SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS
COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
MATEUS BARBOSA
VICTOR SAID
ENSAIOS COM TRANSFORMADOR:
EM CURTO E A VAZIO
Salvador
2014
MATEUS BARBOSA
VICTOR SAID
ENSAIOS COM TRANSFORMADOR:
EM CURTO E A VAZIO
Relatório solicitado pela professora Francismari
Santos, como requisito de avaliação parcial da II
Unidade da disciplina de Eletrotécnica II, no Instituto
Federal Bahia – IFBA, Câmpus Salvador. Relatório
orientado pela Profª. Francismari Santos.
Salvador
2014
LISTA DE FIGURAS
Figura 1 – Esquema geral dos transformadores .........................................................5
Figura 2 – Corrente parasita no transformador monofásico ........................................8
Figura 3 – Curva característica do ciclo histéricos em materiais ferromagnéticos ......8
Figura 4 - Ensaio em Curto-Circuito............................................................................9
Figura 5 - Ensaio em Curto-Circuito em um Transformador Trifásico. ......................10
Figura 6 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito......................11
Figura 7 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito......................12
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO .........................................................................................................4
2 TRANSFORMADORES ...........................................................................................5
2.1 PERDAS NO TRANSFORMADOR .......................................................................6
2.1.1 Perdas de cobre.................................................................................................7
2.1.2 Perdas de ferro...................................................................................................7
3 ENSAIOS EM CURTO-CIRCUITO...........................................................................9
4 ENSAIOS EM VAZIO.............................................................................................12
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS...................................................................................15
REFERÊNCIAS.........................................................................................................16
4
1 INTRODUÇÃO
Transformadores são máquinas elétricas estáticas, destinadas à transmissão
de tensão por meio de indução eletromagnética. Realizam o controle do valor da
tensão transmitida, aumentando, reduzindo ou mantendo-a constante, sem alterar a
potência e frequência original. São constituídos de três elementos básicos: duas
bobinas, que são interligadas por um material ferromagnético condutor, o qual
possui núcleo com permeabilidade magnética elevada.
Utilizando os princípios da indução magnética, é possível realizar a indução
de tensão entre bobinas, sem que haja contato direto entre as mesmas, por
intermédio do núcleo, alterando, assim, os valores da tensão. Formalmente, essas
máquinas elétricas são constituídas de um enrolamento primário (bobina primária),
um enrolamento secundário (bobina secundária) e o núcleo ferromagnético. E
podem ser classificadas de acordo com: a aplicação a qual se destinam; o tipo de
núcleo; ou em relação ao número de fases.
A fim de verificar se o transformador apresenta um correto funcionamento são
realizados ensaios em curto-circuito e a vazio. Esses testes irão determinar os
parâmetros do transformador, como por exemplo, a resistência, a impedância e a
reatância equivalentes, entre outros, além de uma série de características
relacionadas ao funcionamento do mesmo.
Os resultados dos ensaios são comparados com os valores de grandezas
para qual o transformador foi projetado. O profissional responsável, então, irá manter
ou alterar o equipamento a fim de atingir as características para qual ele foi
planejado, conferindo maior confiabilidade ao mesmo.
Este trabalho tem por objetivo apresentar os ensaios em curto-circuito e vazio,
descrevendo suas peculiaridades, aplicação e parâmetros estabelecidos por eles. A
fim de fundamentar a elaboração deste relatório, a metodologia empregada foi a
revisão bibliográfica, a qual foi realizada utilizando livros, websites e apostilas
virtuais.
5
2 TRANSFORMADORES
Os transformadores são responsáveis por gerar uma variação na tensão de
saída, com a conservação da energia de entrada e, portanto, conservação da
potência e frequência inicial; para isso, varia-se, o valor da corrente elétrica. O valor
da potência é, teoricamente, conservado, contudo na prática observa-se que há
perda de energia (BERTINI, 2003).
Esses elementos são constituídos: de dois enrolamentos de condutores,
denominados primário, aquele que recebe a tensão inicial a ser alterada, e
secundário, local de saída da tensão desejada; e núcleo, que, em geral, é
confeccionado de material ferromagnético, ou de ar. A estrutura genérica dos
transformadores é apresentada na Figura 1.
Figura 1 – Esquema geral dos transformadores
Fonte: Adaptações de PETRY, 2007.
Os transformadores utilizam como princípio de funcionamento o
eletromagnetismo, portanto, a associação da Lei de Faraday e Lei de Lenz. A Lei de
Faraday é a lei física desenvolvida por Michael Faraday, em 1831, que afirma, de
acordo com Kosow (1982): “o valor da tensão induzida em uma simples espira de fio
é proporcional à razão de variação das linhas de força que passam através daquela
espira (ou se concatenam com ela)”.
Portanto, a variação do campo magnético induz tensão em um condutor. O
fenômeno descoberto por Fadaray recebeu o nome de indução eletromagnética, e
teve seu enunciado completo por Lenz. De acordo com Kosow (1982), a tensão
6
induzida desencadeará, em circuitos fechados, a formação de corrente elétrica, que
circulará “num sentido tal que seu efeito magnético se oponha à variação que a
produziu”.
Os transformadores funcionam a partir da indução mútua entre bobinas. Em
geral, transformadores trabalham com corrente e tensão alternadas. Nos
transformadores monofásicos ideais, ocorre a transmissão da tensão ao secundário
sem as perdas características, como as do cobre ou do ferro, etc.; e é representado
pela equação 1.
𝑣1 = 𝑒1 =
N1∙∆∅
∆T
(1)
Continuamente a tensão alternada, v1, é inserida no primário, que gera uma
tensão induzida no secundário, v2. Em transformadores ideais existe uma relação
entre as grandezas tensão (V), corrente (I) e número de espiras (N) do primário (1) e
secundário (2). Com base na equação 1, obtém-se a equação 2.
𝑣1
v2
=
N1
N2
=
I2
I1
(2)
De acordo com Vaz (2010, p. 15), as principais aplicações do transformador
são: “[...] transferência de energia de um circuito elétrico a outro com o ajuste do
nível de tensão, o acoplamento entre sistemas elétricos, objetivando o casamento de
impedância e isolação e a eliminação de corrente CC entre dois ou mais circuitos”.
2.1 PERDAS NO TRANSFORMADOR
Diferente dos transformadores ideais, os transformadores utilizados nas mais
diversas aplicações possuem um conjunto de perdas características. Essas perdas
podem ser mensuradas de diversos modos, mas há dois métodos muito utilizados:
ensaio em curto-circuito e ensaio a vazio. Contudo, antes de abordar tais ensaios,
deve-se compreender os tipos de perdas típicas de um transformador.
7
Há dois tipos de perdas principais no transformador, ambas ocorrem no
processo de transferência de energia do primário ao secundário: as perdas de
energia na forma de calor, devido ao cobre; e as perdas de ferro, que se dão no
núcleo confeccionado de material ferromagnético, através das correntes parasitas ou
Foucault e Histerese.
2.1.1 Perdas de Cobre
As perdas de cobre são aquelas originárias da dissipação de energia através
dos condutores dos enrolamentos. Quando há o fluxo de corrente elétrica nos
condutores, ocorre o efeito Joule, que consiste na dissipação de energia por meio da
conversão em energia térmica. De acordo com Moura e Azevedo (2012, p. 18), “a
perda no cobre varia com a carga do transformador”. A equação 3 apresenta o meio
de obtenção dessa perda. Onde: P = perda de cobre; R = resistência elétrica do
enrolamento primário ou do secundário; I = Corrente no primário ou secundário.
𝑃 = 𝑅 ∙ 𝐼2
(3)
2.1.2 Perdas de Ferro
As perdas de ferro nos transformadores monofásicos ocorrem através de:
correntes parasitas ou correntes Foucault no núcleo do transformador; ou histerese
magnética. As correntes Foucault são originárias do fluxo magnético do primário ao
secundário, desencadeando a formação de uma força magneto-motriz, que ao atuar
sobre o núcleo ferromagnético gera altas correntes, ilustradas na figura 2.
Na imagem, as correntes parasitas percorrem as lâminas do núcleo do
transformador, sendo originárias do fluxo magnético entre primário e secundário.
Segundo Moura e Azevedo (2012, p. 19), “estas correntes não transferem energia
para o secundário, apenas aquecem o núcleo”. Essas perdas podem ser
minimizadas aumentando a resistência elétrica do núcleo.
8
Figura 2 – Corrente parasita no transformador monofásico
Fonte: MOURA e AZEVEDO, 2012, p. 19.
As perdas por histerese magnéticas são provenientes da inversão da
polaridade da corrente alternada no primário. Ao inverte-se, segundo Moura e
Azevedo (2012, p. 19), ocorre a inversão da polaridade do campo magnético fluindo
no núcleo, que consome energia em forma de calor. A perda originária pela inversão
da polaridade do campo com perdas na forma de calor dá-se o nome de histerese
magnética.
Esse fenômeno, entretanto, não é constante. De acordo com o mesmo autor,
a perda por histerese varia de intensidade dependendo do material de confecção do
núcleo. Há materiais que polarizam-se facilmente, de modo à reduzir a histerese,
afinal quando há inversão da polaridade do campo magnético, há a facilitação do
processo pelo material. Havendo, também, materiais que dificultam esse processo.
Esses materiais podem ser classificados com base em sua capacidade de
manterem-se magnetizados, mesmo após a excitação. A classificação geral dos
materiais ferromagnéticos dividem-se em: intermediários, figura 3 (a); duros, figura 3
(b); moles, figura 3 (c). O gráfico representa o ciclo histerético, que relaciona o
campo magnético e densidade do fluxo.
Figura 3 – Curva característica do ciclo histéricos em materiais ferromagnéticos
Fonte: MOURA e AZEVEDO, 2012, p. 19.
9
3 ENSAIOS EM CURTO-CIRCUITO
Os ensaios constituem importantes testes realizados em transformadores
para estabelecer parâmetros e verificar o funcionamento dos mesmos e dependendo
dos resultados, as características do equipamento podem ser mantidas ou alteradas
com o objetivo de fornecer maior estabilidade e segurança durante o seu
funcionamento.
O ensaio em curto-circuito geralmente é o primeiro ensaio a ser realizado.
Nesse ensaio, o enrolamento do transformador que trabalha com tensão maior é
utilizado como primário e o enrolamento com menor tensão é consequentemente
utilizado como secundário. Isso ocorre, porque utilizar alta tensão no primário
significa medições mais confiáveis, já que a corrente nominal, que é a corrente ideal
para um correto funcionamento do transformador, é atingida ao se aplicar um
pequeno valor de tensão no primário.
Para realizar o ensaio, o enrolamento secundário do transformador
monofásico é curto circuitado, como representado na figura 4. Além disso, um
amperímetro, um wattímetro, um voltímetro e uma fonte variável de tensão alternada
são ligados no circuito primário, para que algumas grandezas possam ser medidas.
Figura 4 - Ensaio em Curto-Circuito
Fonte: UNSIHUAY, 2012.
No caso de um transformador trifásico, o center tape também é curto
circuitado como os outros dois fios extremos do enrolamento secundário. No
primário, a ligação é bastante diferente. São utilizados três amperímetros, dois
wattímetros, um voltímetro e uma fonte trifásica, como representado na figura 5.
10
Figura 5 - Ensaio em Curto-Circuito em um Transformador Trifásico.
Fonte: JEFFREY, 2013.
Na figura 4, são medidos com os instrumentos a corrente de curto-circuito
(Icc) no amperímetro, a tensão de curto-circuito (Vcc) no voltímetro e potência de
curto-circuito (Pcc) no wattímetro. O curto-circuito feito no enrolamento secundário
de um transformador, tanto monofásico quanto trifásico, simula o equipamento
operando com carga máxima. O ensaio é ainda utilizado para calcular os parâmetros
Zeq, Xeq e Req, para calcular as perdas no cobre dos enrolamentos primário e
secundário e também a queda de tensão no transformador.
Os circuitos da figura 4 e da figura 5 devem ser energizados com cautela. A
tensão deve ser inserida gradativamente até que a corrente no circuito seja igual à
corrente nominal do transformador. É necessário cerca de 10 a 15% do valor de
tensão nominal do transformador para se a atingir a corrente nominal durante o
ensaio em curto-circuito. A tensão Vcc é, então, uma tensão no enrolamento primário
que faz surgir no circuito secundário em curto a corrente nominal. É importante
também monitorar a corrente nominal no secundário, pois um pequeno aumento de
tensão no primário gera um grande aumento de corrente no secundário.
Com o circuito da figura 4 corretamente energizado, são obtidos os valores
Icc, Vcc e Pcc, que são utilizados para calcular os já mencionados parâmetros Zeq,
Req e Xeq, através das equações 4, 5 e 6 respectivamente.
𝑍𝑒𝑞 =
𝑉𝑐𝑐
𝐼𝑐𝑐
(4)
𝑅𝑒𝑞 =
𝑃𝑐𝑐
𝐼²𝑐𝑐
(5)
𝑋𝑒𝑞 = √𝑍²𝑒𝑞 − 𝑅²𝑒𝑞 (6)
11
O circuito equivalente para o ensaio em curto-circuito é representado na figura
6.
Figura 6 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito.
Fonte: SILVA, 2010.
A perda total no cobre é calculada através da equação 7, em que r1, r2, I₁ e l₂
representam respectivamente as resistências no enrolamento primário e secundário
e as correntes no primário e secundário
𝑃𝑐𝑢 = 𝑟1 × 𝐼2
₁ + 𝑟2 × 𝐼²₂ (7)
No circuito da figura 6, a impedância equivalente é calculada com equação 8.
𝑍𝑒𝑞 = 𝑟1 + 𝑗𝑋𝑙1
+ 𝑟2 + 𝑗𝑋𝑙2
= 𝑅𝑒𝑞 + 𝑗𝑋𝑒𝑞 (8)
Outra grandeza importante que pode ser calculada com os dados obtidos
durante a realização dos ensaios no transformador é rendimento, que é dado pela
equação 9.
𝑅𝑒𝑛𝑑𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 =
𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑒 𝑆𝑎í𝑑𝑎
𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑒 𝐸𝑛𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎
(9)
No entanto, fatores como a perda no cobre e a perda no ferro comprometem o
rendimento do transformador. Logo, esses fatores devem ser adicionados no
denominador da equação 9, já que são inversamente proporcionais ao rendimento.
O calculo mais coerente é dado pela equação 10.
𝑅𝑒 =
𝑃𝑜𝑡𝑆
𝑃𝑜𝑡𝐸+𝑃𝑓𝑒+𝑃𝑐𝑢
(10)
Todos esses valores calculados são importantes para o conhecimento das
características do transformador, para verificar se ele apresenta aquilo que foi
projetado para apresentar e se está funcionando corretamente para ser utilizado.
12
4 ENSAIOS EM VAZIO
Os ensaios em vazio são aqueles utilizados para parametrizar as perdas de
ferro no transformador, seja por corrente parasita ou histerese magnética, bem como
o rendimento desse. De acordo com Costa (2010, p. 43), o procedimento determina,
ainda: “(i) o valor da resistência equivalente às perdas no ferro; (ii) a reactância de
magnetização; (iii) a razão de transformação”.
Sendo que para Vasconcellos (2013, p. 26), com esse procedimento
mensura-se ainda a corrente de excitação. Para o cálculo desses parâmetros faz-se
a análise do circuito equivalente do transformador em curto-circuito, o qual é
apresentado na figura 7.
Figura 7 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito.
Fonte: VASCONCELLO, 2013, p. 26.
Segundo Moura e Azevedo (2012, p. 19), no procedimento experimental dos
ensaios a vazio, a verificação desses parâmetros é realizado utilizando a tensão e
frequência nominal do transformador, isto é, as tensões e frequências que esse
transformador foi projetado para trabalhar, e que são especificadas na placa da
máquina elétrica. Para Costa (2010, p. 43):
Em vazio, a corrente no primário é pequena, as perdas no cobre do primário
são desprezáveis, e a potência em vazio equilibra praticamente as perdas
do ferro. Estas perdas variam com a tensão de entrada, mas permanecem
praticamente constantes quando a fem induzida na bobina é constante.
Segundo Vasconcellos (2013, p. 26), nesse procedimento um dos terminais
do transformador estará em vazio – sem carga, em aberto –, enquanto o
enrolamento com o menor valor de tensão estará submetido aos valores nominais.
13
Estando um dos terminais abertos a corrente será nula nesse. Após submeter o
primário à tensão e frequência nominal, de acordo com Moura e Azevedo (2012, p.
19), “mede-se a tensão nominal (𝑉𝑛), corrente de magnetização (𝐼𝑚) e a potência a
circuito aberto, (𝑃𝑐𝑎).”
Através dessa medição é possível calcular as perdas de ferro do núcleo, tanto
por correntes Foucault, quanto por histerese magnética. O cálculo pode ser obtido
através da equação 11.
𝑃𝑓𝑒 = 𝑃𝑐𝑎 − 𝐼 𝑚
2
∙ 𝑅 𝑒 (11)
Segundo Vasconcellos (2013, p. 26), é possível calcular a tensão de
excitação por intermédio da tensão nominal. A corrente de excitação é a corrente
essencial para o funcionamento do transformador, pois é responsável por
magnetizar o núcleo ferromagnético do equipamento. Para esse autor é possível
determinar essa corrente de excitação, pois:
A razão da aplicação de tensão nominal é que o fluxo mútuo produzido que
atravessa o núcleo tem praticamente a mesma amplitude daquele que um
transformador operando com carga e tensão nominais. Isso faz com que a
corrente gerada seja igual à corrente de excitação.
O mesmo autor salienta que além desse parâmetro, por intermédio desse
ensaio é possível efetuar o cálculo da impedância total do circuito aberto, faz-se o
como na equação 12. Nesse cálculo: Zca = Impedância total do circuito aberto; R1 =
Resistência do primário; Xd1 = Reatância indutiva no primário; Rc = resistência das
perdas; Xm = Reatância de magnetização.
𝑍 𝑐𝑎 = 𝑅1 + 𝑗𝑋 𝑑1 +
𝑅 𝑐(𝑗𝑋 𝑚)
𝑅 𝑐+(𝑗𝑋 𝑚)
(12)
Os valores de Rc e Xm são calculados como na equação 13 e 14. Sendo que o
valor Zφ, necessário para o cálculo de Xm é obtido na equação 14. Cujas variáveis
são conhecidas.
14
𝑅 𝑐 =
𝑉𝑐𝑎
2
𝑃𝑐𝑎
(13)
𝑋 𝑚 =
1
√(
1
|𝑍 𝜑|
)
2
−(
1
𝑅 𝑐
)
2
(14)
|𝑍 𝜑| =
𝑉𝑐𝑎
𝐼 𝑐𝑎
(15)
Para Costa (2010, p. 44) com os ensaios à vazio é possível determinar a
potência reativa em vazio e a reatância magnético por meio das equações 16 e 17.
Onde: Vn = tensão nominal aplicada; P1 = Potência no primário.
𝑄1 = 𝑃1 ∙ tan ∅ (16)
𝑋 𝑚 =
𝑉𝑛
2
𝑄1
(17)
Esse mesmo autor salienta que é possível calcular a relação (ou razão) de
transformação do transformado, calcula-se utilizando a equação 18. Onde: n =
relação de transformação; V1 = tensão nominal; V2 = tensão induzida.
𝑛 =
𝑉1
𝑉2
(18)
Por fim, o rendimento do transformador pode ser calculado, de acordo com
Moura e Azevedo (2012, p. 19), de acordo com a equação 19, 20 e 21. Onde: η =
rendimento; P2 = potência de saída; PCu = Potência de perda do Cobre; Pcp =
potência de perda por corrente parasita; PH = Perda no núcleo por histerese
magnética.
η =
𝑃2
𝑃2+𝑃 𝐶𝑢+𝑃𝑐𝑝+𝑃 𝐻
(19)
15
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os transformadores elétricos são maquinas de grande importância na
atualidade sendo responsáveis por elevar e abaixar a tensão durante os processo de
transmissão da energia dos locais de geração para os grandes centros
consumidores. Além, de serem amplamente utilizados em grande parte
equipamentos elétricos para que a tensão da rede seja transformada em uma tensão
utilizada pelos equipamentos.
Os transformadores funcionam baseando-se nas leis de Michael Faraday e
Lenz, a respeito da formação de tensão induzida a partir da variação do fluxo
magnético em uma bobina. Essas máquinas elétricas são construídas de forma que
uma bobina ligada a rede crie um fluxo magnético variante, que é transportado por
um núcleo ferromagnético para outra bobina, o que faz surgir uma tensão induzida
em seus terminais.
A construção de um transformador exige que ensaios sejam realizados para
verificar seu funcionamento e determinar parâmetros. Os ensaios realizados são em
curto-circuito, em que os terminais do enrolamento secundário do transformador são
curto circuitados, e em vazio, no qual os mesmo terminais não são ligados a nada.
Esses ensaios simulam os transformadores em condições diferentes de operação e
são realizados para determinar parâmetros, rendimento, perdas, entre outras.
Os ensaios são, portanto, de grande importância para verificar se o
transformador funciona da forma que foi projetado para funcionar. Eles ampliam
consequentemente a durabilidade, confiabilidade e segurança do transformador nas
mais diversas aplicações, além de permitir identificar eventuais problemas e erros de
funcionamento nos mesmos.
16
REFERÊNCIAS
BERTINI, L. A. Transformadores: Teorias, Práticas e Dicas (para transformadores
de pequena potência). São Paulo: Eltec Editora, 2003.
CLODOALDO, S. Máquinas elétricas: Perdas no Cobre, no Ferro e
Transformadores. Rio de Janeiro, 2009.
COSTA, J. D. Apontamentos de máquinas elétricas. [S.l]: ENIDH, 2010.
FILHO, M. Materiais ferromagnéticos – visão geral. Disponível em:
<http://goo.gl/yqVr7L>. Acesso em: 11 set. 2014.
KOSOW, I. L. Máquinas elétricas e transformadores. Tradução: Luis Felipe
Daiello e Percy Antônio Soares. Porto Alegre: Globo, 1982. Tradução do original em
inglês para português.
MOURA, D. S.; AZEVEDO, F. J. Máquinas e instalações elétricas I EMI 102:
Curso eletrotécnica. Bahia: EEEMBA, 2012.
PETRY, C. A. Transformadores. Florianópolis: CEFET SC, 2007.
SAID, V. BARBOSA, M. LEVY, J. CABRAL, V. FERREIRA, Y. CONTREIRAS, P.
XAVIER, P. Princípio de funcionamento dos transformadores elétricos.
Salvador: IFBA, 2014.
VASCONCELLOS, J. C. Análise das perdas no transformador monofásico para
diferentes condições de operação. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acionamentos Elétricos
Acionamentos ElétricosAcionamentos Elétricos
Acionamentos Elétricos
elliando dias
 
Transformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteçãoTransformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteção
Rodrigo Prado
 
Física lei de lenz e indução eletromagnética
Física lei de lenz e indução eletromagnéticaFísica lei de lenz e indução eletromagnética
Física lei de lenz e indução eletromagnética
Felipe Bueno
 
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Ivanir Silva
 

Mais procurados (20)

Amplificador operacional
Amplificador operacionalAmplificador operacional
Amplificador operacional
 
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicosPorque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Acionamentos Elétricos
Acionamentos ElétricosAcionamentos Elétricos
Acionamentos Elétricos
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
 
Amplificador operacional
Amplificador operacionalAmplificador operacional
Amplificador operacional
 
Resistores
ResistoresResistores
Resistores
 
Sep 1 cap 1 circuitos trifasicos
Sep 1   cap 1 circuitos trifasicosSep 1   cap 1 circuitos trifasicos
Sep 1 cap 1 circuitos trifasicos
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
 
Transformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteçãoTransformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteção
 
TP e TCs
TP e TCsTP e TCs
TP e TCs
 
Relatório de física 3 lei de ohm
Relatório de física 3  lei de ohmRelatório de física 3  lei de ohm
Relatório de física 3 lei de ohm
 
Apostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestaçãoApostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestação
 
Física lei de lenz e indução eletromagnética
Física lei de lenz e indução eletromagnéticaFísica lei de lenz e indução eletromagnética
Física lei de lenz e indução eletromagnética
 
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos ElétricosDispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
 
Tensão de fase
Tensão de faseTensão de fase
Tensão de fase
 
Contatores e relés
Contatores e relésContatores e relés
Contatores e relés
 
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricosPdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
 
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
 

Semelhante a Relatório ensaios em transformadores

Dimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformaçãoDimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformação
NelsonJoseCarlos
 
Dimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformaçãoDimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformação
NelsonJoseCarlos
 
Apostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdf
Apostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdfApostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdf
Apostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdf
Olney joner
 

Semelhante a Relatório ensaios em transformadores (20)

slides-2015-cap2.ppt
slides-2015-cap2.pptslides-2015-cap2.ppt
slides-2015-cap2.ppt
 
Dimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformaçãoDimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformação
 
Dimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformaçãoDimensionamento de um posto de transformação
Dimensionamento de um posto de transformação
 
APRESNETACAO DE DSDSslides-2015-cap2.ppt
APRESNETACAO DE DSDSslides-2015-cap2.pptAPRESNETACAO DE DSDSslides-2015-cap2.ppt
APRESNETACAO DE DSDSslides-2015-cap2.ppt
 
Transformador
TransformadorTransformador
Transformador
 
Eletromagnetismo apo[1]
Eletromagnetismo apo[1]Eletromagnetismo apo[1]
Eletromagnetismo apo[1]
 
4Eletromagnetismo1 (1).pdf
4Eletromagnetismo1 (1).pdf4Eletromagnetismo1 (1).pdf
4Eletromagnetismo1 (1).pdf
 
4Eletromagnetismo1 (1).pptx
4Eletromagnetismo1 (1).pptx4Eletromagnetismo1 (1).pptx
4Eletromagnetismo1 (1).pptx
 
Transformadores de comando e isolamento
Transformadores de comando e isolamentoTransformadores de comando e isolamento
Transformadores de comando e isolamento
 
Eletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadoresEletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadores
 
Transformadores teo 2014 (1)
Transformadores teo 2014 (1)Transformadores teo 2014 (1)
Transformadores teo 2014 (1)
 
Histerese e indut ncia m-tua
Histerese e indut ncia m-tuaHisterese e indut ncia m-tua
Histerese e indut ncia m-tua
 
GERADORES_ELETROMAGNETICOS_141.pptx
GERADORES_ELETROMAGNETICOS_141.pptxGERADORES_ELETROMAGNETICOS_141.pptx
GERADORES_ELETROMAGNETICOS_141.pptx
 
Curso de mantencion de hornos de induccion
Curso de mantencion de hornos de induccionCurso de mantencion de hornos de induccion
Curso de mantencion de hornos de induccion
 
Aula_01.pdf
Aula_01.pdfAula_01.pdf
Aula_01.pdf
 
Aula 1 - Grandezas elétricas e geração de energia elétrica.pdf
Aula 1 - Grandezas elétricas e geração de energia elétrica.pdfAula 1 - Grandezas elétricas e geração de energia elétrica.pdf
Aula 1 - Grandezas elétricas e geração de energia elétrica.pdf
 
Apostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdf
Apostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdfApostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdf
Apostila_Partida_Proteção_Motores_Rogerio_IFSC.pdf
 
Apostila ete
Apostila eteApostila ete
Apostila ete
 
Eletrotécnica - Básico
Eletrotécnica - BásicoEletrotécnica - Básico
Eletrotécnica - Básico
 
Tensao alternada (1)
Tensao alternada (1)Tensao alternada (1)
Tensao alternada (1)
 

Mais de Victor Said

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
Victor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
Victor Said
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
Victor Said
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
Victor Said
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
Victor Said
 

Mais de Victor Said (20)

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de Areia
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilA revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no Brasil
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaço
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometria
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionador
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
 
Governadores de turbinas a vapor
Governadores de turbinas a vaporGovernadores de turbinas a vapor
Governadores de turbinas a vapor
 
Relatório governadores de turbinas a vapor
Relatório governadores de turbinas a vaporRelatório governadores de turbinas a vapor
Relatório governadores de turbinas a vapor
 

Relatório ensaios em transformadores

  • 1. DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MATEUS BARBOSA VICTOR SAID ENSAIOS COM TRANSFORMADOR: EM CURTO E A VAZIO Salvador 2014
  • 2. MATEUS BARBOSA VICTOR SAID ENSAIOS COM TRANSFORMADOR: EM CURTO E A VAZIO Relatório solicitado pela professora Francismari Santos, como requisito de avaliação parcial da II Unidade da disciplina de Eletrotécnica II, no Instituto Federal Bahia – IFBA, Câmpus Salvador. Relatório orientado pela Profª. Francismari Santos. Salvador 2014
  • 3. LISTA DE FIGURAS Figura 1 – Esquema geral dos transformadores .........................................................5 Figura 2 – Corrente parasita no transformador monofásico ........................................8 Figura 3 – Curva característica do ciclo histéricos em materiais ferromagnéticos ......8 Figura 4 - Ensaio em Curto-Circuito............................................................................9 Figura 5 - Ensaio em Curto-Circuito em um Transformador Trifásico. ......................10 Figura 6 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito......................11 Figura 7 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito......................12
  • 4. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO .........................................................................................................4 2 TRANSFORMADORES ...........................................................................................5 2.1 PERDAS NO TRANSFORMADOR .......................................................................6 2.1.1 Perdas de cobre.................................................................................................7 2.1.2 Perdas de ferro...................................................................................................7 3 ENSAIOS EM CURTO-CIRCUITO...........................................................................9 4 ENSAIOS EM VAZIO.............................................................................................12 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS...................................................................................15 REFERÊNCIAS.........................................................................................................16
  • 5. 4 1 INTRODUÇÃO Transformadores são máquinas elétricas estáticas, destinadas à transmissão de tensão por meio de indução eletromagnética. Realizam o controle do valor da tensão transmitida, aumentando, reduzindo ou mantendo-a constante, sem alterar a potência e frequência original. São constituídos de três elementos básicos: duas bobinas, que são interligadas por um material ferromagnético condutor, o qual possui núcleo com permeabilidade magnética elevada. Utilizando os princípios da indução magnética, é possível realizar a indução de tensão entre bobinas, sem que haja contato direto entre as mesmas, por intermédio do núcleo, alterando, assim, os valores da tensão. Formalmente, essas máquinas elétricas são constituídas de um enrolamento primário (bobina primária), um enrolamento secundário (bobina secundária) e o núcleo ferromagnético. E podem ser classificadas de acordo com: a aplicação a qual se destinam; o tipo de núcleo; ou em relação ao número de fases. A fim de verificar se o transformador apresenta um correto funcionamento são realizados ensaios em curto-circuito e a vazio. Esses testes irão determinar os parâmetros do transformador, como por exemplo, a resistência, a impedância e a reatância equivalentes, entre outros, além de uma série de características relacionadas ao funcionamento do mesmo. Os resultados dos ensaios são comparados com os valores de grandezas para qual o transformador foi projetado. O profissional responsável, então, irá manter ou alterar o equipamento a fim de atingir as características para qual ele foi planejado, conferindo maior confiabilidade ao mesmo. Este trabalho tem por objetivo apresentar os ensaios em curto-circuito e vazio, descrevendo suas peculiaridades, aplicação e parâmetros estabelecidos por eles. A fim de fundamentar a elaboração deste relatório, a metodologia empregada foi a revisão bibliográfica, a qual foi realizada utilizando livros, websites e apostilas virtuais.
  • 6. 5 2 TRANSFORMADORES Os transformadores são responsáveis por gerar uma variação na tensão de saída, com a conservação da energia de entrada e, portanto, conservação da potência e frequência inicial; para isso, varia-se, o valor da corrente elétrica. O valor da potência é, teoricamente, conservado, contudo na prática observa-se que há perda de energia (BERTINI, 2003). Esses elementos são constituídos: de dois enrolamentos de condutores, denominados primário, aquele que recebe a tensão inicial a ser alterada, e secundário, local de saída da tensão desejada; e núcleo, que, em geral, é confeccionado de material ferromagnético, ou de ar. A estrutura genérica dos transformadores é apresentada na Figura 1. Figura 1 – Esquema geral dos transformadores Fonte: Adaptações de PETRY, 2007. Os transformadores utilizam como princípio de funcionamento o eletromagnetismo, portanto, a associação da Lei de Faraday e Lei de Lenz. A Lei de Faraday é a lei física desenvolvida por Michael Faraday, em 1831, que afirma, de acordo com Kosow (1982): “o valor da tensão induzida em uma simples espira de fio é proporcional à razão de variação das linhas de força que passam através daquela espira (ou se concatenam com ela)”. Portanto, a variação do campo magnético induz tensão em um condutor. O fenômeno descoberto por Fadaray recebeu o nome de indução eletromagnética, e teve seu enunciado completo por Lenz. De acordo com Kosow (1982), a tensão
  • 7. 6 induzida desencadeará, em circuitos fechados, a formação de corrente elétrica, que circulará “num sentido tal que seu efeito magnético se oponha à variação que a produziu”. Os transformadores funcionam a partir da indução mútua entre bobinas. Em geral, transformadores trabalham com corrente e tensão alternadas. Nos transformadores monofásicos ideais, ocorre a transmissão da tensão ao secundário sem as perdas características, como as do cobre ou do ferro, etc.; e é representado pela equação 1. 𝑣1 = 𝑒1 = N1∙∆∅ ∆T (1) Continuamente a tensão alternada, v1, é inserida no primário, que gera uma tensão induzida no secundário, v2. Em transformadores ideais existe uma relação entre as grandezas tensão (V), corrente (I) e número de espiras (N) do primário (1) e secundário (2). Com base na equação 1, obtém-se a equação 2. 𝑣1 v2 = N1 N2 = I2 I1 (2) De acordo com Vaz (2010, p. 15), as principais aplicações do transformador são: “[...] transferência de energia de um circuito elétrico a outro com o ajuste do nível de tensão, o acoplamento entre sistemas elétricos, objetivando o casamento de impedância e isolação e a eliminação de corrente CC entre dois ou mais circuitos”. 2.1 PERDAS NO TRANSFORMADOR Diferente dos transformadores ideais, os transformadores utilizados nas mais diversas aplicações possuem um conjunto de perdas características. Essas perdas podem ser mensuradas de diversos modos, mas há dois métodos muito utilizados: ensaio em curto-circuito e ensaio a vazio. Contudo, antes de abordar tais ensaios, deve-se compreender os tipos de perdas típicas de um transformador.
  • 8. 7 Há dois tipos de perdas principais no transformador, ambas ocorrem no processo de transferência de energia do primário ao secundário: as perdas de energia na forma de calor, devido ao cobre; e as perdas de ferro, que se dão no núcleo confeccionado de material ferromagnético, através das correntes parasitas ou Foucault e Histerese. 2.1.1 Perdas de Cobre As perdas de cobre são aquelas originárias da dissipação de energia através dos condutores dos enrolamentos. Quando há o fluxo de corrente elétrica nos condutores, ocorre o efeito Joule, que consiste na dissipação de energia por meio da conversão em energia térmica. De acordo com Moura e Azevedo (2012, p. 18), “a perda no cobre varia com a carga do transformador”. A equação 3 apresenta o meio de obtenção dessa perda. Onde: P = perda de cobre; R = resistência elétrica do enrolamento primário ou do secundário; I = Corrente no primário ou secundário. 𝑃 = 𝑅 ∙ 𝐼2 (3) 2.1.2 Perdas de Ferro As perdas de ferro nos transformadores monofásicos ocorrem através de: correntes parasitas ou correntes Foucault no núcleo do transformador; ou histerese magnética. As correntes Foucault são originárias do fluxo magnético do primário ao secundário, desencadeando a formação de uma força magneto-motriz, que ao atuar sobre o núcleo ferromagnético gera altas correntes, ilustradas na figura 2. Na imagem, as correntes parasitas percorrem as lâminas do núcleo do transformador, sendo originárias do fluxo magnético entre primário e secundário. Segundo Moura e Azevedo (2012, p. 19), “estas correntes não transferem energia para o secundário, apenas aquecem o núcleo”. Essas perdas podem ser minimizadas aumentando a resistência elétrica do núcleo.
  • 9. 8 Figura 2 – Corrente parasita no transformador monofásico Fonte: MOURA e AZEVEDO, 2012, p. 19. As perdas por histerese magnéticas são provenientes da inversão da polaridade da corrente alternada no primário. Ao inverte-se, segundo Moura e Azevedo (2012, p. 19), ocorre a inversão da polaridade do campo magnético fluindo no núcleo, que consome energia em forma de calor. A perda originária pela inversão da polaridade do campo com perdas na forma de calor dá-se o nome de histerese magnética. Esse fenômeno, entretanto, não é constante. De acordo com o mesmo autor, a perda por histerese varia de intensidade dependendo do material de confecção do núcleo. Há materiais que polarizam-se facilmente, de modo à reduzir a histerese, afinal quando há inversão da polaridade do campo magnético, há a facilitação do processo pelo material. Havendo, também, materiais que dificultam esse processo. Esses materiais podem ser classificados com base em sua capacidade de manterem-se magnetizados, mesmo após a excitação. A classificação geral dos materiais ferromagnéticos dividem-se em: intermediários, figura 3 (a); duros, figura 3 (b); moles, figura 3 (c). O gráfico representa o ciclo histerético, que relaciona o campo magnético e densidade do fluxo. Figura 3 – Curva característica do ciclo histéricos em materiais ferromagnéticos Fonte: MOURA e AZEVEDO, 2012, p. 19.
  • 10. 9 3 ENSAIOS EM CURTO-CIRCUITO Os ensaios constituem importantes testes realizados em transformadores para estabelecer parâmetros e verificar o funcionamento dos mesmos e dependendo dos resultados, as características do equipamento podem ser mantidas ou alteradas com o objetivo de fornecer maior estabilidade e segurança durante o seu funcionamento. O ensaio em curto-circuito geralmente é o primeiro ensaio a ser realizado. Nesse ensaio, o enrolamento do transformador que trabalha com tensão maior é utilizado como primário e o enrolamento com menor tensão é consequentemente utilizado como secundário. Isso ocorre, porque utilizar alta tensão no primário significa medições mais confiáveis, já que a corrente nominal, que é a corrente ideal para um correto funcionamento do transformador, é atingida ao se aplicar um pequeno valor de tensão no primário. Para realizar o ensaio, o enrolamento secundário do transformador monofásico é curto circuitado, como representado na figura 4. Além disso, um amperímetro, um wattímetro, um voltímetro e uma fonte variável de tensão alternada são ligados no circuito primário, para que algumas grandezas possam ser medidas. Figura 4 - Ensaio em Curto-Circuito Fonte: UNSIHUAY, 2012. No caso de um transformador trifásico, o center tape também é curto circuitado como os outros dois fios extremos do enrolamento secundário. No primário, a ligação é bastante diferente. São utilizados três amperímetros, dois wattímetros, um voltímetro e uma fonte trifásica, como representado na figura 5.
  • 11. 10 Figura 5 - Ensaio em Curto-Circuito em um Transformador Trifásico. Fonte: JEFFREY, 2013. Na figura 4, são medidos com os instrumentos a corrente de curto-circuito (Icc) no amperímetro, a tensão de curto-circuito (Vcc) no voltímetro e potência de curto-circuito (Pcc) no wattímetro. O curto-circuito feito no enrolamento secundário de um transformador, tanto monofásico quanto trifásico, simula o equipamento operando com carga máxima. O ensaio é ainda utilizado para calcular os parâmetros Zeq, Xeq e Req, para calcular as perdas no cobre dos enrolamentos primário e secundário e também a queda de tensão no transformador. Os circuitos da figura 4 e da figura 5 devem ser energizados com cautela. A tensão deve ser inserida gradativamente até que a corrente no circuito seja igual à corrente nominal do transformador. É necessário cerca de 10 a 15% do valor de tensão nominal do transformador para se a atingir a corrente nominal durante o ensaio em curto-circuito. A tensão Vcc é, então, uma tensão no enrolamento primário que faz surgir no circuito secundário em curto a corrente nominal. É importante também monitorar a corrente nominal no secundário, pois um pequeno aumento de tensão no primário gera um grande aumento de corrente no secundário. Com o circuito da figura 4 corretamente energizado, são obtidos os valores Icc, Vcc e Pcc, que são utilizados para calcular os já mencionados parâmetros Zeq, Req e Xeq, através das equações 4, 5 e 6 respectivamente. 𝑍𝑒𝑞 = 𝑉𝑐𝑐 𝐼𝑐𝑐 (4) 𝑅𝑒𝑞 = 𝑃𝑐𝑐 𝐼²𝑐𝑐 (5) 𝑋𝑒𝑞 = √𝑍²𝑒𝑞 − 𝑅²𝑒𝑞 (6)
  • 12. 11 O circuito equivalente para o ensaio em curto-circuito é representado na figura 6. Figura 6 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito. Fonte: SILVA, 2010. A perda total no cobre é calculada através da equação 7, em que r1, r2, I₁ e l₂ representam respectivamente as resistências no enrolamento primário e secundário e as correntes no primário e secundário 𝑃𝑐𝑢 = 𝑟1 × 𝐼2 ₁ + 𝑟2 × 𝐼²₂ (7) No circuito da figura 6, a impedância equivalente é calculada com equação 8. 𝑍𝑒𝑞 = 𝑟1 + 𝑗𝑋𝑙1 + 𝑟2 + 𝑗𝑋𝑙2 = 𝑅𝑒𝑞 + 𝑗𝑋𝑒𝑞 (8) Outra grandeza importante que pode ser calculada com os dados obtidos durante a realização dos ensaios no transformador é rendimento, que é dado pela equação 9. 𝑅𝑒𝑛𝑑𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 = 𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑒 𝑆𝑎í𝑑𝑎 𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑒 𝐸𝑛𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎 (9) No entanto, fatores como a perda no cobre e a perda no ferro comprometem o rendimento do transformador. Logo, esses fatores devem ser adicionados no denominador da equação 9, já que são inversamente proporcionais ao rendimento. O calculo mais coerente é dado pela equação 10. 𝑅𝑒 = 𝑃𝑜𝑡𝑆 𝑃𝑜𝑡𝐸+𝑃𝑓𝑒+𝑃𝑐𝑢 (10) Todos esses valores calculados são importantes para o conhecimento das características do transformador, para verificar se ele apresenta aquilo que foi projetado para apresentar e se está funcionando corretamente para ser utilizado.
  • 13. 12 4 ENSAIOS EM VAZIO Os ensaios em vazio são aqueles utilizados para parametrizar as perdas de ferro no transformador, seja por corrente parasita ou histerese magnética, bem como o rendimento desse. De acordo com Costa (2010, p. 43), o procedimento determina, ainda: “(i) o valor da resistência equivalente às perdas no ferro; (ii) a reactância de magnetização; (iii) a razão de transformação”. Sendo que para Vasconcellos (2013, p. 26), com esse procedimento mensura-se ainda a corrente de excitação. Para o cálculo desses parâmetros faz-se a análise do circuito equivalente do transformador em curto-circuito, o qual é apresentado na figura 7. Figura 7 - Circuito equivalente completo do ensaio em Curto-Circuito. Fonte: VASCONCELLO, 2013, p. 26. Segundo Moura e Azevedo (2012, p. 19), no procedimento experimental dos ensaios a vazio, a verificação desses parâmetros é realizado utilizando a tensão e frequência nominal do transformador, isto é, as tensões e frequências que esse transformador foi projetado para trabalhar, e que são especificadas na placa da máquina elétrica. Para Costa (2010, p. 43): Em vazio, a corrente no primário é pequena, as perdas no cobre do primário são desprezáveis, e a potência em vazio equilibra praticamente as perdas do ferro. Estas perdas variam com a tensão de entrada, mas permanecem praticamente constantes quando a fem induzida na bobina é constante. Segundo Vasconcellos (2013, p. 26), nesse procedimento um dos terminais do transformador estará em vazio – sem carga, em aberto –, enquanto o enrolamento com o menor valor de tensão estará submetido aos valores nominais.
  • 14. 13 Estando um dos terminais abertos a corrente será nula nesse. Após submeter o primário à tensão e frequência nominal, de acordo com Moura e Azevedo (2012, p. 19), “mede-se a tensão nominal (𝑉𝑛), corrente de magnetização (𝐼𝑚) e a potência a circuito aberto, (𝑃𝑐𝑎).” Através dessa medição é possível calcular as perdas de ferro do núcleo, tanto por correntes Foucault, quanto por histerese magnética. O cálculo pode ser obtido através da equação 11. 𝑃𝑓𝑒 = 𝑃𝑐𝑎 − 𝐼 𝑚 2 ∙ 𝑅 𝑒 (11) Segundo Vasconcellos (2013, p. 26), é possível calcular a tensão de excitação por intermédio da tensão nominal. A corrente de excitação é a corrente essencial para o funcionamento do transformador, pois é responsável por magnetizar o núcleo ferromagnético do equipamento. Para esse autor é possível determinar essa corrente de excitação, pois: A razão da aplicação de tensão nominal é que o fluxo mútuo produzido que atravessa o núcleo tem praticamente a mesma amplitude daquele que um transformador operando com carga e tensão nominais. Isso faz com que a corrente gerada seja igual à corrente de excitação. O mesmo autor salienta que além desse parâmetro, por intermédio desse ensaio é possível efetuar o cálculo da impedância total do circuito aberto, faz-se o como na equação 12. Nesse cálculo: Zca = Impedância total do circuito aberto; R1 = Resistência do primário; Xd1 = Reatância indutiva no primário; Rc = resistência das perdas; Xm = Reatância de magnetização. 𝑍 𝑐𝑎 = 𝑅1 + 𝑗𝑋 𝑑1 + 𝑅 𝑐(𝑗𝑋 𝑚) 𝑅 𝑐+(𝑗𝑋 𝑚) (12) Os valores de Rc e Xm são calculados como na equação 13 e 14. Sendo que o valor Zφ, necessário para o cálculo de Xm é obtido na equação 14. Cujas variáveis são conhecidas.
  • 15. 14 𝑅 𝑐 = 𝑉𝑐𝑎 2 𝑃𝑐𝑎 (13) 𝑋 𝑚 = 1 √( 1 |𝑍 𝜑| ) 2 −( 1 𝑅 𝑐 ) 2 (14) |𝑍 𝜑| = 𝑉𝑐𝑎 𝐼 𝑐𝑎 (15) Para Costa (2010, p. 44) com os ensaios à vazio é possível determinar a potência reativa em vazio e a reatância magnético por meio das equações 16 e 17. Onde: Vn = tensão nominal aplicada; P1 = Potência no primário. 𝑄1 = 𝑃1 ∙ tan ∅ (16) 𝑋 𝑚 = 𝑉𝑛 2 𝑄1 (17) Esse mesmo autor salienta que é possível calcular a relação (ou razão) de transformação do transformado, calcula-se utilizando a equação 18. Onde: n = relação de transformação; V1 = tensão nominal; V2 = tensão induzida. 𝑛 = 𝑉1 𝑉2 (18) Por fim, o rendimento do transformador pode ser calculado, de acordo com Moura e Azevedo (2012, p. 19), de acordo com a equação 19, 20 e 21. Onde: η = rendimento; P2 = potência de saída; PCu = Potência de perda do Cobre; Pcp = potência de perda por corrente parasita; PH = Perda no núcleo por histerese magnética. η = 𝑃2 𝑃2+𝑃 𝐶𝑢+𝑃𝑐𝑝+𝑃 𝐻 (19)
  • 16. 15 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os transformadores elétricos são maquinas de grande importância na atualidade sendo responsáveis por elevar e abaixar a tensão durante os processo de transmissão da energia dos locais de geração para os grandes centros consumidores. Além, de serem amplamente utilizados em grande parte equipamentos elétricos para que a tensão da rede seja transformada em uma tensão utilizada pelos equipamentos. Os transformadores funcionam baseando-se nas leis de Michael Faraday e Lenz, a respeito da formação de tensão induzida a partir da variação do fluxo magnético em uma bobina. Essas máquinas elétricas são construídas de forma que uma bobina ligada a rede crie um fluxo magnético variante, que é transportado por um núcleo ferromagnético para outra bobina, o que faz surgir uma tensão induzida em seus terminais. A construção de um transformador exige que ensaios sejam realizados para verificar seu funcionamento e determinar parâmetros. Os ensaios realizados são em curto-circuito, em que os terminais do enrolamento secundário do transformador são curto circuitados, e em vazio, no qual os mesmo terminais não são ligados a nada. Esses ensaios simulam os transformadores em condições diferentes de operação e são realizados para determinar parâmetros, rendimento, perdas, entre outras. Os ensaios são, portanto, de grande importância para verificar se o transformador funciona da forma que foi projetado para funcionar. Eles ampliam consequentemente a durabilidade, confiabilidade e segurança do transformador nas mais diversas aplicações, além de permitir identificar eventuais problemas e erros de funcionamento nos mesmos.
  • 17. 16 REFERÊNCIAS BERTINI, L. A. Transformadores: Teorias, Práticas e Dicas (para transformadores de pequena potência). São Paulo: Eltec Editora, 2003. CLODOALDO, S. Máquinas elétricas: Perdas no Cobre, no Ferro e Transformadores. Rio de Janeiro, 2009. COSTA, J. D. Apontamentos de máquinas elétricas. [S.l]: ENIDH, 2010. FILHO, M. Materiais ferromagnéticos – visão geral. Disponível em: <http://goo.gl/yqVr7L>. Acesso em: 11 set. 2014. KOSOW, I. L. Máquinas elétricas e transformadores. Tradução: Luis Felipe Daiello e Percy Antônio Soares. Porto Alegre: Globo, 1982. Tradução do original em inglês para português. MOURA, D. S.; AZEVEDO, F. J. Máquinas e instalações elétricas I EMI 102: Curso eletrotécnica. Bahia: EEEMBA, 2012. PETRY, C. A. Transformadores. Florianópolis: CEFET SC, 2007. SAID, V. BARBOSA, M. LEVY, J. CABRAL, V. FERREIRA, Y. CONTREIRAS, P. XAVIER, P. Princípio de funcionamento dos transformadores elétricos. Salvador: IFBA, 2014. VASCONCELLOS, J. C. Análise das perdas no transformador monofásico para diferentes condições de operação. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013.