SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
G O L P E D E 1 9 3 0
A REVOLUÇÃO DE 30
Salvador
2014
APRESENTAÇÃO
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia
Departamento Acadêmico de Automação e Sistemas
Coordenação de Automação Industrial
 Discentes:
o Jason Levy Reis;
o Mateus Barbosa;
o Perácio Contreiras
o Victor Said;
o Victória Cabral.
 Docente: Ana Paula;
 Disciplina: História III;
 Tema: A Revolução de 30;
 Turma: 5832 – Unidade II;
 Curso: Automação Industrial.
Salvador
2014
A revolução de 30 ocorre em consequência de diversos
fatores enfrentados pela Antiga República, dentre eles
encontra-se o descontentamento dos militares e a politica
do Café-com-Leite.
OBJETIVOS E METODOLOGIA
Este trabalho tem por objetivo realizar uma análise crítica
e descritiva a respeito da influência e contexto histórico da
“revolução de 30”. A metodologia empregada foi a revisão
bibliográfica, que fundamentou-se por meio da utilização
de artigos, livros e websites.
INTRODUÇÃO
CONTEXTO HISTÓRICO
• Semana de Arte Moderna;
• Partido Comunista Brasileiro;
• Crise de 1929;
• Insatisfação da Classe
Operária;
• Reação à República;
• Revolta Tenentista;
O GOLPE DE 1930
• A política de valorização
do café estava deixando
insatisfeitas as oligarquias
que produziam outros
gêneros.
• O fato de o café ter uma
atenção muito grande
passou a ser questionado.
• O surgimento de rivalidades
entre as oligarquias
contribuiu para a formação
do Partido Democrático de
São Paulo.
O GOLPE DE 1930
• A eleição de 1930 é
marcada pelo rompimento
da política do Café-com-
Leite por parte de São
Paulo.
• Diante disso, os mineiros
montam a Aliança
Liberal e criam outra
chapa.
1926 – 1930 – 1934
Washington Luiz
Paulista
Júlio Prestes
Paulista
O GOLPE DE 1930
• A chapa de Júlio Prestes
vence as eleições.
• Oposição fica
inconformada e prepara
levante militar.
• Morte de João Pessoa.
• Golpe de 1930.
REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO
“Assim como não veio substituir homens a revolução não
veio também substituir partidos. O seu programa é substituir
princípios e normas para evitar o regresso à política dos
antigos donos da República dos senhores absolutos do
regime.” (ARANHA, 1931 apud FERREIRA, 2006)
REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO
• 1 de novembro de 1930;
• Ocupação da presidência por
Getúlio Vargas, como chefe
provisório;
• Rompimento definitivo da política
“café-com-leite”;
• Reorganização do Estado:
• Fortalecimento do poder central;
• Fim das oligarquias estaduais, com a
exceção do Rio Grande do Sul e Rio
de Janeiro;
• Mudança na forma de atuação das
elites regionais.
REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO
Mudanças econômicas
Consolidação do modelo
industrial-urbano;
Deterioração do modelo
agrário-exportador
Mudanças políticas
Novo papel para a
classe média e burguesia
Adaptação à nova dependência
ao poder central
Reestruturação do
Estado Nacional Brasileiro
Projetos políticos
Influência das elites
Atuação nacional
Organização política
Nas esferas federativas,
estaduais e municipais
Estado e Sociedade
REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO
Fundamentos do Estado Nacional Brasileiro
“o nacionalismo devia ser buscado
baseado nas tradições, no seu
componente básico e em boas
qualidades, ou seja, no catolicismo”
Intelectuais Católicos
Intelectuais Integralistas
Fonte dos dados: AGUIAR, p. 68.
“movimento integralista, o único
realmente revolucionário, reorganizar a
sociedade brasileira, integrando-os num
único Brasil solidário e cristão”
Intelectuais Integralistas
“um país só possui integridade e união
quando cobre a sua terra, e envolve os
seus habitantes, um forte tecido de
relações”
Intelectuais Nacionalistas
GOVERNO PROVISÓRIO
Durante o Governo Provisório (GP)
ocorreram diversas discrepâncias
entre os estados da União, como a
duração do GP, e a linha de ação
adotada por esse.
Getúlio Vargas e seus ministros
GOVERNO PROVISÓRIO
• Centralização do poder nas mãos do estado;
• Criação do Ministério da Educação e Saúde;
• Criação do Ministério do Trabalho Indústria e Comércio;
• Destituição dos Presidentes de Estado;
• Estímulo à Industria.
GOVERNO PROVISÓRIO
Apesar de estar promovendo mudanças positivas ao
crescimento do Brasil, nem todos aprovavam o governo
de Vargas.
Em 1932 explode a Revolta Constitucionalista, movimento que três meses
depois havia sido derrotado pelas tropas federais
CONSEQUÊNCIAS
Após a revolução os resultados não
foram alcançados de forma
imediata.
Esses resultados só entraram em
vigor com a aprovação da
Constituição de 1934, que também
sofreu influência da forte pressão
social provocada pela Revolução
Constitucionalista de 1932.
Contudo, já em 1930 a estrutura do
Estado brasileiro ajustava-se às
necessidades econômicas e sociais
do país.
CONSEQUÊNCIAS
A constituição de 1934 não agradou Getúlio Vargas. Devido à
isso, três anos e meio depois, foi decretada uma nova
constituição: a constituição de 1937. Em um discurso realizado
em 11 de novembro de 1940, Getúlio explicou sua posição em
relação à Constituição de 1934:
“Uma constitucionalização apressada, fora de tempo, apresentada como panaceia
de todos os males, traduziu-se numa organização política feita ao sabor de
influências pessoais e partidarismo faccioso, divorciada das realidades existentes.
Repetia os erros da Constituição de 1891 e agravava-os com dispositivos de pura
invenção jurídica, alguns retrógrados e outros acenando a ideologias exóticas. Os
acontecimentos incumbiram-se de atestar-lhe a precoce inadaptação!”
Getúlio Vargas
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Devido à Revolução de 30, foi
possível à Vargas assumir o
governo provisório do país.
Durante esse período, efetivou
diversas mudanças no país, com
uma ampla reestruturação do
Estado.
O pensamento conservador de
Getúlio Vargas, e de seus
seguidores, foi consolidado na
constituição de 1937, também
chamada de constituição Polaca.
Que é o marco do nascimento do
Estado Novo
REFERÊNCIAS
• AGUIAR, Kátia Maria. A posição política de Getúlio
Vargas frente às classes produtoras e trabalhadoras
mineiras na década de 1930. Revista História em Curso,
Belo Horizonte, v.2, n. 2, 1º sem. 2012.
• FAUSTO, Boris. A História do Brasil. Universidade de São
Paulo. São Paulo: EDUSP, 1995. 2ª ed.
• FERREIRA, Marieta de Moraes; PINTO, Surama Conde Sá.
A Crise dos anos 20 e a Revolução de Trinta. Rio de
Janeiro: CPDOC, 2006. 26f.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Segundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - CrisesSegundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - Crises
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
República Velha (Oligárquica)
República Velha (Oligárquica)República Velha (Oligárquica)
República Velha (Oligárquica)
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
Brasil república 9º ano
Brasil república 9º anoBrasil república 9º ano
Brasil república 9º ano
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 
República da espada
República da espadaRepública da espada
República da espada
 

Destaque

República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1Valéria Shoujofan
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Valéria Shoujofan
 
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo ConstitucionalEra vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo ConstitucionalValéria Shoujofan
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargasalanac
 
4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesa4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesavaldeck1
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 

Destaque (13)

a era vargas (1930-1945)
a era vargas  (1930-1945) a era vargas  (1930-1945)
a era vargas (1930-1945)
 
Revolução de 30
Revolução de 30Revolução de 30
Revolução de 30
 
Revolução de 30
Revolução de 30Revolução de 30
Revolução de 30
 
República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1
 
Guerra do Vietnã
Guerra do VietnãGuerra do Vietnã
Guerra do Vietnã
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
 
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo ConstitucionalEra vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesa4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesa
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 

Semelhante a A revolução de 30 no Brasil

Semelhante a A revolução de 30 no Brasil (20)

9º-ANO-HIST-II.pdf
9º-ANO-HIST-II.pdf9º-ANO-HIST-II.pdf
9º-ANO-HIST-II.pdf
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo DilmaRoteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
 
Brasil dos anos 1930 – 1945.ppt
Brasil dos anos 1930 – 1945.pptBrasil dos anos 1930 – 1945.ppt
Brasil dos anos 1930 – 1945.ppt
 
Questoeshist
QuestoeshistQuestoeshist
Questoeshist
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito
 
Brasil-modernizacaoe conflito
Brasil-modernizacaoe conflitoBrasil-modernizacaoe conflito
Brasil-modernizacaoe conflito
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
Era Vargas
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.
 
Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)
 
www.aulaparticularonline.net.br - História – Era Vargas
www.aulaparticularonline.net.br - História – Era Vargaswww.aulaparticularonline.net.br - História – Era Vargas
www.aulaparticularonline.net.br - História – Era Vargas
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - História – Era Vargas
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - História – Era Vargaswww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - História – Era Vargas
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - História – Era Vargas
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História – Era Vargas
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História – Era Vargaswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História – Era Vargas
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História – Era Vargas
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
A revolução de 1930 2016
A revolução de 1930   2016A revolução de 1930   2016
A revolução de 1930 2016
 
A revolução de 1930
A revolução de 1930A revolução de 1930
A revolução de 1930
 

Mais de Victor Said

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Victor Said
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhasVictor Said
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaVictor Said
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoVictor Said
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaçoVictor Said
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOVictor Said
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaVictor Said
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometriaVictor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosVictor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosVictor Said
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresVictor Said
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaVictor Said
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos Victor Said
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosVictor Said
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóVictor Said
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasVictor Said
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorVictor Said
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de BhopalVictor Said
 
Relatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosRelatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosVictor Said
 

Mais de Victor Said (20)

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de Areia
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaço
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometria
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricos
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionador
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
 
Relatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosRelatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores Elétricos
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 

A revolução de 30 no Brasil

  • 1. G O L P E D E 1 9 3 0 A REVOLUÇÃO DE 30 Salvador 2014
  • 2. APRESENTAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Departamento Acadêmico de Automação e Sistemas Coordenação de Automação Industrial  Discentes: o Jason Levy Reis; o Mateus Barbosa; o Perácio Contreiras o Victor Said; o Victória Cabral.  Docente: Ana Paula;  Disciplina: História III;  Tema: A Revolução de 30;  Turma: 5832 – Unidade II;  Curso: Automação Industrial. Salvador 2014
  • 3. A revolução de 30 ocorre em consequência de diversos fatores enfrentados pela Antiga República, dentre eles encontra-se o descontentamento dos militares e a politica do Café-com-Leite. OBJETIVOS E METODOLOGIA Este trabalho tem por objetivo realizar uma análise crítica e descritiva a respeito da influência e contexto histórico da “revolução de 30”. A metodologia empregada foi a revisão bibliográfica, que fundamentou-se por meio da utilização de artigos, livros e websites. INTRODUÇÃO
  • 4. CONTEXTO HISTÓRICO • Semana de Arte Moderna; • Partido Comunista Brasileiro; • Crise de 1929; • Insatisfação da Classe Operária; • Reação à República; • Revolta Tenentista;
  • 5. O GOLPE DE 1930 • A política de valorização do café estava deixando insatisfeitas as oligarquias que produziam outros gêneros. • O fato de o café ter uma atenção muito grande passou a ser questionado. • O surgimento de rivalidades entre as oligarquias contribuiu para a formação do Partido Democrático de São Paulo.
  • 6. O GOLPE DE 1930 • A eleição de 1930 é marcada pelo rompimento da política do Café-com- Leite por parte de São Paulo. • Diante disso, os mineiros montam a Aliança Liberal e criam outra chapa. 1926 – 1930 – 1934 Washington Luiz Paulista Júlio Prestes Paulista
  • 7. O GOLPE DE 1930 • A chapa de Júlio Prestes vence as eleições. • Oposição fica inconformada e prepara levante militar. • Morte de João Pessoa. • Golpe de 1930.
  • 8. REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO “Assim como não veio substituir homens a revolução não veio também substituir partidos. O seu programa é substituir princípios e normas para evitar o regresso à política dos antigos donos da República dos senhores absolutos do regime.” (ARANHA, 1931 apud FERREIRA, 2006)
  • 9. REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO • 1 de novembro de 1930; • Ocupação da presidência por Getúlio Vargas, como chefe provisório; • Rompimento definitivo da política “café-com-leite”; • Reorganização do Estado: • Fortalecimento do poder central; • Fim das oligarquias estaduais, com a exceção do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro; • Mudança na forma de atuação das elites regionais.
  • 10. REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO Mudanças econômicas Consolidação do modelo industrial-urbano; Deterioração do modelo agrário-exportador Mudanças políticas Novo papel para a classe média e burguesia Adaptação à nova dependência ao poder central Reestruturação do Estado Nacional Brasileiro Projetos políticos Influência das elites Atuação nacional Organização política Nas esferas federativas, estaduais e municipais Estado e Sociedade
  • 11. REESTRUTURAÇÃO DO ESTADO Fundamentos do Estado Nacional Brasileiro “o nacionalismo devia ser buscado baseado nas tradições, no seu componente básico e em boas qualidades, ou seja, no catolicismo” Intelectuais Católicos Intelectuais Integralistas Fonte dos dados: AGUIAR, p. 68. “movimento integralista, o único realmente revolucionário, reorganizar a sociedade brasileira, integrando-os num único Brasil solidário e cristão” Intelectuais Integralistas “um país só possui integridade e união quando cobre a sua terra, e envolve os seus habitantes, um forte tecido de relações” Intelectuais Nacionalistas
  • 12. GOVERNO PROVISÓRIO Durante o Governo Provisório (GP) ocorreram diversas discrepâncias entre os estados da União, como a duração do GP, e a linha de ação adotada por esse. Getúlio Vargas e seus ministros
  • 13. GOVERNO PROVISÓRIO • Centralização do poder nas mãos do estado; • Criação do Ministério da Educação e Saúde; • Criação do Ministério do Trabalho Indústria e Comércio; • Destituição dos Presidentes de Estado; • Estímulo à Industria.
  • 14. GOVERNO PROVISÓRIO Apesar de estar promovendo mudanças positivas ao crescimento do Brasil, nem todos aprovavam o governo de Vargas. Em 1932 explode a Revolta Constitucionalista, movimento que três meses depois havia sido derrotado pelas tropas federais
  • 15. CONSEQUÊNCIAS Após a revolução os resultados não foram alcançados de forma imediata. Esses resultados só entraram em vigor com a aprovação da Constituição de 1934, que também sofreu influência da forte pressão social provocada pela Revolução Constitucionalista de 1932. Contudo, já em 1930 a estrutura do Estado brasileiro ajustava-se às necessidades econômicas e sociais do país.
  • 16. CONSEQUÊNCIAS A constituição de 1934 não agradou Getúlio Vargas. Devido à isso, três anos e meio depois, foi decretada uma nova constituição: a constituição de 1937. Em um discurso realizado em 11 de novembro de 1940, Getúlio explicou sua posição em relação à Constituição de 1934: “Uma constitucionalização apressada, fora de tempo, apresentada como panaceia de todos os males, traduziu-se numa organização política feita ao sabor de influências pessoais e partidarismo faccioso, divorciada das realidades existentes. Repetia os erros da Constituição de 1891 e agravava-os com dispositivos de pura invenção jurídica, alguns retrógrados e outros acenando a ideologias exóticas. Os acontecimentos incumbiram-se de atestar-lhe a precoce inadaptação!” Getúlio Vargas
  • 17. CONSIDERAÇÕES FINAIS Devido à Revolução de 30, foi possível à Vargas assumir o governo provisório do país. Durante esse período, efetivou diversas mudanças no país, com uma ampla reestruturação do Estado. O pensamento conservador de Getúlio Vargas, e de seus seguidores, foi consolidado na constituição de 1937, também chamada de constituição Polaca. Que é o marco do nascimento do Estado Novo
  • 18. REFERÊNCIAS • AGUIAR, Kátia Maria. A posição política de Getúlio Vargas frente às classes produtoras e trabalhadoras mineiras na década de 1930. Revista História em Curso, Belo Horizonte, v.2, n. 2, 1º sem. 2012. • FAUSTO, Boris. A História do Brasil. Universidade de São Paulo. São Paulo: EDUSP, 1995. 2ª ed. • FERREIRA, Marieta de Moraes; PINTO, Surama Conde Sá. A Crise dos anos 20 e a Revolução de Trinta. Rio de Janeiro: CPDOC, 2006. 26f.