SlideShare uma empresa Scribd logo
MEDIUNIDADE
CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO OS SEUS EFEITOS
     A TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES

       FÍSICAS E ESPONTÂNEAS




    COEM – 2ª AULA TEÓRICA              1
I - NOÇÕES FUNDAMENTAIS
•  Estabelecido o conceito de mediunidade, mais alguns
   conhecimentos se fazem necessários, para melhor entendimento
   do fenômeno mediúnico. Foram eles oferecidos pelos próprios
   Espíritos desencarnados, que nos deram a conhecer, em primeiro
   lugar, a sua existência independente da matéria física e do corpo
   carnal e, em segundo, a existência de um invólucro semi-material,
   que lhes serve de corpo no mundo espiritual e que tem
   possibilidade de ação sobre a matéria física.
• Esse invólucro, semi-material, "corpo espiritual"
ou perispírito é variável na sua maior ou menor
condensação, o que lhe confere propriedades
especiais para agir sobre a matéria.
No encarnado, é o intermediário entre o espírito
propriamente dito e o corpo físico, fazendo parte,
pois, do complexo humano.



                                                                       2
COMPLEXO HUMANO (homem) - COMPOSTO DE:
• 1. ESPÍRITO;
  2. PERISPÍRITO;
• 3. CORPO FÍSICO
• Da interação do fluido perispiritual do desencarnado com o do médium
  resulta o fenômeno mediúnico.
• Varia essa interação desde a simples influência até a efetiva
  combinação fluídica, para a produção de certos fenômenos.




                                                                    3
II - CLASSIFICAÇÃO DA MEDIUNIDADE SEGUNDO OS
                SEUS EFEITOS

Podem ser de 2 ordens os fenômenos
  mediúnicos:
- de efeitos materiais, físicos ou objetivos
- de efeitos intelectuais ou subjetivos




                                               4
1. FENÔMENOS DE EFEITOS MATERIAIS FÍSICOS OU
                   OBJETIVOS

• Sensibilizam diretamente os órgãos dos sentidos dos observadores.
    Podem-se apresentar sob variadas formas, tais como:
a) materialização (de Espíritos, de objetos, etc)
b) transfiguração (modificação dos traços fisionômicos do próprio
    médium);
c) levitação (erguimento de objetos e pessoas, contrariando,
    aparentemente, a lei da gravidade);
d) transporte (entrada e saída de objetos de recintos hermeticamente
    fechados).
e) voz direta (vozes de Espíritos, que soam no ambiente,
    independentemente do médium);
f) escrita direta (palavras, frases, mensagens, escritas sem utilização da
    mão do médium);
g) mesas falantes ou tiptologia (sinais por pancadas, formando palavras e
    frases inteligentes);
h) sematologia (movimento de objetos, sem contato físico, traduzindo uma
    vontade, um sentimento, etc.)
                                                                       5
2. FENÔMENOS DE EFEITOS INTELECTUAIS
                    OU SUBJETIVOS
• a) mediunidade intuitiva
• b) vidência
• c) audiência
Tais fenômenos ocorrem quando o espírito do próprio médium, em
   fase especial ou não, de transe, fica num estado de lucidez,
   percebendo pelos sentidos espirituais.

• d) psicometria
• e) psicografia
• f) psicofonia
Tais fenômenos ocorrem por ação direta de uma entidade
   espiritual sobre o médium servindo-se parcial ou totalmente de
  sua organização psico-física, para se comunicar.
                                                                    6
•    Na intuição (fenômeno anímico), a mente do
    encarnado capta do ambiente externo ou da profundeza
    do seu próprio psiquismo, ou ainda da mente de outro
    encarnado, próximo ou distante, certas informações que
    o ajudam a esclarecer uma questão, resolver um
    problema, tomar uma atitude, etc. Poderá, igualmente,
    captar o pensamento de um desencarnado, passando,
    nesse caso, o fenômeno a ser mediúnico e a faculdade,
    a chamar-se mediunidade intuitiva.

• Na vidência, na audiência e na psicometria, por um
  estado de maior ou menor exteriorização perispiritual,
  com a consequente liberação dos sentidos (que têm,
  normalmente, o seu funcionamento obscurecido pelo
  contato com a matéria grosseira do corpo físico), pode o
  espírito do encarnado ver e ouvir o que se passa no
  plano espiritual. No caso da psicometria, pode
  recapitular ocorrências ligadas a um objeto com que
  tenha tomado contato.
                                                             7
•   Este estado especial de libertação, que definimos como de lucidez
    espiritual, com ou sem transe aparente, possibilita maior liberdade ao
    espírito do médium e o coloca em condições favoráveis para assimilar
    as correntes de pensamento das outras entidades no mesmo estado de
    liberdade espiritual e transmitir tais idéias, pensamentos e vontades
    pela escrita, no fenômeno da psicografia ou anunciá-las através da
    palavra, caracterizando o fenômeno da psicofonia.
•   A psicografia e a psicofonia têm sido vulgarmente chamadas de
    "incorporação mediúnica". Ressalte-se, todavia, que não ocorre a
    "introdução" do Espírito desencarnado no corpo do médium, mas, sim,
    uma associação de seus fluidos com os do médium. Segundo as faixas
    vibratórias em que se encontrem e de acordo com as leis de sintonia e
    assimilação, esses fluidos se identificam entre si, formando-se, então,
    um complexo:
    EMISSOR (Espírito desencarnado) - TRANSMISSOR (fluidos
    combinados do Espírito comunicante com os do médium) -
    RECEPTOR (Médium).




                                                                          8
3. DA TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS
•    Se temos um efeito - o fenômeno físico, ele deve ter uma causa. Se esta não for
     física, deverá ser transcendental. Vamo-nos deter no caso dos fenômenos
     mediúnicos de efeitos físicos produzidos pelos Espíritos desencarnados,
     buscando saber como se opera esta ação e qual o seu mecanismo.
•    Segundo a informação dada por eles próprios (os Espíritos), para atuar sobre um
     objeto inanimado, o desencarnado combina o seu fluido perispiritual com o fluido
     que se exterioriza do médium, satura os espaços da matéria (sabe-se que esta
     não é contínua, senão para os nossos sentidos, ainda muito pobres; a matéria é
     cheia de espaços vazios, tendo apenas uma pequena porcentagem de massa
     propriamente dita; afirmam alguns que se retirassem todos os espaços da matéria
     que forma a Terra, ela se reduziria ao tamanho de uma bola de futebol) e, com a
     força do pensamento, age, movimentando o que e como deseja, podendo
     alcançar ou não sucesso no seu empreendimento, de acordo com as
     circunstâncias. Estabelece-se, pois, uma continuidade perfeita entre o perispírito
     do Espírito e o objeto movimentado, através dos elementos intermediários de
     natureza fluídica (semi-material) isto é, dos fluidos perispirituais e outros.
•    Os Espíritos mais atrasados vibram em faixas próximas da Terra e possuem, em
     sua organização perispiritual, resíduos de fluidos grosseiros, materiais, que
     facilitam a obtenção de fenômenos mediúnicos de efeitos físicos. Por isso,
     prestam-se mais a estes tipos de efeitos, sendo dirigidos, porém, por Espíritos
     superiores.
•    Deverá haver uma certa simpatia entre os vários elementos que formam os
     "degraus" do processo, desde os que o dirigem até o médium, que é o
     instrumento doador.
                                                                                    9
4. MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS
•   Em alguns lugares, tal como aconteceu com as irmãs Fox, em Hydesville,
    iniciam-se fenômenos ostensivos sem que haja qualquer predisposição
    consciente e formal para consegui-los. Ocorrem espontaneamente, a despeito
    até do desconhecimento e da falta de interesse das pessoas envolvidas. São
    "raps" (pancadas), transporte, barulhos e outras manifestações semelhantes.
    Os fenômenos físicos espontâneos ocorrem, geralmente, com a finalidade de:
a -assustar as pessoas;
b -chamar a atenção para a existência do mundo espiritual;
c -atender à necessidade dos Espíritos de se comunicarem para pedir alguma
    coisa;
d -perseguição, atormentando as pessoas.
• São produzidos por Espíritos de categoria ainda inferior e que não poderão,
    pelo simples fato de serem Espíritos, explicar a mecânica do fenômeno, pois os
    produzem sem compreender.
• Antes de aceitar um fenômeno como espírita, devemos verificar se não é:
- fruto da imaginação;
- produzido por causa física conhecida;
- mistificação ou brincadeira de alguém encarnado.
• Nos fenômenos de transporte, por exemplo, existe a finalidade de provar a
    possibilidade que têm alguns Espíritos de, usando médiuns especiais,
    transportar, através da matéria, flores, perfumes, jóias, objetos variados,
    restituindo-os ao local de origem após a constatação do fenômeno.           10
    (Recomenda-se a leitura do L.M., cap. V, itens 82 a 94).
• BIBLIOGRAFIA
• 1.Bibliografia essencial:
•   ALLAN KARDEC - "O Livro dos Médiuns"- caps.I,II,III,IV,V,IX,XI e
  XIII;
•   ALLAN KARDEC - "O Livro dos Espíritos" - Questões 21 a 28, 93
  a 95.
• 2.Bibliografia suplementar:
•   LEON DENIS - "No Invisível" - caps. XVI, XVII e XVIII.




                                                                  11
CONCENTRAÇÃO




COEM – 2ª AULA PRÁTICA   12
•   CONCENTRAÇÃO: Convergência de pensamentos para um
    determinado fim.
•   A convergência pressupõe a eliminação de todos os pensamentos
    que não sejam convenientes aos fins desejados.
•   A abstração ou esquecimento dos problemas comuns que perturbam
    a nossa vida íntima deve ser exercitada.
•   A reunião depende em muito do ambiente formado por todos os
    componentes do grupo. Através do exercício dos bons pensamentos
    e da elevação dos sentimentos, o ambiente se satura de elementos
    espirituais (fluídicos) que favorecem o intercâmbio.
•   Sem o preparo devido, que deve começar desde a manhã, evitando-
    se emoções violentas, atritos, desequilíbrios físicos e espirituais, sem
    o bom hábito de leituras sadias e o exercício dos bons sentimentos,
    dificilmente a pessoa durante a sessão, tem tranquilidade suficiente
    para se dedicar tão somente aos fins elevados da sessão




                                                                         13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Leonardo Pereira
 
Terceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnica
Terceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnicaTerceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnica
Terceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnicaCeiClarencio
 
5ª aula dos mediuns - coem
5ª aula    dos mediuns - coem5ª aula    dos mediuns - coem
5ª aula dos mediuns - coemWagner Quadros
 
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coemWagner Quadros
 
Terceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidade
Terceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidadeTerceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidade
Terceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidadeCeiClarencio
 
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Wilma Badan C.G.
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismojcevadro
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Leonardo Pereira
 
Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Leonardo Pereira
 
Quarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunica
Quarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunicaQuarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunica
Quarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunicaCeiClarencio
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisjcevadro
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coemWagner Quadros
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografiajcevadro
 
Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
Terceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnica
Terceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnicaTerceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnica
Terceiro Módulo - 5ª aula - Classificação mediúnica
 
5ª aula dos mediuns - coem
5ª aula    dos mediuns - coem5ª aula    dos mediuns - coem
5ª aula dos mediuns - coem
 
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem4ª aula   dos médiuns - classificação geral - coem
4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Mediunidade com jesus
Mediunidade com jesusMediunidade com jesus
Mediunidade com jesus
 
Terceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidade
Terceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidadeTerceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidade
Terceiro Módulo - 1ª aula - Conceito de mediunidade
 
OS MÉDIUNS
OS MÉDIUNSOS MÉDIUNS
OS MÉDIUNS
 
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
 
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismoA audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
A audiência, a psicopictografia, psicometria e o sonambulismo
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!
 
Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01
 
Quarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunica
Quarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunicaQuarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunica
Quarto Módulo - 4ª aula - Classificação mediunica
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coem
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"Seminário "caminhos mediúnicos"
Seminário "caminhos mediúnicos"
 

Destaque

Classificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidadeClassificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidadeGraça Maciel
 
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTEATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTEAri Carrasco
 
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos EspiritosAri Carrasco
 
7 manifestacao mediunica dos espiritos
7  manifestacao mediunica dos espiritos7  manifestacao mediunica dos espiritos
7 manifestacao mediunica dos espiritosPedro da Rocha
 
10ª aula riscos da mediunidade - coem
10ª aula   riscos da mediunidade - coem10ª aula   riscos da mediunidade - coem
10ª aula riscos da mediunidade - coemWagner Quadros
 
15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula obsessão meios e combate-la - coemWagner Quadros
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coemWagner Quadros
 
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coemWagner Quadros
 
Magnetismo e espiritismo - de Mesmer a Kardec
Magnetismo e espiritismo - de Mesmer a KardecMagnetismo e espiritismo - de Mesmer a Kardec
Magnetismo e espiritismo - de Mesmer a KardecPonte de Luz ASEC
 
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coemWagner Quadros
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Ceile Bernardo
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdadeWagner Quadros
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coemWagner Quadros
 
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0hMediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0hhome
 
9ª aula da influencia moral do médium - coem
9ª aula   da influencia moral do médium - coem9ª aula   da influencia moral do médium - coem
9ª aula da influencia moral do médium - coemWagner Quadros
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardeccontatodoutrina2013
 
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOKardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOSergio Menezes
 
História e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da MediunidadeHistória e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da MediunidadeCriamix
 

Destaque (20)

Classificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidadeClassificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidade
 
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTEATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
 
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
 
7 manifestacao mediunica dos espiritos
7  manifestacao mediunica dos espiritos7  manifestacao mediunica dos espiritos
7 manifestacao mediunica dos espiritos
 
10ª aula riscos da mediunidade - coem
10ª aula   riscos da mediunidade - coem10ª aula   riscos da mediunidade - coem
10ª aula riscos da mediunidade - coem
 
15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
 
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
 
Magnetismo e espiritismo - de Mesmer a Kardec
Magnetismo e espiritismo - de Mesmer a KardecMagnetismo e espiritismo - de Mesmer a Kardec
Magnetismo e espiritismo - de Mesmer a Kardec
 
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
 
Apostila coem
Apostila coemApostila coem
Apostila coem
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
 
Escala dos espiritos
Escala dos espiritosEscala dos espiritos
Escala dos espiritos
 
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0hMediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
 
9ª aula da influencia moral do médium - coem
9ª aula   da influencia moral do médium - coem9ª aula   da influencia moral do médium - coem
9ª aula da influencia moral do médium - coem
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
 
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãOKardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
Kardec Antes,Durante E Depois Da CodificaçãO
 
História e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da MediunidadeHistória e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da Mediunidade
 

Semelhante a 2ª aula mediunidade classificação - coem

2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01
2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp012aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01
2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01Daniele Pireda
 
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosSergio Lima Dias Junior
 
O perispírito- unidade teórica 2 COEM
O perispírito- unidade teórica 2 COEMO perispírito- unidade teórica 2 COEM
O perispírito- unidade teórica 2 COEMCarolina Bernardes
 
33 fenômenos de efeitos físicos
33 fenômenos de efeitos físicos33 fenômenos de efeitos físicos
33 fenômenos de efeitos físicosAntonio SSantos
 
Aula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos FísicosSergio Lima Dias Junior
 
mediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdf
mediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdfmediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdf
mediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdfDorotiaCZSilveira
 
12 classificação da mediunidade
12 classificação da mediunidade12 classificação da mediunidade
12 classificação da mediunidadeAntonio SSantos
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hshome
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coemWagner Quadros
 
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)Adriano Alves de Souza
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoFEEAK
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tiposjcevadro
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintoniajcevadro
 

Semelhante a 2ª aula mediunidade classificação - coem (20)

2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01
2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp012aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01
2aula mediunidadeclassificao-coem-121124153606-phpapp01
 
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
 
O perispírito- unidade teórica 2 COEM
O perispírito- unidade teórica 2 COEMO perispírito- unidade teórica 2 COEM
O perispírito- unidade teórica 2 COEM
 
33 fenômenos de efeitos físicos
33 fenômenos de efeitos físicos33 fenômenos de efeitos físicos
33 fenômenos de efeitos físicos
 
Aula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 14 - Mocidade Espírita Chico Xavier - Mediunidade de Efeitos Físicos
 
mediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdf
mediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdfmediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdf
mediunidadedeefeitosfsicos-131018185100-phpapp01 (2).pdf
 
Materializacao 111231102026-phpapp01
Materializacao 111231102026-phpapp01Materializacao 111231102026-phpapp01
Materializacao 111231102026-phpapp01
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
 
12 classificação da mediunidade
12 classificação da mediunidade12 classificação da mediunidade
12 classificação da mediunidade
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para MocidadeMediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
 
Materializacao
MaterializacaoMaterializacao
Materializacao
 
Perispirito ppt
Perispirito   pptPerispirito   ppt
Perispirito ppt
 
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia
( Espiritismo)   # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia( Espiritismo)   # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia
( Espiritismo) # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispírito
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia
( Espiritismo)   # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia( Espiritismo)   # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia
( Espiritismo) # - amag ramgis - da acao dos espiritos sobre a materia
 
18 transe. conceito - tipos
18   transe. conceito - tipos18   transe. conceito - tipos
18 transe. conceito - tipos
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 

Último

Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.pptNuno724230
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxCelso Napoleon
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...edsonjsmarques
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfFrancisco Baptista
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2emprego2
 

Último (10)

Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 

2ª aula mediunidade classificação - coem

  • 1. MEDIUNIDADE CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO OS SEUS EFEITOS A TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS E ESPONTÂNEAS COEM – 2ª AULA TEÓRICA 1
  • 2. I - NOÇÕES FUNDAMENTAIS • Estabelecido o conceito de mediunidade, mais alguns conhecimentos se fazem necessários, para melhor entendimento do fenômeno mediúnico. Foram eles oferecidos pelos próprios Espíritos desencarnados, que nos deram a conhecer, em primeiro lugar, a sua existência independente da matéria física e do corpo carnal e, em segundo, a existência de um invólucro semi-material, que lhes serve de corpo no mundo espiritual e que tem possibilidade de ação sobre a matéria física. • Esse invólucro, semi-material, "corpo espiritual" ou perispírito é variável na sua maior ou menor condensação, o que lhe confere propriedades especiais para agir sobre a matéria. No encarnado, é o intermediário entre o espírito propriamente dito e o corpo físico, fazendo parte, pois, do complexo humano. 2
  • 3. COMPLEXO HUMANO (homem) - COMPOSTO DE: • 1. ESPÍRITO; 2. PERISPÍRITO; • 3. CORPO FÍSICO • Da interação do fluido perispiritual do desencarnado com o do médium resulta o fenômeno mediúnico. • Varia essa interação desde a simples influência até a efetiva combinação fluídica, para a produção de certos fenômenos. 3
  • 4. II - CLASSIFICAÇÃO DA MEDIUNIDADE SEGUNDO OS SEUS EFEITOS Podem ser de 2 ordens os fenômenos mediúnicos: - de efeitos materiais, físicos ou objetivos - de efeitos intelectuais ou subjetivos 4
  • 5. 1. FENÔMENOS DE EFEITOS MATERIAIS FÍSICOS OU OBJETIVOS • Sensibilizam diretamente os órgãos dos sentidos dos observadores. Podem-se apresentar sob variadas formas, tais como: a) materialização (de Espíritos, de objetos, etc) b) transfiguração (modificação dos traços fisionômicos do próprio médium); c) levitação (erguimento de objetos e pessoas, contrariando, aparentemente, a lei da gravidade); d) transporte (entrada e saída de objetos de recintos hermeticamente fechados). e) voz direta (vozes de Espíritos, que soam no ambiente, independentemente do médium); f) escrita direta (palavras, frases, mensagens, escritas sem utilização da mão do médium); g) mesas falantes ou tiptologia (sinais por pancadas, formando palavras e frases inteligentes); h) sematologia (movimento de objetos, sem contato físico, traduzindo uma vontade, um sentimento, etc.) 5
  • 6. 2. FENÔMENOS DE EFEITOS INTELECTUAIS OU SUBJETIVOS • a) mediunidade intuitiva • b) vidência • c) audiência Tais fenômenos ocorrem quando o espírito do próprio médium, em fase especial ou não, de transe, fica num estado de lucidez, percebendo pelos sentidos espirituais. • d) psicometria • e) psicografia • f) psicofonia Tais fenômenos ocorrem por ação direta de uma entidade espiritual sobre o médium servindo-se parcial ou totalmente de sua organização psico-física, para se comunicar. 6
  • 7. Na intuição (fenômeno anímico), a mente do encarnado capta do ambiente externo ou da profundeza do seu próprio psiquismo, ou ainda da mente de outro encarnado, próximo ou distante, certas informações que o ajudam a esclarecer uma questão, resolver um problema, tomar uma atitude, etc. Poderá, igualmente, captar o pensamento de um desencarnado, passando, nesse caso, o fenômeno a ser mediúnico e a faculdade, a chamar-se mediunidade intuitiva. • Na vidência, na audiência e na psicometria, por um estado de maior ou menor exteriorização perispiritual, com a consequente liberação dos sentidos (que têm, normalmente, o seu funcionamento obscurecido pelo contato com a matéria grosseira do corpo físico), pode o espírito do encarnado ver e ouvir o que se passa no plano espiritual. No caso da psicometria, pode recapitular ocorrências ligadas a um objeto com que tenha tomado contato. 7
  • 8. Este estado especial de libertação, que definimos como de lucidez espiritual, com ou sem transe aparente, possibilita maior liberdade ao espírito do médium e o coloca em condições favoráveis para assimilar as correntes de pensamento das outras entidades no mesmo estado de liberdade espiritual e transmitir tais idéias, pensamentos e vontades pela escrita, no fenômeno da psicografia ou anunciá-las através da palavra, caracterizando o fenômeno da psicofonia. • A psicografia e a psicofonia têm sido vulgarmente chamadas de "incorporação mediúnica". Ressalte-se, todavia, que não ocorre a "introdução" do Espírito desencarnado no corpo do médium, mas, sim, uma associação de seus fluidos com os do médium. Segundo as faixas vibratórias em que se encontrem e de acordo com as leis de sintonia e assimilação, esses fluidos se identificam entre si, formando-se, então, um complexo: EMISSOR (Espírito desencarnado) - TRANSMISSOR (fluidos combinados do Espírito comunicante com os do médium) - RECEPTOR (Médium). 8
  • 9. 3. DA TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS • Se temos um efeito - o fenômeno físico, ele deve ter uma causa. Se esta não for física, deverá ser transcendental. Vamo-nos deter no caso dos fenômenos mediúnicos de efeitos físicos produzidos pelos Espíritos desencarnados, buscando saber como se opera esta ação e qual o seu mecanismo. • Segundo a informação dada por eles próprios (os Espíritos), para atuar sobre um objeto inanimado, o desencarnado combina o seu fluido perispiritual com o fluido que se exterioriza do médium, satura os espaços da matéria (sabe-se que esta não é contínua, senão para os nossos sentidos, ainda muito pobres; a matéria é cheia de espaços vazios, tendo apenas uma pequena porcentagem de massa propriamente dita; afirmam alguns que se retirassem todos os espaços da matéria que forma a Terra, ela se reduziria ao tamanho de uma bola de futebol) e, com a força do pensamento, age, movimentando o que e como deseja, podendo alcançar ou não sucesso no seu empreendimento, de acordo com as circunstâncias. Estabelece-se, pois, uma continuidade perfeita entre o perispírito do Espírito e o objeto movimentado, através dos elementos intermediários de natureza fluídica (semi-material) isto é, dos fluidos perispirituais e outros. • Os Espíritos mais atrasados vibram em faixas próximas da Terra e possuem, em sua organização perispiritual, resíduos de fluidos grosseiros, materiais, que facilitam a obtenção de fenômenos mediúnicos de efeitos físicos. Por isso, prestam-se mais a estes tipos de efeitos, sendo dirigidos, porém, por Espíritos superiores. • Deverá haver uma certa simpatia entre os vários elementos que formam os "degraus" do processo, desde os que o dirigem até o médium, que é o instrumento doador. 9
  • 10. 4. MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS • Em alguns lugares, tal como aconteceu com as irmãs Fox, em Hydesville, iniciam-se fenômenos ostensivos sem que haja qualquer predisposição consciente e formal para consegui-los. Ocorrem espontaneamente, a despeito até do desconhecimento e da falta de interesse das pessoas envolvidas. São "raps" (pancadas), transporte, barulhos e outras manifestações semelhantes. Os fenômenos físicos espontâneos ocorrem, geralmente, com a finalidade de: a -assustar as pessoas; b -chamar a atenção para a existência do mundo espiritual; c -atender à necessidade dos Espíritos de se comunicarem para pedir alguma coisa; d -perseguição, atormentando as pessoas. • São produzidos por Espíritos de categoria ainda inferior e que não poderão, pelo simples fato de serem Espíritos, explicar a mecânica do fenômeno, pois os produzem sem compreender. • Antes de aceitar um fenômeno como espírita, devemos verificar se não é: - fruto da imaginação; - produzido por causa física conhecida; - mistificação ou brincadeira de alguém encarnado. • Nos fenômenos de transporte, por exemplo, existe a finalidade de provar a possibilidade que têm alguns Espíritos de, usando médiuns especiais, transportar, através da matéria, flores, perfumes, jóias, objetos variados, restituindo-os ao local de origem após a constatação do fenômeno. 10 (Recomenda-se a leitura do L.M., cap. V, itens 82 a 94).
  • 11. • BIBLIOGRAFIA • 1.Bibliografia essencial: • ALLAN KARDEC - "O Livro dos Médiuns"- caps.I,II,III,IV,V,IX,XI e XIII; • ALLAN KARDEC - "O Livro dos Espíritos" - Questões 21 a 28, 93 a 95. • 2.Bibliografia suplementar: • LEON DENIS - "No Invisível" - caps. XVI, XVII e XVIII. 11
  • 12. CONCENTRAÇÃO COEM – 2ª AULA PRÁTICA 12
  • 13. CONCENTRAÇÃO: Convergência de pensamentos para um determinado fim. • A convergência pressupõe a eliminação de todos os pensamentos que não sejam convenientes aos fins desejados. • A abstração ou esquecimento dos problemas comuns que perturbam a nossa vida íntima deve ser exercitada. • A reunião depende em muito do ambiente formado por todos os componentes do grupo. Através do exercício dos bons pensamentos e da elevação dos sentimentos, o ambiente se satura de elementos espirituais (fluídicos) que favorecem o intercâmbio. • Sem o preparo devido, que deve começar desde a manhã, evitando- se emoções violentas, atritos, desequilíbrios físicos e espirituais, sem o bom hábito de leituras sadias e o exercício dos bons sentimentos, dificilmente a pessoa durante a sessão, tem tranquilidade suficiente para se dedicar tão somente aos fins elevados da sessão 13