SlideShare uma empresa Scribd logo
Modernismo no Brasil. Primeira geração: ousadia e
inovação
Tarsila do
Amaral foi uma
das mais
importantes
artistas do Brasil.
Ela tomou a frente
do Movimento
Modernista do
país. A tela Cartão
Postal do Brasil,
feito em 1928,
mostra a cidade
do Rio de Janeiro.
Nela, vemos o
macaco que é um
bicho
Modernismo no Brasil
O modernismo brasileiro foi um amplo movimento cultural que repercutiu fortemente sobre a
cena artística e a sociedade brasileira na primeira metade do século XX, sobretudo no campo da
literatura e das artes plásticas.
O movimento no Brasil foi desencadeado a partir da assimilação de tendências culturais e
artísticas lançadas pelas vanguardas europeias no período que antecedeu a Primeira Guerra
Mundial, como o Cubismo e o Futurismo.
A Republica Velha chega ao fim
A República Velha, é o nome dado ao período compreendido
entre a Proclamação da República, em 1889, e a eclosão da
Revolução de 1930. A República da Espada abrange os governos
dos marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto. Foi durante
a República da Espada que foi outorgada a Constituição que iria
nortear as ações institucionais durante a Primeira República. Além
disso, o período foi marcado por crises econômicas, como a do
Encilhamento, e por conflitos entre as elites brasileiras, como a
Revolução Federalista e a Revolta da Armada
A crise das oligarquias rurais e a crise econômica mundial,
atingindo profundamente a produção cafeeira, representaram a
agonia da República Velha. A insatisfação com a eleição de Júlio
Prestes, em 1930, deu à elite os motivos para derrubar os
fazendeiros paulistas que estavam no poder, através da Revolução
de 1930. Era o fim da República Velha e o início da Era Vargas. Getúlio Vargas
A polêmica exposição de Anita Malfatti
Anita Malfatti desagradou os conservadores
da sua época ao trazer técnicas das vanguardas
europeias para as suas telas, no entanto
agradou aos entusiastas do modernismo
brasileiro – sendo destacada como a grande
artista da Semana de Arte Moderna de 1922.
sendo considerada por Sérgio Milliet a grande
artista da exposição, Para Monteiro Lobato,
que era o maior opositor às vanguardas
europeias, Malfatti estava desperdiçando o seu
talento, entregando-se a estrangeirismos
deslumbrados e mistificadores. Malfatti quis
mostrar todo o furor do impressionismo em
voga na Alemanha, contrariando os conceitos
de arte presentes na sociedade paulistana,
ainda em desenvolvimento.
Anita Malfatti foi uma
importante e famosa
artista plástica (pintora e
desenhista) brasileira.
Nasceu na cidade de São
Paulo, no dia 2 de
dezembro de 1889. Em
1910 foi para Berlim
estudar na Academia
Real. e voltou ao Brasil
em 1914 quando
realizou a sua primeira
exposição individual.
faleceu em 6 de
novembro de 1964.
Semana de Arte Moderna: três noites que fizeram história
A Semana de Arte Moderna de 1922, ocorreu nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro. Quando um
grupo de artistas plásticos e intelectuais reuniu-se no Teatro Municipal de São Paulo, para
apresentar recitais de música e poesia, palestras e danças, exposições de pintura, escultura e
arquitetura. O grupo composto por intelectuais do Rio de Janeiro e São Paulo propunham uma
nova estética, revolucionando todas as formas de expressão artísticas, rompendo com a tradição
acadêmica e as influências da cultura europeia, principalmente a francesa, e inspirando-se nas
raízes culturais brasileiras, com total liberdade de expressão.
Vaias , relinchos e miados: espanto do publico
13 de fevereiro (Segunda-feira) - Casa cheia, abertura oficial do
evento. Espalhadas pelo saguão do Teatro Municipal de São Paulo,
várias pinturas e esculturas provocam reações de espanto e repúdio
por parte do público. O espetáculo tem início com a confusa
conferência de Graça Aranha, intitulada "A emoção estética da Arte
Moderna". Tudo transcorreu em certa calma neste dia.
15 de fevereiro (Quarta-feira) A "atração" da noite foi a palestra de Menotti del Picchia
sobre a arte estética. Menotti apresenta os novos escritores dos novos tempos e surgem
vaias e barulhos diversos (miados, latidos, grunhidos, relinchos…) que se alternam e
confundem com aplausos. Quando Ronald de Carvalho lê o poema intitulado Os Sapos de
Manuel Bandeira, o público faz coro atrapalhando a leitura do texto.
17 de fevereiro (Sexta-feira) - O
dia mais tranquilo da semana,
apresentações musicais de Villa-
Lobos, com participação de vários
músicos. O público em número
reduzido, portava-se com mais
respeito, até que Villa-Lobos entra
de casaca, mas com um pé
calçado com um sapato, e outro
com chinelo; o público interpreta
a atitude como futurista e
desrespeitosa e vaia o artista
impiedosamente. Mais tarde, o
maestro explicaria que não se
tratava de modismo e, sim, de um
calo inflamado.
Os sapos
O projeto literário da primeira geração modernista
Menotti del Picchia resumiu
de modo objetivo o projeto
literário da primeira geração de
modernistas brasileiros.
Segundo ele , o grupo da
semana “não formulou um
código: formulou uma
consciência, um movimento
libertador a integrar nosso
pensamento e nossa arte na
nossa paisagem e no nosso
espirito dentro da autêntica
brasilidade”.
Os agentes do discurso
As condições de produção da primeira geração
modernista eram bastante similares às que envolveram as
vanguardas europeias. Embora o Manifesto do Futurismo
tenha sido publicado em 1909 em um jornal da Bahia, foi
apenas em 1912, após a republicação por 0swald de
Andrade, que suas ideias passaram a ser discutidas pelos
jovens escritores brasileiros. Essas ideias também
circulavam em salões como a Villa Kyrial, em que membros
da elite paulistana e jovens intelectuais e artistas
encontravam-se para discutir os novos rumos da arte.
Na Europa, o público recebeu com espanto as primeiras
manifestações modernas, como os quadros cubistas, mas
logo as pessoas passaram a aceitá-las. Já no Brasil, mesmo
com o apoio das elites, as propostas modernistas
demoraram a ser acolhidas pelo público em geral.
Manifesto: proposição de novos caminhos estéticos
O primeiro
manifesto lançado
foi Manifesto pau-
brasil, publicado
por Oswald de
Andrade em I924.
Trazia propostas
como: conciliar a
arte popular e a
erudita "ver com
olhos livres" e o
uso de uma
linguagem popular
coloquial.
Em 1928, Oswald de Andrade
lançou o Manifesto
antropófago. Valendo-se da
antropofagia como uma
metáfora do que deveria ser
culturalmente assimilado,
digerido e superado para que se
alcançasse uma verdadeira
independência cultural. A
liberdade de criação deu
identidade à produção dos
primeiros modernistas. Se
manifestou na escolha de temas
e no aspecto formal literário.
Abaporu é uma clássica
pintura do modernismo
brasileiro, da artista
Tarsila do Amaral. O
nome da obra é de
origem tupi-guarani que
significa "homem que
come gente" (canibal ou
antropófago),
O Manifesto Pau-
Brasil apresenta
uma posição
primitivista,
buscando uma
poesia ingênua, de
redescoberta do
mundo e do Brasil
Oswald de Andrade: irreverência e critica
Podemos dizer que o referido poeta foi o maior
representante da estética modernista no que se
refere às características estilísticas. José Oswald
Nogueira de Andrade nasceu em São Paulo.
Frequentou a Escola Modelo Caetano de
Campos, o Ginásio Nossa Senhora do Carmo e o
Colégio de São Bento, no qual se formou em
humanidades, em 1908.Autor de poesias e
romances, teatrólogo e crítico literário, suas
obras resumem-se em: Os Condenados,
Memórias Sentimentais, Pau-Brasil, Marco Zero,
A morta e o Rei da Vela. Dentre as características
de suas obras, destacam-se: linguagem
espontânea, livre de apegos no que diz respeito
à sintaxe, predominância do coloquialismo e de
uma crítica extremamente irreverente.
Em seus poemas, Oswald de Andrade
afirma uma imagem do brasil marcada pelo
humor pela ironia e também por uma critica
profunda e um imenso amor ao País, como
atesta o lirismo de muitos de seus versos.
A poesia
Brasil
O Zé Pereira chegou de caravela
E preguntou pro guarani da mata virgem
– Sois cristão?
– Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte
Teterê tetê Quizá Quizá Quecê!
Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu!
O negro zonzo saído da fornalha
Tomou a palavra e respondeu
– Sim, pela graça de Deus
– Canhém Babá Canhem Babá Cum Cum!
E fizeram o Carnaval.
A prosa
Os dois romances escritos por Oswald de
Andrade. Memorias sentimentais de João
Miramar e Serafim Ponte Grande, trouxeram para
a literatura brasileira uma estrutura inovadora.
146.Verbo crackar
"Eu empobreço de repente
Tu enriqueces por minha causa
Ele azula para o sertão
Nós entramos em concordata
Vós protestais por preferência
Eles escafedem a massa
Sê piratas
Sede trouxas
Abrindo o pala
Pessoal sarado
Oxalá que eu tivesse sabido que esse verbo era irregular.
Mário de Andrade: a descoberta do Brasil brasileiro
O poeta projetava nos versos sobre a sua cidade e seus país a essência de sua alma lírica.
Empenhado em pesquisar os elementos mais característicos da identidade nacional , viajou pelo
Brasil coletando exemplos de manifestações folclóricas e musicais na tentativa de compreender
melhor a essência do país. Morou em São Paulo praticamente toda a sua vida, cultivou um
sentimento pela cidade. Isso é perceptível no poema “Inspiração.”
"INSPIRAÇÃO"
"SÃO PAULO ! comoção de minha vida ...
Os meus amores são flores feitas de original...
Arlequinal! ... Traje de losangos... Cinza e ouro...
Luz e bruma... Forno e inverno morno...
Elegâncias sutis sem escândalos, sem ciúmes...
Perfumes de Paris... Arys!
Bofetadas líricas no Trianon... Algodoal!...
SÃO PAULO! comoção de minha vida...
Galicismo a berrar nos desertos da América!"
"Amar, Verbo Intransitivo" (1927), O primeiro
romance, desmascara a estrutura familiar
paulistana. A história gira em torno de um rico
industrial que contrata uma governanta para
ensinar alemão aos filhos. Na verdade, tudo não
passa de fachada para a iniciação sexual do filho
mais velho.
Em "Clan do Jabuti" (também de 1927), Mário
mostra a importância que dá a pesquisa do
folclore brasileiro, tendência que atingirá seu
ponto alto no romance "Macunaíma" (1928), no
qual recria mitos e lendas indígenas para traçar
um painel do processo civilizatório brasileiro: "No
fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói
de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo
da noite. Houve um momento em que o silêncio
foi tão grande escutando o murmurejo do
Uraricoera, que a índia tapanhumas pariu uma
criança feia. Essa criança é que chamaram de
Macunaíma".
Manuel Bandeira: olhar terno para o cotidiano
Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho (1886 - 1968)
foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de
literatura. A poética de Manuel Bandeira possui um estilo
simples e direto. Aborda temáticas cotidianas e universais,
às vezes com uma abordagem de "poema-piada", lidando
com formas e inspiração que a tradição acadêmica
considera vulgares. Mesmo assim, conhecedor da
Literatura, utilizou-se, em temas cotidianos, de formas
colhidas nas tradições clássicas e medievais. Uma certa
melancolia, associada a um sentimento de angústia,
permeia sua obra, em que procura uma forma de sentir a
alegria de viver. Doente dos pulmões, Bandeira sofria de
tuberculose e sabia dos riscos que corria diariamente, e a
perspectiva de deixar de existir a qualquer momento é uma
constante na sua obra. Como no versos de “Testamento”
Testamento
Criou-me, desde eu menino
Para arquiteto meu pai.
Foi-se-me um dia a saúde...
Fiz-me arquiteto? Não pude!
Sou poeta menor, perdoai!
Uma das inovações da obra de Manuel Bandeira é o uso que faz da linguagem na apresentação
das situações cotidiana. A capacidade de ver as cena prosaica, as situações mais banais do dia a
dia filtrada por lentes líricas e de recria-las poeticamente por meio de uma linguagem simples
são as característica mais marcantes de sua poesia.
A poesia da mais simples ternura
● A evocação do passado
As memorias da infância
vivida no recife tem lugar
especial entre os poemas
de Bandeira. Cenas de
rua, pessoas com quem
conviveu vão revivendo
em versos inesquecíveis.
Evocação do Recife
Recife
Não a Veneza americana
Não a Mauritsstad dos armadores das Índias
Ocidentais
Não o Recife dos Mascates
Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois
- Recife das revoluções libertárias
Mas o Recife sem história nem literatura
Recife sem mais nada
Recife da minha infância [...]
Alcântara Machado: os italianos em São Paulo
Antônio Castilho de Alcântara Machado d’Oliveira nasceu em
25 de maio de 1901, em São Paulo. Nesta cidade, formou-se na
faculdade de Direito, durante a qual publicou sua primeira crítica
literária para o “Jornal do Comércio”. Após esse fato, passou a
colaborar para este jornal até tornar-se redator-chefe. Formou-se,
mas não chegou a exercer a profissão porque estava atrelado à
carreira jornalística.
Os movimentos modernistas na literatura começavam a se
despontar com a “Semana de Arte Moderna”, da qual o escritor
não participou. Contudo, depois de tornar-se amigo de Oswald de
Andrade, adere ao movimento que o tornou um dos nomes mais
significativos da prosa da Geração de 22.
Seu primeiro livro, “Pathé Baby” (com prefácio de Oswald de Andrade), é fruto do que
escreveu para a imprensa em sua viagem à Europa, em 1925. Em 1928 publica "Brás, Bexiga e
Barra Funda"
A sociedade
— Filha minha não casa com filho de
Carcamano!
A esposa do Conselheiro José Bonifácio
de Matos e Arruda disse isso e foi brigar
com o italiano das batatas.
Teresa Rita misturou lágrimas com
gemidos e entrou no seu quarto batendo
a porta. O Conselheiro José Bonifácio
limpou as unhas com o palito, suspirou e
saiu de casa abotoando o fraque [...]
O trecho acima ilustra a técnica narrativa que consagrou Alcântara Machado. As cenas
rápidas, flagrando situações e tipo, quase como tomadas cinematográficas.
Modernismo no Brasil

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Matheus Italo Nascimento
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
Zenia Ferreira
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
Paula Meyer Piagentini
 
Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
Carlos Eduardo
 
O barroco
O barrocoO barroco
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
Eline Lima
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Lucas Nascimento
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Anjo da Luz
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
Hely Costa Júnior
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 

Mais procurados (20)

Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
 
Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 

Semelhante a Modernismo no Brasil

Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
José Ricardo Lima
 
Modernismo.
Modernismo.Modernismo.
Modernismo.
Bruna
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
CLEBER LUIS DAMACENO
 
A
AA
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
efraim01
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
efraim01
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
PATRICIA VIANA
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
jasonrplima
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Juliana Oliveira
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
ISJ
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
guest1652ff
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
ISJ
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
EndelCosta1
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
EndelCosta1
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo

Semelhante a Modernismo no Brasil (20)

Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Modernismo.
Modernismo.Modernismo.
Modernismo.
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2
 
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
 
A
AA
A
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 

Mais de alinesantana1422

Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
alinesantana1422
 
Câncer de Intestino
Câncer de IntestinoCâncer de Intestino
Câncer de Intestino
alinesantana1422
 
Pilha e eletrolise
Pilha e eletrolisePilha e eletrolise
Pilha e eletrolise
alinesantana1422
 
Pós-modernismo
Pós-modernismoPós-modernismo
Pós-modernismo
alinesantana1422
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?
alinesantana1422
 
Isomeria Geométrica cis-trans
Isomeria Geométrica cis-trans Isomeria Geométrica cis-trans
Isomeria Geométrica cis-trans
alinesantana1422
 
O romance de 1930
O romance de 1930O romance de 1930
O romance de 1930
alinesantana1422
 
Segunda Guerra Mundial 1939-1945
Segunda Guerra Mundial 1939-1945Segunda Guerra Mundial 1939-1945
Segunda Guerra Mundial 1939-1945
alinesantana1422
 
Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão
alinesantana1422
 
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
alinesantana1422
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistas
alinesantana1422
 
O estocismo e abusca da ataraxia
O estocismo e abusca da ataraxiaO estocismo e abusca da ataraxia
O estocismo e abusca da ataraxia
alinesantana1422
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
alinesantana1422
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
alinesantana1422
 
O mundo em conflito
O mundo em conflitoO mundo em conflito
O mundo em conflito
alinesantana1422
 
JAPAO
JAPAOJAPAO
Convecção
ConvecçãoConvecção
Convecção
alinesantana1422
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
alinesantana1422
 

Mais de alinesantana1422 (18)

Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
 
Câncer de Intestino
Câncer de IntestinoCâncer de Intestino
Câncer de Intestino
 
Pilha e eletrolise
Pilha e eletrolisePilha e eletrolise
Pilha e eletrolise
 
Pós-modernismo
Pós-modernismoPós-modernismo
Pós-modernismo
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?
 
Isomeria Geométrica cis-trans
Isomeria Geométrica cis-trans Isomeria Geométrica cis-trans
Isomeria Geométrica cis-trans
 
O romance de 1930
O romance de 1930O romance de 1930
O romance de 1930
 
Segunda Guerra Mundial 1939-1945
Segunda Guerra Mundial 1939-1945Segunda Guerra Mundial 1939-1945
Segunda Guerra Mundial 1939-1945
 
Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão
 
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistas
 
O estocismo e abusca da ataraxia
O estocismo e abusca da ataraxiaO estocismo e abusca da ataraxia
O estocismo e abusca da ataraxia
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
O mundo em conflito
O mundo em conflitoO mundo em conflito
O mundo em conflito
 
JAPAO
JAPAOJAPAO
JAPAO
 
Convecção
ConvecçãoConvecção
Convecção
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
 

Último

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 

Modernismo no Brasil

  • 1. Modernismo no Brasil. Primeira geração: ousadia e inovação Tarsila do Amaral foi uma das mais importantes artistas do Brasil. Ela tomou a frente do Movimento Modernista do país. A tela Cartão Postal do Brasil, feito em 1928, mostra a cidade do Rio de Janeiro. Nela, vemos o macaco que é um bicho
  • 2. Modernismo no Brasil O modernismo brasileiro foi um amplo movimento cultural que repercutiu fortemente sobre a cena artística e a sociedade brasileira na primeira metade do século XX, sobretudo no campo da literatura e das artes plásticas. O movimento no Brasil foi desencadeado a partir da assimilação de tendências culturais e artísticas lançadas pelas vanguardas europeias no período que antecedeu a Primeira Guerra Mundial, como o Cubismo e o Futurismo.
  • 3. A Republica Velha chega ao fim A República Velha, é o nome dado ao período compreendido entre a Proclamação da República, em 1889, e a eclosão da Revolução de 1930. A República da Espada abrange os governos dos marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto. Foi durante a República da Espada que foi outorgada a Constituição que iria nortear as ações institucionais durante a Primeira República. Além disso, o período foi marcado por crises econômicas, como a do Encilhamento, e por conflitos entre as elites brasileiras, como a Revolução Federalista e a Revolta da Armada A crise das oligarquias rurais e a crise econômica mundial, atingindo profundamente a produção cafeeira, representaram a agonia da República Velha. A insatisfação com a eleição de Júlio Prestes, em 1930, deu à elite os motivos para derrubar os fazendeiros paulistas que estavam no poder, através da Revolução de 1930. Era o fim da República Velha e o início da Era Vargas. Getúlio Vargas
  • 4. A polêmica exposição de Anita Malfatti Anita Malfatti desagradou os conservadores da sua época ao trazer técnicas das vanguardas europeias para as suas telas, no entanto agradou aos entusiastas do modernismo brasileiro – sendo destacada como a grande artista da Semana de Arte Moderna de 1922. sendo considerada por Sérgio Milliet a grande artista da exposição, Para Monteiro Lobato, que era o maior opositor às vanguardas europeias, Malfatti estava desperdiçando o seu talento, entregando-se a estrangeirismos deslumbrados e mistificadores. Malfatti quis mostrar todo o furor do impressionismo em voga na Alemanha, contrariando os conceitos de arte presentes na sociedade paulistana, ainda em desenvolvimento. Anita Malfatti foi uma importante e famosa artista plástica (pintora e desenhista) brasileira. Nasceu na cidade de São Paulo, no dia 2 de dezembro de 1889. Em 1910 foi para Berlim estudar na Academia Real. e voltou ao Brasil em 1914 quando realizou a sua primeira exposição individual. faleceu em 6 de novembro de 1964.
  • 5. Semana de Arte Moderna: três noites que fizeram história A Semana de Arte Moderna de 1922, ocorreu nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro. Quando um grupo de artistas plásticos e intelectuais reuniu-se no Teatro Municipal de São Paulo, para apresentar recitais de música e poesia, palestras e danças, exposições de pintura, escultura e arquitetura. O grupo composto por intelectuais do Rio de Janeiro e São Paulo propunham uma nova estética, revolucionando todas as formas de expressão artísticas, rompendo com a tradição acadêmica e as influências da cultura europeia, principalmente a francesa, e inspirando-se nas raízes culturais brasileiras, com total liberdade de expressão. Vaias , relinchos e miados: espanto do publico 13 de fevereiro (Segunda-feira) - Casa cheia, abertura oficial do evento. Espalhadas pelo saguão do Teatro Municipal de São Paulo, várias pinturas e esculturas provocam reações de espanto e repúdio por parte do público. O espetáculo tem início com a confusa conferência de Graça Aranha, intitulada "A emoção estética da Arte Moderna". Tudo transcorreu em certa calma neste dia.
  • 6. 15 de fevereiro (Quarta-feira) A "atração" da noite foi a palestra de Menotti del Picchia sobre a arte estética. Menotti apresenta os novos escritores dos novos tempos e surgem vaias e barulhos diversos (miados, latidos, grunhidos, relinchos…) que se alternam e confundem com aplausos. Quando Ronald de Carvalho lê o poema intitulado Os Sapos de Manuel Bandeira, o público faz coro atrapalhando a leitura do texto. 17 de fevereiro (Sexta-feira) - O dia mais tranquilo da semana, apresentações musicais de Villa- Lobos, com participação de vários músicos. O público em número reduzido, portava-se com mais respeito, até que Villa-Lobos entra de casaca, mas com um pé calçado com um sapato, e outro com chinelo; o público interpreta a atitude como futurista e desrespeitosa e vaia o artista impiedosamente. Mais tarde, o maestro explicaria que não se tratava de modismo e, sim, de um calo inflamado. Os sapos
  • 7. O projeto literário da primeira geração modernista Menotti del Picchia resumiu de modo objetivo o projeto literário da primeira geração de modernistas brasileiros. Segundo ele , o grupo da semana “não formulou um código: formulou uma consciência, um movimento libertador a integrar nosso pensamento e nossa arte na nossa paisagem e no nosso espirito dentro da autêntica brasilidade”.
  • 8. Os agentes do discurso As condições de produção da primeira geração modernista eram bastante similares às que envolveram as vanguardas europeias. Embora o Manifesto do Futurismo tenha sido publicado em 1909 em um jornal da Bahia, foi apenas em 1912, após a republicação por 0swald de Andrade, que suas ideias passaram a ser discutidas pelos jovens escritores brasileiros. Essas ideias também circulavam em salões como a Villa Kyrial, em que membros da elite paulistana e jovens intelectuais e artistas encontravam-se para discutir os novos rumos da arte. Na Europa, o público recebeu com espanto as primeiras manifestações modernas, como os quadros cubistas, mas logo as pessoas passaram a aceitá-las. Já no Brasil, mesmo com o apoio das elites, as propostas modernistas demoraram a ser acolhidas pelo público em geral.
  • 9. Manifesto: proposição de novos caminhos estéticos O primeiro manifesto lançado foi Manifesto pau- brasil, publicado por Oswald de Andrade em I924. Trazia propostas como: conciliar a arte popular e a erudita "ver com olhos livres" e o uso de uma linguagem popular coloquial. Em 1928, Oswald de Andrade lançou o Manifesto antropófago. Valendo-se da antropofagia como uma metáfora do que deveria ser culturalmente assimilado, digerido e superado para que se alcançasse uma verdadeira independência cultural. A liberdade de criação deu identidade à produção dos primeiros modernistas. Se manifestou na escolha de temas e no aspecto formal literário. Abaporu é uma clássica pintura do modernismo brasileiro, da artista Tarsila do Amaral. O nome da obra é de origem tupi-guarani que significa "homem que come gente" (canibal ou antropófago), O Manifesto Pau- Brasil apresenta uma posição primitivista, buscando uma poesia ingênua, de redescoberta do mundo e do Brasil
  • 10. Oswald de Andrade: irreverência e critica Podemos dizer que o referido poeta foi o maior representante da estética modernista no que se refere às características estilísticas. José Oswald Nogueira de Andrade nasceu em São Paulo. Frequentou a Escola Modelo Caetano de Campos, o Ginásio Nossa Senhora do Carmo e o Colégio de São Bento, no qual se formou em humanidades, em 1908.Autor de poesias e romances, teatrólogo e crítico literário, suas obras resumem-se em: Os Condenados, Memórias Sentimentais, Pau-Brasil, Marco Zero, A morta e o Rei da Vela. Dentre as características de suas obras, destacam-se: linguagem espontânea, livre de apegos no que diz respeito à sintaxe, predominância do coloquialismo e de uma crítica extremamente irreverente.
  • 11. Em seus poemas, Oswald de Andrade afirma uma imagem do brasil marcada pelo humor pela ironia e também por uma critica profunda e um imenso amor ao País, como atesta o lirismo de muitos de seus versos. A poesia Brasil O Zé Pereira chegou de caravela E preguntou pro guarani da mata virgem – Sois cristão? – Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte Teterê tetê Quizá Quizá Quecê! Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! O negro zonzo saído da fornalha Tomou a palavra e respondeu – Sim, pela graça de Deus – Canhém Babá Canhem Babá Cum Cum! E fizeram o Carnaval. A prosa Os dois romances escritos por Oswald de Andrade. Memorias sentimentais de João Miramar e Serafim Ponte Grande, trouxeram para a literatura brasileira uma estrutura inovadora. 146.Verbo crackar "Eu empobreço de repente Tu enriqueces por minha causa Ele azula para o sertão Nós entramos em concordata Vós protestais por preferência Eles escafedem a massa Sê piratas Sede trouxas Abrindo o pala Pessoal sarado Oxalá que eu tivesse sabido que esse verbo era irregular.
  • 12. Mário de Andrade: a descoberta do Brasil brasileiro O poeta projetava nos versos sobre a sua cidade e seus país a essência de sua alma lírica. Empenhado em pesquisar os elementos mais característicos da identidade nacional , viajou pelo Brasil coletando exemplos de manifestações folclóricas e musicais na tentativa de compreender melhor a essência do país. Morou em São Paulo praticamente toda a sua vida, cultivou um sentimento pela cidade. Isso é perceptível no poema “Inspiração.” "INSPIRAÇÃO" "SÃO PAULO ! comoção de minha vida ... Os meus amores são flores feitas de original... Arlequinal! ... Traje de losangos... Cinza e ouro... Luz e bruma... Forno e inverno morno... Elegâncias sutis sem escândalos, sem ciúmes... Perfumes de Paris... Arys! Bofetadas líricas no Trianon... Algodoal!... SÃO PAULO! comoção de minha vida... Galicismo a berrar nos desertos da América!"
  • 13. "Amar, Verbo Intransitivo" (1927), O primeiro romance, desmascara a estrutura familiar paulistana. A história gira em torno de um rico industrial que contrata uma governanta para ensinar alemão aos filhos. Na verdade, tudo não passa de fachada para a iniciação sexual do filho mais velho. Em "Clan do Jabuti" (também de 1927), Mário mostra a importância que dá a pesquisa do folclore brasileiro, tendência que atingirá seu ponto alto no romance "Macunaíma" (1928), no qual recria mitos e lendas indígenas para traçar um painel do processo civilizatório brasileiro: "No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo da noite. Houve um momento em que o silêncio foi tão grande escutando o murmurejo do Uraricoera, que a índia tapanhumas pariu uma criança feia. Essa criança é que chamaram de Macunaíma".
  • 14. Manuel Bandeira: olhar terno para o cotidiano Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho (1886 - 1968) foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura. A poética de Manuel Bandeira possui um estilo simples e direto. Aborda temáticas cotidianas e universais, às vezes com uma abordagem de "poema-piada", lidando com formas e inspiração que a tradição acadêmica considera vulgares. Mesmo assim, conhecedor da Literatura, utilizou-se, em temas cotidianos, de formas colhidas nas tradições clássicas e medievais. Uma certa melancolia, associada a um sentimento de angústia, permeia sua obra, em que procura uma forma de sentir a alegria de viver. Doente dos pulmões, Bandeira sofria de tuberculose e sabia dos riscos que corria diariamente, e a perspectiva de deixar de existir a qualquer momento é uma constante na sua obra. Como no versos de “Testamento” Testamento Criou-me, desde eu menino Para arquiteto meu pai. Foi-se-me um dia a saúde... Fiz-me arquiteto? Não pude! Sou poeta menor, perdoai!
  • 15. Uma das inovações da obra de Manuel Bandeira é o uso que faz da linguagem na apresentação das situações cotidiana. A capacidade de ver as cena prosaica, as situações mais banais do dia a dia filtrada por lentes líricas e de recria-las poeticamente por meio de uma linguagem simples são as característica mais marcantes de sua poesia. A poesia da mais simples ternura ● A evocação do passado As memorias da infância vivida no recife tem lugar especial entre os poemas de Bandeira. Cenas de rua, pessoas com quem conviveu vão revivendo em versos inesquecíveis. Evocação do Recife Recife Não a Veneza americana Não a Mauritsstad dos armadores das Índias Ocidentais Não o Recife dos Mascates Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois - Recife das revoluções libertárias Mas o Recife sem história nem literatura Recife sem mais nada Recife da minha infância [...]
  • 16. Alcântara Machado: os italianos em São Paulo Antônio Castilho de Alcântara Machado d’Oliveira nasceu em 25 de maio de 1901, em São Paulo. Nesta cidade, formou-se na faculdade de Direito, durante a qual publicou sua primeira crítica literária para o “Jornal do Comércio”. Após esse fato, passou a colaborar para este jornal até tornar-se redator-chefe. Formou-se, mas não chegou a exercer a profissão porque estava atrelado à carreira jornalística. Os movimentos modernistas na literatura começavam a se despontar com a “Semana de Arte Moderna”, da qual o escritor não participou. Contudo, depois de tornar-se amigo de Oswald de Andrade, adere ao movimento que o tornou um dos nomes mais significativos da prosa da Geração de 22.
  • 17. Seu primeiro livro, “Pathé Baby” (com prefácio de Oswald de Andrade), é fruto do que escreveu para a imprensa em sua viagem à Europa, em 1925. Em 1928 publica "Brás, Bexiga e Barra Funda" A sociedade — Filha minha não casa com filho de Carcamano! A esposa do Conselheiro José Bonifácio de Matos e Arruda disse isso e foi brigar com o italiano das batatas. Teresa Rita misturou lágrimas com gemidos e entrou no seu quarto batendo a porta. O Conselheiro José Bonifácio limpou as unhas com o palito, suspirou e saiu de casa abotoando o fraque [...] O trecho acima ilustra a técnica narrativa que consagrou Alcântara Machado. As cenas rápidas, flagrando situações e tipo, quase como tomadas cinematográficas.