SlideShare uma empresa Scribd logo

Relatório calibragem de posicionador

Entre os elementos finais de controle, o mais utilizado é a válvula de controle. O funcionamento desse tipo de válvula consiste na abertura ou restrição da passagem por onde escoa o fluido de processo, em resposta à um comando recebido em forma de um sinal padrão pré-definido, o qual pode ser elétrico, hidráulico ou pneumático. Após certo tempo em operação, esses equipamentos começam a apresentar falhas na sua operação, como o aumento na quantidade de vazamentos. Esse erro é decorrente do desgaste natural, que ocorre nas partes internas (TRIM) das válvulas de controle. Acarretando, assim, falhas na resposta do equipamento, comprometendo a confiabilidade de seu funcionamento. Para evitar que os desgastes da válvula comprometam o processo em que ela está operando, duas medidas se tornam necessárias: a manutenção, que consiste na troca e no reparo das peças que apresentam problema; e a calibração, que consiste no ajuste dos parâmetros de operação, tornando a ação da válvula proporcional ao sinal padrão emitido pelo controlador, melhorando, assim, seus resultados.

1 de 13
Baixar para ler offline
DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS
COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
GREGORY ASSIS
JASON LEVY
MATEUS BARBOSA
PERÁCIO CONTREIRAS
VICTOR SAID
VICTÓRIA CABRAL
RELATÓRIO DE PRÁTICA:
CALIBRAGEM DE POSICIONADOR DE VÁLVULA DE CONTROLE
Salvador
2014
GREGORY ASSIS
JASON LEVY
MATEUS BARBOSA
PERÁCIO CONTREIRAS
VICTOR SAID
VICTÓRIA CABRAL
RELATÓRIO DE PRÁTICA:
CALIBRAGEM DE POSICIONADOR DE VÁLVULA DE CONTROLE
Relatório de prática, solicitado pelo professor José
Lamartine, como requisito de avaliação parcial da II
Unidade, da disciplina Controle de Variáveis
Industriais, no Instituto Federal Bahia – IFBA,
Câmpus Salvador.
Salvador
2014
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO......................................................................................................................3
2 O POSICIONADOR UtilizadO...........................................................................................4
3 FUNCIONAMENTO DO POSICIONADOR ......................................................................5
4 PROCEDIMENTO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR ......................................7
4.1 PROCEDIMENTO DE VERIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DA VÁLVULA...............7
4.2 PROCEDIMENTO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR....................................7
5 COMPARAÇÃO ENTRE A PRÁTICA E O ROTEIRO................................................ 10
6 ERROS NO PROCESSO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR ...................... 11
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................ 12
REFERÊNCIAS..................................................................................................................... 12
3
1 INTRODUÇÃO
Entre os elementos finais de controle, o mais utilizado é a válvula de controle.
O funcionamento desse tipo de válvula consiste na abertura ou restrição da passagem
por onde escoa o fluido de processo, em resposta à um comando recebido em forma
de um sinal padrão pré-definido, o qual pode ser elétrico, hidráulico ou pneumático.
Após certo tempo em operação, esses equipamentos começam a apresentar
falhas na sua operação, como o aumento na quantidade de vazamentos. Esse erro é
decorrente do desgaste natural, que ocorre nas partes internas (TRIM) das válvulas
de controle. Acarretando, assim, falhas na resposta do equipamento, comprometendo
a confiabilidade de seu funcionamento.
Para evitar que os desgastes da válvula comprometam o processo em que ela
está operando, duas medidas se tornam necessárias: a manutenção, que consiste na
troca e no reparo das peças que apresentam problema; e a calibração, que consiste
no ajuste dos parâmetros de operação, tornando a ação da válvula proporcional ao
sinal padrão emitido pelo controlador, melhorando, assim, seus resultados.
Este trabalho tem por objetivo realizar a apresentação dos resultados de uma
prática de calibração de uma válvula de controle tipo deslocamento linear,
demonstrando possíveis falhas e seus respectivos métodos de reparo. A fim de
fundamentar a elaboração deste relatório, as metodologias empregadas foram: a
revisão bibliográfica, a qual foi realizada utilizando livros, websites, apostilas virtuais;
e a prática de calibração da válvula, somada à prática de montagem e desmontagem
realizada anteriormente.
4
2 O POSICIONADOR UTILIZADO
Os posicionadores são instrumentos de grande importância para a obtenção de
um controle mais preciso de variáveis industriais. Eles são responsáveis por garantir
um correto posicionamento da haste de uma válvula de controle a partir do sinal
proveniente do controlador. Para isso, o instrumento identifica a real posição da haste
e “calcula” a pressão de ar que deve ser mandada para o atuador da válvula para que
a haste chegue a uma posição desejada, indicada pelo controlador.
O posicionador calibrado durante a atividade prática é um instrumento do
fabricante Moore Products Co., o seu modelo é o 72P315 e o número serial é: 10810-
21P1S2. Esse posicionador, ilustrado na figura 1, é do tipo pneumático. O sinal do
controlador em forma de pressão atua sobre um conjunto fole-mola, de modo que um
aumento desse sinal promove uma contração nesse conjunto.
Figura 1- Posicionador Utilizado.
Fonte: BARBOSA, 2014.
O movimento no conjunto fole mola é transmitido para uma palheta que se
reequilibra com outra palheta, que é responsável por transmitir mecanicamente a
posição da haste. Essa última palheta está conectada ao link mecânico, responsável
por “sentir” a posição real da haste. Esse “sensor” mecânico é representado pelo
circulo azul na figura 1. Após o reequilíbrio a primeira palheta permite a passagem de
ar para o atuador da válvula. Esse tipo de posicionador não apresenta nenhum tipo
de entrada elétrica, funcionando apenas com base em componentes mecânicos. Está
é a forma com que funcionam os posicionadores pneumáticos.
Esse posicionador foi programado para operar em sistemas do tipo Split Range
e por isso, a válvula deve estar totalmente aberta com 3psi e deve estar totalmente
fechada com 9psi sendo aplicado no posicionador e não com 15psi. Dessa forma, o
posicionador foi calibrado para respeitar essa condição.
5
3 FUNCIONAMENTO DO POSICIONADOR
O Posicionador é um dispositivo acessório de válvula e, sendo assim, tem como
objetivo facilitar e otimizar o desempenho da mesma. Este dispositivo regula a pressão
de carga, de acordo com a diferença entre o valor determinado pelo sinal de controle
e a posição da haste, de modo que corrija o posicionamento da haste da válvula.
Existem três tipos de posicionadores: Pneumático, Elétrico e Hidráulico. Como já foi
dito, o posicionador utilizado na prática foi o posicionador do tipo pneumático.
O funcionamento do posicionador pneumático, vide o esquema na Figura 2 ao
lado, consiste em um processo de Retroalimentação. Salienta-se que,
retroalimentação, ou feedback, é o procedimento no qual parte do sinal de saída de
um sistema é transferida para a entrada deste mesmo sistema, com o objetivo de
regular a saída do sistema.
Neste tipo de posicionador, o sinal de saída de um controlador atua sobre um
fole, fazendo com que o mesmo se expanda ou se retraia, movimentando, assim, a
palheta que provocará a obstrução ou abertura do bocal.
Figura 2 - Esquema do Princípio de Funcionamento do Posicionador Pneumático.
Fonte: BELTRAME, 2013.
Quando a palheta se aproxima do bico do bocal, a pressão aumenta no interior
do mesmo, que, consequentemente, desloca o diafragma do relé, abrindo a válvula
interna de alimentação (suprimento de ar). Assim, o conjunto diafragma e obturador
do atuador é movimentado para baixo (no caso válvula de ação ar para fechar),
vencendo a força de oposição da mola.

Recomendados

Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasVictor Said
 
Apostila valvulas
Apostila valvulasApostila valvulas
Apostila valvulasSamuel R
 
MALHA ABERTA E MALHA FECHADA
MALHA ABERTA E MALHA FECHADAMALHA ABERTA E MALHA FECHADA
MALHA ABERTA E MALHA FECHADARafael Costa
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Cleanto Santos Vieira
 
Eletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica iEletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica iCesar Loureiro
 
Mecânica - Lubrificação 02
Mecânica - Lubrificação 02Mecânica - Lubrificação 02
Mecânica - Lubrificação 02Jean Brito
 
Eletropneumatica
EletropneumaticaEletropneumatica
EletropneumaticaElvis Bruno
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdf
Cuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdfCuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdf
Cuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdfAlan Ramos
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimentoJohnny Martins
 
Mecânica - Alinhamento
Mecânica - AlinhamentoMecânica - Alinhamento
Mecânica - AlinhamentoJean Brito
 
Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosAnderson Pontes
 
válvulas de instrumentação
válvulas de instrumentaçãoválvulas de instrumentação
válvulas de instrumentaçãoRafael Bruno
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaJaqueline Mancini
 
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.Claudio Arkan
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaSuporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaLuis Caetano
 
Simulação Pedagógica Inicial - REIKI
Simulação Pedagógica Inicial - REIKISimulação Pedagógica Inicial - REIKI
Simulação Pedagógica Inicial - REIKISusana Santos
 
Aula 17 – fundamentos físicos da hidráulica
Aula 17 – fundamentos físicos da hidráulicaAula 17 – fundamentos físicos da hidráulica
Aula 17 – fundamentos físicos da hidráulicaHans Haddler
 
Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal Canal Maktub
 
Aula 12 atuadores e elementos finais
Aula 12   atuadores e elementos finaisAula 12   atuadores e elementos finais
Aula 12 atuadores e elementos finaisJoao Pedro Turibio
 
Reflexogia podal podologia
Reflexogia podal    podologiaReflexogia podal    podologia
Reflexogia podal podologiaStephan Mazzaro
 

Mais procurados (20)

Cuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdf
Cuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdfCuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdf
Cuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito.pdf
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Mecânica - Alinhamento
Mecânica - AlinhamentoMecânica - Alinhamento
Mecânica - Alinhamento
 
Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
 
válvulas de instrumentação
válvulas de instrumentaçãoválvulas de instrumentação
válvulas de instrumentação
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
 
Aula 02 controle malha aberta e fechada
Aula 02   controle malha aberta e fechadaAula 02   controle malha aberta e fechada
Aula 02 controle malha aberta e fechada
 
Aplicacao eletropneumatica
Aplicacao eletropneumaticaAplicacao eletropneumatica
Aplicacao eletropneumatica
 
Alinhamento
AlinhamentoAlinhamento
Alinhamento
 
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaSuporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
 
Simulação Pedagógica Inicial - REIKI
Simulação Pedagógica Inicial - REIKISimulação Pedagógica Inicial - REIKI
Simulação Pedagógica Inicial - REIKI
 
Aula 17 – fundamentos físicos da hidráulica
Aula 17 – fundamentos físicos da hidráulicaAula 17 – fundamentos físicos da hidráulica
Aula 17 – fundamentos físicos da hidráulica
 
Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal
 
Cotovelo
CotoveloCotovelo
Cotovelo
 
Aula 12 atuadores e elementos finais
Aula 12   atuadores e elementos finaisAula 12   atuadores e elementos finais
Aula 12 atuadores e elementos finais
 
Reflexogia podal podologia
Reflexogia podal    podologiaReflexogia podal    podologia
Reflexogia podal podologia
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Aula 32 engrenagens i
Aula 32   engrenagens iAula 32   engrenagens i
Aula 32 engrenagens i
 
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e Administração
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e AdministraçãoUso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e Administração
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e Administração
 

Semelhante a Relatório calibragem de posicionador

Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptxAula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptxJooVitorSantosSilva5
 
Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...
Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...
Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...Edinaldo Guimaraes
 
16955622 teoria-de-controle-pid
16955622 teoria-de-controle-pid16955622 teoria-de-controle-pid
16955622 teoria-de-controle-pidTamiris Sousa
 
Manometro de bourdon final
Manometro de bourdon finalManometro de bourdon final
Manometro de bourdon finalMarley Rosa
 
Governadores de turbinas a vapor
Governadores de turbinas a vaporGovernadores de turbinas a vapor
Governadores de turbinas a vaporVictor Said
 
Valvulas de controle
Valvulas de controleValvulas de controle
Valvulas de controleestados4464
 
Trabalho De IrrigaçãO Pivot Central 03 3 A
Trabalho De IrrigaçãO Pivot Central  03 3 ATrabalho De IrrigaçãO Pivot Central  03 3 A
Trabalho De IrrigaçãO Pivot Central 03 3 AIF Baiano - Campus Catu
 
Apostila tecnicas de medição de nivel
Apostila   tecnicas de medição de nivelApostila   tecnicas de medição de nivel
Apostila tecnicas de medição de nivelJardel Sousa
 
Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...
Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...
Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...Edú Santana
 
Instrumentação ( Elementos Finais de Controle Senai - CST )
Instrumentação ( Elementos Finais de Controle  Senai - CST )Instrumentação ( Elementos Finais de Controle  Senai - CST )
Instrumentação ( Elementos Finais de Controle Senai - CST )Ricardo Akerman
 
Mecânica - Elementos de Controle de Válvula
Mecânica - Elementos de Controle de VálvulaMecânica - Elementos de Controle de Válvula
Mecânica - Elementos de Controle de VálvulaJean Brito
 

Semelhante a Relatório calibragem de posicionador (20)

Válvulas - Seminário.pptx
Válvulas - Seminário.pptxVálvulas - Seminário.pptx
Válvulas - Seminário.pptx
 
COTEQ176.PDF
COTEQ176.PDFCOTEQ176.PDF
COTEQ176.PDF
 
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptxAula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
Aula Valvulas e Atuadores Pneumáticos .pptx
 
Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...
Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...
Solução de controle de válvulas proporcionais usando sinal pwm caso do regula...
 
16955622 teoria-de-controle-pid
16955622 teoria-de-controle-pid16955622 teoria-de-controle-pid
16955622 teoria-de-controle-pid
 
Apostila instrumentacao
Apostila instrumentacaoApostila instrumentacao
Apostila instrumentacao
 
Valvcont.pptx
Valvcont.pptxValvcont.pptx
Valvcont.pptx
 
Valvulas
ValvulasValvulas
Valvulas
 
Manometro de bourdon final
Manometro de bourdon finalManometro de bourdon final
Manometro de bourdon final
 
Governadores de turbinas a vapor
Governadores de turbinas a vaporGovernadores de turbinas a vapor
Governadores de turbinas a vapor
 
Valvulas de controle
Valvulas de controleValvulas de controle
Valvulas de controle
 
07 ms l200 chassi 15
07 ms l200 chassi 1507 ms l200 chassi 15
07 ms l200 chassi 15
 
Trabalho De IrrigaçãO Pivot Central 03 3 A
Trabalho De IrrigaçãO Pivot Central  03 3 ATrabalho De IrrigaçãO Pivot Central  03 3 A
Trabalho De IrrigaçãO Pivot Central 03 3 A
 
Elementos Finais de Controle
Elementos Finais de ControleElementos Finais de Controle
Elementos Finais de Controle
 
Apostila tecnicas de medição de nivel
Apostila   tecnicas de medição de nivelApostila   tecnicas de medição de nivel
Apostila tecnicas de medição de nivel
 
Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...
Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...
Um novo modelo de compressor de parafuso para a simulação do sistema de refri...
 
Instrumentação ( Elementos Finais de Controle Senai - CST )
Instrumentação ( Elementos Finais de Controle  Senai - CST )Instrumentação ( Elementos Finais de Controle  Senai - CST )
Instrumentação ( Elementos Finais de Controle Senai - CST )
 
Apostila valvulas
Apostila valvulasApostila valvulas
Apostila valvulas
 
Mecânica - Elementos de Controle de Válvula
Mecânica - Elementos de Controle de VálvulaMecânica - Elementos de Controle de Válvula
Mecânica - Elementos de Controle de Válvula
 
Apostila valvulas
Apostila valvulasApostila valvulas
Apostila valvulas
 

Mais de Victor Said

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Victor Said
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhasVictor Said
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaVictor Said
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoVictor Said
 
A revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilA revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilVictor Said
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaçoVictor Said
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOVictor Said
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaVictor Said
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometriaVictor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosVictor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosVictor Said
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresVictor Said
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaVictor Said
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos Victor Said
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosVictor Said
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóVictor Said
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de BhopalVictor Said
 
Relatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosRelatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosVictor Said
 
Relatório governadores de turbinas a vapor
Relatório governadores de turbinas a vaporRelatório governadores de turbinas a vapor
Relatório governadores de turbinas a vaporVictor Said
 

Mais de Victor Said (20)

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de Areia
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilA revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no Brasil
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaço
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometria
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricos
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
 
Relatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosRelatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores Elétricos
 
Relatório governadores de turbinas a vapor
Relatório governadores de turbinas a vaporRelatório governadores de turbinas a vapor
Relatório governadores de turbinas a vapor
 

Último

Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACsandracesteves71
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfPedroRocha294899
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docxdaimonkonicz35
 
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...homeyab951
 
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...homeyab951
 
Ultrasound Timeline developed by students
Ultrasound Timeline developed by studentsUltrasound Timeline developed by students
Ultrasound Timeline developed by studentsWilliamEmmertGonalve
 
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...DL assessoria 29
 
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...homeyab951
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...dl assessoria9
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...daimonkonicz35
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...daimonkonicz35
 
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...homeyab951
 

Último (13)

Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
 
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
 
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
 
Ultrasound Timeline developed by students
Ultrasound Timeline developed by studentsUltrasound Timeline developed by students
Ultrasound Timeline developed by students
 
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
 
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
 
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
 

Relatório calibragem de posicionador

  • 1. DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL GREGORY ASSIS JASON LEVY MATEUS BARBOSA PERÁCIO CONTREIRAS VICTOR SAID VICTÓRIA CABRAL RELATÓRIO DE PRÁTICA: CALIBRAGEM DE POSICIONADOR DE VÁLVULA DE CONTROLE Salvador 2014
  • 2. GREGORY ASSIS JASON LEVY MATEUS BARBOSA PERÁCIO CONTREIRAS VICTOR SAID VICTÓRIA CABRAL RELATÓRIO DE PRÁTICA: CALIBRAGEM DE POSICIONADOR DE VÁLVULA DE CONTROLE Relatório de prática, solicitado pelo professor José Lamartine, como requisito de avaliação parcial da II Unidade, da disciplina Controle de Variáveis Industriais, no Instituto Federal Bahia – IFBA, Câmpus Salvador. Salvador 2014
  • 3. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO......................................................................................................................3 2 O POSICIONADOR UtilizadO...........................................................................................4 3 FUNCIONAMENTO DO POSICIONADOR ......................................................................5 4 PROCEDIMENTO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR ......................................7 4.1 PROCEDIMENTO DE VERIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DA VÁLVULA...............7 4.2 PROCEDIMENTO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR....................................7 5 COMPARAÇÃO ENTRE A PRÁTICA E O ROTEIRO................................................ 10 6 ERROS NO PROCESSO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR ...................... 11 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................ 12 REFERÊNCIAS..................................................................................................................... 12
  • 4. 3 1 INTRODUÇÃO Entre os elementos finais de controle, o mais utilizado é a válvula de controle. O funcionamento desse tipo de válvula consiste na abertura ou restrição da passagem por onde escoa o fluido de processo, em resposta à um comando recebido em forma de um sinal padrão pré-definido, o qual pode ser elétrico, hidráulico ou pneumático. Após certo tempo em operação, esses equipamentos começam a apresentar falhas na sua operação, como o aumento na quantidade de vazamentos. Esse erro é decorrente do desgaste natural, que ocorre nas partes internas (TRIM) das válvulas de controle. Acarretando, assim, falhas na resposta do equipamento, comprometendo a confiabilidade de seu funcionamento. Para evitar que os desgastes da válvula comprometam o processo em que ela está operando, duas medidas se tornam necessárias: a manutenção, que consiste na troca e no reparo das peças que apresentam problema; e a calibração, que consiste no ajuste dos parâmetros de operação, tornando a ação da válvula proporcional ao sinal padrão emitido pelo controlador, melhorando, assim, seus resultados. Este trabalho tem por objetivo realizar a apresentação dos resultados de uma prática de calibração de uma válvula de controle tipo deslocamento linear, demonstrando possíveis falhas e seus respectivos métodos de reparo. A fim de fundamentar a elaboração deste relatório, as metodologias empregadas foram: a revisão bibliográfica, a qual foi realizada utilizando livros, websites, apostilas virtuais; e a prática de calibração da válvula, somada à prática de montagem e desmontagem realizada anteriormente.
  • 5. 4 2 O POSICIONADOR UTILIZADO Os posicionadores são instrumentos de grande importância para a obtenção de um controle mais preciso de variáveis industriais. Eles são responsáveis por garantir um correto posicionamento da haste de uma válvula de controle a partir do sinal proveniente do controlador. Para isso, o instrumento identifica a real posição da haste e “calcula” a pressão de ar que deve ser mandada para o atuador da válvula para que a haste chegue a uma posição desejada, indicada pelo controlador. O posicionador calibrado durante a atividade prática é um instrumento do fabricante Moore Products Co., o seu modelo é o 72P315 e o número serial é: 10810- 21P1S2. Esse posicionador, ilustrado na figura 1, é do tipo pneumático. O sinal do controlador em forma de pressão atua sobre um conjunto fole-mola, de modo que um aumento desse sinal promove uma contração nesse conjunto. Figura 1- Posicionador Utilizado. Fonte: BARBOSA, 2014. O movimento no conjunto fole mola é transmitido para uma palheta que se reequilibra com outra palheta, que é responsável por transmitir mecanicamente a posição da haste. Essa última palheta está conectada ao link mecânico, responsável por “sentir” a posição real da haste. Esse “sensor” mecânico é representado pelo circulo azul na figura 1. Após o reequilíbrio a primeira palheta permite a passagem de ar para o atuador da válvula. Esse tipo de posicionador não apresenta nenhum tipo de entrada elétrica, funcionando apenas com base em componentes mecânicos. Está é a forma com que funcionam os posicionadores pneumáticos. Esse posicionador foi programado para operar em sistemas do tipo Split Range e por isso, a válvula deve estar totalmente aberta com 3psi e deve estar totalmente fechada com 9psi sendo aplicado no posicionador e não com 15psi. Dessa forma, o posicionador foi calibrado para respeitar essa condição.
  • 6. 5 3 FUNCIONAMENTO DO POSICIONADOR O Posicionador é um dispositivo acessório de válvula e, sendo assim, tem como objetivo facilitar e otimizar o desempenho da mesma. Este dispositivo regula a pressão de carga, de acordo com a diferença entre o valor determinado pelo sinal de controle e a posição da haste, de modo que corrija o posicionamento da haste da válvula. Existem três tipos de posicionadores: Pneumático, Elétrico e Hidráulico. Como já foi dito, o posicionador utilizado na prática foi o posicionador do tipo pneumático. O funcionamento do posicionador pneumático, vide o esquema na Figura 2 ao lado, consiste em um processo de Retroalimentação. Salienta-se que, retroalimentação, ou feedback, é o procedimento no qual parte do sinal de saída de um sistema é transferida para a entrada deste mesmo sistema, com o objetivo de regular a saída do sistema. Neste tipo de posicionador, o sinal de saída de um controlador atua sobre um fole, fazendo com que o mesmo se expanda ou se retraia, movimentando, assim, a palheta que provocará a obstrução ou abertura do bocal. Figura 2 - Esquema do Princípio de Funcionamento do Posicionador Pneumático. Fonte: BELTRAME, 2013. Quando a palheta se aproxima do bico do bocal, a pressão aumenta no interior do mesmo, que, consequentemente, desloca o diafragma do relé, abrindo a válvula interna de alimentação (suprimento de ar). Assim, o conjunto diafragma e obturador do atuador é movimentado para baixo (no caso válvula de ação ar para fechar), vencendo a força de oposição da mola.
  • 7. 6 O posicionamento da haste é verificado com o “excêntrico”, que transmite o movimento da haste da válvula para a palheta, afastando-a do bocal. Quando a força do diafragma do relé for igual a força do diafragma do atuador, a pressão diminui e a válvula de alimentação do conjunto do relé fecha para evitar qualquer aumento posterior na pressão de saída. Deste modo, o posicionador estará outra vez em equilíbrio e com a posição da haste corrigida. Caso o sinal de controle (pressão) diminua, ocorre o mesmo processo, porém de forma inversa. Com o posicionador, a força, gerada pelo atrito no processo, é compensada e o tempo de resposta da válvula é reduzido, uma vez que o mesmo elimina a histerese e banda morta da válvula, garantindo a movimentação linear da haste da válvula, o que ocorre em função da sua atuação direta sobre a haste. Segundo Ribeiro (1999), para as malhas em que a utilização de posicionadores não é indicada, como as malhas de pressão e vazão, deve-se utilizar um Booster, o qual melhora o tempo de resposta, aumenta o volume de ar do sinal pneumático, sem causar instabilidade ao sistema.
  • 8. 7 4 PROCEDIMENTO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR 4.1 PROCEDIMENTO DE VERIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DA VÁLVULA Assim como na prática anterior, para o procedimento de calibragem do posicionador, fez-se necessário verificar se a válvula, na qual ele estava instalado, encontrava-se em condições de uso. Realizou-se a verificação, constatando-se que a válvula estava devidamente calibrada e sem erros de manutenção. A válvula referida apresenta-se na figura 1. Figura 3 – Válvula de Controle e Posicionador Fonte: SAID, 2014. 4.2 PROCEDIMENTO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR Verificada as boas condições de operação da válvula, selecionou-se os utensílios necessários durante o procedimento de calibração. Foram utilizados:  Válvula de controle do tipo deslocamento linear;  Posicionador, instalado na válvula, cujo modelo é Z2P315, da empresa Moore Products Co.;  Mala Wallace, que possuía um manômetro padrão e válvula reguladora de pressão;  Tubos de vinil;  Chave de fenda.
  • 9. 8 O procedimento de calibragem adotado pela equipe, diferente da prática anterior, não baseou-se em um roteiro. O funcionamento do posicionador distingue- se em diversos aspectos do roteiro utilizado, de modo que – devido a inacessibilidade do roteiro padrão de calibragem do instrumento – fez-se necessário descobrir qual o método correto de calibração no momento da prática. Com consequente elaboração de roteiro próprio sobre o tema. Inicialmente buscou-se compreender o princípio de funcionamento do posicionador, para isso fez-se uma análise dos componentes mecânicos do mesmo, ilustrados na figura 2. Observou-se que, com a entrada do suprimento de ar, na parte inferior, ocorre a retração da mola, com consequente propagação por movimento alternativo para a as paletas – nomenclatura adotada pelo grupo. Observa-se que há duas: a frontal, com a indicação em vermelho, e traseira. Figura 4 – Composição Mecânica Do Posicionador Fonte: SAID, 2014. Cada uma dessas paletas possui uma função no sistema, mas especificamente a paleta traseira transmite o movimento diretamente para o link mecânico, que irá atuar na haste da válvula. Seguindo essa linha de análise, o grupo verificou que na área da mola havia contínuo vazamento de ar comprimido. Esse vazamento era originário de duas engrenagens reguláveis, que dispunha-se nela mola. Feita análise sobre o princípio de funcionamento do posicionador, e concluído a forma como esse funciona, por mais que minimamente, buscou-se compreender os tipos de erro do posicionador. Para isso, alimentou-o com ar pressurizado, na faixa de operação do mesmo, 3 a 9 PSI. Nesse caso, é importante salientar que essa válvula atua em série junto à uma segunda, em um sistema denominado split range. Esse sistema consiste em um
  • 10. 9 conjunto de válvulas em série, em que cada uma das válvulas, atua em uma faixa de operação diferente da padrão (3 a 15 PSI). A válvula em questão foi configurada, através de seu posicionador, para que iniciasse o movimento em 3 PSI e concluísse- o em 9 PSI, ilustrado na figura 2. Figura 5 – (a) Posicionador Com 3 PSI; (b) Posicionador Com 9 PSI (a) (b) Fonte: SAID, 2014. Identificou-se que: o posicionador possuía erro de zero negativo, tendo em vista que o movimento iniciava-se em 1,5 PSI; e erro de multiplicação positivo, pois o movimento cessava por volta de 12 PSI. Para identificar esses erros, mediu-se com o auxílio do dedo indicador o movimento na haste, tanto do posicionador, quanto da haste da válvula, quando submetido a pressão inferior à mínima, e superior à máxima. Buscou-se então iniciar o procedimento de calibragem da válvula. Após longo período de teste, onde verificou-se o comportamento do posicionador para cada alteração nas partes mecânica interna, concluiu-se que:  Correção do erro de zero era feita através do ajuste das duplas engrenagens dispostas na parte superior da mola. Em sentido ascendente corrige-se o erro negativo; em sentido descente o contrário.  Correção do erro de multiplicação era feita de acordo com o deslocamento da paleta traseira, por meio de seus parafusos. A indicação em vermelho, no posicionador indica o sentido de correção.
  • 11. 10 5 CONSTRUÇÃO DO ROTEIRO DA PRÁTICA 1. Iniciou-se a calibração do posicionador realizando todas as conexões do mesmo com o suprimento de ar, instalando nas ligações o manômetro padrão e removendo a tampa do posicionador de modo possibilitar a visualização do funcionamento interno dele. 2. Verificar se o posicionador encontra-se ativo. Isso foi possível através da observação do movimento da mola do posicionador, que se contrai e transmite esse movimento ao link superior de equilíbrio de forças, que por sua vez transmite ao atuador da válvula. 3. Após verificar a funcionalidade do posicionador foi realizada a medição do erro de zero e de faixa, para que se pudesse conhecer a natureza do erro. Foi verificado também que não se tratava de um posicionador linear e que o posicionador estava programado para trabalhar em Split range, que é uma técnica na qual a abertura de determinada válvula vai de 0 a 100% somente entre dois pontos, que no caso eram 3 a 9 PSI. 4. Com isso foi iniciado a correção dos erros de zero e spam. O erro de zero pode ser corrigido girando a engrenagem localizada na parte superior da mola em sentido ascendente, enquanto o spam pode ser ajustado folgando e movimentando dentro de um espaço o parafuso do link mecânico. 5. Foi realizada a correção do erro de zero novamente, passando depois ao erro de faixa e retornando novamente ao zero para verificar se o mesmo não havia sido alterado, sendo que a correção desses erros foi feita olhando para a indicação do manômetro padrão. Como corrigir o a faixa alterou o zero, realizamos mais uma vez a correção do zero e assim sucessivamente até chegarmos a um valor aceitável, isto é, o mais próximo possível de 3 PSI no zero e 9 PSI no 100%.
  • 12. 11 6 ERROS NO PROCESSO DE CALIBRAGEM DO POSICIONADOR O posicionador tem por objetivo garantir a precisão do posicionamento da haste/obturador. Sendo assim para a calibragem do mesmo é necessário analisar os valores que são fornecido pelos manômetros. Um dos erros comuns em qualquer processo de medição está relacionado com a precisão dos instrumentos utilizados para a realização de tal procedimento. No caso em questão fez-se uso do manômetro analógico, como já havia dito anteriormente, o qual além de possibilitar erros de medição por conta de sua precisão, pode ocasionar erros de leitura pois demanda que o operador ter um bom senso de leitura, pois ele precisa ter um bom discernimento sobre as casas decimais de medição e o algarismo duvidoso. Outro erro que venha a ser comum está na linha de transmissão de fornecimento de ar para a calibragem da válvula, uma vez que este suprimento pode não fornecer um valor exato. Um erro presente na calibragem realizada em laboratório era a conexão haste/ obturador, em que os mesmos não estavam bem posicionados o que iria favorecer no erro ao inserir determinado ar para verificar quando inicia ou quando se é alcançado o valor máximo. A válvula utilizada com o posicionador era de ação reversa (ar para fechar), ou seja quando aplicado 9 psi o mesmo deveria estar completamente fechado, porem isso não era possível pelo problema identificado pela equipe. Além destes os manômetros que estavam no conjunto do posicionador forneciam valores que se contradiziam, logo para resolver isto foi aplicado manômetros tido como “padrão” para que fosse possível uma maior precisão. O processo de erros de calibragem podem ser causado por diversos fatores, para que isto não ocorra é necessário verificar os ajustes de zero e spam do posicionador para que se consiga alcançar os valores entre 3 e 9 psi.
  • 13. 12 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho teve como objetivo descrever o processo de calibração do posicionador da empresa Moore Products Co, modelo Z2P315, presente no laboratório de Controle do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. Fisicamente a situação do posicionador não comprometia o funcionamento do mesmo, porém, como previsto possuía erros. Com a confecção prévia de um roteiro de calibragem, para posicionadores em geral, o objetivo pôde ser alcançado com mais facilidade, para só após isso podermos confeccionar um roteiro definitivo, especificamente para o modelo de posicionador em questão, sendo com ele possível obter os resultados esperados. Por fim, pode-se concluir, com base nas observações realizadas no âmbito deste trabalho, que a partir do processo de calibragem descrito pode-se obter um bom resultado, assim como encontrado na pratica realizada no laboratório. REFERÊNCIAS BELTRAME, A. Melhore a Performance dos Posicionadores Pneumáticos, 2013. NETO, J. L. A. L. Posicionadores, 2014. PESSA, R. P. Instrumentação Básica para Controle de Processos. [S.l.]: SMAR, 1998. RIBEIRO, M. A. Válvulas de Controle e Segurança. Salvador: Tek, 1999.