Perigos e inconvenientes da
Mediunidade

11ª Aula - COEM
1-Preconceito e realidade:
Após receber variados ataques ( de fraudes às
manifestações demoníacas), surgem novos
opositore...
Em todas as coisas que se façam ou se
experimentem, é preciso que se tenha
precaução.
Exemplo: Ninguém entraria em um labo...
No início do Movimento Espírita, observadores
superficiais, constatando o grande número
de pessoas desequilibradas, levant...
Acredita-se que, o exercício
prolongado da mediunidade cause
cansaço sobre o médium, e isto
possa ser um motivo de contra
...
2- Precauções: conhecimento e aperfeiçoamento moral As
dificuldades experimentais mediúnicas estão na razão
direta do desc...
Todo o cuidado que tomarmos, visando ao conhecimento e ao
aperfeiçoamento moral, será o cumprimento dos nossos
deveres per...
Segundo a Lei da sintonia vibratória, que ajuda na ligação
entre duas pessoas, criando a simpatia ou a antipatia,
estamos ...
É destino do homem desenvolver
suas forças, edificar ele próprio sua
inteligência e sua consciência.

Não resolverá apenas...
3- Mediunidade e loucura:
A mediunidade poderia produzir LOUCURA?
“Não mais do que outra coisa, quando a fraqueza do
céreb...
“Deve-se afastar da prática mediúnica as
pessoas que apresentem os menores
sinais de excentricidade nas idéias ou
de enfra...
O que se observa na prática é a existência de
muitos casos que são rotulados como
doença mental segundo os padrões
científ...
4- Crianças e jovens:
Outro perigo e inconveniente da
mediunidade é estimulá-la em crianças
e jovens. Embora boa parte do ...
É inconveniente desenvolver a
faculdade mediúnica nas crianças?
“Certamente. Sustento que é muito
perigoso. Porque esses o...
Bibliografia Essencial:
Allan Kardec – O Livro dos Médiuns –
2ª parte – cap. XVIII
Bibliografia Suplementar:
Leon Denis – ...
• MANIFESTAÇÃO NATURAL DA ALMA ELEVADA
• IRRADIAÇÃO - BASE DO FENÔMENO

C O E M – 6ª - 7ª AULA PRÁTICA
MANIFESTAÇÃO NATURAL DA ALMA ELEVADA
• Vimos que a prece tem vários tipos e pode ser utilizada conforme as
necessidades e ...
IRRADIAÇÃO - BASE DO FENÔMENO
•

•

•
•
•
•
•
•
•

Vivemos, todos nós, os encarnados e os desencarnados, em um meio comum ...
• O Fluído Universal, ao ser absorvido por um destes centros
de força, é metabolizado em fluído vital e canalizado para
to...
Bibliografia:
•
•
•
•

André Luiz - Evolução em Dois Mundos, Cap. II
Emmanuel - Fonte Viva, Cap. 150
LEITURA:
Emmanuel, ps...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem

3.367 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem

  1. 1. Perigos e inconvenientes da Mediunidade 11ª Aula - COEM
  2. 2. 1-Preconceito e realidade: Após receber variados ataques ( de fraudes às manifestações demoníacas), surgem novos opositores que não discutem quanto à existência do fenômeno espírita, mas, achando que a prática da mediunidade para quem a pratica, poderá levar a caminhos perigosos. Sabemos que, quem pratica a mediunidade com imprudência: sem estudo, sem preparo, sem método nem proteção eficaz, usando da prática para diversão, passatempo; atrairá para si elementos inferiores do mundo invisível, sofrendo influências negativas.
  3. 3. Em todas as coisas que se façam ou se experimentem, é preciso que se tenha precaução. Exemplo: Ninguém entraria em um laboratório para manipular substâncias desconhecidas, sem ter o mínimo de conhecimento sobre química, a menos que quisesse colocar em risco sua segurança, sua saúde. Não existe nada no mundo, conforme o uso que se faça, que não pode ser considerado bom ou mau.
  4. 4. No início do Movimento Espírita, observadores superficiais, constatando o grande número de pessoas desequilibradas, levantaram a questão da mediunidade ser um estado patológico, ou seja, de doença da mente do médium. Ao que os espíritos sendo questionados, responderam: “A faculdade mediúnica é um estado às vezes anormal, mas não patológico. Há médiuns de saúde vigorosa. Os doentes o são por outros motivos.” (L.M. 2ª parte – CAP.XVIII)
  5. 5. Acredita-se que, o exercício prolongado da mediunidade cause cansaço sobre o médium, e isto possa ser um motivo de contra indicar o seu uso. Porém, o uso de qualquer faculdade por tempo prolongado causa o cansaço . Este cansaço, será do corpo, dos órgãos do instrumento intermediário e nunca do espírito, que se fortalecerá de acordo com a natureza de trabalho que efetua.
  6. 6. 2- Precauções: conhecimento e aperfeiçoamento moral As dificuldades experimentais mediúnicas estão na razão direta do desconhecimento das leis psíquicas que regem os fenômenos, deixando o homem na ignorância ou estimulando a criação de crendices e absurdos, que procura se agarrar. “Em tais condições poderá acontecer diversas ciladas, muito mais aos médiuns do que aos observadores. O médium é um ser sensível, impressionável; tem necessidade de sentir-se envolto em uma atmosfera de calma, paz, benevolência, que só a presença dos Espíritos adiantados pode criar.”
  7. 7. Todo o cuidado que tomarmos, visando ao conhecimento e ao aperfeiçoamento moral, será o cumprimento dos nossos deveres perante a mediunidade. “É necessário adotar precauções na prática da mediunidade. As vias de comunicação que o Espiritismo facilita, entre o mundo material e o espiritual, podem servir de invasão às almas perversas que flutuam em nossa atmosfera, se não soubermos opor resistência vigilante e firme.”
  8. 8. Segundo a Lei da sintonia vibratória, que ajuda na ligação entre duas pessoas, criando a simpatia ou a antipatia, estamos constantemente rodeados de entidades, atraídas pelo nosso “hálito mental”. Assim, aos maus se ligarão os maus, aos bons os bons. Espíritos elevados nos preservam de abusos e perigos, mediante seus conselhos. Mas, sua proteção será ineficaz, se não nos esforçarmos por nos melhorar.
  9. 9. É destino do homem desenvolver suas forças, edificar ele próprio sua inteligência e sua consciência. Não resolverá apenas os mentores nos defender, é preciso que saibamos conservar elevação de propósitos, pensamentos, idéias e ações.
  10. 10. 3- Mediunidade e loucura: A mediunidade poderia produzir LOUCURA? “Não mais do que outra coisa, quando a fraqueza do cérebro não oferecer predisposição para isso. A mediunidade não produzirá a loucura, se a loucura já não existir em germe, se o seu princípio já existe, o que facilmente se conhece pelas condições psíquicas e mentais da pessoa, o bom senso nos diz que devemos ter todos os cuidados necessários, pois nesse caso, qualquer abalo será prejudicial.” A.K.- L.M. 2ª parte- Cap.XVIII
  11. 11. “Deve-se afastar da prática mediúnica as pessoas que apresentem os menores sinais de excentricidade nas idéias ou de enfraquecimento das faculdades mentais, porque são evidentemente predispostos à loucura, que qualquer motivo de superexcitação pode desenvolver.” Nem todos os que apresentam sintomas de desequilíbrio psíquico devem ser encarados como médiuns em potencial, ao contrário, como pessoas pressionáveis e fracas, a fim de evitar consequências desagradáveis.
  12. 12. O que se observa na prática é a existência de muitos casos que são rotulados como doença mental segundo os padrões científicos, e que nada mais são do que simples perturbação espiritual, que tratando convenientemente, cede por completo. Casos de obsessões gravíssimas, que somente o tratamento paciente e adequado pode resolver. Sempre que houver suspeita de desequilíbrio, é importante agir com cautela, procurando o auxílio conveniente, tanto clínico como espiritual.
  13. 13. 4- Crianças e jovens: Outro perigo e inconveniente da mediunidade é estimulá-la em crianças e jovens. Embora boa parte do material que serviu para fundamentar a doutrina Esp. tenha vindo por mãos de jovens, despreparadas intelectualmente para desempenhar papel ativo nas comunicações, os fenômenos tinham caráter eminentemente espontâneo. Só se deve cercar de cuidados especiais as crianças que manifestarem espontaneamente a faculdade, procurando por todos os meios evitar o incentivo ao desenvolvimento, buscando apenas, instruí-las e formar sua personalidade..
  14. 14. É inconveniente desenvolver a faculdade mediúnica nas crianças? “Certamente. Sustento que é muito perigoso. Porque esses organismos frágeis e delicados seriam muito abalados e sua imaginação infantil, superexcitada. Assim, os pais prudentes as afastarão dessas idéias ou pelo menos só lhes falarão no tocante às consequências morais.” A.K.-L.M. – 2ª parte –Cap.XVIII
  15. 15. Bibliografia Essencial: Allan Kardec – O Livro dos Médiuns – 2ª parte – cap. XVIII Bibliografia Suplementar: Leon Denis – No invisível 3ª parte – Cap.XXII Sugestão de leitura: http://www.ipepe.com.br/mentais.html Mediunidade e distúrbios mentais na visão de um médico espírita. Bezerra de Menezes, “A Loucura Sob Um Novo Prisma” e Manoel Philomeno, desenvolvendo as idéias de Bezerra, em “ Loucura e Obsessão”.
  16. 16. • MANIFESTAÇÃO NATURAL DA ALMA ELEVADA • IRRADIAÇÃO - BASE DO FENÔMENO C O E M – 6ª - 7ª AULA PRÁTICA
  17. 17. MANIFESTAÇÃO NATURAL DA ALMA ELEVADA • Vimos que a prece tem vários tipos e pode ser utilizada conforme as necessidades e objetivos, mas sempre será mais poderosa se partir de uma alma elevada, de um Espírito aperfeiçoado, de uma criatura de bons sentimentos. • Os Espíritos que por vontade própria, por esforço pessoal, já conseguiram se libertar das paixões animalizantes e dos interesses egoísticos da terra têm uma atividade, sejam encarnados ou desencarnados, que se assemelha a uma prece permanente. • Os Espíritos superiores cultivam a prece com naturalidade e eficiência extraordinária, enquanto que nós ainda temos que nos esforçar para que a nossa prece atinja o objetivo desejado. • Despojados da ignorância e da perturbação que o mal engendra em nós, aos poucos iremos descobrindo que pela prece conseguiremos muita coisa em nosso benefício espiritual e dos nossos semelhantes e acionaremos com naturalidade o mecanismo do auxílio que ela nos propicia. • Por depender fundamentalmente da sinceridade e da elevação com que é feita devemos encarar a prece como manifestação espontânea e pura da alma, e não apenas como um repetir formal de termos alinhados convencionalmente, de peditório interminável ou de fórmula mágica para afastar o sofrimento e o problema que nos atinge.
  18. 18. IRRADIAÇÃO - BASE DO FENÔMENO • • • • • • • • • Vivemos, todos nós, os encarnados e os desencarnados, em um meio comum formado de Fluido Universal. Mergulhados nos encontramos nessa "substância primitiva" que absorvemos automática e inconsciente-mente, por várias portas de entrada, destacandose no perispírito os centros de força vital, também chamados "chakras", esta uma expressão oriental. Vejamos estes centros de força vital, dos quais os mais importan-tes são em número de sete, citando suas funções básicas e respectivas relações com o corpo físico. 1) Centro Coronário: liga os planos espiritual e material; supõe-se que se relacione materialmente com a epífise. 2) Centro Cerebral: é o responsável pelo funcionamento dos centros superiores da inteligência e do sistema nervoso central; relaciona-se materialmente com os lobos frontais do cérebro, segundo André Luiz. 3) Centro Laríngeo: é o responsável pela respiração e pelos órgãos da fonação. Estaria relacionado materialmente com o plexo cervical. 4) Centro Cardíaco: é responsável pelo funcionamento do coração e do aparelho circulatório. 5) Centro Gástrico: responsável pelo funcionamento do aparelho digestivo; está relacionado materialmente com o plexo solar. 6) Centro Esplênico: responsável pelo funcionamento do baço, pela formação e reposição das defesas orgânicas através do sangue; relaciona-se materialmente com o plexo mesentérico e baço. 7) Centro Genésico ou Básico - responsável pelo funcionamento dos órgãos de reprodução e das emoções daí advindas; relaciona-se materialmente com os plexos sacro e hipogástrico.
  19. 19. • O Fluído Universal, ao ser absorvido por um destes centros de força, é metabolizado em fluído vital e canalizado para todo o organismo, com maior ou menor intensidade, de acordo com o estado emocional da criatura, irradiando-se posteriormente em seu derredor, formando o que poderíamos chamar de atmosfera fluídica. O termo aura, embora não errado, pode se prestar a confusões. • É fácil compreender que pela tonalidade de nossa atmosfera fluídica, pela sua extensão, pelo seu brilho e pela sensação que causa, seremos facilmente identificáveis. • No processo da irradiação, transmitimos aos outros, pelo mecanismo da nossa vontade, a carga de força vital de que dispomos para doar.
  20. 20. Bibliografia: • • • • André Luiz - Evolução em Dois Mundos, Cap. II Emmanuel - Fonte Viva, Cap. 150 LEITURA: Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier • PÃO NOSSO, Cap. 109 • CAMINHO, VERDADE E VIDA, Cap. 167 • FONTE VIVA, Cap. 150.

×