9ª aula da influencia moral do médium - coem

3.958 visualizações

Publicada em

Influencia moral do médium, irradiação.

Publicada em: Espiritual

9ª aula da influencia moral do médium - coem

  1. 1. DA INFLUÊNCIA MORAL DO MÉDIUM C O E M – 9ª AULA TEÓRICA
  2. 2. • Sendo a mediunidade uma faculdade natural da criatura humana e, sendo através dela que se estabelece a comunicação do MUNDO CORPORAL com o MUNDO ESPIRITUAL, será interessante perguntarmos o seguinte: • a) qual a relação entre a mediunidade e o grau de elevação moral de quem a possui? • b) por que não constitui a faculdade mediúnica privilégio das pessoas de bem? • Para bem responder a tais perguntas, será necessário distinguir aspectos diversos da questão, analisando, em cada um deles, a relação proposta: mediunidade/moral do médium.
  3. 3. • 1º) Presença da faculdade mediúnica - Vimos, anteriormente, que a faculdade mediúnica tem raízes no organismo. Certas organizações corporais apresentam condições favoráveis ao surgimento dessa faculdade, pela oportunidade que oferecem ao espírito encarnado de liberar-se com maior facilidade e adquirir percepções que em estado normal se acham embotadas pelo corpo físico. A faculdade mediúnica é, pois, espontânea e própria de certos organismos, não dependendo das qualidades morais do indivíduo que a possui. • 2º) Mediunidade em ação - Examinemos agora qual a relação entre a moral do médium e o desenvolvimento da mediunidade. Veremos que, assim como a presença da faculdade, o funcionamento desta independe das qualidades morais de quem a possui. De fato, a mediunidade existe e se manifesta entre "bons" e "maus". Devemos considerá-la, mesmo, como meio de elevação. Há pessoas que a possuem porque dela precisam mais do que outras, justamente para se melhorarem, pois Deus multiplica oportunidades de evolução, inclusive aos que erraram. Há pessoas de bem que não possuem a faculdade mediúnica, mas dispõem de argúcia dos sentidos. São benefícios concedidos, que devem ser valorizados e bem utilizados, pois existem os que são privados deles.
  4. 4. • 3º) Uso da mediunidade - Se o funcionamento da mediunidade independe das qualidades morais do médium , o mesmo não ocorre com a aplicação ou uso da mediunidade. Um médium poderá usá-la para o bem ou para o mal, de acordo com o seu discernimento, ligado, este, ao seu grau de elevação moral. • 4º) Relação com os Espíritos - Lei das Comunicações - Conforme ensina a Doutrina, são muito importantes as qualidades morais do médium, no estabelecimento da relação com os Espíritos que se comunicam. • "Se o médium, do ponto de vista do exercício, não passa de um instrumento, exerce, todavia, influência muito grande sob o aspecto moral... . Uma vez que, para se comunicar, o Espírito desencarnado se identifica com o espírito do médium, esta identificação não se pode verificar senão havendo, entre um e outro, simpatia e, se assim é lícito dizer-se, afinidade. A alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de atração, ou de repulsão, conforme o grau de semelhança existente entre eles. Ora, os bons têm afinidade com os bons e os maus, com os maus. Se o médium é vicioso, em torno dele se vêm grupar os Espíritos inferiores, sempre prontos a tomar o lugar dos bons Espíritos.. . Todas as imperfeições morais são outras tantas portas abertas ao acesso dos Espíritos inferiores. A que, porém, eles exploram com mais habilidade é o orgulho."
  5. 5. FINALIDADES DA MEDIUNIDADE • Entendidas, pois, as relações mais imediatas da mediunidade com o grau de elevação moral do médium, consideremos, ainda, as finalidades principais dessa faculdade, segundo a Doutrina Espírita. São elas: • 1ª) Dar aos homens conhecimentos; • 2ª) Promover a melhora espiritual do médium e dos espíritos. O Livro dos Médiuns - Cap. XX, item 226 • Para que possa ser veículo de conhecimentos úteis e verdadeiros, o médium deverá estar em condições adequadas para isso. O conhecimento das verdades espirituais está relacionado com a maturidade espiritual - ninguém conhece alguma coisa se não estiver amadurecido para entendê-la. • O conhecimento das leis superiores da vida pode vir pelas vias da Revelação, como aconteceu com Moisés, Jesus, e, nos tempos modernos, através da mediunidade. • Para que o homem assimile tal conheci-mento, faz-se mister uma receptividade de ordem espiritual, mais rela-cionada com as qualidades morais conquistadas - é o desenvolvimento do senso moral.
  6. 6. • Jesus referiu-se às condições para a apreensão das verdades, ao afirmar: "Graças te dou, Meu Pai, por revelares estas coisas aos simples e humildes e tê-las ocultado aos doutos e prudentes". • E, noutra ocasião, ao dizer: "Tenho muitas coisas a vos dizer, mas não as podeis suportar agora. Mais tarde enviar-vos-ei o Espírito Consolador". • Dessa forma, para empregar adequadamente sua mediunidade, um médium deve esforçar-se por ser bom e desenvolver suas qualidades morais, atraindo, assim, Espíritos de natureza elevada. • Quanto à segunda finalidade - a de promover a melhora espiritual do médium - encontramos comentário no início desta aula. • Como corolário, pois, das próprias finalidades da mediunidade, o exercício mediúnico implica na exigência da prática do bem. Isto significa que os médiuns que usarem indevidamente a faculdade de que são portadores sofrerão as inevitáveis conseqüências.
  7. 7. CARACTERES DOS MÉDIUNS BONS • Consideremos aqui os médiuns bons, porque médiuns perfeitos não existem na Terra, uma vez que a perfeição não é apanágio deste planeta. • "Médium perfeito seria aquele contra o qual os Espíritos inferiores jamais ousassem uma tentativa de enganá-lo." Os médiuns bons, que também são raros, são os que, "simpatizando somente com os bons Espíritos, têm sido os menos enganados." Estes, às vezes, podem ser enganados e os Espíritos bons o permitem "para lhes exercitar a ponderação e para lhes ensinar a discernir o verdadeiro do falso"; para lhes servir de lição e mostrar-lhes que não são tão perfeitos que não possam ser atacados em seus pontos fracos; para que não se orgulhem e não se considerem infalíveis. • São dotados de sensibilidade mediúnica bastante acentuada, suscetíveis de fácil sintonia com os Espíritos. Transmitem a mensagem com fidelidade e autenticidade. • Os médiuns bons consideram a faculdade como instrumento do bem, não a apresentam como demonstração de seus próprios méritos.
  8. 8. CARACTERES DOS MÉDIUNS IMPERFEITOS • São orgulhosos e egoístas. O orgulho e o egoísmo são as duas imperfeições morais mais exploradas pelos Espíritos inferiores. O orgulho dos médiuns é facilmente reconhecível e torna suas comunicações suspeitas quanto à veracidade. • Têm confiança cega nas comunicações que recebem. Tratam com desdém tudo o que não venha por eles; julgam ter o privilégio da verdade. • Consideram infalíveis os Espíritos que os assistem. O prestígio dos grandes nomes, com que se adornam os Espíritos tidos por seus protetores, os deslumbra e desprezam tudo o que não venha deles. • Duvidar desses Espíritos é, para eles, quase uma profanação. Por se afastarem daqueles que lhes poderiam abrir os olhos, refugiam-se no insulamento criado por esses próprios Espíritos, que não querem contraditores e se comprazem em lhes conservar as ilusões; consideram coisas sublimes os maiores absurdos. • São vítimas fáceis do elogio. Muitas vezes, o orgulho é estimulado nos médiuns pelos que os cercam. Se têm faculdade um pouco destacada, são procurados e elogiados e passam à vaidade, a se julgarem indispensáveis. • Lembremos André Luís: "O elogio é sempre dispensável." • Em síntese, o que caracteriza os médiuns imperfeitos é o seguinte: confiança absoluta na superioridade do que obtêm; irrefletida importância dada aos grandes nomes; recusa de todo conselho; suspeição sobre qualquer crítica; afastamento dos que podem emitir opiniões desinteressadas e proveitosas.
  9. 9. CONSEQÜÊNCIAS DO MAU USO DA MEDIUNIDADE • O médium que emprega mal a sua faculdade está se candidatando: • a) a ser veículo de comunicações falsas e vítima dos Espíritos inferiores; • b) à perturbação, de conseqüências desastrosas; • c) à perda ou suspensão de mediunidade.
  10. 10. IRRADIAÇÃO TÉCNICA A SER SEGUIDA C O E M – 9ª AULA PRÁTICA
  11. 11. • Em primeiro lugar devemos lembrar que os fluídos ou forças magnéticas psíquicas e espirituais, também se submetem à lei das proporções, isto é, não é pelo fato de alguém pedir excessivamente em favor de muitos, que conseguirá o seu desiderato, o seu fim. • Cada um de nós movimenta uma certa quantidade dessas forças que podem ser juntadas com as do mundo espiritual, proporcionalmente sendo, então, carreadas para o seu objetivo. • Em segundo lugar, devemos focalizar o nosso pensamento, restringindo-o a uma certa área, pessoa ou grupo de pessoas, para que ele seja o sustentáculo dessa mesma força. • Isto quer dizer que a nossa irradiação deve focalizar alguém, alguns, ou uma situação determinada. • No caso de pedidos feitos genericamente em favor de todos os necessitados, o potencial movimentado é aplicado de acordo com o critério que o mundo espiritual achar conveniente. • Lembrar também que não há multiplicação de forças motivada por um nosso pedido, mas sim, que a nossa quota proporcionada se soma com outras com o mesmo objetivo e podem, juntas, auxiliar o objeto de nossa irradiação. • A pessoa que irradia deve, inicialmente, concentrar-se; orar em seguida e depois, pela vontade, focalizar o objeto de sua irradiação e transmitir aquilo que deseja: paz, conforto, coragem, saúde, equilíbrio, paciência, etc...
  12. 12. • BIBLIOGRAFIA: • EMMANUEL • Palavras da Vida Eterna, Cap. 31 • ALLAN KARDEC - O Livro dos Médiuns - 2ª parte - Cap. XX.

×