OBSESSÃO

Conceitos
Causas
O Livro dos Espíritos
 Perg 459 – Influem os espíritos em nossos
pensamentos e em nossos atos?
 Resp.: “Muito mais do qu...
Obsessão - Definição


“Chama-se obsessão à ação persistente que um espírito

mau exerce sobre um indivíduo”.
AK - A Gêne...
O QUE É OBSESSÃO
O QUE É OBSESSÃO
 A obsessão é a ação persistente ou
domínio que alguns Espíritos logram
adquirir sobre ...
MECANISMO
 "Quando um Espírito, bom ou mau, quer atuar sobre um indivíduo,
envolve-o, por assim dizer, no seu perispírito...










OBSESSÃO E PRÁTICA
MEDIÚNICA

: "Pois que os Espíritos existiram em todos os tempos, também desde todos os...
ESPÍRITOS PROTETORES - VONTADE








"Pois que há Espíritos maus que obsidiam e Espíritos bons que protegem,

pergun...
CAUSAS DA OBSESSÃO:

SINTONIA, PROVA, TAREFA:
 "Assim como as enfermidades resultam das imperfeições físicas que
tornam o...
 Vingança: "E', às vezes, uma vingança que este (o mau
Espírito) toma de um indivíduo de quem guarda queixas de
tempo de ...








Covardia: "Outros são guiados por um sentimento de covardia, que os induz a se
aproveitarem da fraqueza moral ...
MÉDIUNS EM PERIGO:

"Geralmente, o Espírito que se apodera do médium, tendo em vista
dominá-lo, não suporta o exame crític...
 "1ª. - persistência de um Espírito em se comunicar de bom ou mau
grado, pela escrita, pela audição, pela tiptologia, etc...
NOÇÕES SOBRE FLUIDOS
EXTERIORIZAÇÃO

COEM - 13 a AULA PRÁTICA


Todos vivemos em um universo constituído de partículas, subpartículas, campos e
ondas.



A matéria é constituída de á...
 Os fluidos estão sujeitos à impulsão do espírito, quer encarnado ou
desencarnado; o pensamento e as emoções dão-lhes uma...








BIBLIOGRAFIA:
Allan Kardec, O Livro dos Médiuns, 2a. parte, cap. XXIII.
Allan Kardec, Obras Póstumas, "Mani...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem

2.854 visualizações

Publicada em

Obsessão conceitos e causas

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.854
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
168
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem

  1. 1. OBSESSÃO Conceitos Causas
  2. 2. O Livro dos Espíritos  Perg 459 – Influem os espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?  Resp.: “Muito mais do que imaginais, influem a tal ponto que, de ordinário, são eles que vos dirigem”.
  3. 3. Obsessão - Definição  “Chama-se obsessão à ação persistente que um espírito mau exerce sobre um indivíduo”. AK - A Gênese, Cap. XIV, item 45  “Apresenta caracteres muito diferentes, que vão desde a simples influencia moral, sem perceptíveis sinais exteriores até a perturbação completa do organismo e das faculdades mentais” AK – A Gênese  “A obsessão consiste no domínio que maus espíritos assumem sobre certas pessoas, com o objetivo de as escravizar e submeter à vontade deles, pelo prazer que experimentam em fazer o mal”  AK – Obras Póstumas
  4. 4. O QUE É OBSESSÃO O QUE É OBSESSÃO  A obsessão é a ação persistente ou domínio que alguns Espíritos logram adquirir sobre certas pessoas. É praticada pelos Espíritos inferiores, que procuram dominar. O livro dos Médiuns, XXIII/237
  5. 5. MECANISMO  "Quando um Espírito, bom ou mau, quer atuar sobre um indivíduo, envolve-o, por assim dizer, no seu perispírito, como se fora um manto. Interpenetrando-se os fluidos, os pensamentos e as vontades dos dois se confundem e o Espírito, então, se serve do corpo do indivíduo, como se fosse seu, fazendo-o agir à sua vontade, falar, escrever, desenhar, quais os médiuns.  Se o Espírito é bom, sua atuação é suave, benfazeja, não impele o indivíduo senão à prática de atos bons; se é mau, força-o a ações más. Se é perverso e malfazejo, aperta-o como numa teia, paralisa lhe até a vontade e mesmo o juízo, que ele abafa com o seu fluido...  Fá-lo pensar, falar, agir em seu lugar, impele-o, contra sua vontade, a atos extravagantes ou ridículos; magnetiza-o, em suma, lança-o num estado de catalepsia moral e o indivíduo se torna um instrumento de sua vontade". (Obras Póstumas - idem).
  6. 6.       OBSESSÃO E PRÁTICA MEDIÚNICA : "Pois que os Espíritos existiram em todos os tempos, também desde todos os tempos representaram o mesmo papel, porque esse papel é da natureza e a prova está no grande número que sempre houve de pessoas obsidiadas, ou possessas, se o preferirem, antes que se falasse em Espíritos, ou que, nos dias atuais, se ouvisse falar de Espiritismo, nem de médiuns. É pois, espontânea a ação dos Espíritos, bons ou maus; a destes produz uma imensidade de perturbações na economia moral e mesmo físicas. Perturbações que, por ignorância da verdadeira causa, atribuíam a causas errôneas. Os Espíritos maus são inimigos invisíveis, tanto mais perigosos, quanto da ação deles não se suspeitava. Desmascarando-os, o Espiritismo revela uma nova causa de certos males da Humanidade... Foi pela mediunidade que esses inimigos ocultos traíram a sua presença... O Espiritismo não atraiu os maus Espíritos; desvendou-os e forneceu os meios de se lhes paralisar a ação e, por conseguinte, de afastá-los. Não foi ele quem trouxe o mal, visto que o mal existe desde todos os tempos; ele, ao contrário, dá remédio ao mal, apontando-lhe a causa" (Idem).
  7. 7. ESPÍRITOS PROTETORES - VONTADE     "Pois que há Espíritos maus que obsidiam e Espíritos bons que protegem, perguntam muitos se os primeiros são mais poderosos do que os segundos. Não é que o bom Espírito seja mais fraco; o médium é que não tem força bastante para alijar de si o manto que lhe atiraram em cima, para se desprender dos braços que o enlaçam e nos quais, cumpre dizê-lo, às vezes se compraz. Neste caso, compreende-se que o bom Espírito, não possa levar vantagem, pois que o outro é preferido. Admitamos, porém, que a vítima deseje desembaraçar-se do envoltório fluídico que penetra o seu, como a umidade penetra as roupas. Esse desejo nem sempre bastará. A própria vontade nem sempre é suficiente. Trata-se de lutar contra um adversário. Ora, quando dois homens lutam corpo a corpo, aquele que dispõe de mais fortes músculos é que abate o outro. Com um Espírito tem-se de lutar, não corpo a corpo, mas Espírito a Espírito e é ainda o mais forte que triunfa. Aqui o esforço reside na autoridade que se possa exercer sobre o obsessor e essa autoridade está subordinada à superioridade moral... Esforçar-se por ser bom, por se tornar melhor se já é bom, por purificar-se de suas imperfeições, por, numa palavra, elevar-se moralmente o mais possível, tal o meio de o encarnado adquirir o poder de mandar sobre os Espíritos inferiores, para os afastar. De outro modo estes zombarão das suas injunções" (Idem).
  8. 8. CAUSAS DA OBSESSÃO: SINTONIA, PROVA, TAREFA:  "Assim como as enfermidades resultam das imperfeições físicas que tornam o corpo acessível às perniciosas influências exteriores, a obsessão decorre sempre de uma imperfeição moral, que dá ascendência a um Espírito mau." (O Livro dos Médiuns, cap. XXIII, 245).  Na base do fenômeno obsessivo encontram-se, pois, como causa predominante, as condições de sintonia entre o Espírito desencarnado e o encarnado.  "Algumas obsessões tenazes, no entanto, sobretudo em pessoas de mérito, fazem às vezes parte das provações a que essas pessoas estão sujeitas. Mais ainda: pode acontecer, mesmo, que a obsessão, quando simples, seja uma tarefa imposta ao obsidiado, qual a de trabalhar pela regeneração de obsessor, como um pai pela de um filho vicioso."(O Livro dos Médiuns, cap. XXIII).  De acordo com o caráter do obsessor, variam ainda as causas que o induzem à perseguição:
  9. 9.  Vingança: "E', às vezes, uma vingança que este (o mau Espírito) toma de um indivíduo de quem guarda queixas de tempo de outra existência". O passado e os sofrimentos que lhes foram infligidos pelo obsidiado ou motivados por este, fazem com que o Espírito se mantenha no firme propósito de vingança.  Desejo de fazer o mal: "Muitas vezes, também, não há mais do que o desejo de fazer o mal: o Espírito, como sofre, entende de fazer que os outros sofram; encontra uma espécie de gozo em os atormentar, em os vexar, e a impaciência que por isso a vítima demonstra mais o exacerba, por que esse é o objetivo que colima, ao passo que a paciência o leva a cansar-se.  Com o irritar-se e mostrar-se despeitado, o perseguido faz exatamente o que quer o seu perseguidor. Esses Espíritos agem, não raro, por ódio e inveja do bem; daí, o lançarem suas vistas malfazejas sobre as pessoas mais honestas."
  10. 10.     Covardia: "Outros são guiados por um sentimento de covardia, que os induz a se aproveitarem da fraqueza moral de certos indivíduos, que eles sabem incapazes de lhes resistirem. Um destes últimos, que subjugava um rapaz de inteligência muito apoucada, interrogado sobre os motivos dessa escolha, respondeu: "Tenho grandíssima necessidade de atormentar alguém; uma pessoa criteriosa me repeliria; ligo-me a um idiota, que nenhum força me opõe." (Idem) Orgulho de falso saber: "Há Espíritos obsessores sem maldade, que alguma coisa mesmo denotam de bom, mas dominados pelo orgulho do falso saber. Têm suas idéias, seus sistemas sobre as ciências, a economia social, a moral, a religião, a filosofia e querem fazer que suas opiniões prevaleçam. Para esse efeito, procuram médiuns bastante crédulos para os aceitar de olhos fechados e que eles fascinam, a fim de os impedir de discernirem o verdadeiro do falso. São os mais perigosos, porque os sofismas nada lhes custam e podem tornar criadas as mais ridículas utopias. Como conhecem o prestígio dos grandes nomes, não escrupulizam em se adornarem com um daqueles diante dos quais todos se inclinam, e não recuam sequer ante o sacrilégio de se dizerem Jesus, a Virgem Maria, ou um santo venerado. Procuram deslumbrar por meio de uma linguagem empolada, mais pretensiosa do que profunda, eriçada de termos técnicos e recheada das retumbantes palavras - caridade e moral. Cuidadosamente evitarão dar um mau conselho, por que bem sabem que seriam repelidos. Daí vem que, os que são por eles enganados, os defendem dizendo: "Bem vedes que nada dizem de mau". A moral, porém, para esses Espíritos é simples passaporte. É o que menos os preocupa. O que querem, acima de tudo, é impor suas idéias por mais disparatadas que sejam". (idem - 246).
  11. 11. MÉDIUNS EM PERIGO: "Geralmente, o Espírito que se apodera do médium, tendo em vista dominá-lo, não suporta o exame crítico das suas comunicações: quando vê que não são aceitas, que as discutem, não se retira mas inspira ao médium o pensamento de se insular, chegando mesmo, não raro, a ordenar-lhe.  Todo médium que se melindra com a crítica das comunicações que obtém faz-se eco do Espírito que o domina, Espírito esse que não pode ser bom, desde que lhe inspira um pensamento ilógico, qual o de se recusar ao exame.  O insulamento do médium é sempre uma coisa deplorável para ele, porque fica sem uma verificação das comunicações que recebe. Não somente deve buscar a opinião de terceiros para esclarecer-se, como também necessário lhe é estudar todos os gêneros de comunicações, a fim de as comparar". (Idem, 248).  Em vista disso e para prevenir os médiuns quanto ao perigo da obsessão, achamos conveniente enunciar as características dos médiuns obsidiados. 
  12. 12.  "1ª. - persistência de um Espírito em se comunicar de bom ou mau grado, pela escrita, pela audição, pela tiptologia, etc., opondo-se a que outros Espíritos o façam;  2ª. - ilusão, que, não obstante a inteligência do médium, o impede de reconhecer a falsidade e o ridículo as comunicações que recebe;  3ª. - crença na INFALIBILIDADE e na identidade absoluta dos Espíritos que se comunicam e que, sob nomes respeitáveis e venerados, dizem coisas falsas ou absurdas;  4ª. - confiança do médium nos elogios que lhe dispensam os Espíritos que por ele se comunicam;  5ª. -disposição para se afastar das pessoas que podem omitir opiniões aproveitáveis;  6ª. - intolerância para com a crítica das comunicações que recebe;  7ª. - necessidade incessante e inoportuna de escrever;  8ª. - constrangimento físico qualquer, dominando-lhe a vontade e forçando-o a agir ou falar a seu mau grado.  9ª. - rumores e desordens persistentes ao redor do médium, sendo ele de tudo a causa, ou o objeto." (Idem, 243).
  13. 13. NOÇÕES SOBRE FLUIDOS EXTERIORIZAÇÃO COEM - 13 a AULA PRÁTICA
  14. 14.  Todos vivemos em um universo constituído de partículas, subpartículas, campos e ondas.  A matéria é constituída de átomos, que se subdividem em elétrons, prótons e nêutrons.  Os átomos e seus componentes não são imóveis; ao contrário, estão animados de velocidades altíssimas. As dimensões dos átomos, partículas e subpartículas são muito pequenas (da ordem de 1/ 100.000.000 m), no entanto, existem distâncias que os separam. A continuidade da matéria resulta da existência de forças de coesão que as unem.  Estamos imersos em um mundo de matéria sutil, refinada, invisível, porém, real, e que tem como fonte primeira, uma substância que é denominada Fluido Universal, que dá todas as formas materiais já conhecidas e, provavelmente, muitas outras que ainda nos são desconhecidas, e também a energia nas variadas formas em que se manifesta.  Os fluidos nada mais são que formas energéticas dessa substância primordial. O perispírito automaticamente absorve do meio ambiente, transforma de acordo com o padrão vibratório espiritual em que se encontra e irradia em redor de si, formando uma verdadeira esteira psíquica ou hálito mental.
  15. 15.  Os fluidos estão sujeitos à impulsão do espírito, quer encarnado ou desencarnado; o pensamento e as emoções dão-lhes uma determinada estrutura, de maior ou menor densidade, conforme a pureza ou harmonia com que são emitidos. Quanto mais elevados são os pensamentos e as emoções, os fluidos são mais harmônicos, agradáveis, saudáveis. Quanto mais grosseiros, mais desarmônicos, desagradáveis e de efeitos doentios  Constantemente estamos irradiando de nós o que realmente somos, e impregnando com esse fluido particular as coisas, o ambiente, os objetos e influindo sobre as pessoas que aceitam e assimilam essa energia.  Educando o nosso pensamento, podemos irradiar uma quantidade maior de fluidos de qualidade superior, que metabolizamos com a nossa mente. Daí, a importância de mantê-la sempre em estado de elevação.
  16. 16.        BIBLIOGRAFIA: Allan Kardec, O Livro dos Médiuns, 2a. parte, cap. XXIII. Allan Kardec, Obras Póstumas, "Manifestações dos Espíritos," parágrafo 7. Allan Kardec, A Gênese, cap. XIV, itens 45/49. Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, SEARA DOS MÉDIUNS, cap. 38. André Luiz, idem, idem, NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNIDADE, Introdução. mediunidade.coem@bol.com.br

×