRA • Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho nasceu no Recife (PE), em 1886, e morreu no Rio de Janeiro, em 1968. • No Rio, juntou-se a um grupo de poetas e intelectuais, entre os quais Ronald de Carvalho, Ribeiro Couto e Graça Aranha. Juntamente com esses escritores, aderiu ao movimento modernista de 1922, no qual teve importante participação.
  16. 16. Poema "ANTOLOGIA", extraído de Estre la da Tarde PRINCIPAIS AUTORES: MANUEL BANDEIRA
  17. 17. RELAÇÃO COM ESCOLAS ANTERIORES E POSTERIORES •Negação aos diversos aspectos de outras escolas anteriores. •Esse processo já havia começado com a era pré- modernista. •Havia uma influencia de movimentos anteriores como realismo/naturalismo, parnasianismo e simbolismo. •Rompimento com o Tradicionalismo. •A necessidade de se retratar a realidade social faz o regionalismo ressurgir juntamente com o retrato Parnasianism o Simbolismo 1º Modernismo Geração 45 Preocupação Formal Preocupaçã o Formal Negação Formal Preocupação Formal Alienação Social Alienação Social Crítica e Análise Social Crítica e Análise Social Objetividade Subjetividad e Subjetividade Objetividade Descrição Sugestão Ironia Descrição Concreto Metafisico Concreto Concreto
  18. 18. RELAÇÃO COM ESCOLAS ANTERIORES E POSTERIORES •O nacionalismo fez com que houvesse um retorno ao Quinhentismo, com o objetivo de alcançar a origem do povo brasileiro. •Busca da língua “verdadeiramente” brasileira. •Relação com o Romantismo. •Na era Pós-Modernista surgem movimentos de negação aos aspectos do modernismo, como o grupo Geração 45.
  19. 19. LITERATURA MODERNISTA: DIÁLOGOS COM A CONTEMPORANEIDADE SENTIDO QUE FALTA Negação de outros estilos; anti- passado;Utilização das palavras em liberdade; Apego à modernidade da época; Originalidade literária; Simultaneidad e Versos livres; Coloquialidad e Valorização do cotidiano; Utilização da paródia Nacionalismo intransigente; bairrismo onte: Poesia extraído de: SAID, 2014; características extraídas de: UNICANTO, 2014. Ausência de rimas tradicionais; Tendência crítica; anarquista.
  20. 20. O modernismo literário exerceu influência em outras artes, como a música, exceto na pintura e escultura, tendo em vista que a pintura modernista foi a base para a literatura. INFLUÊNCIA EM OUTRAS ARTES
  21. 21. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base na apresentação, foi exposto que o período entre 1922 e 1930 foi o mais radical do movimento modernismo, pois buscou gerar a ruptura e revolução em relação aos movimentos anteriores. Esse sentimento surgiu, principalmente, com base em seus integrante, que sentiam a necessidade de romper as estruturas passadas. Apresentou-se, ainda, a importância dos autores que participaram desse movimento com seus manifestos. Por fim, ilustrou-se as diferença entre as antigas escolas literárias e a nova forma de literatura proposta pelos intelectuais modernistas.
  22. 22. ANDRADE, Oswald de. Omanifesto antropófago. In: TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda européia e modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. 3ª ed. Petrópolis: Vozes; Brasília: INL, 1976. Comentário e hipertextos: Raquel R. Souza (FURG) ARRUDA, Maria A. N. Modernismo e Regionalismo no Brasil: Entre inovação e tradição. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 23, n. 2. p. 191-212.. CUNHA, Greice. Literatura - Aula 05 - Modernismo I - 1ª Fase - Fase de Destruição. Disponível em: <www.youtube.com>. Acesso em: 25 out. 2014. EMILIO, C.; MARTO, F. Língua e Literatura. unidade 4, Modernismo no Brasil: Primeira Fase. Volume 3, Editora Ática. São Paulo, 1991. REFERÊNCIAS
  23. 23. MASSEBEUF, Fernanda. Manifesto Pau Brasil e Manifesto Antropófago. Disponível em <www.amigosdolivro.com.br MODERNISMO Paulista ao Regionalismo Nordestino. Disponível em: <blog.opovo.com.br>. Acesso: 25 set. 2014. O MOVIMENTO modernista. Disponível em: <www.estadao.com.br>. Acesso em: 25 set. 2014. SAID, V. Devaneios Inconstantes: quando o vazio busca à alma. Ed. 1. Em construção. Salvador, 2014. REFERÊNCIAS

×