A publicidade

483 visualizações

Publicada em

A publicidade

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
483
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
169
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A publicidade

  1. 1. A publicidade é um meio de promover vendas em massa. Tem 3 objetivos: 1- colocar uma ideia na cabeça do consumidor Parte 1
  2. 2. 2- criar o desejo pelo produto que anuncia Parte 1
  3. 3. 3- conduzir o público-alvo ao ato de compra Parte 1
  4. 4. Para fazer tudo isto, a publicidade tem de: • chamar a atenção • fazer interessar • persuadir • convencer • levar o consumidor ao acto de compra Para influenciar o comportamento de uma pessoa (o consumidor) é preciso conhecê-la. Este conhecimento deve abranger: Parte 1
  5. 5. A natureza humana - necessidades básicas - desejos - paixões Hábitos e razões de consumo Parte 1
  6. 6. Assim, para que alguém queira comprar, é preciso: 1- uma necessidade 2- consciência dessa necessidade 3- desejo de satisfazer a necessidade Parte 1
  7. 7. …o anúncio serve para: Mostrar ao público a necessidade Despertar ou reforçar o desejo Demonstrar a capacidade do produto satisfazer o desejo Mas, por vezes, o desejo de comprar pode não ser suficiente (por motivos económicos ou outros), por isso… Parte 1
  8. 8. Por razões emocionais Compramos o que nos agrada e não o que nos é útil Os produtos interessam pelo seu prestígio ou satisfação É por isso que a publicidade salienta sempre o prestígio do objeto que vende. Parte 1
  9. 9. PARA CONVENCER ALGUÉM A COMPRAR É PRECISO DESPERTAR-LHE: Atenção Interesse Desejo Memorização Aquisição O estímulo adequado pode provocar respostas favoráveis. Parte 1
  10. 10. Para além disso, para estimular o interesse pelo produto e o desejo de compra, os publicitários jogam com os instintos do público/consumidor… • Desejo de poupar tempo; dinheiro •Necessidade de trabalho; segurança; aceitação; simpatia; conforto; repouso; saúde; felicidade •Desejo de manter a juventude Instinto de Conservação • Necessidade de imitação; participação; altruísmoInstinto Gregário • Necessidade de amor; ternura Instinto Maternal e Paternal • Desejo de criação; estética; agradarInstinto Sexual • Desejo de possuir bens; conhecimentos • Necessidade de originalidade; prestígio; poder Instinto de Domínio • Necessidade de evasão; sonho; rir; jogar • Desejo de mudar; viajar Instinto de Diversão Parte 1
  11. 11. COMPRAMOS DE ACORDO COM O QUE JÁ USAMOS A vida do consumidor está condicionada aos hábitos – àquilo que já tem. COMPRAMOS DE ACORDO COM O QUE NECESSITAMOS Há produtos que compramos por necessidade e não pelo prazer. COMPRAMOS DE ACORDO COM O QUE CONHECEMOS Os meios de comunicação são importantes na difusão da imagem dos produtos. COMPRAMOS DE ACORDO COM A APARÊNCIA FÍSICA O nosso aspecto afecta as nossas compras. COMPRAMOS DE ACORDO COMO LUGAR ONDE VIVEMOS O ambiente afecta o estilo de vida das pessoas. COMPRAMOS DE ACORDO COM OS NOSSOS INTERESSES LÚDICOS Os hobbies e ocupações dos tempos livres determinam o que compramos. Parte 1
  12. 12. Para influenciar o consumidor, há 3 fatores: Sugestão Imitação Empatia Sugestão Aceitar a ideia sem procurar uma razão Imitação Fazer as coisas porque vemos os outros fazê-las Empatia Identificarmo- -nos com os outros (simpatia) Parte 1
  13. 13. Slogan: frase ou expressão original, breve, simples e fácil de reter na memória. Texto argumentativo: apresentação concisa das vantagens ou qualidades do produto/serviço anunciado. Texto icónico: deve captar, num primeiro momento, o olhar do consumidor, pelo estímulo visual (cor, recorte, elementos que a compõem e diferentes tipos de características).
  14. 14. Recursos para implicar o recetor • Diferentes tipos de frases: - frases imperativas (“Não saia de casa. ": "Descubra a diferença."); - frases interrogativas ("Foi você que pediu?"; "É a tua primeira vez?"); - frases exclamativas ("Pelos vistos, não bastou dizer não!"); • Marcas da segunda pessoa: pronomes pessoais e possessivos; verbos (“Faça uma pausa"; "Para ti e para a tua família "); • Marcas da primeira pessoa do plural, que implica o recetor (“O automóvel com que todos sonhamos."; “A nossa cerveja.").
  15. 15. Recursos expressivos • jogos de sons, aliterações e rimas “Sagres, a sede que se deseja."; “Maria, lembra-te disto: quero em casa BOM PETISCO. "); • expressões idiomáticas e provérbios transformados ("No melhor sangue cai o HIV."; "Quem sabe, sabe e o BES sabe."; “Mais molhos que barriga."); • antíteses (“Vá para fora cá dentro.”); • anáforas e repetições ("Os melhores produtos pelos melhores preços."; "Onde você estiver, está lá."; “Em todo o lado, a toda a hora. "); • hipérboles ("Fortifica até à ponta dos cabelos."; "Temos mil e uma soluções.").
  16. 16. Recursos para elogiar a qualidade dos produtos • Gradação de adjetivos e advérbios (“O melhor bife da cidade”; “Míele, sempre melhor”; • outras formas de exprimir o superlativo: - prefixos ("extrafino"; "superconcentrado"; "ultra-suave"); - repetição da mesma palavra ("Branco mais branco não há.").
  17. 17. Comercial Não comercial/Institucional
  18. 18. Comercial Anúncios geralmente de pequeno formato e, no caso da imprensa escrita, em secção própria do jornal ou revista, com ofertas e pedidos de emprego, compra, venda ou aluguer de imóveis, compra e venda de produtos em segunda mão, etc. (estes anúncios recebem o nome de classificados). Anúncios a espetáculos; Anúncios especializados em vendas de cosméticos, moda, automóveis, produtos para a casa, viagens, etc. Anúncios de economia e finanças em secções especializadas (produtos financeiros, etc.).
  19. 19. Anúncios oficiais ou institucionais (de organismos públicos da administração central ou local) Anúncios para promoção de campanhas que visam modificar determinados comportamentos de que resulte benefício para o indivíduo e/ou para a sociedade (campanhas de prevenção de acidentes rodoviários, de incêndios, de prevenção de determinadas doenças, etc.) Não comercial/Institucional
  20. 20. A Favor Contra 1. É uma maneira de informar o comprador. 2. Dá a conhecer muitos produtos e permite ao consumidor escolher o que mais lhe convém. 3. Dá a ganhar a todos, porque provoca um aumento da produção e, portanto, uma diminuição do preço. 4. Financia os grandes meios de comunicação (televisão, rádio e imprensa), que de outra forma não poderiam subsistir. 5. É o motor da economia moderna. 6. Mostra o lado agradável da realidade e conduz ao otimismo. 1. É manipulação, porque apresenta os aspetos positivos do produto, mas não os negativos. 2. A grande quantidade de produtos induz à irreflexão e ao consumismo. 3. Exige enormes investimentos que fazem aumentar o preço final do produto, que o consumidor vai pagar. 4. Obriga os meios de comunicação a uma atitude de submissão, retirando-lhes independência e sentido crítico. 5. Gera uma sociedade consumista, contrária à poupança. 6. Mostra um mundo cor-de-rosa, desligado da realidade.
  21. 21. 1. Num fundo azul, quase uniforme, uma imagem original. 1.1. Em que consiste a sua originalidade? 1.2. O que representa a imagem? 1.3. A ligação que se estabelece entre a imagem e o produto anunciado é direta ou indireta? Justifica. 2. Identifica o slogan. 2.1. Que recurso expressivo é aqui utilizado? 2.2. Que ideia pretende transmitir o slogan? 3. O texto de argumentação esclarece e resume as notícias contidas nos recortes de jornal que compõem a imagem. 3.1. Que informação transmitida funciona como um poderoso argumento de adesão ao produto? 3.2. Indica a frase mais diretamente apelativa do texto.

×