Análise da obra Capitães de Areia

3.136 visualizações

Publicada em

A segunda fase do modernismo é caracterizada por um forte regionalismo e criticas sociais do autor e o mundo em que vive. Dentre os grandes escritores encontra-se Jorge Amado, que traz como principal tema em seus trabalhos a miscigenação, o culto ao candomblé e consequentemente a cultura afrodescendente, questões socioeconômicas e outros.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise da obra Capitães de Areia

  1. 1. O B R A S D A T E R C E I R A G E R A Ç Ã O D O M O D E R N I S M O CAPITÃES DE AREIA
  2. 2. APRESENTAÇÃO  Discentes: o Jason Levy Reis; o Mateus Barbosa; o Victor Said; o Victória Cabral.  Docente: Sandra Carneiro;  Disciplina: Português III;  Tema: Capitães de Areia;  Turma: 5832 – Unidade III;  Curso: Automação Industrial. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Departamento Acadêmico de Automação e Sistemas Coordenação de Automação Industrial Salvador 2014 2
  3. 3. Objetivo e Metodologia INTRODUÇÃO A segunda fase do modernismo é caracterizada por um forte regionalismo e criticas sociais do autor e o mundo em que vive. Dentre os grandes escritores encontra-se Jorge Amado, que traz como principal tema em seus trabalhos a miscigenação, o culto ao candomblé e consequentemente a cultura afrodescendente, questões socioeconômicas e outros. Esse trabalho tem por objetivo realizar uma análise crítica e descritiva a respeito do livro “Capitães de Areia”, demonstrando sua importância histórica e características da sociedade de sua época. A metodologia empregada foi a revisão bibliográfica, que fundamentou-se utilizando de artigos, apostilas, textos disponibilizados pelo docente e websites.
  4. 4. BIOGRAFIA 4 • Nascimento: 10 de Agosto de 1912; • Local: Fazenda da Auricidia, Itabuna; • Pais : João Amado Faria e D. Eulália Leal; • Mudança de 1917; • 1922 – Criação do “Luneta”; • 1922 – Vem para Salvador estudar no Antônio Vieira; • 1927 – Publica na revista “Luva” uma poesia “Poema ou Prosa” • 1931 - Seu primeiro Romance “País do Carnaval” e logo após “Cacau” e “Suor” • 1935 - Se forma na Faculdade Nacional de Direito do Rio de Janeiro; • 1936 – É preso por questões politicas • 1937 – É lançado “Capitães da Areia”
  5. 5. BIOGRAFIA 5 • 1945 – É eleito deputado pelo PCB • 1961 – Participa da Academia de Letras Brasileira • 1951 - Recebe o Prêmio Stalin da Paz; • 1959 – Primeiro Nacional Romance Nacional do Livro; • 1985 – Premio BNB de Literatura; • Faleceu em 2001. • Principais Obras: • “Tieta do Agreste” • “Gabriela cravo e canela” • “A morte e a morte de Quincas Berro d’Água” • "Tenda dos Milagres” • “Capitães de Areia” • “Jubiabá” • “Dona Flor e seus Dois maridos” • “Teresa Batista cansada de guerra”
  6. 6. Capitães da Areia – 1937 • Personagens:  Pedro Bala  Professor  Gato  Sem-Pernas  Pirulito  Volta-Seca  Boa-Vida  João Grande  Padre José Pedro  Dona Aninha  Querido-de-Deus PERSONAGENS E ENREDO 6 • Descrição de Furtos e Serviços • Apresentação dos Personagens • Epidemia de Varíola • Dora e Zé Fuinha • Orfanato e Reformatório • Morte de Dora • Mudanças no Bando • Pedro Bala – Grevista Enredo:
  7. 7. • A recepção ao livro Capitães da Areia foi entremeada de escândalo e represálias, que começaram já no ano em que ele foi lançado, pois devido a um decreto do Estado Novo, 808 exemplares da obra, foram queimados juntamente com outras obras do autor. • Em dezembro do mesmo ano mais exemplares foram apreendidos nas livrarias do Rio de Janeiro. ANÁLISE DA OBRA
  8. 8. “Capitães de Areia”, é uma obra singular na produção literária de Jorge Amado, pois faz uma crítica social extremamente atemporal, ao mesmo tempo em que retrata aspectos corriqueiros e típicos da cidade de Salvador. Dentro dos aspectos abordados na obra pode-se destacar: • Cotidiano das crianças pobres: a questão da desigualdade social; • Comparativo entre os ricos burgueses e as crianças maltrapilhas; • Valorização dos valores e sensibilidade, a questão da “humanidade”; • Na obra, a Bahia é apresentada como sendo: fantásticas ou indiferente/fria; • Crítica à estrutura político-econômica-social vigente, com divisão da socie-dade pelas classes dominantes: Burguesia, Igreja, Estado. • O papel do estado é dar continuidade à estrutura corrupta, desigual e distorcida, estabelecida pelo capitalismo, a qual é fomentada pelo discurso ideológico/religioso da Igreja, junto à Mídia. • A questão principal, talvez, seja são os capitães: vítimas ou criminosos? Não havia passado muito tempo sobre a morte de Dora, a imagem da sua presença tão rápida e no entanto tão marcante, da sua morte também, ainda enchia de visões as noites do trapiche. Alguns, quando entravam, todavia, olhavam para o canto onde ela costumava sentar ao lado do Professor e de João Grande. Ainda com a esperança de encontrá-la. Fora um acontecimento sem explicação. Fora o totalmente inesperado na vida deles, o aparecimento de u’a mãe, de uma irmã. Motivo por que eles ainda a procuravam, apesar de terem visto o Querido-de-Deus a levar no seu saveiro para o fundo do mar. Só Pedro Bala não a procurava no trapiche. Procurava ver, no céu de tanta estrela, uma que tivesse longa e loira cabeleira. (AMADO, 1937 p. 227) ANÁLISE CRÍTICA DA OBRA 8
  9. 9. 9 ANÁLISE CRÍTICA DA OBRA Não seriam meninos toda vida... Bem sabia que eles nunca tinham parecido crianças. Desde pequenos na arriscada vida da rua, os Capitães da Areia eram como homens eram iguais a homens. Toda a diferença estava no tamanho. No mais eram iguais: amavam e derrubavam negras no areal desde cedo furtavam para viver como os ladrões da cidade. Quando eram preso apanhavam surras como os homens. Por vezes assaltavam de armas na mão como os mais temidos bandidos da Bahia. Não tinham também conversas de meninos, conversavam como homens. Sentiam mesmo como homens. Quando outras crianças só se preocupavam com brincar, estudar livros para aprender a ler, eles se viam envolvidos em acontecimentos que só os homens sabiam resolver. Sempre tinham sido como homens, na sua vida de miséria e de aventura, nunca tinham sido perfeitamente crianças. Porque o que faz a criança é o ambiente de casa, pai, mãe, nenhuma responsabilidade. Nunca eles tiveram pai e mãe na vida da rua. E tiveram sempre que cuidar de si mesmos, foram sempre os responsáveis por si. Tinham sido sempre iguais a homens. (AMADO, 1937 p. 242) Eles furtavam, brigavam nas ruas, xingavam nomes, derrubavam negrinhas no areal, por vezes feriam com navalhas ou punhal homens e polícias. Mas, no entanto, eram bons, uns eram amigos dos outros. Se faziam tudo aquilo é que não tinham casa, nem pai, nem mãe, a vida deles era uma vida sem ter comida certa e dormindo num casarão quase sem teto. Se não fizessem tudo aquilo morreriam de fome, porque eram raras as casas que davam de comer a um, de vestir a outro. E nem toda a cidade poderia dar a todos.(AMADO, 1937 p. 105).
  10. 10. CAPITÃES DA ALAMEDA – POR: VICTOR SAID Eram meninos, meninos comuns, meninos pobres, meninos de rua. Consequência de tragédia, O Destino resguardou uma fatídica alameda Tiveram de escolher: viver ou morrer? E a escolha sabida ficaram de fazer. Não que pudessem eles sobrepor-se ao Destino, Por isso mesmo, de certo, tanta crueldade se abateu Ao furto praticaram, coisas horríveis impuseram Eram heróis ou vilões? Não: vítimas ou criminosos? Mas pior sofrer, foi o mal que sobre eles se abateu Vivendo esfomeados, maltrapilhos e agonizantes, Solução não havia: senão o tentar ser, buscaram aos caminhos que possuíam. E disso muito se arrependeram! Tragédia maior foi quando o ímpeto trouxe ao grupo o primeiro morrer. Ao não-ser se uniu a Dora, que não soube como sobreviver. Tragédia sem igual, oh, foi sim! Não que pudessem, mas haviam de querer: será que o mundo, gentil não podia ser? Garotos infortunados, amaldiçoados, diria até. Incapazes de conceber ao mundo toda a bênção da criação, optaram por em nada lhe esvanecer. Desigual, como as desigualdades que sofreram, Como o mundo que os tornou como são, Jamais foram capazes de encontrar o porquê de ser como são.
  11. 11. CONSIDERAÇÕES FINAIS 11 As obras de romance de Jorge Amado foram de grande importância para a Bahia, pois trazia diversas criticas a situação de pobreza e opressão, entre outros. A obra Capitães da Areia foi particularmente importante pois ela trouxe a temática das crianças abandonadas à discussão, porém não os trouxe como meliantes, bandidos, degredados, e sim como as crianças que eles ainda o eram.
  12. 12. REFERÊNCIAS 12 AMADO, Jorge. Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

×