SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
A Comunicação Mediúnica
Ciclo III
Temas
 Comunicações mediúnicas pela primeira vez –
Insegurança ou Desconfiança;
 As fases da comunicação mediúnica;
 Influência do médium na mediunidade;
 Aspectos sócio-culturais da mediunidade –
Orixás, Caboclos e Pretos Velhos;
 O medium iniciante, pode levantar as
seguintes questões:
Comunicações Mediúnicas pela
Primeira Vez – Insegurança ou
Desconfiança
 Como eu fiz isso?
 Eu falei isso?
 Essas palavras não são minhas? Como escrevi
isso?
 Estou pensando isso ou alguém esta me
ditando?
 Eu vi alguém, mas desapareceu… será que
realmente vi?
 O que significa tudo isso?
Catolicismo
25%
Islã
19%
Sem Religião
12%
Hinduísmo
11%
Budismo
11%
Religiões Folclóricas
11%
Religião Tradicional
Chinesa
10%
Xintoísmo
1%
Sikhismo
0%
Espiritismo
0%
Judaísmo
0% Janaísmo
0%
Outros
0%
Distribuição das Religiões
 O médium não deve ignorar o que esta
ocorrendo, pois os fenômenos seguirão
persistindo.
 Dessa forma, algumas alternativas podem
ocorrer:
Ausência de orientação/Desorientação
Orientação inadequada
Orientação correta
 A resposta: Espíritas, amai-vos, eis o primeiro
ensinamento. Instruí-vos, eis o segundo.
 Outro ponto importante é o animismo, que
dependendo dos orientadores na casa espírita,
pode trazer insegurança ao medium.
 O animismo na comunicação mediúnica.
• Livro dos Médiuns, Cap 19, item 223
• As comunicações escritas ou verbais também podem
emanar do próprio Espírito encarnado no médium?
• A alma do médium pode comunicar-se, como a de
qualquer outro.
 Vale lembrar que mesmo nos fenômenos em
que há a participação do desencarnado, o
animismo faz parte do processo, pois o médium
é o intermediário. Logo, como exposto por
Kardec, o médium exerce influência na
comunicação.
 Dentre muitos fatos que influenciam a
comunicação mediúnica, as seguintes fases
podem ser destacadas:
Atração
Aproximação
Envolvimento
As Fases da Comunicação Mediúnica
 Atração
 Lei da Física
Os opostos se atraem
 Definição Espiritual
Atração é por afinidade
 Atração
O pensamento é a força responsável por tudo que
existe, entretanto para que essa força possa ser
acionada, é necessária a utilização do desejo,
representado pela ação. O pensamento sem o desejo
da ação se transforma apenas em sonho.
A atração ocorre quando o pensamento e acionado
pelo desejo da comunicação de ambos os
participantes do fenômeno, o médium e o Espírito.
 Atração
O medo e/ou a insegurança do médium podem
dificultar o intercâmbio mediúnico.
O padrão vibratório também é importante entre os
fatores que auxiliam a aproximação. O padrão
vibratório é consequência dos tipos de fluidos ou
pensamentos que vão direcionar a sintonia do
médium com o Espírito comunicante.
 Atração
Os Espíritos procuram o médium que mais
“simpatize” com eles e que lhe exprima com mais
exatidão os pensamentos ( Livro dos Médiums, 223,
item 8 ).
Às vezes, o Espírito do médium,
em desdobramento natural durante
o sono, dias antes do trabalho
mediúnico, é levado pelos
mentores espirituais a tomar
contato com a entidade que deverá
receber mediunicamente, para
evitar choques inesperados
durante a reunião, impedindo-o de
alcançar os objetivos desejados.
Isso ocorre com frequência com
médiuns que colaboram nos
trabalhos de desobsessão.
 Aproximação
A captação de fluidos espirituais pelo médium provoca-lhe
sensações, boas ou más, conforme o grau evolutivo do
Espírito. As sensações e percepções variam, em tipos e
graus, atuando os fluidos sobre o perispírito, este reage
sobre o organismo material com que se acha em contato
molecular. Se os eflúvios são de boa natureza, o corpo
ressente uma impressão salutar; se são maus, a
impressão é penosa ( A Gênese – cap 14 ).
A presença do
comunicante nas
proximidades do médium,
onde suas primeiras
emoções já se fazem
sentir, de maneira pouco
perceptível, mas reais.
 Envolvimento
O médium deve manter-se calmo, confiante e seguro, certo
de que nada de mau lhe acontecerá por causa da
confiança no trabalho, a amizade fraterna do grupo e a
confiança na experiência do dirigente encarnado e
desencarnado.
É quando completa-se o fenômeno. As linhas energéticas
do comunicante e do médium se encontram,
proporcionando a evidenciação do fenômeno de forma
indiscutível, assumindo o comunicante o comando relativo
das ações variando de influência mental ao domínio total
do físico e quase total da mente, guardando o médium,
entretanto, o domínio das últimas decisões.
O Espírito comunicante e o médium adequam suas
vibrações, possibilitando a interação entre os dois
 Envolvimento
O médium percebe as idéias, vivências e sentimentos da
entidade comunicante e os transmite conforme a faculdade
que possui (intuição, psicofonia, etc.). É natural que nessa
fase o médium se sinta diferente, com sensações
anormais, sudorese, amortecimentos, respiração ofegante,
tremores, nervosismo, etc. O controle das reações
orgânicas deverá surgir graças a confiança e a serenidade
alcançadas com um bom treinamento mediúnico.
Muitas vezes, por falta de educação mediúnica o médium
reage através de espalhafato diante dessas percepções e
sensações. Não há necessidade, portanto, de tremores ou
pancadas. Deverá o médium se controlar para que a
comunicação se faça naturalmente.
 A mediunidade não é uma ciência exata.
Influência do Médium na Mediunidade
 Livro dos Médiums, Item 226.1
O desenvolvimento da mediunidade se processa
na razão do desenvolvimento moral do médium?
Não. A faculdade propriamente dita é orgânica, e
portanto independente da moral. Mas já não acontece o
mesmo com o seu uso, que pode ser bom ou mau,
segundo as qualidades do médium.
 A mediunidade e uma faculdade da qual os
médiums, através do seu livre arbítrio, podem fazer
mau uso. Sendo assim, perdem a oportunidade de
um meio a mais para seu esclarecimento e
crescimento pessoal, além de possível dedicação
ao trabalho em reuniões mediúnicas.
 O médium, no intercâmbio mediúnico, possui
influência muito grande sob o aspecto moral. A
alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de
atração, ou de repulsão, conforme o grau de
sintonia existente entre eles. As qualidades morais
do médium exercem influência capital sobre a
natureza dos Espíritos que por ele se comunicam.
 Em tese geral, os Espíritos atraem os Espíritos que
lhe são similares.
 Onde, porém, a influência moral do médium se faz
realmente sentir, é quando ele substitui, pelas que
lhe são pessoais, as idéias que os Espíritos se
esforçam por lhe sugerir.
 É importante ressaltar o trabalho específico de
socorro aos Espíritos sofredores, no exercício do
qual médiums prestimosos doam os seus recursos
mediúnicos em auxílio de Espíritos em nível
evolutivo inferior. Não se trata aí do intercâmbio
com Espíritos simpáticos ao médium, mas tarefa
de sacrifício por amor, supervisionada pelos
Orientadores Espirituais.
 Definição de Orixá ( Candomblé/Umbanda )
 Ori = Coroa Xá = Luz
 A palavra Orixá quer dizer “Coroa Iluminada”
Aspectos Sócio-Culturais da
Mediunidade – Orixás, Caboclos e
Pretos Velhos
 Referências
 Livro dos Espíritos
 Livro dos Médiuns
 A Gênese
 Wikipedia
 Sites Diversos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coemWagner Quadros
 
Influência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoInfluência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoGraça Maciel
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações MediúnicasEHMANA
 
Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?home
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07Leonardo Pereira
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicosjcevadro
 
Fluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_cFluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_ccarlos freire
 
Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...
Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...
Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...Carlos Alberto Freire De Souza
 
Ação do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptx
Ação do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptxAção do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptx
Ação do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptxFabiaFavero2
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoSergio Rodriguez
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coemWagner Quadros
 
Influência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do MeioInfluência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do Meioigmateus
 
Açao dos espiritos sobre a materia lm
Açao dos espiritos sobre a materia lmAçao dos espiritos sobre a materia lm
Açao dos espiritos sobre a materia lmFran França
 

Mais procurados (20)

Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem7ª aula   desenvolvimento mediunico - coem
7ª aula desenvolvimento mediunico - coem
 
Sintomas da mediunidade
Sintomas da mediunidadeSintomas da mediunidade
Sintomas da mediunidade
 
Influência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoInfluência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicação
 
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6   Mecanismo das Comunicações MediúnicasAula 6   Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
Aula 6 Mecanismo das Comunicações Mediúnicas
 
Animismo e Mediunidade
Animismo e MediunidadeAnimismo e Mediunidade
Animismo e Mediunidade
 
Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?Todos nós somos médiuns?
Todos nós somos médiuns?
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
 
Obsessao 1
Obsessao 1Obsessao 1
Obsessao 1
 
Psicofonia
PsicofoniaPsicofonia
Psicofonia
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
 
Fluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_cFluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_c
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...
Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...
Olm 101027-perguntas que se podem fazer-mistificações e contradições-charlata...
 
Ação do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptx
Ação do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptxAção do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptx
Ação do perispírito e da mente na comunicação mediúnica.pptx
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
 
Influência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do MeioInfluência Moral do Médium e do Meio
Influência Moral do Médium e do Meio
 
Açao dos espiritos sobre a materia lm
Açao dos espiritos sobre a materia lmAçao dos espiritos sobre a materia lm
Açao dos espiritos sobre a materia lm
 

Destaque

Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Leonardo Pereira
 
Conversando o Evangelho - Mediunidade o que é
Conversando o Evangelho - Mediunidade   o que éConversando o Evangelho - Mediunidade   o que é
Conversando o Evangelho - Mediunidade o que éFatoze
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritosigmateus
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursoresjcevadro
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Leonardo Pereira
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomespcab3032
 
Comunicabilidade dos espiritos
Comunicabilidade dos espiritosComunicabilidade dos espiritos
Comunicabilidade dos espiritosAngelo Baptista
 
27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunica
27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunica27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunica
27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunicaAntonio SSantos
 
O evangelizador. apostila
O evangelizador. apostilaO evangelizador. apostila
O evangelizador. apostilaAlice Lirio
 
Mediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na InfânciaMediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na InfânciaArlete Laenzlinger
 
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesCeiClarencio
 
Mediunidade nas crianças
Mediunidade nas criançasMediunidade nas crianças
Mediunidade nas criançasgrupodepaisceb
 
Povos Primitivos
Povos PrimitivosPovos Primitivos
Povos PrimitivosDiabzie
 
Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade Graça Maciel
 
Mediunidade na infancia
Mediunidade na infanciaMediunidade na infancia
Mediunidade na infanciaFEEAK
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardeccontatodoutrina2013
 

Destaque (20)

Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
Conversando o Evangelho - Mediunidade o que é
Conversando o Evangelho - Mediunidade   o que éConversando o Evangelho - Mediunidade   o que é
Conversando o Evangelho - Mediunidade o que é
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomesp
 
Cei 100331-i-cap.11-proibição de evocar os mortos
Cei 100331-i-cap.11-proibição de evocar os mortosCei 100331-i-cap.11-proibição de evocar os mortos
Cei 100331-i-cap.11-proibição de evocar os mortos
 
Comunicabilidade dos espiritos
Comunicabilidade dos espiritosComunicabilidade dos espiritos
Comunicabilidade dos espiritos
 
O retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O retorno de Chico Xavier à EspiritualidadeO retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
 
Allan kardec
Allan kardecAllan kardec
Allan kardec
 
27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunica
27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunica27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunica
27 a epifise e o mecanismo da comunicação mediunica
 
O evangelizador. apostila
O evangelizador. apostilaO evangelizador. apostila
O evangelizador. apostila
 
Os mediuns precursores
Os mediuns precursoresOs mediuns precursores
Os mediuns precursores
 
Mediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na InfânciaMediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na Infância
 
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicaçõesTerceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
Terceiro Módulo - 4ªaula - Mecanismo das comunicações
 
Mediunidade nas crianças
Mediunidade nas criançasMediunidade nas crianças
Mediunidade nas crianças
 
Povos Primitivos
Povos PrimitivosPovos Primitivos
Povos Primitivos
 
Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade Mecanismo da mediunidade
Mecanismo da mediunidade
 
Mediunidade na infancia
Mediunidade na infanciaMediunidade na infancia
Mediunidade na infancia
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
 

Semelhante a A comunicacao mediunica-eduardo_w

Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médiumTerceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médiumCeiClarencio
 
Quarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofoniaQuarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofoniaCeiClarencio
 
18 envolvimento mediunico
18 envolvimento mediunico18 envolvimento mediunico
18 envolvimento mediunicoAntonio SSantos
 
Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02
Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02
Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02Márcia Cleto
 
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnicaHelio Cruz
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicofonia
Mocidade Espírita Chico Xavier - PsicofoniaMocidade Espírita Chico Xavier - Psicofonia
Mocidade Espírita Chico Xavier - PsicofoniaSergio Lima Dias Junior
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisjcevadro
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresAlencar Santana
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Leonardo Pereira
 
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidade
( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidade( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidade
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidadeInstituto de Psicobiofísica Rama Schain
 

Semelhante a A comunicacao mediunica-eduardo_w (20)

Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médiumTerceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
 
Quarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofoniaQuarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofonia
 
18 envolvimento mediunico
18 envolvimento mediunico18 envolvimento mediunico
18 envolvimento mediunico
 
Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02
Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02
Projetomanoelphilomenodemiranda vivnciamedinica-140910113139-phpapp02
 
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicofonia
Mocidade Espírita Chico Xavier - PsicofoniaMocidade Espírita Chico Xavier - Psicofonia
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicofonia
 
01
0101
01
 
01
0101
01
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
 
Transe Mediúnico
Transe MediúnicoTranse Mediúnico
Transe Mediúnico
 
Animismo
AnimismoAnimismo
Animismo
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
25 animismo
25 animismo25 animismo
25 animismo
 
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidade
( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidade( Espiritismo)   # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidade
( Espiritismo) # - adenauer m f novaes - o psiquismo humano e a mediunidade
 
A mediunidade e o seu despertar i
A mediunidade e o seu despertar  iA mediunidade e o seu despertar  i
A mediunidade e o seu despertar i
 

Mais de carlos freire

magnetismo-fluidos e perispirito
magnetismo-fluidos e perispiritomagnetismo-fluidos e perispirito
magnetismo-fluidos e perispiritocarlos freire
 
animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade carlos freire
 
Cm 6a aula-o-pensamento
Cm 6a aula-o-pensamentoCm 6a aula-o-pensamento
Cm 6a aula-o-pensamentocarlos freire
 
O papel da ciencia na genese
  O papel da ciencia na genese  O papel da ciencia na genese
O papel da ciencia na genesecarlos freire
 
Aula 03 FCU - Fluído Cósmico ou Universal
Aula 03 FCU - Fluído Cósmico ou UniversalAula 03 FCU - Fluído Cósmico ou Universal
Aula 03 FCU - Fluído Cósmico ou Universalcarlos freire
 
Fe esperanca-e-caridade
Fe esperanca-e-caridadeFe esperanca-e-caridade
Fe esperanca-e-caridadecarlos freire
 
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deuscarlos freire
 
01 carater revelacao espirita
01 carater revelacao espirita01 carater revelacao espirita
01 carater revelacao espiritacarlos freire
 
2016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-170830003409
2016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-1708300034092016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-170830003409
2016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-170830003409carlos freire
 
sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismo
   sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismo   sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismo
sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismocarlos freire
 
2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisal
2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisal2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisal
2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisalcarlos freire
 
Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural carlos freire
 
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelhocarlos freire
 
1) perdao--das-ofensas
1) perdao--das-ofensas1) perdao--das-ofensas
1) perdao--das-ofensascarlos freire
 
A fé que transporta montanhas - evangelho
   A fé que transporta montanhas - evangelho   A fé que transporta montanhas - evangelho
A fé que transporta montanhas - evangelhocarlos freire
 
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadosFluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadoscarlos freire
 
Os trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o Espiritismo
Os trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o EspiritismoOs trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o Espiritismo
Os trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o Espiritismocarlos freire
 
Reencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_nReencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_ncarlos freire
 
Aula 05 ninguém pode ver o reino de deus... - evangelho
Aula 05   ninguém pode ver o reino de deus... - evangelhoAula 05   ninguém pode ver o reino de deus... - evangelho
Aula 05 ninguém pode ver o reino de deus... - evangelhocarlos freire
 

Mais de carlos freire (20)

magnetismo-fluidos e perispirito
magnetismo-fluidos e perispiritomagnetismo-fluidos e perispirito
magnetismo-fluidos e perispirito
 
animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade
 
Cm 6a aula-o-pensamento
Cm 6a aula-o-pensamentoCm 6a aula-o-pensamento
Cm 6a aula-o-pensamento
 
O papel da ciencia na genese
  O papel da ciencia na genese  O papel da ciencia na genese
O papel da ciencia na genese
 
Aula 03 FCU - Fluído Cósmico ou Universal
Aula 03 FCU - Fluído Cósmico ou UniversalAula 03 FCU - Fluído Cósmico ou Universal
Aula 03 FCU - Fluído Cósmico ou Universal
 
Fe esperanca-e-caridade
Fe esperanca-e-caridadeFe esperanca-e-caridade
Fe esperanca-e-caridade
 
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
02 genese cap 02 de 1-19 existencia de deus
 
01 carater revelacao espirita
01 carater revelacao espirita01 carater revelacao espirita
01 carater revelacao espirita
 
2016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-170830003409
2016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-1708300034092016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-170830003409
2016 02-05-cicloce-leideadoracaopreceevangelho-marisal-170830003409
 
sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismo
   sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismo   sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismo
sede perfeitos - evangelho segundo o espiritismo
 
2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisal
2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisal2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisal
2016 02-05-ciclo ce-lei-de_adoracao_prece_evangelho-marisal
 
Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural Caracteres da lei natural
Caracteres da lei natural
 
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho   Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
Que a mão esquerda não saiba o que faz a direita - evangelho
 
Os tres reinos
Os tres reinosOs tres reinos
Os tres reinos
 
1) perdao--das-ofensas
1) perdao--das-ofensas1) perdao--das-ofensas
1) perdao--das-ofensas
 
A fé que transporta montanhas - evangelho
   A fé que transporta montanhas - evangelho   A fé que transporta montanhas - evangelho
A fé que transporta montanhas - evangelho
 
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadosFluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
 
Os trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o Espiritismo
Os trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o EspiritismoOs trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o Espiritismo
Os trabalhadores da ultima hora - Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Reencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_nReencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_n
 
Aula 05 ninguém pode ver o reino de deus... - evangelho
Aula 05   ninguém pode ver o reino de deus... - evangelhoAula 05   ninguém pode ver o reino de deus... - evangelho
Aula 05 ninguém pode ver o reino de deus... - evangelho
 

Último

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfSUELLENBALTARDELEU
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 

Último (14)

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 

A comunicacao mediunica-eduardo_w

  • 2. Temas  Comunicações mediúnicas pela primeira vez – Insegurança ou Desconfiança;  As fases da comunicação mediúnica;  Influência do médium na mediunidade;  Aspectos sócio-culturais da mediunidade – Orixás, Caboclos e Pretos Velhos;
  • 3.  O medium iniciante, pode levantar as seguintes questões: Comunicações Mediúnicas pela Primeira Vez – Insegurança ou Desconfiança  Como eu fiz isso?  Eu falei isso?  Essas palavras não são minhas? Como escrevi isso?  Estou pensando isso ou alguém esta me ditando?  Eu vi alguém, mas desapareceu… será que realmente vi?  O que significa tudo isso? Catolicismo 25% Islã 19% Sem Religião 12% Hinduísmo 11% Budismo 11% Religiões Folclóricas 11% Religião Tradicional Chinesa 10% Xintoísmo 1% Sikhismo 0% Espiritismo 0% Judaísmo 0% Janaísmo 0% Outros 0% Distribuição das Religiões
  • 4.  O médium não deve ignorar o que esta ocorrendo, pois os fenômenos seguirão persistindo.  Dessa forma, algumas alternativas podem ocorrer: Ausência de orientação/Desorientação Orientação inadequada Orientação correta  A resposta: Espíritas, amai-vos, eis o primeiro ensinamento. Instruí-vos, eis o segundo.
  • 5.  Outro ponto importante é o animismo, que dependendo dos orientadores na casa espírita, pode trazer insegurança ao medium.  O animismo na comunicação mediúnica. • Livro dos Médiuns, Cap 19, item 223 • As comunicações escritas ou verbais também podem emanar do próprio Espírito encarnado no médium? • A alma do médium pode comunicar-se, como a de qualquer outro.
  • 6.  Vale lembrar que mesmo nos fenômenos em que há a participação do desencarnado, o animismo faz parte do processo, pois o médium é o intermediário. Logo, como exposto por Kardec, o médium exerce influência na comunicação.
  • 7.  Dentre muitos fatos que influenciam a comunicação mediúnica, as seguintes fases podem ser destacadas: Atração Aproximação Envolvimento As Fases da Comunicação Mediúnica
  • 8.  Atração  Lei da Física Os opostos se atraem  Definição Espiritual Atração é por afinidade
  • 9.  Atração O pensamento é a força responsável por tudo que existe, entretanto para que essa força possa ser acionada, é necessária a utilização do desejo, representado pela ação. O pensamento sem o desejo da ação se transforma apenas em sonho. A atração ocorre quando o pensamento e acionado pelo desejo da comunicação de ambos os participantes do fenômeno, o médium e o Espírito.
  • 10.  Atração O medo e/ou a insegurança do médium podem dificultar o intercâmbio mediúnico. O padrão vibratório também é importante entre os fatores que auxiliam a aproximação. O padrão vibratório é consequência dos tipos de fluidos ou pensamentos que vão direcionar a sintonia do médium com o Espírito comunicante.
  • 11.  Atração Os Espíritos procuram o médium que mais “simpatize” com eles e que lhe exprima com mais exatidão os pensamentos ( Livro dos Médiums, 223, item 8 ). Às vezes, o Espírito do médium, em desdobramento natural durante o sono, dias antes do trabalho mediúnico, é levado pelos mentores espirituais a tomar contato com a entidade que deverá receber mediunicamente, para evitar choques inesperados durante a reunião, impedindo-o de alcançar os objetivos desejados. Isso ocorre com frequência com médiuns que colaboram nos trabalhos de desobsessão.
  • 12.  Aproximação A captação de fluidos espirituais pelo médium provoca-lhe sensações, boas ou más, conforme o grau evolutivo do Espírito. As sensações e percepções variam, em tipos e graus, atuando os fluidos sobre o perispírito, este reage sobre o organismo material com que se acha em contato molecular. Se os eflúvios são de boa natureza, o corpo ressente uma impressão salutar; se são maus, a impressão é penosa ( A Gênese – cap 14 ). A presença do comunicante nas proximidades do médium, onde suas primeiras emoções já se fazem sentir, de maneira pouco perceptível, mas reais.
  • 13.  Envolvimento O médium deve manter-se calmo, confiante e seguro, certo de que nada de mau lhe acontecerá por causa da confiança no trabalho, a amizade fraterna do grupo e a confiança na experiência do dirigente encarnado e desencarnado. É quando completa-se o fenômeno. As linhas energéticas do comunicante e do médium se encontram, proporcionando a evidenciação do fenômeno de forma indiscutível, assumindo o comunicante o comando relativo das ações variando de influência mental ao domínio total do físico e quase total da mente, guardando o médium, entretanto, o domínio das últimas decisões. O Espírito comunicante e o médium adequam suas vibrações, possibilitando a interação entre os dois
  • 14.  Envolvimento O médium percebe as idéias, vivências e sentimentos da entidade comunicante e os transmite conforme a faculdade que possui (intuição, psicofonia, etc.). É natural que nessa fase o médium se sinta diferente, com sensações anormais, sudorese, amortecimentos, respiração ofegante, tremores, nervosismo, etc. O controle das reações orgânicas deverá surgir graças a confiança e a serenidade alcançadas com um bom treinamento mediúnico. Muitas vezes, por falta de educação mediúnica o médium reage através de espalhafato diante dessas percepções e sensações. Não há necessidade, portanto, de tremores ou pancadas. Deverá o médium se controlar para que a comunicação se faça naturalmente.
  • 15.  A mediunidade não é uma ciência exata. Influência do Médium na Mediunidade
  • 16.  Livro dos Médiums, Item 226.1 O desenvolvimento da mediunidade se processa na razão do desenvolvimento moral do médium? Não. A faculdade propriamente dita é orgânica, e portanto independente da moral. Mas já não acontece o mesmo com o seu uso, que pode ser bom ou mau, segundo as qualidades do médium.  A mediunidade e uma faculdade da qual os médiums, através do seu livre arbítrio, podem fazer mau uso. Sendo assim, perdem a oportunidade de um meio a mais para seu esclarecimento e crescimento pessoal, além de possível dedicação ao trabalho em reuniões mediúnicas.
  • 17.  O médium, no intercâmbio mediúnico, possui influência muito grande sob o aspecto moral. A alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de atração, ou de repulsão, conforme o grau de sintonia existente entre eles. As qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam.  Em tese geral, os Espíritos atraem os Espíritos que lhe são similares.  Onde, porém, a influência moral do médium se faz realmente sentir, é quando ele substitui, pelas que lhe são pessoais, as idéias que os Espíritos se esforçam por lhe sugerir.
  • 18.  É importante ressaltar o trabalho específico de socorro aos Espíritos sofredores, no exercício do qual médiums prestimosos doam os seus recursos mediúnicos em auxílio de Espíritos em nível evolutivo inferior. Não se trata aí do intercâmbio com Espíritos simpáticos ao médium, mas tarefa de sacrifício por amor, supervisionada pelos Orientadores Espirituais.
  • 19.  Definição de Orixá ( Candomblé/Umbanda )  Ori = Coroa Xá = Luz  A palavra Orixá quer dizer “Coroa Iluminada” Aspectos Sócio-Culturais da Mediunidade – Orixás, Caboclos e Pretos Velhos
  • 20.  Referências  Livro dos Espíritos  Livro dos Médiuns  A Gênese  Wikipedia  Sites Diversos

Notas do Editor

  1. Fonte do Gráfico – Wikipedia – Última atualização em 2011 – Reencarnacionistas são menos de 35%
  2. . Ausência de orientação/Desorientação, quando o médium iniciante acha que pode resolver sozinho suas dificuldades equando se apavora, entra em pânico e, em vez de procurar examinar a situação com serenidade, atira-se a uma atividade desordenada. . Orientação inadequada, quando a pessoa chamada a opinar não está suficientemente qualificada e agrava a situação com sugestões desastrosas. . Orientação correta, quando o médium teve a sorte de encontrar uma pessoa que o oriente quanto aos estudos e a necessidade de integrar-se a um grupo e desenvolver a sua tarefa.
  3. Quanto a utilizacao do livre arbitrio x mediunidade, mencionar o livro Os Mensageiros. Neste livro ha o depoimento de Espíritos que tinham a missao da mediunidade na Terra e falharam.
  4. Preto Velho Representa os escravos africanos do Brasil colonial que superaram os sofrimentos e, desencarnados, orientam os seres humanos na Terra. Quando incorporado, tem fala mansa, anda curvado e quase sempre fica sentado num banquinho para abençoar os filhos. É respeitado por sua humildade e sabedoria. Atuam no Corpo Mental – harmonizam os pensamentos, incrementam a esperança, a fé, a humildade – alteram o tônus vital. Caboclo A força, o desprendimento e o espírito guerreiro são considerados seus melhores atributos. Ele representa os índios nativos brasileiros e também os mestiços de índios e brancos. Geralmente alegre, expressa sua cultura por meio de gritos de guerra, cânticos e danças. Atuam no organismo físico, energizando, harmonizando, livrando de bactérias ou vírus causadores de doenças – os quais nós trazemos das zonas inferiores,  em forma de larvas astrais, nos momentos de desarmonia mental.