SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
DA NATUREZA DAS COMUNICAÇÕES
  COMUNICAÇÕES GROSSEIRAS,
 FRÍVOLAS, SÉRIAS, INSTRUTIVAS




    COEM – 3ª AULA TEÓRICA
•    DA NATUREZA DAS COMUNICAÇÕES: Desde o instante em que se
    observou com cuidado e detalhes as manifestações objetivas
    (fenômenos de efeitos físicos), e se pode concluir pela inteligência
    extra-física que os provocava e dirigia, e que se dizia ser a alma de uma
    pessoa já falecida dando provas de identificação, um mundo novo se
    abriu aos olhos da humanidade: O Mundo Espiritual, habitado pelos
    seres invisíveis, que pelo fenômeno da morte já tinham abandonado o
    veículo físico.
•     Notou-se, porém, que os Espíritos não somente se manifestavam,
    como, também, procuravam estabelecer um diálogo esclarecedor,
    estabelecendo assim, uma verdadeira comunicação. Respondiam a
    perguntas, esclareciam pontos obscuros, discorriam com seriedade
    sobre questões controvertidas, faziam revelações.
•   ALLAN KARDEC o Codificador do Espiritismo
    Homem dotado de extraordinário bom senso,
    todavia, concluiu, de início, que nem todos os
    Espíritos estão aptos a responder a todas as
    questões, e que cada um só pode falar daquilo
    que sabe, não havendo impedimento porém, a
    que Espíritos levianos, aproveitando-se da
    credulidade e do excesso de fé de alguns,
    impingissem certas orientações e ensinos que
    não suportariam o mais leve raciocínio analítico e
    lógico.
•    "Um dos primeiros resultados que colhi das
    minhas observações, foi que os Espíritos, nada
    mais sendo do que as almas dos homens, não
    possuíam nem a plena sabedoria, nem a ciência
    integral. Que o saber de que dispunham se
    circunscrevia ao grau que haviam alcançado, de
    adiantamento, e que a opinião deles só tinha o
    valor de uma opinião pessoal. Reconhecida
    desde o princípio, esta verdade me preservou do
    grave escolho de crer na infalibilidade dos
    Espíritos e me impediu de formular teorias
    prematuras, tendo por base o que fora dito por
    um ou alguns deles". (Obras Póstumas, 2a. Parte,
    A Minha Primeira Iniciação no Espiritismo).
• Segundo, em decorrência do primeiro juízo, concluiu que
  há uma verdadeira hierarquia entre os Espíritos, sendo
  que as suas posições se definem graças a um
  desenvolvimento intelectual e moral adquirido na Terra.
  Em consequência, as comunicações dos Espíritos "hão de
  refletir a elevação ou a baixeza de suas idéias, o saber e a
  ignorância deles, seus vícios e suas virtudes; numa
  palavra, elas não se hão de assemelhar mais do que as
  dos homens, desde os selvagens até o mais ilustrado
  europeu". (O Livro dos Médiuns, 2a. parte, cap. X).
  Segundo suas características, as comunicações podem
  ser divididas em:

•    a) grosseiras;
•    b) frívolas;
•    c) sérias;
•    d) instrutivas
•   COMUNICAÇÕES GROSSEIRAS: São comunicações de termos chãos, baixos
    e indecorosos, provêm de Espíritos inferiores, ignorantes e revoltados que
    extravasam o que lhes vai na alma. Geralmente, são entidades obsessoras que
    se comunicam através daqueles a que perseguem. Em trabalhos especiais
    essas entidades podem também se comunicar por médiuns que caridosamente
    lhes proporcionem tal oportunidade, porém, a comunicação não terá o caráter
    grosseiro graças à boa educação mediúnica, que a filtra, reprimindo o que seja
    indesejável.
•       De acordo com o caráter dos Espíritos grosseiros, elas podem ser:
•       a) triviais;
•       b) ignóbeis;
•       c) obscenas;
•       d) insolentes;
•       e) arrogantes;
•       f) malévolas;
•       g) ímpias;

•   COMUNICAÇÕES FRÍVOLAS. Emanam dos Espíritos:
•     a) levianos;
•     b) zombeteiros;
•     c) brincalhões;
•     d) maliciosos;
• São comunicações verborrágicas e que não trazem conteúdo
  algum, às vezes pontilhadas de absurdos, pois são destituídas
  de todo senso lógico. Nada têm de indecoroso e também nada
  têm de sério; são mensagens de irresponsáveis.
•      Às vezes são espirituosas e por trás do chiste, da graça,
  apresentam duras verdades, que ferem com justeza.
•      "A verdade é o que menos os preocupa; daí o maligno
  encanto diz ALLAN KARDEC - que acham em mistificar os que
  têm a fraqueza e mesmo a presunção de neles crer sob
  palavra".
•     "As pessoas que se comprazem nesse gênero de
  comunicações naturalmente dão acesso aos Espíritos levianos
  e falaciosos. Delas se afastam os Espíritos sérios do mesmo
  modo que na sociedade humana, os homens sérios evitam a
  companhia dos doidivanas".
•       Geralmente, são os Espíritos que se prestam a revelar o
  futuro, a fazer predições, a dar palpites no destino das criaturas
  humanas, que, sem firme orientação doutrinária, buscam os
  conselhos através das cartomantes, sortistas, etc....
• COMUNICAÇÕES SÉRIAS: São ponderadas quanto ao
  assunto e elevadas, elegantes quanto à forma. "Nem
  todos os Espíritos sérios são igualmente esclarecidos; há
  muita coisa que eles ignoram e sobre as quais podem
  enganar-se de boa fé. Por isso é que os Espíritos
  verdadeiramente superiores nos recomendam de
  contínuo que submetamos todas as comunicações ao
  crivo da razão e da mais rigorosa lógica". (O Livro dos
  Médiuns, 2a. parte, cap.x).
•    "No tocante às comunicações sérias, cumpre se
  distingam as verdadeiras das falsas, o que nem sempre
  é fácil, porquanto, exatamente à sombra da elevação da
  linguagem, é que certos Espíritos presunçosos ou
  pseudo-sábios, procuram conseguir a prevalência das
  mais falsas idéias e dos mais absurdos sistemas.
•    E para melhor acreditados se fazerem e maior
  importância ostentarem, não escrupulizam de se
  adornarem com os mais respeitáveis nomes e até com os
  mais venerados". (Idem, idem).
• COMUNICAÇÕES INSTRUTIVAS: São as que têm
  caráter sério, são verdadeiras e induzem a algum
  esclarecimento particular ou geral no campo da ciência,
  da filosofia e da moral. São tanto mais profundas quanto
  mais elevado for o Espírito que as dita. Têm como
  características a continuidade, a regularidade e tal
  esforço dos Espíritos secunda e dos encarnados
  interessados no estudo e no esclarecimento, ficando
  entregues aos Espíritos levianos e zombeteiros os que
  vêem nas comunicações simples diversão e
  entretenimento. Em uma reunião de pessoas
  interessadas somente em passatempo, que faria um
  homem de bem e de ciência? O mesmo ocorre no
  mundo espiritual. O meio seleciona a categoria de
  Espíritos que atua sobre si. "Nessa categoria, não
  podemos, por conseguinte incluir certos ensinos que de
  sério apenas têm a forma, muitas vezes empolada e
  enfática, com que os Espíritos que os ditam, mais
  presunçosos do que instruídos, contam iludir os que os
  recebem". (O Livro dos médiuns, 2a. parte, cap.X).
• 1.Bibliografia essencial:
• ALLAN KARDEC - "O Livro dos Médiuns" - 2a. parte,
  caps. X e XI.
• ALLAN KARDEC - "Obras Póstumas" - 2a. parte - A
  Minha Iniciação no Espiritismo.
• 2.Bibliografia suplementar:
   LÉON DENIS - "No Invisível" - Caps. XVI e XVII
MANUTENÇÃO VIBRATÓRIA
  COEM - 3ª AULA PRÁTICA
• Conseguida a concentração, após um preparo adequado por
  parte de todos os componentes do grupo, é necessário manter-
  se o ambiente saturado de elementos fluídicos favorecedores
  do intercâmbio com o plano espiritual.
• Manter-se atento às ocorrências da reunião, evitando dispersar
  o pensamento para objetivos que não os da mesma.
• Pela vontade, exercitar-se na doação vibratória em favor de
  outros componentes do grupo e das entidades espirituais que
  por ventura estejam no recinto e precisem de vibrações de
  carinho, afeto, compreensão.
• Mentalmente, envolver a todos em pensamentos agradáveis,
  desejando-lhes o melhor que se possa dar, como se a nossa
  mente estivesse emitindo forças e palavras de conforto e
  esclarecimento.
• O cansaço após a concentração denota esforço em sentido
  contrário à boa vibração. Significa que está havendo um mau
  atendimento às normas de relaxamento e tranqüilidade.
• A vibração feita com técnica não cansa, ao contrário , traz um
  bem estar profundo ao emitente, pela troca de bons fluidos que
  se estabelece nessas ocasiões.
•   LEITURA:
• Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier,
• "VINHA DE LUZ", cap. 155;
• "ENCONTRO MARCADO”, cap.41

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Obsessão: Definição e Características
Obsessão:  Definição e CaracterísticasObsessão:  Definição e Características
Obsessão: Definição e Característicasigmateus
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espiritaMarta Gomes
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coemWagner Quadros
 
Influência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do MeioInfluência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do Meioigmateus
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteDenise Aguiar
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualgrupodepaisceb
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaGraça Maciel
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Marcos Antônio Alves
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASRodrigo Leite
 
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos EspíritosMarta Gomes
 
Quarto Módulo - 8ª aula clarividência e vidência
Quarto Módulo - 8ª aula  clarividência e vidênciaQuarto Módulo - 8ª aula  clarividência e vidência
Quarto Módulo - 8ª aula clarividência e vidênciaCeiClarencio
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografiajcevadro
 
2.6.7 Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritos
2.6.7   Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritos2.6.7   Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritos
2.6.7 Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritosMarta Gomes
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualGraça Maciel
 
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médiumEsde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médiumElysio Laroide Lugarinho
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

Obsessão: Definição e Características
Obsessão:  Definição e CaracterísticasObsessão:  Definição e Características
Obsessão: Definição e Características
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
Influência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do MeioInfluência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do Meio
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos2.6.3   Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
2.6.3 Percepções sensações e sofrimentos dos Espíritos
 
Quarto Módulo - 8ª aula clarividência e vidência
Quarto Módulo - 8ª aula  clarividência e vidênciaQuarto Módulo - 8ª aula  clarividência e vidência
Quarto Módulo - 8ª aula clarividência e vidência
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
2.6.7 Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritos
2.6.7   Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritos2.6.7   Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritos
2.6.7 Relacoes simpaticas e antipaticas dos espiritos
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
 
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médiumEsde    módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
Esde módulo 05 - roteiro 02 - mediunidade e médium
 
O Passe
O PasseO Passe
O Passe
 
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!
 

Destaque

2013 cem - natureza das comunicações - parte a - 3a aula - final
2013   cem - natureza das comunicações  - parte a - 3a aula - final2013   cem - natureza das comunicações  - parte a - 3a aula - final
2013 cem - natureza das comunicações - parte a - 3a aula - finalArtomy Jado
 
21 natureza das comunicações
21 natureza das comunicações21 natureza das comunicações
21 natureza das comunicaçõesAntonio SSantos
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações MediúnicasEHMANA
 
O Desafio de Identificar os Espíritos
O Desafio de Identificar os EspíritosO Desafio de Identificar os Espíritos
O Desafio de Identificar os Espíritosigmateus
 
Efeitos psicofisiológicos
Efeitos psicofisiológicosEfeitos psicofisiológicos
Efeitos psicofisiológicosEduardo Izawa
 
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesCeiClarencio
 
Comunicação mediúnica - No
Comunicação mediúnica - NoComunicação mediúnica - No
Comunicação mediúnica - NoADEP Portugal
 
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografiaOlm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografiaCarlos Alberto Freire De Souza
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoFEEAK
 
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de EducaçãoIdentificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de EducaçãoInstituto Espírita de Educação
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hshome
 
Misticismo e charlatanismo
Misticismo e charlatanismoMisticismo e charlatanismo
Misticismo e charlatanismoCandice Gunther
 
Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade Graça Maciel
 
Aula 8 Identidade dos Espíritos
Aula 8   Identidade dos EspíritosAula 8   Identidade dos Espíritos
Aula 8 Identidade dos EspíritosEHMANA
 
Identidade e evocação dos espíritos
Identidade e evocação dos espíritosIdentidade e evocação dos espíritos
Identidade e evocação dos espíritosPower Point
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdadeWagner Quadros
 
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coemWagner Quadros
 
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...CeiClarencio
 
5ª aula dos mediuns - coem
5ª aula    dos mediuns - coem5ª aula    dos mediuns - coem
5ª aula dos mediuns - coemWagner Quadros
 
10ª aula riscos da mediunidade - coem
10ª aula   riscos da mediunidade - coem10ª aula   riscos da mediunidade - coem
10ª aula riscos da mediunidade - coemWagner Quadros
 

Destaque (20)

2013 cem - natureza das comunicações - parte a - 3a aula - final
2013   cem - natureza das comunicações  - parte a - 3a aula - final2013   cem - natureza das comunicações  - parte a - 3a aula - final
2013 cem - natureza das comunicações - parte a - 3a aula - final
 
21 natureza das comunicações
21 natureza das comunicações21 natureza das comunicações
21 natureza das comunicações
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
 
O Desafio de Identificar os Espíritos
O Desafio de Identificar os EspíritosO Desafio de Identificar os Espíritos
O Desafio de Identificar os Espíritos
 
Efeitos psicofisiológicos
Efeitos psicofisiológicosEfeitos psicofisiológicos
Efeitos psicofisiológicos
 
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
 
Comunicação mediúnica - No
Comunicação mediúnica - NoComunicação mediúnica - No
Comunicação mediúnica - No
 
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografiaOlm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispírito
 
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de EducaçãoIdentificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 
Misticismo e charlatanismo
Misticismo e charlatanismoMisticismo e charlatanismo
Misticismo e charlatanismo
 
Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade
 
Aula 8 Identidade dos Espíritos
Aula 8   Identidade dos EspíritosAula 8   Identidade dos Espíritos
Aula 8 Identidade dos Espíritos
 
Identidade e evocação dos espíritos
Identidade e evocação dos espíritosIdentidade e evocação dos espíritos
Identidade e evocação dos espíritos
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
 
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
 
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
 
5ª aula dos mediuns - coem
5ª aula    dos mediuns - coem5ª aula    dos mediuns - coem
5ª aula dos mediuns - coem
 
10ª aula riscos da mediunidade - coem
10ª aula   riscos da mediunidade - coem10ª aula   riscos da mediunidade - coem
10ª aula riscos da mediunidade - coem
 

Semelhante a 3ª aula da natureza das comunicações - coem

Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22Patricia Farias
 
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...6º Conselho Espírita de Unificação
 
Revista espírita 1859
Revista espírita   1859Revista espírita   1859
Revista espírita 1859anaccc2013
 
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas  espirituais - que cuidados devemos terConsultas  espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas espirituais - que cuidados devemos terHenrique Vieira
 
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombrasLegião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombrashavatar
 
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombrasLegiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombrasguestae3c203
 
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02Alcides lambiasi
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Ricardo Azevedo
 
Mediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição PlanetáriaMediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição Planetáriajesussalveoshumildes
 
Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864Henrique Vieira
 
Mediunidade & Misticismo
Mediunidade & MisticismoMediunidade & Misticismo
Mediunidade & Misticismo2225165
 
Doutrinação, desobsessão e animismo
Doutrinação, desobsessão e animismoDoutrinação, desobsessão e animismo
Doutrinação, desobsessão e animismoProf. Paulo Ratki
 
Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Henrique Vieira
 

Semelhante a 3ª aula da natureza das comunicações - coem (20)

O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
 
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
 
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
 
Revista1859
Revista1859Revista1859
Revista1859
 
Beume 57
Beume 57Beume 57
Beume 57
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade  gratuitaMediunidade  gratuita
Mediunidade gratuita
 
Dissidências
DissidênciasDissidências
Dissidências
 
Revista espírita 1859
Revista espírita   1859Revista espírita   1859
Revista espírita 1859
 
Mediunidade e parceria-marisa_l (1)
Mediunidade e parceria-marisa_l (1)Mediunidade e parceria-marisa_l (1)
Mediunidade e parceria-marisa_l (1)
 
( Espiritismo) # - influencia do meio
( Espiritismo)   # - influencia do meio( Espiritismo)   # - influencia do meio
( Espiritismo) # - influencia do meio
 
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas  espirituais - que cuidados devemos terConsultas  espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
 
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombrasLegião  -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
Legião -_um_olhar_sobre_o_reino_das_sombras
 
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombrasLegiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
Legiao um-olhar-sobre-o-reino-das-sombras
 
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
Osinimigosdesencarnadosesuaacaocontraosgruposespiritas 121216064833-phpapp02
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
 
Mediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição PlanetáriaMediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição Planetária
 
Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864
 
Mediunidade & Misticismo
Mediunidade & MisticismoMediunidade & Misticismo
Mediunidade & Misticismo
 
Doutrinação, desobsessão e animismo
Doutrinação, desobsessão e animismoDoutrinação, desobsessão e animismo
Doutrinação, desobsessão e animismo
 
Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861
 

Mais de Wagner Quadros

15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula obsessão meios e combate-la - coemWagner Quadros
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coemWagner Quadros
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coemWagner Quadros
 
9ª aula da influencia moral do médium - coem
9ª aula   da influencia moral do médium - coem9ª aula   da influencia moral do médium - coem
9ª aula da influencia moral do médium - coemWagner Quadros
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coemWagner Quadros
 
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coemWagner Quadros
 
2ª aula mediunidade classificação - coem
2ª aula   mediunidade classificação - coem2ª aula   mediunidade classificação - coem
2ª aula mediunidade classificação - coemWagner Quadros
 
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coemWagner Quadros
 

Mais de Wagner Quadros (8)

15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coem
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
 
9ª aula da influencia moral do médium - coem
9ª aula   da influencia moral do médium - coem9ª aula   da influencia moral do médium - coem
9ª aula da influencia moral do médium - coem
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
 
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem
 
2ª aula mediunidade classificação - coem
2ª aula   mediunidade classificação - coem2ª aula   mediunidade classificação - coem
2ª aula mediunidade classificação - coem
 
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
 

Último

slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (11)

slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 

3ª aula da natureza das comunicações - coem

  • 1. DA NATUREZA DAS COMUNICAÇÕES COMUNICAÇÕES GROSSEIRAS, FRÍVOLAS, SÉRIAS, INSTRUTIVAS COEM – 3ª AULA TEÓRICA
  • 2. DA NATUREZA DAS COMUNICAÇÕES: Desde o instante em que se observou com cuidado e detalhes as manifestações objetivas (fenômenos de efeitos físicos), e se pode concluir pela inteligência extra-física que os provocava e dirigia, e que se dizia ser a alma de uma pessoa já falecida dando provas de identificação, um mundo novo se abriu aos olhos da humanidade: O Mundo Espiritual, habitado pelos seres invisíveis, que pelo fenômeno da morte já tinham abandonado o veículo físico. • Notou-se, porém, que os Espíritos não somente se manifestavam, como, também, procuravam estabelecer um diálogo esclarecedor, estabelecendo assim, uma verdadeira comunicação. Respondiam a perguntas, esclareciam pontos obscuros, discorriam com seriedade sobre questões controvertidas, faziam revelações.
  • 3. ALLAN KARDEC o Codificador do Espiritismo Homem dotado de extraordinário bom senso, todavia, concluiu, de início, que nem todos os Espíritos estão aptos a responder a todas as questões, e que cada um só pode falar daquilo que sabe, não havendo impedimento porém, a que Espíritos levianos, aproveitando-se da credulidade e do excesso de fé de alguns, impingissem certas orientações e ensinos que não suportariam o mais leve raciocínio analítico e lógico. • "Um dos primeiros resultados que colhi das minhas observações, foi que os Espíritos, nada mais sendo do que as almas dos homens, não possuíam nem a plena sabedoria, nem a ciência integral. Que o saber de que dispunham se circunscrevia ao grau que haviam alcançado, de adiantamento, e que a opinião deles só tinha o valor de uma opinião pessoal. Reconhecida desde o princípio, esta verdade me preservou do grave escolho de crer na infalibilidade dos Espíritos e me impediu de formular teorias prematuras, tendo por base o que fora dito por um ou alguns deles". (Obras Póstumas, 2a. Parte, A Minha Primeira Iniciação no Espiritismo).
  • 4. • Segundo, em decorrência do primeiro juízo, concluiu que há uma verdadeira hierarquia entre os Espíritos, sendo que as suas posições se definem graças a um desenvolvimento intelectual e moral adquirido na Terra. Em consequência, as comunicações dos Espíritos "hão de refletir a elevação ou a baixeza de suas idéias, o saber e a ignorância deles, seus vícios e suas virtudes; numa palavra, elas não se hão de assemelhar mais do que as dos homens, desde os selvagens até o mais ilustrado europeu". (O Livro dos Médiuns, 2a. parte, cap. X). Segundo suas características, as comunicações podem ser divididas em: • a) grosseiras; • b) frívolas; • c) sérias; • d) instrutivas
  • 5. COMUNICAÇÕES GROSSEIRAS: São comunicações de termos chãos, baixos e indecorosos, provêm de Espíritos inferiores, ignorantes e revoltados que extravasam o que lhes vai na alma. Geralmente, são entidades obsessoras que se comunicam através daqueles a que perseguem. Em trabalhos especiais essas entidades podem também se comunicar por médiuns que caridosamente lhes proporcionem tal oportunidade, porém, a comunicação não terá o caráter grosseiro graças à boa educação mediúnica, que a filtra, reprimindo o que seja indesejável. • De acordo com o caráter dos Espíritos grosseiros, elas podem ser: • a) triviais; • b) ignóbeis; • c) obscenas; • d) insolentes; • e) arrogantes; • f) malévolas; • g) ímpias; • COMUNICAÇÕES FRÍVOLAS. Emanam dos Espíritos: • a) levianos; • b) zombeteiros; • c) brincalhões; • d) maliciosos;
  • 6. • São comunicações verborrágicas e que não trazem conteúdo algum, às vezes pontilhadas de absurdos, pois são destituídas de todo senso lógico. Nada têm de indecoroso e também nada têm de sério; são mensagens de irresponsáveis. • Às vezes são espirituosas e por trás do chiste, da graça, apresentam duras verdades, que ferem com justeza. • "A verdade é o que menos os preocupa; daí o maligno encanto diz ALLAN KARDEC - que acham em mistificar os que têm a fraqueza e mesmo a presunção de neles crer sob palavra". • "As pessoas que se comprazem nesse gênero de comunicações naturalmente dão acesso aos Espíritos levianos e falaciosos. Delas se afastam os Espíritos sérios do mesmo modo que na sociedade humana, os homens sérios evitam a companhia dos doidivanas". • Geralmente, são os Espíritos que se prestam a revelar o futuro, a fazer predições, a dar palpites no destino das criaturas humanas, que, sem firme orientação doutrinária, buscam os conselhos através das cartomantes, sortistas, etc....
  • 7. • COMUNICAÇÕES SÉRIAS: São ponderadas quanto ao assunto e elevadas, elegantes quanto à forma. "Nem todos os Espíritos sérios são igualmente esclarecidos; há muita coisa que eles ignoram e sobre as quais podem enganar-se de boa fé. Por isso é que os Espíritos verdadeiramente superiores nos recomendam de contínuo que submetamos todas as comunicações ao crivo da razão e da mais rigorosa lógica". (O Livro dos Médiuns, 2a. parte, cap.x). • "No tocante às comunicações sérias, cumpre se distingam as verdadeiras das falsas, o que nem sempre é fácil, porquanto, exatamente à sombra da elevação da linguagem, é que certos Espíritos presunçosos ou pseudo-sábios, procuram conseguir a prevalência das mais falsas idéias e dos mais absurdos sistemas. • E para melhor acreditados se fazerem e maior importância ostentarem, não escrupulizam de se adornarem com os mais respeitáveis nomes e até com os mais venerados". (Idem, idem).
  • 8. • COMUNICAÇÕES INSTRUTIVAS: São as que têm caráter sério, são verdadeiras e induzem a algum esclarecimento particular ou geral no campo da ciência, da filosofia e da moral. São tanto mais profundas quanto mais elevado for o Espírito que as dita. Têm como características a continuidade, a regularidade e tal esforço dos Espíritos secunda e dos encarnados interessados no estudo e no esclarecimento, ficando entregues aos Espíritos levianos e zombeteiros os que vêem nas comunicações simples diversão e entretenimento. Em uma reunião de pessoas interessadas somente em passatempo, que faria um homem de bem e de ciência? O mesmo ocorre no mundo espiritual. O meio seleciona a categoria de Espíritos que atua sobre si. "Nessa categoria, não podemos, por conseguinte incluir certos ensinos que de sério apenas têm a forma, muitas vezes empolada e enfática, com que os Espíritos que os ditam, mais presunçosos do que instruídos, contam iludir os que os recebem". (O Livro dos médiuns, 2a. parte, cap.X).
  • 9. • 1.Bibliografia essencial: • ALLAN KARDEC - "O Livro dos Médiuns" - 2a. parte, caps. X e XI. • ALLAN KARDEC - "Obras Póstumas" - 2a. parte - A Minha Iniciação no Espiritismo. • 2.Bibliografia suplementar: LÉON DENIS - "No Invisível" - Caps. XVI e XVII
  • 10. MANUTENÇÃO VIBRATÓRIA COEM - 3ª AULA PRÁTICA
  • 11. • Conseguida a concentração, após um preparo adequado por parte de todos os componentes do grupo, é necessário manter- se o ambiente saturado de elementos fluídicos favorecedores do intercâmbio com o plano espiritual. • Manter-se atento às ocorrências da reunião, evitando dispersar o pensamento para objetivos que não os da mesma. • Pela vontade, exercitar-se na doação vibratória em favor de outros componentes do grupo e das entidades espirituais que por ventura estejam no recinto e precisem de vibrações de carinho, afeto, compreensão. • Mentalmente, envolver a todos em pensamentos agradáveis, desejando-lhes o melhor que se possa dar, como se a nossa mente estivesse emitindo forças e palavras de conforto e esclarecimento. • O cansaço após a concentração denota esforço em sentido contrário à boa vibração. Significa que está havendo um mau atendimento às normas de relaxamento e tranqüilidade. • A vibração feita com técnica não cansa, ao contrário , traz um bem estar profundo ao emitente, pela troca de bons fluidos que se estabelece nessas ocasiões.
  • 12. LEITURA: • Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, • "VINHA DE LUZ", cap. 155; • "ENCONTRO MARCADO”, cap.41